Considerações a respeito da contratransferência na psicoterapia analítica por Maria Neuza Zambonato Parente, Greice Cristina Sca - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA CONTRATRANSFERÊNCIA NA

PSICOTERAPIA ANALÍTICA

Greice Cristina Scatambulo¹; Maria Goreti Manchini da Costa¹; Maria

Neuza Zambonato Parente¹; Sandra Alves de Oliveira Herek¹; Rute Grossi Milani².

RESUMO: O objetivo deste trabalho consiste em uma explanação

teórica a respeito do conceito de contratransferência, bem como, ressaltar a sua importância para a formação profissional. Realizou-se um estudo teórico a respeito dos aspectos contratransferenciais identificados no processo

terapêutico. A contratransferência era vista como espécie de resistência que se manifestava no psicanalista em relação a seu paciente, resistência essa devida ao surgimento de conflitos inconscientes, motivados por aquilo que o paciente diz, fa z ou representa para o analista, a contratransferência permite que o analista escute, através de seus sentimentos não só o que o paciente diz, mas, mais ainda, o que ele não diz, por ignorá-lo no plano do consciente. . Deve-se pensar no uso desta como mais uma via de acesso ao inconsciente do

analisando, o que pode determinar o sucesso de uma terapia. Assim como em análise de adultos, a contratransferência do analista estará presente na relação com a criança. De acordo com o estilo de cada profissional, cabe a ele

trabalhar ou não esta contratransferência na análise da criança. Contudo, atualmente a contratransferência não é mais considerada um empecilho ao

andamento da psicoterapia, mais sim, um recurso valioso que deve ser

valorizado e utilizado na prática clínica.

INTRODUÇÃO

De acordo com Zimerman (2004), Freud foi o primeiro a utilizar a

expressão “contratransferência”, porém inicialmente conceituou-a como um fenômeno que atrapalharia a análise e afirmou que esses sentimentos,

despertados pelo paciente dentro do analista e que fazem efeito neste, seria uma prova de que ele estaria necessitado de mais análise. Essa concepção durou uns 40 anos e, na atualidade, os analistas consideram que os sentimentos contratransferenciais podem se constituir como um excelente instrumento de

“empatia” do analista diante do que se passa no mundo interno do paciente.

O objetivo deste trabalho consiste em uma explanação teórica a respeito

do conceito de contratransferência, bem como, ressaltar a sua importância para a formação profissional, buscando contribuir para o acadêmico de Psicologia no manejo dos conteúdos contratransferenciais suscitados no processo

terapêutico.

Realizou-se um estudo teórico a respeito dos aspectos

contratransferenciais identificados no processo terapêutico. O interesse pelo assunto surgiu com o Estágio Supervisionado em Psicologia Clínica, na

abordagem psicanalítica, uma vez que nas supervisões eram explorados os conteúdos mobilizados no estagiário durante os atendimentos e buscava-se compreendê-los. Ressalta-se que o atendimento psicológico é individual, com Acadêmicas do curso de Psicologia – CESUMAR, Maringá-PR; greice.scatambulo@bol.com.br; i goreti_manchini@hotmail.com;1 mnzparente@hotmail.com; s_herek@hotmail.com; ²Docente do curso de Psicologia CESUMAR, Maringá-PR: rute@cesumar.br

pacientes que buscaram o serviço da Clínica Escola de Psicologia do

CESUMAR.

CONTRATRANSFERÊNCIA: ASPECTOS TEÓRICOS E IMPORTÂNCIA NA

PRÁTICA CLÍNICA

Em 1910 surge o conceito de contratransferência, entendido como uma

reação do analista provocada pela transferência do paciente, e, como tal, algo a ser superado ou ultrapassado para que o analista volte a trabalhar em

condições adequadas. Freud (1912) afirma que não se deve abandonar a

neutralidade para com o paciente, quando a adquirimos por manter controlada a transferência, e jamais propor a questão da contratransferência a não ser para destacar seu aspecto negativo e indesejável no trabalho analítico, de forma que o diálogo entre o inconsciente do analista e do analisando baseia-se na conjunção das associações livres e da atenção flutuante. Em

"Recomendações aos médicos que exercem psicanálise" (1912), ao invés da auto-análise, Freud sugere ao analista a análise didática como recurso para uma compreensão profunda de si e superação de conflitos inconscientes não solucionados. Freud (1910) destaca: “...notamos que nenhum psicanalista

avança além do quanto permitem seus próprios complexos e resistências

internas...”.

Zimerman (2004) aponta que para Freud a contratransferência consiste

nos sentimentos que surgem no inconsciente do terapeuta como influencia nele, dos sentimentos inconscientes do paciente, destacando o quanto é

imprescindível que o analista reconheça a contratransferência em si próprio, e a necessidade de superá-la.

Sandler (1986) aponta que na contratransferência, Freud incluía mais do

que a transferência do analista. Pois, o paciente pode vir a representar a figura do passado do analista, e a contratransferência pode surgir simplesmente por causa da incapacidade do analista de manejar adequadamente aqueles

aspectos dos conteúdos do paciente que atingem problemas internos dele,

analista.

De acordo com Zimerman (2004), a transferência era vista, no início, por Freud enquanto obstáculo ao fluxo das associações livres do paciente, assim também a contratransferência era considerada sistematicamente enquanto

obstáculo ao analista em sua compreensão do paciente. Com referência a isso, Freud considerava a mente do analista como um instrumento, cujo

funcionamento eficiente na situação analítica era impedido pela

contratransferência. Freud não deu o passo de ver a contratransferência como instrumento útil ao trabalho psicanalítico.

Segundo Sandler (1986), a contratransferência era vista como espécie

de resistência que se manifestava no psicanalista em relação a seu paciente, resistência essa devida ao surgimento de conflitos inconscientes, motivados por aquilo que o paciente diz, faz ou representa para o analista. O analista deve, através do auto-exame, aperceber-se em si mesmo da existência de tais conflitos, constituindo isso uma indicação de que deve envidar todos os

esforços para reconhecer sua natureza e eliminar suas conseqüências

adversas. De acordo com este ponto de vista, os conflitos não eram em si mesmos contratransferências, mas poderiam dar-lhes origem.

O autor salienta que há alguns aspectos que merecem ser ressaltados:

existe o risco de se confundir o que é contratransferência com o que não é mais do que uma "transferência do próprio analista"; o sentimento contratransferencial tanto pode adquirir uma dimensão patogênica, com o analista perdido e

envolvido na situação criada, quanto ele pode se constituir em uma excelente bússola empática (poder sintonizar e colocar-se no Iugar do paciente). É

importante que o analista possa lidar com naturalidade com os seus sentimentos contratransferenciais dificílimos (por exemplo, de medo, tédio, paralisia, impotência, erotização, raiva, etc.), sem sentir vergonha e culpa. Assim, em resumo, pode-se dizer que a contratransferência apresenta uma perspectiva tríplice: como um possível obstáculo, como instrumento para o analista e como fator integrante do campo analítico.

Para Zaslavsky (2005), a contratransferência permite que o analista

escute, através de seus sentimentos não só o que o paciente diz, mas, mais ainda, o que ele não diz, por ignorá-lo no plano do consciente. Cruz Roche (1991) reafirma esta evolução do objeto psicanalítico dizendo que “o observador (analista) é agora um participante”. Como destacou Cruz Roche (1991 apud) Zaslavsky (2005), os aspectos inconscientes do paciente poderiam não estar somente em seu inconsciente reprimido: “essas partes ou sentimentos ausentes poderiam, algumas vezes, estar bem mais longe, nos sentimentos de outra pessoa”. Etchegoyen (1985) esboça uma teoria da contratransferência a partir da intuição em seu trabalho sobre a técnica psicanalítica, mas não chega a realizá-

la. Este autor acredita que a melhor forma de captar o material do analisando é através da intuição do analista oferecida por seu inconsciente.

Mannoni (1971) afirma que, assim como em análise de adultos, a

contratransferência do analista estará presente na relação com a criança. De acordo com o estilo de cada profissional, cabe a ele trabalhar ou não esta contratransferência na análise da criança. Partilhamos da opinião de que, apenas uma auto-análise ou mesmo uma análise pessoal pode não ser o mais proveitoso para se lidar com a contratransferência. Deve-se pensar no uso desta como mais uma via de acesso ao inconsciente do analisando, o que

pode determinar o sucesso de uma terapia. Não obstante, sabemos que esta é uma atividade que deve ser feita com muita cautela, pois é necessário o

discernimento por parte do analista do que pertence ao analista, do que

pertence à criança, especialmente quando se pretende interpretar a

contratransferência. Mannoni (1971) reitera que assim como acontece com crianças, com os adolescentes, o analista percebe que tem que lidar com, além da transferência de seu jovem paciente, a de seus pais e a sua própria

contratransferência.

Kalina (1999) acredita que uma das condutas do terapeuta de

adolescentes é aceitar o papel que o adolescente lhe atribui (por exemplo, de aliado) e trabalhar a partir deste, tomando cuidado para não interpretar prematuramente. Este papel projetado no analista dever ser discriminado para só então o analista poder trabalhar em sua reintrojeção para o paciente.

Tsiants (1996) trabalha com a idéia de que, durante a terapia com

crianças e adolescentes, o reconhecimento da contratransferência seguido de seu desdobramento e entendimento do que é do analista e o que pertence ao paciente e finalmente, o manejo com a interpretação são essenciais para o tratamento. Este autor concorda com outros autores ao afirmar que a

contratransferência pode ser entendida como reações do terapeuta a projeções do paciente sobre ele. Para ele, quanto mais emocionalmente aberto o

terapeuta é (e assim, pronto para aceitar a projeção) e quanto mais regredido o paciente está, maior será a probabilidade da formação de poderosas reações contratransferenciais que podem ser utilizadas para o entendimento do material que surge na terapia. Baranger (1992), ao abordar o que se passa na mente do analista desde a escuta até a interpretação, enfatiza que a escolha do

momento de interpretar (ponto de urgência) deve levar em consideração o que está se passando dentro do “campo intersubjetivo”, que engloba ambos os

participantes. Chama a atenção para o fato de que, algumas vezes, durante o processo, a intersubjetividade do diálogo analítico pode se tornar “invisível e inaudível”, formando-se uma espécie de segunda estrutura. O conceito de

“campo” amplia de modo notável aquele da relação paciente-analista postulado por Freud e, posteriormente, por Melanie Klein, pois é extensiva a toda a situação analítica, conseqüentemente ao setting e à técnica, possibilitando uma visão mais ampla. As idéias de Baranger sobre a caracterização da situação analítica como “campo bipessoal” são bastante atuais com muitos pontos de contato significativos com outros analistas da atualidade.

Esse aspecto inter-relacional do campo é enfatizado por Ferro (1995

apud) Zaslavsky (2005), não como algo que deva ser, necessariamente,

sempre interpretado, mas que, invariavelmente, configura meio fértil de onde poderão emergir mudanças e transformações. Tal compreensão parece estar

apoiada no que tanto Bion (1991) quanto Ferro (1997) (baseado em Bion)

entende por transformação como objetivo terapêutico do campo, que constitui o espaço no qual poderão ocorrer transformações das fantasias transgeracionais do paciente e do analista, num movimento contínuo de mútuo aprendizado.

Seguindo essa direção, Ferro (2005), propõe uma escuta baseada na noção de personagem e dos papéis assumidos por cada um na sessão, como meio de

narrar todas as histórias possíveis de se desenvolverem no inconsciente do paciente e no campo analítico e como um dos fatores de cura na gênese do sofrimento. De acordo com Bion (1991), se a mãe tem a capacidade de

Reverie, ela é capaz de receber, de conter as identificações projetivas, metabolizá-las e devolvê-las ao bebê de uma forma suportável, assim ele

poderá reintrojetá-las de forma que permita ao bebê a capacidade de suportar as angustias. Essas projeções primitivas denomi nadas elementos Beta, são sensações e emoções não digeridas que não podem tornar-se inconscientes e nem serem transformadas em lembranças, só servem para serem evacuadas

despertando emoções no continente. E a função da mãe de conter e

metabolizar esses elementos beta é chamada de função Alfa, a função alfa permite que o bebê possa discriminar o que é o mundo interno e externo,

consciente ou inconsciente, e dá-lhes elementos para sonhar. A pessoa cuja função alfa fracassou não tem verdadeiro contato com a realidade, tem

tendências à atuação, isto é, atos de descarga, geralmente impulsivos, não pensados.

Contudo, os autores concluem que a contratransferência não se refere

apenas aos sentimentos do terapeuta na sessão, mas significa a utilização, de forma ampla, da subjetividade do próprio analista/terapeuta/clínico para a compreensão mais ampla e profunda do seu paciente, de um modo mais

completo, por abarcar não somente fenômenos visíveis à superfície,

mas,principalmente, por incluir sentimentos e significados que jazem no âmago inconsciente de cada indivíduo,ocultos, obscuros, mas determinantes e

definidores de seu comportamento.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Alguns autores ao discutirem esse tema, referem-se a ele como o

problema da contratransferência, isto é, ao lado do reconhecimento do avanço imensurável na técnica e na teoria psicanalítica, a contratransferência segue com questões sem resposta, sendo um campo instigante, embora difícil de estudo. Como se vê, há ainda muito a pesquisar, discutir e aprender sobre a contratransferência. Contudo, atualmente a contratransferência não é mais considerada um empecilho ao andamento da psicoterapia, mas sim, um

recurso valioso que deve ser valorizado e utilizado na prática clínica.

REFERÊNCIAS

BARANGER, W. & Baranger, M. (1961). Problemas do Campo Psicanalítico.

Buenos Aires: Kargieman.

BION, W. R. (1991). O aprender com a experiência. (P. D. Corrêa, trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1962).

ETCHEGOYEN,H. (1985). Fundamentos da Técnica Psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

FREUD, S. (1910) As Perspectivas Futuras da Terapêutica Psicanalítica. In: Edição Standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, vol.XI. Rio de Janeiro, Imago, 1996.

________ (1912) Recomendações aos médicos que exercem psicanálise.

In: Edição Standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, vol. XII.

Rio de Janeiro, Imago, 1996.

KALINA, E. Psicoterapia de adolescentes: teoria, técnica e casos clínicos.

Porto Alegre. Artes Médicas, 1999.

MANNONI, M. (1967). A Criança, sua "doença" e os outros. Rio de Janeiro.

Zahar, 1971.

SANDLER, J. O paciente e o analista: fundamentos do processo psicanalítico.

Rio de Janeiro: Imago, 1986.

ZASLAVASK J, Nunes MLT, Eizirik CL. Approaching countertransference in

psychoanalytical supervision: a qualitative investigation. Int J Psychoanal.

2005.

ZIMERMAN, David E. Manual de Técnicas Psicanalíticas: uma re-visão.

Porto Alegre: Artmed, 2004.

Você pode estar interessado...

  • Tempo
    Tempo Ciências Naturais por Varios
    Tempo
    Tempo

    Downloads:
    45

    Publicado:
    Nov 2019

    Sobre os ombros de gigantes” J.T. FRASER Em 5 de fevereiro de 1676, no curso de sua correspondência com Robert Hooke a respeito da natureza da luz, Newton r...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • Pesquisas
    Pesquisas Ciências Sociais por Harold. B.
    Pesquisas
    Pesquisas

    Downloads:
    83

    Publicado:
    Jun 2018

    Este livro foi escrito para ajudar as pessoas a compreenderem como se faz o trabalho cotidiano de pesquisa em ciências sociais, como lidar com os problema...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • O Espião de Hitler
    O Espião de Hitler Ciências Sociais por John H.
    O Espião de Hitler
    O Espião de Hitler

    Downloads:
    70

    Publicado:
    Apr 2016

    Por muito tempo, historiadores acreditaram que, durante a Segunda Guerra Mundial, nacionalistas do País de Gales tenham colaborado como espiões para o regime ...

    Formatos: PDF