A Nova Astrologia por Suzanne White - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

index-1_1.jpg

index-2_1.jpg

index-2_2.jpg

index-3_1.jpg

index-4_1.png

index-4_2.png

index-4_3.png

index-4_4.png

index-4_5.png

index-4_6.png

index-4_7.png

index-4_8.png

index-4_9.png

index-4_10.png

index-4_11.jpg

index-4_12.png

index-4_13.png

index-4_14.jpg

index-4_15.png

index-4_16.png

index-4_17.jpg

index-4_18.png

index-4_19.jpg

index-4_20.png

index-4_21.jpg

index-4_22.png

index-4_23.png

index-4_24.jpg

index-4_25.jpg

index-4_26.jpg

Suzanne White

A nova

astrologia

O único livro que traz a descrição detalhada dos

144 novos signos resultantes da combinação dos

signos ocidentais e dos signos chineses

Tradução:

Carmen Youssef

index-5_1.jpg

Título do original:

“The n e w astrology”

Copyright © 1986 Suzanne White

Edição 1-2-3-4-5-6-7-8-9-10

Ano 89-90-91-92-98-94-95

Direitos reservados

EDITORA PENSAMENTO

Rua Dr. Mário Vicente, 374 – 04270 – São Paulo, SP – Fone: 63-3141

Impresso em nossas oficinas gráficas.

index-6_1.jpg

Dedicatória

Dedico este livro a minha mãe, Eiva Louise McMullen Hoskins, que infelizmente morreu no

começo deste ano, mas que teria ficado feliz em dividir esta página com minhas corajosas filhas,

April Daisy White e Autumn Lee White; meus irmãos, George, Peter e John Hoskins; minha

sobrinha Pamela Potenza; e meus leais amigos Kitti Weissberger, Val Paul Pierotti, Stan Albro,

Nathaniel Webster, Jean Valère Pignal, Roselyne Viéllard, Michael Armani, Joseph Stoddard,

Couquite Hoffenberg, Jean-Louis Besson, Mary Lee Castellani, Paula Alba, Marguerite e Paulette

Ratier, Ted e Joan Zimmermann, Scott Weiss, Miekle Blossom, Ina Dellera, Gloria Jones, Marina

Vann, Richard e Shiela Lukins, Tony Lees-Johnson, Jane Russell, Jerry e Barbara Littlefield,

Michele e Mark Princi, Molly Friedrich, Consuelo e Dick Baehr, Linda Grey, Clarissa e Ed Watson,

Francine e John Pascal, Johnny Romero, Lawrence Grant, Irma Kurtz, Gene Dye, Phyllis e Dan

Elstein, Richard Klein; Irma Pilde Horne, Sally Helgesen, Sylvie de la Rochefoucauld, Ann

Kennerly, David Barclay, John Laupheimer, Yvon Lebihan, Bernard Aubin, Dédé Laqua, Wolfgang

Paul, Maria José Desa, Juliette Boisriveaud, Anne Lavaur e todos os outros que corajosamente

ficaram a meu lado quando eu estava mais vulnerável e o medo começava a me dominar.

Agradeço, naturalmente, a James Gaston, Richard Cooper, Yves Decroix, Jean-Claude Durand,

Michel Soussalline e àquelas corajosas mulheres de sapatos brancos que trocam lençóis

amarfanhados e murmuram palavras de conforto na calada da noite.

Sumário

Capa - Contracapa - Orelha

Introdução

11

Quadro de referência da astrologia ocidental

19

Quadro de referência histórica do horóscopo chinês

21

Signos astrológicos ocidentais

25

Áries 27

Libra 39

Touro 29

Escorpião

41

Gêmeos 31

Sagitário 43

Câncer 33

Capricórnio

45

Leão 35

Aquário

47

Virgem 37

Peixes 48

Signos animais chineses

51

Rato 53

Cavalo

65

Boi 55

Cabra

67

Tigre 57

Macaco

69

Gato 59

Galo 71

Dragão 61

Cão 73

Cobra 63

Porco 75

Os cento e quarenta e quatro novos signos astrológicos

77

Áries/Rato 79

Áries/Cavalo

94

Áries/Boi 82

Áries/Cabra

97

Áries/Tigre 85

Áries/Macaco

100

Áries/Gato 87

Áries/Galo 103

Áries/Dragão 90

Áries/Cão 106

Áries/Cobra 92

Áries/Porco 109

Touro/Rato 112

Touro/Cavalo

126

Touro/Boi 114

Touro/Cabra

128

Touro/Tigre 116

Touro/Macaco

131

Touro/Gato 119

Touro/Galo 134

Touro/Dragão 121

Touro/Cão 137

Touro/Cobra 124

Touro/Porco 140

Gêmeos/Rato 143

Gêmeos/Cavalo

159

Gêmeos/Boi 145

Gêmeos/Cabra

162

Gêmeos/Tigre 147

Gêmeos/Macaco

165

Gêmeos/Gato 150

Gêmeos/Galo 168

Gêmeos/Dragão 153

Gêmeos/Cão

171

Gêmeos/Cobra 156

Gêmeos/Porco 174

Câncer /Rato

177

Câncer/Cavalo

192

Câncer/Boi 180

Câncer/Cabra

195

Câncer/Tigre 182

Câncer/Macaco

198

Câncer/Gato 184

Câncer/Galo 201

Câncer/Dragão 187

Câncer/Cão

203

Câncer/Cobra 189

Câncer/Porco 206

Leão/Rato 209

Leão/Cavalo

224

Leão/Boi 212

Leão/Cabra

226

Leão/Tigre 215

Leão/Macaco

228

Leão/Gato 217

Leão/Galo 231

Leão/Dragão 219

Leão/Cão 234

Leão/Cobra 221

Leão/Porco 237

Virgem/Rato 240

Virgem/Cavalo

254

Virgem/Boi 243

Virgem/Cabra

256

Virgem/Tigre 245

Virgem/Macaco

258

Virgem/Gato 248

Virgem/Galo 260

Virgem/Dragão 250

Virgem/Cão 262

Virgem/Cobra 252

Virgem/Porco 264

Libra/Rato 266

Libra/Cavalo

278

Libra/Boi 268

Libra/Cabra

280

Libra/Tigre 270

Libra/Macaco

282

Libra/Gato 272

Libra/Galo 284

Libra/Dragão 274

Libra/Cão 286

Libra/Cobra 276

Libra/Porco 288

Escorpião/Rato 290

Escorpião/Cavalo

303

Escorpião/Boi 292

Escorpião/Cabra

305

Escorpião/Tigre 294

Escorpião/Macaco

307

Escorpião/Gato 297

Escorpião/Galo 310

Escorpião/Dragão 299

Escorpião/Cão

312

Escorpião/Cobra 301

Escorpião/Porco 314

Sagitário/Rato 316

Sagitário/Cavalo

330

Sagitário/Boi 318

Sagitário/Cabra

333

Sagitário/Tigre 320

Sagitário/Macaco

336

Sagitário/Gato 322

Sagitário/Galo 338

Sagitário/Dragão 325

Sagitário/Cão 341

Sagitário/Cobra 328

Sagitário/Porco 343

Capricórnio/Rato 345

Capricórnio/Cavalo

362

Capricórnio/Boi 348

Capricórnio/Cabra

365

Capricórnio/Tigre 351

Capricórnio/Macaco

367

Capricórnio/Gato 353

Capricórnio/Galo 370

Capricórnio/Dragão 356

Capricórnio/Cão

372

Capricórnio/Cobra 359

Capricórnio/Porco 374

Aquário/Rato 376

Aquário/Cavalo

389

Aquário/Boi 378

Aquário/Cabra

392

Aquário/Tigre 380

Aquário/Macaco

394

Aquário/Gato 382

Aquário/Galo 396

Aquário/Dragão 385

Aquário/Cão

399

Aquário/Cobra 387

Aquário/Porco 401

Peixes/Rato 403

Peixes/Cavalo

417

Peixes/Boi 405

Peixes/Cabra

419

Peixes/Tigre 407

Peixes/Macaco

422

Peixes/Gato 409

Peixes/Galo 424

Peixes/Dragão 411

Peixes/Cão

426

Peixes/Cobra 414

Peixes/Porco 428

Tabela de referência histórica do horóscopo chinês

431

index-10_1.jpg

index-11_1.jpg

Introdução

index-12_1.jpg

index-13_1.jpg

Por que eu?

Há alguns anos fugi de Paris para viver nos cintilantes arredores da mítica Long Island, em Nova York.

Estava com trinta e oito anos. Talvez eu achasse que já tinha espairecido em Paris por muito tempo — tempo demais, na verdade. Minhas filhas falavam inglês com sotaque. Eu sentia falta dos milk shakes e dos alpendres no fundo das casas. Disseram-me que Hamptons era o lugar in onde se reuniam os escritores. Afinal, depois de muito esforço e incrível sorte, eu tinha escrito alguns livros de sucesso. Noblesse oblige. Mudei direto para Hamptons, onde moravam os escritores de verdade. Acreditava realmente ter “acontecido”. Minhas filhas estavam alegres e equilibradas. O sotaque francês delas sumiu de uma hora para outra. As ruas estavam repletas de milk shakes. Eu ainda não tinha escrito um best seller, mas isso podia esperar. Acabara de me apaixonar completamente por um maravilhoso tenista profissional!

Estávamos em junho. As intermináveis praias de Long Island, com suas pomposas casas nas dunas e suas grandes extensões de areia branca, já acenavam com a promessa de um verão repleto de corpos dourados e gente chique da cidade. Minha casa nova, uma pitoresca réplica das construções dos pioneiros do século XVII, era um lugar acolhedor que resumia todos os meus sonhos: duas lareiras, uma cozinha nova em folha, um escritório para mamãe (eu) e dois quartos encantadores debaixo do beiral para as meninas mais bonitas da cidade, Daisy e Autumn White. É claro que havia um alpendre nos fundos.

Eu realmente acreditava ter conseguido, depois de várias tentativas, por minha conta, ver meus livros publicados. Minha vida estava tão completa que quase não percebi como estava ficando magra. Passei dois meses correndo regularmente, arrastando móveis, pendurando quadros e cortinas. Acho que pensei ser normal ter perdido um pouco de peso. “Magreza e riqueza nunca são demais”, dizia brincando para o meu novo namorado, um homenzarrão. Estava tão segura de mim, tão petulante!... até o dia em que me esparramei na nova banheira bege, examinei o seio direito e descobri um caroço do tamanho de uma bolinha de gude, bem perto da axila.

Desse dia em diante, o belo sol de junho chorava nas grossas tábuas perfeitamente jaspeadas do parquete de carvalho autêntico. A festa, sem dúvida, tinha acabado.

Aquilo decerto era sério. Dessa vez, não dava para sair por aí e procurar respostas nos olhos de algum velho sábio que talvez me aconselhasse a mudar de carreira. Não se consulta um astrólogo por causa de um tumor mamário. Assim, fui para um hospital, onde me amputaram o seio. Quase morri num debilitante período de doze meses de quimioterapia. Perdi minha adorável casa e meu tenista. E também perdi minhas meninas por alguns meses, pois estava doente demais para tomar conta delas, que foram para um colégio interno bem afastado.

Quando terminou esse cerco a meu corpo e minha alma, meu medidor de realidade marcava abaixo de zero

— mais que isso, indicava “avaria”. Para todo lado que me virasse, eu via os efeitos colaterais dos remédios venenosos. Todas as minhas juntas tinham sido tomadas por uma artrite deformadora. Todos os fios da minha espessa e bonita cabeleira escura tinham caído. Como meu corpo só

index-14_1.jpg

conseguira reter fibras e açúcares durante mais de um ano, engordei vinte e três quilos. Todos os meus dentes estavam moles. Compreendi o que é a velhice.

Entretanto, assim que me livrei dos dispositivos intravenosos, peguei minhas lindas meninas, arrumei dinheiro emprestado para a passagem de avião e voltamos para Paris, de onde eu tinha saído, havia apenas quatro anos, cheia de ingênuo entusiasmo. No trajeto de volta do aeroporto, desci do táxi e dei um beijo no leão de Denfert-Rochereau. As meninas iam mastigando pains au chocolat.

E o que tudo isso tem a ver com A nova astrologia? Bem, quando a gente fica doente, a tendência é ficar por aí pensando um bocado na morte. Mais cedo ou mais tarde, a gente entende que o tempo está nas nossas mãos. Se só me restassem alguns meses de vida, não sei por que deveria desperdiçá-los pensando em vermes, caixões ou no tamanho da lápide.

Mesmo assim, eu me afligia. Estava apavorada, preocupada, e não tinha certeza se viveria o bastante para ver as meninas crescer. Tinha perdido a garra, meu moral estava baixo, meus sonhos tinham se despedaçado contra as ásperas rochas da realidade. Os médicos me garantiram que, com um pouco de sorte e bastante paciência, ficaria perfeitamente bem dali em diante. Eu tinha feito o possível para deter a perigosa doença. Minha recuperação era boa.

Mas meu coração estava partido. Perdi tudo o que tinha construído. O câncer não me matou, mas arruinou minha vida. O que eu poderia fazer? Abri um berreiro. “Bom, é claro que agora você não pode fazer striptease nem ser a garota do mês da Playboy” , disse Kathryn, minha amiga Leão/Macaco predileta. “Portanto, é melhor escrever outro livro.”

“Mas tudo o que faço é chorar”, disse eu, lastimando-me.

“Então, assim que parar de chorar, você começa a escrever outro livro”, retrucou ela.

Dessa forma, lentamente, dolorosamente, comecei a tentar pôr um fim à maratona de choro. Como Kathryn sempre foi minha arqui-resolvedora de problemas, achei que ela devia ter razão. Se eu conseguisse parar de chorar, talvez conseguisse escrever outro livro. Para minha sorte, mais ou menos nessa época ocorreu um estranho fenômeno, que me deu um grande alento. Eu não contava absolutamente com ele — as cartas dos fãs. É

isso. Quando voltei dos Estados Unidos para a França, descobri que meu primeiro livro, Astrologia chinesa, escrito em inglês, tinha sido traduzido, na minha ausência, para um francês delicioso, e estava vendendo como água. Meu editor me cobriu de pilhas de cartas dos leitores. Com o tempo, as vendas continuaram aumentando, e as cartas também.

É claro que alguns leitores só queriam saber se deviam ou não se casar com a mulher ou com o marido de seu melhor amigo ou amiga. Mas a maioria realmente queria obter mais informação sobre si, seus signos, a mulher ou o marido, os primos, filhos, tios, bichinhos, patrões e amigos. “Sou Touro, nascida em 1928. Por que me dou tão mal com meu genro, um Gêmeos nascido em 1952?”

Muitas vezes, eu respondia: “Bem, para começar a senhora e seu genro são Dragão. O Dragão gosta de ocupar sozinho o centro do palco. Além disso, a senhora, como taurina, é possessiva e um pouco lerda. Seu genro, geminiano, lhe parece muito cuca fresca. A senhora não suporta a instabilidade dele. Provavelmente ele também detesta sua lentidão. Touro e Gêmeos — principalmente quando são Dragão! — nunca chegam a uma harmonia ideal. Minha sugestão é que um dos dois se mude”. Assim, graças às perguntas dos meus leitores, comecei a escrever sobre a nova astrologia. E pouco a pouco, sem perceber, fui parando de chorar. Estava na hora de escrever outro livro.

O que é a nova astrologia?

A nova astrologia é uma combinação entre os signos ocidentais e os signos chineses, formando novos signos.

Se você é Sagitário e nasceu em 1949, é um Sagitário/Boi. Simples. Pegue seu signo normal, que você já conhece, e combine com o signo animal do ano em que você nasceu. E você terá seu novo signo astrológico.

Todo mundo tem uma natureza dupla. Alguns são avarentos e seguros em relação ao dinheiro. Mas,

surpresa! Essas mesmas pessoas podem ser emocionalmente magnânimas com os erros dos outros,

prodigalizando afeto e sentimento, como um Papai Noel distribuindo presentes. As pessoas são complicadas! Seu comportamento contraditório nos confunde. Como você se dá com Jack, liga tanto para ele, quando na verdade ele só a irrita? Jack tem uma personalidade irritante e você sabe disso. Mas não consegue deixar de gostar dele. É

fascinada por ele. Por quê? Eis aqui um problema. Mas há solução.

index-15_1.jpg

Para entender sua atração por esse difícil Jack, bem como os mistérios de sua alma, sozinha, sem recorrer a um padre ou um psiquiatra, você só precisa ler A nova astrologia e aplicá-la à sua vida do dia-a-dia. Aí você deslancha.

Já estou até ouvindo. Suzanne White ficou louca? Quem ela pensa que é, comparando a astrologia à ciência ou à religião? Que peixe ela está tentando nos vender? Será que essa Suzanne White acha que vamos engolir essa baboseira? Será que ela é uma hippie tardia? Isso é uma farsa! Não acreditem nesse lixo. É coisa de boêmios. Não foi aprovada pela Associação Médica Americana, nem pela Administração de Alimentos e Drogas, nem pelo Conselho de Igrejas, nem pelo Vaticano. Cuidado, caro leitor! Há uma bruxa à solta, tentando envolvê-lo e fazer sua cabeça com feitiçarias. A astrologia é um lixo e não passa disso!

Muito bem, desmancha-prazeres! Você tem razão. A astrologia é um absurdo. Agora, podemos continuar com nossa diversão?

Como funciona a nova astrologia?

A nova astrologia tenta ajudar-nos a compreender o comportamento humano no universo através do

“casamento” da astrologia ocidental com a oriental.

Os chineses dividiram o tempo de forma diferente dos ocidentais. Enquanto temos séculos de cem anos, os chineses têm períodos de sessenta anos. Dividimos nossos séculos em dez décadas. Os chineses dividem seus intervalos de sessenta anos em “dodécadas” ou períodos de doze anos.

No Ocidente dividimos o ano em doze vezes de acordo com a lua. Cada mês de vinte e oito ou trinta dias tem seu nome astrológico. Todo ano um novo ciclo se inicia. No Oriente, cada ano de uma dodécada tem um nome astrológico. Ao fim dela, um novo ciclo chinês começa.

Os doze meses ocidentais têm nomes de signos celestes: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário, Peixes. Os doze anos orientais têm nomes de signos animais: Rato, Boi, Tigre, Gato, Dragão, Cobra, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão, Porco. Nos dois casos, o nome do signo astrológico se refere ao caráter das pessoas nascidas sob sua influência.

Assim, na realidade, todo mundo tem não um, mas dois signos astrológicos principais. Um signo ocidental,

“mensal”, e um signo oriental, “anual”. Um signo complementa o outro. Juntos, mostram-nos mais coisas sobre o indivíduo do que isolados. Na nova astrologia, o indivíduo nascido em Áries e no ano do Cavalo pertence ao signo de Áries/Cavalo. Como vocês verão, Áries/Cavalo não é igual a Áries/Cabra ou Áries/Tigre.

A nova astrologia tem cento e quarenta e quatro signos. Cada um deles é uma combinação do signo

ocidental com o oriental. O objetivo desse exercício é aprimorar a compreensão da natureza humana. Através da nova astrologia podemos aprender a nos dar melhor com os amigos, a família e os entes queridos. Podemos descobrir por que não nos harmonizamos com determinadas pessoas. Podemos aperfeiçoar o conhecimento dos outros e de nós mesmos.

Elementos regentes

A astrologia ocidental usa quatro elementos regentes: fogo, ar, terra e água. Cada signo astrológico ocidental é regido por um desses elementos.

FOGO: Áries,

Leão,

Sagitário.

Os signos do fogo se caracterizam por movimento, obsessão, energia.

AR: Gêmeos,

Libra,

Aquário.

Os signos do ar se caracterizam por receptividade, intelecto, aspiração.

TERRA: Touro,

Virgem,

Capricórnio.

Os signos da terra se caracterizam por função, praticidade, solidez.

index-16_1.jpg

ÁGUA: Câncer, Escorpião, Peixes.

Os signos da água se caracterizam por emoção, compaixão, percepção.

A astrologia chinesa usa cinco elementos regentes: metal, água, madeira, fogo e terra. Os signos animais são governados por apenas quatro deles. Os cinco elementos usados em outros aspectos da astrologia chinesa, mas para o objetivo deste livro só precisamos conhecer os seguintes:

METAL:

Metal positivo — Macaco, Cão.

Metal negativo — Galo, Porco.

ÁGUA:

Água positiva — Rato.

Água negativa — Boi.

MADEIRA: Madeira positiva — Tigre, Dragão.

Madeira negativa — Gato.

FOGO:

Fogo positivo — Cavalo.

Fogo negativo — Cobra, Cabra.

Planetas

Cada signo da astrologia ocidental é regido por um ou mais dos dez planetas ou corpos celestes. São as

“estrelas” que, dizem, os astrólogos sempre contemplam. Os planetas influenciam o caráter do signo. Sua posição no céu ajuda a predizer o futuro.

Áries é regido por Marte, que representa impulso, ação, coragem.

Touro é regido por Vênus, que representa aceitação, vaidade, amor.

Gêmeos é regido por Mercúrio, que representa intelecto, mudança, adaptação.

Câncer é regido pela Lua, que representa receptividade, emoção, instinto.

Leão é regido pelo Sol, que representa afirmação, vontade, majestade.

Virgem é regido por Mercúrio, que representa análise, assimilação, lógica.

Libra é regido por Vênus, que representa sociabilidade, persuasão, luxo.

Escorpião é regido por Marte e Plutão, que representam coragem, criação, paixão.

Sagitário é regido por Júpiter, que representa expansão, visão, justiça.

Capricórnio é regido por Saturno, que representa solidão, rigidez, ambição.

Aquário é regido por Saturno e Urano, que representam individualidade, consciência cósmica, responsabilidade.

Peixes é regido por Netuno e Júpiter, que representam mistério, inspiração, compaixão.

A astrologia chinesa não se preocupa com os corpos celestes. Quando os astrólogos chineses investigam a influência da natureza, consideram as mudanças climáticas, as estações ou os efeitos da Lua sobre a Terra.

Qualidades

A astrologia ocidental usa três diferentes qualidades: cardeal, fixo e mutável.

CARDEAL: Áries, Câncer, Libra, Capricórnio — Dinâmico, autoritário, ativo, enérgico.

FIXO:

Touro, Escorpião, Leão, Aquário — Concreto, limitado, resoluto, diligente.

MUTÁVEL: Gêmeos, Virgem, Sagitário, Peixes — Móvel, adaptável, harmonizante, versátil.

index-17_1.jpg

O “yin” e o “yang” também são qualidades?

Sim. Na astrologia chinesa, o yin e o yang são qualidades. Mas são muito mais poderosos que as nossas qualidades, pois yin e yang são as duas grandes e únicas forças no universo filosófico chinês. Para eles, tudo o que há no universo ou é yin ou yang. Tudo. Mesas. Cadeiras. Lâmpadas, primos, tios, tias e pias de cozinha!

De certa forma, o yin e o yang têm um paralelo, na cultura ocidental, na atribuição da qualidade “masculina”

ou “feminina” a objetos inanimados ou substantivos abstratos, em alguns idiomas. Mesmo que pareça sem sentido, a palavra “mar” é feminina em francês. “Banco” também. E “bigode”. “Ponte” é masculino. “Passagem”

também. “Viagem” é masculino, assim como “maquiagem”. “Jóia” é masculino. Também “meia-calça” e

“perspectiva”.

Podemos querer encontrar um significado sexual na atribuição de gêneros, mas ele não existe. Por isso é tão difícil, ao se passar de uma língua para outra, lembrar se um substantivo é masculino ou feminino. Então, os gêneros dos substantivos são completamente arbitrários? Bom, deve haver alguma explicação, mas ninguém sabe exatamente como, quando ou por quê.

A língua chinesa não tem gêneros. Mas, sem dizer como, quando ou por quê, os filósofos chineses sentem quando alguma coisa, pessoa ou idéia é yin ou yang. Essas qualidades simplesmente estão nelas. É um fato sabido.

A raiz do yin é o sol. Dirige-se para a escuridão. A raiz do yang é a Terra. Dirige-se para a luz.

Como tudo o mais, cada signo animal chinês é yin ou yang.

Rato — yin

Cavalo — yang

Boi — yin

Cabra — yang

Tigre — yang

Macaco — yin

Gato — yin Galo

yang

Dragão — yang Cão

yin

Cobra — yang

Porco — yin

O que significa? O que é “yin”? O que é “yang”?

Para ser completamente franca, não sei direito o que significa yin ou yang. Li muitos livros sobre esse assunto. Mesmo assim, minha cabecinha ocidental prática tem dificuldade em apreender esse conceito. A filosofia chinesa é complicada até para os chineses! Vou ser breve.

O que é “yin”?

Os chineses dizem que as pessoas yin se interessam sobretudo pelo que acontece nos grupos.

Freqüentemente se dedicam à organização de eventos coletivos ou comunitários. Sentem atração pela política.

São autoconfiantes, mas não confiam em ninguém. Precisam do sucesso para sobreviver. Cultuam a eficiência.

Estão sempre buscando seu bem-estar e o das pessoas que amam ou de que gostam. Têm boa saúde e vida longa, mas podem ser propensas a sofrer acidentes. Não sorriem muito. São conservadoras no modo de se vestir. Não são espirituais. Amam suas famílias. São materiais.

No meu modo de ver, yin é aberto, civilizado, interessado no bem dos outros. Gosta de festas, festejos, férias, sexo e tudo o que lhe proporcione companhia intensa. Yin não é feminino. Mas às vezes se diz que é subjetivo. Yin age no mundo. Direciona-se para os outros. É público. É diferente de yang e ao mesmo tempo igual a ele.

index-18_1.jpg

O que é “yang”?

Os chineses dizem que as pessoas yang são solitárias. São individualistas. Meditativas. Espirituais. Sorriem muito. Não têm senso de grupo ou de família. Sua saúde é delicada. Vestem-se de modo exibicionista. Fogem da hierarquia. Amam a natureza. Não são materiais. Seu único objetivo na vida é o desenvolvimento pessoal. São objetivas. Seguem sua própria cabeça.

No meu modo de ver, yang é fechado, não sociável, privado. Gosta de livros, música, jardinagem, longos passeios e de tudo o que o aproxime de si mesmo e da natureza. Yang é solitário. Dirigido para si mesmo. O

equilíbrio do yang vem de dentro.

E os ascendentes?

Na astrologia ocidental, todo mundo tem um signo ascendente. É um subsigno, encontrado através do

cálculo do planeta em elevação no céu no momento do nascimento do indivíduo. O signo em elevação, ou ascendente, influencia a natureza interior da pessoa. Em outras palavras, um Libra amante da paz com Leão ascendente é mais majestoso, mais voluntarioso e tem melhor gênio do que um Libra, por exemplo, com um sádico Escorpião no ascendente.

Como a nova astrologia já tem cento e quarenta e quatro signos diferentes, não podemos nos preocupar aqui com os signos ascendentes. Faça as contas. Você verá que, se fôssemos incluir os signos ascendentes no nosso estudo, esse livro acabaria pesando tanto quanto o seu cunhado.

Dessa forma, a nova astrologia é simplesmente o “casamento” entre a astrologia ocidental e a astrologia chinesa. Continue lendo. Estou certa de que você vai concordar comigo — é um casal adorável.

Quadros de referência e listagens de datas de nascimento

A essa altura, provavelmente você já percebeu que eu amo a astrologia. Principalmente a nova astrologia. Na verdade, tenho um entusiasmo tão infantil pelo assunto que quando conheço alguém raramente deixo passar cinco minutos antes de sentir um impulso irresistível de invadir a privacidade alheia. Sempre pergunto de repente aos incautos recém-chegados: “Qual é o seu signo?” Em geral, eles me respondem na hora, sem problemas. “Sou Aquário.” Dou meu sorriso mais astuto. Aí dou o segundo bote. “Em que ano você nasceu?”, pergunto em seguida. Nesse ponto, as reações variam.

Algumas pessoas querem esconder a verdadeira idade. Tudo bem. Só preciso dar uma ajuda. Garanto que não ligo para a idade dos outros. (De qualquer forma, a idade sempre aparece, não é?) Faço aquele discurso lisonjeiro: “Toda idade é a melhor idade”, digo que têmporas grisalhas me arrebatam, glorifico delirantemente a verdadeira sabedoria e as vantagens da experiência em relação à juventude ignorante. O resultado vem em poucos segundos. “Bom, nasci em 1903”, admitem por fim. Aí fico de queixo caído e exclamo: “Meu Deus, você parece mais jovem!” E termina o interrogatório inicial com esse tipo de pessoa.

Há um outro tipo de resposta evasiva à pergunta: “Em que ano você nasceu?” É involuntário, e na verdade quase encantador. Conheço uma pessoa simpática numa festa e pergunto: “Qual é seu signo astrológico?” Ela não tem muita certeza. “Acho que sou Touro”, responde ela desculpando-se. “E então, em que ano você nasceu?” “Touro”, insiste ela. “Sou Touro.” “E o ano? Em que ano você nasceu?” Ela sorri e diz mais enfaticamente ainda: “Sou Touro”. Evidentemente, essa mulher não está muito familiarizada com nenhum tipo de astrologia. Para ela, ser Touro deve ser o bastante. É claro que, quando falo da nova astrologia e de todos os seus usos, ela logo se relaxa e me diz tudo o que preciso saber. As pessoas, quando têm uma chance, mostram-se surpreendentemente interessadas em si próprias.

Do jeito que as coisas estão, quando conheço alguém na praia, no elevador, no ônibus, e quero saber mais a seu respeito ou dizer-lhe alguma coisa sobre ela, preciso esperar até chegar em casa, onde posso consultar dez ou doze grossos volumes de astrologia e tirar algumas conclusões. Na melhor das

index-19_1.jpg

hipóteses, é um método complicado de “astrologizar” rapidamente. Muitas vezes pensei se não seria muito mais eficiente ter um livro de astrologia portátil, uma condensação dos volumes que tenho em casa, acrescidos das minhas deduções e dos meus mapas, para carregar sempre comigo. Para mim, A nova astrologia é exatamente esse livro. . . e mais alguma coisa!

A próxima parte de A nova astrologia vai fazer deste livro também o seu manual pessoal portátil. Na página seguinte, preencha a “Lista de dados pessoais de nascimento”. Depois, escreva seu nome no espaço

correspondente no “Quadro permanente de referência e compatibilidades da nova astrologia”, que está no final do livro (faça letra pequena, pois vai precisar de espaço). Agora, leia as suas características, sua vida amorosa, familiar e profissional, e verifique que signos da “nova astrologia” são compatíveis com o seu. Veja as pessoas famosas que nasceram com a mesma configuração da nova astrologia e veja se você tem alguma coisa em comum com elas. Se estiver interessado na personalidade de seus ante-passados ou de figuras históricas, encontrará seus signos no apêndice, no “Quadro de referência da astrologia ocidental” e no “Quadro de referência histórica do horóscopo chinês”.

Agora é hora de começar com a família e os amigos. Procure suas datas e anote-as em sua “Lista de dados pessoais de nascimento”. Preencha os espaços correspondentes no “Quadro permanente de referência e compatibilidade da nova astrologia”. Procure o capítulo referente ao signo de cada pessoa e leia.

Em breve, quando seu “Quadro permanente de referência” começar a ficar cheio de nomes, você vai

começar a observar alguns fatos interessantes sobre seus amigos, que tipo de pessoas você escolhe como amigos ou como amantes, por que sua cunhada é tão intragável e como você se relaciona, na verdade, com toda essa gente. Vire o quadro e veja com que signos você é compatível.

A nova astrologia é uma diversão boa, completa, informativa. O livro pertence exclusivamente a você. Aí estão registrados os nomes e aniversários das pessoas que você conhece. Leve-o nas férias, ao escritório, em viagens de negócios ou até em piqueniques. A nova astrologia vai ajudá-lo a julgar o caráter das pessoas que conhecer. Você deveria ter um caso com o sujeito que conheceu em Acapulco, ou seria melhor esquecê-lo? Será que se pode confiar naquela loira do escritório? Procure-a em A nova astrologia, coloque-a em seu quadro e verifique com qual de seus conhecidos ela se parece. Com a ajuda de A nova astrologia você pode checar as pessoas na hora, saber imediatamente se são seu tipo. A nova astrologia será seu guia e companheiro constante e fiel para o resto da perigosa vida moderna. Não o empreste a nenhum amigo. E nunca saia de casa sem ele.

Quadro de referência da astrologia ocidental

No ano astrológico ocidental há doze signos. Cada signo abrange mais ou menos um mês. Sua ordem é a seguinte:

1. Áries:

21 de março a 20 de abril

2. Touro:

21 de abril a 21 de maio

3. Gêmeos:

22 de maio a 21 de junho

4. Câncer:

22 de junho a 23 de julho

5. Leão:

24 de julho a 23 de agosto

6. Virgem:

24 de agosto a 23 de setembro

7. Libra:

24 de setembro a 23 de outubro

8. Escorpião:

24 de outubro a 22 de novembro

9. Sagitário:

23 de novembro a 21 de dezembro