A Revolução Portugueza - O 31 de Janeiro (Porto 1891)

A Revolução Portugueza - O 31 de Janeiro (Porto 1891)
Ao presidente do tribunal de guerra, no acto do julgamento: ... Eu, meu senhor, não sei o que é a Republica, mas não póde deixar de ser uma cousa santa. Nunca na egreja sentí um calafrio assim. Perdí a cabeça então, como os outros todos. Todos a perdemos. Atirámos então as barretinas ao ar. Gritámos então todos:— Viva! viva, viva a Republica!... Do «Manifesto dos Emigrados da Revolução do Porto de 31 de Janeiro de 1891.»
Esta é apenas uma pré-visualização em PDF das primeiras páginas do A Revolução Portugueza - O 31 de Janeiro (Porto 1891). Baixe a versão completa para ler o livro completo.
Nota: Você deve ter o Adobe Reader ou o Acrobat Installed para ver esta visualização
Você não tem o Adobe Reader instalado. Para ver esse arquivo, baixe Adobe Reader em <a href="http://get.adobe.com/reader/" target="_blank">aquí</a>. Ou, se quiser baixar o PDF para seu computador, clique <a href="https://portugues.free-ebooks.net/ebook/A-Revolucao-Portugueza-O-31-de-Janeiro-Porto-1891/pdf">aqui</a>.