Conselhos aos Idosos por Ellen G. White - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
index-1_1.jpg

Conselhos aos Idosos

Ellen G. White

2005

Copyright © 2013

Ellen G. White Estate, Inc.

Informações sobre este livro

Resumo

Esta publicação eBook é providenciada como um serviço do

Estado de Ellen G. White. É parte integrante de uma vasta colecção

de livros gratuitos online. Por favor visite owebsite do Estado Ellen G. White.

Sobre a Autora

Ellen G. White (1827-1915) é considerada como a autora Ameri-

cana mais traduzida, tendo sido as suas publicações traduzidas para

mais de 160 línguas. Escreveu mais de 100.000 páginas numa vasta

variedade de tópicos práticos e espirituais. Guiada pelo Espírito

Santo, exaltou Jesus e guiou-se pelas Escrituras como base da fé.

Outras Hiperligações

Uma Breve Biografia de Ellen G. White

Sobre o Estado de Ellen G. White

Contrato de Licença de Utilizador Final

A visualização, impressão ou descarregamento da Internet deste

livro garante-lhe apenas uma licença limitada, não exclusiva e in-

transmissível para uso pessoal. Esta licença não permite a republica-

ção, distribuição, atribuição, sub-licenciamento, venda, preparação

para trabalhos derivados ou outro tipo de uso. Qualquer utilização

não autorizada deste livro faz com que a licença aqui cedida seja

terminada.

Mais informações

Para mais informações sobre a autora, os editores ou como po-

derá financiar este serviço, é favor contactar o Estado de Ellen G.

i

White: (endereço de email). Estamos gratos pelo seu interesse e

pelas suas sugestões, e que Deus o abençoe enquanto lê.

ii

iii

Conteúdo

Informações sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i

O como e o porquê deste livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . viii

Capítulo 1 — Pioneiros adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

Respeito aos pioneiros idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

Vívidas memórias do passado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

Os mortos ainda falam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

Profunda apreciação pelos primeiros portadores de

responsabilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Reimprimir artigos de pioneiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

G. I. Butler, obreiro muito valioso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

Envelhecer cheio de graça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

Envelhecendo, mas continuando a testificar . . . . . . . . . . . . . . . 19

Guardar a memória de pioneiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Evitar críticas aos pioneiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Encorajemo-nos uns aos outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

Capítulo 2 — Utilidade dos obreiros idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Os obreiros idosos não estão dispensados do serviço . . . . . . . 24

Obreiros idosos necessitados nas crises . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Eles sabem como ajudar outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Os obreiros idosos dão sábios conselhos . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Graça especial e conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Ministros idosos devem falar nas reuniões campais . . . . . . . . 27

O campo pátrio necessita dos obreiros experientes . . . . . . . . . 29

Obreiros idosos são mais produtivos que jovens . . . . . . . . . . . 30

A eficiência deve aumentar constantemente . . . . . . . . . . . . . . . 31

Os últimos dias podem ser os melhores . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Capítulo 3 — Associação de jovens com idosos . . . . . . . . . . . . . 34

Colaboradores de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Os ministros mais idosos devem educar os obreiros mais

jovens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Os obreiros mais velhos encorajam os mais jovens . . . . . . . . . 36

A sincera amizade entre Eli e Samuel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Paulo treinou Timóteo e Tito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Capítulo 4 — Obrigação dos filhos para com os pais idosos . . . 40

iv

Conteúdo

v

A obrigação nunca cessa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Demonstrar bondade mesmo a pais injustos . . . . . . . . . . . . . . . 40

É um privilégio cuidar de pais idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

Um assunto de vital importância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Capítulo 5 — O cuidado dos idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

As instituições não são o melhor plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

Deveriam ficar entre amigos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

O cuidado de Ellen G. White por seus pais . . . . . . . . . . . . . . . 46

Auxiliando um antigo cunhado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

Conforto para a viúva de Stephen Belden . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Fundo para obreiros idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

Capítulo 6 — Advertências a pessoas idosas . . . . . . . . . . . . . . . . 51

A idade não é desculpa para afrouxar a disciplina própria . . . 51

Contentem-se onde estão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Mantendo o asseio pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Evitar o excesso de trabalho e a desconfiança dos irmãos . . . 55

“Não sejam acusadores dos irmãos” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Os idosos não devem trabalhar nas cidades . . . . . . . . . . . . . . . 56

Evitar uma “religião fechada” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Comportamento infantil de obreiros adultos . . . . . . . . . . . . . . 57

Perigo de aceitar sentimentos infiéis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

Ansiedade quanto ao dinheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

O dinheiro não pode resgatar a alma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

Pôr as afeições numa terra melhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

Capítulo 7 — Mordomia enquanto se vive . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

A obra de benevolência é duplamente abençoada . . . . . . . . . . 63

Colocar os tesouros no céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

A mordomia é uma responsabilidade pessoal . . . . . . . . . . . . . 64

Transferindo as responsabilidades para outros . . . . . . . . . . . . . 66

Caridade moribunda versus benevolência viva . . . . . . . . . . . . . 67

Negócios desorganizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Auxílio necessário agora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

Campos novos que devem ser trabalhados . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Deus quer nos ensinar nosso dever . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

Capítulo 8 — A importância dos testamentos . . . . . . . . . . . . . . . 76

Executores do testamento de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76

Não deve ser adiada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76

Quando Satanás controla os assuntos comerciais . . . . . . . . . . 77

vi

Conselhos aos Idosos

Quando é importante o conselho legal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

Os testamentos devem resistir á prova da lei . . . . . . . . . . . . . . 79

Capítulo 9 — Casar de novo em idade avançada . . . . . . . . . . . . . 85

Conselhos a José Hare . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

Conselho para J. N. Andrews . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

Novo casamento de S. N. Haskell . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

O desejo de George I. Butler de se casar novamente . . . . . . . . 88

Conselho insensato de um filho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

Ellen G. White preferiu não se casar novamente . . . . . . . . . . . 92

Quando as idades são muito diferentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

Capítulo 10 — Conservando as energias da vida . . . . . . . . . . . . . 94

Discursos curtos, vida longa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

Ore enquanto o sono não chega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

Um período de descanso durante o dia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

Dieta e repouso adequados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

Idéias extremadas sobre reforma da saúde . . . . . . . . . . . . . . . . 97

Fidelidade na reforma da saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

Construindo residências sadias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

Uma receita de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

A importância do exercício . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Exercício algum substitui o andar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Capítulo 11 — Fortaleza na aflição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

Durante uma prolongada enfermidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

Oração e unção, mas não curada instantaneamente . . . . . . . . 104

Jesus conhece nossas aflições e dores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

“Faze-me um ramo sadio, que produza fruto” . . . . . . . . . . . . 105

“Não pronuncie eu nenhuma palavra desamorosa” . . . . . . . . 106

“Não me queixarei” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

“O Senhor me fortalece” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

Nenhuma idéia de bater em retirada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

Deus sabe o que é melhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

Lições aprendidas nos meses de sofrimento . . . . . . . . . . . . . . 108

Esquecer rapidamente os problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

Descansar em seu amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

Capítulo 12 — Segurança e conforto aos que enfrentam a morte111

Mensagens de simpatia e esperança a uma fiel auxiliar . . . . 111

Conforto a um ministro á morte, por câncer . . . . . . . . . . . . . . 115

As obras são preservadas através da eternidade . . . . . . . . . . . 115

Conteúdo

vii

Cristo nos conduzirá com segurança para o lar . . . . . . . . . . . 116

A sepultura foi consagrada por Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

Nosso tempo de lavar e passar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

Amadurecendo para a colheita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

Capítulo 13 — A hora da aflição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Não há pecado em chorar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

O Senhor seja seu conforto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Ellen G. White em sua hora de aflição . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

Sonhos de Ellen com Tiago logo após sua morte . . . . . . . . . . 122

Votos de prosseguir após a morte do marido . . . . . . . . . . . . . 124

Reflexões de Ellen G. White sobre a morte de Tiago White . 124

Capítulo 14 — Lições tiradas de personagens Bíblicos . . . . . . 126

A fé de Abraão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

A oração de Davi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

Davi planejava com antecedência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128

Como Pedro enfrentou a morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

O idoso apóstolo em Patmos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

O melhor tempo da vida de João . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

Conforto advindo das experiências de personagens Bíblicos 133

A vida apóstata de Salomão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135

A fraqueza de Salomão, um sinal de advertência . . . . . . . . . . 136

Celebridade mundana versus integridade divina . . . . . . . . . . 138

Influência para o bem e para o mal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

Apêndice A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

Textos Bíblicos que ajudam os idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

Apêndice B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

Um breve resumo das atividades de Ellen G. White após

os 65 anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

Apêndice C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

Comentários de G. B. Starr nos funerais de Ellen G. White

em Elmshaven < . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

Apêndice D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170

Carta de J. N. Loughborough a Lida Scott . . . . . . . . . . . . . . . 170

O como e o porquê deste livro

Eventualmente, todos nós chegaremos a uma idade em que va-

mos precisar diminuir um pouco nossas atividades e entregá-las a

mãos e corações mais jovens. Quando este tempo chegar, por causa

das mudanças das necessidades emocionais, físicas e espirituais, al-

guns de nós precisarão do auxílio e conselho de pastores experientes,

de profissionais da medicina e de gerontologistas. Felizmente, tais

auxílios existem em abundância nos dias de hoje. Centenas de livros,

revistas e séries de palestras úteis estão à disposição das pessoas

com cinqüenta anos de idade, ou mais, e dos clubes de aposentados

que surgem por toda a parte.

A imprensa da Igreja Adventista do Sétimo Dia também prepa-

rou uma séries de volumes voltados para a leitura dos mais idosos, e

todos eles são bons. Nunca antes, porém, os recursos e a ajuda con-

tidos nos escritos de Ellen White foram reunidos num livro voltado

para essa faixa etária.

Neste volume, Ellen White oferece muitas respostas inspiradas e

inspiradoras a perguntas levantadas pelos que estão na idade de ouro.

Estas gemas do pensamento foram respigadas de seus manuscritos,

cartas, livros e periódicos, muitos dos quais foram escritos depois

dela ter completado 65 anos de idade — os 23 anos que vão de 1892

a 1915.

Ellen White teve uma vida ativa até os 87 anos. Com 64, quando

a maioria das pessoas se aproxima da aposentadoria, ela servia na

Austrália como conselheira e missionária junto com outros intrépi-

dos pioneiros da igreja, com o propósito de ajudar a estabelecer uma

[8]

base para a obra do Senhor naquela ilha continente.

No seu recém-construído lar no campus da Escola para Obreiros

Cristãos (hoje Avondale College) ela escreveu a empolgante biogra-

fia de Jesus, O Desejado de Todas as Nações. Quando não escrevia,

pregava nas igrejas, assistia a reuniões da Comissão da Associação

e dava conselhos. Quando insistiu: “Construam um colégio segundo

os padrões do Senhor”, surgiu o Colégio Missionário Australiano e,

viii

O como e o porquê deste livro

ix

novamente, quando aconselhou: “Estabeleçam um sanatório repre-

sentativo nos subúrbios de Sydney”, foi construída uma instituição

médica. Na criação destas instituições, os líderes da igreja revelaram

sua fé na orientação inspirada do dom profético.

Ao mesmo tempo, brotava de sua hábil pena uma torrente con-

tínua de artigos inspiradores, cartas e conselhos que chegaram até

os editores, líderes e membros leigos da igreja, não só na Austrália,

mas também na Europa e nas Américas do Norte e do Sul.

Nos últimos quinze anos de sua vida (1900-1915), a Sra. White

estava de volta aos Estados Unidos, vivendo em seu recém-adquirido

lar de “Elmshaven”, perto de Santa Helena, na Califórnia. Lá re-

sidindo, desejava ardentemente desfrutar o sossego e descanso de

uma aposentadoria, mas o lugar de destaque que ocupava na igreja

como mensageira especial do Senhor fez dela o alvo freqüente e

implacável de pedidos de conselho e orientação por parte do povo

de Deus.

A serva do Senhor achava difícil recusar tais convites, que in-

cluíam pregações em reuniões campais, em comissões de Asso-

ciações e em igrejas. Com 82 anos de idade, atravessou todo o

continente norte-americano para falar na sessão da Associação Geral

de 1909, realizada em Takoma Park.

Durante os anos de “Elmshaven”, foram publicadas quase uma

dúzia das suas melhores obras: Educação; A Ciência do Bom Viver;

os volumes 6, 7, 8 e 9 dos Testemunhos; Atos dos Apóstolos; Conse-

lhos aos Professores, Pais e Estudantes; Obreiros Evangélicos; Life

Sketches e, finalmente, após sua morte, Profetas e Reis.

[9]

Ellen G. White não acreditava em aposentadoria por se estar

“enferrujado”. Para ela, aposentadoria era “desgastar-se”. Ela não

era uma pessoa opressora, antes, uma mentora agraciada com um

coração compreensivo e atitudes compassivas obtidas pela fami-

liaridade íntima com o Pai celeste e Seu Filho, Jesus Cristo. Por

exemplo, ela aconselhou um idoso pregador viciado em trabalho

a ser temperante em seus labores porque estava se matando com

tais excessos. Ela o animou a aceitar o pensamento de que havia

feito jus ao privilégio de relaxar, de amadurecer para o Céu e de

desfrutar alguns dos serenos e tranqüilos momentos de uma feliz

aposentadoria.

x

Conselhos aos Idosos

Como Depositários, oramos para que esta coleção de cartas, arti-

gos e mensagens da pena da dedicada serva de Deus seja uma fonte

prática e nutrida de sabedoria e orientação para os que vivem seus

anos de aposentadoria, bem como para os que se estão aproximando

deles e desejam se apoderar mais completamente da afirmação de

Cristo: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.”

João 10:10.

Depositários do Patrimônio de Ellen G. White

Capítulo 1 — Pioneiros adventistas

Respeito aos pioneiros idosos

Aos obreiros pioneiros idosos que estão relacionados com a obra

da mensagem do terceiro anjo, desde o início, que passaram pela

experiência de 1844, o Senhor diz: “Seu auxílio é necessário. Não

levem uma carga que os mais novos devem carregar. É seu dever

cuidar dos próprios hábitos de vida. Precisam ser sábios em usar

a força física, mental e espiritual. Os que já passaram por muitas

e variadas experiências devem fazer o possível para preservar suas

condições, para que possam trabalhar para o Senhor, o quanto Ele

permitir que permaneçam nos seus lugares, para ajudar a levar avante

Sua obra.” ...

A causa de Cristo necessita da ajuda dessas mãos idosas, obrei-

ros idosos, que têm anos de experiência na causa de Deus; que viram

o desenvolvimento e o progresso da mensagem nos seus diversos

setores; que presenciaram muitos saindo para o fanatismo, com-

partilhando de falsas teorias, resistindo a todos os esforços feitos

para deixar a luz da verdade revelar as superstições que vinham

para confundir a mente e para não produzir efeito algum sobre a

mensagem a qual nestes últimos dias deve ser dada na sua pureza ao

povo remanescente de Deus.

Muitos desses experientes servos de Deus já dormem em Jesus.

Que a ajuda desses que ainda estão vivos seja apreciada. Que seus

testemunhos sejam valorizados. A abençoada mão do Senhor está

com esses fervorosos obreiros. Ele os sustentará com o Seu braço

[14]

forte, dizendo: “Apóiem-se em Mim. Serei sua fortaleza e sua grande

recompensa.” Os que estiveram na mensagem desde o início, que

lutaram bravamente quando a batalha se tornava difícil, não devem

perder agora o seu suporte.

O mais terno interesse deve ser nutrido para com aqueles cujo

interesse vital é vinculado à causa de Deus. Não obstante suas muitas

enfermidades, esses obreiros possuem talentos que os qualificam

11

12

Conselhos aos Idosos

para estar na sua sorte e lugar. Deus deseja que ocupem posições de

liderança em Sua obra. Permaneceram fiéis em meio aos temporais e

provas e acham-se entre os mais valiosos conselheiros. Quão gratos

deveríamos ser por poderem eles ainda usar seus dons no serviço do

Senhor!

Que não se perca de vista o fato de que no passado esses fervo-

rosos lutadores tudo sacrificaram para promover a obra. O terem-se

tornado idosos e grisalhos no serviço de Deus não é razão para

deixarem de exercer uma influência superior à influência de homens

que têm muito menos conhecimento da causa e muito menos experi-

ência nas coisas divinas. Embora gastos e incapazes de arcar com os

encargos mais pesados do que os que os mais jovens podem e devem

assumir, seu mérito como conselheiros é da mais elevada ordem.

Cometeram erros, mas dos fracassos aprenderam sabedoria; aprende-

ram a evitar erros e perigos, e não serão eles então competentes para

darem sábios conselhos? Suportaram trabalhos e provas, e embora

tenham perdido parte de seu vigor, não devem ser empurrados para

a margem por obreiros menos experientes que muito pouco sabem

acerca da obra e do sacrifício desses pioneiros. O Senhor não os põe

[15]

à margem. Ele lhes dá graça especial e conhecimento. ...

À medida que aqueles que gastaram sua vida no serviço do Se-

nhor se aproximarem do fim de sua história terrestre, serão impres-

sionados pelo Espírito Santo a contar as experiências que tiveram,

relacionadas com Sua obra. O relatório de Seu procedimento com

o Seu povo, da Sua grande bondade em livrá-los das provações,

deve ser repetido ao novos que entram na fé. As provas que também

vieram aos servos de Deus pela apostasia de alguns que estiveram

unidos com eles na obra, e o trabalho do Espírito Santo para que a

falsidade não tivesse qualquer efeito contra os que desde o princípio

mantiveram sua confiança firme até o fim, devem ser relatados.

Os pioneiros que ainda vivem não devem ser colocados em

postos árduos. Os que serviram ao Senhor quando a obra prosseguia

árdua, que suportaram pobreza e permaneceram fiéis à verdade

quando nossos números eram pequenos, devem sempre ser honrados

e respeitados. Sou instruída a dizer: respeite todo crente os idosos

pioneiros que suportaram provas e dificuldades e muitas privações.

São os operários de Deus e desempenharam parte preeminente na

estruturação de Sua obra.

Pioneiros adventistas

13

O Senhor deseja que os obreiros mais novos ganhem sabedoria,

força e maturidade pela associação com os obreiros mais velhos que

se entregaram à causa. Os jovens devem compreender que, ter esses

obreiros ainda com eles, é altamente favorável. Mostrem grande

respeito por esses homens de cabelos brancos, que tiveram grande

experiência no desenvolvimento da obra. Que eles tenham um lugar

de honra nos seus concílios. Deus quer que aqueles que vieram para

a verdade nos últimos anos prestem atenção nestas palavras.

[16]

Possa o Senhor abençoar e suster nossos obreiros idosos e ex-

perimentados. Que Ele os ajude a ser sábios quanto à preservação

de suas faculdades físicas, mentais e espirituais. Fui instruída pelo

Senhor a dizer a esses que apresentaram seu testemunho nos dias

primitivos da mensagem: “Deus os dotou com o poder da razão, e

Ele deseja que compreendam as leis relacionadas à saúde do ser,

e lhes obedeçam. Não sejam imprudentes. Não trabalhem demais.

Tomem tempo para repousar. Deus deseja que aceitem sua sorte e

lugar, fazendo sua parte para salvar homens e mulheres de serem

arrastados para baixo, pela poderosa torrente do mal. Ele deseja que

enverguem a armadura até que lhes ordene depô-la. Não demorará

para que recebam sua recompensa.” — Testemunhos Para a Igreja

7:286-289.

Vívidas memórias do passado

Chegamos no acampamento de Siracusa, Nova Iorque, em 20

de Agosto e, no dia seguinte, uma quinta-feira, alegramo-nos ao

cumprimentar o Pastor U. Smith e sua esposa. Lá encontramos o

Pastor Wheeler, com quem nos familiarizamos em New Hampshire,

faz trinta anos. Lá estava o Pastor Cottrell que conhecemos há trinta

anos, o Pastor Taylor, há mais de vinte e cinco, o irmão Robinson,

há trinta e cinco. Meu coração se comoveu ao ver estes irmãos que

por longo tempo permaneceram na defesa da fé

Mais de uma vintena de anos se foi para a eternidade com seus

registros desde que esses homens se tornaram soldados da cruz; mas

a experiência deles nos primórdios da causa de Deus nunca perdeu

[17]

seu brilho. À medida que seus pensamentos se demoravam no pas-

sado, as chamas do amor e da fé ardiam novamente em seu coração.

Eles podiam dizer com João: “O que era desde o princípio, o que

14

Conselhos aos Idosos

temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que

contemplamos e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo

da vida, ... o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós

outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco.” 1

João 1:1, 3.

Estavam presentes também outros a quem devotamos alta es-

tima, amigos provados da causa, nossos conhecidos de muitos anos.

Vimos suas faces brilharem com vívida certeza ao ouvirem a apre-

sentação da verdade que conservou aquecido seu coração durante

todos esses anos. Estes irmãos e irmãs têm um pensamento acurado

e pessoal dos acontecimentos de vinte e mais anos atrás. Alguns de-

les testemunharam manifestações extraordinárias do poder de Deus

nos tempos de nossas grandes provações e necessidades, quando o

número dos nossos membros era pequeno, quando a oposição era

forte e tínhamos de enfrentar objeções irrazoáveis. Enquanto fatos

ocorridos há apenas uma semana podem ser esquecidos, estas cenas

de interesse emocionante ainda vivem na memória.

Seja o que for que possa ser dito das fases posteriores da vida de-

les, sua experiência primitiva no trabalho jamais poderá ser apagada.

Não podemos deixar de olhar para essas idosas sentinelas. Pela pena

e pela voz, eles anunciaram as preciosas palavras desta verdade, e

deveriam ser animados a ainda fazer tudo o que puderem em favor

da causa de Deus através de sua influência, seus conselhos e experi-

[18]

ência. Muitos obreiros jovens estão tomando o lugar deles no serviço

ativo, e isto é correto, mas tenham esses moços um cálido lugar no

coração e nos concílios para aqueles cujas cabeças embranqueceram

no serviço de Cristo. Queremos ver esses homens conservarem a

armadura e conduzir a batalha até os portais da fortaleza. Queremos

vê-los partilhar com os soldados mais jovens os triunfos da vitória

final. Quando terminar o conflito, sem dúvida que desejamos vê-los

coroados e honrados entre os vitoriosos. — The Review and Herald,

28 de Outubro 1884.

Os mortos ainda falam

Às duas horas da tarde falei a uma casa cheia [em Adam’s Center,

Nova Iorque]... Tivemos prazer em encontrar-nos com os servos

idosos de Deus, nessa ocasião. Desde o surgimento da mensagem do

Pioneiros adventistas

15

terceiro anjo conhecemos o Pastor [Frederico] Wheeler, que agora

se aproxima dos oitenta anos de idade. Conhecemos os Pastores [H.

H.] Wilcox e [Carlos O.] Taylor há quarenta anos. A idade está-se

fazendo sentir nesses idosos porta-estandartes, assim como em mim.

Se formos fiéis até ao fim, o Senhor nos dará uma imarcescível coroa

de vida.

Os porta-estandartes idosos estão longe de ser inúteis e deve-

rem ser postos à margem. Têm a desempenhar na obra um papel

semelhante ao de João. Podem dizer: citado 1 João 1:1-7.

Este era o espírito e a vida da mensagem que João apresentou a

todos quando já idoso, aproximando-se dos cem anos de idade. Os

porta-estandartes empunham firmes as suas bandeiras. Não afrou-

xam as mãos que empunham o pavilhão da verdade, até que de-

ponham a armadura. Uma a uma as vozes dos velhos guerreiros

silenciam. Vaga o seu lugar. Não os vemos mais, mas eles, mortos

[19]

ainda falam, pois seguem-nos as suas obras. Tratemos com muita

ternura os poucos peregrinos idosos que restam, tendo-os em alta

estima, por amor de suas obras. Ao tornarem-se as suas faculdades

gastas e debilitadas, é de valor o que dizem. Sejam entesouradas

suas palavras, como testemunho precioso. Que os jovens e os novos

obreiros não desprezem, ou em qualquer sentido mostrem indife-

rença para com os homens de cabelos brancos, mas se levantem e

lhes chamem bem-aventurados. Devem considerar que eles mesmos

entraram nos trabalhos desses homens. Desejaríamos que houvesse

muito mais do amor de Cristo no coração de nossos crentes, por

aqueles que foram os primeiros na proclamação da mensagem. —

Mensagens Escolhidas 2:223, 224.

Profunda apreciação pelos primeiros portadores de

responsabilidades

Conquanto esteja ansioso por fazer tudo que pode, lembre-se,

Pastor Haskell, que é unicamente pela grande misericórdia e graça

de Deus que o irmão foi poupado estes muitos anos, para dar seu

testemunho. Não tome sobre si cargas que outros, mais jovens,

possam levar. ...

Muitos dos experimentados servos de Deus adormeceram em

Jesus. Grandemente apreciamos o auxílio dos que vivem ainda hoje.

16

Conselhos aos Idosos

Avaliamos o seu testemunho. Leia o primeiro capítulo de I João,

e então louve ao Senhor por isso que, não obstante suas muitas

enfermidades, pode ainda testificar dEle. ...

Podemos facilmente contar os primeiros portadores de responsa-

[20]

bilidades que ainda vivem [1902]. Pastor [Urias] Smith ligou-se a

nós no princípio da obra publicadora. Trabalhou junto a meu marido.

Esperamos ver sempre seu nome na Review and Herald, encabe-

çando a lista dos redatores, pois assim deve ser. Os que iniciaram a

obra, que combateram bravamente quando a peleja era árdua, não

devem agora perder sua firmeza. Devem ser honrados pelos que

entraram para a obra depois de haverem sido suportadas as privações

mais duras.

Tenho muita simpatia para com o Pastor Smith. Meu interesse

vital na obra de publicações está ligado ao dele. Veio ele ter conosco

quando jovem, possuindo talentos que o habilitavam para ocupar

o lugar de redator. Como me alegro quando leio os seus artigos na

Review — tão excelentes, tão repletos de verdade espiritual! Dou

graças a Deus por eles. Sinto forte simpatia pelo Pastor Smith, e

creio que seu nome deve sempre aparecer na Review, como redator

principal. Assim Deus deseja. Quando, alguns anos atrás, seu nome

foi colocado em segundo lugar, senti-me ferida. Quando de novo foi

colocado em primeiro lugar, chorei, e disse: “Graças a Deus!” Oxalá

fique sempre ali, como Deus deseja que continue, enquanto a mão

direita do Pastor Smith puder empunhar uma pena. E quando faltar

o poder de sua mão, que seus filhos escrevam, ditando-lhes ele.

Sou grata por poder ainda o Pastor [J. N.] Loughborough usar

suas habilitações e dons na causa de Deus. Ele tem ficado fiel em

meio de tempestades e provações. Com o Pastor Smith, meu esposo,

irmão Butler, que se nos uniu mais tarde, e você [S. N. Haskell], pode

ele dizer: “O que era desde o princípio, ... o que vimos e ouvimos,

isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco;

e a nossa comunhão é com o Pai, e com Seu Filho Jesus Cristo.” 1

[21]

João 1:1-3. — Mensagens Escolhidas 2:224-226.

Reimprimir artigos de pioneiros

As mensagens que recebemos do Céu são verdadeiras e fiéis.

Quando alguém se esforça para introduzir novas teorias que não são

Pioneiros adventistas

17

a verdade, os ministros de Deus devem advertir claramente contra

elas, mostrando onde, se recebidas, influenciariam o povo de Deus.

Os que receberam a luz da verdade presente não deveriam ser facil-

mente enganados, nem se deixarem desviar do caminho verdadeiro,

enveredando por estranhos. Os atalaias devem estar atentos para dis-

cernir o resultado de todo o arrazoamento enganoso, porque surgirão

sérios erros para desviarem o povo de Deus. ...

Quando surgirem pessoas querendo mover um ponto ou pilar do

fundamento que Deus estabeleceu pelo Seu Santo Espírito, deixem

falar claramente os idosos que foram pioneiros em nossa obra, e que

falem também aqueles que já estão mortos, reimprimindo seus arti-

gos em nossos periódicos. Juntem-se os raios da divina luz dada por

Deus para guiar Seu povo passo a passo no caminho da verdade. Esta

verdade resistirá às provas do tempo e da tormenta. — Manuscrito

62, 1905.

G. I. Butler, obreiro muito valioso*

É com sentimentos de satisfação e gratidão a Deus que vemos o

Pastor [G. I. Butler] de novo no serviço ativo. Seu cabelo grisalho

[22]

testifica que ele sabe o que são aflições. Damos-lhe as boas-vindas

de novo em nossas fileiras, e o consideramos um dos mais valiosos

obreiros.

Queira o Senhor ajudar os irmãos que deram seu testemunho nos

primeiros dias da mensagem, a fim de que sejam prudentes quanto

à preservação de suas faculdades físicas, mentais e espirituais. Fui

instruída pelo Senhor para dizer que Ele os dotou da faculdade da

razão, e Ele deseja que compreendam as leis que afetam a saúde do

ser, e resolvam obedecer-lhes. Essas leis são leis divinas. Deus deseja

que todo obreiro pioneiro ocupe o seu lugar, a fim de que possa fazer

sua parte em salvar o povo de ser arrastado para a perdição, pela

poderosa corrente do mal da depravação física, mental e espiritual.

Meus irmãos, Ele deseja que continuem revestidos da armadura até

*O Pastor Butler jubilou-se em 1888 e comprou um sítio na Flórida, onde plantou um pomar de laranjas. Como sua esposa se tornou inválida no ano seguinte, permaneceu

jubilado mais 12 anos. Depois da morte dela em 1901, foi eleito presidente da Associação

da Flórida e, no ano seguinte, com a idade de 68 anos, foi eleito presidente da Southern

Union Conference, cargo que exerceu durante cinco anos.

18

Conselhos aos Idosos

ao último final do conflito. Não sejam imprudentes; não se excedam

no trabalho. Observem períodos de repouso.

A igreja militante não é a igreja triunfante. O Senhor deseja

que Seus provados servos, enquanto viverem, defendam a reforma

da temperança. Desdobrem a bandeira da temperança. Ensinem

o povo a praticar estrita temperança em todas as coisas, e serem

campeões em favor da obediência às leis físicas. Fiquem firmes em

favor da verdade de Deus. Exaltem perante o povo a bandeira que

traz a inscrição: “Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os

que guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus.” Apocalipse

14:12. ...

Uns poucos dos velhos porta-estandartes vivem ainda. Estou

intensamente desejosa de que nossos irmãos e irmãs respeitem e

honrem esses pioneiros. Apresentamo-los perante vocês como ho-

[23]

mens que sabem o que são provações. Sou instruída a dizer: Respeite

todo crente os homens que desempenharam parte importante nos

primeiros dias da mensagem, e que suportaram provas e dificuldades

e muitas privações. Esses homens encaneceram no serviço. Não

demorará, hão de receber sua recompensa. ...

O Senhor deseja que Seus servos, que encaneceram na defesa da

verdade, continuem fiéis e verdadeiros, dando seu testemunho em

favor da lei.

Os provados servos de Deus não devem ser colocados em lugares

difíceis. Os que serviram ao Mestre quando a obra era árdua, os

que suportaram pobreza e permaneceram fiéis no amor da verdade

quando nossos membros eram pouco numerosos, devem sempre

ser honrados e respeitados. Que os que vieram para a verdade em

anos posteriores levem a sério essas palavras. Deus deseja que todos

considerem este conselho. — Mensagens Escolhidas 2:226, 227;

Carta 47, 1902.

Envelhecer cheio de graça

Irmão Butler:

Que nós — você, o irmão Haskell e eu — envelheçamos cheios

de graça. Deus deseja que permaneça diante dEle como um porta-

dor de luz. Encorajemo-nos um ao outro. Recebi mensagens para

Pioneiros adventistas

19

levar ao errante, mas nem por causa disto perdi meu interesse no

reprovado: continuo a encorajá-lo.

“Amai como irmãos, sede misericordiosos, sede corteses.” Preci-

samos agora, exatamente agora, receber o Espírito Santo. Lidando

conosco, o Senhor Jesus tem muito que suportar. Ele Se sente ferido

quando ferimos outros. “Em verdade vos afirmo”, disse Jesus, “que

sempre que o fizestes a um destes Meus pequeninos irmãos, a Mim

o fizestes”. Mateus 25:40. ...

[24]

Os ministros idosos devem ser tratados cuidadosa e carinhosa-

mente. Não podemos dispensar qualquer deles. O Senhor deseja que

eles se ajudem uns aos outros e se regozijem nEle. Esses guerreiros

experimentados devem fortalecer a fé do povo de Deus, contando

suas experiências em conexão com o desenvolvimento da Sua obra.

— Carta 111a, 1904.

Envelhecendo, mas continuando a testificar

Prezado irmão [G. I.] Butler:

... Muito desejo que os velhos soldados, encanecidos no serviço

do Mestre, continuem a apresentar seu testemunho incisivo, para

que os mais novos na fé compreendam que as mensagens que o

Senhor nos deu no passado são muito importantes neste período da

história da Terra. Nossa experiência passada não perdeu um jota de

sua força. Dou graças a Deus por todo jota e til da Palavra Sagrada.

Eu não desejaria recuar das partes difíceis de nossa experiência.

O irmão não deve trabalhar além de suas forças. Suponho que

no futuro nossa experiência há de ser variada; mas penso que você

e eu, ao envelhecer no serviço de Cristo, cumprindo Sua vontade,

estamos obtendo uma experiência do mais alto valor e mais intenso

interesse.

Os juízos do Senhor estão na Terra. Temos de trabalhar com

sincera fidelidade, pondo todo o nosso ser naquilo que fazemos

para ajudar os outros a prosseguirem para a frente e para cima.

Levemos a batalha até às portas. Estejamos sempre dispostos a

falar palavras de animação aos indecisos e cansados. Só poderemos

andar seguramente se andarmos com Cristo. Que coisa alguma o

desalente. Ajude aqueles com quem entra em contato a trabalhar

com fidelidade.

[25]

20

Conselhos aos Idosos

Espero que futuramente eu possa encontrar-me com o irmão

em algumas de nossas reuniões. Você e eu fazemos parte dos mais

idosos dos que vivem, que mantiveram a fé por muito tempo. Se

não vivermos o bastante para ver o aparecimento de nosso Senhor,

todavia, tendo feito a obra que nos foi designada, deporemos nossa

armadura com santificada dignidade. Façamos o melhor que puder-

mos, e façamo-lo com fé e esperança. Meu coração está cheio de

gratidão ao Senhor, por me haver por tanto tempo poupado a vida.

Minha mão direita ainda pode discorrer sobre assuntos de verdades

bíblicas sem tremer. Diga a todos que a mão da irmã White ainda

escreve palavras de instrução para o povo. Estou completando outro

livro sobre história do Antigo Testamento [Profetas e Reis].

Que o Senhor o abençoe e guarde, com esperança e ânimo. —

Mensagens Escolhidas 2:229, 230; Carta 130, 1910.

Guardar a memória de pioneiros

À medida que avançavam com abnegação e sacrifício próprio,

Deus deu Suas bênçãos aos que se dedicaram à obra no princípio da

mensagem. Eles tiveram que aprender muito, cometeram seus erros,

e precisaram de contínua orientação e conselho, mas tiveram razões

para gratidão constante porque a obra avançou a despeito da pobreza

e da falta de facilidades. Eles envidaram todos os esforços para fazer

desta causa um sucesso, para construir os edifícios necessários ao

desenvolvimento adequado da obra; e sob todas as circunstâncias o

Senhor os guiou.

Os que entram na obra mais tarde e encontram as coisas prontas

[26]

nas suas mãos, deveriam pelo menos esforçar-se para pagar o débito

que têm para com o Senhor e os obreiros que viveram antes deles,

levando a verdade para novos territórios, até que chegue a todas as

nações, tribo língua e povo. Em todos os países se devem despertar

homens e mulheres para levar avante a mesma obra começada pelos

que foram postos de lado pelo descanso. A memória desses pioneiros

deve ser conservada e, dos tesouros da sua experiência, os obreiros

de hoje devem aprender a passar de uma linha do trabalho avançado

para outra, seguindo os métodos declarados pelo Espírito Santo

em harmonia com Deus e sustentando os princípios ordenados na

Pioneiros adventistas

21

Palavra, levando o combate ativo a novos campos. — GCB, Terceiro

Trimestre, 1900, pág. 164.

Evitar críticas aos pioneiros

Vi que Deus Se desagrada da disposição de algumas pessoas para

murmurar contra aqueles que travaram os mais árduos combates por

elas, e que suportaram tanto no começo da mensagem, quando a obra

era árdua. Deus considera os obreiros experientes, que trabalharam

muito sob o peso de opressivas responsabilidades, quando não havia

senão poucos para ajudar a fazer face às mesmas. Ele tem um zeloso

cuidado por aqueles que se têm demonstrado fiéis. Desagradam-

Lhe os que estão prontos a criticar e a reprovar os servos de Deus

que encaneceram na edificação da causa da verdade presente. —

Testemunhos Para a Igreja 3:320, 321.

Que ninguém deprecie os que foram escolhidos de Deus, que

lutaram varonilmente as batalhas do Senhor, os que entreteceram

seu coração, alma e vida na causa e na obra de Deus, que morreram

[27]

na fé e que são participantes da grande salvação comprada para nós

pelo nosso Salvador que levou os nossos pecados e nos deu o Seu

perdão. Deus não entregou a homem algum a tarefa de reproduzir

as falhas deles e de apresentar seus erros a um mundo que jaz na

impiedade e a uma igreja composta de muitos que são fracos na fé.

Deus não colocou sobre homem algum o encargo de reviver faltas

e erros de vivos ou mortos. Ele quer que Seus obreiros apresentem

a verdade para este tempo. Não se fale dos erros de irmãos que

estejam vives, e silencie-se sobre as faltas dos que estão mortos. Que

os erros e faltas deles fiquem onde Deus os colocou lançados nas

profundezas do mar. Quanto menos for dito pelos que professam crer

na presente verdade a respeito das faltas e erros dos servos de Deus,

tanto melhor será para sua própria alma e para as dos que Cristo

comprou com Seu próprio sangue. — The Review and Herald, 30

de Novembro de 1897.

22

Conselhos aos Idosos

Encorajemo-nos uns aos outros*

Desejo grandemente que os velhos soldados da cruz, aqueles que

encaneceram no serviço do Mestre, continuem a dar seu testemunho

fiel a fim de que os mais novos na fé compreendam que as mensagens

que o Senhor nos deu no passado são muito importantes nesta etapa

da história terrestre. Nossa experiência passada não perdeu um jota

de sua força.

Cuidem todos em não desanimar os pioneiros, ou fazê-los sen-

[28]

tir que pouco há que possam fazer. Sua influência pode ser ainda

poderosamente exercida na obra do Senhor. O testemunho dos pas-

tores idosos será sempre um auxílio e uma bênção para a igreja.

Deus velará por Seus provados e fiéis porta-bandeiras, dia e noite,

até que chegue o tempo de deporem sua armadura. Fiquem eles

certos de que se encontram sob o protetor cuidado dAquele que não

tosqueneja nem dorme; que são velados por infatigáveis sentine-

las. Sabendo isto, e compreendendo que estão em Cristo, podem

descansar confiantemente nas providências de Deus.

Oro fervorosamente para que a obra que fazemos a este tempo

se grave profundamente no coração, mente e alma. Aumentarão as

perplexidades; como crentes em Deus, porém, encorajemo-nos uns

aos outros. Não abaixemos a bandeira, antes conservemo-la alçada

bem alto, olhando Àquele que é o Autor e Consumador de nossa

fé. Quando, durante a noite, não consigo dormir, ergo o coração a

Deus em oração e Ele me fortalece e dá certeza de que está com

Seus servos a ministrarem no campo pátrio e nas terras distantes.

Sou animada e beneficiada ao compreender que o Deus de Israel

ainda guia Seu povo, e que continuará a ser com eles, até ao fim.

Sou instruída a dizer aos irmãos que ministram: Sejam as men-

sagens que saem de seus lábios cheias do poder do Espírito de Deus.

Se já houve um tempo em que necessitássemos da guia especial do

Espírito Santo, esse tempo é o atual. Necessitamos de inteira consa-

gração. É mais que tempo de darmos ao mundo uma demonstração

[29]

do poder de Deus em nossa própria vida e em nosso ministério.

O Senhor deseja ver a obra da proclamação da mensagem do

terceiro anjo sendo levada avante com eficiência crescente. Como

Ele trabalhou em todas as épocas para dar vitórias a Seu povo, as-

*Extraido da segunda mensagem de Ellen G. White a Associação Geral de 1913.

Pioneiros adventistas

23

sim neste século almeja Ele levar a triunfante cumprimento Seus

desígnios para Sua igreja. Ordena a Seus santos crentes que avan-

cem unidos, indo de força para força maior, da fé a mais certeza e

confiança na verdade e justiça de Sua causa.

Devemos ficar firmes qual rocha aos princípios da Palavra de

Deus, lembrando-nos de que Ele está conosco para dar-nos poder

para enfrentar cada novo acontecimento. Mantenhamos sempre em

nossa vida os princípios da justiça, para irmos adiante de força em

força no nome do Senhor. Devemos conservar como deveras sagrada

a fé que foi consolidada pela instrução e aprovação do Espírito de

Deus, desde nossa experiência inicial até os nossos dias. Devemos

guardar cuidadosamente, como preciosíssima, a obra que o Senhor

tem estado a levar adiante por meio de Seu povo observador dos

mandamentos, e que pelo poder de Sua graça, tornar-se-á mais vi-

gorosa e eficiente à medida que o tempo avança. O inimigo está

procurando obscurecer o discernimento do povo de Deus, e enfra-

quecer sua eficiência, mas caso eles trabalhem segundo a direção

do Espírito de Deus, Ele abrirá diante deles portas de oportunidade

para a obra de restaurar os lugares assolados. Sua vida cristã será

de constante desenvolvimento, até que o Senhor desça do Céu com

poder e grande glória para pôr Seu selo de final triunfo sobre os Seus

fiéis.

A obra que está perante nós é daquelas que põem em tensão

toda faculdade do ser humano. Isto exigirá o exercício de vigorosa

[30]

fé e vigilância constante. Por vezes as dificuldades que teremos

de enfrentar serão muito desencorajadoras. A própria grandeza da

tarefa nos aterrará. Todavia, com o auxílio de Deus, Seus servos