Entre o turismo e o imobiliário: velhos e novos usos das segundas residências sob o enfoque da... por Lenilton Francisco de Assis - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

index-1_1.png

index-1_2.png

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA HUMANA

LENILTON FRANCISCO DE ASSIS

ENTRE O TURISMO E O IMOBILÍARIO:

velhos e novos usos das segundas residências

sob o enfoque da multiterritorialidade - Camocim/CE

VERSÃO CORRIGIDA

São Paulo

2012

index-2_1.jpg

index-2_2.png

LENILTON FRANCISCO DE ASSIS

ENTRE O TURISMO E O IMOBILÍARIO:

velhos e novos usos das segundas residências

sob o enfoque da multiterritorialidade - Camocim/CE

VERSÃO CORRIGIDA

De acordo: ____________________________________________________

Profª. Drª. Adyr Balastreri Rodrigues (Orientadora)

index-3_1.png

LENILTON FRANCISCO DE ASSIS

ENTRE O TURISMO E O IMOBILIÁRIO:

velhos e novos usos das segundas residências

sob o enfoque da multiterritorialidade - Camocim/CE

Tese apresentada ao Programa de Pós-

Graduação

em

Geografia

Humana

da

Universidade de São Paulo para a obtenção do

título de Doutor em Geografia.

Orientadora:

Profa.

Dra.

Adyr

Balastreri

Rodrigues

São Paulo

2012

index-4_1.jpg

index-4_2.png

3

index-5_1.png

index-5_2.png

Ao meu pai Luís ( in memoriam), pelo

amor „silencioso‟, a luta pela família

e a recíproca admiração.

À querida Paulinha e ao nosso filho

Davi, pelo afeto, a alegria e a

inspiração.

4

index-6_1.png

AGRADECIMENTOS

Assumindo o risco de esquecer alguns nomes, expresso abaixo meus

sinceros agradecimentos às pessoas e instituições que foram imprescindíveis

nessa jornada:

À Profa. Adyr Rodrigues, pela confiança depositada e pelas orientações

precisas. Grande referência da Geografia do Turismo no Brasil, deu-me o

privilégio de aprender e crescer com seus estímulos constantes. O carinho e a

presteza dispensada servem de exemplo e de admiração.

Aos Profs. Manoel Fernandes e Júlio Suzuki, pelas valiosas

contribuições nas etapas de qualificação e de conclusão desse trabalho.

Ao Prof. Rogério Haesbaert, pelas sugestões e os estímulos das suas

obras, às quais sou grande devedor.

À Profa. Edvânia Gomes, por partilhar novos ensinamentos e “brindar”

comigo mais este importante momento.

Às Profas. Maria Laura e Regina Araújo, pelos debates e sugestões ao

longo das aulas na USP.

Aos Profs. Tomás Mazón e Daniel Hiernaux, pela atenção e gentileza do

intercâmbio bibliográfico.

Aos professores, alunos e funcionários da Casa da Geografia da UVA,

por todo apoio e compreensão durante o meu afastamento do trabalho, em

especial às colegas Neide e Martha que foram parceiras nas agruras e em

bons momentos desse doutorado. Estendo ainda minha gratidão, ao amigo e

ex-professor da Casa, Johnson Nogueira, pelo incentivo no início do curso.

Aos funcionários da Secretaria da Pós-graduação em Geografia da USP,

pela dedicação e o bom atendimento.

Ao Arilson, geógrafo e amigo camocinense, pela inestimável ajuda em

diferentes etapas dessa pesquisa. Prestativo e sempre solidário, acolheu-me

entre seus familiares e amigos, aos quais também sou grato pela atenção e o

carinho recebido.

5

index-7_1.png

À Salete Magnoni, pela confiança e pelos alegres cafés da temporada

em São Paulo.

Ao Manoel Sousa, pela paciência e o zelo na digitalização dos mapas.

Ao Franklin Viana, pelo bom reencontro e a ajuda com algumas figuras.

Ao Barão, pela reformulação da folha de rosto.

À minha mãe Nilda e ao meu pai Luís ( in memoriam), pelo apoio

incondicional e por me darem as maiores lições de vida.

Aos meus irmãos, pela torcida e grande afeição.

À companheira Paulinha e ao pequeno Davi, por todo o amor e

incentivo, além da imensa compreensão. De forma muito especial, celebro com

eles essa realização.

Aos demais parentes e amigos, pelo estímulo e as várias manifestações

de afeto que foram “revigorantes” nessa caminhada.

Ao CNPq, pela concessão da bolsa de fomento à pesquisa.

Aos funcionários e parceiros do Instituto Terramar, pelo exemplo de que

é possível transformar o saber acadêmico em instrumento de justiça

socioambiental.

Ao Vando Arcanjo, pela gentileza em disponibilizar seu acervo

fotográfico de Camocim.

Ao colega historiador camocinense, Prof. Carlos Augusto Santos, pelo

material e as informações concedidas.

Aos líderes comunitários de Tatajuba e Maceió, pela confiança e o

apreço com que partilharam suas lutas e histórias de vida.

Aos demais entrevistados, pela disposição e as informações

indispensáveis.

A Deus, por tornar possível mais essa conquista.

6

index-8_1.png

Hoje, a mobilidade se tornou praticamente uma regra. O

movimento se sobrepõe ao repouso. A circulação é mais

criadora que a produção. Os homens mudam de lugar,

como turistas ou como imigrantes. Mas também os

produtos, as mercadorias, as imagens, as ideias. Tudo voa.

Daí a ideia de desterritorialização.

Milton Santos

Territorialização e desterritorialização, como território e

rede, espaço e tempo, não podem ser dissociados. A

grande questão hoje não é a desterritorialização, mas o

reforço lado a lado da efetiva multiterritorialidade para uns

poucos – a elite globalizada, por exemplo –, a reclusão

territorial para outros e a territorialização precária e luta pelo

território mínimo para tantos.

Rogério Haesbaert

7

index-9_1.png

RESUMO

ASSIS, Lenilton Francisco de. Entre o turismo e o imobiliário: velhos e novos

usos das segundas residências sob o enfoque da multiterritorialidade -

Camocim/CE. 2012. 278 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana),

Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, 2012.

O aumento da mobilidade tem incorporado novos usos às segundas

residências que tornam ultrapassadas antigas polêmicas conceituais como a

indefinição entre domicílios de lazer e alojamentos turísticos. Hoje, elas tanto

abrigam o veranista local que desfruta do lazer de final de semana, quanto o

turista residencial que adquire nova moradia em outro país, onde se comporta

como turista e imigrante. Com o incremento das viagens, múltiplos territórios

(materiais e simbólicos) são acionados entre as primeiras e as segundas

residências, produzindo novas dinâmicas espaciais que resultam na

multiterritorialidade. Lógicas distintas de territorialização, endógena e exógena,

passam a conviver e a se confrontar nos espaços apropriados por esses

domicílios que têm o seu boom atrelado à crescente fusão do turismo com o

setor imobiliário. Tomando como referência essas transformações em curso no

Nordeste brasileiro, a pesquisa busca enfocar os velhos e novos usos das

segundas residências em Camocim/CE, visando entender se suas diferentes

lógicas de territorialização promovem a solidariedade ou a segregação

socioespacial. A partir de uma abordagem qualitativa, o estudo analisa como as

praias das Barreiras, Maceió e Tatajuba se convertem, em Camocim, em

múltiplos territórios de convivência e de conflitos entre nativos e visitantes.

Palavras-chave: turismo; segunda residência; território; turismo residencial;

setor imobiliário; multiterritorialidade.

E-mail: lenilton@yahoo.com

8

index-10_1.png

ABSTRACT

ASSIS, Lenilton Francisco de. Between tourism and real estate: old and new

uses of second homes with a focus on multiterritoriality - Camocim/CE. 2012.

278 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana), Departamento de Geografia,

Universidade de São Paulo, 2012.

The mobility increase has incorporated new uses of the second homes that old

conceptual controversies become surpassed how the blurring between leisure

domiciles and tourist accommodations. Today they shelter to both the local

vacationer who enjoys the weekend leisure, much as the residential tourist who

buys new home in another country, which behaves as a tourist and

immigrant. With the increase in travel, multiple domains (material and symbolic)

are fired between the first and second homes, producing new spatial dynamics

that result in multiterritoriality. Different logics of territorialization, endogenous

and exogenous, begin to live together and confront in the spaces appropriate by

these domiciles that have their boom linked to the increasing fusion of tourism

with the real estate industry. With reference to these changes taking place in

the Brazilian Northeast, the research seeks to focus on the old and new uses of

second homes in Camocim Municipality (State of Ceará, Brazil) in order to

understand their different logics of territorialization, whether promote the

solidarity or the socio-spatial segregation. From a qualitative approach, the

study examines how the beaches of the Barreiras, Maceió and Tatajuba, in

Camocim, transform themselves in multiple territories of coexistence and of

conflict between natives and visitors.

Keywords: tourism, second home, territory, residential tourism, real estate

market, multiterritoriality.

9

index-11_1.png

LISTA DE MAPAS

Mapa 1: Localização de Camocim-CE ............................................................. 21

Mapa 2: Polos de Turismo do PRODETUR-NE ............................................... 72

Mapa 3: Distribuição dos domicílios de uso ocasional no litoral cearense ....... 86

Mapa 4: Principais microrregiões serranas do Ceará ..................................... 100

Mapa 5: Ferrovias do Ceará ........................................................................... 115

Mapa 6: Divisão política do município de Camocim ....................................... 129

Mapa 7: Camocim - acessos e proximidade de destinos turísticos ............... 130

Mapa 8: Praias e lagos de Camocim .............................................................. 132

Mapa 9: Municípios do Vale do Coreaú ......................................................... 134

Mapa 10: Rodovia Estruturante (CE-085) ...................................................... 136

Mapa 11: Nova rota de fluxos turísticos inter-regionais .................................. 154

Mapa 12: Bairros de Camocim ....................................................................... 173

Mapa 13: Praia do Maceió.............................................................................. 194

Mapa 14: APAs de Maceió e Tatajuba ........................................................... 218

Mapa 15: Vilas de Tatajuba e área em litígio ................................................. 221

Mapa 16: Rede TUCUM ................................................................................. 240

10

index-12_1.png

LISTA DE FIGURAS

Foto central da folha de rosto - Beira-mar de Camocim, de Alex Uchôa...........00

Figura 1: Interações espaço-temporais e múltiplas formas de mobilidade ....... 50

Figura 2: Proposta de análise das segundas residências ................................ 64

Figura 3: Evolução das segundas residências no litoral cearense ................... 89

Figura 4: Complexo Aquático Beach Park ........................................................ 94

Figura 5: Bangalôs do Resort Vila Galé Cumbuco ........................................... 95

Figura 6: Vista panorâmica do Resort Vila Galé Cumbuco .............................. 95

Figura 7: Water vila do Dom Pedro Laguna Resort .......................................... 96

Figura 8: Campo de golfe do Dom Pedro Laguna Resort ................................ 96

Figura 9: Projetos da Cidade Turística Nova Atlântida ..................................... 98

Figura 10: Mansão de segunda residência para venda em Guaramiranga .... 105

Figura 11: Chalé de segunda residência para venda em Guaramiranga ....... 105

Figura 12: “Construções insustentáveis” de segundas residências em

Guaramiranga................................................................................ 105

Figura 13: Segunda residência na Chapada do Araripe ................................. 106

Figura 14: Balneário recreativo na Chapada do Araripe ................................ 106

Figura 15: Casa de serra na Meruoca ............................................................ 107

Figura 16: Sítio com campo e piscina na Meruoca ......................................... 107

Figura 17: Porto de Camocim ......................................................................... 116

Figura 18: Ferrovia de Camocim .................................................................... 116

Figura 19: Área Portuária nos anos de 1950 .................................................. 117

Figura 20: Estação Ferroviária nos dias atuais .............................................. 117

Figura 21: Oficinas de Camocim .................................................................... 119

Figura 22: Movimento pró-ferrovia de 1950 ................................................... 119

Figura 23: Embarcações artesanais ............................................................... 122

Figura 24: Embarcações industriais ............................................................... 122

Figura 25: Distribuição do pescado ................................................................ 123

Figura 26: Comercialização do pescado ........................................................ 123

Figura 27: Terminal Pesqueiro Público .......................................................... 125

Figura 28: Despesca de barcos industriais no Terminal Pesqueiro Público ... 125

Figura 29: Carnaval durante o dia na Av. Beira Mar ...................................... 131

Figura 30: Carnaval durante a noite na Av. Beira Mar ................................... 131

11

index-13_1.png

Figura 31: Banhistas no lago Seco ................................................................. 132

Figura 32: Barracas do lago Seco .................................................................. 132

Figura 33: Vila de Jericoacoara ...................................................................... 137

Figura 34: Praia de Jericoacoara ................................................................... 137

Figura 35: Hotel Municipal .............................................................................. 142

Figura 36: Hotel Ilha ....................................................................................... 142

Figura 37: Master Plan Camocim Global Village ............................................ 144

Figura 38: Projetos de condoresorts do Camocim Global Village .................. 146

Figura 39: Vista aérea do Boa Vista Resort ................................................... 147

Figura 40: Vista interna do Boa Vista Resort.................................................. 147

Figura 41: Inauguração da Usina de Energia Eólica da Praia Formosa ......... 156

Figura 42: Vista aérea de Camocim ............................................................... 157

Figura 43: Circulação no Centro ..................................................................... 158

Figura 44: Igreja-matriz .................................................................................. 159

Figura 45: Associação Commercial e ruínas do Sporte Clube ....................... 159

Figura 46: Praça Pinto Martins ....................................................................... 160

Figura 47: Transportes regionais .................................................................... 161

Figura 48: Comércio no Mercado Público ...................................................... 161

Figura 49: Rua do Centro ............................................................................... 161

Figura 50: Vista da Ilha do Amor .................................................................... 161

Figura 51: Territórios da Av. Beira Mar .......................................................... 162

Figura 52: Residências da Av. Beira Mar ....................................................... 163

Figura 53: Quiosques da Av. Beira Mar ......................................................... 163

Figura 54: Porto das canoas .......................................................................... 164

Figura 55: Chegada das embarcações .......................................................... 164

Figura 56: Casa de pescador à venda ........................................................... 164

Figura 57: Residências de alto padrão ........................................................... 164

Figura 58: Museu do Pescador ...................................................................... 165

Figura 59: Central de Artesanato ................................................................... 165

Figura 60: Balsa de travessia do rio Coreaú .................................................. 166

Figura 61: Imobiliária U$€ Brasil .................................................................... 166

Figura 62: Falésias da Praia das Barreiras .................................................... 166

Figura 63: Mirante nas Barreiras .................................................................... 166

Figura 64: Praia do Farol ................................................................................ 167

12

index-14_1.png

Figura 65: Loteamentos da praia do Farol e lago Seco .................................. 168

Figura 66: Vista aérea da Ilha do Amor .......................................................... 171

Figura 67: Lagoas interdunares da Ilha do Amor ........................................... 171

Figura 68: Segunda residência em estilo enxaimel ........................................ 175

Figura 69: Segunda residência em estilo bangalô .......................................... 175

Figura 70: Casas do Boa Vista Residence ..................................................... 178

Figura 71: Construção do Condomínio Recanto da Aurora ............................ 178

Figura 72: Piscina e Bar molhado .................................................................. 180

Figura 73: Suíte Africana ................................................................................ 180

Figura 74: Casas do Boa Vista Residence ..................................................... 189

Figura 75: Vista da panorâmica da praia das Barreiras ................................. 191

Figura 76: Construções de mansões na praia das Barreiras ......................... 191

Figura 77: Vila da Caucaia ............................................................................. 193

Figura 78: Reunião na Sede da ASLUMA ...................................................... 193

Figura 79: Primeira residência à venda .......................................................... 196

Figura 80: Segunda residência transformada em pousada ............................ 196

Figura 81: Vila dos Pescadores ...................................................................... 197

Figura 82: Concentração de segundas residências na Av. Beira-Mar ............ 197

Figura 83: Meios de transporte dos excursionistas ........................................ 199

Figura 84: Consumo dos excursionistas nas barracas ................................... 199

Figura 85: Residência de italianos e suíços no Maceió .................................. 206

Figura 86: Ruínas da igreja da Velha Tatajuba .............................................. 221

Figura 87: Vista da gamboa ........................................................................... 221

Figura 88: Praça da Nova Tatajuba ................................................................ 222

Figura 89: Moradias da Nova Tatajuba .......................................................... 222

Figura 90: Barracas do lago da Torta ............................................................. 224

Figura 91: Associações Comunitárias em Tatajuba ....................................... 229

Figura 92: Casa de turista residencial ............................................................ 237

Figura 93: Pousada de turista residencial ...................................................... 237

Figura 94: Desembarque da balsa ................................................................. 238

Figura 95: Carro de horário superlotado ........................................................ 238

Figura 96: Nova sede da ACOMOTA ............................................................. 242

Figura 97: Chalés feitos com bioconstrução................................................... 242

13

index-15_1.png

LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 1: Evolução do fluxo de passageiros internacionais no Nordeste -

1994/2004 ....................................................................................... 75

Gráfico 2: Evolução da demanda turística via Fortaleza e de desembarque

no aeroporto - 1996/2009 ................................................................ 87

Gráfico 3: Expansão de domicílios ocasionais no litoral e serras do Ceará

- 1991/2010 ................................................................................... 102

Gráfico 4: Crescimento dos domicílios de uso ocasional em Camocim -

1980/2010 ..................................................................................... 176

LISTA DE TABELAS

Tabela 1: Passageiros internacionais desembarcados no Nordeste ................ 76

Tabela 2: Preço médio do metro quadrado para segunda residência –

2008 ................................................................................................ 81

Tabela 3: Crescimento dos domicílios de uso ocasional - 1980/2010 .............. 87

Tabela 4: Situação dos domicílios do Ceará - 1980/2010 ................................ 88

Tabela 5: Entrada de capital estrangeiro no Ceará para os segmentos

turismo e imobiliário - 2001/2007..................................................... 92

Tabela 6: Interiorização da demanda turística segundo as áreas visitadas

- 1998/2008 ................................................................................... 101

Tabela 7: Domicílios ocasionais por situação nas principais microrregiões

serranas do Ceará - 1991/2010 ..................................................... 102

Tabela 8: Evolução do pescado marítimo e estuarino do Ceará e dos

maiores municípios produtores - 1999/2008 ................................. 121

Tabela 9: Produção de pescado por espécie em Camocim - 2003/2008 ....... 123

Tabela 10: Terras adquiridas pelo Grupo Marilha .......................................... 140

Tabela 11: Investimentos previstos no Camocim Global Village .................... 144

Tabela 12: Investimentos em obras públicas em Camocim – 2010 ............... 150

Tabela 13: Indicadores socioeconômicos dos municípios do Vale do

Coreaú ........................................................................................... 158

Tabela 14: Imóveis cadastrados e valor arrecadado – Camocim ................... 177

Tabela 15: Terrenos adquiridos para a Cidade Turística Marilha ................... 202

14

index-16_1.png

LISTA DE SIGLAS

ACOMOTA - Associação Comunitária de Moradores de Tatajuba

ADIT - Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Nordeste

Brasileiro

APA - Área de Proteção Ambiental

APP - Áreas de Preservação Permanente

ASLUMA - Associação Santa Luzia dos Moradores de Maceió

BNB - Banco do Nordeste do Brasil

BVR - Boa Vista Resort

DER - Departamento de Estradas de Rodagem

IBAMA - Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais

Renováveis

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IDACE - Instituto de Desenvolvimento Agrário do Ceará

IDH - Índice de Desenvolvimento Humano

IPECE - Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará

IPTU - Imposto Predial e Territorial Urbano

OMT - Organização Mundial de Turismo

ONG - Organização Não-Governamental

PDDU - Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano

PDITS - Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável

PDP - Plano Diretor Participativo

PIB - Produto Interno Bruto

PNMT - Programa Nacional de Municipalização do Turismo

PRODETURIS - Programa de Desenvolvimento do Turismo em Área Prioritária

do Litoral do Ceará

PRODETUR - Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo

PROURB - Projeto de Desenvolvimento Urbano e Gestão dos Recursos

Hídricos

REDTURS - Rede de Turismo Comunitário da América Latina

RESEX - Reserva Extrativista

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

SEMACE - Superintendência Estadual do Meio Ambiente do Ceará

SETUR - Secretaria de Turismo do Ceará

SINE - Sistema Nacional de Emprego

SPU - Secretaria do Patrimônio da União

TERRAMAR - Instituto Terramar de Assessoria à Pesca

TUCUM - Rede Cearense de Turismo Comunitário

TURISOL - Rede Brasileira de Turismo Comunitário e Solidário

UECE - Universidade Estadual do Ceará

UFC - Universidade Federal do Ceará

UVA - Universidade Estadual Vale do Acaraú

15

index-17_1.png

SUMÁRIO

RESUMO

ABSTRACT

LISTA DE MAPAS

LISTA DE FIGURAS

LISTA DE GRÁFICOS

LISTA DE TABELAS

LISTA DE SIGLAS

INTRODUÇÃO ................................................................................................. 18

CAP. I - PRESSUPOSTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS ...................... 26

1.1 Para além do lazer e do turismo em segundas residências: marcos

conceituais ................................................................................................. 26

1.2 Segundas residências no contexto das mobilidades contemporâneas:

turismo ou migração? ................................................................................ 40

1.3 Do território à multiterritorialidade: os múltiplos usos das segundas

residências articulando territórios-zona e territórios-rede .......................... 57

CAP. II - SEGUNDAS RESIDÊNCIAS NO NORDESTE BRASILEIRO: ÓCIO E

NEGÓCIO ........................................................................................................ 69

2.1 O veraneio e a ascensão do turismo residencial no litoral nordestino ........ 69

2.2 Ceará: a lógica seletiva do turismo e a fragmentação do território ............. 85

2.2.1 O litoral sob o domínio e a expansão das redes ..................................... 85

2.2.2 As serras cearenses: zonas rurais em transformação .......................... 100

16

index-18_1.png

CAP. III - CAMOCIM: DE TERRITÓRIO DE RESERVA A TERRITÓRIO

TURÍSTICO .................................................................................................... 109

3.1 A formação e a valorização do território: breve histórico .......................... 109

3.1.1 O porto .................................................................................................. 109

3.1.2 O trem ................................................................................................... 112

3.1.3 A pesca ................................................................................................. 120

3.2 O turismo e a reterritorialização ............................................................... 129

3.2.1 O despertar para o turismo .................................................................... 129

3.2.2 O aumento do veraneio e a difusão do turismo residencial ................... 157

CAP. IV - LITORAL DE CAMOCIM: MÚLTIPLOS TERRITÓRIOS EM

MUTAÇÃO, CONVIVÊNCIA E CONFLITO.................................................... 180

4.1 Praia das Barreiras: a conformação de um território-rede ........................ 180

4.2 Praia do Maceió: território-zona “flexível” e em disputa ........................... 192

4.3 Praia da Tatajuba: território-zona de resistência/inovação ....................... 220

CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 245

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................. 255

APÊNDICES - ROTEIROS DE ENTREVISTAS ............................................. 274

APÊNDICE A - Nativos / Lideranças comunitárias ......................................... 274

APÊNDICE B - Turistas residenciais .............................................................. 275

APÊNDICE C - Veranistas ............................................................................. 276

APÊNDICE D - Lideranças políticas ............................................................... 277

APÊNDICE E - Superintendente do Boa Vista Resort ................................... 278

17

INTRODUÇÃO

A clássica oposição entre trabalho e lazer, estabelecida durante a

Revolução Industrial, tem sido enfraquecida por novas práticas sociais da era

da “hipermobilidade” que constituem e são resultados da globalização. São

novas formas de mobilidade que alteram a relação espaço-tempo e também os

sentidos de morar e viajar, originando o que Urry (2000, p. 133) chama de

“tipos impressionantes de novas moradias ( dwellingness)”.

As segundas residências se incluem entre essas novas moradias, já

que, mesmo sem perder seu velho uso para veraneio de final de semana,

passam a abrigar novos usuários que adquirem um segundo domicílio em outro

país onde permanecem por longas temporadas comportando-se como turistas

e imigrantes.

Cada vez mais comuns, tais situações têm requerido dos acadêmicos e

do Poder Público a elaboração de conceitos e políticas mais “flexíveis” visando

captar as diversas experiências de viagem e moradia que, hoje, tornam mais

tênues as distinções entre ócio-negócio, lazer-turismo, turismo-migração,

primeira-segunda residência.

Os aposentados europeus, por exemplo, são os precursores das

moradias transnacionais, prática que eles intensificaram nos anos de 1970,

com novos estilos de vida que passaram a ser rotulados de turismo residencial.

Na última década, este fenômeno se espalhou por outros continentes, tendo

como leitmotiv a associação do turismo com o setor imobiliário ou, em muitos

casos, o predomínio do segundo sobre o primeiro – o imobiliário-turístico. A

fusão dessas atividades tem resultado numa “urbanização turística” direcionada

à formação de áreas residenciais segregadas que ofertam bons serviços e

atraem construções de casas e condomínios de segundas residências para

venda a turistas estrangeiros.