Fábulas de Esopo Ilustradas por Esopo - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

O Lobo e as Ovelhas

H1865

Havia uma guerra entre os Lobos e as Ovelhas; estas, embora

fossem mais fracas, como tinham a ajuda dos cães levavam

sempre a melhor. Os Lobos então pediram paz, com a condi-

ção de que dariam de penhor os seus filhos, se as Ovelhas

também lhes entregassem os cães.

As ovelhas aceitaram estas condições e foi feita a paz.

Contudo, os filhos dos Lobos, quando se viram na casa das

ovelhas, começaram a uivar muito alto. Acudiram logo os

pais, a pensar que isso significava que a paz havia sido que-

brada, e recomeçaram a guerra.

Bem quiseram defender-se as Ovelhas; mas como a sua

principal força consistia nos cães, que havia entregado aos

Carlos Pinheiro

12

Fábulas de Esopo

Lobos, foram facilmente vencidas por eles e acabaram

degoladas.

Moral da história

Ensina esta Fábula que ninguém deve entregar as armas aos seus inimigos,

antes tenha a paz por suspeitosa. Também nos avisa quanto ao perigo de

meter em casa inimigos, ou filhos de inimigos, como fizeram as Ovelhas, que

querendo estar mais seguras por terem os filhos dos Lobos em casa, foram eles

a causa da sua destruição.

Carlos Pinheiro

13

index-14_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula IV

O Rei dos Macacos e dois Homens

S1479

Dois companheiros que caminhavam juntos pela floresta,

acabaram por se perder. Depois de andarem muito, chega-

ram à terra dos Macacos. Foram logo levados ao rei, que,

mal os viu, lhes perguntou:

— Na vossa terra e nessas que atravessastes, o que se diz de

mim e do meu Reino?

Respondeu um dos homens:

— Dizem que sois um grande Rei de gente sábia e culta.

O outro, que gostava de dizer a verdade, respondeu:

— Toda a vossa gente são macacos irracionais, logo o rei

também é um macaco.

Carlos Pinheiro

14

Fábulas de Esopo

Ouvindo isto, o Rei ordenou que matassem este, e que ao

primeiro oferecessem presentes e o tratassem muito bem.

Moral da história

Verifica-se nesta Fábula o que diz Terêncio, que a verdade causa ódio e o

elogio ganha amigos. Com um Rei ignorante não há sábios nem virtuosos,

apenas chocarreiros e aduladores. Daqui resulta que frequentemente os bons

são rebaixados e obedecem aos maus, que o Rei Macaco tem ódio a quem o

desengana, e que o que mente, como aqui fez o primeiro companheiro, é fa-

vorecido.

Carlos Pinheiro

15

index-16_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula V

A Andorinha e as outras Aves

H1865

Estavam os homens a semear linho, e, ao vê-los, disse a An-

dorinha aos outros pássaros:

— Para nosso mal fazem os homens esta seara, que desta

semente nascerá linho, e dele farão redes e laços para nos

prenderem. Melhor será destruirmos a linhaça e a erva que

dali nascer, para estarmos seguras.

As outras Aves riram-se muito deste conselho e não quiseram

segui-lo. Vendo isto, a Andorinha fez as pazes com os homens

e foi viver em suas casas. Algum tempo depois, os homens

fizeram redes e instrumentos de caça, com os quais apa-

nharam e prenderam todas as outras aves, poupando ape-

nas a Andorinha.

Carlos Pinheiro

16

Fábulas de Esopo

Moral da história

A Andorinha representa o homem prudente, que fica livre de dificuldades se

consegue antecipá-las. Os que querem viver a seu gosto, sem ouvirem con-

selhos nem preverem o mal que está para vir, são caçados e castigados devi-

do à sua ignorância.

Carlos Pinheiro

17

index-18_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula VI

O Rato e a Rã

MW1919

Um Rato desejava atravessar um rio, mas tinha medo, pois

não sabia nadar. Pediu então ajuda a uma Rã, que se ofere-

ceu para o levar para o outro lado desde que se prendesse a

uma das suas patas.

O Rato concordou e, encontrando um pedaço de fio, pren-

deu uma das suas pernas à Rã. Mas, mal entraram no rio, a

Rã mergulhou, tentando afogar o Rato. Este, por sua vez, de-

batia-se com a Rã para se manter à superfície. Estavam os

dois nestes trabalhos e canseiras quando passou por cima um

Milhafre que, vendo o Rato sobre a água, baixou sobre ele e

levou-o nas garras juntamente com Rã. Ainda no ar, comeu-

os a ambos.

Carlos Pinheiro

18

Fábulas de Esopo

Moral da História

Nesta Rã, e na sua morte, se vê aquilo que ganham os maus quando

atraiçoam aqueles que neles confiam. Porque quase sempre recebem o mal

que para outros ordenam; e se o inocente morre, não escapam eles do cas-

tigo merecido; que mesmo que se livrem do castigo temporal, cairão depois

da morte num castigo ainda mais temível.

Carlos Pinheiro

19

index-20_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula VII

O Ladrão e o Cão de Guarda

HW1867

Um ladrão, desejando entrar à noite numa casa para a rou-

bar, deparou-se com um cão que com os seus latidos o impe-

dia. O cauteloso ladrão, para apaziguar o Cão, lançou-lhe

um bocado de pão. Mas o Cão disse:

— Bem sei que me dás este pão para que eu me cale e te

deixe roubar a casa, não porque gostes de mim. Mas já que é

o dono da casa que me sustenta toda a vida, não vou deixar

de ladrar enquanto não te fores embora ou até que ele

acorde e te venha afugentar. Não quero que este bocado

de pão me custe morrer de fome o resto da vida.

Carlos Pinheiro

20

Fábulas de Esopo

Moral da História

Quem se fia em palavras lisonjeiras, acha-se no fim enganado. Mas quem

suspeita das ofertas e das palavras de lisonjeio, não se deixa enganar.

Carlos Pinheiro

21

index-22_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula VIII

O Cão e a Ovelha

O1574

O Cão pediu à Ovelha certa quantidade de pão, que dizia

haver-lhe emprestado. A Ovelha negou ter recebido tal coi-

sa. O Cão apresentou então três testemunhas a seu favor, as

quais havia subornado: um Lobo, um Abutre e um Milhafre.

Estes juraram ter visto a Ovelha receber o pão que o Cão re-

clamava. Perante isso, o Juiz condenou a Ovelha a pagar,

mas não tendo ela meios de o fazer, foi forçada a ser tosqui-

ada antes de tempo para que a lã fosse vendida como pa-

gamento ao Cão. Pagou então a Ovelha pelo que não co-

mera e ainda ficou nua, padecendo as neves e frios do

inverno.

Carlos Pinheiro

22

Fábulas de Esopo

Moral da história

Parece que já no tempo em que Esopo escreveu esta Fábula se adivinhava o

que hoje passa em muitos lugares, onde roubam aos pobres e fracos as honras

e fazendas, com falsos testemunhos de homens desalmados, conjurados para

roubarem o alheio. Que em nenhum lugar, contra bons homens e ovelhas, fal-

tam Lobos e Milhafres que os dispam e lhes chupem o sangue.

Carlos Pinheiro

23

index-24_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula IX

O Cão e a Carne

H1865

Um Cão levava na boca um pedaço de carne, e, ao atra-

vessar um rio, vendo a carne refletida na água, pareceu-lhe

esta maior e soltou a que levava nos dentes para apanhar a

que via dentro de água. Porém, como a corrente do rio ar-

rastou a carne verdadeira, com ela foi também o seu reflexo,

e ficou o Cão sem uma e sem outro.

Moral da história

Este Cão significa a cobiça daqueles que, muitas vezes, por terem maiores in-

teresses, arriscam o que possuem e perdem tudo; como diz bem o provérbio:

mais vale um pássaro na mão do que dois a voar.

Carlos Pinheiro

24

index-25_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula X

A Mosca em cima do carro

O1574

Sobre uma carroça carregada puxada por uma Mula pousou

uma Mosca. Achou-se tão importante por ir no alto, que co-

meçou a falar com arrogância contra a Mula, dizendo que

andasse depressa senão que a castigaria, picando-a onde

lhe doesse. A Mula virou a o rosto dizendo:

— Cala-te, desavergonhada, que não tenho medo de ti, nem

me podes fazer nada, só temo o carroceiro que leva na mão

o açoite. Quanto a ti, só com importunações podes cansar-

me, sem me fazer outro mal.

Carlos Pinheiro

25

Fábulas de Esopo

Moral da história

Esta Fábula mostra a natureza de alguns, que só têm língua, e com ela por-

fiando e contradizendo, cansam e importunam toda a gente, querendo mos-

trar-se muito importantes.

Carlos Pinheiro

26

index-27_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula XI

O Cão e a Máscara

RH1894

Procurando comida, um Cão encontrou a máscara de um

homem muito bem-feita de papelão com cores vivas. Che-

gou-se então a ela e começou a cheirá-la para ver se era um

homem que dormia. Depois empurrou-a com o focinho e viu

que rebolava, e como não quisesse ficar quieta nem tomar

assento, disse o Cão:

— Decerto que a cabeça é linda, mas não tem miolo.

Carlos Pinheiro

27

Fábulas de Esopo

Moral da história

A máscara representa o homem ou mulher que só se preocupa com o aspeto

exterior e não procura cultivar a alma, que é muito mais preciosa. Notam-se

nesta Fábula as pessoas que têm todo o cuidado com enfeites e cores supér-

fluas, formosas por fora, mas a cuja cabeça falta miolo.

Carlos Pinheiro

28

index-29_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula XII

O Leão, a Vaca, a Cabra e a Ovelha

G1870

Um Leão, uma Vaca, uma Cabra e uma Ovelha combinaram

caçar juntos e repartirem o ganho. Acharam então um Vea-

do, e depois de terem andado e trabalhado muito, consegui-

ram matá-lo.

Chegaram todos cansados e, cobiçosos da presa, dividiram-

na em quatro partes iguais. O Leão tomou uma, e disse:

— Esta parte é minha conforme o combinado.

A seguir pegou noutra e acrescentou:

— Esta pertence-me por ser o mais valente de todos.

Pegou numa terceira e disse:

— Esta também é para mim pois sou o rei de todos os animais,

e quem na quarta mexer, considere-se por mim desafiado.

Carlos Pinheiro

29

Fábulas de Esopo

Assim levou todas as partes, e os companheiros acharam-se

enganados e afrontados; mas sujeitaram-se por não terem

tanta força como o Leão.

Moral da história

Parceria e amizade quer-se entre iguais, e o casamento também; conforme

dizia o filósofo, que o mandou aprender aos meninos: cada um com seu igual;

porque quem trava amizade com maior, torna-se seu escravo e tem de lhe

obedecer ou perder pelo menos a amizade, na qual o trabalho é sempre do

mais fraco, e a honra e proveito do mais poderoso.

Carlos Pinheiro

30

index-31_1.jpg

Fábulas de Esopo

Fábula XIII