Eventos Finais por Ellen G. White - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
index-1_1.jpg

Eventos Finais

Ellen G. White

2004

Copyright © 2012

Ellen G. White Estate, Inc.

Informações sobre este livro

Resumo

Esta publicação eBook é providenciada como um serviço do

Estado de Ellen G. White. É parte integrante de uma vasta colecção

de livros gratuitos online. Por favor visite o website do Estado Ellen

G. White.

Sobre a Autora

Ellen G. White (1827-1915) é considerada como a autora Ameri-

cana mais traduzida, tendo sido as suas publicações traduzidas para

mais de 160 línguas. Escreveu mais de 100.000 páginas numa vasta

variedade de tópicos práticos e espirituais. Guiada pelo Espírito

Santo, exaltou Jesus e guiou-se pelas Escrituras como base da fé.

Outras Hiperligações

Uma Breve Biografia de Ellen G. White

Sobre o Estado de Ellen G. White

Contrato de Licença de Utilizador Final

A visualização, impressão ou descarregamento da Internet deste

livro garante-lhe apenas uma licença limitada, não exclusiva e in-

transmissível para uso pessoal. Esta licença não permite a republica-

ção, distribuição, atribuição, sub-licenciamento, venda, preparação

para trabalhos derivados ou outro tipo de uso. Qualquer utilização

não autorizada deste livro faz com que a licença aqui cedida seja

terminada.

Mais informações

Para mais informações sobre a autora, os editores ou como po-

derá financiar este serviço, é favor contactar o Estado de Ellen G.

i

White: (endereço de email). Estamos gratos pelo seu interesse e

pelas suas sugestões, e que Deus o abençoe enquanto lê.

ii

iii

Conteúdo

Informações sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i

Capítulo 1 — A última crise da terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

Ampla apreensão pelo futuro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

Tempos turbulentos que ocorrerão em breve . . . . . . . . . . . . . . 14

Deus tem sempre advertido de juízos vindouros . . . . . . . . . . . 15

Deus nos disse o que podemos esperar em nosso tempo . . . . . 15

As profecias referentes aos últimos dias requerem nossa

atenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

Estudar especialmente os livros de Daniel e do Apocalipse . . 17

O assunto deve ser mantido perante o povo . . . . . . . . . . . . . . . 17

Mantendo os eventos futuros na perspectiva correta . . . . . . . . 18

Capítulo 2 — Sinais de que Cristo voltará em breve . . . . . . . . . . 19

A grande profecia de nosso Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Sinais nos céus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Sinais na terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Falsos profetas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Uma experiência com um falso profeta . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Glutonaria e intemperança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

Atos de violência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

Guerras e desastres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Grandes bolas de fogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Terremotos e inundações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Crimes, fomes e epidemias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

O desígnio de Deus nas calamidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Os eventos futuros estão nas mãos do Senhor . . . . . . . . . . . . . 26

A consideração do céu pelas questões da terra . . . . . . . . . . . . . 27

Capítulo 3 — “Quando sucederão estas coisas?” . . . . . . . . . . . . . 29

Os discípulos interrogam a Cristo acerca de sua volta . . . . . . 29

O tempo da volta de Cristo não é conhecido . . . . . . . . . . . . . . 29

Nossa mensagem não é a de marcar tempo . . . . . . . . . . . . . . . 30

Marcar tempo ocasiona descrença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Nenhuma profecia de tempo além de 1844 . . . . . . . . . . . . . . . 31

Ellen White esperava a volta de Cristo em seu tempo . . . . . . . 32

A demora explicada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

iv

Conteúdo

v

As promessas de Deus são condicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Pelo que Cristo está esperando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Um limite à clemência de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

A transgressão quase atingiu o seu limite . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Devemos ter em mente o grande dia de Deus . . . . . . . . . . . . . . 35

A brevidade do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Capítulo 4 — A igreja de Deus nos últimos dias . . . . . . . . . . . . . 37

O povo de Deus guarda os seus mandamentos . . . . . . . . . . . . . 37

Eles têm o testemunho de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Os seus marcos: as doutrinas bíblicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

A missão especial dos adventistas do sétimo dia . . . . . . . . . . . 38

Por que foi organizada a igreja Adventista do Sétimo Dia . . . 39

A organização sempre será essencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

A autoridade especial da igreja de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Um tempo de debilidade e cegueira espirituais . . . . . . . . . . . . 40

Abuso de poder na sede da igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

Líderes imprudentes não falam por Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Não há necessidade de uma nova denominação . . . . . . . . . . . . 42

Deus porá tudo em ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

É recomendada a distribuição de responsabilidades . . . . . . . . 43

A assembléia da Associação Geral de 1901 se mostra sensível44

É reafirmada a confiança na organização ASD . . . . . . . . . . . . 45

Uma declaração de W. C. White . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

O reavivamento espiritual ainda é necessário . . . . . . . . . . . . . . 46

A paciência de Deus com seu povo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Deus coopera com os que são fiéis a Ele . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Julgados pela luz concedida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

A história de Israel, uma advertência para nós . . . . . . . . . . . . . 48

A igreja militante é imperfeita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

A igreja triunfante será fiel e semelhante a Cristo . . . . . . . . . . 49

Capítulo 5 — A vida devocional do remanescente . . . . . . . . . . . 51

Vida dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Firmemente fundados em Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Moldados pelo Espírito Santo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

A necessidade de estudar a Bíblia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Entesourar as escrituras na memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Apocalipse 14 — Uma âncora para o povo de Deus . . . . . . . . 54

Ensinar a mente a crer na palavra de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . 55

vi

Eventos Finais

Preparação para provações futuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Controlar as faculdades morais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

O exemplo de Enoque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Lembrar as bênçãos de Deus no passado . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

Um tempo para séria reflexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

Vivendo em função do dia do juízo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

Preparados para a volta de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

Capítulo 6 — O estilo de vida e as atividades do remanescente . 60

Espírito de serviço e abnegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

“Ocupai-vos até que eu volte” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

Como se cada dia fosse o último . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

Conscienciosa observância do Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

Fiéis nos dízimos e nas ofertas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

Estabelecer novas instituições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Obra médico-missionária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

O povo de Deus dá valor a sua saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Retornar à alimentação original . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Tempo para jejum e oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

Inteira confiança em Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

O culto familiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66

Ter cuidado com a associação com o mundo . . . . . . . . . . . . . . 66

Recreação aprovada por Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Música que eleva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Televisão e teatro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Vestuário e adornos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

A necessidade de publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Nossas revistas não devem conter ataques violentos . . . . . . . . 70

Acautelar-se contra questões secundárias . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

Enfatizar a unidade, não as diferenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

Como enfrentar os críticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Exaltar a palavra de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Capítulo 7 — Vida campestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

O ideal divino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

Longe das cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

As cidades devem ser trabalhadas através de postos avançados75

Ricas bênçãos num ambiente natural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76

O desenvolvimento do caráter é mais fácil no campo . . . . . . . 76

Melhor saúde física no ambiente rural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Conteúdo

vii

Cultivar o próprio mantimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Localizar as instituições “justamente fora das grandes cidades”78

Cooranbong, Nova Gales do Sul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

Huntsville, Alabama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

Berrien Springs, Michigan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

Stoneham, Massachusetts . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

Takoma Park, Washington, D.C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Madison, Tennessee . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Mountain View, Califórnia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Loma Linda, Califórnia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

Angwin, Califórnia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

Capítulo 8 — As cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

Os primeiros construtores de cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

As cidades são viveiros de vícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

Juízos que sobrevêm às cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

Edifícios à prova de catástrofes se transformarão em cinzas . 86

A cidade de Nova Iorque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

Chicago e Los Angeles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

São Francisco e Oakland . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

Outras cidades iníquas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

Os sindicatos nas cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

Os sindicatos — Fonte de perturbação para os adventistas . . . 90

Nas cidades, muitos anseiam por luz e verdade . . . . . . . . . . . . 91

É preciso haver diligente esforço nas cidades . . . . . . . . . . . . . 91

Nem todos podem deixar as cidades por enquanto . . . . . . . . . 92

Escolas, igrejas e restaurantes nas cidades . . . . . . . . . . . . . . . . 92

Não são aconselhadas mudanças precipitadas . . . . . . . . . . . . . 93

O sinal de fuga das cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

Alguns justos nas cidades, depois de aprovado o decreto de

morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

Capítulo 9 — Leis dominicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

O desafio de Satanás à autoridade de Deus . . . . . . . . . . . . . . . 95

O Sábado — O grande ponto em litígio . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

O movimento da lei dominical na década de 1880 . . . . . . . . . 96

Defensores da lei dominical não compreendem o que fazem . 96

Não ficar parado, sem fazer nada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

Combater as leis dominicais pela pena e pela voz . . . . . . . . . . 98

Os Estados Unidos aprovarão uma lei dominical . . . . . . . . . . . 99

viii

Eventos Finais

Argumentos usados pelos defensores da lei dominical . . . . . . 99

O protestantismo e o catolicismo agirão de comum acordo . 100

As leis dominicais honram a Roma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

Roma recuperará a supremacia perdida . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Uma lei dominical nacional significa apostasia nacional . . . 102

A apostasia nacional será seguida de ruína nacional . . . . . . . 102

Legislação dominical universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

O mundo inteiro apoiará a legislação dominical . . . . . . . . . . 104

O conflito concentra-se na cristandade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

Não manifestar provocação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Abster-se de trabalhar no domingo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

Empenhar-se em atividades espirituais no domingo . . . . . . . 106

A beleza da verdade evidenciada pela oposição . . . . . . . . . . . 107

Antes obedecer a Deus do que aos homens . . . . . . . . . . . . . . 108

Capítulo 10 — O pequeno tempo de angústia . . . . . . . . . . . . . . 109

Um tempo de angústia antes que termine o tempo da graça . 109

O fim da liberdade religiosa nos estados unidos . . . . . . . . . . 109

A igreja e o estado se opõem ao povo de Deus . . . . . . . . . . . 110

Perante os tribunais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

Os adventistas serão tratados com desprezo . . . . . . . . . . . . . . 111

Perseguições de todo tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111

Privados de todo apoio terreno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

Alguns serão encarcerados por causa de sua fé . . . . . . . . . . . 113

Muitos serão condenados à morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

Como permanecer firme sob perseguições . . . . . . . . . . . . . . . 114

A perseguição espalha o povo de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

A perseguição conduz a unidade entre o povo de Deus . . . . 115

A crise torna mais evidente a interferência de Deus . . . . . . . 115

A aflição purifica o povo de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116

Capítulo 11 — Enganos satânicos nos últimos dias . . . . . . . . . . 117

Sob o disfarce do cristianismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

Até mesmo na igreja adventista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

Espíritos de mentira contradizem as escrituras . . . . . . . . . . . 118

Falsos reavivamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

A música torna-se um laço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

O falso falar em línguas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Anjos maus aparecem como seres humanos . . . . . . . . . . . . . . 120

Personificação dos mortos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

Conteúdo

ix

Satanás personifica a Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

Satanás se assemelha a Cristo em todos os sentidos . . . . . . . 122

Satanás dá a impressão de que responde às orações dos santos123

Como a falsificação difere do que é genuíno . . . . . . . . . . . . . 124

Serão realizados milagres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124

Fogo do céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

Satanás será deificado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

Milagres não provam coisa alguma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

Milagres não podem tomar o lugar da Bíblia . . . . . . . . . . . . . 127

O engano é quase universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

Capítulo 12 — A sacudidura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

Ser membro da igreja não é garantia de salvação . . . . . . . . . 129

A palha é separada do trigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

A perseguição purifica a igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130

Crentes superficiais renunciarão à fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130

O testemunho positivo produz uma sacudidura . . . . . . . . . . . 131

Críticas injustas causam perda de almas . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

Falsas doutrinas afastam alguns . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

A rejeição dos testemunhos resulta em apostasia . . . . . . . . . 132

Deserções entre dirigentes de igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

Pastores não santificados serão eliminados . . . . . . . . . . . . . . 134

A igreja talvez pareça estar prestes a cair . . . . . . . . . . . . . . . . 134

Os fiéis de Deus serão revelados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135

Novos conversos ocuparão os lugares dos que se retiram . . . 135

Capítulo 13 — A chuva serôdia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

A obra do Espírito Santo é comparada à chuva . . . . . . . . . . . 137

A chuva temporã veio em 31 d.c., no Pentecostes . . . . . . . . . 137

Conseqüências da chuva temporã no Pentecostes . . . . . . . . . 138

A promessa da chuva serôdia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

A chuva serôdia produzirá o alto clamor . . . . . . . . . . . . . . . . 139

A chuva temporã produz conversão; a chuva serôdia

desenvolve um caráter semelhante ao de Cristo . . . . . . . 139

Devemos orar fervorosamente pela descida do Espírito Santo140

Precisamos humilhar o coração em verdadeiro

arrependimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

A reforma deve acompanhar o reavivamento . . . . . . . . . . . . . 141

Temos de deixar de lado toda contenda e dissensão . . . . . . . 142

Amai-vos uns aos outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

x

Eventos Finais

É necessário haver entrega total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

Desimpedir o caminho para a chuva serôdia . . . . . . . . . . . . . 143

Ser trabalhadores diligentes no serviço de Cristo . . . . . . . . . 144

“Manter o vaso limpo e com o lado certo para cima” . . . . . . 144

Nem todos receberão a chuva serôdia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

Capítulo 14 — O alto clamor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

Deus tem pedras preciosas em todas as igrejas . . . . . . . . . . . 147

A queda de Babilônia ainda não é completa . . . . . . . . . . . . . . 147

A última mensagem de advertência da parte de Deus . . . . . . 148

O coração da última mensagem de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . 149

A mensagem avançará com grande poder . . . . . . . . . . . . . . . . 149

Semelhante ao movimento de 1844 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

Semelhante ao dia de Pentecostes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

Deus usará instrumentalidades que nos surpreenderão . . . . . 151

Trabalhadores habilitados pelo Espírito Santo . . . . . . . . . . . . 152

Deus usa até os indoutos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

Crianças proclamam a mensagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

O ministério dos anjos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

Amplitude mundial da proclamação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

Reis, legisladores e assembléias ouvem a mensagem . . . . . . 155

Muitos adventistas tomam posição contra a luz . . . . . . . . . . . 156

A maioria dos não-adventistas rejeitará a advertência . . . . . . 156

Multidões responderão à chamada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

Milhares convertidos num dia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

Os sinceros de coração não hesitarão por mais tempo . . . . . 158

A influência da página impressa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

Capítulo 15 — O selo de Deus e a marca da besta . . . . . . . . . . 160

Só duas classes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

Membros da família são separados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

Julgados pela luz que recebemos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

Não há desculpa para a cegueira voluntária . . . . . . . . . . . . . . 161

A importância da beneficência prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162

O motivo dá cunho às ações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

O que é o selo de Deus? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

Semelhança com Cristo no caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164

No tempo do selamento agora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164

Oxalá o selo de Deus seja colocado em nós! . . . . . . . . . . . . . 165

O que é a marca ou o sinal da besta? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

Conteúdo

xi

Quando é recebido o sinal da besta? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

A imposição da observância do domingo é a prova . . . . . . . . 167

Capítulo 16 — O fim do tempo da graça . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

Ninguém sabe quando terminará o tempo da graça . . . . . . . . 168

A imposição da lei dominical precede o fim do tempo da

graça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

O tempo da graça terminará quando for concluído o

selamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169

O tempo da graça terminará repentina e inesperadamente . . 169

A atividade humana depois do fim do tempo da graça . . . . . 170

A descrença e os prazeres proibidos continuam . . . . . . . . . . . 171

Os homens estarão inteiramente absortos nos negócios . . . . 172

Líderes religiosos estarão cheios de otimismo . . . . . . . . . . . . 172

Satanás deduz que terminou o tempo da graça . . . . . . . . . . . . 173

Fome da palavra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

Não mais orações pelos ímpios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

O caráter não pode ser transferido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174

Outra oportunidade não convenceria os ímpios . . . . . . . . . . . 174

Capítulo 17 — As sete últimas pragas e os ímpios . . . . . . . . . . 176

Serão derramadas as taças da ira de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . 176

As nações em conflito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176

O mundo inteiro se envolverá em ruína . . . . . . . . . . . . . . . . . 176

Deus é justo bem como misericordioso . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

A certeza dos juízos de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

Os juízos ocorrem quando Deus retira sua proteção . . . . . . . 178

Às vezes santos anjos exercem poder destrutivo . . . . . . . . . . 179

As duas primeiras pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

A terceira praga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

A quarta praga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

A quinta praga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

A lei de Deus aparece no céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

Os perdidos condenam seus falsos pastores . . . . . . . . . . . . . . 182

A sexta praga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

A última grande batalha entre o bem e o mal . . . . . . . . . . . . . 184

Todo o mundo se concentrará de um lado ou do outro . . . . . 184

A sétima praga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

Capítulo 18 — As sete últimas pragas e os justos . . . . . . . . . . . 186

xii

Eventos Finais

O grande tempo de angústia começa depois do fim do

tempo da graça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186

O povo de Deus acha-se preparado para o difícil futuro . . . . 186

Terrível e além da compreensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

Muitos serão levados a repousar antes do tempo de angústia 187

O objetivo de Satanás: destruir todos os observadores do

Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

Argumentos usados contra o povo de Deus . . . . . . . . . . . . . . 188

Morte para todos os que não honrarem o domingo . . . . . . . . 189

Decreto de morte semelhante ao que foi promulgado por

assuero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

Os remanescentes fazem de Deus a sua defesa . . . . . . . . . . . 190

O povo de Deus foge das cidades; muitos encarcerados . . . . 190

Casas e terras não terão utilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191

Como o tempo da angústia de Jacó . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192

Os justos não têm faltas ocultas para revelar . . . . . . . . . . . . . 193

Os santos não perderão a vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

Deus proverá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194

Nenhum intercessor, mas constante comunhão com Cristo . 195

O povo de Deus não acaricia desejos pecaminosos . . . . . . . . 196

A batalha contra o próprio eu continua . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196

144.000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

O povo de Deus é libertado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

Capítulo 19 — A volta de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

A sétima praga e a ressurreição especial . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

Deus anuncia o tempo da vinda de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . 199

O terror dos perdidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

Jesus desce com poder e glória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

A reação dos que o traspassaram . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

“Despertai, vós que dormis, levantai-vos!” . . . . . . . . . . . . . . 202

De cavernas, covas e calabouços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203

Das profundezas do oceano e de minas e montanhas . . . . . . 203

Os ímpios são mortos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204

A destruição dos ímpios — Um ato de misericórdia . . . . . . . 204

Rumo ao lar! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

Os anjos cantam: Cristo venceu! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206

Os santos recebem coroas e harpas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206

Capítulo 20 — A herança dos santos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208

Conteúdo

xiii

Uma dádiva do Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208

Por que devemos pensar no mundo futuro . . . . . . . . . . . . . . . 208

Os motivos do cristão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209

Um lugar real e tangível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209

Glória indescritível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210

Cursos de água, colinas e árvores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

Flores, frutos e animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

O vigor de eterna mocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212

Felicidade assegurada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213

É preservada a identidade dos remidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213

Rosto rosado e vestimenta de luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

A alegria de ver nossa família no céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

A salvação de criancinhas e deficientes . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

Homenagem às mães fiéis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

A recompensa do ganhador de almas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216

Nossos traços de caráter não se alterarão . . . . . . . . . . . . . . . . 216

A calma e afetuosa atmosfera do céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217

Não haverá tentações e pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217

Comunhão com o pai e com o filho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218

Comunhão com os anjos e com os fiéis de todas as épocas . 218

Dando testemunho a seres não caídos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219

Louvando a Deus com majestosa e melodiosa música . . . . . 220

Perscrutando os tesouros do universo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220

Revendo a história sagrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221

As perplexidades da vida esclarecidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222

O resultado de toda nobre ação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222

Nosso gozo aumentará continuamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223

Há sempre um infinito para além . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223

Todo o universo declara que Deus é amor . . . . . . . . . . . . . . . 224

Capítulo 1 — A última crise da terra

Ampla apreensão pelo futuro

O tempo presente é de dominante interesse para todo o vivente.

Governadores e estadistas, homens que ocupam posições de confi-

ança e autoridade, homens e mulheres pensantes de todas as classes,

têm sua atenção posta nos acontecimentos que tomam lugar ao nosso

redor. Estão observando as relações que existem entre as nações.

Eles examinam a intensidade que está tomando posse de cada ele-

mento terreno, e reconhecem que algo grande e decisivo está para

acontecer — que o mundo está no limiar de uma crise estupenda. —

Profetas e Reis, 537.

As calamidades em terra e mar, as condições sociais agitadas,

os rumores de guerra, são portentosos. Prenunciam a proximidade

de acontecimentos da maior importância. As forças do mal estão-se

arregimentando e consolidando-se. Elas se estão robustecendo para

a última grande crise. Grandes mudanças estão prestes a operar-se

no mundo, e os acontecimentos finais serão rápidos. — Testemunhos

[12]

Seletos 3:280.

Tempos turbulentos que ocorrerão em breve

O tempo de angústia, que há de aumentar até o fim, está muito

próximo. Não temos tempo a perder. O mundo está agitado com o

espírito de guerra. As profecias do capítulo onze de Daniel quase

atingiram o seu cumprimento final. — The Review and Herald, 24

de Novembro de 1904.

O tempo de angústia — angústia qual nunca houve, desde que

houve nação (Daniel 12:1) — está precisamente sobre nós, e somos

semelhantes às virgens adormecidas. Devemos acordar e pedir que

o Senhor Jesus ponha debaixo de nós os Seus braços eternos e nos

conduza durante o tempo de provação à nossa frente. — Manuscript

Releases 3:305.

14

A última crise da terra

15

O mundo está-se tornando cada vez mais iníquo. Em breve

surgirá grande perturbação entre as nações — perturbação que não

cessará até que Jesus venha. — The Review and Herald, 11 de

Fevereiro de 1904.

Estamos mesmo no limiar do tempo de angústia, e acham-se

diante de nós perplexidades com que dificilmente sonhamos. —

Testemunhos Seletos 3:306.

Estamos no limiar da crise dos séculos. Em rápida sucessão os

juízos de Deus se seguirão uns aos outros — fogo, inundações e

terremotos, com guerras e derramamento de sangue. — Profetas e

Reis, 278.

Há perante nós tempos tempestuosos, mas não pronunciemos

uma só palavra de incredulidade ou desânimo. — Serviço Cristão,

136.

[13]

Deus tem sempre advertido de juízos vindouros

Deus sempre tem dado aos homens advertência dos juízos por

vir. Aqueles que tiveram fé na mensagem por Ele enviada para seu

tempo, e agiram segundo sua fé, em obediência aos Seus manda-

mentos, escaparam aos juízos que caíram sobre os desobedientes e

incrédulos.

A Noé veio a palavra: “Entra tu e toda a tua casa na arca, porque

te hei visto justo diante de Mim.” Gênesis 7:1. Noé obedeceu, e

foi salvo. A Ló foi enviada a mensagem: “Levantai-vos, saí deste

lugar, porque o Senhor há de destruir a cidade.” Gênesis 19:14. Ló

colocou-se sob a guarda dos mensageiros celestes, e foi salvo. Assim

os discípulos de Cristo tiveram aviso da destruição de Jerusalém. Os

que estavam alerta quanto ao sinal da próxima ruína, e fugiram da

cidade, escaparam à destruição. Assim agora estamos dando aviso da

segunda vinda de Cristo e da destruição impendente sobre o mundo.

Os que ouvirem a advertência, serão salvos. — O Desejado de Todas

as Nações, 634.

Deus nos disse o que podemos esperar em nosso tempo

Antes de Sua crucifixão o Salvador explicou a Seus discípulos

que Ele deveria ser morto, e do túmulo ressuscitar; anjos estavam

16

Eventos Finais

presentes para gravar-lhes Suas palavras na mente e no coração.

Marcos 8:31-32; Marcos 9:31; Marcos 10:32-34. Mas os discípulos

aguardavam livramento temporal do jugo romano, e não podiam

tolerar a idéia de que Aquele em quem se centralizavam todas as

suas esperanças devesse sofrer uma morte ignominiosa. As palavras

[14]

de que necessitavam lembrar-se, fugiram-lhes do espírito; e, ao

chegar o tempo da prova, esta os encontrou desprevenidos. A morte

de Cristo destruiu-lhes tão completamente as esperanças, como se

Ele não os houvesse advertido previamente.

Assim, nas profecias, o futuro se patenteia diante de nós tão cla-

ramente como se revelou aos discípulos pelas palavras de Cristo. Os

acontecimentos ligados ao final do tempo da graça e obra de preparo

para o período de angústia, acham-se claramente apresentados. Mul-

tidões, porém, não possuem maior compreensão destas importantes

verdades do que teriam se nunca houvessem sido reveladas. — O

Grande Conflito, 594.

As profecias referentes aos últimos dias requerem nossa

atenção

Vi então o terceiro anjo. Apocalipse 14:9-11. Disse meu anjo

acompanhante: “Terrível é sua obra. Tremenda sua missão. Ele é o

anjo que deve separar o trigo do joio, e selar, ou atar, o trigo para

o celeiro celestial. Essas coisas devem absorver toda a mente, a

atenção toda.” — Primeiros Escritos, 118.

Havemos de comparecer diante de magistrados para responder

por nossa lealdade para com a Lei de Deus, para dar a conhecer as

razões de nossa fé. E os jovens devem compreender estas coisas.

Devem saber o que há de vir a acontecer antes do encerramento

da história terrestre. Estas coisas dizem respeito a nosso bem-estar

eterno, e cumpre a professores e alunos dar-lhes mais atenção. —

Testemunhos Seletos 2:411.

Devemos estudar os grandes sinais que indicam os tempos em

[15]

que estamos vivendo. — Manuscript Releases 4:163.

Os que se colocam sob a direção de Deus, para ser por Ele

guiados, compreenderão a constante corrente dos acontecimentos

que Ele ordenou. — Serviço Cristão, 77.

A última crise da terra

17

Precisamos ver na História o cumprimento da profecia, estudar

as atuações da Providência nos grandes movimentos reformatórios e

compreender a progressão dos acontecimentos na arregimentação

das nações para o conflito final da grande controvérsia. — Testemu-

nhos para a Igreja 8:307.

Estudar especialmente os livros de Daniel e do Apocalipse

Há necessidade de mais íntimo estudo da Palavra de Deus; es-

pecialmente devem Daniel e Apocalipse merecer a atenção como

nunca dantes na história de nossa obra. ... A luz que Daniel re-

cebeu de Deus foi dada especialmente para estes últimos dias. —

Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 112-113.

Leiamos e estudemos o capítulo doze de Daniel. Ele é uma

advertência que todos nós precisamos compreender antes do tempo

de angústia. — Manuscript Releases 15:228.

O último dos escritos do Novo Testamento está cheio de verdades

cuja compreensão nos é necessária. — Parábolas de Jesus, 133.

As predições do livro do Apocalipse que ainda não se cumpri-

ram logo se cumprirão. Esta profecia deve ser agora estudada com

diligência pelo povo de Deus e compreendida claramente. Ela não

encobre a verdade; nos previne com clareza, contando-nos o que

[16]

haverá no futuro. — Notebook Leaflets 1:96.

As solenes mensagens que foram dadas, em sua ordem, no Apo-

calipse, devem ocupar o primeiro lugar no espírito do povo de Deus.

— Testemunhos Seletos 3:278.

O assunto deve ser mantido perante o povo

Muitos há que não compreendem as profecias referentes aos

nossos dias, e precisam ser esclarecidos. É dever, tanto do vigia

como do leigo, dar à trombeta sonido certo. — Evangelismo, 194.

Ergam os vigias agora a voz e dêem a mensagem que é verdade

presente para este tempo. Mostremos ao povo onde nos encontramos

na história profética. — Testemunhos Seletos 2:323.

Deus estabeleceu, porém, um dia para o término da história deste

mundo: “Será pregado este evangelho do reino por todo o mundo,

para testemunho a todas as nações. Então virá o fim.” A profecia se

18

Eventos Finais

cumpre rapidamente. Mas, muito mais deve ser dito acerca destes

assuntos tremendamente importantes. Perto está o dia em que será

decidido para sempre o destino de toda alma. ...

Deve-se fazer um grande esforço para manter este assunto pe-

rante o povo. O solene fato de que o dia do Senhor virá repentina

e inesperadamente deve ser mantido não só perante as pessoas do

mundo, mas também diante de nossas próprias igrejas. A terrível

[17]

advertência da profecia é dirigida a toda alma. Ninguém julgue estar

isento do perigo de ser apanhado de surpresa. Não permitais que a

interpretação profética de pessoa alguma arrebate a convicção do

conhecimento de ocorrências que revelam que este grande aconte-

cimento está bem próximo. — Fundamentos da Educação Cristã,

335-336.

Mantendo os eventos futuros na perspectiva correta

Não somos agora capazes de descrever acuradamente as cenas

a serem representadas em nosso mundo no futuro; isto, porém,

sabemos: que este é um tempo em que precisamos velar em oração;

pois o grande dia do Senhor está às portas. — Mensagens Escolhidas

2:35.

O sinal da besta é exatamente o que tem sido proclamado. Nem

tudo que se refere a este assunto é compreendido; nem compreendido

será até que tenha sido completamente aberto o rolo do livro. —

Testemunhos Seletos 2:371.

Muitos desviarão o olhar dos deveres atuais, do conforto e das

bênçãos no presente, e tomarão emprestado aflições com respeito à

crise futura. Isso causará um tempo de angústia antecipado, e não

receberemos graça para tais aflições antecipadas. — Mensagens

Escolhidas 3:383-384.

Há um tempo de angústia a sobrevir ao povo de Deus, mas não

devemos manter isto constantemente diante dele, e incitá-lo para

ter um tempo de angústia antecipado. Haverá uma sacudidura entre

o povo de Deus, mas isto não é a verdade presente a ser levada às

[18]

igrejas. — Mensagens Escolhidas 1:180.

Capítulo 2 — Sinais de que Cristo voltará em breve

A grande profecia de nosso Senhor

Cristo preveniu Seus discípulos da destruição de Jerusalém e

dos sinais que ocorreriam antes da vinda do Filho do homem. Todo

o capítulo vinte e quatro de Mateus é uma profecia a respeito dos

acontecimentos que precederão esse evento, e a destruição de Jeru-

salém é usada para representar a última grande destruição do mundo

pelo fogo. — Manuscrito 77, 1899.

Cristo, no Monte das Oliveiras, enumerou os juízos terríveis que

deviam preceder Sua volta: “E ouvireis de guerras e de rumores de

guerras.” “Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra

reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares.

Mas todas estas coisas são o princípio de dores.” Mateus 24:6-7.

Se bem que essas profecias tivessem tido cumprimento parcial na

destruição de Jerusalém, aplicam-se mais diretamente aos últimos

dias. — Testemunhos Seletos 2:351.

[19]

Sinais nos céus

Ao fim da grande perseguição papal, declarou Cristo, o Sol se

escureceria, e a Lua não daria sua luz. Em seguida, cairiam as estrelas

do céu. E Ele diz: “Aprendei pois esta parábola da figueira: Quando

já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está

próximo o verão. Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei

que Ele está próximo às portas.” Mateus 24:32-33.

Cristo deu sinais de Sua vinda. Declara que podemos conhecer

quando Ele está perto, às portas. Ele diz daqueles que vêem estas

coisas: “Não passará esta geração sem que todas estas coisas acon-

teçam.” Estes sinais apareceram. Agora sabemos com certeza que a

vinda do Senhor está às portas. — O Desejado de Todas as Nações,

632.

19

20

Eventos Finais

Sinais na terra

Declara Jesus: “E haverá sinais no Sol, na Lua e nas estrelas; e na

Terra angústia das nações.” Nos Lugares Celestiais, 21.25; Mateus

24:29; Marcos 13:24-26; Apocalipse 6:12-17. Os que contemplam

estes prenúncios de Sua vinda, devem saber que “está próximo, às

portas”. Mateus 24:33. — O Grande Conflito, 37-38.

As nações estão agitadas. Tempos de perplexidade se acham

diante de nós. O coração dos homens está desmaiando de terror das

coisas que sobrevirão ao mundo. Mas os que crêem em Deus ouvirão

Sua voz em meio à tormenta, dizendo: “Sou Eu. Não temais.” —

[20]

The Signs of the Times, 9 de Outubro de 1901.

Estranha e momentosa história está sendo registrada nos livros do

Céu — eventos que, segundo foi declarado, precederiam de perto o

grande dia de Deus. Tudo no mundo está em agitação. — Manuscript

Releases 3:313.

Falsos profetas

Como um dos sinais da destruição de Jerusalém, Cristo havia

dito: “E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.”

Mateus 24:11. Ergueram-se falsos profetas, enganando o povo, e

levando grande número ao deserto. Mágicos e exorcistas, preten-

dendo miraculoso poder, arrastaram o povo após si, às solidões das

montanhas. Mas esta profecia foi dada também para os últimos dias.

Este sinal é o indício do segundo advento. — O Desejado de Todas

as Nações, 631.

Encontraremos falsas pretensões; erguer-se-ão falsos profetas;

haverá falsos sonhos e visões falsas; pregai, porém, a Palavra, não vos

desvieis da voz de Deus em Sua Palavra. — Mensagens Escolhidas

2:49.

Têm-me sido mostrados muitos que pretenderão ser especial-

mente ensinados por Deus, e tentarão levar outros, e por erradas

idéias de dever empreenderão uma obra que Deus nunca pôs sobre

eles. O resultado será confusão. Busque cada um a Deus com mais

fervor por si mesmo, para que possa compreender individualmente

[21]

Sua vontade. — Mensagens Escolhidas 2:72.

Sinais de que Cristo voltará em breve

21

Uma experiência com um falso profeta

Ontem à noite um jovem, estranho a todos nós, mas alegando ser

um irmão de Vitória [Austrália], veio visitar-nos e disse que queria

ver a Irmã White. Era de noite, e eu recusei vê-lo. Nós o convidamos,

porém, a permanecer conosco durante a noite, e a tomar o desjejum.

Após o nosso costumeiro culto matinal, ao estarmos prestes a nos

dirigir a nossas várias ocupações, esse jovem se levantou, e com um

gesto autoritário pediu que nos sentássemos. Ele disse: “Vocês têm

hinários? Cantaremos um hino e então lhes transmitirei uma mensa-

gem.” Declarei: “Se tem uma mensagem, transmita-a sem demora,

pois estamos com muita pressa de remeter a correspondência para

a América, e não temos tempo a perder.” Ele começou então a ler

alguma coisa que havia escrito, declarando, entre outras coisas, que

agora começou o julgamento dos vivos. ...

Eu prestei atenção enquanto ele prosseguia, e disse finalmente:

“Meu irmão, você não está em perfeitas condições mentais. Exponha

claramente como a sua mensagem se refere a nós. Por favor, nos diga

isso imediatamente. Seu espírito está muito tenso e você compreende

mal o seu trabalho. Grande parte do que disse está de acordo com

a Bíblia e cremos em cada uma dessas palavras. Mas você se acha

extremamente agitado. Por favor, declare o que tem para nós!”

Bom, ele disse que devíamos encaixotar as coisas e mudar-nos

imediatamente para Battle Creek. Perguntei por que razão, e ele

respondeu: “Para transmitir esta mensagem de que começou o jul-

gamento dos vivos.” Repliquei: “A obra que o Senhor nos deu para

fazer ainda não está terminada. Quando nossa obra aqui estiver con-

cluída, teremos certeza de que o Senhor nos fará saber que chegou a

[22]

ocasião de nos mudarmos para Battle Creek, em vez de mostrar-lhe

qual é o nosso dever.” ... Deixei que o irmão Starr continuasse a falar

com ele, enquanto eu reassumia o meu trabalho de escrever.

Ele disse ao irmão Starr que quando a Irmã White lhe falou

tão bondosamente, mas com tanta autoridade, começou a ver que

cometera um erro, e que as impressões que o haviam incitado tão

vigorosamente não eram coerentes ou razoáveis. Embora nossa

família seja grande, compondo-se de dez membros, além de três

visitantes, decidimos deixar que este jovem fique conosco durante

algum tempo. Não podemos permitir que vá ter com pessoas que o

22

Eventos Finais

tratem asperamente e o condenem, nem desejamos que repita suas

“revelações”. Queremos que permaneça por um pouco de tempo

onde possamos comunicar-nos com ele e, se for possível, conduzi-lo

a caminhos seguros. — Carta 66, 1894.

Glutonaria e intemperança

A glutonaria e a intemperança constituem o fundamento da

grande depravação moral em nosso mundo. Satanás está ciente disso,

e tenta constantemente a homens e mulheres para que condescendam

com a gula à custa da saúde e mesmo da própria vida. Comer, beber

e vestir-se tornam-se o alvo da vida para o mundo. Tal estado de

coisas existia antes do dilúvio. E este estado de dissipação é uma

das marcantes evidências da breve terminação da história terrestre.

— Carta 34, 1875.

O quadro que a Inspiração nos deu do mundo antediluviano

representa mui verdadeiramente a condição a que rapidamente a

[23]

sociedade moderna caminha. — Patriarcas e Profetas, 102.

Sabemos que o Senhor virá muito em breve. O mundo está

rapidamente se tornando como era nos dias de Noé. Ele se acha

entregue à condescendência egoísta. O comer e o beber são levados

a excessos. Os homens estão tomando as nocivas bebidas alcoólicas

que os deixam transtornados. — Carta 308, 1907.

Atos de violência

Nos dias de Noé a esmagadora maioria se opunha à verdade, e

se apaixonara por um conjunto de falsidades. A Terra estava cheia

de violência. A guerra, o crime e o homicídio eram a ordem do dia.

Assim será também antes da segunda vinda de Cristo. — The S.D.A.

Bible Commentary 1:1090.

As uniões trabalhistas rapidamente se agitam e apelam à vio-

lência se suas reivindicações não são atendidas. Mais e mais claro

está se tornando que os habitantes do mundo não estão em harmonia

com Deus. Nenhuma teoria científica pode explicar a firme marcha

de obreiros iníquos sob o comando de Satanás. Em toda multidão,

anjos ímpios estão em operação, instando homens a cometer atos de

violência. ...

Sinais de que Cristo voltará em breve

23

A perversidade e crueldade dos homens alcançarão tal atitude

que Deus Se revelará em Sua majestade. Muito em breve a impiedade

do mundo terá atingido seu limite e, como nos dias de Noé, Deus

derramará os Seus juízos. — Olhando Para O Alto, 328.

Os terríveis relatos que ouvimos de homicídios e roubos, de

acidentes ferroviários e atos de violência, declaram que o fim de

todas as coisas está próximo. Agora, agora mesmo, precisamos estar

nos preparando para a segunda vinda do Senhor. — Carta 308, 1907. [24]

Guerras e desastres

Aproxima-se a tempestade, e precisamos aprontar-nos para sua

fúria mediante arrependimento para com Deus e fé em nosso Senhor

Jesus Cristo. O Senhor Se levantará para sacudir terrivelmente a

Terra. Veremos aflições por todos os lados. Milhares de navios serão

arremessados para as profundezas do mar. Esquadras se submer-

girão, sendo sacrificados milhões de vidas humanas. Irromperão

inesperadamente incêndios que nenhum esforço humano será capaz

de extinguir. Os palácios da Terra serão varridos pela fúria das cha-

mas. Tornar-se-ão mais e mais freqüentes os desastres de estrada

de ferro; confusão, colisões e morte sem um momento de advertên-

cia ocorrerão nas grandes vias de comunicação. O fim está perto,

a graça está a terminar. Oh! busquemos a Deus enquanto Se pode

achar, invoquemo-Lo enquanto está perto! — Mensagens aos Jovens,

89-90.

Nas últimas cenas da história terrestre, grassará a guerra. Ha-

verá epidemias, pragas e fomes. As águas do oceano transporão

seus limites. Propriedades e vidas serão destruídas pelo fogo e por

inundações. Deveríamos estar nos preparando para as mansões que

Cristo foi preparar para os que O amam. — Maranata, 172.

Grandes bolas de fogo

Na última sexta-feira, pela manhã, pouco antes de acordar, uma

cena muito impressionante me foi apresentada. Parecia que eu havia

acordado, mas não estava em meu lar. Das janelas eu podia avistar

um terrível incêndio. Grandes bolas de fogo caíam sobre as casas e

[25]

dessas bolas voavam flechas incandescentes em todas as direções.

24

Eventos Finais

Era impossível apagar os fogos que se acendiam, e muitos lugares

estavam sendo destruídos. O terror do povo era indescritível. Depois

de algum tempo, acordei e vi que estava em casa. — Evangelismo,

29.

Vi uma imensa bola de fogo cair no meio de algumas lindas

habitações, destruindo-as imediatamente. Ouvi alguns dizerem: “Sa-

bíamos que os juízos de Deus sobreviriam à Terra, mas não sabíamos

que viriam tão cedo.” Outros, com acento de voz agoniante, diziam:

“Os senhores sabiam! Por que, então, não nos disseram? Nós não

sabíamos.” — Testemunhos Seletos 3:296.

Terremotos e inundações

O inimigo atuou no passado e ainda está atuando. Ele desceu

com grande poder, e o Espírito de Deus está-Se retirando da Terra.

Deus tem retirado Sua mão. Só temos de olhar para Johnstown [Pen-

silvânia]. Ele não impediu que o diabo acabasse com a existência

de toda essa cidade. E essas mesmas coisas aumentarão até o fim da

história terrestre. — Sermons and Talks, 109.

A crosta terrestre será dilacerada pelas explosões dos elementos

ocultos nas entranhas da Terra. Estes elementos, uma vez desprendi-

[26]

dos, arrebatarão os tesouros dos que durante anos têm aumentado

sua fortuna pela aquisição de grandes posses a preços de fome dos

que estão ao seu serviço. E o mundo religioso também será terri-

velmente abalado, pois o fim de todas as coisas está às portas. —

Manuscript Releases 3:208.

Chegou agora o tempo em que num momento podemos estar

em terra sólida, e no outro momento pode ela estar fugindo de

debaixo de nossos pés. Haverá terremotos onde menos se espera. —

Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 421.

Em incêndios, em inundações, em terremotos, na fúria das gran-

des profundezas, nas calamidades por mar e terra, é transmitida a

advertência de que o Espírito de Deus não agirá para sempre com os

homens. — Manuscript Releases 3:315.

Antes que o Filho do homem apareça nas nuvens do céu, tudo

na Natureza estará em convulsão. Raios do céu unindo-se ao fogo

na Terra farão com que as montanhas queimem como uma fornalha

e lancem suas torrentes de lava sobre aldeias e cidades. Massas

Sinais de que Cristo voltará em breve

25

derretidas de rochas lançadas na água pela sublevação das coisas

ocultas na Terra farão ferver a água e arremessarão pedras e terra.

Haverá fortes terremotos e grande destruição de vidas humanas. —

The S.D.A. Bible Commentary 7:946.

Crimes, fomes e epidemias

Satanás está trabalhando na atmosfera; envenena-a, e aí depende-

mos de Deus quanto à vida — nossa vida presente e eterna. E estando

na posição em que nos encontramos, importa estarmos inteiramente

alerta, totalmente devotados, de todo convertidos e consagrados a

[27]

Deus. Mas parece que nos achamos como paralisados. Deus do Céu,

desperta-nos! — Mensagens Escolhidas 2:52.

Deus não tem impedido que os poderes das trevas levem avante

sua ímpia obra de poluir o ar, uma das fontes de vida e nutrição,

com um veneno fatal. Não somente é afetada a vida vegetal, mas o

homem sofre de epidemias. ... Essas coisas são o resultado de gotas

das taças da ira de Deus que estão sendo borrifadas sobre a Terra,

e constituem apenas débeis representações do que acontecerá no

futuro próximo. — Mensagens Escolhidas 3:391.

As fomes aumentarão. Epidemias arrebatarão milhares de vidas.

Perigos provenientes dos poderes de fora e de atuações satânicas por

dentro estão por toda parte ao nosso redor, mas o poder moderador

de Deus está sendo exercido atualmente. — Manuscript Releases

19:382.

Foi-me mostrado que o Espírito do Senhor está-Se retirando da

Terra. O poder mantenedor de Deus logo será recusado a todos os

que continuam desrespeitando os Seus mandamentos. Os relatos

de transações fraudulentas, homicídios e crimes de toda a espécie

chegam até nós diariamente. A iniqüidade está-se tornando uma

coisa tão comum que não ofende mais as suscetibilidades como em

tempos passados. — Carta 258, 1907.

O desígnio de Deus nas calamidades

O que significam as horríveis calamidades no mar — embar-

cações arremessadas para a eternidade sem aviso prévio? O que

[28]

significam os acidentes na terra — fogo consumindo as riquezas que

26

Eventos Finais

homens acumularam, em grande parte pela opressão dos pobres?

O Senhor não intervirá para proteger a propriedade daqueles que

transgridem Sua lei, violam Seu concerto e calcam aos pés o Seu

sábado, aceitando em seu lugar um dia de descanso espúrio.

As pragas de Deus já estão caindo sobre a Terra, arrebatando os

edifícios mais suntuosos como por um sopro de fogo do Céu. Esses

juízos não farão com que os cristãos professos caiam em si? Deus

permite que sobrevenham para que o mundo se acautele, para que

os pecadores temam e tremam diante dEle. — Manuscript Releases

3:311.

Deus tem um propósito ao permitir que ocorram essas calami-

dades. Elas constituem um de Seus meios para chamar homens e

mulheres à razão. Mediante atuações incomuns pela Natureza, Deus

expressará a instrumentalidades humanas em dúvida o que Ele revela

claramente em Sua Palavra. — Manuscript Releases 19:279.

Quão freqüentemente ouvimos de terremotos e furacões, de des-

truição pelo fogo e inundações, com grandes perdas de vidas e

propriedades! Aparentemente essas calamidades são caprichosos

desencadeamentos de forças da Natureza, desorganizadas e desgo-

vernadas, inteiramente fora do controle do homem; mas em todas

elas pode ler-se o propósito de Deus. Elas estão entre os instrumen-

tos pelos quais Ele busca despertar a homens e mulheres para que

[29]

sintam o perigo. — Profetas e Reis, 277.

Os eventos futuros estão nas mãos do Senhor

O mundo não está sem um governante. O programa dos sucessos

futuros está nas mãos do Senhor. A Majestade do Céu tem sob

Sua direção o destino das nações e os negócios de Sua igreja. —

Testemunhos Seletos 2:352.

Essas representações simbólicas [as serpentes ardentes no de-

serto] têm dupla finalidade. O povo de Deus não somente aprende

delas que as forças físicas da Terra estão sob o controle do Criador,

mas também que os movimentos religiosos das nações se acham sob

o Seu domínio. Isto é especialmente verdade no tocante à imposição

da observância do domingo. — Manuscript Releases 19:281.

Na grande obra de finalização nos defrontaremos com perple-

xidades que não saberemos contornar, mas não nos esqueçamos de

Sinais de que Cristo voltará em breve

27

que as três grandes potestades do Céu estão atuando, que a divina

mão está posta ao leme, e Deus fará cumprir os Seus desígnios. —

Evangelismo, 65.

Assim como aquela complicação de semelhanças de rodas se

achava sob a direção da mão que havia sob as asas dos querubins, o

complicado jogo dos sucessos humanos acha-se sob a direção divina.

Por entre as contendas e tumultos das nações, Aquele que Se assenta

acima dos querubins ainda dirige os negócios da Terra. Ver Ezequiel

1:4-26; Ezequiel 10:8; Daniel 4:17, 25-32. — Educação, 178.

Nos anais da história humana, o desenvolvimento das nações, o

nascimento e queda dos impérios, aparecem como que dependendo

[30]

da vontade e proeza do homem; a configuração dos acontecimentos

parece determinada em grande medida pelo seu poder, ambição ou

capricho. Mas na Palavra de Deus a cortina é afastada, e podemos

ver acima, para trás e pelos lados as partidas e contrapartidas do

interesse, poder e paixões humanos — as instrumentalidades do

Todo-misericordioso — executando paciente e silenciosamente os

conselhos de Sua própria vontade. — Profetas e Reis, 499-500.

A consideração do céu pelas questões da terra

Poupando a vida do primeiro homicida, Deus apresentou diante

de todo o Universo uma lição que dizia respeito ao grande conflito.

... Foi o Seu intuito não somente abater a rebelião, mas demonstrar

a todo o Universo a natureza da mesma. ... Os santos habitantes de

outros mundos estavam a observar com o mais profundo interesse

os acontecimentos que se desenrolavam na Terra. ...

Deus tem consigo a simpatia e aprovação do Universo inteiro,

enquanto passo a passo Seu grande plano avança para o completo

cumprimento. — Patriarcas e Profetas, 78-79.

O ato de Cristo ao morrer pela salvação do homem, não somente

tornaria o Céu acessível à humanidade, mas perante todo o Universo

justificaria a Deus e Seu Filho, em Seu trato com a rebelião de

Satanás. — Patriarcas e Profetas, 69.

Todo o Universo está observando com inexprimível interesse as

cenas finais da grande controvérsia entre o bem e o mal. — Profetas

e Reis, 148.

[31]

28

Eventos Finais

Nosso pequenino mundo é o livro de estudo do Universo. — O

[32]

Desejado de Todas as Nações, 19.

Capítulo 3 — “Quando sucederão estas coisas?”

Os discípulos interrogam a Cristo acerca de sua volta

As palavras de Cristo (Mateus 24:2) foram proferidas aos ouvi-

dos de grande número de pessoas; mas quando Ele Se achava só,

sentado sobre o Monte das Oliveiras, Pedro, João, Tiago e André

foram ter com Ele: “Dize-nos”, perguntaram, “quando serão estas

coisas, e que sinal haverá da Tua vinda e do fim do mundo?”

Jesus não respondeu aos discípulos falando em separado da

destruição de Jerusalém e do grande dia de Sua vinda. Misturou a

descrição dos dois acontecimentos. Houvesse desenrolado perante os

discípulos os eventos futuros segundo Ele os via, e não teriam podido

suportar esse espetáculo. Por misericórdia com eles, Jesus misturou a

descrição das duas grandes crises, deixando aos discípulos o procurar

por si mesmos a significação. — O Desejado de Todas as Nações,

628.

O tempo da volta de Cristo não é conhecido

Muitos que se têm chamado adventistas, têm marcado tempo.

Repetidamente marcaram uma data para a vinda de Cristo; e repeti- [33]

dos fracassos têm sido o resultado. O tempo exato da vinda de nosso

Senhor, diz a Bíblia, acha-se além do conhecimento dos mortais.

Mesmo os anjos que ministram aos que hão de ser herdeiros da

salvação, não sabem o dia nem a hora. “Porém daquele dia e hora

ninguém sabe, nem os anjos do Céu, mas unicamente Meu Pai.”

Mateus 24:36. — Testemunhos Seletos 1:504.

Não devemos saber o tempo exato para o derramamento do

Espírito Santo ou para a vinda de Cristo. ... Por que Deus não nos

deu este conhecimento? — Porque se o fizesse, não faríamos correto

uso dele. Desse conhecimento resultaria um estado de coisas entre

o nosso povo que retardaria consideravelmente a obra de Deus no

sentido de preparar um povo que permaneça em pé no grande dia

que está para vir. Não devemos viver ansiosos quanto ao tempo. ...

29

30

Eventos Finais

Não sereis capazes de dizer que Ele virá dentro de um, dois ou

cinco anos, nem deveis protelar Sua vinda declarando que talvez não

ocorra dentro de dez ou vinte anos. — The Review and Herald, 22

de Março de 1892.

Aproximamo-nos do grande dia de Deus. Os sinais estão-se

cumprindo. E, no entanto, não temos uma mensagem que nos diga

o dia e a hora do aparecimento de Cristo. O Senhor ocultou isso

prudentemente de nós, para que sempre estejamos num estado de

expectativa e de preparação para o segundo aparecimento de nosso