As mil faces de João de Minas: a construção do escritor e a repercussão de seus livros no campo... por Leandro Antonio de Almeida - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA SOCIAL

As mil faces de João de Minas: a construção do escritor

e a repercussão de seus livros no campo literário

brasileiro (1927-1989)

LEANDRO ANTONIO DE ALMEIDA

São Paulo

2012

LEANDRO ANTONIO DE ALMEIDA

As mil faces de João de Minas: a construção do escritor

e a repercussão de seus livros no campo literário

brasileiro (1927-1989)

Tese apresentada ao Programa de

Pós-graduação em História Social da

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências

Humanas da Universidade de São Paulo

como requisito para obtenção do grau

de Doutor em História Social

Orientador: Profº Dr. Elias Thomé Saliba

São Paulo

2012

Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio

convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte.

Catalogação na Publicação

Serviço de Biblioteca e Documentação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo

Almeida, Leandro Antonio de

A447m

As mil faces de João de Minas: a construção do escritor e a

repercussão de seus livros no campo literário brasileiro (1927-1989) /

Leandro Antonio de Almeida ; orientador Elias Thomé Saliba. - São

Paulo, 2012.

448 f. Ilust.

Tese (Doutorado)- Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências

Humanas da Universidade de São Paulo. Departamento de História.

Área de concentração:História Social.

1. História do Brasil. 2. Literatura Brasileira. 3. Religião. 4.

Indústria Cultural. I. Saliba, Elias Thomé, orient. II. Título.

Contato:

leandroaalmeida@hotmail.com

ALMEIDA, Leandro Antonio de.

As mil faces de João de Minas: a construção do escritor e a repercussão de

seus livros no campo literário brasileiro (1927-1989)

Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social da

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São

Paulo como requisito para obtenção do grau de Doutor em História Social.

Aprovado em:

Prof. Dr. _______________________________________________

Instituição: ____________________ Julgamento: ______________

Assinatura: _____________________________________________

Prof. Dr. _______________________________________________

Instituição: ____________________ Julgamento: ______________

Assinatura: _____________________________________________

Prof. Dr. _______________________________________________

Instituição: ____________________ Julgamento: ______________

Assinatura: _____________________________________________

Prof. Dr. _______________________________________________

Instituição: ____________________ Julgamento: ______________

Assinatura: _____________________________________________

Prof. Dr. _______________________________________________

Instituição: ____________________ Julgamento: ______________

Assinatura: _____________________________________________

Aos meus queridos pais Antonio e Penha

Pelo que de essencial ensinam

no cotidiano, sem livros

ele com a paciência sertaneja do norte de Minas

ela com a vivacidade dos sítios do norte do Paraná

Agradecimentos

Às pessoas que generosamente auxiliaram a pesquisa da tese como Paulo Valadares, Cláudio

Giordano, os escritores Caio Porfírio Carneiro e Rui Ribeiro da UBE, a Profª Drª Maria

Cristina Cortez Wissembach, o Prof. Dr. Nelson Schapochnik, ao Prof. Dr. Marco Antonio

Arantes, e Regis Palombo. Nos encontros com vários deles, aprendemos com as difíceis

tentativas de obter informações sobre Ariosto, e todos os incentivos à realização do estudo foi

de suma importância para nós.

Aos professores Dr. Nelson Schapochnik e Dr. Júlio Pimentel Pinto, pela importante

avaliação preliminar do estudo que segue, rigorosamente contribuindo para sua melhoria ao

iluminar vários pontos para nós obscuros. Aos professores Dra. Lilia Moritz Schwarcz, Dra.

Paula Ester Janovitch e Dr. José Geraldo Vinci de Moraes, por avaliar a dissertação que

antecedeu este trabalho e, indiretamente, contribuir para questões tratadas na tese.

Aos colegas de pós-graduação, em especial Patrícia Raffaini, Camila Koshiba, Ana Karícia e

João Vilhena, Maria Margareth, Carmen Lúcia Azevedo, cuja convivência acadêmica, além

de contribuir, além de indicações de fontes, com conversas a partir das inquietações próprias

de cada pesquisa, agregando a experiência de quem se iniciou antes na jornada do mestrado,

foi marcada pela alegria das festas e comemorações semestrais.

Aos colegas e alunos da UFRB, pela convivência e aprendizado diário nas atividades

acadêmicas no Recôncavo da Bahia. Agradecimento especial a Fábio Joly e Nuno Gonçalves,

pela ajuda para me situar nessa nova e fascinante região.

Aos amigos da Faculdade de História da USP, em especial Marcelo Meira Amaral

Bogaciovas, Marcelo Ferreira, Marcos Antonio Lopes Veiga, Theo Hotz Almeida, Daniel

Lago Monteiro, Thiago Lima Nicodemo, Karen Kossling, Fabíola Albuquerque, pela fraternal

convivência desde a graduação, a qual permanece com os anos. Mesmo que os caminhos

seguidos por cada vida pessoal sejam distintos, aumentado pela distância geográfica, a

amizade e paixão pela História nos une.

Aos amigos da Cohab de Carapicuíba, em especial Fernando Brito Miranda, Jamilton Alves e

Eduardo Camacho, pelos anos de convivência e amizade sincera durante as longas e

agradáveis sessões de RPG, que me despertaram para o mundo encantado da narrativa.

A Laíla Rodrigues Soares e Gabriel Rodrigues Soares, pela fraterna convivência em Salvador,

ensinando-nos bastante sobre essa cidade e, com a cultura, sabedoria e personalidade decida,

sobre a vida.

Ao mestre Elias Thomé Saliba, cujo papel determinante nesse trabalho foi muito além de

orientador acadêmico, constituindo verdadeiro mentor e amigo nessa caminhada. Adotou o

irrequieto estudante de graduação, gentilmente apresentou-nos João de Minas ao perceber

nosso gosto por literatura fantástica e escritores malucos, e apontou a relevância de se estudar

a recepção ao escritor mineiro. Cada vez mais, as virtudes profissionais e éticas de

pesquisador, orientador, escritor e professor constituem nosso modelo e parâmetro por

expressar o rigor acadêmico aliado à sensibilidade, aguçada pelo epifânico humor que ensina

sobre o passado através dos risos libertadores. Espero ter correspondido novamente à

confiança depositada nesses quatro anos.

A meus pais Antonio Francisco de Almeida e Penha Maria de Almeida, por todo apoio e

sacrifício empreendidos, pelo carinho e confiança no caminho seguido, pela vibração com as

vitórias conseguidas na luta diária pela sobrevivência e superação das dificuldades, exemplos

de amor, determinação, fibra e moral. A meus irmãos Lauro Marreiros de Almeida e Leosmar

Marreiros de Almeida, pelo companheirismo que nossa convivência trouxe e pelo

aprendizado constante que os diferentes caminhos propiciam. Que esta tese novamente lhes

inspire perseverança e esperança na realização dos seus ideais. Ao já crescido Nickolas e

recém chegado Guilherme, sobrinhos cuja graciosidade nos alegra e mais uma vez renova o

compromisso com um futuro melhor.

Faço parte de Deus porque sou um artista

Todo livro meu contém todo o meu sangue

Em verdade eu vos digo que o meu reino é deste mundo,

entre os humildes e os que sofrem e onde minha

memória jamais se apagará

João de Minas

RESUMO

ALMEIDA, Leandro Antonio de. As mil faces de João de Minas: a construção do

escritor e a repercussão de seus livros no campo literário brasileiro (1927-1989). 2012,

448 f. Ilust. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da

Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

O objetivo desta tese é analisar a construção da imagem de escritor e a recepção dos livros de

João de Minas, pseudônimo de Ariosto Palombo (1896-1984), no campo literário brasileiro

entre 1927 e 1989. Foi realizada uma pesquisa documental em livros, jornais e revistas para

localizar textos de sua autoria e opinativos sobre sua pessoa e suas obras. A análise das

atividades do escritor mineiro é focada em três momentos: jornalista governista (1927-1930),

que publicou textos sobre os sertões brasileiros e artigos de defesa das oligarquias

encabeçadas pelo Partido Republicano Paulista; um escritor popular (1934-1937), atuante nos

gêneros aventuras, sentimental-sexual e policial, bastante difundidos à época; e profeta (1935-

1969), criador de uma eclética religião que misturava kardecismo, catolicismo,

protestantismo, umbanda e esoterismo. As opiniões sobre João de Minas e seus livros

mudaram conforme se intensificou a orientação popular de suas atividades: tornou-se famoso

por ser reconhecido como talento literário promissor por escritores membros da Academia

Brasileira de Letras em 1929; foi criticado pela agressiva autopromoção e pelo mau gosto da

linguagem de seus livros voltados ao grande público; e sua guinada à religião ressaltou entre

os intelectuais e escritores uma imagem de oportunista e arrivista sobre João de Minas, que

levou seu nome a ser apagado das enciclopédias e histórias literárias nacionais.

Palavras-Chave: João de Minas, Ariosto Palombo, Literatura brasileira, literatura de

entretenimento, Igreja Brasileira Cristã Científica.

ABSTRACT

ALMEIDA, Leandro Antonio de. The thousand faces of João de Minas: the

construction of a writer and reception of his books in the brazilian literary field

(1927-1989). 2012, 448 f. Ilust. Thesis (PhD) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências

Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

The aim of this thesis is to analyze the construction of writer image and reception of João de

Minas books, pseudonym of Ariosto Palombo (1896-1984), in the Brazilian literary field

between 1927 and 1989. We conducted documentary research in books, newspapers and

magazines to locate texts of his own and opinions about his person and his works. The

analysis of the writer activities is focused on three moments: loyalist journalist (1927-1930),

who published texts about brazilian wilderness and articles in defense of the oligarchies

headed by Paulista Republican Party; a popular writer (1934-1937), active in pulp fiction like

adventure novel, women and erotic fiction, and detective stories, quite widespread at that

time; and prophet (1935-1969), creator of an eclectic religion that blended kardecism,

Catholicism, Protestantism, umbanda and esotericism. Opinions about João de Minas and his

books had changed as the popular direction of his activities was intensified: in 1929, he

became famous for being recognized as promising literary talent by writers members of the

Brazilian Academy of Letters; after 1934 was criticized by aggressive self-promotion and bad

taste language of his books focused on general public; and his turn to religion stressed among

intellectuals and writers an image of opportunist and upstart about João de Minas, that took

his name to be erased from national literary histories and encyclopedias.

Keywords: João de Minas, Ariosto Palombo, Brazilian literature, pulp fiction, Scientific

Christian Brasilian Church.

LISTA DE FIGURAS

Página de O Paiz com rodapé de João de Minas

45

Capa de Jantando um Defunto

69

Capa de Farras com o Demônio

74

Propaganda de Jantando um Defunto

79

Capa de Sangue de Ilusões

144

Propaganda de Sangue de Ilusões

145

Propaganda de livros de João de Minas

146

Propaganda no Jornal do Estado

152

Propaganda do livro São Paulo Constitucionalista

157

Capa de Mulheres e Monstros

163

Primeira página da história de Clara, nos livros Jantando um Defunto e Mulheres

165

e Monstros

Última página da história de Maria Clara, nos livros Jantando um Defunto e

166

Mulheres e Monstros

Entrevista de João de Minas a O Malho

169

Páginas e fotografias de “Um Monstro Pré-Histórico, o crocodilo Mamuth, vivo

170

num lago misterioso de Mato-Grosso”

Capa de Horrores e Mistérios dos Sertões Desconhecidos

173

Capa de Pelas Terras Perdidas

182

Propaganda da Coleção SIP

191

Capa da 1a edição de A Mulher Carioca aos 22 Anos

193

Capa de A Datilógrafa Loura

206

Foto de Greta Garbo

206

Capa de Uma Mulher... Mulher!

226

Quadro de Fuseli, O Pesadelo

226

Capa de Fêmeas e Santas

235

Capa de A Prostituta do Céu

236

Capas de O Malho, ilustradas com contos de João de Minas

245

Última capa de Nos Misteriosos Subterrâneos de São Paulo, com propaganda de

246

livro policial do autor

Capa de Nos Misteriosos Subterrâneos de São Paulo, com foto de João de Minas.

247

Sexto episódio do Folhetim “Nos Misteriosos Subterrâneos de S. Paulo”.

251

Propaganda de Nos Misteriosos Subterrâneos de São Paulo no Diário da Bahia

253

Listagem de livros da Unitas na Folha da Manhã,

269

Propaganda dos livros da Marisa Editora

271

Propaganda de livros no Jornal do Estado

272

Nota sobre Mulheres e Monstros, Correio de São Paulo

283

Seção “Livros Novos” da Revista da Semana,

297

Página anotada de “Pelas Terras Perdidas”

307

Propagandas da Academia Brasileira de Ciências Ocultas divulgada no Diário da

334

Bahia,

Prospecto da Ciência Divina com foto de Antoninho Marmo

352

Panfleto com a foto de Eurípedes Barsanulfo

357

Fotos de F.C. Henriques, para a reportagem de Daniel Linguanoto publicada na

360

Revista do Globo

Imagens dos adeptos da Cura Divina na Praça da Sé de São Paulo

365

Capa de A Vida Começa na Ciência Divina

368

Prospecto da Ciência Divina de 15 de julho de 1951, cujo detalhe mostra a

373

campanha pró Ademar e Sangigolo

Propaganda da Cura Divina Total no Diário Popular, com foto de Nelson Zanotti

376

Propaganda da Cura Divina Total no Diário Popular, com foto de Nelson Zanotti

376

e João de Minas

Panfleto convidando para romaria ao túmulo de João Relojoeiro

383

Panfleto com a imagem de João Relojoeiro,

385

Panfletos da Cura Divina Total, março de 1963

387-

388

Cartão de apresentação de Joaquim Pereira da Silva

392

Capa da Bíblia – vol. 3 – 2ª ed. –

394

Propaganda no Diário Popular, São Paulo, de 2/1/1965

394

LISTA DE TABELAS

Grau de instrução por faixa etária segundo o censo de 1920 - Brasil

122

Grau de instrução por faixa etária segundo o censo de 1940 - Brasil

122

Tiragens dos exemplares da Companhia Editora Nacional - jan.-nov. de 1933

126

A produção da seção editora [da Globo]: 1931-1937

128

Comparação dos títulos de Jantando um Defunto e Mulheres e Monstros

164

Publicações sobre a Revolta Constitucionalista (1932-1940)

216

Lugar de Publicação dos livros sobre a Revolução Constitucionalista (anos 30)

217

SUMARIO

Introdução

15

Parte I – Jornalista beletrista

41

1- A projeção de um jornalista Legalista

42

Uma curta narrativa sobre a Coluna Prestes

42

Os temas do jornalista João de Minas

53

Os primeiros leitores, os editores de O Paiz

66

2- O escritor revelação

81

Debates literários dos anos 20 do ponto de vista de João de Minas

81

Leituras de Jantando um Defunto

90

Quem criou o escritor João de Minas

114

Parte II – Escritor Popular

119

3- Rumo ao povo

120

Novo surto de ficção para o povo

120

Da política ao público

143

4- João de Minas, autor nacional de livros populares

163

Maravilhas no sertão do Brasil Central: os livros de aventuras

163

A hipocrisia do mundo dos espertos: os romances sentimentais de costumes

188

Sob os casarões e igrejas de Ouro Preto: narrativas historico-sexuais

231

Um detetive para a Paulicéia: no rastro do policial

244

5- Leituras e leitores dos livros de João de Minas nos anos 30 e 40

266

Notas sobre as editoras e prefácios editoriais

266

Da consagração ao resgate de um escritor

279

João de Minas e o mercado de literatura de massa

308

Parte III - Profeta

313

6- O profeta do asfalto

314

Rastreando a conversão: o escritor olha para a religião

314

A Academia Brasileira de Ciências Ocultas do Professor Patiala

330

O Papa Nacional da Igreja Brasileira Cristã Científica

346

A Cura Divina Total do Pastor João de Minas

375

7- Um escritor maldito

398

Novas Polêmicas

398

Reminiscências Goianas

415

Conclusão

422

Fontes

427

Referências

435

Apêndice

445

15

Introdução

Em 1976, ao procurar livros raros em um dos tradicionais sebos do Rio de Janeiro, o

diretor de teatro Aderbal Freire-Filho deparou-se com a obra A Prostituta do Céu, atribuído a

um desconhecido autor que assinava João de Minas. O teor confirma a sugestão do título: a

história de uma linda garota que, após uma vida no meretrício, é recebida no paraíso por um

Jesus Cristo nada convencional. A temática sexual eivada de humor, o estilo ágil e rápido, e a

construção de personagens canalhas em torno da protagonista levaram Aderbal a atribuir o

livro a Nelson Rodrigues, escondido sob mais um pseudônimo. Deu-se conta do engano,

pesquisou um pouco mais e chegou à conclusão que, "excetuando-se talvez uma meia dúzia

de gatos pingados, praticamente todos os alfabetizados brasileiros (...) desconheciam

solenemente o senhor João de Minas". A ignorância generalizada era tamanha que abriu

espaço para uma brincadeira: "um dia, na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, depois

de fazer uma consulta que já tinha feito na Biblioteca Nacional, cheguei à inútil e espaventosa

conclusão de que era o maior especialista em João de Minas do mundo"1.

O título poderia ser contestado ou referendado pela meia dúzia de "gatos pingados"

que também se aventuraram, sem muito sucesso, a investigar a vida e a obra do desconhecido

autor, como o professor universitário Marco Antonio Arantes, que mapeou seus artigos em

Araraquara e conseguiu alguns de seus livros; o escritor e ex-diretor da União Brasileira de

Escritores Caio Porfírio Carneiro, que por anos procurou livros e recolheu depoimentos no

meio literário2; o historiador Rui Ribeiro, também possuidor de algumas de suas obras3; o

bibliófilo e editor Cláudio Giordano, que conseguiu a mesma façanha de Aderbal ao reunir no

acervo da Biblioteca Rubem Borba de Moraes toda a obra literária de João de Minas4; e o

falecido jornalista mineiro José Seixas Sobrinho, que obteve informações biográficas inéditas

nos jornais da capital e interior do seu estado5.

Se todos esses “especialistas” se reunissem em um hipotético I Encontro sobre João de

Minas, certamente uma das questões mais discutidas seria o sumiço das referências ao escritor

do meio intelectual brasileiro. Para Aderbal Filho,

1

FREIRE FILHO, 1999, p 212 e 213.

2

CARNEIRO, 1992, p. 10.

3

RIBEIRO, 2004.

4

GIORDANO, 2005.

5

SEIXAS SOBRINHO, 1991, p. 8-9

16

A obscuridade de João de Minas é um fato impressionante. No mundo dos

livros, ou seja, com a concretude do material impresso, e considerando o

razoável renome que João de Minas provavelmente conquistou no seu

tempo, a rapidez com que o nome desse autor caiu no esquecimento é difícil

de entender6.

Caio Porfírio, após redescobrir a "dimensão artística de um escritor que sumira e tivera seus

rastros apagados", comenta que João de Minas fora "sucesso absoluto de público na década de

30, como tantos outros escritores talentosos neste país desmemoriado"7. Rui Ribeiro

acrescenta que "trata-se, portanto, de escritor desconhecido até por críticos e historiadores

ilustres, apesar de ter publicado, entre 1929 e 1936, mais de uma dezena de livros disputados

pelo público e editado aos milheiros"8. Por fim, Cláudio Giordano pontua:

Nossa memória histórico-cultural está repleta de “esquecimentos”. As

personagens que não se enquadram nas premissas de avaliação daqueles que

estabelecem quem deve ou não figurar no quadro e compêndios da história

pátria são sumariamente eliminados. Não importa a influência que tenham

exercido na sociedade de seu tempo nem as obras que praticaram ou

deixaram aos pósteros. Isso ocorre em especial no campo da literatura, sendo

exemplo claro o do escritor João de Minas, pseudônimo de Ariosto Palombo,

mineiro de Ouro Preto, que viveu de 1896 a 1984. Escreveu uma dezena de

livros, cujas edições se esgotavam rapidamente e arrancaram elogios

arrebatadores9.

Os questionamentos não são exagerados. Rui Ribeiro já notou que "por

incompreensível omissão, os dados bibliográficos de João de Minas não constam dos

dicionários sobre autores brasileiros. Da mesma forma, nos compêndios de estudos literários

só há referências vagas à sua obra"10. Ao verificarmos a afirmação, constatamos que a

mencionada omissão aparece em publicações cuja proposta seria cobrir o assunto, como os

dicionários literários. Não há nada na enciclopédia dirigida por Afrânio Coutinho ou nos

dicionários elaborados por Raimundo de Menezes e Massaud Moisés11. O único dicionário

onde o nome de João de Minas trata de escritores goianos, elaborado por Mário Ribeiro

Martins12. Se considerarmos as histórias da literatura brasileira, como a de Antônio Cândido e

Aderaldo Castelo, Alfredo Bosi, Afrânio Coutinho ou Carlos Nejar, o silêncio se mantém13. A

6

FREIRE FILHO, 1999, p 214.

7

CARNEIRO, 1992, p. 10.

8

RIBEIRO, 2004.

9

GIORDANO, 2005.

10

RIBEIRO, 2004.

11

COUTINHO, 2001; MENEZES, 1978; MOISÉS,1999.

12

MARTINS, 1999, pp. 45-46 (AG Pinto), 571 (João de Minas), 1055-1056 (Teófilo Neto).

13

CANDIDO, & CASTELO, 1997, v. 2.; BOSI, 1995; COUTINHO, 1986, v. 5 e 6; NEJAR, 2011.

17

exceção encontra-se nas "referências vagas" a dois livros de João de Minas em poucas linhas

da monumental obra de Wilson Martins História da Inteligência Brasileira 14.

Notamos também uma ausência absoluta de textos universitários, especialmente de

crítica literária, sobre o escritor mineiro. Nada que informe se produz boa literatura, má

literatura, se escreve mesmo literatura ou subliteratura, as especificidades do estilo que usa,

sua inserção na prosa brasileira etc. Os únicos textos acadêmicos que visam elucidar sua

ficção são nossos estudos sobre seus temas e narrativas voltados para problemas históricos15.

É provável que esse “esquecimento” se deva ao fato de João de Minas ser considerado

um dos mais controversos escritores brasileiros do século XX. Nascido filho de um italiano

radicado em Ouro Preto, recebeu o nome Ariosto Palombo (1896-1984), mas ficou conhecido

nas rodas sociais pelo pseudônimo adotado no rastro da popularidade de João do Rio. Quando

a família se mudou para a nova capital mineira, ele passou a colaborar nas revistas ilustradas,

em 1913, até conseguir um emprego no Diário Oficial, dois anos depois. Circulando pelas

redações e bares, em especial o Bar do Ponto, era considerado uma das mais excêntricas e

irreverentes figuras da boemia belorizontina nos anos 1910.

No início da década seguinte mudou-se para Uberaba, quando colocou seus talentos de

jornalista e advogado sem diploma a serviço dos coronéis e políticos na região conhecida

como Brasil Central16. Angariou clientela e hospedagem nas suas constantes viagens pela

região, quando reuniu matéria sertanista que fez o sucesso dos seus livros de finais dos anos

20, coletâneas de artigos publicados na imprensa governista. O primeiro deles, um conjunto

de contos sertanistas contra a Coluna Prestes lançado em 1929, foi elogiado pelos mais

renomados escritores da Academia Brasileira de Letras, o que levou o nome João de Minas ao

rol das revelações literárias do momento. Pela sua militância jornalística em prol de

Washington Luís e da candidatura à presidência de Júlio Prestes contra Vargas, ganhou

emprego na capital federal no ano de 1930.

Suas pretensões políticas, junto com livros no prelo, foram abortados com a deposição

do presidente. Fugiu e, anos depois, ao se radicar em São Paulo, procurou se inserir na nova

ordem, trabalhando para o governo federal revolucionário ou para a oposição paulista,

conforme as oportunidades. A fugacidade dos projetos políticos levaram-no a optar pelo

14

MARTINS, 1978, v. 6, pp. 446, 485, 554, 556.

15

ALMEIDA, 2007, 2008, 2010 e 2011.

16

Isto é, o oeste de Minas Gerais e São Paulo, Goiás e Mato-Grosso, antes de serem desmembrados.

18

mercado de ficção massiva em expansão, focando seus esforços na conquista de um público

popular a partir dos gêneros de sucesso como aventuras, policial e sentimental. Lançou uma

série de romances permeados por uma virulenta, cômica e sarcástica crítica a uma sociedade

representada como hipócrita e canalha, tema que, junto com cenas de sexo, arrepiou os brios

conservadores. Reinventou sua faceta popular a partir de 1935 quando se transformou no

chefe supremo de uma nova e eclética religião. Adotou o pseudônimo Mahatma Patiala e

fundou a Igreja Brasileira Cristã Científica, que o ocupou pelas décadas subsequentes, talvez

até a sua morte17.

Sua produção e atuação está intimamente colada aos eventos políticos, sociais e

culturais, sendo por isso nada linear. Na juventude em Belo Horizonte, seu trabalho de

repórter e tarefeiro oficial foi acompanhado pela direção temporária de Revistas Ilustradas e

pela vida de boêmio inveterado. Entre os anos 1920 e 1930, o jornalista de legalismo

extremado e militante não se separa do advogado, do viajante e aventureiro do sertão, nem do

cronista da alta intelectualidade interessado no reconhecimento e apadrinhamento literário.

Entre 1930 e 1937, a aberta ou velada oposição política a Vargas não impedem o rábula de

assumir um cargo no governo em 1933, fundar uma empresa de publicidade e propaganda

para veicular livros políticos comprometedores, atuar como colunista mundano nos jornais,

despontar como escritor de romances "de massa" sertanistas ou urbanos. Mesmo quando se

assumiu "profeta", reinventando várias vezes sua religião entre 1935 e 1969, não deixava de

escrever crônicas para jornais do interior do país, fundar uma associação literária, promover

políticos e “excomungar” os desafetos.

Na curta apresentação, percebemos guinadas na vida de Ariosto Palombo que foram

consideradas oportunistas por explorar as expectativas alheias, fossem as necessidades de

legitimação dos poderes constituídos da Primeira República, as modas literárias nos gêneros

eruditos e populares, ou as crenças dos fiéis em busca de consolo ou sentido para a existência.

Forneceram motivos para se acumularem à sua imagem a pecha de excêntrico, maluco,

irreverente, jornalista venal e conservador, escritor subliterato e pornográfico, vigarista,

picareta, aos quais se acrescenta o cabotino e mitômano, temperamento inquieto e imaginação

febril, externados através de uma exímia e convincente oratória ou talentosa prosa escrita. Por

essas e outras, foi considerado a encarnação de tipos literários "sem caráter" por intelectuais e

escritores, simpáticos ou não, como Paulo Duarte, Carlos Maul, Elder Rocha Lima, Bernardo

17

ALMEIDA, 2008, cap. 1. FREIRE FILHO, 1999, p 211-266. JOSÉ,1959-1964, p. 61-80. SEIXAS

SOBRINHO, 1991, p. 8-9.

19

Elis Júnior, Antonio José de Moura, entre outros18. Caio Porfírio menciona que a inscrição de

João de Minas foi recusada pela União Brasileira de Escritores porque Paulo Duarte "levou

mais em conta as atitudes insólitas do escritor do que o valor de sua obra" 19. O estigma

permaneceu após sua morte.

O nome de João de Minas ressurgiu na cena cultural brasileira contemporânea pela

iniciativa do próprio Aderbal Freire-Filho, fascinado pela ficção do escritor mineiro. Em

1990, encenou A Mulher Carioca aos 22 Anos no Rio de Janeiro, São Paulo e Portugal e, em

1999, colaborou para sua reedição ao redigir um posfácio sobre vida e obra do autor. Em

ambas as ocasiões saíram entrevistas de Aderbal, críticas à peça e artigos em torno desse

romance. Veiculada em circuitos não acadêmicos como prefácios ou antologias, jornais, blogs

e revistas, essa recuperação de João de Minas nos últimos vinte anos tem sido pontual, com

clara finalidade de (re)apresentar a obra e o escritor mineiro ao grande público,.

Motivados pela peça, os textos de 1990 apresentam o desconhecido escritor ou fazem

crítica teatral. Elaborados pelos “especialistas” mencionados acima, os relatos biográficos

focam sua produção literária ao mencionar os dados editoriais e curtíssima sinopse do enredo,

por vezes reproduzindo trechos de ou sobre João de Minas20. Já as críticas teatrais apreciam a

montagem de Aderbal, no seio da qual avaliam A Mulher Carioca aos 22 Anos, tarefa

facilitada porque o diretor transportou literalmente a narrativa para o palco, reproduzindo na

íntegra as falas do narrador e das personagens.

Transparece nas críticas um estranhamento perante a prosa do ressurgido autor,

oscilando entre genialidade literária e a vulgaridade subliterária: linguagem rica, de metáforas

inusitadas; variadas e desordenadas tramas paralelas; romance de costumes com visão de

mundo original, no qual tipos hipócritas e venais servem a uma impiedosa e divertida ironia

contra todas as instituições sociais do país; abordagem escancarada e por vezes infantil da

sexualidade; etc21. Direcionadas à peça de Aderbal, as poucas linhas sobre A Mulher Carioca

aos 22 Anos têm caráter informativo, sem maiores esforços para situá-lo na literatura da

época. No máximo, repetem a analogia do diretor de teatro cearense ao considerar João de

Minas um inusitado precursor de Nelson Rodrigues.

18

LIMA, 2009. CARNEIRO, 2006. MOURA, 1988, pp. 210-250; MAUL, 1955, pp. 92-93.

19

CARNEIRO, 1992, p. 10.

20

SEIXAS SOBRINHO, 1991, p. 8-9. E.F.R., 1990, p. 62-3 (os dados devem ter sido fornecidos por Aderbal

Filho). CARNEIRO, 1992, p. 10.

21

LUIZ, 10/11/1990, p. 1; LUIZ, 13/11/1990, p. 6; VALE, 1991, p. 5-6; PEREIRA, 1991, p. 11; ELIODORA,

1990, p. 2.

20

Passado o deslumbre, no decorrer da década o próprio Aderbal foi aprofundando o

questionamento sobre o significado da obra de João de Minas e sua relação com Nelson

Rodrigues. O problema deixa de ser a gênese de um estilo pessoal, pois ambos tornam-se

parte de uma concepção de mundo comum:

quando eu li A Prostituta do Céu, A Mulher Carioca, Fêmeas e Santas eu

disse, é o NR [Nelson Rodrigues]. O passo seguinte, depois de achar que era

o NR, foi achar que o NR começou como um plagiador do João de Minas, eu

disse, ele tá plagiando o João de Minas, porque ele escreveu frases que o

João de Minas escreveu, os personagens, os temas. E depois cheguei à

conclusão de que o João de Minas e o NR são frutos de uma mesma época,

de um mesmo pensamento, de um mesmo povo, de uma mesma cultura.

Com a diferença que o NR é mais genial. O João de Minas misturava

momentos de extrema genialidade com momentos de deliciosa subliteratura,

e o NR já era mais depurado. (…) aí você começa a ver os romances que

eram escritos, aqueles caras daquela época que tomavam o tema da liberdade

sexual, da mulher na sociedade22.

Os artigos sobre João de Minas que saíram a partir de 1999 seguem a mesma linha.

Abordam elogiosamente o livro A Mulher Carioca aos 22 Anos, com percepções semelhantes

às feitas pelos críticos de 1990. A novidade está no fato de João de Minas ser tratado ao lado

de autores que, nessa década, também tiveram a obra relançada por pequenas editoras. Ao

retratar satiricamente a vida mundana, a sexualidade e os vícios do Rio nos anos 30, ele

aparece ao lado dos escritores cariocas da Belle Époque como João do Rio, Lima Barreto,

Benjamin Costallat e Theo Filho, e de escritores malditos das décadas seguintes como João

Antônio, Antonio Fraga, Rubem Fonseca e Nelson Rodrigues23. Tais textos apostam no

resgate de uma vertente literária cuja identidade repousaria na atuação dos escritores no

jornalismo (reportagem), o que levou tanto à fidelidade a “certos temas, tipos e aspectos da

paisagem popular, e até marginal, do Rio e de São Paulo, em épocas diversas”, bem como a

uma predileção pelo escândalo, em escritos destinados a consumo rápido.24

Alguns desses textos jornalísticos de finais dos anos 1990 apresentam explicações para

o ostracismo desse conjunto de autores, sobretudo os da Belle Époque, entre os quais João de

Minas é incluído. Para a jornalista Maria Cristina Elias, apesar do sucesso editorial, a ficção

22

Fala de Aderbal Freire-Filho em Nelson Rodrigues, um debate entre diretores. Caderno de Espetáculo, 1995,

p. 56. Aderbal levanta a hipótese externa: “ (...) um pouco tocados talvez pelo ponto de vista do que eles

tavam vendo de fora. Até por uns autores menores, como Pitigrili, que devia influenciar a eles todos. Meu pai

era um leitor de Pitigrili, adorava, os pais das pessoas da minha geração. Era um pecado ler Pitigrili”.

23

CASTRO, 1999, p. D9; GRAIEB, 1999, p. 150-151; ELIAS, 2000, pp. 26-29; MOREIRA, 1999, pp. 34-36;

NEIVA, 1999, pp. 100-101. Alguns textos sugerem raízes longínquas do estilo voltado à denúncia ferina dos

costumes sociais em Gregório de Matos, Antonio Manuel de Almeida e Aloísio Azevedo.

24

CASTRO, 1999, p. D9; GRAIEB, 1999, p. 150-151; ELIAS, 2000, pp. 26-29; MOREIRA, 1999, pp. 34-36.

A citação é deste último texto.

21

de João de Minas e Benjamin Costallat estaria limitada ao plano dos costumes escandalosos

como sexo, drogas, vestuário etc, além do humor. Seu sucesso teria sido efêmero, durando

enquanto sua literatura escandalosa tivesse permanecido novidade, caindo no esquecimento

quando a sociedade se transformou. Não teriam "perdurado como os escritores modernistas -

cujo ideal de revolução estética atingia não apenas o conteúdo, mas também (e sobretudo) a

forma literária"25. O artigo de Carlos Graieb é norteado pela mesma pergunta:

por que autores tão famosos acabaram sumindo do mapa? Em parte, a culpa

foi deles próprios. Fizeram literatura de escândalo e livros de consumo

rápido. Às vezes, até se exercitaram nos gêneros "menores", como João de

Minas, que apostou no policial. Por esses mesmos motivos, atraíram a

antipatia dos modernistas, seus contemporâneos. Essa é a segunda causa do

esquecimento. A grande ficção brasileira deste século, aquela que de fato

entrou para o cânone literário, foi feita por modernistas paulistanos como

Mário e Oswald de Andrade, nos anos 20, ou então pelos regionalistas

nordestinos, a partir dos anos 30. A crítica passou a borracha sobre a

memória daqueles que não se enquadraram.26

A explicação esboçada por Maria Cristina ecoa duas interpretações consolidadas nos

anos 1950 e 60. A primeira aponta o caráter datado do referido estilo, relacionando-o ao

ambiente carioca representado. Brito Broca escreve:

Lê-se uma crônica de Costallat e vê-se que a sua ‘linguagem’, no sentido

afetivo da palavra, já não é a dos nossos dias. Por quê? Porque o êxito desse

escritor, como o de Théo Filho e outros, se fez integrado numa ‘paisagem’

que não mais existe. O Rio mudou radicalmente de trinta anos para cá – o

Rio, São Paulo, a própria vida do interior. (...) Muitos deles perderam a

graça, porque a sua graça estava ligada às mesas de café, às reuniões

vesperais à porta do Alvear e às remanescências de boêmia da Lapa. A

incapacidade de readaptar-se levou-os a um progressivo afastamento, que

acabou por torná-los deslocados no ambiente literário e, consequentemente,

fora de foco: demodés.27

A outra interpretação fornece argumentos semelhantes. Ao traçar um panorama para

estrangeiros da literatura produzida no país entre os anos 1900 e 1945, Antônio Cândido

procurou caracterizar rapidamente a vertente da ficção urbana entre 1900 e 1922. Ao lado da

25

ELIAS, 2000, p. 29.

26

GRAIEB, 1999, p. 151. E faz a crítica do ostracismo: "De fato, comparados aos experimentos de um

Macunaíma, os livros de um Costallat têm apenas um esmalte de modernidade. Mas isso não justifica o

ostracismo. Primeiro, porque os romances desse autor, assim como os de Théo Filho ou João de Minas, são

como um elo perdido na ficção urbana brasileira. Quem lê hoje em dia os livros de Rubem Fonseca não vai

encontrar seus antecedentes em Macunaíma, mas talvez os encontre em Praia de Ipanema. Segundo, porque

ninguém fez ainda um bom estudo que relacionasse a ficção popular das décadas de 20 e 30 aos textos mais

eruditos (...) Finalmente, um argumento que interessa ao leitor comum. Livros como A Mulher Carioca aos

22 Anos são divertidos à beça, além de evocarem à perfeição épocas passadas. É bom que estejam novamente

disponíveis."

27

BROCA, 1991, p. 342, grifo do autor.

22

"artificialidade" do regionalismo, a frivolidade do gênero naturalista que permaneceu

constituiria um dos motivos para a ruptura renovadora da Semana de 1922, considerada

momento fundador da ficção brasileira contemporânea. Sobre a literatura de "permanência",

um decalque do naturalismo, Cândido afirma que

o produto típico do momento é o romance ameno, picante, feito com alma de

cronista social para distrair e embalar o leitor. Forma-se pela confluência do

que há de mais superficial em Machado de Assis, da ironia amena de

Anatole France e dos romances franceses do Pós-naturalismo, sentenciosos,

repassados de sexualismo frívolo: Paul Bourget, Abel Hermant. Afrânio

Peixoto é o representante padrão desta tríplice tendência, enquanto Léo Vaz

se atem aos aspectos mais puramente machadianos. Veiga Miranda, Hilário

Tácito, Théo Filho, Benjamin Costallat são exemplos, em escala decrescente,

do pendor cada vez mais acentuado para a leviandade do tema sexual-

humorístico28.

A reprodução nos meios intelectuais de tais afirmações datadas contribuíram para

congelar as obras e trajetórias desses escritores. O texto de Cândido congela-os num momento

anterior ao Modernismo de 1922, enquanto Brito Broca a uma imagem do Rio de Janeiro

cosmopolita. Um dos problemas de concepções lineares de literatura para uma abordagem

histórica é não considerar as implicações da permanência dos gêneros ficcionais e autores na

sociedade, como observou Cláudio Giordano. O trecho de Antonio Cândido cria o efeito de

transformar uma vertente ficcional anterior e paralela à vanguarda modernista numa estética

passada, superada, desconsiderando a vigência do gênero sexual-humorístico, que teve em

João do Rio um importante modelo. Permaneceram atuando na década de 1920, entre outros,

Benjamin Costallat, Theo Filho, Álvaro Moreira e José do Patrocínio Filho29. Como indica

Brito Broca no texto citado, parece que Benjamin Costallat teve leitores até os anos 50 e 60,

apesar de o crítico considerá-lo fora de moda. Além de João de Minas, a vertente sofreu

apropriações nos anos 30 por Berilo Neves, outro jornalista atuante na imprensa do Rio de

Janeiro que valeu-se do gênero sexual-humorístico, misturando-o ao sobrenatural e à ficção

científica em livros de crônicas e contos constantemente reeditados mas hoje esquecidos

como A Costela de Adão (1929), A Mulher e o Diabo (1931) ou Século XXI (1934).

28

CÂNDIDO, 2006, p. 120-121. Noutra obra de divulgação, mais atual, o autor mantém a perspectiva, mas cita

apenas Afrânio Peixoto. Ver CÂNDIDO, 1999 (1987), p. 66-8.

29 Ver BROCA, 1991 e 1993; RODRIGUES, 2006, p. xii. O juízo de João Carlos Rodrigues é bem negativo ao

seguidores de João do Rio: "Essa pecha cai bem melhor nos seus seguidores nesse gênero. Benjamin

Costallat, Patrocínio Filho, Madame Chrysanthème (Cecília Bandeira de Mello), Théo Filho (Teotônio

Freire), Sylvio Floreal (Domingos Alexandre) e João de Minas (Ariosto Palombo), são interessantes, mas sem

densidade, além trocarem a ironia cosmopolita do nosso João por um moralismo de província."

23

O texto de Carlos Graieb parece mais sintonizado com as recentes tentativas

acadêmicas de recuperar esses escritores30 e colocar em evidência a construção da

interpretação canônica inspirada no modernismo paulista. A perspectiva de seu trecho foi

extraída de Beatriz Resende que, em apresentações de dois livros com textos desses escritores,

denuncia a exclusão do que ela denomina literatura art-decó, "escrita no período de 1920 e

1935, quando a arquitetura dos cinemas e prédios de Copacabana, o mobiliário e a moda

exibem um estilo importado de Paris e Nova York: o das artes decorativas". O estilo art-decó

seria responsável por formar um gosto

que começa a se manifestar no final do século anterior e que se torna mais

forte quando o supérfluo, o consumo e a liberdade de comportamento vão se

incorporando ao cotidiano de nossas elites urbanas. O design, a aparência,

deve importar tanto quanto a função da mercadoria. Os vestidos curtos, os

ternos ajustados, as piteiras e, se possível, as baratinhas em velocidade,

incorporam-se à personalidade dos personagens que circulam pelos

boulevards. Entre essas volúpias do luxo estavam o gosto pelo uso de drogas

capazes de exaltar os sentidos, abrir caminhos para novos prazeres, tornar

seus adeptos mais inteligentes, mais sensíveis e, sobretudo, mais modernos.31

Expressão de uma modernidade antenada com as metrópoles mundiais desde finais do

XIX, os arroubos temáticos desses escritores foram vítimas da censura policial, como o

romance Mademoiselle Cinema de Benjamin Costallat. Todavia, Beatriz Rezende aponta

outra "expressão de conservadorismo" mais nociva e efetiva, os formadores do cânone

literário:

Moralistas ou elitistas, desprezando a literatura que faz sucesso (e como este

parti pris de desconfiar do valor daquilo que agrada ao público tem feito mal

à crítica, atingindo até mesmo nosso grande Jorge Amado), os zeladores do

cânone leram Costallat (...) mas preferiram a defesa dos limites nítidos, tão

ao agrado dos críticos modernistas, entre cultura de massa e cultura de elite.

Dos milhares de volumes vendidos, quase nenhum restou, nem mesmo nas

bibliotecas oficiais. A memória da cidade conservou a imagem de Benjamin

Costallat, a cultura oficial o subestimou.32

30 O texto de Eliezer Moreira, Nossos Rebeldes e Malditos, também segue a perspectiva sobre esses escritores,

valendo-se de um estudo de Maria Célia Barbosa Reis da Silva sobre Antonio Fraga. Além de a perspectiva

ser semelhante à desenvolvida a seguir, não tivemos acesso à tese de Maria Célia, um doutorado defendido na

PUC Rio: Antônio Fraga: personagem de si próprio. Rio de Janeiro: PUC, 1998. (Tese de Doutorado em

Literaturas de Língua Portuguesa).

31

RESENDE, 2006, p. 18.

32

RESENDE, 1999, p. 24

24

Beatriz Resende estende estas afirmações não só "autor que foi tão desprezado pelo

cânone quanto Costallat, o hoje festejado e de volta aos estudos literários João de Minas" 33,

mas a todos os autores ligados a essa vertente estética:

A segunda [forma de exclusão], responsável pela eliminação de vários dos

autores aqui apresentados de nosso cânone literário, diz respeito à recusa

imposta pela força do nosso movimento modernista entre nós a autores que

não se enquadrassem perfeitamente em suas propostas, não fizessem parte do

clã. O sucesso do ideário e da estética modernista, sobretudo a partir dos

anos 1930, implicou na desqualificação das propostas artísticas do momento

que lhe foi imediatamente anterior, forte principalmente no Rio de Janeiro.34

Resende aponta a distinção entre escritores atuantes em gêneros literários orientados à

cultura de massa e os escritores eruditos, os "modernistas", que teriam feito "o cânone"

literário nacional, "a grande ficção brasileira". Aqui, o critério para compor a memória ou

história cultural da ficção brasileira tem uma cara, a crítica seria inspirada no modernismo. A

explicação enfoca as contendas sobre a definição de literatura brasileira nos anos 1920 e 30.

Mas, talvez por falta de espaço nos prefácios das coletâneas e reedições, não menciona quem

é a crítica, o seu teor e como incide sobre os autores marginalizados. Provavelmente Beatriz

Resende se dirija, implicitamente, à interpretação feita por Antonio Cândido, citada acima.

Alguns estudos se dedicaram mais de perto a esmiuçar a construção de uma

interpretação da cultura no Brasil a partir do modernismo. Em seu sentido mais simples, o de

narrativa, o “mito modernista” tem a seguinte estrutura:

1922 funciona como data de eclosão da brasilidade até então reprimida, ou

então da súbita entrada do Brasil na modernidade, eclosão que seria

complementada, politicamente, em 1930, com a revolução. Esses

acontecimentos, erigidos como marcos da memória, têm seus heróis

(sobretudo Mário e Oswald de Andrade) e seus anti-heróis, ou suas paródias

demoníacas (o grupo verde-amarelo de Menotti, ou Graça Aranha, ou o

Parnasianismo). Traça-se dessa forma um verdadeiro sentido para a

literatura brasileira, com a exorcização do mal (o autoritarismo) que seria

apenas um caminho falso, um desvio. Que isto venha acompanhado de

qualificações e desqualificações morais (o virtuoso Mário de Andrade vs o

oportunista Menotti Del Picchia), eis o que, embora devendo nos

surpreender, não surpreende. Há ainda outros elementos que perfazem o

mito, como por exemplo a imagem da platéia no Teatro Municipal

33

RESENDE, 1999, p. 24. Talvez Beatriz Resende tenha confundido retorno aos estudos literários com retorno

aos meios editoriais pois, até o momento, não encontramos estudos literários sobre João de Minas.

34

RESENDE, 2006, p. 17-18. Os autores que fazem parte da coletânea são Olavo Bilac, João do Rio, Lima

Barreto, Benjamin Costallat, Chrysanthème, Orestes Barbosa, Coelho Neto, José do Patrocínio Filho, Álvaro

Moreyra, Sinhô, Ribeiro Couto, Théo Filho, Manuel Bandeira, Patrícia Galvão e João de Minas. Joca Terron,

em uma resenha, ressalta o critério da organizadora: "No meu modo de ver, portanto, a não-inclusão de uma

carta de Mário de Andrade relatando suas experiências com cocaína no Carnaval de 1923 a Pedro Nava

(lamentada por Beatriz Resende no prefácio) apenas fortalece o recorte estético da seleção". TERRON, 2006.

25

humilhando e martirizando os jovens poetas, sinceros e aventureiros, numa

'consagração pela vaia'. Sendo a brasilidade o objeto em disputa, entre seus

supostos libertadores e os vilões nigromantes que a faziam soçobrar no

galicismo35.

Daniel Faria entende que um segundo sentido se sobrepõe a este, transformando a

narrativa mítica numa matriz geradora de identidades, despolitizando e naturalizando a

história literária nacional ao desconsiderar as divisões internas ao movimento após 192436 e

impor sua interpretação a autores e obras que nada têm a ver com o movimento –

denominados antecessores pré-modernistas ou modernistas da 1a, 2a, 3a geração etc.37. Nessa

acepção, a narrativa é encontrada em vários manuais de literatura, textos de apresentação que

circulam pela mídia, matriz interpretativa de inúmeras teses, dissertações e livros, alvo de

extensa comemoração (90 anos) no momento de redação deste texto. 1922 tornou-se o marco

fundador para uma leitura dos movimentos posteriores que se inspiravam no ideal das

vanguardas, como o concretismo (1956), o tropicalismo (1968), ou na antropofagia, como o

movimento Supernova, de 1988, com seu “Manifesto Antropofágico da Ficção Científica

Brasileira”, escrito por Ivan Carlos Regina38. Mais recentemente (2007), uma apropriação

direta ocorreu na Semana de Arte Moderna da Periferia, realizado em um boteco da zona sul

de São Paulo, local de encontro do sarau da Cooperifa, com direito a cartaz, foto dos

organizadores e “Manifesto da Antropofagia Periférica”, de autoria do poeta Sérgio Vaz39.

Ao lado das apropriações criativas e rememorações, uma crescente historiografia

recupera o que o viés triunfalista deixou de fora sobre o próprio movimento, como o fato de o

evento fazer parte da programação oficial do governo de São Paulo em comemoração ao

centenário da Independência, ou Graça Aranha ser nomeado padrinho do evento por Paulo

Prado pelos seus esforços diplomáticos para liberação do café retido na Alemanha durante a

Guerra Mundial40, ou ainda a Semana de 22 ter sido pretexto para o diplomata ver sua amante

em São Paulo. Logo, “ao contrário de sua propalada independência e engajamento, a primeira

geração de modernistas dependeu de um entramado círculo de concessões, mecenatos,

comprometimentos e favores da requintada elite paulista” 41. Os aspectos obscuros das

35

FARIA, 2008, p. 231, grifo do autor.

36

Ver MORAIS, 1988, pp. 220-238.

37

FARIA, 2008, p. 232.

38

REGINA, 2012.

39

Sobre este evento, veja os artigos de REZENDE, 2007; BRUM, 2007.

40

SEVCENKO, 1992, p. 236.

41

SALIBA, 2009, p. 241.

26

personagens centrais da narrativa, como o fato de Oswald (nos anos 1910) ter usado

argumentos em prol da gramática portuguesa contra Juó Bananere ou ter escrito uma peça de

teatro em francês com Guilherme de Almeida42, bem como matizes autoritários das propostas

vanguardistas, sobretudo na construção de uma noção de brasilidade43, também foram

colocadas em relevo44.

Nesse movimento crítico, alguns trabalhos apontam a sucessão de releituras do evento

de 22 que levaram à sua transformação em símbolo da fundação de uma nova cultura no país.

Um marco inicial foi a palestra de Graça Aranha na Academia Brasileira de Letras em 1924,

seguido pela associação de 22 como precursora da revolução política de 30 e do Estado Novo,

elaborada durante os governos Vargas por intelectuais como Menotti Del Picchia, Mário de

Andrade, Cassiano Ricardo e Rosário Fusco45. A perspectiva se consolida nos anos 50 com a

hegemonia cultural alcançada pelos remanescentes do modernismo ao lado dos críticos do

grupo Clima, formados pela Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo46.

Os olhares também têm se voltado para recuperação de modernismos em autores que

ficaram de fora desse modelo interpretativo. Em alguns trabalhos, a ênfase recai sobre grupos

contemporâneos ou posteriores aos paulistas, atuantes em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio

Grande do Sul, Nordeste etc, com leituras específicas sobre as vanguardas, a arte ou a

sociedade brasileira47. Em outros, há um recuo do marco periodizador da modernidade no

Brasil de 1922 para 1870 ou 1889, considerando a especificidade de escritores antes

chamados “pré-modernistas”, os quais, mesmo tomando a Europa ou Estados Unidos como

referência, expressavam em sua escrita as relações tensas com as novas tecnologias,

mudanças ou permanências políticas e representações sobre as populações e espaços

interioranos48. Buscando escapar da referência ao marco semanista, estes escritores receberam

denominações como “art-nouveau”, “anatolianos”, “antigos modernistas” etc.49.

42

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do Riso. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, p.199 e ss.

43

MICELI, 2001 (1979), cap. 1 e 3; SEVCENKO, 1992, cap. 4; HARDMANN, 2000, pp. 317-332;

FERREIRA, 2002, cap. 4; FARIA, 2008.

44

Rápidos panoramas da historiografia sobre o modernismo, com referências a muitos outros trabalhos, podem

ser visto em: FARIA, 2008, prólogo; VELLOSO, 2010, pp. 22-29.

45

FARIA, 2008, cap. 9.

46

PONTES, 1998, pp. 34 e. ss. Desdobramentos posteriores podem ser vistos em SANTIAGO, 1995. p. 94-

139; SANTIAGO, 1989, pp. 75-93.

47

GOMES, 1999; VELLOSO, 1996; BOMENY, 1994.

48

MACHADO NETO, 1973; SEVCENKO, 2003; SUSSEKIND, 1987; MURARI, 2009. Os escritores da

Academia Brasileira de Letras foram estudados em EL FAR, 2000; RODRIGUES, 2003.

49

MICELI, 2001 (1977), pp. 13-68; HARDMAN, 1998, pp. 289-305; PAES, 1985, p. 64-80.

27

Ao lado dessas abordagens, um conjunto de trabalhos foca a análise em gêneros e

escritores marginalizados, considerados subliteratura. Geralmente rompendo com a

periodização canônica, procuram perceber a constituição de formas de representação com

critérios de construção e especificidades próprias, não redutíveis aos esquemas das

vanguardas, o que não significa um uso menos criativo da linguagem verbal ou da narrativa.

No início dos anos 1980, marcado por uma perspectiva de análise cultural das classes

sociais, Francisco Foot Hardman ressalvou a parca crítica sobre a literatura anarquista do

início do século XX, cujos temas, apesar de preteridos pelo discurso dominante de uma época

de marcado ufanismo, retornaram na literatura social dos anos 1930. Hardmann investigou

nas três primeiras décadas do XX a presença da produção cultural libertária no cenário social

brasileiro mais amplo, considerando as obras de escritores anarquistas diretamente

comprometidos com o operariado como as de intelectuais de origem pequeno burguesa

produtores de discursos anarquizantes, que também terminavam por romper com cânones

bacharelescos e adotar uma perspectiva das baixas classes sociais50.

O humor em São Paulo e Rio de Janeiro, desde meados do XIX até os primeiros

tempos do rádio nos anos 1940, foi objeto de estudo empreendido por Elias Thomé Saliba.

Engastadas nas brechas da alta cultura escrita e nos circuitos da oralidade, esta “epifania da

emoção” provocadora de riso foi uma forma de representação do Brasil bastante difundida na

sociedade (como mostra a variedade de fontes pesquisadas pelo autor), mobilizada para lidar

com processos políticos, sociais e culturais contraditórios que marcaram a vida brasileira no

período da Bélle Époque e nos primeiros anos do rádio . Por conta de seu caráter anárquico,

fugaz e não programático, que dificultava enquadramentos em grandes narrativas, tal

produção também foi marginalizada pela historiografia literária, sendo até hoje difícil

encontrar informações sobre muitos humoristas do período51.

A literatura fantástica nacional, vertente ficcional tão marginalizada quanto as

anteriores52, foi estudada por Roberto Causo. O autor considera a ficção científica, horror e

fantasia como gêneros de uma tradição diferenciada a qual, bebendo em inúmeras e

diversificadas fontes, realiza-se “como um corpo multifacetado de possibilidades ficcionais,

existindo em interação com o mainstream literário, mas não numa chave de inferioridade

artística”. Então, deve ser compreendida, ao lado da produção realista desenvolvida pelo

50

HARDMAN, 1983, cap. 3.

51

SALIBA, 2002.

52

Sobre a marginalização da ficção científica pela crítica, ver. PEREIRA, 2005.

28

cânone ocidental, como outra “solução do engenho humano na busca de um entendimento

aberto e multifacetado da realidade”. Nessa perspectiva, o autor faz um panorama do gênero

no Brasil entre 1875 e 1950, recuperando autores e livros pouco estudados, num diálogo com

a produção estrangeira53.

Por outra via, Marlyse Meyer contribuiu para o estudo da ficção voltada ao grande

público ao considerar o romance-folhetim um gênero com parâmetros particulares, não

redutíveis à alta literatura. Dedicando uma parte de seu estudo ao Brasil, mostrou como, a

despeito das transformações sociais e culturais, o gênero polédrico de “turvos deleites”

perdurou no Brasil até meados do século XX em jornais, revistas e livros, seja pela produção

local ou publicação de traduções dos autores estrangeiros. Caindo nas graças de um amplo

público e apreciado por vários tipos de leitores, inclusive escritores consagrados, o folhetim

ganhou outras mídias, atualmente fazendo sucesso nas telenovelas54.

Próximo desse gênero, mas voltados para o público masculino, estão os romances

populares cariocas de altas vendagens no final do século XIX e início do XX estudados por

Alessandra El Far55. Além de considerar o mundo editorial em torno desses livros, trabalhou a

estrutura e os temas de dois gêneros: os romances de sensação, em torno de dramas e

acontecimentos excepcionais de bastante emoção, e os romances para homens, cujas

narrativas envolviam sexo. A autora mostra como a tradição desses romances populares se

estendeu aos anos 1920, analisando um romance de um dos mais vendidos autores da década,

Madeimoselle Cinema de Benjamin Costallat.

Por outro caminho, vários trabalhos enfocam os gêneros jornalísticos (reportagem, fait

divers, crônica etc.), mostrando as mutações ocorridas na cultura com a industrialização e

difusão do jornal leve e barato, que tomaram forma no final do XIX56. Alguns enfocam a

estreita relação e mútuas influências, nessa época, entre a literatura e o jornalismo, que se vale

de processos ficcionais para construção de notícias e reportagens, bem como a sobrevivência

do jornalismo literário após a adoção do padrão “objetivista” estadunidense nos anos

195057.Também partem de um recorte que mistura gênero e suporte os estudos sobre o

moderno que têm como objeto as revistas ilustradas58.

53

CAUSO, 2003, p. 45 e 50.

54

MEYER, 1996.

55

EL FAR, 2004.

56

LUCA, & MARTINS, 2008; SODRÉ, 1966. Um estudo específico sobre a imprensa irreverente paulistana

pode ser visto em: JANOVITCH, 2006.

57

BARBOSA, 2007; BULHÕES, 2007; COSTA, 2005.

58

MARTINS, 2008; LUCA, 1999; OLIVEIRA, VELLOSO, LINS, 2010.

29