Alterações bioquímicas em músculos esqueléticos de ratos submetidos à isquemia e reperfusão... por Simone Marques Bolonheis - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

RESUMO

Bolonheis SM. Alterações bioquímicas em músculos esqueléticos de ratos submetidos à

isquemia e reperfusão intestinal [Tese]. São Paulo: Instituto de Ciências Biomédicas da

Universidade de São Paulo; 2009.

A disfunção de músculos esqueléticos é comum durante a síndrome da resposta inflamatória

sistêmica (SIRS) causada por infecções (sepse). Está associada ao desenvolvimento de

fraqueza muscular prolongada e dificuldade no desmame da ventilação mecânica em

pacientes internados em UTI. Esta disfunção está relacionada à produção de citocinas,

espécies reativas de oxigênio (ROS) e óxido nítrico (NO) nos músculos esqueléticos.

Contudo, não existem dados na literatura documentando a ocorrência de disfunção contrátil

durante a SIRS causada por isquemia e reperfusão intestinal. Assim, este trabalho teve como

objetivo confirmar o modelo de IRI como causador de SIRS e analisar a presença de algumas

citocinas (TNF-a, IL-1ß, IL-6 e IL-10), marcadores da produção de ROS e a via L-arginina-

NO em músculo respiratório (diafragma) e de membros inferiores (tibial anterior) de ratos

submetidos a períodos iniciais de reperfusão (2 e 6 h) após isquemia intestinal. Avaliamos

também a função da cadeia transportadora de elétrons e a contratilidade do músculo

diafragma em animais submetidos a duas horas de reperfusão. Nossos resultados demonstram

que a indução de IRI causa aumento na concentração sérica de citocinas, bem como em

parâmetros bioquímicos de lesão renal e hipoperfusão tecidual (lactato). Ainda, a IRI aumenta

a expressão de citocinas, promove alterações na via L-arginina-NO e causa danos oxidativos

em lipídeos e proteínas em ambos os tipos musculares estudados, porém de forma dependente

do tecido e do tempo de reperfusão considerado. Ainda, a atividade do complexo I da cadeia

transportadora de elétrons (CTE) está aumentada no diafragma após duas horas de reperfusão,

o que pode representar uma fonte de produção de anion superóxido em nosso modelo

experimental. Estas alterações não afetam a função contrátil do diafragma após duas horas de

reperfusão, mas podem ser importantes para o desenvolvimento de disfunção muscular em

tempos posteriores de reperfusão.

Palavras-chave: Isquemia e reperfusão intestinal. Síndrome da Resposta Inflamatória

Sistêmica. Músculo esquelético. Óxido Nítrico. Estresse oxidativo. Citocinas.

3