Manual de Primeiros Socorros por Ministério da Saúde - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

index-1_1.jpg

index-2_1.png

1

Manual de Primeiros Socorros

Manual de Primeiros Socorros

©2003 - Ministério da Saúde

É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

Tiragem: 2.000 exemplares

Edição, distribuição e informações:

Ministério da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ

Vice Presidência de Serviços de Referência e Ambiente Núcleo de Biossegurança

Av. Brasil 4036 sala 715 e 716 Manguinhos 21040 361, Rio de Janeiro, R.J.

Fone: (21) 3882 9158

Fax:

(21) 2590 5988

Impresso no Brasil /Printed in Brazil

ISBN:

FICHA CATALOGRÁFICA

Brasil, Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. FIOCRUZ.

Vice Presidência de Serviços de Referência e Ambiente.

Núcleo de Biossegurança. NUBio

Manual de Primeiros Socorros. Rio de Janeiro.Fundação Oswaldo Cruz, 2003.

170p.

1. Primeiros Socorros.

2. Atendimento emergencial.

2

Ministério da Saúde

Ministro Barjas Negri

Fundação Oswaldo Cruz

Presidente

Paulo Marchiori Buss

Vice-Presidência de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Euzenir Nunes Sarno

Vice-Presidência de Ensino e Recursos Humanos Tânia Celeste Matos Nunes

Vice-Presidência de Desenvolvimento Institucional, Informação e Comunicação

Paulo Ernani Gadelha Vieira

Vice-Presidência de Serviços de Referência e Ambiente Ary Carvalho de Miranda

Autor

Telma Abdalla de Oliveira Cardoso

Colaborador

Ivana Silva

Revisão

Joaquim Moreira Nunes

Digitalização de Imagens

José Pereira Ardions

Elias Azeredo de Oliveira

Ailton Santos

Tratamento de Imagens

Ailton Santos

Projeto Gráfico, Diagramação e Capa:

Ailton Santos

3

Manual de Primeiros Socorros

SUMÁRIO

Página

APRESENTAÇÃO

6

PREFÁCIO

7

INTRODUÇÃO

8

I - CAPÍTULO GERAL 9

Considerações Gerais

9

Etapas Básicas

9

Avaliaçao do local do acidente

10

Proteção à vítima

11

Avaliação e exame do acidentado

11

Funções, Sinais Vitais e de Apoio

15

Asfixia

30

Ressuscitação Cardio-Respiratória

32

Identificação da PCR

34

Estado de Choque

47

Transporte de Acidentados

51

Hemorragias

67

Corpos Estranhos

79

II - CAPÍTULO EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

86

Edema Agudo de Pulmão

86

Infarto do Miocárdio

88

Crise Hipertensiva

90

Cólica Renal

92

Comas Diabético e Hipoglicêmico

93

Hipertermia

96

Insolação

97

Exaustão pelo Calor

99

Cãibras de Calor

100

Diarréia

100

Choque Elétrico

102

Desmaio

105

Alterações Mentais

107

4

Convulsão

107

Neurose Histérica

110

Alccolismo agudo

112

III - CAPÍTULO EMERGÊNCIAS TRAUMÁTICAS

114

Ferimentos

114

Ferimentos na Cabeça

115

Lesões Oculares

115

Traumatismo Torácico

116

Traumatismo Abdominal

117

Lesões de Tecidos Moles

118

Contusões

121

Escoriações

123

Esmagamentos

123

Amputações

124

Queimaduras

126

Queimaduras Térmicas

134

Queimaduras Químicas

137

Queimaduras por Eletricidade

138

Queimaduras por Frio

140

Bandagens

142

Lesões Traumato-Ortopédicas

151

Entorses e Luxações

153

Fraturas

156

Mordeduras de Animais

161

IV - CAPÍTULO ENVENENAMENTO E INTOXICAÇÃO

165

Intoxicações Medicamentosas

166

Plantas Venenosas

175

Acidentes com Animais Peçonhentos e Venenosos 177

V - CAPÍTULO OUTRAS OCORRÊNCIAS

199

Acidentes radioativos

200

Partos de emergência

204

REFERÊNCIAS

205

5

Manual de Primeiros Socorros

APRESENTAÇÃO

6

Prefácio

PREFÁCIO

Esta publicação tem como principal escopo orientar profissionais, que embora não sejam diretamente ligados à área de assistência à saúde, são servidores da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), que desejem se capacitar para atuar na primeira abordagem de um acidentado, prestando-lhe os primeiros e fundamentais cuidados. O que se pode afirmar com embasamentos teóricos e práticos é que dessa primeira abordagem está freqüentemente a depender o êxito de todas as demais fases de tratamento e reabilitação, portanto, também vale a pena ressaltar que é de tal maneira importante este momento inicial de abordagem do acidentado (clínico ou traumático) que se pode afirmar ainda que o futuro da vítima, quanto a sua integridade como indivíduo, com seqüelas ou sem elas, possibilidades de reabilitação, qualidade de vida pós-acidente e mesmo vida e morte, dependem deste primeiro momento, realizado por profissional de outras áreas, porém treinados em práticas de primeiros socorros. Este Manual de Primeiros Socorros visa também possibilitar a caracterização entre acidentes, ambientes de trabalho e ocupações, o que é indispensável para que haja a segurança e a qualidade de saúde dos trabalhadores.

Faz parte, assim, ao se tentar influir no processo de melhoria do atendimento das emergências clínicas e cirúrgicas do Sistema Único de Saúde (SUS) em permanente crise em nosso Estado, ao definir previamente (antes do encaminhamento a serviços especializados) as condições vitais do acidente.

Este Manual contem informações capazes de bem orientar aquele profissional da FIOCRUZ disposto a ser também um primeiro socorrista em situações de emergência, claro está que não é pretensão de seus organizadores que ele seja sozinho um instrumento capaz de resolver todos os problemas dos muitos e variados acidentes possíveis em nossos locais de trabalho, mas ainda que ele seja uma única fonte de informações pronta e acabada, é certamente incompleta e necessita de freqüentes atualizações e revisões. Há também a necessidade de identificação dos profissionais e de um treinamento das técnicas aqui recomendados.

Ao editar este Manual a FIOCRUZ reafirma o seu secular compromisso com as ações de saúde pública e de resguardo e promoção da saúde de todos os trabalhadores desta instituição.

Joaquim Moreira Nunes

7

Manual de Primeiros Socorros

INTRODUÇÃO

Com o aumento da complexidade das tarefas executadas pelas diversas Unidades da FIOCRUZ, os riscos tornam-se cada vez mais presentes e eminentes, requisitando medidas no sentido de evitar a ocorrência de fatos catastróficos. O Núcleo de Biossegurança, da Vice Presidência de Serviços de Referência e Ambiente, preocupado em atender com informações a comunidade da Fundação Oswaldo Cruz, elaborou o Manual de Primeiros Socorros, concentrando esforços multidisciplinares no sentido de subsidiar ações preventivas nos agravamentos de acidentes ou de males súbitos.

Podemos definir primeiros socorros como sendo os cuidados imediatos que devem ser prestados rapidamente a uma pessoa, vítima de acidentes ou de mal súbito, cujo estado físico põe em perigo a sua vida, com o fim de manter as funções vitais e evitar o agravamento de suas condições, aplicando medidas e procedimentos até a chegada de assistência qualificada.

Qualquer pessoa treinada poderá prestar os Primeiros Socorros, conduzindo-se com serenidade, compreensão e confiança. Manter a calma e o próprio controle, porém, o controle de outras pessoas é igualmente importante. Ações valem mais que as palavras, portanto, muitas vezes o ato de informar ao acidentado sobre seu estado, sua evolução ou mesmo sobre a situação em que se encontra deve ser avaliado com ponderação para não causar ansiedade ou medo desnecessários. O tom de voz tranqüilo e confortante dará à vítima sensação de confiança na pessoa que o está socorrendo.

O desenvolvimento das atividades nas instituições de saúde pública oferece riscos específicos de acidentes de trabalho, sendo assim, os funcionários destas instituições devem ter conhecimentos de princípios básicos em primeiros socorros.

8

Capítulo I Geral

CAPÍTULO I

GERAL

Considerações Gerais

Neste Manual fornecemos orientações em situações de acidentes a fim de subsidiar o atendimento a um acidentado.

Lembramos que a função de quem está fazendo o socorro é: 1.Contatar o serviço de atendimento emergencial da FIOCRUZ (NUST

- Núcleo de Saúde do Trabalhador/DIREH).

2. Fazer o que deve ser feito no momento certo, afim de: a.Salvar uma vida

b.Prevenir danos maiores

3.Manter o acidentado vivo até a chegada deste atendimento.

4.Manter a calma e a serenidade frente a situação inspirando confiança.

5.Aplicar calmamente os procedimentos de primeiros socorros ao acidentado.

6.Impedir que testemunhas removam ou manuseiem o acidentado, afastando-as do local do acidente, evitando assim causar o chamado

"segundo trauma", isto é, não ocasionar outras lesões ou agravar as já existentes.

7.Ser o elo das informações para o serviço de atendimento emergencial.

8.Agir somente até o ponto de seu conhecimento e técnica de atendimento. Saber avaliar seus limites físicos e de conhecimento. Não tentar transportar um acidentado ou medicá-lo.

O profissional não médico deverá ter como princípio fundamental de sua ação a importância da primeira e correta abordagem ao acidentado, lembrando que o objetivo é atendê-lo e mantê-lo com vida até a chegada de socorro especializado, ou até a sua remoção para atendimento.

Etapas Básicas de Primeiros Socorros

O atendimento de primeiros socorros pode ser dividido em etapas básicas que permitem a maior organização no atendimento e, portanto, resultados mais eficazes.

9

Manual de Primeiros Socorros

1. Avaliação do Local do Acidente

Esta é a primeira etapa básica na prestação de primeiros socorros.

Ao chegar no local de um acidente, ou onde se encontra um acidentado, deve-se assumir o controle da situação e proceder a uma rápida e segura avaliação da ocorrência. Deve-se tentar obter o máximo de informações possíveis sobre o ocorrido. Dependendo das circunstâncias de cada acidente, é importante também:

a) evitar o pânico e procurar a colaboração de outras pessoas, dando ordens breves, claras, objetivas e concisas; b) manter afastados os curiosos, para evitar confusão e para ter espaço em que se possa trabalhar da melhor maneira possível.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Ser ágil e decidido observando rapidamente se existem perigos para o acidentado e para quem estiver prestando o socorro

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

A proteção do acidentado deve ser feita com o mesmo rigor da avaliação da ocorrência e do afastamento de pessoas curiosas ou que visivelmente tenham perdido o autocontrole e possam prejudicar a prestação dos primeiros socorros

É importante observar rapidamente se existem perigos para o acidentado e para quem estiver prestando o socorro nas proximidades da ocorrência. Por exemplo: fios elétricos soltos e desencapados; tráfego de veículos; andaimes; vazamento de gás; máquinas funcionando. Devem-se identificar pessoas que possam ajudar. Deve-se desligar a corrente elétrica; evitar chamas, faíscas e fagulhas; afastar pessoas desprotegidas da presença de gás; retirar vítima de afogamento da água, desde que o faça com segurança para quem está socorrendo; evacuar área em risco iminente de explosão ou desmoronamento.

Avaliar o acidentado na posição em que ele se encontra, só mobilizá-

lo com segurança (sem aumentar o trauma e os riscos), sempre que possível deve-se manter o acidentado deitado de costas até que seja examinada, e até que se saiba quais os danos sofridos. Não se deve alterar a posição em que se acha o acidentado, sem antes refletir cuidadosamente sobre o que aconteceu e qual a conduta mais adequada a ser tomada.

Se o acidentado estiver inconsciente, por sua cabeça em posição lateral antes de proceder à avaliação do seu estado geral.

É preciso tranqüilizar o acidentado e transmitir-lhe segurança e conforto. A calma do acidentado desempenha um papel muito importante 10

Capítulo I Geral

na prestação dos primeiros socorros. O estado geral do acidentado pode se agravar se ela estiver com medo, ansiosa e sem confiança em quem está cuidando.

2. Proteção do Acidentado

Avaliação e Exame do Estado Geral do acidentado A avaliação e exame do estado geral de um acidentado de emergência clínica ou traumática é a segunda etapa básica na prestação dos primeiros socorros. Ela deve ser realizada simultaneamente ou imediatamente à

"avaliação do acidente e proteção do acidentado".

O exame deve ser rápido e sistemático, observando as seguintes prioridades:

·Estado de consciência: avaliação de respostas lógicas (nome, idade, etc). ·Respiração: movimentos torácicos e abdominais com entrada e saída de ar normalmente pelas narinas ou boca.

·Hemorragia: avaliar a quantidade, o volume e a qualidade do sangue que se perde. Se é arterial ou venoso.

·Pupilas: verificar o estado de dilatação e simetria (igualdade entre as pupilas).

·Temperatura do corpo: observação e sensação de tato na face e extremidades.

Deve-se ter sempre uma idéia bem clara do que se vai fazer, para não expor desnecessariamente o acidentado, verificando se há ferimento com o cuidado de não movimentá-lo excessivamente.

Em seguida proceder a um exame rápido das diversas partes do corpo.Se o acidentado está consciente, perguntar por áreas dolorosas no corpo e incapacidade funcionais de mobilização. Pedir para apontar onde é a dor, pedir para movimentar as mãos, braços, etc.

Cabeça e Pescoço

Sempre verificando o estado de consciência e a respiração do acidentado, apalpar, com cuidado, o crânio a procura de fratura, hemorragia ou depressão óssea.

Proceder da mesma forma para o pescoço, procurando verificar o pulso na artéria carótida, observando freqüência, ritmo e amplitude, correr os dedos pela coluna cervical, desde a base do crânio até os ombros, procurando alguma irregularidade. Solicitar que o acidentado movimente 11

Manual de Primeiros Socorros

lentamente o pescoço, verificar se há dor nessa região. Movimentar lenta e suavemente o pescoço, movendo-o de um lado para o outro. Em caso de dor pare qualquer mobilização desnecessária.

Perguntar a natureza do acidente, sobre a sensibilidade e a capacidade de movimentação dos membros visando confirmar suspeita de fratura na coluna cervical.

Coluna Dorsal

Perguntar ao acidentado se sente dor. Na coluna dorsal correr a mão pela espinha do acidentado desde a nuca até o sacro. A presença de dor pode indicar lesão da coluna dorsal.

Tórax e Membros

Verificar se há lesão no tórax, se há dor quando respira ou se há dor quando o tórax é levemente comprimido.

Solicitar ao acidentado que movimente de leve os braços e verificar a existência de dor ou incapacidade funcional. Localizar o local da dor e procurar deformação, edema e marcas de injeções. Verificar se há dor no abdome e procurar todo tipo de ferimento, mesmo pequeno. Muitas vezes um ferimento de bala é pequeno, não sangra e é profundo, com conseqüências graves.

Apertar cuidadosamente ambos os lados da bacia para verificar se há lesões. Solicitar à vítima que tente mover as pernas e verificar se há dor ou incapacidade funcional.

Não permitir que o acidentado de choque elétrico ou traumatismo violento tente levantar-se prontamente, achando que nada sofreu. Ele deve ser mantido imóvel, pelo menos para um rápido exame nas áreas que sofreram alguma lesão. O acidentado deve ficar deitado de costas ou na posição que mais conforto lhe ofereça.

Exame do acidentado Inconsciente

O acidentado inconsciente é uma preocupação, pois além de se ter poucas informações sobre o seu estado podem surgir, complicações devido à inconsciência.

O primeiro cuidado é manter as vias respiratórias superiores desimpedidas fazendo a extensão da cabeça, ou mantê-la em posição lateral para evitar aspiração de vômito. Limpar a cavidade bucal.

O exame do acidentado inconsciente deve ser igual ao do acidentado consciente, só que com cuidados redobrados, pois os parâmetros de força 12

Capítulo I Geral

e capacidade funcional não poderão ser verificados. O mesmo ocorrendo com respostas a estímulos dolorosos.

É importante ter ciência que nos primeiros cuidados ao acidentado inconsciente a deverá ser mínima.

A observação das seguintes alterações deve ter prioridade acima de qualquer outra iniciativa. Ela pode salvar uma vida:

· Falta de respiração;

· Falta de circulação (pulso ausente);

· Hemorragia abundante;

· Perda dos sentidos (ausência de consciência);

· Envenenamento.

Observações:

1.Para que haja vida é necessário um fluxo contínuo de oxigênio para os pulmões. O oxigênio é distribuído para todas as células do corpo através do sangue impulsionado pelo coração. Alguns órgãos sobrevivem algum tempo sem oxigênio, outros são severamente afetados. As células nervosas do cérebro podem morrer após 3 minutos sem oxigênio.

2.Por isso mesmo é muito importante que algumas alterações ou alguns quadros clínicos, que podem levar a essas alterações, devem ter prioridade quando se aborda um acidentado de vítima de mal súbito. São elas: obstrução das vias aéreas superiores;

parada cárdio-respiratória;

hemorragia de grandes volumes;

estado de choque (pressão arterial, etc);

comas (perda da consciência);

convulsões (agitações psicomotoras);

envenenamento (intoxicações exógenas);

diabetes mellitus (comas hiper e hipoglicêmicos);

infarto do miocárdio; e

queimaduras em grandes áreas do corpo.

3.Toda lesão ou emergência clínica ocorrida dentro do âmbito da Instituição deve ser comunicada ao NUST - Núcleo de Saúde do trabalhador

/ DIREH, através de uma ficha de registro específica e anotada no "livro de registro de acidentes".

4.É importante ter sempre disponível os números dos telefones e os endereços de hospitais e de centros de atendimento de emergência;; socorro especializado para emergências cardíacas; plantão da Comissão Nacional de Energia Nuclear; locais de aplicação de soros antiveneno de cobra e de outros animais peçonhentos e centro de informações tóxico-farmacológicas.

13

Manual de Primeiros Socorros

Resumo

Para o bom atendimento é imprescindível: 1.Manter a calma. Evitar pânico e assumir a situação.

2.Antes de qualquer procedimento, avaliar a cena do acidente e observar se ela pode oferecer riscos, para o acidentado e para você. EM

HIPÓTESE NENHUMA PONHA SUA PRÓPRIA VIDA EM RISCO.

3.Os circunstantes devem ser afastados do acidentado, com calma e educação. O acidentado deve ser mantido afastado dos olhares de curiosos, preservando a sua integridade física e moral.

4.Saiba que qualquer ferimento ou doença súbita dará origem a uma grande mudança no ritmo da vida do acidentado, pois o coloca repentinamente em uma situação para a qual não está preparado e que foge a seu controle. Suas reações e comportamentos são diferentes do normal, não permitindo que ele possa avaliar as próprias condições de saúde e as conseqüências do acidente. Necessita de alguém que o ajude.

Atue de maneira tranqüila e hábil, o acidentado sentirá que está sendo bem cuidado e não entrará em pânico. Isto é muito importante, pois a intranqüilidade pode piorar muito o seu estado.

5.Em caso de óbito serão necessárias testemunhas do ocorrido. Obter a colaboração de outras pessoas dando ordens claras e concisas. Identificar pessoas que se encarreguem de desviar o trânsito ou construir uma proteção provisória. Uma ótima dica é dar tarefas como, por exemplo: contatar o atendimento de emergência, buscar material para auxiliar no atendimento, como talas e gaze, avisar a polícia se necessário, etc.

6.JAMAIS SE EXPONHA A RISCOS. Utilizar luvas descartáveis e evitar o contato direto com sangue, secreções, excreções ou outros líquidos.

Existem várias doenças que são transmitidas através deste contato 7.Tranqüilizar o acidentado. Em todo atendimento ao acidentado consciente, comunicar o que será feito antes de executar para transmitir-lhe confiança, evitando o medo e a ansiedade.

8.Quando a causa de lesão for um choque violento, deve-se pressupor a existência de lesão interna. As vítimas de trauma requerem técnicas específicas de manipulação, pois qualquer movimento errado pode piorar o seu estado. Recomendamos que as vítimas de traumas não sejam manuseadas até a chegada do atendimento emergencial. Acidentados presos em ferragens só devem ser retirados pela equipe de atendimento emergencial.

9.No caso do acidentado ter sede, não ofereça líquidos para beber, apenas molhe sua boca com gaze ou algodão umedecido.

10.Cobrir o acidentado para conservar o corpo quente e protegê-lo do frio, chuva, etc.

14

Capítulo I Geral

11.Em locais onde não haja ambulância, o acidentado só poderá ser transportado após ser avaliado, estabilizado e imobilizado adequadamente.

Evite movimentos desnecessários.

12.Só retire o acidentado do local do acidente se esse local causar risco de vida para ele ou para o socorrista. Ex: risco de explosão, estrada perigosa onde não haja como sinalizar, etc.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

A pessoa que está prestando os primeiros socorros deve seguir um plano de ação baseando-se no P.A.S., que são as três letras iniciais a partir das quais se desenvolvem todas as medidas técnicas e práticas de primeiros socorros.

Prevenir - afastar o perigo do acidentado ou o acidentado do perigo

Alertar - contatar o atendimento emergencial informando o tipo de acidente, o local, o número de vítimas e o seu estado.

Socorrer - após as avaliações

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Funções, Sinais Vitais e de Apoio

Introdução

A atividade de primeiros socorros pressupõe o conhecimento dos sinais que o corpo emite e servem como informação para a determinação do seu estado físico.

Alguns detalhes importantes sobre as funções vitais, os sinais vitais e sinais de apoio do corpo humano precisam ser compreendidos.

Funções Vitais

Algumas funções são vitais para que o ser humano permaneça vivo.

São vitais as funções exercidas pelo cérebro e pelo coração. Mas para exercerem suas funções, estes órgãos executam trabalhos físicos e químicos, transformando a própria vida em uma macro-representação das atividades da menor unidade funcional do corpo: a célula.

Cada tecido é constituído por células, e é da vida delas que depende a vida dos seres vivos. As células tiram nutrientes para sua vida diretamente do meio onde se encontram, devolvendo para este mesmo ambiente os 15

Manual de Primeiros Socorros

produtos finais de sua atividade metabólica. A captação e liberação destas substâncias são reguladas pela membrana plasmática, cuja permeabilidade seletiva e mecanismo de transporte ativo permitem à célula trocar com o meio somente o que deve ser trocado. Muitos processos dependem de um adequado diferencial de concentração entre o interior e exterior da célula.Para permitir igualdade nas concentrações dos componentes do líquido intersticial, os tecidos do organismo são percorridos por uma densa rede de vasos microscópicos, que são chamados de capilares.

O sangue que chega aos capilares traz nutrientes e oxigênio que são passados continuamente para os tecidos. O sangue arterial é rico em nutrientes. O sangue venoso é mais pobre e transporta gás carbônico e catabólitos.

O sangue não se deteriora graças à atividade de órgãos vitais como os pulmões, rins e aparelho digestivo, que permanentemente recondicionam o sangue arterial. Os rins participam do mecanismo de regulação do equilíbrio hidroeletrolítico e ácido-básico e na eliminação de substâncias tóxicas.

O aparelho digestivo incrementa o teor sanguíneo de substratos orgânicos, íons e outros agentes metabólicos, como as vitaminas, por exemplo. O fígado age como órgão sintetizador e como modificador da composição do sangue, participando nos mecanismos da excreção de substâncias tóxicas.

Os pulmões e a porção condutora do aparelho respiratório têm como função principal fornecer oxigênio e remover dióxido de carbono resultante da reação de combustão nas células. O pulmão não é apenas um órgão respiratório. Ele desempenha uma função importante no equilíbrio térmico e no equilíbrio ácido-básico. Os movimentos ventilatórios são controlados pelo Sistema Nervoso Central e estão parcialmente sob nossa vontade. A respiração, no entanto, é um mecanismo involuntário e automático.

As funções vitais do corpo humano são controladas pelo Sistema Nervoso Central, que é estruturado por células muito especializadas, organizadas em alto grau de complexidade estrutural e funcional. Estas células são muito sensíveis à falta de oxigênio, cuja ausência provoca alterações funcionais. Conforme será advertido outras vezes neste manual, chamamos a atenção para que se perceba que:

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

O prolongamento da hipóxia (falta de ar) cerebral determina a morte do Sistema Nervoso Central e com isto a falência generalizada de todos os mecanismos da vida, em um tempo de aproximadamente três minutos.

16

Capítulo I Geral

Para poder determinar em nível de primeiro socorro, como leigo, o funcionamento satisfatório dos controles centrais dos mecanismos da vida, é necessário compreender os sinais indicadores chamados de sinais vitais.

Sinais Vitais

Sinais vitais são aqueles que indicam a existência de vida. São reflexos ou indícios que permitem concluir sobre o estado geral de uma pessoa. Os sinais sobre o funcionamento do corpo humano que devem ser compreendidos e conhecidos são:

· Temperatura,

· Pulso,

· Respiração,

· Pressão arterial.

Os sinais vitais são sinais que podem ser facilmente percebidos, deduzindo-se assim, que na ausência deles, existem alterações nas funções vitais do corpo.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

A medição e avaliação da pressão arterial são excelentes fontes de indicação de vitalidade do organismo humano.

Este assunto não será tratado neste manual, pois sua verificação exigirá conhecimento e instrumental especializado, o que dificulta a sua utilização ao nível de primeiros socorros.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Temperatura Corporal

A temperatura resulta do equilíbrio térmico mantido entre o ganho e a perda de calor pelo organismo. A temperatura é um importante indicador da atividade metabólica, já que o calor obtido nas reações metabólicas se propaga pelos tecidos e pelo sangue circulante.

A temperatura do corpo humano está sujeita a variações individuais e a flutuações devido a fatores fisiológicos como: exercícios, digestão, temperatura ambiente e estado emocional (Quadro I). A avaliação diária da temperatura de uma pessoa em perfeito estado de saúde nunca é maior que um grau Celsius, sendo mais baixa pela manhã e um pouco elevada no final da tarde. Existe pequena elevação de temperatura nas mulheres após a ovulação, no período menstrual e no primeiro trimestre da gravidez.

17

Manual de Primeiros Socorros

Nosso corpo tem uma temperatura média normal que varia de 35,9

a 37,2ºC. A avaliação da temperatura é uma das maneiras de identificar o estado de uma pessoa, pois em algumas emergências a temperatura muda muito.O sistema termorregulador trabalha estimulando a perda de calor em ambientes de calor excessivo e acelerando os fenômenos metabólicos no frio para compensar a perda de calor. Graças a isto, o homem é um ser homeotérmico que, ao contrário de outros animais, mantêm a temperatura do corpo constante a despeito de fatores externos.

V r

a ir

a

o

ã

ç

a

de e

T m

e

T

per

e u

t

a ra

r do Corp

r o

Es d

a

t o Térmi o

c

e

T mper u

t

a ra ( C

° )

u

S b n

- orm l

a

6

3

-

4

3

o

N rm l

a

7

3

-

6

3

Es d

a

t o e

f bril

8

3

-

7

3

e

F bre

9

3

-

8

3

e

F bre l

a a

t (pirexi )

a

0

4

-

9

3

e

F bre mui o

t

l

a a

t (hiperpirexi )

a

1

4

-

0

4

Quadro I - Variação de temperatura do corpo Perda de Calor

O corpo humano perde calor através de vários processos que podem ser classificados da seguinte maneira:

Eliminação - fezes, urina, saliva, respiração.

Evaporação - a evaporação pela pele (perda passiva) associada à eliminação permitirá a perda de calor em elevadas temperaturas.

Condução - é a troca de calor entre o sangue e o ambiente. Quanto maior é a quantidade de sangue que circula sob a pele maior é a troca de calor com o meio. O aumento da circulação explica o avermelhamento da pele (hipermia) quando estamos com febre.

Verificação da Temperatura

Oral ou bucal - Temperatura média varia de 36,2 a 37ºC. O

termômetro deve ficar por cerca de três minutos, sob a língua, com o paciente sentado, semi-sentado (reclinado) ou deitado.

18

Capítulo I Geral

Não se verifica a temperatura de vítimas inconscientes, crianças depois de ingerirem líquidos (frios ou quentes) após a extração dentária ou inflamação na cavidade oral.

Axilar - Temperatura média varia de 36 a 36,8ºC. A via axilar é a mais sujeita a fatores externos. O termômetro deve ser mantido sob a axila seca, por 3 a 5 minutos, com o acidentado sentada, semi-sentada (reclinada) ou deitada.

Não se verifica temperatura em vítimas de queimaduras no tórax, processos inflamatórios na axila ou fratura dos membros superiores.

Retal - Temperatura média varia de 36,4 a 37,ºC. O termômetro deverá ser lavado, seco e lubrificado com vaselina e mantido dentro do reto por 3

minutos com o acidentado em decúbito lateral, com a flexão de um membro inferior sobre o outro.

Não se verifica a temperatura retal em vítimas que tenham tido intervenção cirúrgica no reto, com abscesso retal ou perineorrafia.

A verificação da temperatura retal é a mais precisa, pois é a que menos sofre influência de fatores externos.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

O acidentado com febre, muito alta e prolongada, pode ter lesão cerebral irreversível. A temperatura corporal abaixo do normal pode acontecer após depressão de função circulatória ou choque.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Febre

A febre é a elevação da temperatura do corpo acima da média normal. Ela ocorre quando a produção de calor do corpo excede a perda.

Tumores, infecções, acidentes vasculares ou traumatismos podem afetar diretamente o hipotálamo e com isso perturbar o mecanismo de regulagem de calor do corpo. Portanto, a febre deve ser vista também como um sinal que o organismo emite. Um sinal de defesa.

Devemos lembrar que pessoas imunodeprimidas podem ter infecções graves e não apresentarem febre.

A vítima de febre apresenta a seguinte sintomatologia:

· Inapetência (perda de apetite)

· Mal estar

· Pulso rápido

· Sudorese

· Temperatura acima de 40 graus Celsius

· Respiração rápida

19

Manual de Primeiros Socorros

· Hiperemia da pele

· Calafrios

· Cefaléia (dor de cabeça)

Primeiros Socorros para Febre

Aplicar compressas úmidas na testa, cabeça, pescoço, axilas e virilhas (que são as áreas por onde passam os grandes vasos sanguíneos).

Quando o acidentado for um adulto, submetê-la a um banho frio ou cobri-la com coberta fria. Podem ser usadas compressas frias aplicadas sobre grandes estruturas vasculares superficiais quando a temperatura corporal está muito elevada.

O tratamento básico da febre deve ser dirigido para as suas causas, mas em primeiros socorros isto não é possível, pois o leigo deverá preocupar-se em atender os sintomas de febre e suas complicações. Drogas antipiréticas como aspirina, dipirona e acetaminofen são muito eficientes na redução da febre que ocorre devido a afecções no centro termorregulador do hipotálamo, porém só devem ser usadas após o diagnóstico.

Devemos salientar que os primeiros socorros em casos febris só devem ser feitos em temperaturas muito altas (acima de 400C), por dois motivos já vistos:

a febre é defesa orgânica (é o organismo se defendendo de alguma causa) e

o tratamento da febre deve ser de suas causas.

Pulso

O pulso é a onda de distensão de uma artéria transmitida pela pressão que o coração exerce sobre o sangue. Esta onda é perceptível pela palpação de uma artéria e se repete com regularidade, segundo as batidas do coração.

Existe uma relação direta entre a temperatura do corpo e a freqüência do pulso. Em geral, exceto em algumas febres, para cada grau de aumento de temperatura existe um aumento no número de pulsações por minuto (cerca de 10 pulsações).

O pulso pode ser apresentado variando de acordo com sua freqüência, regularidade, tensão e volume.

a) Regularidade (alteração de ritmo)

Pulso rítmico: normal

Pulso arrítmico: anormal

b) Tensão

20

Capítulo I Geral

c) Freqüência - Existe uma variação média de acordo com a idade como pode ser visto no Quadro II abaixo.

Pulso norm l

a

i

a

F xa e r

á

t ia

0

7

-

0

6

bpm

Homens d

a ul o

t s

0

8

-

0

7

bpm

u

M lheres d

a ul s

a

t

0

9

-

0

8

bpm

Cri n

a

s

a

ç

i

c

a ma de 7 n

a os

0

2

1

-

0

8

bpm

Cri n

a

s

a

ç de 1 a 7 n

a os

0

3

1

-

0

1

1

bpm

Cri n

a

s

a

ç

b

a i

a xo de um n

a o

0

6

1

-

0

3

1

bpm

e

R é

c m n

- s

a i

c dos

Quadro II - Variação da freqüência

d) Volume - Pulso cheio: normal

Pulso filiforme (fraco): anormal

A alteração na freqüência do pulso denuncia alteração na quantidade de fluxo sanguíneo.

As causas fisiológicas que aumentam os batimentos do pulso são: digestão, exercícios físicos, banho frio, estado de excitação emocional e qualquer estado de reatividade do organismo.

No desmaio / síncope as pulsações diminuem.

Através do pulso ou das pulsações do sangue dentro do corpo, é possível avaliar se a circulação e o funcionamento do coração estão normais ou não. Pode-se sentir o pulso com facilidade:

· Procurar acomodar o braço do acidentado em posição relaxada.

· Usar o dedo indicador, médio e anular sobre a artéria escolhida para sentir o pulso, fazendo uma leve pressão sobre qualquer um dos pontos onde se pode verificar mais facilmente o pulso de uma pessoa.

· Não usar o polegar para não correr o risco de sentir suas próprias pulsações.

· Contar no relógio as pulsações num período de 60 segundos. Neste período deve-se procurar observar a regularidade, a tensão, o volume e a freqüência do pulso.

Existem no corpo vários locais onde se podem sentir os pulsos da corrente sanguínea.

21

index-23_1.png

index-23_2.png

Manual de Primeiros Socorros

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Recomenda-se não fazer pressão forte sobre a artéria, pois isto pode impedir que se percebam os batimentos.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

O pulso radial pode ser sentido na parte da frente do punho. Usar as pontas de 2 a 3 dedos levemente sobre o pulso da pessoa do lado correspondente ao polegar, conforme a figura abaixo.

Figura 1- Pulso radial e carotídeo

O pulso carotídeo é o pulso sentido na artéria carótida que se localiza de cada lado do pescoço. Posicionam-se os dedos sem pressionar muito para não comprimir a artéria e impedir a percepção do pulso (Figura 1).

Do ponto de vista prático, a artéria radial e carótida são mais fáceis para a localização do pulso, mas há outros pontos que não devem ser descartados. Conforme a Figura 2.

22

index-24_1.png

Capítulo I Geral

Figura 2 - Local de localização de pulso 23

Manual de Primeiros Socorros

Respiração

A respiração é uma das funções essenciais à vida. É através dela que o corpo promove permanentemente o suprimento de oxigênio necessário ao organismo, vital para a manutenção da vida.

A respiração é comandada pelo Sistema Nervoso Central. Seu funcionamento processa-se de maneira involuntária e automática. É a respiração que permite a ventilação e a oxigenação do organismo e isto só ocorre através das vias aéreas desimpedidas.

A observação e identificação do estado da respiração de um acidentado de qualquer tipo de afecção é conduta básica no atendimento de primeiros socorros. Muitas doenças, problemas clínicos e acidentes de maior ou menor proporção alteram parcialmente ou completamente o processo respiratório. Fatores diversos como secreções, vômito, corpo estranho, edema e até mesmo a própria língua podem ocasionar a obstrução das vias aéreas. A obstrução produz asfixia que, se prolongada, resulta em parada cardío-respiratória.

O processo respiratório manifesta-se fisicamente através dos movimentos ritmados de inspiração e expiração. Na inspiração existe a contração dos músculos que participam do processo respiratório, e na expiração estes músculos relaxam-se espontaneamente. Quimicamente existe uma troca de gazes entre os meios externos e internos do corpo. O

organismo recebe oxigênio atmosférico e elimina dióxido de carbono. Esta troca é a hematose, que é a transformação, no pulmão, do sangue venoso em sangue arterial.

Deve-se saber identificar se a pessoa está respirando e como está respirando. A respiração pode ser basicamente classificada por tipo e freqüência. O Quadro III apresenta a classificação da respiração quanto ao tipo. A freqüência da respiração é contada pela quantidade de vezes que uma pessoa realiza os movimentos combinados de inspiração e expiração em um minuto. Para se verificar a freqüência da respiração, conta-se o número de vezes que uma pessoa realiza os movimentos respiratórios: 01

inspiração + 01 expiração = 01 movimento respiratório.

A contagem pode ser feita observando-se a elevação do tórax se o acidentado for mulher ou do abdome se for homem ou criança. Pode ser feita ainda contando-se as saídas de ar quente pelas narinas.

A freqüência média por minuto dos movimentos respiratórios varia com a idade se levarmos em consideração uma pessoa em estado normal de saúde. Por exemplo: um adulto possui um valor médio respiratório de 14 - 20 respirações por minuto (no homem), 16 - 22 respirações por minuto (na mulher), enquanto uma criança nos primeiros meses de vida 40 - 50 respirações por minuto.

24

Capítulo I Geral

Tipos de respir

o

ã

ç

a

Eupnéia

e

R spir

o

ã

ç

a

que se pro e

c ssa por mo i

v men o

t s

regul r

a es, sem di if u

c ld d

a es, na r

f eqüên i

c a média

Apnéia

É a u

a sên i

c a dos mo i

v men o

t s respir ó

t

a rios. Equi l

a

v e

a p r

a d

a a respir ó

t

a ri .

a

Dispnéia

Di if u

c ld d

a e na exe u

c

o

ã

ç

dos mo i

v men o

t s

respir ó

t

a rios.

Br d

a ipnéia

Diminui o

ã

ç

na r

f eqüên i

c a média dos mo i

v men o

t s

respir ó

t

a rios.

q

a

T uipnéia

A e

c ler

o

ã

ç

a

dos mo i

v men o

t s respir ó

t

a rios.

Or o

t pnéia

O

i

c

a den d

a

t o só respira sen d

a

t o

Hiperpnéia ou É qu n

a do o o

c rre o u

a men o

t da r

f eqüên i

c a e da

Hiper e

v n itl

o

ã

ç

a

pro u

f ndid d

a e dos mo i

v men o

t s respir ó

t

a rios.

Quadro III - Tipos de respiração

Fatores fisiopatológicos podem alterar a necessidade de oxigênio ou a concentração de gás carbônico no sangue. Isto contribui para a diminuição ou o aumento da freqüência dos movimentos respiratórios. A nível fisiológico os exercícios físicos, as emoções fortes e banhos frios tendem a aumentar a freqüência respiratória. Em contra partida o banho quente e o sono a diminuem.

Algumas doenças cardíacas e nervosas e o coma diabético aumentam a freqüência respiratória. Como exemplo de fatores patológicos que diminuem a freqüência respiratória podemos citar o uso de drogas depressoras.

Os procedimentos a serem observados e os primeiros socorros em casos de parada respiratória serão estudados a frente.

Pressão Arterial

A pressão arterial é a pressão do sangue, que depende da força de contração do coração, do grau de distensibilidade do sistema arterial, da quantidade de sangue e sua viscosidade.

Embora não seja recomendável a instrução a leigos da medição da pressão arterial com o aparelho, para não induzir a diagnósticos não autorizados após a leitura, julgamos necessário descrever de maneira sucinta as características da pressão arterial e a sua verificação.

25

Manual de Primeiros Socorros

No adulto normal a pressão arterial varia da seguinte forma:

· Pressão arterial máxima ou sistólica - de 100 a 140 mm Hg (milímetros de mercúrio).

· Pressão arterial mínima ou diastólica - de 60 a 90 mm Hg.

A pressão varia com a idade, por exemplo: uma pessoa com a idade entre 17 a 40 anos apresenta a pressão de 140 x 90, já entre 41 a 60 anos apresenta pressão, de 150 x 90 mm de Hg.

A pessoa com pressão arterial alta sofre de hipertensão e apresenta, dentro de certos critérios de medição, pressão arterial mínima acima de 95 mm Hg e pressão arterial máxima acima de 160 mm Hg. A pressão muito baixa (hipotensão) é aquela em que a pressão máxima chega a baixar até a 80 mm Hg.

No Quadro IV apresentamos exemplos de condições que alteram a pressão arterial:

Diminui a press o

ã

Aumen a

t a press o

ã

e

M ns r

t u

o

ã

ç

a

Diges o

ã

t

Ges

o

ã

ç

a

t

Ex i

c

o

ã

ç

a

t

emo i

c on l

a

o

S no / e

R pouso

Con u

v lsões

Hipo i

t reoidismo

Hiper i

t reoidismo

Hemorr g

a ia gr e

v

a

Ar e

t rios l

c erose

Anemia gr e

v

a

Quadro IV - Condições que levam à alteração na pressão arterial

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

É importante perguntar à vítima sua pressão arterial e passar essa informação ao profissional que for prestar o socorro especializado.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Uma pessoa com hipertensão deverá ser mantida com a cabeça elevada; deve ser acalmada; reduzir a ingestão de líquidos e sal e ficar sob observação permanente até a chegada do médico. No caso do hipotenso, deve-se promover a ingestão de líquidos com pitadas de sal, deitá-lo e chamar um médico.

26

Capítulo I Geral

Medição da pressão arterial

Posição da pessoa: Sentada, semi-sentada (reclinada) ou deitada (esta é a melhor posição):

Material: Esfigmomanômetro e estetoscópio Técnica:

a) Tranqüilizar a pessoa informando-a sobre a medição de pressão.

b) Braço apoiado ao mesmo nível do coração para facilitar a localização da artéria braquial.

c) Colocar o manguito ao redor do braço, a cerca de 4 dedos da dobra do cotovelo. Prender o manguito.

d) Fechar a saída de ar e insuflar até que o ponteiro atinja a marca de 200 mm Hg. Pode ser necessário ir mais alto.

e) Posicionar o na artéria umeral, abaixo do manguito e ouvir se há batimentos.

f) Abrir a saída de ar lentamente e ouvir os batimentos regulares g) Anotar a pressão indicada pelo ponteiro que será a Pressão Arterial Máxima.

h) A pressão do manguito vai baixando e o som dos batimentos muda de nítido desaparecendo. Neste ponto deve-se anotar a Pressão Arterial Mínima. Às vezes o ponto de Pressão Mínima coincide com o desaparecimento do som dos batimentos.

Sinais de Apoio

Além dos sinais vitais do funcionamento do corpo humano, existem outros que devem ser observados para obtenção de mais informações sobre o estado de saúde de uma pessoa. São os sinais de apoio; sinais que o corpo emite em função do estado de funcionamento dos órgãos vitais.

Os sinais de apoio podem ser alterados em casos de hemorragia, parada cardíaca ou uma forte batida na cabeça, por exemplo. Os sinais de apoio tornam-se cada vez mais evidentes com o agravamento do estado do acidentado. Os principais sinais de apoio são:

· Dilatação e reatividade das pupilas

· Cor e umidade da pele

· Estado de consciência

· Motilidade e sensibilidade do corpo

Dilatação e Reatividade das Pupilas

A pupila é uma abertura no centro da íris - a parte colorida do olho

- e sua função principal é controlar a entrada de luz no olho para a formação das imagens que vemos. A pupila exposta à luz se contrai. Quando há 27

Manual de Primeiros Socorros

pouca ou quase nenhuma luz a pupila se dilata, fica aberta. Quando a pupila está totalmente dilatada, é sinal de que o cérebro não está recebendo oxigênio, exceto no uso de colírios midriáticos ou certos envenenamentos.

A dilatação e reatividade das pupilas são um sinal de apoio importante.

Muitas alterações do organismo provocam reações nas pupilas (Quadro V). Certas condições de "stress", tensão, medo e estados de pré-choque também provocam consideráveis alterações nas pupilas.

Devemos observar as pupilas de uma pessoa contra a luz de uma fonte lateral, de preferência com o ambiente escurecido. Se não for possível deve-se olhar as pupilas contra a luz ambiente.

Al e

t r

e

t

õ

ç

a es

e que pro o

v

m

a

c

dil

o

ã

ç

a

t

a

ou o

c n e

c n

e

c

r

t

o

ã

ç

a

d s

a pupil s

a

r

t

S ess

Iminên i

c a de es d

a

t o de h

c oque

r

a

P

d

a a r

a

c dí a

c

a

In o

t xi

o

ã

ç

a

c

Abuso de drog s

a

Colírios midri it

á o

c s ou mió it o

c s

r

T u

a m it

a smo r

c n

â eo e

- n e

c

l

á

f i o

c

Quadro V - Alterações orgânicas que provocam reações nas pupilas Cor e Umidade da Pele

A cor e a umidade da pele são também sinais de apoio muito útil no reconhecimento do estado geral de um acidentado. Uma pessoa pode apresentar a pele pálida, cianosada ou hiperemiada (avermelhada e quente).

A cor e a umidade da pele devem ser observadas na face e nas extremidades dos membros, onde as alterações se manifestam primeiro (Quadro VI). A pele pode também ficar úmida e pegajosa. Pode-se observar estas alterações melhor no antebraço e na barriga.

Cor e Umid d

a e da e

P l

e

P e

Al e

t r

o

ã

ç

a

O o

c rrên ica

Ci n

a ose (pele u

z

a l d

a )

a

Exposi o

ã

ç

o

a r

f io, p r

a d

a a r

a

c dio r

- espir ó

t

a ri ,

a es d

a

t o de h

c oque, mor e

t .

l

a

P idez

Hemorr g

a i ,

a p r

a d

a a r

a

c dio r

- espir ó

t

a ri ,

a exposi o

ã

ç

o

a r

f io, ex r

t ema e

t ns o

ã

emo i

c on l

a , es d

a

t o de h

c oque.

Hiperemia (pele