Compendio de doutrinas Bíblicas por Paulo Silva - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

MANUAL DE

DOUTRINAS BÍBLICAS

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

INDÍCE

PREFÁCIO ………………………………………………………002

INTRODUÇÃO …………………………………………..…… 006

1- O HOMEM ANTES DO PECADO …………..….…... 010

2- O HOMEM APÓS O PECADO……………….….…… 016

3- O HOMEM E O NOVO NASCIMENTO ……..……. 028

4- O CRENTE E A DOUTRINA DE DEUS, DE JESUS E

DO ESPÍRITO SANTO …………………………………….. 040

4.1 - A DOUTRINA DE DEUS-PAI……………………. 041

4.2- A DOUTRINA DE JESUS (CRISTOLOGIA) …. 050

4.3-O ESPÍRITO SANTO (PNEMATOLOGIA) …… 071

5- O CRENTE E A PALAVRA DE DEUS ………….… 086

6- A DOUTRINA DA IGREJA……………………….…… 096

6.1- AS ORDENANÇAS DA IGREJA……………….….. 104

6.2- A MORDOMIA CRISTÃ………………………..…… 112

6.3- A COMUNHÃO……………………………………..….. 115

6.4- A ADORAÇÃO………………………………………..… 116

6.5- O CRISTÃO E A E.B.D……………………………….. 117

7- O TESTEMUNHO CRISTÃO ……………………....… 127

8- O CRENTE E A EVANGELIZAÇÃO …………….….. 129

9- O CRENTE E A VOLTA DE CRISTO (ESCATOLO-

GIA:A DOUTRINA DAS ÚLTIMAS COISAS) ………. 133

10-PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA À LIDERANÇA 137

CONCLUSÃO ………………………………………………….. 141

BÍBLIOGAFIA…………………………………………………. 142

1

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

PREFÁCIO

Mais do que a amizade, que nos liga já há uma dé-

cada, é o respeito e a comunhão no nosso Senhor

Jesus Cristo que me fazem escrever este “prefácio”.

Desde que o conheço que o irmão Paulo Sérgio é,

para mim, um exemplo de alguém que prega e que

vive a Palavra de Deus. Não apenas isso, é um dos

crentes que mais ama a Palavra e que busca crescer

n’Ela.

Creio que esta obra não é tão pequena como ele

afirma e que será mui útil para todos os que a lerem

e estudarem. Está escrita de um modo simples mas

aprofunda as doutrinas que são a base da nossa fé.

O nosso Senhor Jesus disse que a vida eterna é ape-

nas isto: conhecer a Deus Pai e Àquele que o Pai en-

viou (o próprio Senhor Jesus).

No Antigo Testamento, somos exortados a conhecer

e a prosseguir em conhecer o nosso Deus.

O Apóstolo exortou Timóteo a apresentar-se peran-

te Deus como obreiro que não tivesse de que se en-

2

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

vergonhar, de modo a que pudesse ser pelo Senhor

aprovado e manejar bem a palavra da Verdade.

Podemos então afirmar-nos crentes e Seus filhos se

não O conhecermos?

Como vivemos esta vida eterna que já recebemos?

Esperamos até chegarmos ao Céu?

Como podemos esperar ser aprovados pelo Senhor

se não conhecemos bem a Sua palavra nem os fun-

damentos da nossa fé?

Tenho o privilégio de, em trinta e oito anos de vida,

ser filha de Deus há cerca de trinta e dois… Sei que

ainda não conheço tudo o que posso conhecer sobre

o meu Senhor. Ainda hoje, Deus revela-me coisas

novas sobre Ele e sobre como devo viver n’Ele e pa-

ra Ele cada vez que abro e estudo a Sua Palavra.

Comparo muitas vezes conhecer Deus com o obser-

var a estátua do Cristo-Rei, em Almada. Estudei em

Alcântara, perto de Belém, em Lisboa. Sempre gos-

tei de passear à beira-rio e de observar, do outro

lado do rio, a estátua bem pequenina do Cristo-Rei.

Mais tarde, ao passar para o outro lado do rio, aper-

cebi-me que não tinha noção do verdadeiro tama-

3

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

nho da estátua. Quando finalmente estive no local,

percebi que quanto mais perto estava, maior era a

estátua e que apesar de ver melhor os detalhes, me-

nor é a parte da estátua que consigo ver no meu

campo de visão, pois ela é muito maior que ele.

Assim é a minha experiência espiritual. À medida

que mais conheço Deus, mais percebo que há muito

mais para conhecer.

Compreendo que os Seus pensamentos são real-

mente muito mais altos e elevados do que os meus.

Compreendo que é Graça e Misericórdia divina ter

liberdade para ler a Sua Palavra, para em conjunto

com outros irmãos meditar nela e para O louvar

publicamente (em muitos outros lugares os nossos

irmãos não o podem fazer).

Apropriemo-nos desse privilégio e de outros que o

Senhor também nos deu.

O privilégio de não termos de contrabandear Bíblias

e de as dividir em capítulos pela comunidade a que

pertencemos para a podermos ler todos, o privilé-

gio de poder saber mais de Deus lendo livros escri-

4

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

tos por nossos irmãos que até podem ser compra-

dos em hipermercados… E o privilégio de termos

irmãos como o Paulo, que em vez de descansarem

quando chegam a casa cansados de muito trabalho,

sentam-se a escrever nos seus computadores, ten-

tando simplificar conceitos extraordinariamente

essenciais para que todos possam perceber o evan-

gelho de Jesus.

O Seu grande amor a Cristo deixa-o perplexo como

nem todos ainda conhecem este amor e não o acei-

taram.

Que a leitura deste livro nos leve a crescer, nem que

seja um milésimo, na compreensão de Quem Deus É,

da Sua Palavra e do que Ele quer para as nossas vi-

das.

Amém.

Olga Torres

5

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

INTRODUÇÃO

Em primeiro lugar, agradeço a Deus este grande

privilégio de poder executar esta grande obra. No

entanto, sei que Deus é o arquiteto deste trabalho;

sei que, se não fosse a Sua maravilhosa graça, não

conseguiria escrever nem mesmo uma linha, mas

Ele está à frente deste projeto e é o autor deste pe-

queno livro. Eu apenas sou o seu coautor; tudo isto

é “Missão”.

Fazer missões é isto: o povo de Deus ir para o cam-

po cumprindo o Ide do Senhor Jesus e, dentro do

IDE, exercer o discipulado.

Discipulado é uma ação que deve estar sempre pre-

sente na vida do cristão: é preparar alguém para

que, não somente possa seguir a Cristo, mas que

possa também levar outros ao conhecimento do Se-

nhor e os preparar para a grande obra.

Este Manual de Doutrinas Bíblicas é a teologia vista

de uma forma simples e objetiva, visando apenas o

crescimento espiritual e intelectual da Igreja.

6

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

Não vejo este trabalho como trabalho de um escri-

tor, visando apenas o seu sustento físico e o seu

bem-estar. Realizo este trabalho com um único

objetivo: a proclamação do Reino de Deus e o cres-

cimento do mesmo.

Toda e qualquer receita obtida com esta obra rever-

terá para a Obra Missionária e a criação de Seminá-

rios.

Marcos 16:14-20

"Finalmente apareceu aos onze, estando eles as-

sentados à mesa, e lançou-lhes em rosto a sua in-

credulidade e dureza de coração, por não have-

rem crido nos que o tinham visto já ressuscitado."

"E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o

evangelho a toda criatura."

"Quem crer e for batizado será salvo; mas quem

não crer será condenado."

"E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu

7

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

nome expulsarão os demónios; falarão novas lín-

guas”

"Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma

coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e po-

rão as mãos sobre os enfermos, e os curarão."

"Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi rece-

bido no céu, e assentou-se à direita de Deus."

"E eles, tendo partido, pregaram por todas as

partes, cooperando com eles o Senhor, e confir-

mando a palavra com os sinais que se seguiram.

Amém."

Quando o Senhor Jesus escolheu os seus discípulos,

eles foram discipulados por ELE durante os três

anos do Seu ministério terreno (de onde surge o

nome de discípulos).

Durante todo este tempo, eles seguiram os passos

do Mestre e somente após a ascensão de Cristo é

que eles receberam autoridade para executar a

Obra Redentora de Cristo. Passaram então a com-

8

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

preender o poder do nome precioso de Jesus Cristo

e a autoridade existente n’Aquele nome poderoso.

E é precisamente este o objetivo deste manual: pre-

parar homens, mulheres, jovens, adolescentes e cri-

anças. Para não somente serem discípulos mas

principalmente aprenderem como fazer novos dis-

cípulos.

Pois só existe uma forma para a multiplicação dos

crentes e das nossas igrejas: a evangelização e o

discipulado cristão. Desta forma conseguiremos

chegar ao objetivo: “cada crente: um discípulo, cada

discípulo: um fazedor de discípulos.”

Chamo a este fenómeno “a cadeia da multiplicação”.

Se Cristo não tivesse preparado os discípulos, o

evangelho não tinha alcançado o mundo mas mor-

rido em Israel.

Que possamos usar esta autoridade que o Senhor

Deus nos deu para ganharmos Portugal e o mundo

para Cristo, dispondo-nos a cumprir o Ide do Se-

nhor Jesus.

9

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

1 - O HOMEM ANTES DO PECADO.

Quando Deus criou o homem, Ele criou o homem

conforme a Sua imagem e semelhança.

Génesis 1:26

" E disse Deus: Façamos o homem à nossa ima-

gem, conforme a nossa semelhança; e domine

sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus,

e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo

o réptil que se move sobre a terra.”

Deus o criou para resplandecer a sua Glória. Não

criou o homem para cair em pecado mas para ad-

ministrar toda a Sua criação e o colocou acima de

toda a Sua obra.

Sendo o homem a obra perfeita de Deus, recebeu do

Senhor a autoridade para dar nomes a todos os se-

res viventes e para dominar sobre toda a Sua cria-

ção.

Ele não somente criou mas deu ao Homem tudo

aquilo que ele precisava para sobreviver: alimento,

água… E o Senhor agradou-se de toda a Sua criação.

10

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

Génesis 1:31

“E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era

muito bom; e foi a tarde e a manhã, o dia sexto."

Toda a criação de Deus foi boa mas o homem foi o

melhor da Sua criação. No entanto, o homem conti-

nuava sozinho e o Senhor viu que faltava algo para

completar o Homem.

Génesis 2:22

“E da costela que o SENHOR Deus tomou do ho-

mem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão."

Deus formou a mulher da costela do homem para

que ambos andassem lado a lado. Não a formou da

cabeça dele para que a mulher não quisesse ser su-

perior ao homem e nem dos calcanhares de Adão

para que o Homem não se julgue superior a ela, pois

ambos foram feitos à imagem e semelhança de

Deus.

A primeira e a maior declaração de amor encontra-

da nas Escrituras Sagradas foi feita por Adão:

Génesis 2:23

11

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

"E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos,

e carne da minha carne; esta será chamada mu-

lher, porquanto do homem foi tomada."

E também em Génesis temos a instituição do ma-

trimónio segundo a vontade de Deus.

Génesis 2:24

"Portanto deixará o homem o seu pai e a sua

mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos

uma carne."

Hoje esta instituição está banalizada na sociedade,

pois ela tem perdido este foco, de que o casamento

foi instituído por Deus. O casamento não é um mero

contrato, como a sociedade tem apregoado, mas sim

uma dádiva de Deus. O casamento, de acordo com a

definição da Palavra de Deus, é entre um homem e

uma mulher, não o que a sociedade tem permitido

que ele se torne.

Hoje vemos a liberalização das uniões entre pessoas

do mesmo sexo. Na Sua Palavra, o Senhor declara

que isso é para Ele uma coisa abominável. Podemos

ver também na Sua Palavra, que o Senhor Deus en-

12

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

viou o Dilúvio, e destruiu mais tarde Sodoma e Go-

morra porque homens e mulheres da altura fugiram

do propósito de Deus e viviam as suas vidas de

acordo com a vontade da sua carne, muitos deles

praticando estes atos. (Por isso, a origem da palavra

sodomitas vem de Sodoma).

O Senhor criou o homem com um coração puro. O

homem tinha intimidade com Deus, falava face a

face com o Senhor, não conhecia o pecado. O ho-

mem era puro, nunca tinha tido contacto com o Pe-

cado, senão não poderia falar diretamente com

Deus. Só depois do pecado é que isso mudou.

Génesis 2:25

" E ambos estavam nus, o homem e a sua mu-

lher; e não se envergonhavam."

Não se envergonhavam nem perante nem um do

outro porque eles tinham a pureza de uma criança,

e não conheciam o Mal.

13

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

PERGUNTAS SOBRE O CAPÍTULO 1:

1. Como o homem foi criado por Deus? (Gén. 1:26)

_________________________________________________________

_________________________________________________________

2. Para que Deus criou o homem? ___________________

_________________________________________________________

3. O que fez Deus quando viu a solidão de Adão?

(Génesis 2:22) ________________________________________

_______________________________________________________

_________________________________________________________

4. Quando foi instituído o casamento, segundo Gé-

nesis? _________________________________________________

________________________________________________________

5. O que significa o casamento para Deus? ___________

_________________________________________________________

_________________________________________________________

6. O que significa o casamento para a sociedade?

_________________________________________________________

_________________________________________________________

7. Como viviam Adão e Eva antes da Queda? _________

_________________________________________________________

_________________________________________________________

_________________________________________________________

14

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

8. Deus criou o homem para a condenação? _________

________________________________________________________

________________________________________________________

9. Quando Adão e Eva viram que estavam nus? ______

_________________________________________________________

_________________________________________________________

15

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

2 - O HOMEM APÓS O PECADO

Deus deu a Adão e Eva tudo o que precisava para

sobreviver, Tudo colocou nas suas mãos. Mas avi-

sou-os que podiam comer de tudo o que havia no

Jardim exceto do fruto de uma determinada árvore.

Génesis 2:17

" Mas da árvore do conhecimento do bem e do

mal, dela não comerás; porque no dia em que

dela comeres, certamente morrerás."

Esta árvore abriria os olhos deles tanto para o bem

como para o mal e foi este o argumento que Satanás

usou para derrubar o Homem. O Homem só preci-

sava de acreditar e obedecer a Deus mas preferiu

“crer” na mentira do Inimigo e não dar crédito à or-

dem do seu Senhor. Este ato mudou completamente

o rumo da história da Humanidade.

Ao dizer “ se comer desta árvore certamente mor-

rerá”, o Senhor referia vários aspetos teológicos,

além da morte física.

16

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

1- Expulsão do Jardim do Éden:

O Homem foi expulso do Paraíso, deixando assim de

poder desfrutar da grande e maravilhosa presença

de Deus e da Natureza criada por Ele (também para

que não pudesse mais tarde vir a comer da árvore

da vida), e assim passaria a viver eternamente, e

com o pecado, pois ao comer o fruto proibido, os

seus olhos foram abertos para o pecado, e o pecado

é a única coisa que pode separar o homem de Deus.

2- Separação de Deus: O homem quebrou a co-

munhão perfeita que tinha com Deus e nunca pode-

ria voltar a ligar-se a Deus, pelos seus próprios mei-

os ou vontade.

3- Os seus olhos foram abertos para o pecado:

Passaram a conhecer o pecado.

O PRIMEIRO PECADO DO HOMEM:

A dúvida quanto ao carácter e bondade de Deus. A

desobediência à Palavra de Deus. A acusação de

Adão. A desresponsabilização de Eva. Passaram a

ver a sua nudez e se envergonharam, primeiro um

17

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

do outro e, mais tarde, de estar na presença de

Deus.

O pecado separa completamente o homem de Deus

pois cria um abismo entre o homem e Deus.

O pecado causa morte física e espiritual. Deus disse:

" De toda a árvore do jardim comerás livremente,

mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela

não comerás; porque no dia em que dela come-

res, certamente morrerás" (Gênesis 3:17).

A morte, o resultado do pecado do Homem, é tripla:

1) A Morte Espiritual: Adão e Eva sofreram logo esta

morte e por isso todo o ser humano já nasce peca-

dor (Romanos 3:23, 5:12). Ele está morto em

ofensas e pecados, não tendo vida espiritual.

2) A Morte Física: Todos morrem fisicamente por-

que são pecadores.

3) A Segunda Morte: A eterna separação de Deus.

Lançando-se no inferno.

18

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

4) Somente os salvos por Jesus Cristo vão escapar

desta morte (João 5:24; Apocalipse 20:6).

5) O salvo ganha mais em Cristo do que perdeu em

Adão (Romanos. 8:28-39, I Coríntios 15:51-58).

O CASTIGO DA SERPENTE PELA ASTÚCIA

Génesis 3:14

" Então o SENHOR Deus disse à serpente: Por-

quanto fizeste isto, maldita serás mais que toda

a fera, e mais que todos os animais do campo;

sobre o teu ventre andarás, e pó comerá todos

os dias da sua vida.”

A serpente foi amaldiçoada, não por causa da sua

própria culpa, mas como uma lembrança da conde-

nação e do fim que espera Satanás.

No entanto, a maldição da serpente é verdadeira e

literal; ela é a criatura mais desprezada de todos os

animais e anda sobre o seu ventre no pó da terra

todos os dias da sua vida. Como era a serpente antes

da queda? Provavelmente deslocar-se-ia de outro

19

Compêndio de Doutrinas Bíblicas

modo. É por isso que Satanás é chamado da “antiga

serpente”.