Avaliação de critério pós-operatório de insuficiência hepática como fator prognóstico de... por Silvio Márcio Pegoraro Balzan - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

Silvio Marcio Pegoraro Balzan

Avaliação de critério pós-operatório de

insuficiência hepática como fator prognóstico

de mortalidade após hepatectomia:

importância da alteração combinada do

tempo de protrombina e da bilirrubina sérica

Tese apresentada à Faculdade de Medicina da

Universidade de São Paulo para obtenção do título de

Doutor em Ciências

Área de concentração: Cirurgia do Aparelho Digestivo

Orientador: Prof. Dr. Joaquim José Gama-Rodrigues

São Paulo

2006

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Preparada pela Biblioteca da

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

© reprodução autorizada pelo autor

Balzan, Silvio Marcio Pegoraro

Avaliação de critério pós-operatório de insuficiência hepática como fator prognóstico

de mortalidade após hepatectomia: importância da alteração combinada do tempo de

protrombina e da bilirrubina sérica. / Silvio Marcio Pegoraro Balzan -- São Paulo, 2006.

Tese(doutorado)--Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Departamento de Gastroenterologia.

Área de concentração: Cirurgia do Aparelho Digestivo.

Orientador: Joaquim José Gama-Rodrigues.

Descritores: 1.Hepatectomia/mortalidade 2.Insuficiência hepática 3.Fatores de risco

4.Complicações pós-operatórias 5.Bilirrubina/uso diagnóstico 6.Tempo de

protrombina/uso diagnóstico 7.Testes de função hepática/mortalidade

USP/FM/SBD-170/06

Agradecimentos

Ao Professor Jacques Belghiti, chefe do Serviço de Cirurgia Digestiva do Hospital

Beaujon (Universidade Paris VII), mentor do tema deste trabalho, pelo imensurável e

contínuo estímulo à pesquisa, pela calorosa acolhida em seu serviço e pelo seu constante

apoio. Agradeço pelas demonstrações de amizade e confiança em minha pessoa,

permitindo o desenvolvimento desta tese; Agradeço pelos ensinamentos, científicos e

pessoais, que engrandeceram de forma excepcional minha formação.

Ao Professor Olivier Farges, membro do Serviço de Cirurgia Digestiva do

Hospital Beaujon (Universidade Paris VII), pessoa de caráter irretocável, pesquisador

exemplar e um grande amigo. Agradeço pela disponibilidade e apoio irrestritos, pela

prazerosa convivência e ensinamentos, profissionais e pessoais. Sua amizade tornou mais

fácil a vivência longe da família.

Ao Professor Joaquim José Gama-Rodrigues, meu orientador, professor da

disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da Universidade de São Paulo, pela

disponibilidade e pela calorosa acolhida no Departamento de Gastroenterologia desta

Universidade. Agradeço pela confiança em nosso projeto e em minha pessoa, permitindo

alcançar os objetivos propostos.

Ao Professor Ivan Ceconello, professor titular da disciplina de Cirurgia do

Aparelho Digestivo da Universidade de São Paulo, pelo apoio ao nosso projeto, pela

confiança e por permitir o alcance completo dos nossos objetivos.

A todos os Professores da Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da

Universidade de São Paulo, pela inestimável colaboração à minha formação profissional

e pela adorável acolhida e pela agradável convivência, que muito auxiliaram neste

período longe da família.

Às secretárias do Programa de Pós-Graduação da disciplina de Cirurgia do

Aparelho Digestivo pela paciência e apoio, que permitiram completar todas as exigências

burocráticas.

ii

“Sê o que quiseres, mas procura sê-lo totalmente” (Thomas More)

iii

Resumo

Balzan, SMP. Avaliação de critério pós-operatório de insuficiência hepática como

fator prognóstico de mortalidade após hepatectomia: importância da alteração

combinada do tempo de protrombina e da bilirrubina sérica. Tese [doutorado].

São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2006. 83 p.

INTRODUÇÃO

A definição de insuficiência hepática pós-operatória (IHP) não é ainda

padronizada, dificultando a comparação de inovações em procedimentos

hepáticos e tornando complexo o uso de possíveis intervenções terapêuticas pós-

operatórias em um momento adequado.

CASUÍSTICA E MÉTODOS

Entre 1998 e 2002, 775 resecções hepáticas eletivas, dos quais 531 (69%) por

doenças malignas e 464 (60%) consistindo em hepatectomias maiores, foram

incluídas de maneira prospectiva em um banco de dados. O parênquima hepático

não-tumoral foi anormal em 330 pacientes (43%) incluindo esteatose em mais que

30% dos hepatócitos em 107 (14%), fibrose sem cirrose em 237 (43%) e cirrose

em 94 (12%). Foi analisado o impacto sobre a mortalidade da ocorrência de

tempo de protrombina (TP) menor que 50% e bilirrubina total sérica (BT) maior

que 50 µmol/L (3 mg/dl) (critério 50-50) nos dias pós-operatórios (PO) 1, 3, 5 e 7.

RESULTADOS

A cinética pós-operatória do TP e da BT foram diferentes. O menor nível de TP foi

no primeiro dia pós-operatório (PO) e o pico de BT foi no terceiro dia PO. A

tendência ao retorno para valores pré-operatórios destes dois fatores bioquímicos

se firmou claramente no quinto DPO. A mortalidade operatória global foi de 3.4%

(26 pacientes), incluindo 21 (81%) casos com parênquima não-tumoral anormal e

iv

20 (77%) após uma hepatectomia maior. O índice de mortalidade foi maior em

pacientes com TP < 50% ou BT > 50 µmol/L (3 mg/dl) no pós-operatório. A

conjunção de TP < 50% e BT > 50 µmol/L (3 mg/dl) no quinto DPO foi potente

fator preditivo de mortalide, a qual atingiu 59% quando esta associação ocorreu.

CONCLUSÕES

A partir do quinto dia PO, a associação de TP > 50% e BT > 50 µml/L (3 mg/dl)

(critério 50-50) foi preditor prático e acurado de índice de mortalidade após

hepatectomia. Propõe-se assim este critério como definição de insuficiência

hepática pós-operatória.

Descritores: 1.Hepatectomia/mortalidade 2.Insuficiência hepática 3.Fatores de

risco 4.Complicações pós-operatórias 5.Bilirrubina/uso diagnóstico 6.Tempo de

protrombina/uso diagnóstico 7.Testes de função hepática/mortalidade

v

Abstract

Balzan, SMP. Evaluation of postoperative criteria of liver failure as a prognostic

factor of mortality after hepatectomy: importance of the combined alteration of

prothrombin time and serum bilirubin. Thesis [doctoral]. São Paulo: Faculdade de

Medicina, Universidade de São Paulo; 2006. 83 p.