A PROCURA DE DEUS por vlamor - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

����������������� AUTOR: VLADIMIR CHAIM

����������������

 

 

 

 

 

A PROCURA DE DEUS

 

 

 

 

������ ANO DE 2.013

����

���������������������� ���������������������

 

��� INDICE

��� AGRADECIMENTOS

��� PREF�CIO

 

3-INTRODU��O

4-O PLANETA TERRA

5-DESVENDANDO O UNIVERSO

6-A EVOLU��O DO HOMEM

7-O HOMEM SE DESCOBRINDO

8-A INFLUENCIA DAS CIVILIZA��ES

9-O HOMEM A PROCURA DE DEUS

10-A CI�NCIA E O HOMEM

11-A CI�NCIA E A RELIGI�O

12-DAS RELIGI�ES

13-COMO SER� O FUTURO PARA A CI�NCIA E A RELIGI�O

14-A INFLUENCIA DAS CULTURAS

15-O PODER E O HOMEM

16-O HOMEM VIVENDO EM SOCIEDADE

17-A VERDADEIRA VIDA

18-A CREN�A DO HOMEM EM DEUS

19- O CORPO HUMANO

20- A MENTE HUMANA

21- O FUNDAMENTAL PAPEL DA MULHER

22- O P�S-VIDA

23- A PROCURA DE DEUS

 

 

AGRADECIMENTOS

 

 

 

 

 

 

 

 

AGRADE�O PELO APOIO DE REALIZAR ESTE COMP�NDIO , QUE SER� UM FORMADOR DE OPINI�O , AQUELES QUE ESTIVEREM DISPOSTOS A CRITICAREM E A RACIOCINAREM SOBRE O QUE O AUTOR PROCUROU PASSAR AOS LEITORES, AGRADE�O E LEVE ESTA SUGEST�O PARA OUTRO LEITOR.

 

 

 

 

 

 

PR�FACIO

 

Este livro n�o tem o cond�o cientifico e nem religioso, procura mostrar a evolu��o do homem de modo a n�o especificar e nem divergir de qualquer cren�a ou descren�a.

A inten��o � trazer como a vida � de suma import�ncia, e como devemos viver em sociedade.

 

O homem apesar de pensar que � o �nico ser inteligente do universo procura quem o criou e como foi criado.

A busca do enigma como o dito popular �quem nasceu primeiro �o ovo ou a galinha�, � por demais duvidosa esta frase, pois quem veio primeiro�.

Partindo desse pressuposto algu�m ou algum ser mais inteligente, criou os seres do planeta terra.

Penso que foi como plantar uma �rvore jogou a semente e os frutos come�aram aparecer.

 

 

 

N�o deve ter outra maneira do homem concretizar a sua exist�ncia, a n�o ser descobrindo a Deus.

O verdadeiro sentido da exist�ncia e da evolu��o est� na submiss�o a um ser superior.

Ent�o no transcorrer dos cap�tulos deste livro, traz a import�ncia de todos os seres vivos do planeta, pelo seu equil�brio, dando subs�dios para o homem de sobreviver �s intemp�ries existenciais.

Tudo que foi escrito, vem, da inspira��o do Autor, indubitavelmente foi ajudado a conectar seu racioc�nio.

 

Os des�gnios de alguns seres enigm�ticos e aqueles elucidadores de assuntos por outros meios, os quais nos trazem muitas informa��es.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1- INTRODU��O

 

Este libelo traz para a humanidade a verdadeira exist�ncia e como o homem deve viver, sem ego�smo, inveja, orgulho, e sim viver com humildade, vendo o seu pr�ximo como a si mesmo.

 

Pretende mostrar o respeito em que o homem deve ter pelos seres vivos e por seu planeta, mantendo-o sem qualquer explora��o descontrolada.

O homem vem tentando descobrir a presen�a de Deus, e pela ci�ncia faz pesquisas incessantes, procurando o enigma, eis que o ser humano desde o principio preocupa-se com a sua submiss�o, atemoriza-se com as revoltas da natureza.

A Natureza pela sua grandeza, n�o esta a merc� dos des�gnios do homem, este sim precisa do fornecimento de substancias essencial para que a vida possa aflorar e mant�-lo.

 

 

A reposi��o dessas subst�ncias naturais, os homens n�o consegue compreender.

Assim a explora��o das riquezas da natureza de modo a prejudicar a civiliza��o.

Essa explora��o gera malef�cios de ordem astron�micos ,porque o homem duvida da presen�a de um ser supremo.

Sobre o futuro, e quem o faz � a ci�ncia e a Religi�o, que caminham juntas para dar sustenta��o � evolu��o do homem.

 

 

A cren�a em Deus s� trar� ao homem a resigna��o e a compreens�o da sua exist�ncia, quando descobrira o amor diante da ess�ncia de viver.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2- O PLANETA TERRA

 

O sol apresenta-se envolvido por uma n�voa girat�ria e um inv�lucro de g�s e poeira.

A for�a centrifuga fez com a n�voa se alargasse na linha do equador e se transformasse em an�is.

Ap�s estes se nos condensaram v�rios corpos do sistema solar, e assim surgiu o planeta terra, formado de manto, n�cleo.

O Planeta significa para o homem, a sua morada, em que deve preservar, pois atende todas as suas necessidades.

O ar que respira, � uma das ess�ncias para a vida, pois sem ele n�o conseguiria sobreviver.

A �gua � de suma import�ncia para o ser humano, que necessita para manter o seu sistema biol�gico em funcionamento, sendo que a maior porcentagem do corpo � a base d' �gua.

Os vegetais s�o de grande valia, estes fornecem alimentos para o ser humano, que necessitam para manter o seu sistema g�strico e equilibrado.

Os animais como chamamos de irracionais, tamb�m mant�m o equil�brio ecol�gico do planeta.

Assim os mais variados e gama de seres vivos, precisam do planeta para poder sobreviver e se manterem com vida.

Quando uns dos for n�o se reproduzem, isso pode significar que ha um desequil�brio ecol�gico, pois � um dos indicativos, que poder� causar enormes preju�zos para a ra�a humana e para o planeta.

Em percebendo este desequil�brio, o homem , deve tomar as providencias necess�ria.

Cientificar-se do que esta acontecendo, evitando a destrui��o da natureza, pois est� situa��o foi provocada e causa preocupa��o.

As maravilhas do planeta est�o na natureza, em que Deus nos entrega para administrarmos e evoluirmos.

Os oceanos, as florestas fornecem tudo para as necessidades e sobreviv�ncia do ser humano.

A noite � um fen�meno gerado pelo giro da terra, que por seus movimentos denominamos de rota��o e transla��o.

Quando um lado da terra esta de frente para o sol, a claridade se expande, e doutro lado fica escuro.

Diante da luz do sol, que reflete nos meteoritos quando visualizamos as estrelas.

A Lua o maior sat�lite da Terra tamb�m aparece � noite, porque a claridade solar reflete sobre ela, mas o ser humano a olho nu somente v� a noite.

O sol nos da � vida, pois os raios solares alimentam a nossa pele e os nossos ossos, al�m do que doa a fotoss�ntese para colorir as plantas, alimentando-as.

Tudo que o homem procura descobrir acaba destruindo, fazendo mal uso de todas as necessidades naturais, que lhe � fornecido gratuitamente.

O sol � poderoso e chegar perto torna-se imposs�vel, se ficar a exposi��o dos raios solares, o homem n�o suportaria o seu calor.

Assim e por consequ�ncia de uma explora��o descontrolada o homem se destr�i, mas n�o pelo prazer de conhecer um futuro pr�ximo, e sim para obter conhecimentos e manter o poder.

O Planeta terra sempre se renova, mas acontece que o homem ainda n�o despertou para o significado das muta��es do globo terrestre.

Tanto � , que o homem n�o acreditava que o planetaterra era redondo, pensavam que era quadrada, mas ficou provado , do seu formato � de uma esfera.

Diante de tal assertiva surgiram v�rias duvidas enigm�tica, e como que o homem consegue ficar em p�.

Ent�o as pesquisas come�avam a desvendar o invis�vel, como o fen�meno da gravidade. sendo este natural e impercept�vel.

O homem desvendando este fen�meno natural principiou com as pesquisas, descobrindo o porqu� que a terra gira.

N�o chegando a um consenso, alguns fil�sofos por causa disso foram tachados de loucos.

E os homens que dominavam a popula��o tanto pela for�a como pela intelig�ncia, geraram descr�ditos a esses pensadores.

A transforma��o do PLANETA vem ocorrendo, desde a sua concep��o.

Antes da ra�a humana, habitaram o planeta os animais mais horrendos e ferozes, os quais s�o chamados de Dinossauros.

Os Dinossauros foram dizimados pela mudan�a do sistema ecol�gico.

O g�s que predominava para que eles pudessem sobreviver era o carbono , quando o oxig�nio predominou, esses animais primitivos n�o resistiram e desapareceram.

Mas deixaram rastros, como suas ossadas, estas depois de muito tempo foram descobertas pelo homem.

Essas ossadas s�o bastante �teis, pois fornecem o produto mais usado pelo homem, ou seja, o petr�leo.

Ap�s a dizima��o das esp�cies antes do aparecimento da ra�a Humana.

E para o equil�brio do sistema ecol�gico, o qual foi modificado, e os gases predominantes passar�o a ser tr�s: carbono, nitrog�nio e oxig�nio.

O g�s carb�nico e t�o importante como o oxig�nio, sendo que o homem necessita dos dois para a sua sobreviv�ncia, pois se faltar um a natureza n�o conseguira manter-se em equil�brio.

Ap�s os gases, surgiu � �gua, que com o degelo pelo calor dos raios solares, as extremidades da terra, cobertas de gelo se transformaram em estado gasoso e depois passaram para o estado liquido.

E com o degelo das extremidades, pela incid�ncia dos raios solares, come�aram a evaporar, transformando-se em nuvens.

E na colis�o das nuvens, que s�o dotadas da energia positiva e negativa, viram l�quidos, ou seja, �gua.

Com esse choque t�rmico, formam raios reluzentes, que descarregam liquido para a forma��o dos oceanos e seus afluentes.

Ap�s esses fen�menos ficarem equilibrados, apareceu � ra�a humana, que evoluiu conforme a sua necessidade.

Dizem ,que o ser humanopassou por v�rias transforma��es.

De uma part�cula at�mica , para uma esp�cie mais aproximada do homem, assimdizem os especialistas.

E conforme o estudo da evolu��o humana, como do �tomo, passou a ser uma esp�cie gerada no mar, depois passou a ser um animal , o Macaco, e do macaco evoluiu e passou a ser homem.

Vindo a ser denominado de Homo-sapiens, que desde ent�o foi se diversificando em ra�as.

E estas ra�as foram procurando o lugar, ou o continente para se fixarem, em principio estes se instalavam perto dos mares.

As ra�as foram denominadas pela sua cor de pele, como a Branca, Preta, Amarela e Vermelha.

A ra�a Branca s�o os homens que vivem nos continentes da Europa, do leste europeu, os anglos sax�es, como os alem�es, ingleses, espanh�is, portugueses, e todos os pa�ses do continente europeu.

A ra�a preta, a sua incid�ncia ocorrera nos continentes Africanos, que por muitos anos foram escravizados pelos homens brancos, que ca�avam esses homens e mulheres para serem servi�ais da nobreza.

A ra�a Amarela est� focada nos pa�ses asi�ticos, como o Jap�o, China, Coreias e etc.,as suas culturas n�o imigraram ou emigraram para outro lugar.

A ra�a vermelha predominou em todos os pa�ses, sendo uma ra�a chamada de primitiva, e estes cultuam a natureza, esp�ritos e outras forma��es.

O planeta terra nos subsidia para evoluirmos, por que � a nossa casa, onde tiramos todas �s substancias, que precisamos para nos manter.

Como no caso dos alimentos, os quais s�o necess�rios para a nossa vida di�ria.

Como a �gua que precisamos consumir diariamente, e tamb�m precisamos dos raios solares, que alimenta-n�s para a vida.

��������� O sol nos proporciona os raios ultravioleta e infravermelho.

A lua nos presenteia com a gravidade, a qual nos mant�m verticalizados, influenciando tamb�m nos oceanos, at� durante a gesta��o da mulher.

A contagem das nove luas cientifica o quando o ser humano vai nascer .

Mas nem por isso o homem tem a certeza de que tudo isso foi criado por um ser superior, ainda ignora o seu pr�prio surgimento, n�o admite a submiss�o.

O homem necessita e tem de acreditar na submiss�o, pois tende a evoluir.

Mas se acreditasse piamente em um ser superior, n�o conseguiria aprender e buscar tantas informa��es da sua pr�pria exist�ncia.

Ent�o podemos considerar que o Planeta terra � um grande laborat�rio, que fornece para o homem todos os subs�dios para evolu��o.

Assim, devemos acreditar que o planeta terra � uma d�diva para que o homem possa descobrir a sua ess�ncia buscando primeiramente na Religi�o a submiss�o por um Deus que nunca sentiu e n�o sente.

E da duvida gerada, o homem por n�o concordar com a submiss�o, criou grupos de pensadores, que fizeram dos seus pensamentos a realidade, mas acreditando que exista um ser superior, e n�o s� o ser humano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3- DESVENDANDO O UNIVERSO

O homem n�o se contentando que havia s� um planeta, desconfiava que existisse um infinito, mas n�o sabia a sua extens�o.

Ent�o no seu racioc�nio surgiram v�rias indaga��es, como � que ele existe, perguntava como surgiram uma lua e um sol, ent�o duvidou se era o �nico ser no universo.

Mas o homem observando o infinito e as estrelas , come�ou a perceber , que estava enganado , pois descobriu outros planetas.

Os planetas descobertos foram denominados pelo homem, pelos nomes de Deuses que cultuavam na terra.

Assim o homem agu�a sempre a sua curiosidade, buscando meios para chegar mais perto dos seus anseios e desbravar o desconhecido.

Por meio das tecnologias al�m da sua capacidade, percebeu que poderia estudar o universo.

No entanto o homem n�o chegou a nenhuma conclus�o, ou, que vem a ser o infinito.

Com algum tipo de conclus�o, mas sem ter a certeza absoluta, pois sempre uma descoberta est� aberta para outras pesquisas.

Assim o Homem tenta desvendar o universo, mas se pensar ser Deus, n�o conseguir� satisfazer a sua curiosidade.

Por descobrir a energia el�trica, as transforma��es geol�gicas, utilizar da arqueologia, da medicina, da sociologia e doutras ci�ncias, mas se n�o tiver o bom senso e ter f�, n�o remover� montanhas e n�o descobrir� o enigma da vida.

E assim cientistas renomados, como Lavoisier, Albert Einstein e dentre outros, que sabiam demais, mas depois de h� muito pesquisar, andaram em c�rculos, como explicita a seguinte frase �nada se cria tudo se transforma�, podemos interpretar que n�o vamos chegar a nenhum lugar, se deixarmos a prepot�ncia nos influenciar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4 - A EVOLU��O DO HOMEM

 

Desde os prim�rdios da era hominal , as cren�as nos seres superiores foram evoluindo , a�ambarcando todas as possibilidades de aceita��o de coisas mais profundas do que apenas a exist�ncia.

Ent�o veja, que o homem primitivo, a ci�ncia, como outros tipos de interven��es junto � natureza, o ser humano vem se modificando constantemente.

E estagnado nas suas pr�prias raz�es deixa-se levar por racioc�nios il�gicos e sem fundamentos.

A inven��o da Roda dentre outras, que levam o homem a acreditar que poderiam proporcionar para a civiliza��o muitos benef�cios.

Assim o Homem vem conduzindo o seu aperfei�oamento para o seu conforto, que o levam entender a vida.

As mais variadas formas de sobreviv�ncia como da domina��o, eis que a fez pela for�a.

Quando o homem percebeu que a conquista seria o meio apropriado, passou a utilizar a for�a para dominar, e assim carreou a humanidade.

Dentre v�rios exemplos, os gregos foram os percussores da arte, da escrita, da pol�tica pelos fil�sofos, como S�crates e seus disc�pulos, Plat�o, Arist�teles, Hipocrates entre outros.

E desses ensinamentos foram se ramificando em especializa��es, da filosofia, vieram � matem�tica, f�sica, qu�mica, dentre outras.

Esses homens n�o eram compreendidos, pois a sabedoria deles estava al�m da era vivida.

Mas nem por isso deixavam de se revelarem, que at� os tempos contempor�neos os seus ensinamentos s�o de grande import�ncia para a humanidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

����������������� 5- O HOMEM SE DESCOBRINDO

 

Antes de todos meios al�m da imagina��o, o homem, ainda n�o havia descoberto a ele mesmo e nem o seu pr�prio planeta.

Assim as civiliza��es mais avan�adas pela sua capacidade naval, sa�ram para desbravar os oceanos e para descobrir outras civiliza��es.

Encontraram povos primitivos como os silv�colas, quando ent�o o homem passou a explor�-los.

Da explora��o dessas regi�es descobriram a exist�ncia de tesouros naturais, como pedras preciosas que enobreceram o homem.

Um dos maiores desbravadores foi o italiano Cristovam Colombo, com sua embarca��o chegou �s Am�ricas, do Norte, Central e do Sul.

A Am�rica do Sul, mais Precisamente o Brasil foi colonizado pelos portugueses.

 

 

Estes trouxeram a sua cultura e seus costumes, e predominaram desde ent�o as terras brasileiras.

Pensavam em fazer da terra primitiva, o seu imp�rio, e dominaram o Brasil, desde ent�o os portugueses conseguiram organizar a sociedade.

Mas encontraram diversas oposi��es , quando o Povo mais politizado procurou libertar o Brasil das amarras do Reinado de Portugal , quando Dom Pedro I gritou pela independ�ncia.

E assim o Brasil libertado, se tornou independente.

 

 

A Am�rica do Norte foi invadida por bastardos ingleses, que praticavam crimes na Inglaterra, sendo enviados para o continente americano.

Organizaram se em sociedade e fixaram-na como sua p�tria.

A Am�rica Central foi invadida pelos Espanh�is, que tinham um grande poderio naval, e desbravaram e fixaram naquele continente os seus costumes, como em alguns pa�ses da Am�rica do Sul.

E assim as na��es poderosas continuam a sua investida, em povos que n�o seguem os seus des�gnios, provocam dist�rbios para dominarem pela for�a e pelo enfraquecimento da economia dessas na��es menos favorecidas.

O maior despaut�rio provocado por estas na��es, que se dizem mais evolu�das, destro�am com embargos as na��es supostamente consideradas mais pobres.

Agora quem s�o os pobres, s�o aqueles que mandam matar para dominar uma regi�o, retirar o alimento da boca de quem necessita se alimentar.

As revoltas v�m trazendo para a humanidade muitas destrui��es, que essas deveriam ser estagnadas imediatamente.

 

 

O ser humano enfraquecido n�o consegue for�as para lutar contra os des�gnios daqueles que tem armamentos de ultima gera��o, os quais em poucos segundos se forem utilizados, destru�ram a humanidade.

Mas esses homens pensam que s�o Deuses e em detrimento deles atear�o fogo para uma dizima��o coletiva.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6-A INFLUENCIA DAS CIVILIZA��ES

O planeta terra vem abrigando v�rias civiliza��es acreditam em trilh�es de anos, civiliza��es avan�adas, que dizem os cientistas, as quais habitaram a terra.

Antes da exist�ncia dos nossos continentes, existiram outros, que segundo os cientistas dizem que est�o submersos, como a civiliza��o da Atl�ntida.

Sobre a exist�ncia da Atl�ntida existem in�meros atestados e sinais como os quais, desenhos, s�mbolos gravados em pedras, semelhantes uns aos outros bem como hier�glifos e monumentos.

Tudo isso demonstrado e representavam a civiliza��o de uma s� origem, f�bulas e lendas parecidas referindo-se aos mesmos fatos, costumes e acontecimentos.

Monumentos do M�xico semelhantes aos do Egito; hier�glifos datados h� oito mil anos.

As florestas brasileiras possuem petografias desses mesmos ideogramas.

Entre outras civiliza��es avan�adas, tanto na arte como na escrita, como as quais, os incas que se fixaram na America do sul.

Os astecas que habitaram A America do Norte.

Agora estas civiliza��es nos deixaram a sua cultura.

�������� Os arque�logos, geof�sicos e ������estudiosos, procuram incessantemente por resqu�cios que possam ajudar a descoberta da ess�ncia das sociedades.

Existiam outras civiliza��es que evolu�ram como a do Egito, onde foram constru�dos templos Fara�nicos.

 

 

Um dos marcos dos Eg�pcios foram as Pir�mides, que ficar�o para o todo sempre.

Estes monumentos s�o de uma arquitetura indescrit�vel e n�o compreendida pelo homem.

O homem n�o consegue explicar como, que aquelas pedras foram colocadas uma em cima da outra, com tanta precis�o.

A Babil�nia , quando recordamos do jardim suspenso , do primeiro c�digo de leis do mundo, idealizado pelo Rei Hamurabi, que deu subs�dios para o aparecimento de outros c�digos de Leis, os quais serviram para organiza��o das sociedades.

 

A civiliza��o Romana que dominou o mundo acreditava na pluralidade de Deus, cultuava v�rias formas de Deuses, mas quando surgiu o profeta, Rei dos Reis, ou seja, Jesus Cristo trouxe os verdadeiros des�gnios de Deus.

����������� E por causa desta avers�o, Jesus foi crucificado.

Apoiados pelo povo da Judeia, estes sim foram os principais respons�veis pela condena��o de Jesus, o qual j� tinha ci�ncia da sua miss�o, de perdoar e trazer a verdade, mas n�o foi compreendido.

E ap�s a vinda de Jesus, o mundo n�o foi o mesmo, o Homem demorou a evoluir, e continuou a ser primitivo, buscando conquistar o que n�o � seu, pensando ser Deus.

O poder ao vencer uma batalha, e acreditando ser sempre o grande , mandando e desmandando , fazendo e desfazendo, n�o admitindo que fosse derrotado por um ser mais poderoso, mas estando sempre sobre a �gide de Deus.

O Homem � a similitude de Deus, por isto sente-se assim, pensando que esta acima de tudo, exercendo sem sentimento para com o pr�ximo, desdenhando contra o seu semelhante.

 

 

 

 

 

 

 

 

7-O HOMEM A PROCURA DE DEUS

 

O homem vem procurando uma formula de chegar a Deus, tentando com variados m�todos, mas n�o conseguindo aproximar os seus desejos.

Deus esta sempre presente, sendo que o homem n�o consegue e, demora a acreditar que exista um ser maior do que ele.

Falar em nome de Deus em v�o, � hip�crita, como se a vida n�o significasse nada.

Desde as eras anteriores at� os tempos contempor�neos o homem acredita que Deus � pluralista.

Desde a era Grega, Romana, Eg�pcias, Babil�nicas e dos Persas, n�o houve qualquer modifica��o, o homem contempor�neo prega em nome de Deus sobre v�rias interpreta��es.

A tormenta continua, o quanto acreditar ou n�o acreditar em um s� ensinamento da palavra de Deus.

 

 

A l�dica sabedoria do Homem, a n�o ser que este busque a exist�ncia de Deus, por mais dif�cil que possa ser.

Os falsos profetas sempre est�o presentes, utilizando-se da palavra de Deus, ludibriando a maioria das pessoas, que acreditam piamente em coisas que j� foram ditas e desditas.

Mas o �nico que trouxe a palavra santa para uma melhor compreens�o foi o filho de Deus, JESUS.

Desde a cria��o das Religi�es provocam Guerras em nome de Deus.

 

 

O homem usa da Religi�o para atemorizar o seu semelhante, pois querem o poder. mas esquecem da sua submiss�o.

Dizem que Deus aplica castigos, e se o homem n�o atender os seus des�gnios vai para o inferno.

N�o devemos falar em nome de Deus sem ter certeza, mas sim buscar a verdade, pois o homem precisa olhar para ele mesmo, e avaliar como foi criado.

Asseverando a exist�ncia o homem poder� avaliar o que � Deus, fazendo valer a sua vida.

Com o tempo, o idealismo dos antigos crist�os deu lugar � mesquinharia.

O sentido das medidas tomadas pelos primeiros ap�stolos foi paulatinamente distorcido.

O importante cargo de di�cono institu�do por Pedro transformou num valioso meio de se alcan�ar prest�gio a ser utilizada para fins nem sempre crist�.

A rivalidade aumentava entre os bispos de diferentes regi�es, que despendiam horas em discuss�es est�reis sobre o ponto de vista particular, afastados por completo das necessidades da comunidade.

Estes procuravam distorcer o verdadeiro sentido do caminho do ser humano para satisfazer as suas designa��es, dominando fam�lias, castas e sociedades num todo.

Mas como o ser humano, o homem por sua ess�ncia, que a sua primeira palavra ao nascer � a negativa, n�o concordou com esse dom�nio, ou se qualquer outro viesse tirar a sua liberdade.

O homem preferia ser dizimado, do que esta a merc� de des�gnios ign�beis e sem sentido.

Quando os mais ousados procuraram entender o que estava escrito nas escritas, entendeu, o que estava sendo pregado, n�o condizia com a verdade.

E ent�o foram buscar a verdade , quando as distor��es entre as sociedades apareceram e a Igreja foi perdendo o seu poder , e ent�o procurou reciclar e acompanhar o que a sociedade precisava para voltar a acreditar nas escritas.

Ent�o o homem aflorou e percebeu que o povo unido, nunca ser� vencido, e que o povo � a voz de Deus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8-A CI�NCIA E O HOMEM

 

O Homem tenta se redescobrir, buscando na ci�ncia como foi criado, como evoluiu ao ponto de ser chamado de ser inteligente.

Os cientistas dizem que o homem descende do MACACO, uns dizem que o homem descende do peixe, e outros dizem que o homem veio do p� e ao p� voltara.

E desde ent�o a ci�ncia procura de forma hipot�tica como � que o homem surgiu.

Quando o Homem come�ou a se organizar em sociedade de forma inteligente, estuda e procura desvendar a verdadeira vida.

Acontece que a ci�ncia foi criada pelo homem para o se estudar biologicamente, ou seja, o estudo exterior, esquecendo-se de estudar a ele mesmo, o seu interior.

A evolu��o era inevit�vel, pois o homem curiosamente precisa de respostas do mundo exterior, do seu habitat, pois n�o poderia ser s� a sua performance como ser inteligente, ent�o buscou na natureza e no invis�vel, as suas respostas.

Foi buscar primeiro no seu intelecto, como os fil�sofos na era Grega.

���������� Estes os Fil�sofos somatizaram todos os itens em que o homem poderia se enquadrar intelectualmente, chegando a conclus�es impressionantes, e o porqu� da exist�ncia do ser.

E assim foram dados subs�dios para outros fil�sofos e pensadores ap�s a era Grega, de tentarem os seus experimentos, que levariam o homem a utilizar para o seu conforto e evolu��o.

 

Podemos conotar que o homem primitivo at� os tempos contempor�neos , vem estudando a sua exist�ncia e porque existe , transformando a vida com sabedoria em facilidades para a sobreviv�ncia mais salutar.

Ent�o a ci�ncia vem dar todos os aparatos para o desenvolvimento e descobrimento das coisas mais insignificantes, as quais significam muito para a vida do Homem, que depende inteiramente da ci�ncia para entender a sua pr�pria exist�ncia.

Da Roda o homem inventou a charrete e da charrete inventou o autom�vel que necessita de um motor de propuls�o para se movimentar, sendo que a charrete, o pr�prio homem puxava, e assim vieram os cavalos, utilizados como meio de transporte.

Al�m dos ve�culos acima, o homem descobriu que poderia voar e n�o parou por ai, descobriu que o Planeta terra � redondo, e que a gravidade mant�m os seres na posi��o reta e por isso ficam em p�.

A ci�ncia veio a facilitar a vida do Homem, em rela��o a seu trabalho, desde o trabalho artesanal, que era feito por cada um e n�o coletivamente.

E da� veio os teares, que exigiam a especializa��o do Homem, que passou a ser industrializado, ou seja, o mesmo produto era fabricado em s�rie, ou seja, por v�rios homens, na linha de produ��o.

E ent�o chegamos � era da tecnologia, em que o homem n�o mais utiliza da for�a para transformar um produto, mais precisa se especializar para trabalhar com aparelhos que trabalham por v�rios homens.

Hoje as maquinas industriais est�o encostadas, para no futuro serem pe�as de museu, pois foram substitu�das por computadores h�bridos, que j� est�o sendo substitu�dos pelos computadores virtuais.

N�o para por ai, o homem vem caminhando para o conhecimento de si mesmo, mas esta muito longe de se concretizar.

O materialismo esta sendo cultuado pelo homem, o bem material surtiu o efeito negativo na sociedade, que precisa de trabalho e receber para poder sobreviver.

O interesse pelo consumo faz do homem escravo dos seus pr�prios sentidos, de animal racional para tornar-se irracional, para obter de qualquer modo o seu sonho consumista.

N�o basta o sonho de consumo, ainda o homem deixa de pensar no seu retiro espiritual para lutar pela sua exist�ncia material.

 

Quando entra a ci�ncia para resolver os problemas psicol�gicos do homem, que asseveram na era moderna.

O homem deixa de ser criativo para ser criado e dirigido por alguns seres humanos que dominam a tecnologia.

A ci�ncia vem contornando todos esses problemas com drogas para recupera��o da autoestima do homem, o qual deixou de pensar em si, para querer ser mais eficiente do que o seu semelhante.

O homem e a ci�ncia caminham juntos, pois o homem � a ci�ncia, a ci�ncia � o homem, um n�o fica sem o outro, mesmo porque o homem avalia a ele mesmo, o seu meio ambiente , o meio em que vive , dando a ci�ncia subs�dios para estudos profundos.

Mas o homem � sempre mutante, mas um homem n�o faz a sociedade, mas dois formam a fam�lia e a fam�lia forma uma casta e a casta forma a sociedade.

A ci�ncia � uma institui��o de investiga��o constante, tentando descobrir o irreal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

��������������������� 9 - A CI�NCIA E A RELIGI�O

 

A ci�ncia procura o que a Religi�o prega, pois a Religi�o atende os des�gnios de Deus, acreditando que representa a humanidade, que por ela chegaremos � perfei��o, e esta encontrar� a morada do Homem quando deixar de existir.

O porqu� da certeza dos Religiosos em dizer que Deus � onipresente e proteger� aquele que acreditar na doutrina Religiosa piamente.

Acontece que a Religi�o � idealizada pelo Homem, que leva a palavra de Deus a outrem, realiza a verdadeira ben��o e ser� levado ao para�so.

No entanto, os falsos profetas est�o cada vez mais presentes, enganando os seus seguidores, dizem que s�o representantes de Deus na Terra, e s� por eles � que o Homem se libertar�.

Dai dizem que para a purifica��o da alma, o Homem dever� seguir aos des�gnios de Deus.

Mas o sentimento para com Deus est� muito longe das expectativas em que o homem deva acreditar, sendo que quando um diz para o �outro� que �voc� fique com Deus�, n�o esta sendo verdadeiro, mesmo porque Deus est� sempre conosco.

Ora n�o � Deus que deve estar com o Homem e sim o Homem deve acreditar que existe um Deus.

Assim a ci�ncia est� sempre perseguindo aquilo em que o Homem diz acreditar, ou seja, no irreal, a ci�ncia busca a cren�a real, pois o dito popular diz que a ci�ncia � ateia.

Como acreditar no que n�o � veross�mil, mas a ci�ncia paralelamente est� caminhando com a raz�o, enquanto a Religi�o caminha com o enigma, sem dar a certeza do que � a realidade.

A ci�ncia estuda os fen�menos da natureza, buscando a certeza na incerteza , quando da imagina��o do homem , que acredita em um Deus, a ci�ncia procura o que significa Deus.

Ent�o a Religi�o e a Ci�ncia est�o em confrontos constantes, em que a primeira estabelece Regras e a segunda quebra todas as Regras disponibilizando o que � a vida, e ambas chegam �s mesmas conclus�es.

Veja que em 2.012 os cientistas descobriram a part�cula de Deus, com a colis�o dos �tomos causando a explos�o da vida, criando a exist�ncia do ser.

Agora o homem , quando o sexo Masculino e Feminino consegue com que o espermatoz�ide penetre no �tero feminino , o ser come�a a ser gerado em mais uma vida.

E todos os seres vivos, mas precisamente os mam�feros, s�o gerados pela convola��o, e outras esp�cies, a Religi�o diz, que s�o gerados conforme as suas condi��es evolutivas.

A Religi�o � a filosofia, e a ci�ncia � a concretiza��o da Religi�o e da cren�a em Deus.

A Religi�o prega a f� em Deus, dizendo que � o �nico caminho a seguir.

Entretanto como � que a Religi�o pode ter a certeza desse caminho, sem ter nada de concreto da exist�ncia de Deus.

Assim a Religi�o como uma necessidade proeminente, de desvendar o enigma da presen�a de Deus.

Mas o homem interpreta de sua maneira o que � Religi�o, significa Religar com o ser superior pela submiss�o, expondo a caridade, amor e justi�a para com todos os seres humanos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10 - DAS RELIGI�ES

Desde a exist�ncia do Homem, acredita-se que estes seguem alguma cren�a, criando v�rios m�todos para chegar a um consenso.

Sempre buscam a realidade, e assim criou desde ent�o v�rios Deuses, para chegar � conclus�o que existe apenas um Deus.

As primeiras civiliza��es imaginavam e inventavam Deuses para por medo nos incr�dulos, e que estes obedecessem ao m�stico sem saber qual era a verdade.

Quando o homem chegou � conclus�o que existe apenas um Deus, passou a criar varias Religi�es.

Destas Religi�es a primeira volta-se para um �nico Deus, como a Judaica, mas esta foi premiada pelo nascimento de um profeta, que viria para libertar o homem dos seus sofrimentos, mas n�o seguiram os seus ensinamentos e o crucificaram.

 

 

E os disc�pulos que seguiam os ensinamentos do mestre, espalharam-se pelo mundo, levando os seus ensinamentos, e esses disc�pulos institu�ram a sede do cristianismo em Roma.

A civiliza��o Romana n�o acreditava em um s� Deus, mas foi onde edificou a Religi�o mais cultuada no mundo, ou seja, o Catolicismo.

E houve dissidentes desta Religi�o, que foram institu�das para partilhar com a Religi�o Cat�lica , a controversa se estabeleceu , sendo criadas varias Religi�es.

 

 

 

Surgiram ent�o v�rias Religi�es como a dos Luteranos, que s�o chamados de evang�licos; a anglicana, a Budista, o islamismo dentre outras.

O Espiritismo surgiu pelas m�os de Alan Kardec, que compilou a doutrina, para a doutrina��o da humanidade na face da terra, sendo que esta doutrina � a verdade e segue os ensinamentos de JESUS CRISTO filho de Deus.

Dessa doutrina explicita os ensinamentos de Jesus, dando mais �nfase a F�, caridade e amor.

 

 

 

Como Jesus pregou, amai-vos uns aos outros , como eu v�s amei, est� m�xima, n�o � seguida at� os dias atuais, o Homem ainda n�o acredita que exista um Deus, apenas acredita nele pr�prio, ser� que o homem conseguir� chegar ao Reino de Deus, pelos ensinamentos, que assim seja.

Como ser� o futuro do Homem, acreditar� em Deus, ou apenas nele mesmo, se houver o descr�dito, retornar� para aprender a verdade e voltar� todas as vezes que cometer erros, pois tem o livre arb�trio.

 

N�o conseguir� evoluir, ficando a merc� dos seus pr�prios caprichos, ficando c�tico quanto a Religi�o e apenas acreditando no que � palp�vel.