Dicas Básicas de Fotografia Digital por Antônio Carlos da Costa - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

DICAS BÁSICAS DE FOTOGRAFIA DIGITAL – ACC

(Estou sempre agregando coisas que encontro na rede, livros e

anotações minhas)

ÍNDICE

1. INTRODUÇÃO ........................................................................... 4

2. CONCEITOS BÁSICOS................................................................ 5

A)

PIXEL ............................................................................................................................................ 5

B)

MAQUINA COMPACTA E SLR (REFLEX) .................................................................................................. 6

C)

ISO .............................................................................................................................................. 7

D)

OBTURADOR .................................................................................................................................. 8

E)

PROFUNDIDADE DE CAMPO ................................................................................................................ 8

F)

DIAFRAGMA ................................................................................................................................... 9

G)

VELOCIDADE OU TEMPO DE EXPOSIÇÃO ............................................................................................... 11

H)

EXPOSIÇÃO .................................................................................................................................. 12

I)

COMPENSAÇÃO DA EXPOSIÇÃO ......................................................................................................... 13

J)

O BALANÇO DE BRANCOS ................................................................................................................ 14

K) MODOS MANUAIS P, S, A, M ................................................................................................................ 15

L) FOTOMETRIA ...................................................................................................................................... 17

M) FOCALIZAÇÃO .................................................................................................................................... 19

N) HISTOGRAMAS ................................................................................................................................... 19

O) ESTABILIZAÇÃO DA IMAGEM .................................................................................................................. 19

3. SELECIONANDO QUAL EQUIPAMENTO COMPRAR ............... 20

A) TELA ................................................................................................................................................ 25

B) RESOLUÇÃO ....................................................................................................................................... 26

C) LENTE DA CÂMERA............................................................................................................................... 26

D) TAMANHO DA CÂMERA ........................................................................................................................ 29

E) ARMAZENAMENTO .............................................................................................................................. 29

F) BATERIAS .......................................................................................................................................... 30

4. COMPOSIÇÃO ........................................................................ 31

A) REGRA DOS TERÇOS ............................................................................................................................. 32

B) PONTO FOCAL .................................................................................................................................... 33

C) COMPOSIÇÃO SIMÉTRICA ...................................................................................................................... 33

D) COMPOSIÇÃO RADIAL ........................................................................................................................... 33

E) SOBREPOSIÇÃO ................................................................................................................................... 34

F) COMPOSIÇÃO HORIZONTAL .................................................................................................................... 34

G) COMPOSIÇÃO VERTICAL ........................................................................................................................ 35

H) COMPOSIÇÃO DIAGONAL ...................................................................................................................... 35

I) COMPOSIÇÃO EM CÍRCULO ..................................................................................................................... 36

J) SOMBRAS .......................................................................................................................................... 36

K) REFLEXOS .......................................................................................................................................... 37

1

L) DICAS QUENTES DE COMPOSIÇÃO ........................................................................................................... 37

5. EXPOSIÇÃO ............................................................................. 38

6. FILTROS FOTOGRÁFICOS ........................................................ 39

7. FLASH ..................................................................................... 45

8. TRIPÉ ...................................................................................... 47

9. FOTOGRAFIA DE NATUREZA .................................................. 49

A) SELECIONANDO A OBJETIVA – ................................................................................................................. 49

B) QUANDO TREMER – ............................................................................................................................. 49

C) LONGA EXPOSIÇÃO – ............................................................................................................................ 50

D) CONTRALUZ DEFININDO CONTORNOS – .................................................................................................... 50

E) PAISAGENS – ...................................................................................................................................... 51

10. FOTOGRAFIA DE PESSOAS .................................................. 51

A) EXPOSIÇÃO COMPENSADA ..................................................................................................................... 51

B) ABERTURAS ....................................................................................................................................... 52

C) LENTES IDEIAS PARA RETRATOS ............................................................................................................... 52

D) VELOCIDADE DO OBTURADOR ................................................................................................................ 52

E) VELOCIDADES ALTAS PARA CLICAR PESSOAS .............................................................................................. 52

F) ESCOLHA DA LENTE .............................................................................................................................. 52

G) DICAS DE FOCO................................................................................................................................... 52

H) RETRATO COM UM REFLETOR DE LUZ ....................................................................................................... 53

I) DIRIGINDO AS FOTOS ............................................................................................................................ 53

J) COMPOSIÇÕES CRIATIVAS ...................................................................................................................... 53

K) FLASH DE PREENCHIMENTO EM DIAS DE SOL ............................................................................................... 53

L) RETRATOS DE FAMÍLIA .......................................................................................................................... 54

M) KIT DE STUDIO CASEIRO ....................................................................................................................... 54

N) ESTÚDIO PAGO ................................................................................................................................... 54

11. A MACRO FOTOGRAFIA - LENTE INVERTIDA ...................... 54

12. ALGUMAS FOTOS INTERESSANTES ..................................... 57

13. RESUMO DAS DICAS DE FOTOGRAFIA DIGITAL .................. 60

A) ANTES DE BATER UMA FOTO .................................................................................................................. 60

B) ENQUADRAMENTO .............................................................................................................................. 61

C) FOCO RÁPIDO .................................................................................................................................... 61

D) FLASH DESNECESSÁRIO ......................................................................................................................... 61

E) FLASH NECESSÁRIO .............................................................................................................................. 62

G) RETRATOS ......................................................................................................................................... 62

H) OLHE NOS OLHOS ................................................................................................................................ 62

I) FOTOS DE NOITE .................................................................................................................................. 62

J) FOTOS VERTICAIS ................................................................................................................................. 63

2

K) APROVEITE A LUZ ................................................................................................................................ 63

L) MACRO UM POUCO MAIS PERTO ............................................................................................................. 63

M) COR ................................................................................................................................................ 63

N) ECONOMIZAR BATERIA ......................................................................................................................... 64

O) EXPERIMENTE .................................................................................................................................... 64

14. CUIDADOS COM SUA CÂMERA DIGITAL ............................. 64

15. BACK-UP .............................................................................. 67

16. ESTÁGIOS NA VIDA DE UM FOTÓGRAFO ............................ 67

17. BIBLIOGRAFIA ..................................................................... 70

A) LIVROS ............................................................................................................................................. 70

B) SITES ................................................................................................................................................ 72

18. APÊNDICES .......................................................................... 72

A) PIONEIROS DA FOTOGRAFIA ................................................................................................................... 72

B) – SENSOR DA IMAGEM ......................................................................................................................... 74

3

DICAS BÁSICAS DE FOTO DIGITAL - ACC

1. Introdução

Pra quem gosta de visitar em São Paulo a Pinacoteca, verá muitos

retratos de pessoas famosas feitos por grandes pintores, já que na

época uma fotografia, ou ainda não existia ou era algo muito

sofisticado.

Você não precisa ser um gênio para conseguir fotos muito boas, mas

o conhecimento da técnica fotográfica e o treino do seu olhar,

seguramente levarão você a produzir coisas boas de ver e recordar.

Uma foto tem uma propriedade maravilhosa que é congelar um

instante das nossas vidas para a eternidade (já pensou nisto?).

Pode ser uma simples e ingênua foto do seu cãozinho, da formatura,

férias na praia, amigos que não são mais do nosso convívio .... e o

que dizer então dos nossos caros que já não estão mais entre nós?

***###***

A primeira vez que fiz uma pequena escalada na serra de Extrema,

no sul de Minas Gerais, no pico do Lopo (1640 m), pude presenciar

uma coisa que só tinha visto em alguns livros... O arco íris de 360

graus e de brinde com a minha sombra projetada dentro (Foto

abaixo).

Na verdade estávamos caminhando com um céu claro e um sol muito

forte e repentinamente uma nuvem nos envolveu e deu este

espetáculo por alguns minutos, como eu estava inaugurando uma

câmera, e ainda apanhando nos seus comandos, fiz uma foto sem

nenhuma preocupação com a possibilidade do evento não ser tão

frequente ...... Todos curtiram as nossas sombras na nuvem e.....

Em menos de 3 minutos aquilo se dissipou.

Apesar de já ter voltado mais vezes no mesmo local, na mesma

época e em outras ... NUNCA mais eu vi aquela cor e imagem

projetada dentro da nuvem....

Na época, eu ainda não conhecia o livro do Amyr Klink, onde logo no

início ele conta uma passagem de uma foto, que no momento ele não

deu a importância merecida, achando que o fenômeno ocorreria

outras tantas vezes e nunca mais também ele viu...

Uma foto registra um momento único, geralmente sem replay,

você não terá outra chance de fotografar aquele momento.

4

index-5_1.jpg

Esteja sempre esperando o inesperado. É melhor ter uma boa

imagem deste instante que uma imagem medíocre. Fotografar

melhor não vai custar mais do que fotografar com

displicência....

Arco - Íris projetado na nuvem

2. Conceitos básicos

Quando você for selecionar o seu novo equipamento pelas

especificações técnicas, tem um monte de termos lá que você nunca

ouviu falar não é mesmo? Segue abaixo uma breve e despretensiosa

explicação destas coisas novas:

Veja, por exemplo, as especificações da Sony Power Shot W300

APERTURE AND SHUTTER Maximum Aperture f/2.8 – 4.9 Shutter

Speed 15 – 1/2.000 seg. 13.6 megapixel, 2.7" Clear Photo LCD

Display, 9 point auto focus.

Que negócio é esse de "f/2.8 – 4.9" e velocidade 15 – 1/2.000 seg?

a) Pixel

5

é geralmente considerado como o menor componente de uma

imagem digital. A expressão "pixels" pode ser usada de maneira

abstrata, ou de maneira mais concreta como unidade de medida (em

especial, quando se utiliza se pixels como medida resolução, como

por exemplo: 2400 pixels por polegada, 640 pixels por linha,

espaçamento de 10 pixels de distância).

Quanto mais pixels utilizados para representar uma imagem, mais se

aproxima de parecer com o objeto original. Algumas vezes, o número

de pixels em uma imagem é chamado de resolução, embora a

resolução tenha uma definição mais específica. Medidas de pixels

podem ser expressas como um único número, por exemplo, uma

câmera digital de "três-megapixels", que tem um valor nominal de

três milhões de pixéis; ou como um par de números, por exemplo,

um monitor com "640 por 480", onde se tem 640 pixels de um lado

ao outro do monitor e 480 de cima para baixo (monitor VGA), e,

portanto, tem um total de 640 × 480 = 307.200 pixels ou 0,3

megapixels.

Megapixel (ou Megapixel) designa um valor equivalente a um milhão

de pixels/píxeis. É utilizado nas câmeras digitais para determinar o

grau de resolução, ou definição de uma imagem. Uma resolução de

1,3 megapixels significa que existem aproximadamente 1.300.000

pixels na imagem, o que corresponde a nada além da multiplicação

da largura pela altura da imagem, ou seja, uma imagem de 1280

pixels de largura por 1024 pixels terá exatamente 1.310.720 pixels .

Algumas pessoas procuram equipamentos com resolução de 12 Mp

para produzir fotos de 10 x 15 cm (certamente um extremo exagero).

Tamanho da imagem impressa em qualidade fotográfica (300

DPI (Dot Per Inch) Pontos Por Polegada ou PPP - Pixel Por

Polegada)

Fazendo uma continha simples, uma foto de 10x15 cm (4 x 6 pol)

tem 1200 x 1800 pixels ou seja apenas 2,1 Mp.

b) Maquina compacta e SLR (reflex)

Câmera compacta, também chamada câmera aponte-e-dispare,

é desenvolvida para operação simples. Suas dimensões e peso são

modestos e os recursos disponíveis também.. Geralmente as funções

são automáticas e não permite interação fotógrafo x equipamento.

Outras limitações são a impossibilidade de trocar a objetiva e a

instalação de filtros.

6

index-7_1.jpg

index-7_2.jpg

index-7_3.jpg

index-7_4.jpg

SLR cuja sigla é Single Lens Reflex, se refere a câmeras que usam

um prisma e um jogo de espelhos para captura da imagem, além de

permitir o intercâmbio de lentes e filtros, permitindo uma maior

qualidade das fotos.

Diferentemente das câmeras SLR, onde a imagem do visor é idêntica

àquela que passa através da lente primária até o filme ou sensor, as

câmeras compactas possuem um visor paralelo, onde a imagem vista

pelo fotógrafo, nem sempre é a mesma que vai ser gravada.

Basicamente o que distingue estes dois instrumentos é que o

primeiro adapta-se e controla automaticamente todos os elementos

da imagem; o segundo pressupõe que o fotógrafo contenha alguns

conhecimentos prévios e que possa controlar os elementos

manualmente desde a luz, a abertura de lente e até a velocidade de

disparo.

Câmera

Câmera SLR

Objetiva

Conjunto filtros

compacta

c) ISO

mede a sensibilidade do sensor ou filme à luz. Quanto maior for o

valor do ISO, mais sensível será o sensor. Normalmente, em cenários

ou espaços com pouca luz, devemos usar um ISO de valor mais

elevado para compensar a falta de luz. Em contra partida, quando

temos demasiada luz, devemos usar um valor ISO mais baixo. No

entanto devemos ter um especial cuidado quando selecionamos o

valor do ISO porque se tratando de um elemento de sensibilidade

poderá provocar algum ruído nas fotografias.

"Ruído" é o termo que se usa para denominar os pontilhados e

aberrações de cores que tornam a fotografia menos nítida. Trata-se

de pequenos pontos luminosos que dão a ideia de granulado, pouca

definição e são gerados pela instabilidade do sensor ISO.

7

index-8_1.jpg

index-8_2.jpg

A relação entre obturador e Sensibilidade ISO é a seguinte: Sensores

de alto ISO, necessitam de menos luz, logo maior é a velocidade do

obturador (1/500). Sensores de baixo ISO, necessitam de mais luz,

logo menor é a velocidade do obturador (1/60).

Em geral as máquinas tem opção de escolha automática pra o ISO.

Mas para fotos internas com pouca luminosidade, é importante

aumentar o ISO (800 – 1000) para que o tempo de exposição seja

possível de ser realizado sem tripé. Exemplo ISO 200 tempo 1/10

seg. (ninguém vivo consegue segurar uma máquina firme para

tempos mais lentos que 1/30 s) se eu aumentar o ISO para 800

provavelmente o tempo ficará ao redor de 1/30 s perfeitamente

suportável por qualquer fotógrafo sóbrio e sem Parkinson.

d) Obturador

é um dispositivo eletromecânico situado no corpo da máquina

fotográfica após o diafragma que abre e fecha, controlando o tempo

de exposição do filme ou do sensor das câmeras digitais à luz. É uma

espécie de cortina que protege a câmera da luz, e quando acionado o

disparador, ele se abre permitindo que a luz atinja o CCD ou sensor.

Quanto mais tempo aberto, mais luz entra. A velocidade do

obturador, é um dos fatores utilizados para alterar o resultado final

de uma fotografia pelo fotógrafo.

e) Profundidade de campo

é um efeito que descreve até que ponto objetos que estão mais

próximos ou mais distantes do plano de foco aparentam estar nítidos.

Qual a importância disto ??? Porque este é um dos elementos

essenciais para dar à foto sensação de tridimensionalidade.

Desfocando, propositalmente, certas regiões da foto, você consegue

induzir o cérebro do espectador a pensar que um objeto está mais

distante que outro e recriar assim uma sensação multidimensional.

8

index-9_1.png

index-9_2.jpg

index-9_3.jpg

Efeito da abertura no foco e profundidade de campo. Os pontos em

foco (2) projetam pontos no plano da imagem (5), mas pontos a

diferentes distancias (1 e 3) projetam imagens desfocadas.

Diminuindo a abertura (4) a intensidade do desfoque é reduzida em

planos fora do ponto de focagem, tornando tal desfoque

imperceptível. Com a abertura menor todos os pontos estarão dentro

da profundidade de campo. Veremos a seguir como isto pode ser feito

e as limitações.

f)Diafragma

Observe as duas fotos abaixo. Você nota a diferença? Na foto da

esquerda o fundo aparece totalmente difuso; nem dá para distinguir

o que é. Na foto da direita, entretanto, todos os detalhes aparecem

perfeitamente definidos, tanto os próximas à lente (o rio) quanto os

mais distantes (os prédios).

9

index-10_1.jpg

Essa diferença deve-se à abertura do diafragma utilizada ao clicar. O

diafragma é uma peça que fica entre a lente e o sensor que regula a

quantidade de luz que entrará na câmera. Quando você clica o

botão para efetuar o registro, o obturador se abre por alguns

instantes, permitindo a entrada de luz para sensibilizar o sensor ou

CCD. A abertura do diafragma é variável. Em termos muito simples,

pode abrir só um pouquinho, permitindo a entrada de luz através de

um buraquinho bem pequenino, ou abrir-se totalmente. A abertura é

a medida que se chama "f Stops"; f2.4 (a abertura utilizada na foto

à esquerda) representa uma abertura bem grande; f22 (a utilizada

para a foto à direita) uma abertura bem pequena. Então vai surgir a

pergunta: De onde veio o numero 2.4 ou 22 ???? Aí é que a beleza

da Matemática surge para facilitar a vida do fotógrafo.

Se você está trabalhando com uma lente de 62 mm de distancia focal

e abertura de 2.4 é porque o diâmetro da passagem da luz é 62/2.4

= 25 mm, para uma abertura f22 o diâmetro será 62/22= 3mm. Mas

a maravilha matemática está por chegar ...... A cada “stop” de

abertura, a área de luz do diafragma se multiplica por 2 ou se divide

por 2 !!!!!!!!!!! Parece confuso ?

Muita calma nesta hora.... Geralmente as aberturas de um

equipamento fotográfico são: 1.4 2.0 2.8 4.5 5.6 8 11 18

22 32 45. Isto significa que a quantidade de luz que passa na

abertura F22 é a metade do que passa no F18 e assim por

diante.....para a exposição se manter é necessário dobrar o tempo.

10

index-11_1.jpg

index-11_2.png

Por ex. uma exposição F5.6 e t 1/500seg = F8 e t 1/250seg

= F11 e 1/125seg

Haverá diferenças na profundidade de campo e dinamismo na foto.

Uma regra bem simples é: para retratos, use a maior abertura

possível (isto é, o menor número "f"); para paisagens; a

menor (o maior número "f").

E por que na especificação no inicio do texto há duas aberturas:

"Maximum Aperture f/2.8 – 4.9"?

É porque a câmera tem zoom, e a abertura máxima depende da

utilização da lente: em modo wide (panorâmico), a abertura máxima

é de f:2.8; em modo telefoto é de f:4.9. É importante mencionar que

quanto maior for a abertura do diafragma (valor F mais baixo) a

profundidade de campo diminui e a situação inversa acontece quando

a abertura do diafragma é menor (valor F mais alto) a profundidade

de campo aumenta. Isto significa que utilizar uma abertura grande

(valores baixos de F) pode proporcionar às imagens alguns elementos

desfocados e outros focados.

g) Velocidade ou tempo de exposição

Quanto tempo fica aberto o obturador ? Essa é a velocidade de

disparo. Pode variar de 1/4000s (quatro milésimos de segundo) até

"B" (permanecer aberto tanto tempo quanto o fotógrafo quiser). No

caso da Canon Power Shot S400 a variação de velocidade é de "15 –

1/2000 seg.", isto é, de 15 segundos até dois milésimos de segundo.

Há uma estreita correlação entre abertura e velocidade de disparo.

Geralmente, quanto maior a abertura, maior a velocidade que você

pode utilizar. E quanto menor, menor a velocidade.

11

index-12_1.jpg

1/500 f 5.6 --------- 1/30 f 22

Voltando às fotos acima, a da esquerda foi tirada a 1/500s f 2.8, e a

da direita a 1/8s. f 18. Quanto menor a velocidade, mais tempo vai

ficar aberto o obturador, e qualquer movimento, por mínimo que

seja, enquanto o obturador está aberto, arruinará a foto (sairá

tremida). No caso da foto à direita, a câmera foi montada em um

tripé e utilizado disparo programado de 2 segundos (para evitar que

ao acionar o botão a câmera pudesse acidentalmente tremer).

No modo automático, a câmera fará os ajustes necessários (que ela

acha importante) e você nem têm que se preocupar. Já no modo

manual, é sua responsabilidade ajustar corretamente estes

parâmetros. Mas aí é que você consegue aquela foto tchan !!! Que o

diferenciará da maioria dos outros fotógrafos. Para operar sempre no

automático (ponto verdinho na Sony e na Nikon), é mais econômico

comprar uma maquininha mais leve e compacta.

O tempo de abertura do Obturador têm as seguintes velocidades

dependendo do modelo: 8000 (1/8000seg), 4000 (1/4000seg), 2000

(1/2000seg), 1000 (1/1000seg), 500 (1/500), 250 (1/250seg), 125

(1/125seg), 60 (1/60seg) 15 (1/15seg), 8(1/8seg), 4 (1/4seg), 2

(1/2seg), 1 (1 seg.), 2 (2 seg.), 4 (4 seg.), 8(8 seg.) e o B onde o

obturador fica aberto enquanto o disparador estiver acionado (se a

máquina estiver na função M)

h) Exposição

Nasce da junção dos três fatores: ISO, diafragma e velocidade do

obturador. Uma boa exposição resulta da correta utilização destes

12

index-13_1.jpg

três fatores, ou seja, a imagem deverá aparecer nitidamente visível,

com níveis de luz satisfatórios e sem subexposição ou

superexposição.

A subexposição resulta de uma quantidade insuficiente de luz que

confere à imagem pontos demasiado escuros, pouco nítidos e sem

leitura. Por outro lado a superexposição consiste na elevada

quantidade de luz e consequentemente resulta numa imagem com

elementos brancos ou denominados por elementos "estourados". Pra

quem vai operar o equipamento em toda a sua potencialidade é

importante ter esta “balança” na cabeça:

Para um ISO definido podemos ter

F

baixo

(Abertura -›

Tempo

pequeno

grande)

1/500

Abertura

Tempo

F

alto

(Abertura -›

Tempo Grande 1/20

pequena)

Resultados: T baixo – Foto congelada T alto – Foto

dinâmica F baixo - baixa profundidade de

campo F alto - alta profundidade de campo

Quanto maior a abertura → menor o número de F → mais luz

entra → menos tempo de exposição que é necessário para que

a foto fique bem exposta → menor a probabilidade da foto