Crônica do Viver Baiano Seiscentista - A Cidade e Seus Pícaros - Pança Farta e Pé Dormente por Gregório de Matos - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
LITERATURA BRASILEIRA

Textos literários em meio eletrônico

Gregório de Matos

Texto-fonte: Obra Poética, de Gregório de Matos, 3ª edição,

Editora Record, Rio de Janeiro, 1992.

Crônica do Viver Baiano Seiscentista

Índice

PANÇA FARTA E PÉ DORMENTE

DESCREVE A CONFUSÃO DO FESTEJO DO ENTRUDO.

DESCREVE A JOCOZIDADE, COM QUE AS MULATAS DO BRASIL BAYLÃO O PATURI.

DESCREVE O POETA HUMA JORNADA, QUE FEZ AO RIO VERMELHO COM HUNS

AMIGOS, E TODOS OS ACONTECIMENTOS.

SEGUNDA FUNÇÃO QUE TEVE COM ALGUNS SUGEYTOS NA ROÇA DE HUM AMIGO

JUNTO AO DIQUE, ONDE TAM BEM SE ACHOU O CELEBRADO ALFERES THEMUDO,

E SEU IRMÃO O DOUTOR PEDRO DE MAITOS, QUE ENTÃO ANDAVA MOLESTO DE

SARNAS.

DESCREVE A CAÇADA QUE FIZERAM COM ELLE SEUS AMIGOS NA VILLA DE S.

FRANCISCO À HUMA PORCA REBELDE.

DESCREVE O PERIGO EM QUE O POZ NA ILHA DE Me. DE DEOS HUMA VACCA

FURIOSA CHAMADA CAMISA, INDO DIVERTIR-SE AO CAMPO COM HUM IRMÃO DO

VIGARIO.

DESCREVE O DIVERTIMENTO QUE TEVE COM ALGUNS AMIGOS INDO AOS

CAYJÚS.

DESCREVE A VIAGEM, QUE INTITULOU DOS ARGONAUTAS DA CAJAIBA PARA A

ILHA DE GONÇALLO DIAS, ONDE COM SEUS AMIGOS HIA DIVERTIR-SE.

DESCREVE ESTANDO NA CAJAIBA HUMA CAVALHADA BURLESCA, QUE ALI

FIZERAM PELO NATAL, HUNS FOLGAZÕES.

DESCREVE HUMAS COMEDIAS, QUE NA CAJAIBA FORAM REPRESENTADAS

PELOS MESMOS, OU PARTE DELLES COM OUTROS DA MESMA CONDIÇÃO.

DESCREVE OUTRA COMEDIA QUE FIZERAM NA CIDADE OS PARDOS NA

CELEBRIDADE COM QUE FESTEJARAM A NOSSA SENHORA DO AMPARO, COMO

COSTUMAVÃO ANNUALMENTE.

DESCREVE COM ADMIRÁVEL PROPRIEDADE OS EFFEYTOS, QUE CAUSOU O

VINHO NO BANQUETE, QUE SE DEO NA MESMA E;ESTA ENTRE AS JUIZAS, E

MORDOMAS ONDE SE EMBEBEDARAM.

DESCREVE OUTRA FUNÇÃO IGUAL, QUE NO SEGUINTE ANNO ESTAS, E OUTRAS

MULATAS DA MESMA CONDIÇÃO FIZERAM A. N. SENHORA DE GUADALUPE.

DESCREVE O POETA AS FESTAS DE CAVALLO QUE SE FIZERAM NO TERREYRO

EM LOUVOR DAS ONZE MIL VIRGENS, SENDO ESCRIVÃO EUZEBIO DA COSTA

REYMÃO FILHO DE MARIA REYMOA; EM QUE ASSISTIRAM ESTES DOUS

PRINCIPES PAY, E FILHO COM O MAYOR DA NOBREZA NO COLLEGIO DE JESUS.

AS FESTAS DE CAVALLO QUE FEZ NO TERREYRO ESTRONDOSAMENTE

GONÇALLO RAVASCO CAVALCANTE SINGULAR JUIZ DAS ONZE MIL VIRGENS COM

ASSISTENCIA DESTE PRINCIPE, A QUEM

O POETA OBSEQUÊA, REMOQUEANDO A SEU ANTECESSOR: COMO TAMBEM

OBSEQUÊA A ANDRE CAVALLO, E OUTRAS PESSOAS NOMEADAS.

3 – PANÇA FARTA E PÉ DORMENTE

Descreve o Poeta as festas ...

Manuel Pereira Rabelo, licenciado

Que bem bailam as Mulatas,

que bem bailam o Paturi

DESCREVE A CONFUSÃO DO FESTEJO DO ENTRUDO.

Filhós, fatias, sonhos, mal-assadas,

Galinhas, porco, vaca, e mais carneiro,

Os perus em poder do Pasteleiro,

Esguichar, deitar pulhas, laranjadas.

Enfarinhar, pôr rabos, dar risadas,

Gastar para comer muito dinheiro,

Não ter mãos a medir o Taverneiro,

Com réstias de cebolas dar pancadas.

Das janelas com tanhos dar nas gentes,

A buzina tanger, quebrar panelas,

Querer em um só dia comer tudo.

Não perdoar arroz, nem cuscuz quente,

Despejar pratos, e alimpar tigelas,

Estas as festas são do Santo Entrudo.

DESCREVE A JOCOZIDADE, COM QUE AS MULATAS DO BRASIL BAYLÃO O