Despenteada por Vicki Lewis Thompson - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

4

- Elétrico. Trabalho na Middlesex Light and Power. - Por enquanto, pelo menos. No

final do mês, seria chamado para sua nova posição na Hoover Dam, e então a ML&P

teria de sobreviver sem ele.

- Interessante. Veio ler o medidor?

- Não. Meu trabalho é interno.

- Então, por que não está sentado atrás da sua mesa?

- No inverno, entro uma hora mais cedo para poder sair às quatro. E estamos nos

desviando do assunto. Tem certeza de que está bem? Algumas lesões têm efeito

retardado. Você pode sangrar até a morte sem saber que está ferida.

- Não estou sangrando.

- Pode haver algum ferimento interno. Sei de pessoas que nem tinham conhecimento

das próprias lesões, e de repente ... Caíram mortas!

- Deve ser terrível. Está qualificado para avaliar lesões internas?

- Não, mas sei determinar se está mortalmente ferida, ou não. - Além do mais, queria

saber o que ela escondia na garagem. - Se a porta está emperrada, pode usar a outra,

da frente da casa. - E depois de certificar-se de que ela estava bem, encontraria um

meio de convencê-Ia a levá-lo à garagem.

- Por que precisa sair do trabalho às quatro horas?

- Gosto de jogar bilhar no Rack and Balls antes do jantar. Estava a caminho de lá

quando ouvi a explosão. Naturalmente, parei. - O odor estava mais ameno.

- Agradeço pela preocupação.

- Qualquer um teria feito o mesmo. E, falando como engenheiro, não creio que deva

ficar aí respirando esses vapores.

- O Rack and Balls tem uma mesa de bilhar?

- Deve ser nova por aqui.

- Comprei a casa em outubro.

Charlie processou a data e deduziu a identidade. Ela era a modelo de Nova York que

se mudara para Middlesex no outono. Sua mãe e tia Myrthe haviam comentado a

chegada da modelo em Elm Street, porque a viram na padaria e sabiam que ela

comprava um único pão de canela e que levava dias para comê-lo.

Qual era mesmo o nome dela? Erin? Elise? Não conseguia lembrar. Mas, agora, o que

realmente o confundia era a explosão. Modelos e explosões só coexistiam nos filmes

de James Bond.

A curiosidade o fez ignorar o pavimento gelado. Com um antebraço apoiado no chão,

ele removeu os óculos e tentou olhar para dentro da garagem. Tudo que viu foi um

pedaço de macacão de brim e um emaranhado de cabelos castanhos. Não conseguia

ver seu rosto nem o que havia dentro da garagem.

Era evidente que ela não pretendia abrir a porta. Talvez nunca descobrisse o que

havia causado a explosão, mas precisava ao menos ter certeza de que ela não estava

em choque e, portanto, entorpecida para a dor provocada por um fragmento de metal

penetrando em sua nuca.

- Sobre a mesa de bilhar ... É oficial?

-Sim.

- Mesmo? - Ela soava interessada.

Sim, podia estar fingindo o interesse para distraí-lo, mas, por alguma razão, não

acreditava nisso. Era como se ela pudesse reconhecer uma mesa oficial.

- Quer vir comigo e jogar uma partida?

O silêncio prolongado expressava indecisão. Ela hesitava. Uma modelo de Nova York

não se imaginava jogando bilhar com qualquer maluco que batesse em sua porta

depois de uma explosão.

Na verdade, ele mesmo nunca imaginara jogar bilhar com uma modelo de Nova York,

com ou sem explosão. Mas o bilhar exigia concentração e coordenação, e em uma

partida poderia saber se ela estava mesmo bem.