À Espera do Amado por Debby Jones & Jackie Kendall - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

index-1_1.jpg

À Espera do Amado

Debby Jones & Jackie Kendall

Editora Betânia

Título do original em inglês: Lady in Waiting

Copyright © 1995 by Debby Jones and Jackie Kendall

Publicado originalmente por Treasure House An Imprint of Destiny Image

Tradução de Nina Lúcia de Souza Jensen

Revisão de Lilian Barreto Veríssimo

Primeira edição, 1999

Todos os direitos reservados pela Editora Betânia S/C

Composto e impresso nas oficinas da Editora Betânia S/C

Capa: Kleber Faria e Marcelo Pereira da Silva

Foto da Capa: Stock Photos

Printed in Brazil

Digitalização: sssuca

para

Semeadores da Palavra

Prefácio

Será este apenas mais um livro para mulheres solteiras? Não! Cremos que

esta é uma obra singular porque enfatiza não o estado civil da mulher (solteira, casada, divorciada ou viúva), mas o coração. Queremos direcionar sua atenção àquele que entende seus anseios. Muitas mulheres crescem acreditando que a contínua inquietação interna que vivenciam se deve a uma necessidade de

encontrar seu "príncipe encantado". Acham que amar um homem, casar e ter filhos é o único meio de satisfazer seus anseios mais profundos. No entanto não há homem, mulher ou filho que possa preencher esse vazio. Esse papel pertence ao mais perfeito dos noivos, Jesus Cristo. Este livro ajuda-nos a nos

aproximarmos de Deus e, ao mesmo tempo, reconhece nossos desejos de ser

amadas e honradas por um companheiro.

À Espera do Amado não é um guia "ao homem ideal", mas uma orientação para que nos tornemos "mulheres perfeitas". Ele analisa as dez qualidades da mulher virtuosa descritas no livro de Rute. Essa análise não somente enriquecerá nosso relacionamento afetivo com o noivo celeste, como também nos guiará no dia-a-dia, guardará nos namoros, apoiará no casamento e confortará no caso de divórcio ou viuvez. Aprenda sobre essas características tão bem ilustradas na vida de Rute. Ela abandona-se a Cristo, vive diligentemente enquanto solteira, confia em Deus com fé inabalável, demonstra virtude na vida diária, ama a Deus devotadamente, mantém a pureza emocional e física, é segura, guarda

contentamento no coração, decide o que fazer de acordo com as próprias

convicções e espera pacientemente que Deus supra suas necessidades.

Quais são seus anseios? Emprego perfeito? Relacionamento ideal? Um lar? Carreira? Filhos? O que acontecerá se receber o que deseja? Será que ficará satisfeita e encontrará a alegria que espera? Não. Mesmo que seu desejo seja bom em si, a menos que você tenha um relacionamento íntimo com o Senhor Jesus Cristo, seu destino será desânimo e desilusão. Exploremos a vida de Rute e aprendamos o que significa ser uma mulher virtuosa, uma mulher à espera do amado.

1. Mulher de Entrega Plena

O grande dia chegou ao fim. Sua melhor amiga casou-se com um rapaz

maravilhoso. Você foi dama de honra.* Compartilhou com ela de sua alegria, mas agora luta contra a inveja. Enquanto o casal feliz parte para a lua-de-mel perfeita, você está sozinha em seu apartamento, mergulhada na inveja e na autopiedade, afogando a angústia em um pote de sorvete de chocolate.

Já passou por situação semelhante?

Alguma vez você já achou que o segredo da felicidade jaz em um

casamento? Já lhe passou pela cabeça a idéia de que as únicas mulheres

completas são as casadas? Você tem buscado satisfação em sua carreira

profissional, aguardando o momento em que venha a se casar? Se respondeu

"sim" a qualquer uma dessas perguntas, está acreditando em ilusões. Na contracapa do livro Learning to Be a Woman (Aprendendo a ser mulher), lemos a seguinte declaração sobre contentamento: "A mulher não nasce pronta. Nem se torna mulher quando se casa, tem filhos, cuida do lar ou entra para um

movimento de liberação feminina. Ela torna-se mulher quando vem a ser aquilo que Deus deseja que ela seja."1 Essa verdade de valor incalculável pode ajudar-nos a manter a perspectiva correta do verdadeiro contentamento. Muitas

mulheres cristãs acham que seus anseios só poderão ser preenchidos com

romance, casamento ou a maternidade. Contudo uma análise mais profunda

revela que o que precisam de fato é de um relacionamento íntimo com Jesus.

Gary Chapman disse certa vez:

"Estou convencido de que o casamento não é mais honroso do que o

celibato. Felizes são aqueles que, casados ou solteiros, descobriram que a felicidade não se encontra na união de um casal, mas em um relacionamento verdadeiro com Deus."

Para a mulher cristã, a vida abundante começa com a entrega do controle

de cada área de seu viver a Deus.

Uma professora universitária (esposa, mãe de sete filhos, cantora e

escritora) disse a um grupo de moças que, quando tinha oito anos, sua mãe lhe contara um segredo que a ajudara pelo resto da vida. A lição tão importante que aprendera era a seguinte:

"Ninguém, nem mesmo seu futuro marido, poderá fazê-la feliz — somente Jesus o pode."

Que ensinamento profundo. Esse segredo auxiliou-a a crescer seguindo a

Jesus de todo o coração.

Você continua achando que o "homem ideal" é a solução para seus problemas? Muitas assim acreditam. Já vimos até capas de revistas com os seguintes dizeres: "A mais nova estrela de Hollywood está vendendo mais discos do que Madonna e recebendo inúmeras ofertas de contratos cinematográficos. A

* Entre norte-americanos e ingleses, não há padrinhos de casamento. A noiva escolhe as damas ou acompanhantes entre suas melhores amigas, para fazerem parte na cerimônia de casamento, por isso a "dama de honra" não é uma criança, mas uma moça ou até uma senhora, amiga da noiva. (N. da R.)

única coisa que lhe falta é o homem perfeito." Assim é a ideologia da nossa sociedade! Como podemos transformar nossa mente e superar esse estereótipo?

Aprenda a ser uma exceção com o "segredo do vaso de alabastro".

O Segredo do Vaso de Alabastro

Nos tempos bíblicos, quando uma moça se aproximava da idade de se

casar, sua família comprava um vaso de alabastro e depositava nele óleos preciosos. O tamanho do vaso e o valor do óleo dependia das condições

financeiras da família. Ele era parte de seu dote. Quando um jovem vinha pedir-lhe a mão em casamento, a moça tomava o vaso e quebrava-o a seus pés. Essa unção dos pés do noivo era uma demonstração de honra.

Certo dia, Jesus estava ceando na casa de Simão, o leproso, quando uma

mulher aproximou-se e, quebrando seu vaso de alabastro, derramou o óleo

precioso sobre a cabeça dele (Mc 14:3-9). O texto do livro de Lucas que relata o mesmo episódio descreve a mulher como uma pecadora da cidade (7:37). Ela considerou Cristo merecedor de tal sacrifício e honra. E ele elogiou seu gesto em Mateus 26:13 (veja também Marcos 14:9). A atitude daquela moça foi de grande importância, não apenas pelo fato de haver preparado Jesus para o

sepultamento, mas também porque o elegeu seu noivo celestial. Sim, ela era uma pecadora (de acordo com Romanos 3:23, todos somos), mas tinha sonhos. Ela agiu com sabedoria ao quebrar o vaso diante do único que pode tornar realidade os sonhos de uma mulher.

Qual o conteúdo do seu vaso de alabastro? Fantasias que tiveram início

na infância, quando ouvia contos de fadas sobre casais que viveram felizes para sempre? Você tem vivido agarrada ao seu vaso de alabastro, procurando freneti-camente alguém que seja merecedor de seu conteúdo? Tome-o agora e quebre-o aos pés de Jesus, pois ele é digno dessa honra.

Se agir dessa maneira diante de seu noivo celestial, fique certa de que, se for vontade de Deus, ele a suprirá com um noivo aqui na terra.

Como saber se nosso vaso de alabastro está quebrado aos pés de Jesus?

Essa certeza virá quando nos rendermos inteiramente ao senhorio de Cristo.

Assim, se ele entregar-nos uma incumbência difícil, como outro mês sem um namorado, aceitaremos seus desígnios sem ressentimento. Nossa atitude será semelhante à de Maria diante do anjo, quando ela, ainda solteira, recebeu ordens de executar uma tarefa penosa. Disse Maria: "... Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra..." (Lc 1:38) Tome seu vaso de alabastro, com seu corpo, sua alma e seus sonhos, e confie-o a Jesus. Tendo-o como Senhor, você poderá andar com alegria pelo caminho que ele traçar.

A Entrega Plena de Rute

O livro de Rute relata a história de uma jovem viúva que tomou a difícil decisão de dar as costas a seu povo, seu país e seus deuses porque sua alma sedenta havia provado da glória do Deus de Israel. Ela quebrou o vaso de alabastro de bom grado e decidiu seguir o Senhor para onde quer que a condu-zisse.

"Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus." (Rt 1:16) Ao analisarmos três das áreas da vida de Rute que foram influenciadas

por sua entrega total a Deus, pensemos sobre o preço que teríamos de pagar para assumir o mesmo tipo de compromisso com ele. Você já quebrou seu precioso vaso de alabastro?

Novos Amigos

Quando Rute disse a Noemi "o teu povo é o meu povo", revelou

compreender que não se aproximaria do Deus de Israel se permanecesse no meio dos moabitas (seu próprio povo). Deus, de maneira irônica, chamou os moabitas de sua bacia de lavar (veja Salmos 60:8 e 108:9). A bacia é um objeto que utilizamos para lavar algo sujo. Rute decidiu deixar para trás a bacia e ir para a

"casa de pão", Belém.2

Mesmo hoje existem "moabitas" que inibem nosso crescimento pessoal.

São indivíduos com os quais não devemos despender muito tempo. Há crentes medíocres que não aceitam bem o zelo, o trabalho e a dedicação das mulheres solteiras em seu meio. Certos amigos podem contribuir para nossa aproximação de Deus ou podem afastar-nos dele. Cientes disso, muitas vezes temos de

encontrar um "novo povo", ou seja, pessoas que influenciarão positivamente nosso crescimento espiritual. "Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau." (Pv 13:20)

Muitas vezes o compromisso sincero produz o afastamento de pessoas que

considerávamos "amigos leais". Isso não deve nos assustar; afinal, não acontece só conosco. Quando a mulher quebrou o vaso de alabastro e despejou o conteúdo aos pés de Jesus, os discípulos não aplaudiram seu gesto de louvor a Deus. Pelo contrário, disseram indignados: "... Para que este desperdício?" (Mt 26:8) Irritaram-se porque ela parecia estar desperdiçando óleos finos. Entretanto as hostes celestiais regozijaram-se com a honra que ela demonstrara a Jesus. O

gesto dela fora uma evidência de sua entrega completa a ele. O que é que temos deixado transparecer em nosso viver diário?

Não estamos sugerindo que você deva distanciar-se de todos aqueles que

não quebraram seu vaso de alabastro aos pés do Mestre. Contudo considere a influência que sua melhor amiga tem sobre seu comprometimento com o senhorio de Jesus Cristo. Procure não passar muito de seu tempo livre na companhia de pessoas que não compartilham de seu entusiasmo pelo Senhor. Tais

relacionamentos poderão afetar sua vida cristã. Se um incrédulo ou um crente

"morno" exercer maior influência sobre nós do que nós sobre ele, acabaremos tendo problemas. Nossa vida é um reflexo daqueles que a influenciam. Quando paramos de crescer espiritualmente, muitas vezes essa falta de progresso está relacionada a uma amizade que prejudicou nosso compromisso com Jesus.

Tome alguns momentos para avaliar o nível espiritual da amiga que mais

lhe influencia. Ela tem feito um esforço diário para tornar-se aquilo que Jesus deseja dela? Se for assim, você também se sentirá desafiada a crescer. Por outro lado, se ela for apática, seus sentimentos a contagiarão. "Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes." (1 Co 15:33) Alguma de suas amizades levou sua vida espiritual ao estado de coma?

Talvez você, como Rute, precise distanciar-se daqueles que, em se

tratando da vida espiritual, estão mais para "bacia de lavar" do que para "casa de pão". As mulheres que exercem mais influência sobre você devem ser aquelas que vivem de acordo com Hebreus 10:24: "Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras." Suas melhores amigas devem ser aquelas que estimulam seu compromisso com Jesus.

Novo Ambiente

Rute teve de mudar-se para receber alimento espiritual. Se-

melhantemente, algumas mulheres solteiras precisam de uma mudança porque não encontram em seus relacionamentos o alimento espiritual de que necessitam.

Há aquelas que trocam de emprego e até mesmo de igreja para continuar a

crescer. Esteja disposta a fazer o mesmo em prol de seu progresso espiritual.

Como Rute, procure acercar-se de tudo que estimule seu crescimento no Senhor.

Certa jovem teve de decidir entre participar de um campeonato de vôlei ou fazer parte de um grupo de discipulado. Sabia que não havia nada errado em praticar aquele esporte. Entretanto, quando comparou-o à oportunidade de crescer no Senhor, percebeu que muitas vezes aquilo que aparenta ser bom pode acabar prejudicando-nos. Por causa do seu compromisso com o Senhor, valorizou mais o progresso espiritual do que jogos de vôlei, e sua atitude rendeu-lhe frutos eternos. O discipulado preparou-a para realizar um trabalho missionário durante alguns meses nas Filipinas. Por outro lado, pode ser que Deus convide uma outra moça para passar as férias evangelizando por meio do vôlei. O mais importante é que ouçamos a orientação dele e ajamos de acordo com ela.

Rute mudou-se de uma sociedade hedonista para ingressar em uma que

buscava agradar o Deus do universo, e não os deuses sensuais da carne. A sociedade atual oferece a pessoas solteiras inúmeras opções de distração, como

"clubes dos solteiros", "festas para solteiros", "clube de encontros", etc, criadas com o propósito de facilitar o período de "espera". A mulher cujo principal compromisso seja com o Senhor deve estar disposta a encarar os desafios

inevitáveis que encontrará ao tentar servir a Deus em uma sociedade tão egoísta.

Certa ocasião uma moça sofreu perseguição, não por parte de incrédulos,

mas de irmãos crentes, porque preferiu passar as férias em um seminário, em vez de aproveitar o sol para divertir-se com os amigos. Eles a acusaram de

considerar-se melhor do que os outros. Infelizmente, a cultura secular infiltrou-se na igreja de tal forma que nossas jovens precisam lutar não apenas contra a sociedade, mas também contra a subcultura cristã, que tem manchado o corpo de Cristo.

Quando nos entregamos integralmente a Deus, percebemos o quanto

nossa cultura afeta nosso comportamento. Muitas mulheres gostariam de ser semelhantes a Cristo, mas seu estilo de vida é um reflexo do que lêem em revistas seculares dedicadas ao público feminino. A. W. Tozer disse que uma nova geração inteira de crentes foi criada acreditando que é possível "aceitar" a Cristo sem

"rejeitar" o mundo.3 Rute precisou repelir seus costumes e seu povo para receber o melhor de Deus para sua vida.

Nova Fé

Rute abandonou uma falsa religião e abraçou o único e verdadeiro

relacionamento eterno. Muitas mulheres participam dos cultos de uma igreja, mas nunca tiveram um envolvimento vital e dinâmico com Jesus. Sua vida

religiosa tem sido como a que vemos em Isaías 29:13: "... e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu."

Sua fé é um ritual morto; não uma relação viva de amor com Jesus. Procuremos utilizar parte do nosso tempo livre para aprofundar nosso relacionamento com Jesus Cristo.

Certa jovem expressou essa relação viva com Jesus da seguinte maneira:

"Desejava que meu relacionamento com o Senhor fosse uma aventura.

Queria ter prazer em agradá-lo, dedicando tanto do meu tempo e da minha

energia a ele quanto dedicaria a um namorado. A cada dia que passa meu amor por ele cresce."

Será que achamos mais fácil agradar a um namorado que ao Senhor

Jesus?

Os Frutos de Alto Preço

O preço que Rute pagou por sua escolha foi alto, mas os dividendos que

recebeu valeram a pena. Em Mateus 19:29, lemos: "E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe [ou mulher], ou filhos, ou campos, por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna." Rute decidiu abandonar seus costumes e sua parentela para começar uma nova vida. E a rentabilidade de cem vezes incluiu um marido temente a Deus, um filho que viria ser o avô do rei Davi e a inclusão de sua família na linhagem de Jesus Cristo. Ela abriu mão de tudo que lhe era querido, e Deus a recompensou em abundância.

Outro aspecto do alto preço que Rute pagou foi o período histórico em que viveu. Estava em vigor em Israel a era dos juízes, marcada pela ideologia do "faça como bem entender". "... cada um fazia o que achava mais reto." (Jz 21:25) Rute não apenas rompeu os laços com sua família e seu povo, mas também desafiou o estilo de vida que muitos dos israelitas adotavam. Ela desejava fazer a vontade de Deus; não a sua própria. Queria seguir o roteiro do Senhor; não suas próprias idéias. Almejava cumprir o que Deus lhe propunha; não seus próprios planos.

Sempre que uma moça solteira decide entregar-se inteiramente a Jesus,

como Rute o fez, descobre que está em desarmonia com a sociedade e, muitas vezes, até mesmo com seus amigos. As jovens de hoje precisam de ousadia para desafiar e romper com os padrões de conduta vigentes em nossa sociedade, a qual exalta a relação com um homem como a solução para todas as dificuldades.

Esse estilo de vida encobre a verdadeira resposta a todos os problemas, ou seja, um relacionamento profundo com Jesus Cristo. Certa Rute dos dias de hoje escreveu:

"Constantemente me deparo com crentes que questionam a satisfação que encontro em meu comprometimento com Jesus. Freqüentemente me tratam como uma mulher antiga e ultrapassada, cujo comportamento difere do padrão

estabelecido para a mulher moderna."

O Elo Perdido

Enquanto o "homem perfeito" não aparece, algumas moças buscam

realizar-se em uma carreira profissional. Entretanto, com o passar do tempo, acabam descobrindo que o sucesso no trabalho também não traz a realização que procuram. Não é numa profissão, nem no casamento, nem mesmo nos filhos que encontraremos satisfação. Deus sabe que só seremos completas quando

entendermos que apenas Jesus pode preencher o vazio que há em nós.

"Porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade. Também, nele, estais aperfeiçoados. Ele é o cabeça de todo principado e potestade." (Cl 2:9,10) Quando uma mulher solteira se entrega a uma carreira ou mesmo a um casamento, sem compreender que somente em Cristo será completa, acaba

desiludida e insatisfeita.

Sentir-se vazia não é resultado da ausência de um marido, mas da falta de Jesus. É no processo de entrega completa a Cristo que finalmente percebemos que nele está nossa plenitude. Quando dois jovens "incompletos" se casam, sua união não os completa. Seu casamento é apenas a junção de duas pessoas

"incompletas", tentando preencher o vazio uma da outra. Apenas quando compreenderem que sua plenitude encontra-se no relacionamento com Jesus é que poderão complementar-se reciprocamente. Não fomos criados para nos completarmos mutuamente, mas para nos complementarmos. Cabe a Jesus completar; à mulher, o privilégio de complementar. Uma esposa incompleta em Jesus será um peso para o marido, pois esperará que ele preencha o vazio que só Cristo pode preencher. Somente a jovem solteira que compreende a profundidade desse relacionamento com Jesus está preparada para ser uma companheira e ajudadora (um complemento). "Porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade. Também, nele, estais aperfeiçoados. Ele é o cabeça de todo principado e potestade." (Cl 2:9,10) Ainda se sente incompleta? Peça agora mesmo ao Senhor que dê início ao processo de revelar-lhe a real situação de sua plenitude nele. "Quanto a mim, bom é estar junto a Deus... (Sl 73:28) No livro Loneliness (Solidão), Elisabeth Elliot afirma: "O casamento ensina-nos que nem mesmo o relacionamento humano mais íntimo satisfaz os anseios mais profundos do coração. Só deixaremos de sentir-nos solitárias quando

"descansarmos nele".4 Elisabeth Elliot casou-se três vezes (enviuvou duas). Sabe, por experiência própria, que o casamento não completa ninguém — somente

Jesus o faz.

Satisfeita por um Noivo Celestial

Seu relacionamento com Jesus reflete uma entrega total a ele ou é apenas uma relação superficial, uma tentativa inconsistente de segui-lo? Você se contenta em oferecer a Cristo algo que não lhe custa nada? Você tem influenciado as pessoas ao seu redor a engajar-se em um compromisso radical com Jesus Cristo? Em Cantares, a Sulamita estava tão comprometida com seu amado que as demais mulheres queriam conhecê-lo. Estavam ansiosas para ir procurá-lo.

"Para onde foi o teu amado, ó mais formosa entre as mulheres? Que rumo tomou o teu amado? E o buscaremos contigo." (Ct 6:1) Quem era aquele que merecia entrega tão completa? Quando suas amigas observam seu compromisso com

Jesus, ficam desejosas de tê-lo como Senhor da vida delas também? Ou seu relacionamento com ele deixa tanto você quanto outras com desejo de ter algo melhor?

Certo dia uma das amigas de Jackie veio visitá-la com um sorriso de

orelha a orelha. Quando Jackie perguntou-lhe o motivo de tanta alegria, ela respondeu:

"Estou em lua-de-mel com Jesus."

Ela passara por um divórcio amargo (perdera até mesmo a custódia dos

filhos), mas no desespero encontrou aquele que oferece esperança eterna.

Quando se entregou a Jesus, recebendo-o como Senhor de sua vida, ele

preencheu o vazio deixado em seu coração pela perda do marido e dos filhos. Em Cristo, ela encontrou conforto, cura, direção e propósito. Você já experimentou um relacionamento dessa magnitude com Cristo? Não é fácil, mas o preço pago é insignificante diante dos benefícios, principalmente nos dias de hoje. Você é quem decide a profundidade de seu relacionamento com Deus. Ele não tem preferidos

— a escolha de entregar-se ou não é sua. A. W. Tozer faz uma afirmação brilhante em seu livro À Procura de Deus quando diz que é necessária muita determinação e coragem para libertarmo-nos dos laços de nossa sociedade e voltarmos a viver de acordo com os padrões bíblicos.5

Rute possuía esse tipo de determinação, e o Senhor honrou a fé que ela

demonstrou ao abandonar seu povo e seus costumes. Ela não permitiu que os amigos, nem sua terra, nem a fé morta de sua cultura a impedissem de buscar a Deus. Não deixou que a desculpa de um passado difícil fosse obstáculo para o alcance de um futuro de esperança, que começou com sua primeira e mais

importante decisão — a de entregar-se de corpo e alma a Jesus Cristo.

Você já tomou essa decisão ou resignou-se a ter com Cristo um

relacionamento medíocre? Amy Carmichael, uma das maiores missionárias

solteiras que já viveu, afirmou:

"Uma das coisas mais tristes de se ver é um crente nominal." 6

Decida-se agora mesmo a deixar a mediocridade para trás. Aceite o desafio de buscar a Jesus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento. Como mulher solteira, este é o momento perfeito para firmar um relacionamento profundo com Jesus e eliminar o cristianismo morto de sua vida.

O primeiro passo para tornar-se uma mulher à espera do amado é a rendição completa a Jesus. A força e a disciplina necessárias para nos tornarmos mulheres diligentes, de fé, virtude, devoção, pureza, segurança, contentamento, convicção e paciência revelam-se por meio de um relacionamento profundo com nosso noivo celestial. Se você encontra alguma dificuldade em qualquer uma das qualidades examinadas nos capítulos seguintes, talvez precise reavaliar seu compromisso com Jesus. Sua rendição é real e completa ou apenas decorativa?

Você se lembra de quando quebrou seu "vaso de alabastro" na presença de Jesus Cristo? A mulher à espera do amado conhece o odor agradável do perfume que emana de seu "vaso de alabastro". É o aroma irresistível da rendição completa ao Senhor Jesus.

E você? Parou de viver por causa de um trauma? Qual é seu motivo para

não servir a Jesus?

Serviço de Mesa Completo

Dentre as minhas amigas dos tempos da universidade, havia uma que

teve muitos namorados enquanto estudante. Todas nós achávamos que ela se casaria logo, mas isso não ocorreu. Dez anos após nossa formatura, Donna continuava solteira. Quando lhe perguntaram o que fazia para sentir-se tão realizada, mesmo sem se casar, ela respondeu sem hesitação:

"Um serviço de mesa completo."

Durante muitos anos, ela usara pratos de papel ou vidro barato para fazer suas refeições, embora possuísse um serviço de porcelana da China guardado no armário. Um dia, porém, o Senhor mostrou-lhe que não precisava ter um

"companheiro" para cercar de coisas belas sua vida particular. Assim, tirou do armário os pratos de porcelana e o faqueiro de prata. Passou a receber os amigos em grande estilo e a fazer as próprias refeições com sua melhor louça. (Num culto de quarta-feira, Donna assentara-se à frente das pessoas que um dia se tornari-am seu sogro e sua sogra. Entretanto eles ainda não se conheciam. A caminho de casa, o futuro sogro mencionou para a esposa que tinha a impressão de que um dia Donna seria sua nora. Estava absolutamente certo. Hoje, essa mulher

realizada compartilha diariamente sua porcelana chinesa e seus copos de cristal com o marido. Contudo não foi ele que a fez sentir-se tão realizada, e sim o serviço ao Senhor.)

Algumas mulheres param de viver e ficam à espera de um príncipe que

virá até elas cavalgando um cavalo branco. Não possuem louças finas nem

móveis bonitos. Não enfeitam sua casa e não fazem nada para torná-la

aconchegante. Investem apenas no necessário para a sobrevivência porque

esperam ficar ali

Entregando-se Completamente

1.

Na sua opinião, qual a diferença entre uma "entrega simbólica" e uma "entrega completa" a Jesus? Seu relacionamento com Cristo

envolve sacrifício pessoal ou apenas conveniência? (2 Sm 24:24)

2.

Você já quebrou seu "vaso de alabastro" aos pés de Jesus? (Veja Marcos 14:3-9 e Lucas 7:36-39) Receia fazê-lo? Por quê?

3.

Comparando-se com Rute, como seu relacionamento com Jesus

influencia suas amigas, o ambiente onde vive e sua fé? (Mt 19:29)

4.

Sua vida pública e particular evidencia claramente sua entrega

completa a Cristo? Fale mais a respeito.

5.

Leia Colossenses 2:10. O que significa para você ser perfeita em

Jesus? Em que aspectos se sente imperfeita? De que maneira isso

poderia mudar?

6.

Você já experimentou a plenitude derivada de um relacionamento

íntimo com seu noivo celestial? Pense sobre o seguinte: Você precisa

sentir-se completa em Jesus antes de dar início a um namoro ou de

aceitar casar-se com alguém.

7.

O que a afirmativa seguinte significa para você? "Qualquer mulher

que não entenda que sua plenitude está em Jesus está susceptível à

idolatria." (Essa idolatria é a dependência de um homem para torná-

la completa — é colocar alguém no lugar de Deus.) Considere este

versículo: "Bem-aventurados aqueles que sabem de sua necessidade

de Deus..." (Mt 5:3 - traduzido de uma versão em inglês [Phillips].) 2. Mulher Diligente

Enquanto se preparava para uma palestra que deveria proferir, ela

acordou os filhos, aprontou-os, preparou-lhes o desjejum e a merenda, colocou-os no carro e levou-os para a escola. A seguir, retornou para casa às pressas para arrumar o cabelo e maquiar-se. Finalmente, vestiu-se e ficou pronta para sair...

mas precisou ir ao banheiro. Quando lavava as mãos, notou que o vaso sanitário transbordara — e a água já molhava seus pés e suas meias. Tomou algumas

toalhas e fez uma pequena barragem. A seguir, secou os pés e jogou um pouco de perfume nas sandálias. Só então correu para o carro e partiu. Quando estava na metade do caminho, percebeu que deixara a Bíblia e suas anotações na cozinha.

Assim é a vida de Jackie Kendall. Esse corre-corre maluco é bastante

freqüente para ela. Da mesma forma, toda esposa e mãe precisa resolver

problemas diários reais do marido e dos filhos. As necessidades da família têm caráter prioritário. Com isso, seus desejos pessoais acabam ficando em segundo plano, independente da importância que possam ter. Mesmo para participar de um ministério simples, a mulher casada precisa de muito mais tempo do que uma solteira precisaria. Embora as solteiras possam desejar ter a vida "agitada"

de família, não devem desperdiçar o tempo simplesmente sonhando com isso, mas administrá-lo com diligência. Em sua condição atual, elas têm mais controle sobre seu tempo e suas escolhas do que terão quando se casarem. (Aquelas que criam os filhos sozinhas não se encaixam nessa categoria; suas responsabilidades são duas vezes maiores do que as da mulher casada.)

A melhor época para tirar o proveito máximo de cada oportunidade é

quando se está solteira. Cada crente deve fazer bom uso do tempo. "Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. Por esta razão, não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor." (Ef 5:15-17)

John Fischer escreveu o seguinte:

"Deus me chama para viver o presente. Deseja que utilize todo o

meu potencial como homem hoje, que seja grato pela minha condição

atual e que a aproveite da melhor maneira possível. Tenho a impressão

de que a pessoa solteira que está sempre sonhando em se casar

provavelmente se casará, descobrirá as reais implicações do casamento

e passará a sonhar com a vida que levava antes! Ela se perguntará:

'Por que não fiz melhor uso do tempo que tinha para o Senhor quando

minhas responsabilidades não eram tão numerosas? Por que não me

entreguei completamente a ele quando estava solteira?'" 7

Por causa das distrações e responsabilidades envolvidas no papel de

esposa e mãe, a mulher casada não tem a menor condição de dedicar-se ao

trabalho do Senhor como uma solteira o faria. Entretanto algumas solteiras afligem-se tanto com seu estado civil que tornam-se emocionalmente mais

distraídas do que uma esposa e mãe de quatro filhos.

Em vez de ficar em casa deprimida por estar passando mais um sábado

sem um namorado, abra os olhos para o tempo precioso que tem diante de si agora. Em vez de ficar chateada por estar sozinha, receba a atual condição como um presente de Deus — um pacote repleto de oportunidades para servi-lo,

limitadas apenas pela autopiedade e pela desobediência.

Sem Tempo a Perder

Ciente da promessa de Deus que assegura o sustento das viúvas, Noemi

enviou Rute a recolher trigo no campo de um resgatador. Rute estava disposta a trabalhar diligentemente no que fosse preciso. Não ficaria paralisada por não ter um marido. "Rute, a moabita, disse a Noemi: Deixa-me ir ao campo, e apanharei espigas atrás daquele que mo favorecer. Ela lhe disse: Vai, minha filha!" (Rt 2:2) Rute não se deixou amedrontar pelo fato de ser uma estrangeira e partiu para trabalhar no campo de um desconhecido. Ela acabara de chegar, mas não teve medo de enfrentar aquela situação totalmente nova. Inúmeras mulheres solteiras preferem ficar em casa a encarar sozinhas um mundo que não conhecem. Com essa atitude, não somente perdem a oportunidade de receber estímulo por parte de outros, como também de iniciar novos relacionamentos. Ficam atadas ao medo, sentindo-se vítimas das circunstâncias.

Se permitirmos que o medo de conhecer pessoas novas e enfrentar

desafios diferentes nos mantenha imobilizadas, poderemos acabar solitárias e aborrecidas com a vida. Ao mesmo tempo, estaremos perdendo a chance de

passar por experiências surpreendentes e enriquecedoras. Não deixe que seus receios a imobilizem. Dê um passo de fé e ofereça as mãos ao trabalho. Participe e veja o que está perdendo. Ouvimos o seguinte testemunho de uma pessoa

solteira:

"Servir ao Senhor traz uma alegria inexprimível."

Aqueles que nunca o serviram nunca experimentaram essa alegria; do

contrário, a liderança das igrejas não teria de implorar para que os membros participassem das atividades da comunidade. Se todos os solteiros nas igrejas percebessem a "posição estratégica" na qual se encontram, nunca faltariam pessoas para ajudar no ministério com crianças, adolescentes e jovens. A oferta de mão-de-obra seria tão grande que talvez até houvesse necessidade de dispensar alguns.

Livre Para Seguir

Você tem procurado servir ao Senhor nas suas horas livres ou tem

desperdiçado esse tempo tentando conquistar e "fisgar" o marido perfeito? Rute era viúva, mas não se ocupou em promover reuniões de autopiedade, onde todas as solteiras da região pudessem conversar sobre os infortúnios da vida sem um companheiro. Quando ela e Noemi voltaram para Belém, Rute não perdeu um

minuto sentindo pena de si mesma. Colocou mãos à obra. Em vez de sentir-se deprimida por causa das mudanças em sua vida, usou-as para seu próprio

benefício e usufruiu de cada dia da melhor maneira possível.

Rute conheceu o Deus de Israel após anos de escuridão, e ele aceitou o

trabalho dela de bom grado, mesmo sendo ela moabita. Ela entregou-se ao

serviço do Senhor, interligando seu trabalho a Deus como quem trança uma corda forte. Em Isaías 56:6 e 7, lemos que Deus recebe o trabalho "diligente" dos estrangeiros que se dispõem a servi-lo: "Aos estrangeiros que se chegam ao Senhor, para o servirem e para amarem o nome do Senhor... também os levarei ao meu santo monte..."

Você se achegou ao Senhor com determinação, trabalhando

diligentemente para ele? Ou será que seu relacionamento e serviço estão

perdendo o dinamismo porque continua solteira? Será que o ressentimento e a autopiedade estão arruinando o que outrora fora uma oferta de serviço de amor ao Senhor? Procure identificar as coisas e situações que a desviam do objetivo de remir o tempo livre. Elisabeth Elliot afirma:

"O que quer que embace a visão que Deus me concedeu para seu

trabalho, o que quer que distraia, engane ou tente outros a buscar algo

que não seja o Senhor Jesus deve ser eliminado." 8

Algumas mulheres interpretam a falta de um companheiro como um

tratamento da parte de Deus. Acreditam que ele está negando-lhes algo

importante para aperfeiçoá-las para um "propósito maior" — como se esta fosse uma cruz que tivessem de carregar! Nossa natureza egoísta leva-nos a atentar apenas para aquilo que não temos, em vez de considerar o que temos — tempo disponível — que pode ser usado tanto para benefício de outros como para nosso próprio. Você está esperando sua vida começar no dia em que subir ao altar?

Assentada em um restaurante, uma loira muito bonita contava sua

história à amiga, que a ouvia atônita. Era uma mulher atraente que se afastara de Jesus ao passar por uma crise pessoal. Após alguns anos de casada, estava tentando engravidar quando soube que sua melhor amiga solteira engravidara.

Que ironia! E a situação ficou ainda pior quando ela descobriu que o pai do filho da amiga era seu próprio marido. Imagine a dor que ela sentiu! Você já passou por tamanha tragédia? A ouvinte pedia a Deus que lhe concedesse sabedoria para saber o que dizer. Jesus falou-lhe ao coração que não havia trauma com o qual não pudesse lidar. "Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito oprimido." (Sl 34:18) Aquela mulher sofrida deixara de viver após um amargo divórcio. É compreensível que agisse assim. Contudo naquele dia ela decidiu levar o coração, bem como o vazio e a solidão que sentia, a Jesus.

Em troca, ele ensinou-a a resistir à autopiedade e a fugir da amargura. Assim que tomou a decisão de entregar-se completamente a Jesus como seu Senhor, ficou livre para servi-lo. Então aquela mulher, outrora desiludida, transformou-se em uma serva fiel do Senhor. Acabou ingressando no trabalho missionário em Quito, Equador.

E você? Parou de viver por causa de um trauma? Qual é seu motivo para

não servir a Jesus?

Serviço de Mesa Completo

Dentre as minhas amigas dos tempos da universidade, havia uma que

teve muitos namorados enquanto estudante. Todas nós achávamos que ela se casaria logo, mas isso não ocorreu. Dez anos após nossa formatura, Donna continuava solteira. Quando lhe perguntaram o que fazia para sentir-se tão realizada, mesmo sem se casar, ela respondeu sem hesitação:

"Um serviço de mesa completo."

Durante muitos anos, ela usara pratos de papel ou vidro barato para fazer suas refeições, embora possuísse um serviço de porcelana da China guardado no armário. Um dia, porém, o Senhor mostrou-lhe que não precisava ter um

"companheiro" para cercar de coisas belas sua vida particular. Assim, tirou do armário os pratos de porcelana e o faqueiro de prata. Passou a receber os amigos em grande estilo e a fazer as próprias refeições com sua melhor louça. (Num culto de quarta-feira, Donna assentara-se à frente das pessoas que um dia se tornari-am seu sogro e sua sogra. Entretanto eles ainda não se conheciam. A caminho de casa, o futuro sogro mencionou para a esposa que tinha a impressão de que um dia Donna seria sua nora. Estava absolutamente certo. Hoje, essa mulher

realizada compartilha diariamente sua porcelana chinesa e seus copos de cristal com o marido. Contudo não foi ele que a fez sentir-se tão realizada, e sim o serviço ao Senhor.)

Algumas mulheres param de viver e ficam à espera de um príncipe que

virá até elas cavalgando um cavalo branco. Não possuem louças finas nem

móveis bonitos. Não enfeitam sua casa e não fazem nada para torná-la

aconchegante. Investem apenas no necessário para a sobrevivência porque

esperam ficar ali apenas temporariamente. A maneira como agem reflete a

mentalidade do "prato descartável". Não acreditam que podem viver integral e satisfatoriamente sem um companheiro. Acomodam-se a uma existência

medíocre. É como se negassem o que Jesus disse em João 10:10 (que veio para nos dar vida abundante). Você acha que apenas aqueles que se casaram têm o direito a uma vida abundante? Crê que a mulher que tem marido, filhos, uma casa bonita e apólices de seguro é mais feliz do que você pode ser? A vida só é abundante quando servimos ao Senhor diligentemente, quaisquer que sejam as circunstâncias.

Solteira de Causar Inveja...

A liberdade da vida de solteira é motivo de inveja. A mulher solteira possui algo que a casada deixa de ter no momento em que diz "aceito": tempo extra para Jesus. Muitas moças desperdiçam anos preciosos esperando que a vida comece depois do casamento. Normalmente só percebem o valor incalculável do tempo livre que possuem quando o perdem. Alguma vez você já deixou de participar de uma missão ou de um ministério porque receava que, se o fizesse, acabaria permanecendo solteira por mais tempo?

Uma moça que ouvira sobre as vantagens da vida de solteira escreveu

uma carta a Jackie, perguntando-lhe se deveria fazer doutorado ou não. (Sua condição de solteira vinha se prolongando mais do que ela esperava.) Jackie encorajou-a entusiasticamente a continuar a estudar. Seu estado civil era a qualificação perfeita para que fizesse doutorado; ela poderia dedicar-se aos estudos sem negligenciar um companheiro ou um filho. Não queremos dizer que uma

mulher casada não deva tentar realizar seus sonhos. Todavia tem de pagar um preço muito maior e, às vezes, os sonhos acabam tornando-se pesadelos!

Se você tem prazer em servir a Jesus, por favor, não desperdice o tempo

livre que tem. Não se considere incapaz de ajudar alguém. A preocupação consigo mesma lhe roubará a alegria de servir. Satanás, que possui métodos eficazes para impedir-nos de ser aquilo que Deus deseja que sejamos, tem por objetivo manter-nos ocupadas, sonhando com "o dia" em que poderemos dedicar-nos a um ministério. Quer impedir-nos de fazer um investimento duradouro. Muitas

mulheres acreditam nas mentiras do inimigo. Assim, acabam perdendo a

oportunidade de servir ao próximo e ministrar. Insatisfeitas e vazias, continuam afundando na areia movediça do sonho do "quem sabe ano que vem..."

Muitas aceitam esse engano de Satanás e pensam "coitada de mim". O

seguinte trecho da carta de uma amiga solteira desmascara essa mentira:

"Como sempre acontece, assim que parei de tentar descobrir o que

poderia ganhar e passei a investigar como poderia contribuir, a

situação começou a melhorar, a começar por minha atitude. À medida

que continuo a crescer e meu relacionamento pessoal com Deus se

fortalece, procuro descobrir onde e como posso servir o próximo."

Essa mulher irradia beleza. Aprendeu a usar o tempo extra para Jesus,

em vez de ficar em casa escrevendo poemas melancólicos.

Busca Incansável

Concentração e determinação são duas facetas diferentes da palavra

diligência. A mulher diligente incorpora ambas. Há um versículo que reflete bem sua atitude em relação ao ministério e ao serviço: "Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão." (1 Co 15:58) É assim que você tem trabalhado para Jesus? Vejamos como a diligência afeta cada aspecto do nosso serviço e ministério para o Senhor.

A Diligência e o Ministério do Ensino

Você vem há anos buscando a verdade com diligência? Tem procurado

ministrá-la a outros na mesma proporção em que tem recebido? Tem participado ativamente de estudos bíblicos, onde tem tido oportunidade às vezes até de ensinar? O hábito de ouvir a Palavra sem a praticar é quase tão perigoso quanto negligenciá-la. "A assimilação sem expressão pode levar à depressão." Você costuma ir ao culto, à escola dominical, aos estudos bíblicos, seminários e retiros, sempre recebendo, mas nunca dando? Aproveite este período de sua vida em que pode transmitir o que aprende sem muitos obstáculos. Talvez você já tenha até considerado a hipótese de liderar um grupo de discipulado. Deixe de hesitação! Mãos à obra!

Não há momento melhor do que o agora. Talvez você tenha pensado em

dirigir um estudo bíblico. Vá em frente. O futuro poderá trazer outros obstáculos que continuariam impedindo-a de por em prática suas idéias.

A Diligência e o Ministério de Incentivo

Quantas vezes por semana alguém compartilha com você alguma

necessidade, e seu desejo é responder com sabedoria e graça? Em Isaías 50:4, lemos: "O Senhor Deus me deu língua de eruditos, para que eu saiba dizer boa palavra ao cansado. Ele me desperta todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que eu ouça como os eruditos." Você tem dificuldade em despertar ao chamado de Deus? Levantar-se pela manhã e aprender a discipular abrirá a porta do ministério aos cansados, quer estejam no trabalho, na igreja ou no mercado.

Suas palavras trarão cura e estímulo: "A língua serena é árvore de vida, mas a perversa quebranta o espírito." (Pv 15:4) Seu preparo matinal lhe concederá o privilégio de tornar-se uma fonte das águas divinas em uma terra de sedentos.

A Diligência e o Ministério de Oração

Você tem uma parceira de oração? Ou costuma passar o tempo apenas

lamuriando-se? Caso não tenha alguém com quem orar, peça agora ao Senhor que lhe conceda esse presente. Uma companheira assim irá ajudá-la a interceder por outros. Nem é preciso dizer que a pessoa com quem for orar regularmente deve ser do sexo feminino. Além disso, deve ser alguém que a estimule a manter-se firme no propósito de ser tudo o que Deus quer que você seja, casada ou solteira.

Uma parceria de oração é um dos grandes meios de realizarmos a mais

profunda e mais nobre tarefa do espírito humano: a oracão" 9

Orar regularmente com alguém (ou com um pequeno grupo) é vital para

nosso serviço a Deus. Interceder por alguém é um privilégio. Quando duas pessoas em harmonia apresentam diante de Deus seus pedidos, podem transformar o mundo. Em Mateus 18:19, lemos: "Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer cousa que, porventura, pedirem, ser-lhes-á concedida por meu Pai, que está nos céus." O

verbo concordar refere-se à harmonia. Há alguém em sua vida com quem você ora em perfeita harmonia? Em vez de procurar um companheiro, busque encontrar uma parceira de oração. Juntas, vocês descobrirão que podem transformar suas preocupações em projetos de oração.

A Diligência e o Ministério de Serviço

É pouco provável que haja um período melhor do que o presente para

servir a Deus. Em vez de desperdiçar momentos preciosos sonhando com um

futuro marido, use seu tempo livre para trabalhar para o Senhor. Se você se sente frustrada e confusa, peça a Deus agora mesmo que corrija sua visão.

Enquanto Rute trabalhava diligentemente em suas tarefas diárias, Deus

providenciou um homem para protegê-la e ajudá-la. E ele fará o mesmo por você se este for seu plano. Há algum ministério no qual você poderia estar

trabalhando? Considere a possibilidade de envolver-se em missões, mesmo que seja por apenas um curto período de tempo. Não se preocupe com aquele rapaz no qual está interessada. Se for a vontade de Deus, ele estará esperando-a quando você regressar. Ser solteira talvez não seja uma situação permanente, mas não significa que tenha de ficar em estado de coma, aguardando a chegada do príncipe encantado. Mulheres solteiras não são "belas adormecidas", esperando pelo príncipe que abrirá caminho entre os espinhos e vencerá a bruxa malvada para beijá-las e despertá-las. Isso é simplesmente uma ilusão que o inimigo usa para enganar a muitas.

Será que você tem evitado assumir o compromisso de servir ao Senhor

porque não quer abandonar o "posto na torre do castelo", de onde tenta vislumbrar no horizonte a chegada do príncipe em seu cavalo branco? Surgiu uma oportunidade de realizar um trabalho missionário durante as férias? Pode até ser que ela se repita no ano que vem, mas será ainda mais difícil aceitar o desafio porque, quanto mais o tempo passa, mais distrações aparecem. A cada ano que principia, temos novas responsabilidades e obrigações, o que dificulta ainda mais nosso serviço a Deus. Você já entregou seu tempo inteiramente nas mãos de Jesus?

Há oportunidades ilimitadas de ministério às portas da mulher diligente.

E elas estão à sua disposição neste exato momento. Não é necessário ter um diploma de seminário para engajar-se em algum deles. O único requisito é ser solteira e estar disposta a usar o tempo sabiamente para o trabalho do Senhor.

A Diligência e o Ministério das Letras

Esse ministério requer caneta, papel e um coração obediente. Grande

parte do Novo Testamento foi escrita em forma de cartas aos crentes. Uma carta ou cartão-postal com palavras de ânimo pode ser lido e relido. Muitas vezes pensamos em escrever a uma amiga, mas a idéia nunca se concretiza. Às vezes deixamos de fazê-lo por estarmos muito atarefadas ou porque temos dificuldade em escrever. Contudo, uma carta pessoal é como oxigênio para a alma daquele que a recebe: "... quem dá a beber será dessedentado." (Pv 11:25) Caso você não se sinta à vontade para escrever uma carta, ou seus

compromissos a impeçam de dedicar-se a esse tipo de ministério, compre alguns postais e remeta-os regularmente a pessoas que estejam precisando de uma palavra de conforto. O Senhor deseja que você se envolva na vida daqueles que conhece, e enviar-lhes uma palavra amiga é uma forma de fazê-lo.

A Diligência e o Ministério de Ouvir

O ministério de ouvir está disponível para você agora mesmo. Quando

alguém passa por um período de grande tristeza, a simples presença de um amigo é mais valiosa do que palavras. Para uma pessoa que está sentindo-se abatida e sobrecarregada, muitas vezes é melhor encontrar alguém que procure ouvi-la e orar silenciosamente do que aquele que tenta oferecer soluções para o problema. A capacidade de ouvir é um dom que talvez você possa compartilhar.

Aquele que escuta é como um bálsamo para quem sofre. Quando a irmã da

Jackie morreu, aqueles que a ouviram falar da perda e da dor, deixando-a chorar livremente, foram os que mais a confortaram. A capacidade de ouvir com

compaixão é um presente do qual muitos precisam.

Algumas vezes, pode ser necessário um gesto de carinho para confortar

aquele que sofre. Outras, basta estar presente, quem sabe permanecendo horas a fio no corredor de um hospital ou à cabeceira da cama de um enfermo. Há

momentos em que nem as maiores verdades nem os cânticos mais gloriosos são adequados para amenizar a crise. "Como quem se despe num dia de frio e como vinagre sobre feridas, assim é o que entoa canções junto ao coração aflito." (Pv 25:20) Esse ministério não exige diploma, mas ter um coração carinhoso e saber ouvir.

A Diligência e o Ministério da Hospitalidade

Hospitalidade não é preparar todos os petiscos para uma festa nem

organizar um jantar no estilo de Julia Child.* Preparar alimentos para outras pessoas é um trabalho importante, especialmente durante um período de doença ou luto. Levar uma boa refeição ou um bolo gostoso a uma mãe que acaba de retornar da maternidade, a um vizinho idoso ou a alguém que se encontra

emocionalmente abalado pela perda de um ente querido é uma bênção. É uma forma maravilhosa de compartilhar do amor de Cristo com alguém que precisa ver o cristianismo em ação.

Não limite seu ministério a jantares à luz de velas para o homem de seus sonhos. Elabore um jantar especial para suas amigas, ou mesmo para um grupo de adolescentes, e seja uma bênção para elas, exercitando a hospitalidade.

A Diligência e o Ministério da Ajuda

Esse ministério requer tempo, mas seu valor é incalculável. Auxiliar o

próximo em tarefas rotineiras põe fim à monotonia exaustiva do dia-a-dia. Ajudar uma amiga a arrumar o apartamento para a chegada de hóspedes especiais ou assisti-la com uma mudança encherá seu coração de alegria. Esse tipo de trabalho pode parecer insignificante quando comparado à visitação aos membros da igreja, mas a Palavra de Deus é clara quanto a esse mal-entendido. "Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra cousa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus." (1 Co 10:31) Talvez uma amiga precise de uma carona até o aeroporto durante o período de maior congestionamento do trânsito, ou necessite de ajuda com a limpeza da cozinha, ou quem sabe até mesmo de uma mãozinha com as

roupas para passar. Essas tarefas podem ser realizadas para a glória de Deus.

"Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens." (Cl 3:23)

* Julia Child é uma cozinheira famosa, que apresenta um programa de televisão diário, semelhante ao programa brasileiro Cozinha Maravilhosa da Ofélia. (N. da T.)

Tarefas de Pouco Brilho

Gostaria de deixar uma nota especial para aquelas que estão buscando a

Jesus e o privilégio de servi-lo. Muitas vezes você será chamada a realizar uma tarefa monótona, que ninguém perceberá. Talvez se sinta frustrada porque o trabalho parece insignificante. Entretanto considere tudo que Jesus fez durante os primeiros trinta anos de sua vida, antes do início de seu ministério de ensino.

E Rute — que trabalho mais humilde poderia ter realizado do que catar os grãos que sobravam da colheita para sobrevivência própria e de sua sogra? Richard Foster faz um comentário brilhante a esse respeito:

"Se todo o serviço que prestamos é feito perante outros, seremos em realidade pessoas superficiais." 10

Jesus falou abertamente sobre aqueles cuja motivação para servir é a

vaidade. "Praticam, porém, todas as suas obras com o fim de serem vistos dos homens..." (Mt 23:5) Da próxima vez em que alguém lhe pedir que o ajude em algo monótono ou de pouco brilho, não hesite. O Rei toma nota de tudo que fazemos (veja Mateus 25:34,35). Liderar estudos bíblicos, participar de grupos ou missões evangelísticas ou até mesmo de reuniões de oração são oportunidades de serviço inestimáveis, mas não são as únicas que existem. Trabalhar no

departamento de crianças da igreja, ajudar nos acampamentos de adolescentes ou contribuir para um jantar especial para a mocidade são obras honrosas, às quais a mulher diligente pode dedicar-se com carinho.

Verifique sua agenda e procure encontrar formas de remir parte de seu

tempo livre. Não dê lugar à autopiedade. Faça uso sábio de seu tempo livre e sua recompensa será uma vida sem arrependimentos. Seu serviço futuro será

direcionado e sabiamente aplicado.

Não mais desperdiçar,

O tempo livre que me dás.

Usarei as horas que tenho,

Para a edificação do teu reino.

Sabendo quão temporária esta liberdade pode ser,

Nenhuma oportunidade quero perder,

Para que meu próximo seja abençoado

No serviço para o qual me tens chamado.

- JMK

Tornando-se Uma Mulher Diligente

1. Leia os quatro exemplos a seguir. Identifique dentre eles aquele com o qual se identifica mais e descubra o que a tem impedido de envolver-se mais no ministério:

a) Rosa Invejosa. Você está mais preocupada com os dons dos

outros do que com os seus e por isso nunca descobre onde pode servir?

Tem perdido tempo com a tolice de comparar-se a outras mulheres? (1 Co

4:7; 12:7; Rm 12:3)

b) Madame Paula. Você só aceita servir a Deus se ele se curvar às suas condições? Quer escrever o roteiro e fazer o papel principal? (Jo 4:34; 7:16,18; Mt 23:5)

c) Maria Medrosa. Você tem medo do que os outros vão pensar?

Receia dedicar-se de todo o coração e ser taxada de fanática? Hesita em

tornar-se uma mulher diligente por que se sente incapaz? (Pv 29:25; 2 Tm 1:7; 1 Ts 5:24)

d) Duda Duvidosa. Fé é acreditar naquilo que Deus afirma a seu respeito. Você gostaria de participar em diversos ministérios, mas sente que sua fé se esvairá antes que chegue ao fim? Teve dificuldade em servir ao Senhor no passado e por isso duvida de sua capacidade hoje? (Parte do

trabalho de ministrar é aprender. Portanto não permita que as dificuldades de ontem impeçam o sucesso futuro.) (1 Jo 4:4; 2 Tm 1:9; 1 Tm 6:12)

2) A participação em qualquer ministério exige sacrifício. Você tem

permitido que o egocentrismo domine sua rotina diária? Verifique o canhoto do seu talão de cheques e conte quantos cheques emitiu em favor de outros. (2 Sm 24:24; Fp 2:3,4; Mt 19:29)

3. Mulher de Fé

Fé...

um fruto de aroma agradável

que nos inspira à vitória

e nos sustenta na derrota. - JMK

Se você está mesmo à procura de um marido, sabe-se que no Alaska, em

Montana e na Flórida há mais homens do que em qualquer outra região dos

Estados Unidos. Proporcionalmente, há uma superabundância de mulheres nos estados do nordeste do país.

Está entrando em pânico porque mora no nordeste? Um senso recente

realizado pelo Instituto Nacional de Estatística indica que, desde 1980, o número de homens solteiros em Palm Beach, Flórida, aumentou 47%. "Palm Beach, Flórida - O Paraíso dos Solteiros!" (Parece até o título de um filme dos anos 50!) Já está pensando em se mudar? Um momento! Não comece a fazer as malas!

Um artigo do periódico USA Today afirma: "O Instituto Nacional de Estatística informou que a partir de 1980, pela primeira vez desde o início do século, a população masculina do país aumentou mais rapidamente do que a feminina." 11 Já está suspirando de alívio? Embora verdadeira, essa estatística não elimina a necessidade de ser uma mulher de fé. A existência de mais homens não implica na isenção do processo, muitas vezes difícil, de esperar, com fé, pelo que Deus tem reservado para nós.

Tenho uma amiga que achava que, se fosse estudar em uma grande

universidade evangélica, com certeza encontraria o "homem perfeito". Se considerarmos que ela fora criada em uma cidade do interior, onde existem mais vacas por metro quadrado do que pessoas, a estratégia parecia lógica. No entanto, após quatro anos de estudos, o único anel que tinha no dedo era o de formatura. Mas um dia acabou se casando. E sabe onde encontrou um

companheiro? Isso mesmo! Na cidadezinha do interior. Seu pai a convidou para assistir a um jogo de beisebol da igreja, e adivinhe quem estava jogando? Acertou novamente! O "homem perfeito". Um rapaz que havia conhecido em um acampamento para adolescentes quase dez anos antes. O resto da história é fácil de imaginar. O plano "para encontrar marido" não deu certo, e ela acabou voltando para sua cidade, onde a população masculina era escassa. Contudo, como Deus não se limita às circunstâncias, enviou-lhe um marido direto do time adversário. Deus não honrou sua lógica, mas honrou-lhe a fé e supriu suas necessidades.

Você mora em uma cidade onde precisa de "olhos de fé" para identificar possíveis candidatos? Freqüenta uma igreja onde as opções são mínimas?

Examinemos duas atitudes contrastantes quanto ao modo de interpretarmos as circunstâncias.

Correr Atrás

Pense por um momento sobre como a história de amor do livro de Rute

teve início. Três viúvas — Noemi e suas noras Órfã e Rute. Todas elas acabavam de passar pela experiência dolorosa da perda do homem que amavam. A simples rotina diária requeria muita fé porque tinham dificuldade em encontrar o próprio sustento. Noemi, sendo judia, decidiu deixar Moabe e retornar para Belém, sua cidade natal, em Israel. Suas noras eram jovens viúvas, portanto ela incentivou-as a voltar para sua família, onde pudessem encontrar um novo marido. A su-gestão de Noemi fazia sentido. Ela sabia que as moças, sendo moabitas, tinham melhores chances de encontrar um companheiro em Moabe do que em Israel. "...

Ide, voltai cada uma à casa de sua mãe; e o Senhor use convosco de

benevolência, como vós usastes com os que morreram e comigo. O Senhor vos dê que sejais felizes, cada uma em casa de seu marido..." (Rt 1:8,9) Se Rute houvesse retornado para Moabe, será que teria encontrado um marido temente a Deus?

Noemi, em amor, aconselhou Orfa e Rute a seguir na direção que lhes

seria mais favorável. Até mesmo sugeriu onde poderiam encontrar futuros candidatos. Orfa seguiu o conselho da sogra e decidiu tomar o caminho que parecia oferecer um futuro melhor. Despediu-se de Noemi com um beijo e "foi ao encontro dos rapazes". "Escolhas" assim baseiam-se em análises lógicas e não requerem sequer uma fé do tamanho de um grão de mostarda.

Muitas mulheres solteiras procuram um companheiro no mesmo tipo de

lugar que Orfa escolheu. Matriculam-se em determinadas escolas porque,

aparentemente, as opções são promissoras. Escolhem a igreja da qual serão membros em função da proporção de rapazes em relação a moças. Participam de seminários, retiros e conferências em busca do homem de seus sonhos, mas acabam tendo pesadelos... (Normalmente há uma média de sete mulheres para cada homem inscrito em retiros.)

Há mulheres que mudam de igreja porque faziam parte de uma

congregação onde "não havia esperança". Outras evitam freqüentar igrejas onde a falta de rapazes disponíveis é evidente. Já passou por isso? Algumas moças solteiras participam apenas uma vez de algum projeto missionário e não

retornam, porque nos locais onde se exerce esse tipo de atividade o número de rapazes solteiros costuma ser ainda menor do que em sua cidade. Li certa vez uma carta de uma jovem missionária que dizia:

"Bem, a situação aqui é desesperadora. Há apenas um rapaz solteiro, e somos cinqüenta moças..."

Em que essas jovens estão confiando? Na situação ou no Deus todo-

poderoso?

Acaso

As mulheres que optam por ser como Orfa, tomando o caminho lógico e

mais atraente, tentam criar oportunidades para que o "acaso" traga até elas o homem de seus sonhos. Freqüentam os mesmos lugares que ele, na esperança de que venha a notá-las e que brote entre eles o romance. Sua vida assemelha-se às histórias de livros baratos que se compram em bancas de revista. Moças assim cantam no coral da igreja não porque desejam louvar a Deus de todo o coração, mas porque só assim terão a chance de assentar-se toda semana ao lado

"daquele" possível candidato. Motivação tão impura para causa tão nobre! "A casa e os bens vêm como herança dos pais; mas do Senhor, a esposa prudente." (Pv 19:14)

O Senhor não precisa de sua manipulação do "acaso" para dar-lhe um marido. Não estamos aconselhando-a a afastar-se completamente do sexo oposto, esperando que Deus faça uma especial remessa postal à sua porta. Você deve participar de atividades que incluam homens e mulheres, mas sempre que se encontrar diante de "possíveis candidatos", seja franca quanto aos fatores que a motivam. Ao analisar seus motivos e checar as batidas do seu coração, considere a seguinte passagem: "Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito." (Pv 16:2)

Podemos prevenir desilusões se examinarmos o coração sempre que

formos participar de alguma atividade para pessoas solteiras. Normalmente dedica-se muita atenção a detalhes, como o banho, a maquiagem, o penteado, as unhas e a roupa mais adequada, mas poucas mulheres procuram preparar o

coração. A moça que vive de "antena ligada", tentando encontrar um companheiro, pode ficar obcecada por essa idéia e acabar negligenciando seu interior. O estilo de Orfa (visão lógica) pode ser bastante comum, mas Rute oferece uma alternativa a essa procura vã pelo "homem perfeito". Ela demonstra o que significa ser uma mulher de fé.

Olhos da Fé

O exemplo de Orfa (que foi ao encontro dos rapazes) poderia ter

influenciado Rute a retornar a Moabe, para a casa de sua parentela e para os deuses de sua mocidade. Contudo ela permaneceu fiel a Noemi e a Deus.

Possivelmente estava ciente da probabilidade de vir a permanecer solteira o resto da vida se seguisse Noemi. Mesmo assim, resolveu partir com a sogra para Belém. Decidiu confiar em Deus, encarando o que viria pela frente com os "olhos da fé". Embora seu encontro com o Deus de Israel fosse recente, sabia que poderia deixar o futuro aos cuidados dele.

A Bíblia Para Crianças (versão internacional) descreve fé da seguinte maneira: "Fé é ter certeza daquilo que esperamos. É saber que algo é verdadeiro, mesmo que não o possamos ver." (Hb 11:1) Essa versão infantil de um conceito tão abstrato pode tornar-se uma realidade diária na vida da mulher de fé. Não devemos colocar nossa esperança em sonhos e fantasias, mas nas mãos de Deus.

Ele conhece nosso passado, nosso presente e nosso futuro. E nos ama tanto que nos dará apenas o que for melhor.

Você se encontra em situação "desesperadora"? Talvez freqüente uma igreja que requeira fé até mesmo para abrir a porta e entrar, pois todos os membros do sexo masculino são casados, noivos ou da idade de seu irmão

caçula. Contudo não tenha medo. Olhe para o Senhor com os "olhos da fé". Se agir assim, estará agradando a Deus. "De fato, sem fé é impossível agradar

[satisfazer completamente] a Deus..." (Hb 11:6) A prática de encarar a vida com

"olhos da fé" agrada imensamente a Jesus.

Você deseja agradá-lo? Então pense um pouco sobre as circunstâncias

que está vivendo. Isso que lhe parece uma situação desesperadora (nenhuma perspectiva no horizonte) é simplesmente um ponto de vista contrário à visão de fé.

Não raro, no esforço de ser uma mulher de fé, muitas acabam desviando-

se da rota ao tentar apressar o processo de "entrega postal de um companheiro".

Com certeza, é mais fácil encontrar um bom marido em igrejas,

universidades evangélicas ou grupos de estudos bíblicos. Entretanto não devemos contar como certo que ele estará em algum desses lugares, pois poderemos acabar decepcionadas. Centenas de mulheres solteiras maravilhosas fazem tudo da maneira mais certa possível e continuam solteiras.

Talvez você se pergunte: Como posso ser uma mulher de fé se me sinto tão insegura quanto ao que Deus fará com relação à minha vida amorosa? E se eu continuar tendo fé em Deus, mas chegar aos noventa e oito anos de idade ainda solteira? É claro que ninguém ousaria confessar que não confia em Deus. Isso seria inadmissível para o crente! Mas, bem lá no fundo, talvez você tenha receio do futuro: "Se eu parar de tentar encontrar um marido por minha própria conta e procurar viver com 'olhos da fé', poderei acabar não recebendo de Deus o que desejo: um marido, uma casa e filhos." Deus sabe o quanto você anseia por essas preciosidades. Mas sabe também que nada disso lhe trará segurança.

Esteja certa de que muitas outras mulheres têm esses mesmos temores. O

inimigo os conhece e os alimenta com mentiras do tipo: "Se entregar tudo nas mãos de Deus, ele a enviará para trabalhar no fim do mundo, onde os homens têm em média um metro e meio de altura" ou "Se deixar tudo por conta do Senhor, talvez até encontre um marido, mas não terá nem coragem de mostrar a foto dele às amigas".

"Será que posso confiar inteiramente meus sonhos e esperanças a Deus?

Como encontrarei o 'homem perfeito' usando apenas os olhos da fé? Será que Deus não precisa da minha contribuição para realizar os meus sonhos? E se eu não estiver no lugar certo no momento certo? Como encontrarei o 'homem

perfeito' se estivermos em lugares diferentes? Sinto que devo agir e correr para a primeira festa ou ingressar na primeira faculdade onde puder encontrar possíveis candidatos." Esse tipo de ansiedade tem origem em nossos temores e não na fé. "A fé não elimina os receios, mas sabe onde depositá-los." 12 Talvez você argumente que tem fé e, ao mesmo tempo, está sendo prática. Tem certeza? Qual é o oposto da fé? Medo. E quem melhor do que o inimigo para manipular nosso medo? O

desejo dele é impedir que recebamos aquilo que Deus tem de melhor para nós.

Satanás quer que acreditemos na mentira que mutila a fé: "Não se pode confiar em Deus."

Para ter "olhos da fé", talvez tenhamos de usar um colírio espiritual, removendo as impurezas que o inimigo deixou cair em nossos olhos. Mesmo a mulher de fé passa por momentos em que seus olhos pestanejam, por causa da ansiedade e da insegurança que às vezes lhe sobrevêm. Entretanto basta que admita essa insegurança para o noivo celestial para que ele a tranqüilize. O

melhor "colírio" para a limpeza dos "olhos da fé" é a leitura da Palavra de Deus.

"E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo."

(Rm 10:17) Uma mulher de fé talvez precise passar muitos fins de semana

sozinha, sem namorado, em uma igreja repleta de solteiros disponíveis. Só terá paz e contentamento nessa situação difícil se enxergar tudo com os "olhos da fé" e se mantiver sintonizada com o noivo celestial, o melhor de todos os parceiros. A falta de um namorado é um tipo de impureza que irrita os "olhos da fé", mas o colírio, um relacionamento íntimo com Jesus e a leitura da Bíblia, é o tratamento perfeito para a eliminação do problema.

O Encontro Divino

Em contraste com a tática de manipulação do "acaso" que Orfa utilizou, Rute teve um encontro divino que transformou não apenas seu estado civil, mas também a narrativa bíblica. Em seu primeiro dia de trabalho em Belém, parou para recolher espigas em um campo que pertencia a Boaz. Curiosamente,

naquele mesmo dia, Boaz "resolveu fazer" uma visita a seu campo. Seu encontro não foi um acidente nem o resultado da aplicação de táticas femininas. Foi simplesmente obra do Todo-Poderoso.

Deus guiou Rute ao campo de Boaz. Pode-se ler sobre esse encontro

divino no segundo capítulo do livro de Rute, no versículo 3: "... por casualidade entrou na parte que pertencia a Boaz..." A expressão por casualidade em hebraico significa "por acaso". Prova concreta de que ela nada fizera para contribuir para a situação. Deixou-se guiar por Deus, e essa disposição levou-a para o centro da vontade dele e para o campo de Boaz, homem rico e disponível. Rute não tinha

"planos estratégicos" quando entrou naquele lugar. Contudo seus "olhos da fé"

levaram-na para o local preciso onde encontraria o "homem perfeito", Boaz, cujo nome significa "pilar de força". (Um contraste marcante com o nome de seu primeiro marido, Malon, que significa "doente e fraco"! Deus recompensou-lhe a fé dando-lhe um marido que era um "pilar de força".)

Se Jesus deseja que você se case, irá preparar o encontro. Você não tem

nada a temer. Pare de interferir e de tentar "escrever o roteiro" e siga os planos dele. Ele deseja abençoá-la com o que há de melhor. Às vezes aquilo que achamos que é uma bênção é apenas uma imitação grosseira. Compare a sabedoria e o amor de Jesus à sua própria sabedoria e amor-próprio. Em quem devemos

confiar? Na sabedoria suprema e no amor eterno ou em nossa capacidade finita?

Desde o jardim do Éden, a mulher acha que pode e deve saber tanto quanto Deus. Muitos dos problemas do mundo resultam do fato de confiarmos em nossa sabedoria limitada e não na de nosso Pai.

Do Outro Lado do Mundo

Uma aeromoça muito atraente pediu demissão do emprego para trabalhar

como missionária na Alemanha. Muitas vezes sua fé vacilava ante a possibilidade de passar o resto da vida solteira, principalmente em um lugar onde poucos falavam seu idioma. No entanto, durante um congresso, conheceu um rapaz que servia ao Senhor num país distante. Aos olhos humanos, as chances de se

unirem pareciam ínfimas. Contudo eles deram início a um relacionamento afetivo à distância e um dia se casaram. Hoje fazem um trabalho missionário juntos nas Filipinas.

As circunstâncias e a posição geográfica em que vivemos não impedem

que a vontade e o propósito de Deus se cumpram. Ele levou Eva a Adão, Rebeca a Isaque, Rute a Boaz e, um dia, a Esposa de Cristo a ele. Da mesma forma, trará até você o "homem perfeito", para tornar-se seu marido. Essa verdade é imutável.

O lugar em que você mora ou a atividade que exerce podem torná-la menos

acessível aos rapazes solteiros, mas esses obstáculos são insignificantes para Deus. Tivemos o privilégio de testemunhar incontáveis vezes o trabalho de Deus levando homens santos a mulheres de fé. Eles parecem surgir subitamente do nada.

Uma dessas moças, que morava na Flórida, freqüentava fielmente a igreja

havia anos. Muitas vezes precisava repetir para si mesma que "ele ainda está para chegar". Até que um dia Deus enviou seu Boaz, lá do outro lado do país, para encontrá-la. Essa jovem tinha visão de fé mais que perfeita. Quando começava a duvidar que algum dia viria a se casar, lágrimas de fé limpavam as impurezas da incredulidade. Ela usou esses momentos de fraqueza para crescer na comunhão com Deus e esperou que ele preparasse um futuro de bênçãos para sua vida.

Deus enviou sua bênção para uma moça que servia no Kênia, África,

diretamente de Escondido, Califórnia. Ela não estava aflita pela ausência de homens solteiros onde trabalhava. Depois do rompimento de um noivado e de alguns anos de namoros infrutíferos, Vivian decidira trabalhar como voluntária na África, lecionando para filhos de missionários. Pouco antes de partir, participou de um estudo bíblico, onde conheceu um ótimo rapaz, chamado David.

Se não estivesse com a passagem já marcada, talvez até houvessem começado a namorar naquela mesma época. Vivian ficou chateada por só haver encontrado David quando estava prestes a mudar-se para tão longe dali. Contudo partiu na direção que o Senhor lhe indicava e viajou para a África com "olhos da fé". Mal sabia ela do roteiro que Deus havia traçado. Algum tempo depois, um grupo de missionários dos Estados Unidos chegou na escola onde ela trabalhava, para ajudar na construção civil local. E sabe quem fazia parte da equipe? Acertou: David. Vivian e ele não apenas se tornaram amigos como se casaram ali mesmo, no Kênia. Assim como Jesus levou David à vida de Vivian, pode levar seu futuro companheiro até você, não importa onde viva.

Mulheres que continuam solteiras, mas, ainda assim, têm procurado viver

de acordo com os dez princípios expostos neste livro, dão uma grande

demonstração de fé. Elas não sufocaram o desejo de encontrar um marido. No entanto entregam-se a Deus com tamanha dedicação que enfrentam essa situa-

ção em paz, e não com amargura.

Uma mulher chamada DeDe entregou-se ao sustento de seu noivo

celestial por mais de quarenta anos. Nunca deixou de desejar ter um marido e filhos, mas estas não são as maiores preocupações de sua vida. Ela se concentra na "bênção diária" que Deus lhe concede: a tarefa de amar e estimular aqueles com quem se relaciona. Não tem filhos, mas Deus tem entregado aos cuidados dela filhos de outras famílias (ela é vice-diretora de uma escola cristã). Não tem um marido a quem abraçar, mas convive com professores que precisam de seu carinho e de seu incentivo para não desanimar ante a carga pesada de trabalho.

Essa mulher de fé não apenas agrada a seu noivo celestial, como é também uma bênção para a noiva de Cristo.

Você tem hesitado diante da possibilidade de mudar de emprego ou

mesmo de ingressar no trabalho missionário, por receio de perder a oportunidade de conhecer o "homem perfeito"? Deixou escapar a oportunidade de servir no departamento de escola dominical porque tem medo de ficar "fora do alcance" do homem de seus sonhos? Se está tentando arranjar um "encontro divino", está correndo o risco de encontrar apenas desilusão. Onde quer que você esteja e qualquer que seja sua situação (divorciada, viúva ou solteira, envelhecendo a cada dia), saiba que Deus não perdeu seu endereço nem sua ficha. Ele sabe exatamente onde você está e do que precisa. Lembre-se: Deus já supriu nossa maior necessidade — a salvação. "Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as cousas?" (Rm 8:32) A decisão mais importante da nossa vida é a de entregar-nos inteiramente a Jesus Cristo, "pela fé". Em segundo lugar, vem a resolução que diz respeito ao nosso companheiro. Precisamos ter fé inabalável, como a que Rute teve no Deus de Israel, para esperar um futuro marido e poder dizer-lhe "aceito".

Antes de prosseguir a leitura, caso você esteja ansiosa e cheia de dúvidas quanto ao seu futuro companheiro, tome alguns momentos para confessar suas dúvidas e insegurança a Deus e peça ao Espírito que lhe conceda essa qualidade da fé. O exercício da fé durante "o período de espera" agrada a Deus.

Não tenha receio nem fique ressentida quanto aos períodos de espera em

sua vida. Eles são os jardins onde brotam as sementes da fé. Qualquer

circunstância que sirva para aumentar ou aprofundar a fé deve ser bem recebida.

Não as rejeite. Receba-as de boa vontade. Elisabeth Elliot, em seu livro Passion and Purity (Paixão e pureza), afirma:

"Sei que esperar em Deus requer a disposição de suportar a

incerteza e a determinação de manter-nos firmes a despeito das

perguntas sem resposta, apresentando diante de Deus qualquer temor

que porventura apareça." 13

Quando as "perguntas sem resposta" não lhe saírem da mente, ou a preocupação com seu estado civil lhe tirar o sono, pare e entregue seus temores a Deus. "Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós." (1 Pe 5:7) A ansiedade quanto à falta de um companheiro é infundada, pois é apenas um reflexo de nossa fraqueza. Entretanto Deus é soberano para cuidar de todas as nossas aflições. O que precisamos fazer é achegar-nos a Jesus sempre que nos sentirmos ansiosas. Agindo assim, nossa fé será enriquecida.

Inúmeras mulheres solteiras não percebem que o período frustrante e difícil de espera é a sala de aula perfeita para a mulher de fé. Não deixe de comparecer às aulas! Aceite sem medo cada uma das noites sem compromisso com um

namorado e, pela fé, descanse na fidelidade do Senhor.

Tornando-se Uma Mulher de Fé

1. Leia alguns Salmos e grife em vermelho as palavras confiar e descansar. Note a confiança de Davi em Deus. Esse exercício