Auto da Feira por Gil Vicente - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
Auto da Feira, de Gil Vicente

Texto proveniente de:

A Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro <http://www.bibvirt.futuro.usp.br> A Escola do Futuro da Universidade de São Paulo Permitido o uso apenas para fins educacionais.

Texto-base digitalizado por:

Projecto Vercial - Literatura Portuguesa < http://www.ipn.pt/opsis/litera/> Copyright © 1996, 1997, 1998, OPSIS Multimédia <http://www.ipn.pt/opsis/index.html> com o apoio do Projecto Geira <http://www.geira.pt/> Este material pode ser redistribuído livremente, desde que não seja alterado, e que as informações acima sejam mantidas. Para maiores informações, escreva para

<bibvirt@futuro.usp.br>.

Estamos em busca de patrocinadores e voluntários para nos ajudar a manter este projeto. Se você quer ajudar de alguma forma, mande um e-mail para <parceiros@futuro.usp.br> ou

<voluntario@futuro.usp.br>

AUTO DA FEIRA

Gil Vicente

A obra seguinte é chamada Auto da Feira. Foi representada ao mui excelente Príncipe El Rei Dom João, o terceiro em Portugal deste nome, na sua nobre e sempre leal cidade de Lisboa, às matinas do Natal, na era do Senhor de 1527.

Figuras:

Mercúrio, Tempo, Serafim, Diabo, Roma, Amâncio Vaz, Diniz Lourenço, Branca Anes, Marta Dias, Justina, Leonarda, Teodora, Moneca, Giralda, Juliana, Tesaura, Merenciana, Doroteia, Gilberto, Nabor, Dionísio, Vicente, Mateus.

Entra primeiramente Mercúrio, e posto em seu assento, diz:

MERCÚRIO

Pera que me conheçais,

e entendais meus partidos,

todos quantos aqui estais

afinai bem os sentidos,

mais que nunca, muito mais.

Eu sou estrela do céu,

e depois vos direi qual,

e quem me cá descendeu

e a quê, e todo o al

que me a mi aconteceu.

E porque a astronomia

anda agora mui maneira,

mal sabida e lisonjeira,

eu, à honra deste dia,

vos direi a verdadeira.

Muitos presumem saber

as operações dos céus,

e que morte hão-de morrer,

e o que há-de acontecer

aos anjos e a Deus,

e ao mundo e ao diabo.

E que o sabem têm por fé;

e eles todos em cabo

terão um cão polo rabo,

e não sabem cujo é.

E cada um sabe o que monta

nas estrelas que olhou;

e ao moço que mandou,

não lhe sabe tomar conta

d' um vintém que lh' entregou.

Porém, quero-vos pregar,

sem mentiras nem cautelas,

o que per curso d' estrelas

se poderá adivinhar,

pois no céu nasci com elas.

E se Francisco de Melo,

que sabe ciência avondo,

diz que o céu é redondo,

e o sol sobre amarelo;

diz verdade, não lh' o escondo.

Que se o céu fora quadrado,

não fora redondo, senhor.

E se o sol fora azulado,

d' azul fora a sua cor

e não fora assi dourado.

E porque está governado

per seus cursos naturais,

neste mundo onde morais

nenhum homem aleijado,

se for manco e corcovado,

não corre por isso mais.

E assi os corpos celestes

vos trazem tão compassados,

que todos quantos nascestes,

se nascestes e crescestes,

primeiro fostes gerados.

E que fazem os poderes

dos sinos resplandecentes?

Que fazem que todalas gentes

ou são homens ou mulheres,

ou crianças inocentes.

E porque Saturno a nenhum

influi vida contina,

a morte de cada um

é aquela de que se fina,

e não d' outro mal nenhum.

Outrossim o terremoto,

que às vezes causa perigo,

faz fazer ao morto voto

de não bulir mais consigo,

cantá de seu próprio moto.

E a claridade encendida

dos raios piramidais

causa sempre nesta vida

que quando a vista é perdida,

os olhos são por demais.

E que mais quereis saber

desses temporais e disso,

senão que, se quer chover,

está o céu pera isso,

e a terra pera a receber?

a lüa tem este jeito:

vê que clérigos e frades

já não têm ao Céu respeito,

mingua-lhes as santidades,

e cresce-lhes o proveito.

Et quantum ad stella Mars, speculum belli, et Venus, Regina musicae, secundum Joanes Monteregio:

Mars, planeta dos soldados,

faz nas guerras conteúdas,

em que os reis são ocupados,

que morrem de homens barbados

mais que mulheres barbudas.

E quando Vénus declina,

e retrogada em seu cargo,

não se paga o desembargo

no dia que s' ele assina

mas antes por tempo largo.

Et quantum ad Taurus et Aries, Cancer Capricornius positus in firmamento coeli: E quanto ao Touro e Carneiro,

são tão maus d' haver agora

que quando os põe no madeiro,

chama o povo ao carniceiro

Senhor, c' os barretes fora.

Depois do povo agravado,

que já mais fazer não pode,

invoca o signo do Bode,

Capricórnio chamado,

porque Libra não lhe acode.

E se este não hás tomado,

nem Touro, Carneiro assi,

vai-te ao sino do Pescado,

chamado Piscis em latim,

e serás remedeado:

e se Piscis não tem ensejo,

porque pode não no haver,

vai-te ao signo do Cranguejo,

Signum Cancer, Ribatejo,

que está ali a quem no quer.

Sequuntur mirabilia Jupiter Rex regum, Dominus dominantium.

Júpiter, rei das estrelas,

deus das pedras preciosas,

mui mais precioso qu' elas

pintor de todalas rosas,

rosa mais fermosa delas;

é tão alto seu reinado ,

influência e senhoria,

que faz percurso ordenado

que tanto vale um cruzado

de noite como de dia.

E faz que üa nau veleira

mui forte, muito segura,

que inda que o mar não queira,

e seja de cedro a madeira,

não preste sem pregadura.

Et quantum ad duodecim domus Zodiacus, sequitur declaratio operationem suam.

Ao Zodíaco acharão

doze moradas palhaças,

onde os sinos estão

no Inverno e no Verão,

dando a Deus infindas graças.

Escutai bem, não durmais,

sabereis por conjeituras

que os corpos celestiais

não são menos nem são mais

que suas mesmas granduras.

E os que se desvelaram,

se das estrelas souberam,

foi que a estrela que olharam,

está onde a puseram,

e faz o que lhe mandaram.

E cuidam que Ursa Maior,

Ursa Menor e o Dragão,

e Lepus, que têm paixão,

porque um corregedor

manda enforcar um ladrão.

Não, porque as constelações

não alcançam mais poderes,

que fazer que os ladrões

sejam filhos de mulheres,

e os mesmos pais varões.

E aqui quero acabar.

E pois vos disse atéqui

o que se pode alcançar,

quero-vos dizer de mi,

e o que venho buscar.

Eu são Mercúrio, senhor

de muitas sabedorias,

e das moedas reitor,

e deus das mercadorias:

nestas tenho meu vigor.

Todos tratos e contratos,

valias, preços, avenças,

carestias e baratos,

ministro suas pertenças,

até às compras dos sapatos.

E porquanto nunca vi

na corte de Portugal

feira em dia de Natal,

ordeno üa feira aqui

pera todos em geral.

Faço mercador-mor

ao Tempo, que aqui vem;

e assi o hei por bem.

E não falte comprador.

Porque o tempo tudo tem.

Entra o Tempo, e arma üa tenda com muitas cousas e diz: TEMPO

Em nome daquele que rege nas praças

d'Anvers e Medina as feiras que têm,

começa-se a feira chamada das Graças,

à honra da Virgem parida em Belém.

Quem quiser feirar,

venha trocar, qu' eu não hei-de vender; todas virtudes qu' houverem mister

nesta minha tenda as podem achar,

a troco de cousas que hão-de trazer.

Todos remédios, especialmente

contra fortunas ou adversidades

aqui se vendem na tenda presente;

conselhos maduros de sãs qualidades

aqui se acharão.

A mercadorias d' amor a rezão

justiça e verdade, a paz desejada,

porque a Cristandade é toda gastada

só em serviço da opinião.

Aqui achareis o temor de Deus,

que é já perdido em todos Estados;

aqui achareis as chaves dos Céus,

muito bem guarnecidas em cordões dourados.

E mais achareis

soma de contas, todas de contar

quão poucos e poucos haveis de lograr

as feiras mundanas; e mais contareis

as contas sem conto qu' estão por contar.

E porque as virtudes, Senhor Deus, que digo, se foram perdendo de dias em dias,

com a vontade que deste ó Messias

memoria o teu Anjo que ande comigo,

Senhor, porque temo

ser esta feira de maus compradores,

porque agora os mais sabedores

fazem as compras na feira do Demo,

e os mesmos Diabos são seus corretores.

Entra um Serafim enviado por Deus a petição do Tempo, e diz: SERAFIM À feira, a feira igrejas, mosteiros, pastores das almas, Papas adormidos;

comprai aqui panos, mudai os vestidos, buscai as samarras dos outros primeiros, os antecessores.

Feirai o carão que trazeis dourado;

ó presidentes do crucificado,

lembrai-vos da vida dos santos pastores do tempo passado.

Ó Príncipes altos, império facundo,

guardai-vos da ira do Senhor dos Céus; comprai grande soma do temor de Deus

na feira da Virgem, Senhora do Mundo,

exemplo da paz,

pastora dos anjos, luz das estrelas.

À feira da Virgem, donas e donzelas,

porque este mercador sabei que aqui traz as cousas mais belas.

Entra um Diabo com üa tendinha adiante de si, como bofalinheiro, e diz: DIABO Eu bem me posso gavar,

e cada vez que quiser,

que na feira onde eu entrar

sempre tenho que vender,

e acho quem me comprar.

E mais, vendo muito bem,

porque sei bem o que entendo;

e de tudo quanto vendo

não pago siza a ninguém

por tratos que ande fazendo.

Quero-me fazer à vela

nesta santa feira nova.

Verei os que vêm a ela,

e mais verei quem m' estorva

de ser eu o maior dela.

TEMPO És tu também mercador,

que a tal feira t' ofereces?

DIABO Eu não sei se me conheces.

TEMPO Falando com salvanor,

tu Diabo me pareces.

DIABO Falando com salvos rabos

inda que me tens por vil,

acharás homens cem mil

honrados, que são Diabos,

(que eu não tenho nem ceitil)

e bem honrados te digo,

e homens de muita renda,

que têm dívida comigo.

Pois não me tolhas a venda,

que não hei nada contigo.

Tempo ao Serafim

TEMPO Senhor, em toda maneira

acudi a este ladrão,

que há-de danar a feira.

DIABO Ladrão? Pois haj' eu perdão

se vos meter em canseira.

Olhai cá, Anjo de bem,

eu, como cousa perdida,

nunca me tolhe ninguém

que não ganhe minha vida,

como quem vida não tem.

Vendo dessa marmelada,

e às vezes grãos torrados,

isto não releva nada;

e em todolos mercados

entra a minha quintalada.

SERAFIM Muito bem sabemos nós

que vendes tu cousas vis.

DIABO I há de homens ruins

mais mil vezes que não bôs,

como vós mui bem sentis.

E estes hão-de comprar

disto que trago a vender,

que são artes de enganar,

e cousas pera esquecer

o que deviam lembrar.

Que o sages mercador

há-de levar ao mercado

o que lhe compram melhor;

porque a ruim comprador

levar-lhe ruim borcado.

E mais as boas pessoas

são todas pobres a eito;

e eu por este respeito

nunca trato em cousas boas,

porque não trazem proveito.

Toda a glória de viver

das gentes é ter dinheiro,

e quem muito quiser ter

cumpre-lhe de ser primeiro

o mais ruim que puder.

E pois são desta maneira

os contratos dos mortais,

não me lanceis vós da feira

onde eu hei-de vender mais

que todos à derradeira.

SERAFIM Venderás muito perigo,

que tens nas trevas escuras.

DIABO Eu vendo perfumaduras,

que, pondo-as no embigo,

se salvam as criaturas.

Às vezes vendo virotes,

e trago d' Andaluzia

naipes com que os sacerdotes

arreneguem cada dia,

e joguem até os pelotes.

SERAFIM Não venderás tu aqui isso,

que esta feira é dos céus:

vai lá vender ao abisso,

logo, da parte de Deus!

DIABO Senhor, apelo eu disso.

S' eu fosse tão mau rapaz

que fizesse força a alguém,

era isso muito bem;

mas cada um veja o que faz,

porque eu não forço ninguém.

Se me vem comprar qualquer

clérigo, ou leigo, ou frade

falsas manhas de viver,

muito por sua vontade;

senhor, que lh' hei-de fazer?

E se o que quer bispar

há mister hipocrisia

e com ela quer caçar,

tendo eu tanta em perfia,

porque lh' a hei-de negar?

E se üa doce freira

vem à feira

por comprar um inguento,

com que voe do convento,

senhor, inda que eu não queira,

lh' hei-de dar aviamento.

MERCÚRIO Alto, Tempo, aparelhar,

porque Roma vem à feira.

DIABO Quero-me eu concertar,

porque lhe sei a maneira

de seu vender e comprar.

Entra Roma, cantando.

ROMA «Sobre mi armavam guerra;

«ver quero eu quem a mi leva.

«Três amigos que eu havia,

«sobre mi armam porfia;

«ver quero eu quem a mi leva».

Fala:

Vejamos se nesta feira,

que Mercúrio aqui faz,

acharei a vender paz,

que me livre da canseira

em que a fortuna me traz.

Se os meus me desbaratam,

o meu socorro onde está

Se os Cristãos mesmos me matam,

a vida quem m' a dará,

que todos me desacatam?

Pois s' eu aqui não achar

a paz firme e de verdade

na santa feira a comprar,

cant' a mi dá-me a vontade

que mourisco hei-de falar.

DIABO Senhora, se vos prouver,

eu vos darei bom recado.

ROMA Não pareces tu azado

pera trazer a vender

o que eu trago no cuidado.

Não julgueis vós pola cor,

porque em al vai o engano;

cá dizem que sob mau pano

está o bom bebedor;

nem vós digais mal do ano.

Eu venho à feira direita

comprar paz, verdade e fé.

DIABO A verdade pera quê?

Cousa que não aproveita,

e aborrece, pera que é?

Não trazeis bons fundamentos

pera o que haveis mister;

e a segundo são os tempos,

assim hão-de ser os tentos,

pera saberdes viver.

E pois agora à verdade

chamam Maria Peçonha,

e parvoíce à vergonha,

e aviso à ruindade,

peitai a quem vo-la ponha,

a ruindade digo eu:

e aconselho-vos mui bem,

porque quem bondade tem

nunca o mundo será seu,

e mil canseiras lhe vem.

Vender-vos-ei nesta feira

mentiras vinta três mil,

todas de nova maneira,

cada üa tão subtil,

que não vivais em canseira:

mentiras pera senhores,

mentiras pera senhoras,

mentiras pera os amores,

mentiras, que a todas as horas

vos nasçam delas favores.

E como formos avindos

nos preços disto que digo,

vender-vos-ei como amigo

muitos enganos infindos,

que aqui trago comigo.

ROMA Tudo isso tu vendias,

e tudo isso feirei

tanto, que inda venderei,

e outras sujas mercancias,

que por meu mal te comprei.

Porque a troco do amor

de Deus, te comprei mentira,

e a troco do temor

que tinha da sua ira,

me deste o seu desamor;

e a troco da fama minha

e santas prosperidades,

me deste mil torpidades;

e quantas virtudes tinha

te troquei polas maldades.

E pois já sei o teu jeito,

quero ir ver que vai cá.

DIABO As cousas que vendem lá

são de bem pouco proveito

a quem quer que as comprará.

Vai-se Roma ao Tempo e Mercúrio e diz Roma: ROMA Tão honrados mercadores

não podem leixar de ter

cousas de grandes primores;

e quant' eu houver mister

deveis vós de ter, senhores.

SERAFIM Sinal é de boa feira

virem a ela as donas tais,

e pois vós sois a primeira,

queremos ver que feirais

segundo vossa maneira.

Cá, se vós a paz quereis

senhora, sereis servida,

e logo a levareis

a troco de santa vida;

mas não sei se a trazeis.

Porque, senhora eu me fundo

que quem tem guerra com Deus,

não pode ter paz c ' o mundo ;

porque tudo vem dos céus,

daquele poder profundo.

ROMA A troco das estações

não fareis algum partido,

e a troco dos perdões,

que é tesouro concedido

pera quaisquer remissões?

Oh, vendei-me a paz dos céus,

pois tenho o poder na terra.

SERAFIM Senhora, a quem Deus dá guerra, grande guerra faz a Deus,

que é certo que Deus não erra.

Vede vós que lhe fazeis,

vede como o estimais,

vede bem se o temeis ;

atentai com quem lidais,

que temo que caireis.

ROMA Assi que a paz não se dá

a troco de jubileus?

MERCÚRIO Ó Roma, sempre vi lá

que matas pecados cá,

e leixas viver os teus.

Tu não te corras de mi;

mas com teu poder facundo

assolves a todo o mundo,

e não te lembras de ti,

nem vês que te vás ao fundo.

ROMA Ó Mercúrio, valei-me ora,

que vejo maus aparelhos.

MERCÚRIO Dá-lhe, Tempo, a essa senhora o cofre de meus conselhos:

e podes-te ir muit' embora.

Um espelho aí acharás,

que foi da Virgem Sagrada,

co' ele te toucarás

porque vives mal toucada,

e não sentes como estás:

e acharás a maneira

como emendes a vida:

e não digas mal da feira;

porque tu serás perdida,

se não mudas a carreira.

Não culpes aos reis do mundo,

que tudo te vem de cima,

pelo que fazes cá em fundo:

que, ofendendo a causa prima,

se resulta o mal segundo.

E também o digo a vós

e a qualquer meu amigo,

quem não quer guerra consigo:

tenha sempre paz com Deus,

e não temerá perigo.

DIABO Prepósito Frei Sueiro,

diz lá o exemplo velho:

dá-me tu a mi dinheiro,

e dá ao demo o conselho.

Depois de ida Roma, entram dous lavradores, um per nome Amâncio Vaz e outro Diniz Lourenço, e diz Amâncio Vaz:

AMÂNCIO VAZ Compadre, vás tu à feira?

DINIZ LOURENÇO À feira, compadre.

AMÂNCIO VAZ Assi,

ora vamos eu e ti

ó longo desta ribeira.

DINIZ LOURENÇO Bofá, vamos.

AMÂNCIO VAZ Folgo bem

de te vir aqui achar.

DINIZ LOURENÇO Vás tu lá buscar alguém, ou esperas de comprar?

AMÂNCIO VAZ Isso te quero contar,

e iremos patorneando,

e er também aguardando

polas moças do lugar.

Compadre, enha mulher

é muito destemperada,

e agora, se Deus quiser,

faço conta de a vender,

e dá-la-ei por quase nada.

Qu'eu quando casei com ela

diziam-me, «Hétega é».

E eu cuidei pola abofé

que mais cedo morresse ela,

e ela anda inda em pé.

E porque era hétega assim

foi o que m' a mim danou:

avonda qu'ela engordou

e fez-me hétego a mim.

DINIZ LOURENÇO Tens boa mulher de teu: não sei que tu hás, amigo.

AMÂNCIO VAZ S'ela casara contigo

renegaras tu com' eu

e dixeras o que eu digo.

DINIZ LOURENÇO Pois, compadre, cant'à minha, é tão mole e desatada,

que nunca dá peneirada

que não derrame a farinha.

E não põe cousa a guardar,

que a tope quanda a cata;

e por mais que homem se mata,

de birra não quer falar.

Trás d' üa pulga andará

três dias, e oito, e dez,

sem lhe lembrar o que fez,

nem tão pouco o que fará.

Pera que t'hei-de falar?

Quando ontem cheguei do mato

pôs üa enguia a assar,

e crua a leixou levar,

por não dizer sape a um gato.

Quant'a mansa, mansa é ela;

dei-m'ê logo conta disso.

AMÂNCIO VAZ Juro-t'eu que mais vale isso cinquenta vezes qu'ela.

A minha te digo eu

que se a visses assanhada,

parece demoninhada,

ante São Bertolameu.

DINIZ LOURENÇO Já sequer terá esp'rito: mas renega da mulher

que ó tempo do mister

não é cabra nem cabrito.

AMÂNCIO VAZ A minha tinh'eu em guarda pera bem da minha prol,

cuidando que era ourinol,

e tornou-se-me bombarda.

Folga tu que ess'outra tenhas,

porque a minha é tal perigo,

que por nada que lhe digo

logo me salta nas grenhas.

Então tanto punho seco

me chimpa nestes focinhos;

eu chamo polos vizinhos,

e ela nego dar-me em xeco.

DINIZ LOURENÇO Isso é de coraçuda;

não cures de a vender,

que s'alguém te mal fizer,

já sequer tens quem te acuda.

Mas a minha é tão cortês,

que se viesse ora à mão

que m'espancasse um rascão,

não diria, «Mal fazês».

Mas antes s' assentaria

a olhar como eu bradava.

Todavia a mulher brava

é, compadre, a qu'eu queria.

AMÂNCIO VAZ Pardeus! Tanto me farás que feire a minha contigo.

DINIZ LOURENÇO Se queres feirar comigo, vejamos que me darás.

AMÂNCIO VAZ Mas antes m' hás-de tornar pois te dou mulher tão forte,

que te castigue de sorte

que não ouses de falar,

nem no mato nem na corte.

Outro bem terás com ela:

quando vieres da arada,

comerás sardinha assada,

porqu ' ela jenta a panela.

Então geme, pardeus, si,

diz que lhe dói a moleira.

DINIZ LOURENÇO Eu faria per maneira

que esperasse ela por mi.

AMÂNCIO VAZ Que lh'havias de fazer?

DINIZ LOURENÇO Amâncio Vaz, eu o sei bem.

AMÂNCIO VAZ Diniz Lourenço, ei-las cá vêm!

Vamo-nos nós esconder,

vejamos que vêm catar,

qu'elas ambas vêm à feira.

Mete-te nessa silveira,

qu'eu daqui hei-d' espreitar.

Vêm Branca Anes a brava, e Marta Dias a mansa, e vem dizendo a brava: BRANCA ANES Pois casei má hora, e nela, e com tal marido, prima,

comprarei cá üa gamela,

para o ter debaixo dela,

e um grão penedo em cima.

Porque vai-se-me às figueiras,

e come verde e maduro ;

e quantas uvas penduro

jeita nas gorgomileiras:

parece negro monturo.

Vai-se-m'às ameixieiras

antes que sejam maduras,

ele quebra as cerejeiras,

ele vindima as parreiras,

e não sei que faz das uvas.

Ele não vai à lavrada,

ele todo o dia come,

ele toda a noite dorme,

ele não faz nunca nada,

e sempre me diz que há fome.

Jesu! Jesu! Posso-te dizer

e jurar e tresjurar,

e provar e reprovar,

e andar e revolver,

qu' é melhor pera beber,

que não pera maridar.

O demo que o fez marido,

que assim seco como é

beberá a torre da Sé!

Então arma um arruído

assi debaixo do pé.

MARTA DIAS Pois bom homem parece ele.

DINIZ LOURENÇO Aquela é a minha frouxa.

MARTA DIAS Deu-t'ele a fraldinha roxa?

BRANCA ANES Melhor lh'esfole eu a pele.

Que homem há i da puxa.

Ó diabo que o eu dou,

que o leve em fatiota,

e o ladrão que m'o gabou;

e o frade que me casou

inda o veja na picota.

E rogo à Virgem da Estrela,

e a santa Gerjalem,

e ós choros de Madanela

e à asninha de Belém,

que o veja ir à vela

pera donde nunca vem.

DINIZ LOURENÇO Compadre, no mais sofrer: sai de lá desse silvado.

AMÂNCIO VAZ Pera eu ser arrepelado.

Não havi'eu mais mister.

DINIZ LOURENÇO E não n'hás tu de vender?

AMÂNCIO VAZ Tu dizes que a qués feirar.

DINIZ LOURENÇO Não qu'ela se me tomar leixar-m'á quando quiser.

Mas demo-las à má estreia;

e voto que nos tornemos,

e er depois tornaremos

com as cachopas d'aldeia:

entonces concertaremos.

AMÂNCIO VAZ Isso me parece a rni

muito melhor que eu ir lá.

Oh, que couces que me dá,

quando me colhe sob si!

DINIZ LOURENÇO Cant' àquela si dará.

DIABO Mulheres, vós que quereis?

Nesta feira que buscais?

MARTA DIAS Queremo-la ver, no mais.

Pera ver em que tratais,

e as cousas que vendeis.

Tendes vós aqui anéis?

DIABO Quejandos? De que feição?

MARTA DIAS D'uns que fazem de latão.

DIABO Pera as mãos, ou pera os pés?

MARTA DIAS Não - Jesu, nome de Jesu, Deus e homem verdadeiro!

Foge o Diabo e Marta Dias diz: MARTA DIAS Nunca eu vi bofalinheiro

tão prestes tomar o mu.

Branc'Anes mana, crê tu

que, como Jesu é Jesu,

era este o Diabo inteiro.

BRANCA ANES Não é ele pau de boa lenha, nem lenha de bom madeiro.

MARTA DIAS Bofá, nunc'ele cá venha.

BRANCA ANES Viagem de Jão Moleiro,

que foi pola cal d'azenha.

MARTA DIAS Pasmada estou eu de Deus

fazer o Demo marchante!

Mana, daqui por diante

não caminhemos nós sós.

BRANCA ANES S'eu soubera quem ele era, fizera-lhe bom partido:

que me levara o marido,

e quanto tenho lhe dera,

e o toucado e o vestido.

Inda que mais não levara

desta feira, em extremo.

Me alegrara e descansara,

se o vira levar o Demo,

e que nunca mais tornara.

Porque, inda que era Diabo,

fizera serviço a Deus,

e a mi mercê em cabo;

e viera-me dos céus,

como vem a frol ao nabo.

Vão-se ao Tempo e diz Marta Dias: MARTA DIAS Dizei, senhores de bem,

nesta tenda, que vendeis?

SERAFIM Esta tenda tudo tem;

vede vós o que quereis,

que tudo se fará bem.

Consciência quereis comprar,

de que vistais vossa alma?

MARTA DIAS Tendes sombreiros de palma muito bons pera segar,

e tapados pera a calma?

SERAFIM Consciência digo eu,

que vos leve ao Paraíso.

BRANCA ANES Não sabemos nós qu'é isso: dai-o ó decho por seu,

que já não é tempo disso.

MARTA DIAS Tendes vós aqui burel,

do pardo de lã meirinha?

BRANCA ANES Eu queria üa pucarinha

pequenina pera mel.

SERAFIM Esta feira é chamada

das virtudes em seus tratos.

MARTA DIAS Das virtudes! E há aqui patos?

BRANCA ANES Quereis feirar a cevada

quatro pares de sapatos?

SERAFIM Oh, piedoso Deus eterno!

Não comprareis pera os céus

um pouco d'amor de Deus

que vos livre do Inferno?

BRANCA ANES Isso é falar per pincéus.

SERAFIM Esta feira não se fez

para as cousas que quereis.

BRANCA ANES Pois cant' a essas que vendeis, daqui afirmo outra vez

que nunca as vendereis.

Porque neste sigro em fundo

todos somos negligentes:

foi ar que deu polas gentes,

foi ar que deu polo mundo,

de que as almas são doentes.

E se hão-de correger

quando for todo danado:

muito cedo se há-de ver;

que já ele não pode ser

mais torto nem aleijado.

Vamo-nos, Marta, à carreira,

que as moças do lugar

virão cá fazer a feira,

que estes não sabem ganhar,

nem têm cousa que homem queira.

MARTA DIAS Eu não vejo aqui cantar,

nem gaita, nem tamboril,

e outros folgares mil,

que nas feiras soem d'estar:

e mais feira de Natal,

e mais de Nossa Senhora,

e estar todo Portugal.

BRANCA ALVES S'eu soubera que era tal, não estivera eu cá agora.

Vêm à feira nove moças dos montes, e três mancebos, todas com cestos nas cabeças, cobertos, cantando. E, como chegam, se assentam por ordem a vender; e diz-lhe o Serafim: SERAFIM Pois vindes vender à feira,

sabei que é feira dos céus;

por tal, vendei de maneira

que não ofendais a Deus,

roubando a gente estrangeira.

TESAURA Responde-lhe, Leonarda,

tu Justina, ou Juliana.

JULIANA Mas responda-lhe Giralda,

Tesaura, ou Merenciana.

MERENCIANA Responde-lhe, Teodora,

porque creio que a ti creia.

TESAURA Responda-lhe Doroteia.

pois que mora,

junto c'o Juiz d'aldeia.

DOROTEIA Moneca responderá

que falou já com senhor.

MONECA Responde-lhe tu, Nabor,

contigo s'entenderá.

Ou Denísio, ou Gilberto,

qualquer de vós outros três

e não vos embaraceis ou torveis,

porque é certo

que bem vos entendereis.

GILBERTO Estas cachopas não vêm

à feira nego a folgar,

e trazem de merendar

nestes cestos que i têm.

Mas pois quanto ao que entendo,

sois, samica, anjo de Deus;

quando partistes dos céus,

que ficava Ele fazendo?

SERAFIM Ficava vendo o seu gado.

GILBERTO Santa Maria! Gado há lá?

Oh, Jesu! como o terá

o Senhor gordo e guardado!

E há lá boas ladeiras,

como na serra d'Estrela?

SERAFIM Si.

GILBERTO E a Virgem que faz ela?

SERAFIM A Virgem olha as cordeiras, e as cordeiras a ela.

GILBERTO E os Santos de saúde

todos, a Deus louvores?

SERAFIM Si.

GILBERTO E que léguas haverá

daqui à porta do Paraíso,

onde São Pedro está?

NABOR Lá vêm ó redor das vinhas

compradores a comprar

samica ovos e galinhas.

DOROTEIA Não lhe hei-de vender as minhas, que as trago pera dar.

Vêm dous compradores, um per nome Vicente e outro Mateus, e diz Mateus a Justina: MATEUS Vós rosa do amarelo,

mana, tendes i queijadas.

JUSTINA Tenho vosso avô marmelo!

Conhecei-lo?

MATEUS Aqui estão emborilhadas.

JUSTINA Estade má ora quedo,

pela vossa negra vida.

MATEUS Menina, não hajais medo:

vós sois mais engrandecida

que Branca de Figueiredo.

Se trazeis ovos, meus olhos,

não m'os vendais a ninguém.

JUSTINA Andar em burra e ter bem:

ouvide ora o rasca-piolhos

(azeite no micho!) em que vem!

VICENTE Minha vida, Leonarda,

traz caça pera vender?

LEONARDA Vossa vida negra e parda

não lhe abastará comer

da vaca com da mostarda?

VICENTE E a mesa de meu senhor

irá sem ave de pena?

LEONARDA Quem? E vós sois comprador?

Pois nem grande nem pequena

não matou o caçador.

VICENTE Matais-me vós logo bem

com dous olhinhos qu'eu digo.

LEONARDA Mais vos mata a vós o trigo, porque não vale a vintém,

e traz mau micho consigo.

VICENTE Vós fazeis de mi rascão.

LEONARDA Pação vos fizestes vós;

porém bem nos vimos nós

guardar bois no Alqueidão.

MATEUS Que vindes vender à feira,

Teodora, alma minha?

minha alma, minha canseira?

Trazei algüa galinha?

TEODORA São vossa alma galinheira.

Que má ora cá viestes

pera quem vos pôs no paço!

MATEUS Senhora, eu vos faço,

que vos agastais tão prestes?

Dizei-me vós, Teodora,

trazeis vós tal cousa e tal

deste jeito, muito embora?

Mas lá dessoutro metal

não falam à lavradora.

VICENTE Senhora Moneca, trazeis

algum cabrito recente?

MONECA Não bofé, Senhor Vicente:

quisera ora trazer três,

de que vós foreis contente.

VICENTE Juro à Santa Cruz de palha

qu' hei-de ver o que aqui está.

MONECA Não revolvais aramá,

que não trago nemigalha.

VICENTE Não me façais descortês,

nem queirais ser tão garrida.

MONECA Pola vossa negra vida!

Olhade como é cortês !

Oh, que lhe saia má saída.

MATEUS Giralda, eu achar-vos-ei

dous pares de passarinhos?

GIRALDA Irei por eles aos ninhos,

entonces os venderei.

Comereis vós estorninhos?

MATEUS Respondeis como mulher

muito de sua vontade.

GIRALDA Pois digo-vo-la verdade:

pássaros hei-de vender?

Olhai aquela piedade!

VICENTE Senhora minha Juliana

peço-vos que me faleis

discreta palenciana,

e dizei-me que vendeis.

JULIANA Vendo favas de Viana.

VICENTE Tendes alguns laparinhos?

JULIANA Sim, de porca.

VICENTE Nem coelhos?

JULIANA Quereis comprar dous francelhos, pera caçardes ratinhos?

JULIANA Quero, polos Evangelhos!

MATEUS Vós, Tesaura, minha estrela, não viríeis cá em vão.

TESAURA Pois si, vossa estrela vos er'ela: como aquilo é de rascão!

MATEUS Mas como isso é de donzela!

Porém vá já como vai,

e casemo-nos, senhora.

TESAURA Pois casai co'ele, casai,

Casar, ma ora, meu ai,

casar, má hora.

MATEUS Porém trazeis algum pato?

TESAURA E quanto dareis por ele?

Hui, e ele revolve o fato:

olho mau se meta nele.

MATEUS Não trazeis vós o qu'eu cato.

VICENTE Merenciana deve ter

neste cesto algum cabrito.

Não m'haveis de revolver

MERENCIANA

senão, pardeus, que dê grito

tamanho, que haveis de ver.

VICENTE Eu hei-de ver que trazeis.

MERENCIANA se vós no cesto bulis. . .

VICENTE Senhora, que me fareis?

MERENCIANA Um aqui-d'el-rei, ouvis?

Não sejais vós descortês.

VICENTE Não quero senão amores,

pois vosso, senhora, sou.

MERENCIANA Amores de vosso avô,

o da ilha dos Açores.

Andar aramá vós só.

MATEUS Vamo-nos daqui, Vicente.

VICENTE Bofá vamos.

MATEUS Nunca vi tal feira.

VICENTE Vamos comprar à Ribeira,

que anda lá cousa mais quente.

Vão-se os compradores, e diz o Serafim às moças: SERAFIM Vós outras quereis comprar

das virtudes?

Senhor, não.

SERAFIM Saibamos por que rezão.

DOROTEIA Porque no nosso lugar

não dão por virtudes pão.

Nem casar não vejo eu

por virtudes a ninguém.

Quem tiver muito de seu,

e tão bons olhos com'eu

sem isso casará bem.

SERAFIM Pois porque viestes ora

cansar à feira de pé?

TEODORA Porque nos dizem que é

feira de Nossa Senhora:

e vedes aqui porquê.

E as graças que dizeis

que tendes aqui na praça,

se vós outros as vendeis,

a Virgem as dá de graça

aos bons, como sabeis.

E porque a graça e alegria,

a madre da consolação

deu ao mundo neste dia,

nós vimos com devação

a cantar-lhe úa folia.

E pois que já descansámos

assi em boa maneira,

moças, assi como estamos,

demos fim a esta feira,

primeiro que nos partamos.

Alevantam-se todas, e ordenadas em folia cantaram a cantiga seguinte, com que se despediram.

Cantiga.

I CORO «Blanca estais colorada,

«Virgem sagrada.

«Em Belém vila do amor

«da rosa nasceu a flor:

«Virgem sagrada.»

II CORO «Em Belém vila do amor

«nasceu a rosa do rosal:

«Virgem sagrada.»

I CORO «Da rosa nasceu a flor:

«pera nosso Salvador:

«Virgem sagrada.»

II CORO «Nasceu a rosa do rosal,

«Deus e homem natural:

«Virgem sagrada.»

Gratias agamus

Domino Deo nostro

Maria Leonor Carvalhão Buescu, Gil Vicente, Copilaçam de Todalas Obras, vol. I, pp. 144-175

Você pode estar interessado...

  • Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina
    Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina Clássicos Portugueses por Altamir Botoso
    Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina
    Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina

    Downloads:
    5

    Publicado:
    Mar 2020

    O romance folhetim é uma modalidade literária que teve o seu auge no século XIX, quando era publicado no rodapé dos jornais, de forma fatiada, ou seja, em cap...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • Saramago
    Saramago Narrativa por Saramago
    Saramago
    Saramago

    Downloads:
    103

    Publicado:
    Apr 2017

    Catálogo de reflexões pessoais, literárias e políticasElaborado a partir de declarações do autor recolhidas na imprensa escritaOrganização e seleção de FERN...

    Formatos: PDF

  • Como Emagrecer Fazendo Sexo
    Como Emagrecer Fazendo Sexo Clássicos Portugueses por Richard Smith
    Como Emagrecer Fazendo Sexo
    Como Emagrecer Fazendo Sexo

    Downloads:
    386

    Publicado:
    Feb 2016

    Uma abordagem bem-humorada das dietas. Se você não emagrecer lendo este livro, ou fazendo sexo, pelo menos gastará algumas calorias dando boas risadas.

    Formatos: PDF

  • Terra do Pecado
    Terra do Pecado Romance por JS
    Terra do Pecado
    Terra do Pecado

    Downloads:
    827

    Páginas:
    218

    Publicado:
    Nov 2015

    Terra do Pecado foi o primeiro romance publicado por José Saramago. Saiu em 1947, trinta anos antes de Levantado do Chão, o livro que abriu para o autor o cor...

    Formatos: PDF, Kindle, TXT