Máximas, Pensamentos e Reflexões por Marquês de Maricá - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

1

MINISTÉRIO DA CULTURA

Fundação Biblioteca Nacional

Departamento Nacional do Livro

MÁXIMAS, PENSAMENTOS E REFLEXÕES

Marquês de Maricá

1- Uns homens sobem por leves como os vapores e gazes, outros como os projetis pela força do

engenho e dos talentos.

2- A beneficência é sempre feliz e oportuna quando a prudência a dirige e recomenda.

3- O pródigo pode ser lastimado, mas o avarento é quase sempre aborrecido.

4- O interesse explica os fenômenos mais difíceis e complicados da vida social.

5- Os maldizentes, como os mentirosos, acabam por não merecerem crédito ainda mesmo dizendo

verdades.

6- Há muitos homens que se queixam da ingratidão humana para se inculcarem benfeitores

infelizes ou se dispensarem de ser benfazentes e caridosos

7- Ninguém considera a sua ventura superior ao seu mérito, mas todos se queixam das injustiças dos homens e da fortuna.

8- Os elogios de maior crédito são os que os nossos próprios inimigos nos tributam.

9- A modéstia doura os talentos, a vaidade os deslustra.

10- Os abusos, como os dentes, nunca se arrancam sem dores.

11- Os insignificantes são como os mascarados, audazes por desconhecidos.

12- É tal a incapacidade pessoal de alguns homens, que a fortuna, empenhada em sublimá-los,

não pode conseguir o seu propósito.

13- Os soberbos são ordinariamente ingratos; consideram os benefícios como tributos que se lhes devem.

14- O nosso amor-próprio é tão exagerado nas suas pretensões, que não admira se quase sempre

se acha frustrado nas suas esperanças.

2

15- Não é menos funesto aos homens um superlativo engenho, do que às mulheres uma

extraordinária beleza: a mediocridade em tudo é uma garantia e penhor de segurança e

tranqüilidade.

16- A intemperança da língua não é menos funesta para os homens que a da gula.

17- Mudamos de paixões, mas não vivemos sem elas,

18- Nobre e ilustrada é a ambição que tem por objeto a sabedoria e a virtude.

19- Quando o povo não acredita na probidade, a imoralidade é geral.

20-A maledicência é uma ocupação e lenitivo para os descontentes.

21- A velhice reflexiva é um grande armazém de desenganos.

22- Sem as ilusões da nossa imaginação, o capital da felicidade humana seria muito diminuto e limitado.

23- O remorso é no moral o que a dor é no físico da nossa individualidade: advertência de

desordens que se devem reparar.

24-É nas grandes assembléias deliberantes que melhor se conhece a disparidade das opiniões dos homens, e o jogo das paixões e interesses individuais.

25- Duas coisas se não perdoam entre os partidos políticos: a neutralidade e a apostasia.

26- Como o espaço compreende todos os corpos, a ambição abrange todas as paixões.

27- O homem que freqüentes vezes se inculca por honrado e probo, dá justos motivos de

suspeitar-se que não é tal ou tanto como se recomenda.

28- O direito mais legítimo para governar os homens é o de ser mais inteligente que os

governados

29- Os vícios nos velhos são inimigos acastelados que a morte pode somente expugnar.

30- O moço devasso pode emendar-se, o velho vicioso é incorrigível.

31- A mocidade viciosa faz provisão de achaques para a velhice.

32- Esperdiçamos o tempo, queixando-nos sempre de que a vida é breve.

33- As desgraças que vigoram os homens probos e virtuosos, enervam e desalentam os maus e

viciosos.

3

34- Há crimes felizes que são reputados heróicos e gloriosos.

35- Um século censura o outro século, como em nossa vida uma idade condena a outra idade.

36- A vitória de uma facção política é ordinariamente o princípio da sua decadência pelos abusos que a acompanham.

37- Os tufões levantam aos ares os corpos leves e insignificantes, e prostram em terra os graves e volumosos: as revoluções políticas produzem algumas vezes os mesmos efeitos.

38- É bem singular que os moços sejam pródigos podendo esperar uma vida longa, e que os

velhos sejam avarentos estando ameaçados de uma morte próxima ou iminente.

39- Dói mais ao nosso amor-próprio sermos desprezados, que aborrecidos.

40- Os sábios respeitados por seus escritos são algumas vezes desprezíveis por suas ações.

41- Os velhos erram muitas vezes por demasiadamente prudentes, os moços quase sempre por

temerários.

42- Os homens mais respeitados não são sempre os mais respeitáveis.

43- Os homens de extraordinários talentos são ordinariamente os de menor juízo.

44- Nas revoluções políticas os povos ordinariamente mudam de senhores sem mudarem de

condição.

45- A fortuna cega faz também cegos e surdos aos seus validos.

46- O homem que cala e ouve não dissipa o que sabe, e aprende o que ignora.

47- O fraco ofendido desabafa maldizendo.

48- Os velhos ruminam o pretérito, os moços antecipam e devoram o futuro.

49- Há empregos em que é mais fácil ser homem de bem, que parecê-lo ou fazê-lo crer.

50- Os crimes fecundam as revoluções, e lhes dão posteridade.

51- Há homens que parecem grandes no horizonte da vida privada, e pequenos no meridiano da

vida pública.

52- Na fermentação dos povos, como na dos líquidos, as escumas e impurezas sobrenadam e

ficam de cima, por mais ou menos tempo, até que descem ou se evaporam.

53- A opinião que domina é sempre intolerante, ainda quando se recomenda por muito liberal.

4

54- É muito rico aquele homem que possui um grande capital de desenganos e verdades.

55- Os grandes, os ricos e os sábios sorriem-se: os pequenos, os pobres e os néscios dão

gargalhadas.

56- Os fracos arengam, quando os fortes obram e dominam.

57-A reforma das Constituições agrada a muitos, a própria desagrada a todos.

58- A morte que desordena muitas coisas, coordena muitas outras.

59- É muito difícil, e em certas circunstâncias quase impossível, sustentar na vida pública o crédito e conceito que merecemos na vida privada.

60- Os mais arrojados em falar são ordinariamente os menos profundos em saber.

61- O Pai de família é sensível em muitas pessoas: sofre e goza simultaneamente em muitas

existências e individualidades.

62- Os que mais blasonam de honra e probidade, são como os poltrões que se inculcam de

valentes.

63- Os homens não sabem avaliar-se exatamente: cada um é melhor ou pior do que os outros o

consideram.

64- O silêncio é o melhor salvo conduto da mais crassa ignorância como da sabedoria mais

profunda.

65- A Filosofia, quando não extingue, dilui o patriotismo.

66- A virtude resistindo se reforça.

67- O luxo, como o fogo, devora tudo e perece de faminto.

68- As nossas necessidades nos unem, mas as nossas opiniões nos separam.

69- O interesse bem entendido é raro, o mal entendido vulgaríssimo.

70- Os benefícios mal empregados se convertem em malefícios.

71- Há muitas ocasiões na vida em que invejamos a irracionalidade dos outros animais.

72- No trato da vida humana é mais importante a parcimônia nas palavras que no dinheiro.

73- Os bens que a virtude não dá ou não preserva são de pouca duração.

74- Desprezos há, e de pessoas tais, que honram muito os desprezados.

5

75- O órgão de que mais abusamos na mocidade é ordinariamente a sede dos nossos males na

velhice.

76- A virtude é comunicável, mas o vício contagioso.

77- O mundo é um mago que nos traz encantados: o desencanto nos fizera talvez menos felizes

ou mais desgraçados.

78- Não podemos fitar os olhos no sol, nem o pensamento em Deus, sem que fiquem

deslumbrados.

79- Para bem falar, não é o saber que falta a muitas pessoas, mas a proterva e a filáucia da

ignorância.

80- Devemos tratar os homens com a mesma cautela, resguardo e desconfiança, de que usamos

em colher as rosas.

81- A nossa vida é quase toda um sonho, e sonhamos acordados mais vezes do que dormindo.

82- É mais útil algumas vezes a extirpação de um erro, que a descoberta de muitas verdades.

83- Dão-se os conselhos com melhor vontade do que geralmente se aceitam.

84- Ter privança com os que governam é contrair responsabilidade no mal que fazem, sem

partilhar o louvor do bem que operam.

85- É necessário subir muito alto para bem descortinar as ilusões e angústias da ambição, poder e soberania.

86- A lisonja é o mel que adoça todos os incômodos, azedumes e importunidades dos empregos

eminentes.

87- Muito lucram as nações em que os homens se esqueçam de que são mortais, e que a vida é

breve.

88- Os anarquistas são como os jogadores infelizes ou inábeis, que, baralhando muito as cartas, ou mudando de baralhos, esperam melhorar de fortuna e condição.

89- Confiar desconfiando é uma regra muito salutar da prudência humana.

90-O homem mais sábio é necessariamente o mais religioso.

91- A ambição sujeita os homens a maior servilismo do que a fome e a pobreza.

6

92- Não haveria História mais insípida e insignificante que a dos homens, se todos tivessem

juízo.

93- Quem não pode ou não sabe acumular, nunca chega a ser sábio nem rico.

94- O estudo confere ciência, mas a meditação, originalidade.

95- Os tiranos são criaturas dos mesmos povos, quando estes os merecem.

96- Há pessoas que não podem elevar-se a lugares eminentes sem entontecer ou desatinar.

97- A moderação em muitos homens é o reconhecimento da própria fraqueza ou mediocridade.

98- Há muitos homens que para escaparem de si mesmos, importunam os outros com visitas.

99- As revoluções políticas são ordinariamente como os terremotos, destroem mas não edificam.

100- A civilização moderna é devida mais à derrubada de erros antigos acumulados, que à

descoberta de verdades novas.

101- Os arrufos entre amantes podem ser renovações de amor, mas entre os amigos são

deteriorações da amizade.

102- Não prezaríamos tanto o crédito moral, se não soubéssemos que facilita muito a aquisição dos bens materiais.

103- Os governos fracos fazem fortes os ambiciosos e insurgentes.

104- Ninguém é mais adulado que os tiranos: o medo faz mais lisonjeiros que o amor.

105- Amamo-nos sempre em tudo o que mais amamos fora de nós.

106- A inveja defende e promove a doutrina dos niveladores.

107- Fingimo-nos esquecidos quando nos não convém parecer lembrados.

108- As idéias novas são para muita gente como as frutas verdes que travam na boca.

109- Há opiniões perseguidas que se podem comparar com as árvores decotadas que vegetam

depois com mais vigor e profusão.

110- A atividade sem juízo é mais ruinosa que a preguiça.

111- A vaidade de muita ciência é prova de pouco saber.

112- A Religião supre o juízo e a razão que falta em muita gente.

7

113- Os espíritos metódicos são ordinariamente os menos sublimes e transcendentes.

114- A aura popular é como a fumaça, que desaparece em poucos instantes.

115- O maior benefício ocasiona de ordinário a maior ingratidão.

116- Os bons folgam quando os maus pelejam.

117- O interesse forma as amizades, o interesse as dissolve.

118- A ambição é um enredo que nos enreda por toda a vida.

119- Ninguém duvida tanto como aquele que mais sabe.

120- O desejo da glória literária é de todas as ambições a mais inocente, sem ser todavia a menos laboriosa.

121- Os eventos extraordinários não deixam de ser naturais, assim como um feto monstruoso não deixa de ser produto da natureza.

122- A bravura é taciturna, mas a covardia garrulenta.

123- Quando os moços se consideram com mais juízo e de melhor conselho que os velhos, tudo

vai perdido, os males não têm remédio.

124- A companhia dos livros dispensa com grande vantagem a dos homens.

125- Renhimos quase sempre porque não definimos.

126- São infinitos os erros que têm resultado aos homens de haverem personalizado as suas

próprias abstrações.

127- O que mais sabe, menos sofre: a Sabedoria Infinita é impassível.

128- A falsa ciência não aumenta o nosso saber, agrava a nossa ignorância.

129- Há tolos velhacos assim como há doidos sagazes.

130- O erro máximo dos filósofos foi pretender sempre que os povos filosofassem.

131- A fraqueza é menos indulgente que a força: as mulheres são mais vingativas que os homens.

132- Os tolos passam muitas vezes por acesso a velhacos, e procuram neste predicamento

indenizar-se com usura das perdas que sofreram no primeiro estado.

133- O homem que despreza a opinião pública é muito tolo ou muito sábio.

8

134- Os erros circulam entre os homens como as moedas de cobre, as verdades como os dobrões

de ouro.

135- É bem singular o império que têm os velhacos sobre os tolos; o seu ascendente irresistível é comparável à fascinação das serpentes para com os animais que lhes servem de alimento.

136- Prezamos e avaliamos a vida muito mais no seu extremo que no seu começo.

137- Ninguém mente tanto nem mais do que a História.

138- O velho calcula muito, executa pouco: a mocidade é mais executiva que deliberativa.

139- A liberdade que nunca é suficiente para os maus é sempre sobeja para os bons.

140- A liberdade embriaga como o vinho, e nos impele a iguais desatinos.

141- Os grandes homens em certas relações são pequenos homens em outras.

142- Os pequenos inimigos, ainda que menos danosos, são sempre mais incômodos que os

grandes.

143- Ninguém é grande homem em tudo e em todo o tempo.

144- Há muitos homens que se aborrecem, porque se não conhecem imediatamente.

145- A prudência é uma arma defensiva que supre ou desarma todas as outras.

146- As revoluções no físico, moral e político não são mais que tendências, movimentos ou

esforços naturais, para o estabelecimento de um certo equilíbrio indispensável.

147- Há muita gente que, assim como o eco, repete as palavras sem lhes compreender o sentido.

148- Dos especuladores em revoluções muitos se perdem e poucos prosperam por algum tempo.

149- É uma grande verdade de difícil compreensão, que as discórdias parciais constituem a ordem e harmonia geral no Mundo Físico e Moral.

150- Não desespereis na desgraça, ela é freqüentes vezes uma transição necessária para a boa

fortuna.

151- Ignorância e pobreza vêm de graça, não custam trabalho nem despesa.

152- Todos reclamam reformas, mas ninguém se quer reformar.

153- A impunidade é segura, quando a cumplicidade é geral.

9

154- A novidade incomoda os velhos, a uniformidade os moços.

155- Os homens em sociedade são como as pedras em uma abóbada, resistem e se ajudam

simultaneamente.

156- Ignorância e preguiça a ninguém enriquecem.

157-A pobreza e a preguiça andam sempre em companhia.

158- O soberbo é um tolo: perde sempre sem ganhar, malquistando-se com todos.

159- Os vícios, como os cancros, têm a qualidade de corrosivos.

160- A liberdade de mal fazer, a ninguém se deve permitir, a de fazer bem sobeja a todos.

161- A misantropia é a sátira da espécie humana.

162- Os moços, por falta de experiência, de nada suspeitam, os velhos, por muito

experimentados, de tudo desconfiam.

163- O mais poderoso corretivo da nímia liberdade é a Religião profundamente sentida e

observada.

164- A opinião pública é sujeita à moda, e tem ordinariamente a mesma consistência e duração

que as modas.

165- Um filósofo eminente é na ordem social o mesmo que um cometa no sistema sidéreo ou

planetário, um astro excêntrico, de uma órbita incalculável, que assusta a muitos ou a todos por não ser ainda compreendido.

166- Para quem não tem juízo os maiores bens da vida se convertem em gravíssimos males.

167- A constância nas nossas opiniões seria geralmente embaraço e oposição ao progresso e

melhoramento da nossa inteligência.

168- O entusiasmo é um gênero de loucura que conduz algumas vezes ao heroísmo, e muitas

outras a grandes crimes e malfeitorias.

169- Os homens, por não desagradar aos maus de quem se temem, abandonam muitas vezes os

bons, a quem respeitam.

170- Os governos perecem quando não sabem ou não podem desagravar-se das injúrias irrogadas.

171- É suspeito de ilegítimo o interesse quando a consciência o reprova.

10

172- Há muita gente que procura apadrinhar com a opinião pública as suas opiniões e disparates pessoais.

173- Nada se perde ou se inutiliza neste mundo, nem os excrementos dos animais, nem os erros e disparates dos homens.

174- A experiência tem mostrado suficientemente que os maiores censores dos empregados

públicos não são os seus melhores substitutos.

175- Os povos têm, como os reis, seus parasitas e aduladores não menos abjetos, impudentes e

interesseiros.

176- Unir para desunir, fazer para desfazer, edificar para demolir, viver para morrer, eis aqui a sorte e condição de natureza humana.

177- Na ordem moral está consignada aos maus a tarefa de se castigarem entre si e de vingarem os bons.

178- Na subversão dos tronos não sofrem menos as cabanas que os palácios.

179- A ignorância que devera ser acanhada, conhecendo-se, é audaz e temerária por que se não

conhece.

180- Os maus não nos levam em conta a nossa bondade e indulgência, reputam-na fraqueza, e

tiram o argumento para multiplicar as suas malfeitorias.

181- A Religião é necessária ao homem feliz para não abusar, ao infeliz para não desesperar.

182- O amor-próprio do tolo, quando se exalta, é sempre o mais escandaloso.

183- A exageração é uma mentira de que não escapam ainda as pessoas mais verídicas e

honradas.

184- É fácil avaliar o juízo ou a capacidade de qualquer homem, quando se sabe o que ele mais ambiciona.

185- A preguiça dificulta, a atividade tudo facilita.

186- O orgulho é próprio dos homens, a vaidade das mulheres.

187- Não se pode formar bom conceito de quem não tem boa opinião de pessoa alguma.

188- O orgulho pode parecer algumas vezes nobre e respeitável, a vaidade é sempre vulgar e

desprezível.

189- No orçamento do juízo humano acha-se sempre um déficit extraordinário e insanável.

11

190- A imaginação é o paraíso dos afortunados, e o inferno dos desgraçados.

191- A modéstia é a moldura do merecimento que o guarnece e realça.

192- Ninguém se agasta tanto do desprezo como aqueles que mais o merecem.

193- Não é dado ao saber humano conhecer toda a extensão da sua ignorância.

194- O que se qualifica em alguns homens como firmeza de caráter não é ordinariamente senão

emperramento de opinião, incapacidade de progresso, ou imutabilidade da ignorância.

195- O espírito de intriga inculca demérito nos intrigantes.

196- Em certas circunstâncias o silêncio de poucos é culpa ou delito de muitos.

197- A vingança do sábio desatendido ou maltratado é o silêncio.

198- A crença nos médicos, que falta aos sãos, sobeja sempre nos doentes.

199- Os médicos acusam a natureza, os enfermos aos médicos.

200- É necessário que nos habilitemos, para ser felizes: a felicidade sensual exige poucas

habilitações; mas a moral, intelectual e religiosa, reclama um prolongado tirocínio de saber, experiência e virtudes.

201- Podemos reunir todas as virtudes, mas não acumular todos os vícios.

202- É grande escândalo da natureza um velho namorado e libertino.

203- Em vão procuramos a verdadeira felicidade fora de nós, se não possuímos a sua fonte dentro de nós mesmos.

204- Queremos tudo, porque nos cremos dignos e capazes de tudo. Tal é a filáucia do nosso

amor-próprio!

205- Muita ciência ocasiona muita incerteza.

206- A virtude é uma guerra perene conosco por amor de nós.

207- Falsas doutrinas e maus exemplos depravam os homens e as nações.

208- A riqueza dos tolos é o patrimônio dos velhacos.

209- A maior vantagem da riqueza é fornecer materiais para a beneficência.

12

210- Quando a cólera ou o amor nos visita a razão se despede.

211- O louvor agrada por que distingue.

212- Os pobres se divertem com pouco dinheiro, os ricos se enojam com muita despesa.

213- É tão fácil enganar, quanto é difícil desenganar os homens.

214- O nascimento desiguala, mas a morte iguala a todos.

215- Nunca os louvores que damos são gratuitos; sempre temos em vista alguma retribuição por

este sacrifício do nosso amor-próprio.

216- A avareza ajunta quando a prodigalidade espalha.

217- São sempre suspeitos os louvores dados à pobreza pelos ricos, ou pelos pobres.

218- Ninguém nos aconselha tão mal como a nosso amor-próprio, nem tão bem como à nossa

consciência.

219- Raras vezes nos enganamos quando referimos as palavras e ações dos homens aos seus

interesses individuais.

220- A pobreza não tem bagagem, por isso marcha livre e escoteira na viagem da vida humana.

221- A credulidade e confiança de muitos tolos faz o triunfo de poucos velhacos.

222- Somos muitos francos em confessar e condenar os nossos pequenos defeitos, contanto que

possamos salvar e deixar passar sem reparo os mais graves e menos defensáveis.

223- Há enganos que nos deleitam, como desenganos que nos afligem.

224- É mais fácil maldizer dos homens do que instruí-los e melhorá-los.

225- A civilidade é uma convenção tácita entre os homens de se enganarem reciprocamente com

afetada gentileza e benevolência.

226- O invejoso é tirano e verdugo de si próprio: ele sofre porque os outros gozam.

227- A Religião é tão boa companheira na adversidade como excelente conselheira na ventura.

228- Os ingratos pensam minorar ou justificar a sua ingratidão, memorando com freqüência os

vícios e defeitos dos seus benfeitores.

229- Somos muito generosos em oferecer por civilidade o que bem sabemos que por civilidade se não há de aceitar.

13

230- Ninguém despreza tanto os homens e os povos como aqueles que mais os lisonjeiam.

231- Muitas pessoas se prezam de firmes e constantes que não são mais que teimosas e

impertinentes.

232- O poder repartido por muitos não é eficaz em nenhum.

233- As nações têm ordinariamente os governos e governantes que merecem.

234- A nossa consciência desmente muitas vezes os louvores que nos dão.

235- Nenhum governo é bom para os homens maus.

236- Há ignorantes com muito juízo, e doutores sem muito nem pouco.

237- Os achaques da velhice denunciam ordinariamente os vícios da mocidade.

238- Sabei escusar o supérfluo, e não vos faltará o necessário.

239- Sofrei privações na mocidade, e sereis regalados na velhice.

240- Os moços se comprazem no prospecto do futuro, os velhos no retrospecto do passado.

241- É problemático se os homens falam mais vezes para se enganarem ou para se entenderem.

242- Os velhos tornam-se nulos e inúteis à força de prudência e circunspecção.

243- O avarento é o mais leal e fiel depositário dos bens dos seus herdeiros.

244- A única vantagem da ignorância é não custar despesa nem trabalho.

245- Há benefícios conferidos com tal rudeza e grosseria que de algum modo justificam os

beneficiados da sua ingratidão.

246- Os homens geralmente preferem ser enganados com prazer a ser desenganados com dor e

desgosto.

247- As virtudes se harmonizam, os vícios discordam sempre entre si.

248- A morte anula sempre mais planos e projetos do que a vida executa.

249- Em matérias e opiniões políticas os crimes de um tempo são algumas vezes virtudes em

outro.

14

250-O saber é riqueza, mas de qualidade tal que a podemos dissipar e desbaratar sem nunca

empobrecermos.

251- Os homens em geral ganham muito em não serem perfeitamente conhecidos.

252- O trabalho involuntário ou forçado é quase sempre mal concebido e pior executado.

253- Na nossa conta corrente com a natureza raras vezes lhe creditamos os muitos bens de que

gozamos, mas nunca nos esquecemos de debitar-lhe os poucos males que sofremos.

254- A sinceridade é muitas vezes louvada, mas nunca invejada.

255- Os que reclamam para si maior liberdade são os que ordinariamente menos a toleram e

permitem nos outros.

256- Um homem pode saber mais do que muitos, porém nunca tanto como todos.

257- Os maiores velhacos são os que geralmente se inculcam por melhores patriotas.

258- Sucede freqüentes vezes admirarmos de longe o que de perto desprezamos.

259- Com pouco nos divertimos, com muito menos nos afligimos.

260- Aquele que se envergonha ainda não é incorrigível.

261- A mudança rápida da temperatura do ar não é mais funesta à saúde individual do que a das opiniões políticas à tranqüilidade das nações.

262- É muito provável que a posteridade, para quem tantos apelam, tenha tão pouco juízo como

nós e os nossos antepassados.

263- O amor nos velhos é como o fogo no borralho que em cinzas se entretêm.

204- Todos querem liberdade, muitos a possuem, poucos a merecem.

265- Há muitas ocasiões em que a mesma prudência recomenda o aventurar-nos.

266- Uma grande qualidade ou talento desculpa muitos pequenos defeitos.

267- Ordem social é limitação de liberdade; desordem, liberdade ilimitada.

268- A alegria e tristeza são mais intensas e expansivas no homem que em algum outro animal: o seu pranto e riso o manifestam.

269- Quem muito nos festeja, alguma coisa de nós deseja.

270- Um desengano oportuno corresponde a um benefício importante.

15

271- Dói tanto a injúria publicada como a ferida exposta ao ar.

272- O homem de juízo aproveita, o tolo desaproveita a experiência própria.

273- Um grande mérito força o respeito, e afugenta a adulação.

274- Os velhacos têm de ordinário mais talentos, porém menos juízo do que os homens probos.

275- É triste a condição de um velho que só se faz recomendável pela sua longevidade.

276- A esperança descobre recursos, a desesperação os renuncia.

277- Com trabalho, inteligência e economia só é pobre quem não quer ser rico.

278- As caveiras dos mortos desencantam as cabeças dos vivos.

279- A vaidade é talvez um grande condimento da felicidade humana.

280- Queixamo-nos da fortuna para desculpar a nossa preguiça.

281- Os templos provam mais a racionalidade dos homens do que os teatros e palácios.

282- O ignorante se espanta do mesmo que o sábio mais admira.

283- Os erros de uns são lições para outros, estes acertam porque aqueles erraram.

284- Em geral o temor ou medo, e não a virtude, mantêm a ordem entre os homens.

285- Há um mundo intelectual que não ocupa lugar no espaço e compreende o infinito.

286- Se o homem não fosse passível, seria necessariamente imóvel e inativo.

287- A democracia é como a tesoura do jardineiro, que decota para igualar; a mediocridade é o seu elemento.

288- Achar em tudo desordem é prova de supina ignorância; descobrir ordem e sistema em tudo

é demonstração de profundo saber.

289- A paciência em muitos casos não é mais senão medo, preguiça ou impotência.

290- A preguiça enfada e quebranta mais que o trabalho regular.

291- Os que governam preferem o engano que os deleita à verdade que os incomoda.

292- O medo é a arma dos fracos, como a bravura a dos fortes.

16

293- A ignorância, exagerando a nossa pouca ciência, promove a nossa grande vaidade.

294- Bem curta seria a felicidade dos homens se fosse limitada aos prazeres da razão; os da imaginação ocupam os maiores espaços da vida humana.

295- A ignorância vencível no homem é limitada, a invencível infinita.

296- Um ente passível não pode ser independente.

297- As mulheres são mais indulgentes com os defeitos dos homens que com os das pessoas do

seu sexo: a rivalidade é quase sempre parcial nos seus juízos.

298- Os benefícios conferidos levam sempre o ônus da gratidão e reconhecimento.

299- A covardia, aviltando, preserva freqüentes vezes a vida.

300- Inveja-se a riqueza, mas não o trabalho com que ela se granjeia.

301- Há muita gente que tem por oficio arriscar a sua vida para a manter e conservar.

302- A ignorância, lidando muito, aproveita pouco: a inteligência, diminuindo o trabalho,

aumenta o produto e o proveito.

303- As virtudes são econômicas, mas os vícios dispendiosos.

304- A diferença nos sexos produz a sua união.

305- O jogo, assim como o fogo, consome em poucas horas o trabalho de muitos anos.

306- Deixamos de subir alto quando queremos subir de um salto.

307- O sábio entra em fila na procissão dos loucos e néscios, com receio de ser multado por ter juízo.

308- O ódio e a guerra que declaramos aos outros nos gasta e consome a nós mesmos.

309- A variedade é o distintivo da sabedoria, como a uniformidade e monotonia o da ignorância.

A infinita sabedoria de Deus se revela pela infinita variedade das suas obras e maravilhas.

310- Na mocidade buscamos as companhias, na velhice as evitamos: nesta idade conhecemos melhor os homens e as coisas.

311- Os homens são geralmente tão avaros do seu dinheiro, como pródigos dos seus conselhos.

312- Quem cultiva a sua razão aumenta os seus bens, e diminui os seus males.

17

313- O juízo que falta a muitos, a ninguém sobeja.

314- É no mundo intelectual que se admiram e apreciam as maravilhas inumeráveis do mundo sensível e material.

315- A maior prova da insignificância ou santidade de um sujeito é não ter um só inimigo ou

invejoso.

316- Os maus não podem viver em solidão: têm medo e horror de si próprios.

317- A vingança comprimida aumenta em violência e intensidade.

318- Quando os homens que governam não sabem nem podem fazer-se estimar, recorrem à

tirania para se fazer temidos.

319- O medo e o entusiasmo são contagiosos.

320- Ninguém nos lisonjeia tanto como o nosso amor-próprio, nem nos argúe com mais

perseverança do que a própria consciência.

321- Quando se considera a pugnacidade com que os homens se deixam desenganar, ocorre a

suspeita de que se comprazem em ser enganados.

322- O homem é feito para dominar, e quando não pode exercer a sua soberania sobre os seus

semelhantes, tiraniza os animais para ostentar a sua superioridade.

323- De nada vale a celebridade, quando os grandes crimes também a conseguem.

324- Descontentes de tudo, só nos contentamos com o nosso próprio juízo, por mais limitado que seja.

325- Se a ventura embota o fio aos prazeres, a desgraça não faz outro tanto às dores e aflições.

326- O homem mais sensual é necessariamente o menos livre e independente.

327- A ingratidão dos povos é mais escandalosa que a das pessoas.

328- A tirania é o talento dos homens ordinários e ignorantes, quando governam.

329- A desgraça, que humilha a uns, exalta o orgulho de outros.

330- Para bem julgar não basta sempre ver, é necessário olhar; nem basta ouvir, é conveniente escutar.

331- Ninguém se queixa tanto dos males da vida humana como aqueles que têm menos motivos de queixar-se: a felicidade os tornou tão suscetíveis e melindrosos, que o menor incômodo, dor ou contradição, os impele a queixumes intermináveis.

18

332- Pouco saber exalta o nosso amor-próprio, muito saber o humilha.

333- A ignorância, qual outro Faetonte, ousa muito e se precipita como ele.

334- O medo faz mais tiranos que a ambição.

335- Há muitos homens que, assim como o sol, parecem maiores no horizonte que no seu zênite

ou meridiano.

336- Não há maior nem pior tirania que a dos maus hábitos inveterados.

337- A intriga que alcança os empregos não habilita para bem servi-los.

338- Quem desconfia de si próprio, menos pode confiar nos outros.

339- A razão, sem a memória, não teria materiais com que exercer a sua atividade.

340- A dialética do interesse é quase sempre mais poderosa que a da razão e consciência.

341- Os ineptos se elevam sobre os hábeis como as substâncias leves sobre as mais graves.

342- Todas as paixões derivam, e são modificações do amor de nós mesmos, paixão essencial e

inseparável de nossa vida e existência, e necessária como guarda e sentinela da nossa

conservação.

343- Os tolos são muitas vezes promovidos a grandes empregos em utilidade e proveito dos

velhacos, que melhor os sabem desfrutar.

344- As opiniões de um século causam riso ou lástima em outros séculos.

345- Muito se perde por falta de inteligência, porém muito mais por preguiça e aversão ao

trabalho.

346- Não se reconhece tanto a ignorância dos homens no que confessam ignorar, como no que

blasonam de saber melhor.

347- O trabalho é amargo, mas os seus frutos são doces e aprazíveis.

348- O moço, na primavera da vida, preza sobretudo as flores; o velho, no seu outono, aprecia somente os frutos.

349- O valor mais resoluto é o que procede da desesperação.

350- Não admira que não compreendamos a Deus, quando somos incompreensíveis a nós

mesmos.

19

351- A mulher douta ordinariamente ou é feia, ou menos casta.

352- De todas as revoluções para o homem, a morte é a maior e a derradeira.

353- O prazer que mais deleita é o que provém da satisfação de uma necessidade mais incômoda

e urgente.

354- O amor é sempre mais sensual do que a amizade.

355- As pessoas mais devotas são de ordinário as menos religiosas.

356 - Nunca nos esquecemos de nós, ainda quando parecemos que mais nos ocupamos dos outros.

357- O tempo pretérito se torna presente pela memória, e o futuro pela nossa imaginação.

358- A maior parte dos males e misérias dos homens provêm, não da falta de liberdade, mas do seu abuso e demasia.

359- Mudai um homem de classe, condição e circunstâncias, vós o vereis mudar imediatamente

do opiniões e de costumes.

360- Em pontos de civilidade, o soberbo não paga o que deve, e exige sempre mais do que lhe é devido.

361- Os abusos e prejuízos nos povos são como as verrugas e lobinhos no corpo humano, ainda

que feios, conservam-se por ser a sua extração dolorosa e muitas vezes arriscada.

362- Dizer-se de um homem que tem juízo é o maior elogio que se lhe pode fazer.

363- Em um povo ignorante a opinião publica representa a sua própria ignorância.

364- Em matéria de ciência, quanto mais adquirimos tanto melhor descortinamos a imensidade do que nos falta.

365- Há sempre entre os homens uma sabedoria da moda, como um penteado, um calçado ou um

vestuário.

366- A ignorância dócil é desculpável, a presumida e refratária é desprezível e intolerável.

367- A impaciência, quando não remedeia os nossos males, os agrava.

368- O arrependimento é ineficaz quando as reincidências são consecutivas.

369- O desembaraço tem muito próxima afinidade com a sem vergonha.

20

370- A filosofia desagrada, porque abstrai e espiritualiza; a poesia debita, porque materializa e figura todos os seus objetos. Quereis persuadir e dominar os homens, falai à sua imaginação, e confiai pouco na sua razão.

371- Em diversas épocas da nossa vida somos tão diversos de nós mesmos como dos outros

homens.

372- O espírito vive de ficções, como o corpo se nutre de alimentos.

373- A morte dos maus é a maior garantia para os bons.

374- Um grande crime glorificado ocasiona e justifica todos os outros crimes e atentados

subseqüentes.

375- Uns homens ocasionam os males e exigem que outros os remedeiem.

376- Os cortesãos são como os alcatruzes das noras: quando uns sobem, outros descem.

377- É condição dos grandes homens serem perseguidos e maltratados na vida, e depois da sua

morte lastimados, glorificados e vingados.

378- Cada geração, parecendo ocupar-se exclusivamente do seu cômodo e felicidade, trabalha

efetivamente para as gerações seguintes e a sua posteridade.

379- Há muitas ocasiões em que os ricos e poderosos invejam a condição dos pobres e

insignificantes.

380- A pobreza sofre inumeráveis privações, mas não é sempre importunada e insidiada como a

riqueza.

381- A paixão da leitura é a mais inocente, aprazível e a menos dispendiosa.

382- O castigo, sendo pouco, irrita; sendo muito, ameaça.

383- A má educação consiste especialmente nos maus exemplos.

384- Muita luz deslumbra a vista, muita ciência confunde o entendimento.

385- A ambição, para chegar ao poder, toma algumas vezes o caráter desprezível e asqueroso do cinismo.

386- A economia, quando se apura muito, transforma-se em avareza.

387- É judiciosa a economia de palavras, tempo e dinheiro.

388- Haver a maior soma de bens com o menor trabalho e dispêndio possível, eis o grande

problema que cada indivíduo procura resolver em seu favor no decurso da própria vida.

21

389- A beneficência da vaidade é algumas vezes mais profusa que a da virtude.

390- Os moços são tão solícitos sobre o seu vestuário, quanto os velhos são negligentes: aqueles atendem mais à moda e à elegância, estes à sua comodidade

391- O sábio que não fala nem escreve é pior que o avarento que não despende.

392- Condenamos por ignorantes as gerações pretéritas, e a mesma sentença nos espera nas

gerações futuras.

393- Muitos figuram de Diógenes, para se consolarem de não poderem ser Alexandres.

394- Onde os homens se persuadem que os governos os devem fazer felizes, e não eles a si

próprios, não há governo que os possa contentar nem agradar-lhes.

395- Há males na vida humana que são preservados de outros maiores, e muitas vezes ocasionam

bens incalculáveis.

396- A dissimulação algumas vezes denota prudência, mas ordinariamente fraqueza.

397- Os preceptores dos Príncipes são os seus primeiros aduladores.

398- Os apologistas e defensores da igualdade são os que mais trabalham por desigualar-se.

399- Não é a fortuna, mas juízo somente, o que falta a muita gente.

400- Entes invisíveis nos observam quando nos cremos sós e sem companhia.

401- O muito juízo é um grande tirano pessoal.

402- Os sábios duvidam mais que os ignorantes; daqui provém a filáucia destes e a modéstia

daqueles.

403- A vida a uns, a morte confere celebridade a outros.

404- Os homens afetam desinteresse para melhor promoverem os seus interesses.

405- Ninguém quer passar por tolo, antes prefere parecer velhaco.

406- Velhos há que bem merecem ser comparados aos vulcões extintos.

407- Trabalho honesto produz riqueza honrada.

408- A opinião da nossa importância nos é tão funesta como vantajosa e segura a desconfiança de nós mesmos.

22

409- Há uns pretendidos sábios modernos de singular natureza, nada afirmam, negam tudo, e se

apelidam progressivos.

410- Formam-se mais tempestades em nós mesmos que no ar, na terra e nos mares.

411- Os bons exemplos dos pais são as melhores lições e a melhor herança para os filhos.

412- É tal a falibilidade dos juízos humanos, que muitas vezes os caminhos por onde esperamos chegar à felicidade nos conduzem à miséria e à desgraça.

413- Não existindo no Universo mais que inteligência e matéria, esta é destinada e constituída para significar e simbolizar a primeira.

414- A importunidade é algumas vezes mais feliz que o merecimento.

415- A razão destrói nos homens as criações da sua própria imaginação.

416- Há povos que são felizes em não ter mais que um só tirano.

417- É necessário saber muito para poder admirar muito.

418- Afetamos desprezar as injúrias que não podemos vingar.

419- A civilidade é muitas vezes a mordaça da verdade.

420- A liberdade é a que nos constitui entes morais, bons ou maus; é um grande bem para quem

tem juízo; e para quem o não tem, um mal gravíssimo.

421- Os bons presumem sempre bem dos outros; os maus, pelo contrário, sempre mal; uns e

outros dão o que têm.

422- A harmonia da sociedade, como da natureza, consiste e depende da variedade e antagonismo dos seus elementos e caracteres.

423- A moda determina as opiniões de muita gente.

424- Quando os rapazes se inauguram por sábios, que resta aos velhos?- calar-se e lastimá-los.

425- São os grandes loucos que perturbam as nações, e os inumeráveis tolos que favorecem e

aplaudem os seus desatinos e disparates.

426-O ambicioso, para ser muito, afeta algumas vezes não valer nada.

427- O arrependimento, se não repara o feito, previne a reincidência.

428- A tirania não é menos arriscada para o opressor, do que penosa para o oprimido.

23

429- Aproveita muito subir aos maiores empregos do Estado, para nos desenganarmos da sua

vanglória e inanidade.

430- Este mesmo mundo que nos engana, nos desengana.

431- A morte é a executora mais ativa e eficaz da doutrina dos niveladores.

432- Os bens que a ambição promete são como os do amor, melhores imaginados que

conseguidos.

433- Os povos, como as abelhas, trabalham para si e para os seus zangões.

434- Os maus nas suas desgraças procuram os bons e virtuosos, como nas trovoadas se recorre às imagens dos Santos.

435- O que há de melhor nos grandes empregos é a perspectiva ou a fachada com que tanta gente se embeleza.

436- Há homens que hoje crêem pouco ou nada, porque já creram muito e demasiado.

437- Os que asseveram que os maus são ou podem ser felizes, não têm noções claras da genuína

felicidade.

438- A maior parte dos erros em que laboramos neste mundo provém da falsa definição, ou das

noções falazes que lemos do bem e do mal.

439- Na arquitetura intelectual, os materiais vêm de fora, mas o plano e trabalho são da razão e do espírito.

440- Se a vida é um mal, por que tememos morrer; e se um bem, porque a abreviamos com os

nossos vícios?

441- Os homens especulam no tempo de agora em revoluções, como nos fundos públicos.

442- As verdades mais triviais parecem novas quando se enunciam por um modo mais elegante e

desusado.

443- Os homens sem mérito algum, brochados de insígnias e de ouro, são comparáveis aos maus

livros ricamente encadernados.

444- Ambos se enganam, o velho quando louva somente o passado, o moço quando só admira o

presente.

445- Não há coisa mais fácil que vencer os outros homens, nem mais difícil que vencer-nos a nós mesmos.

24

446- Entre as paixões humanas a ambição tem tanto de nobre como a avareza de ignóbil.

447- Ciência é poder, força e riqueza; a nação mais inteligente e sábia será consequentemente a mais rica, forte e poderosa.

448- Se as viagens simplesmente instruíssem os homens, os marinheiros seriam os mais

instruídos.

449- Os nossos maiores inimigos existem dentro de nós mesmos: são os nossos erros, vícios e

paixões.

450- Querendo parecer originais, nos tornamos ridículos ou extravagantes.

451- Nada incomoda tanto aos homens maus como a luz, a consciência e a razão.

452- No tempo de agora ninguém quer ser governado, porque todos aspiram e se crêem hábeis

para governar.

453- Fazemos ordinariamente mais festa às pessoas que tememos do que àquelas a quem

amamos.

454- A filosofia promete muito e dá pouco; é magnífica nas suas promessas e mesquinha no seus donativos.

455- Há opiniões que nascem e morrem como as folhas das árvores, outras, porém, que têm a

duração dos mármores e do mundo.

456- Quando o sol se aproxima ao seu nascente, escondem-se as corujas e os morcegos: os

inimigos das luzes só se comprazem e são ativos nas trevas.

457- A vida humana é uma intriga perene, e os homens são recíproca e simultaneamente

intrigados e intrigantes.

458- A luz do sol é gratuita, a do fogo dispendiosa.

459- A ingratidão faz pressupor vistas de interesse no benfeitor, ou indignidade no beneficiado.

460- A filosofia pode consolar-nos, mas não tem a eficácia de tornar-nos impassíveis.

461- Deus se revela em tudo e por todos. As obras de um agente são as suas revelações.

462- Que juízo não é necessário que tenhamos para conhecer toda a extensão da nossa loucura!

463- A riqueza doura a sabedoria e os talentos, mas não os constitui.

25

464- Em algumas revoluções o jugo continua como dantes, à exceção do baralho e jogadores que

são novos.

465- As revoluções políticas, quando não melhoram, deterioram necessariamente a sorte das

nações.

466- Somos benfazentes mais vezes por vaidade que por virtude.

467- O roubo de milhões, enobrece os ladrões.

468- A moda sanciona e justifica os maiores disparates e extravagâncias dos homens.

469-A imprensa é livre somente para o partido poderoso e dominante.

470- As nações, como as pessoas, aprendem errando e sofrendo.

471- Os homens são poucas vezes o que parecem; eles trabalham incessantemente por parecer o

que não são.

472- O futuro, que atormenta a velhice, deleita a mocidade.

473- Não há escravidão pior que a dos vícios e paixões.

474- Sucede aos homens como às substâncias materiais, as mais leves e menos densas ocupam

sempre os lugares superiores.

475- Os velhos que se mostram muito saudosos da sua mocidade não dão uma idéia vantajosa da

madureza e progresso da sua inteligência.

476- As revelações da natureza, que são perenes, contradizem e desmentem geralmente as

inculcadas revelações de muitos homens, e manifestam a sua ignorância ou impostura.

477- Não invejemos os que sobem muito acima de nós: a sua queda será muito mais dolorosa do

que a nossa.

478- Trabalhai, poupai, acumulai, sabereis quanto podeis.

479- É rara a verdadeira gratidão, porque são raros os genuínos benfeitores.

480- Uma revolução feliz justifica maiores crimes e os eleva à categoria de virtudes.

481- O nosso espírito é essencialmente livre, mas o nosso corpo o torna freqüentes vezes escravo.

482- A virtude é o maior e mais eficaz preservativo dos males da vida humana.

483- Os homens probos são menos capazes de dissimulação do que os velhacos.

26

484- Os neutrais entre dois partidos são geralmente maltratados como censores e antagonistas de ambos.

485- São incalculáveis os benefícios que provêm às noções1 da incerteza do dia e ano de nossa morte: esta incerteza corresponde a uma espécie de eternidade.

486- Mais vale ciência intelectual, que riqueza mineral.

487- Os faladores não nos devem assustar, eles se revelam: os taciturnos nos incomodam pelo seu silêncio, e sugerem justas suspeitas de que receiam fazer-se conhecer.

488- Não empresteis o vosso nem o alheio, não tereis cuidados nem receio.

489- Amigos há de grande valia, que todavia não podem fazer-nos outro bem, senão impedindo

pelo seu respeito que nos façam mal.

490- Os velhos prezam ordinariamente os morto e desprezam os vivos.

491- O meio mais eficaz de vingar-nos de nossos inimigos é fazendo-nos mais justos e virtuosos do que eles.

492- Se pudéssemos chegar a um certo grau de sabedoria, morreríamos tísicos de amor e

admiração por Deus.

493- Não provoques o Poder, que ele se tornará cruel e despótico no seu desagravo.

494- Divertimo-nos com os doidos na hipótese de que o não somos.

495- Não desenganemos os tolos se não queremos ter inumeráveis inimigos.

496-A riqueza não acompanha por muito tempo os viciosos.

497- Há homens tão insignificantes que ninguém os ama nem aborrece, quando muito são

desprezados.

498- Os velhos importunam aos circunstantes com os seus achaques, como os litigantes com as

suas demandas.

499- Não subais tão alto que a queda seja mortal.

500- Não emprestes, não disputes, não maldigas, e não terás de arrepender-te.

501- O ateu é como o enjeitado que não conhece a seu pai, é como o animal bruto, comensal no

banquete da natureza, que não cuida nem pergunta pelo seu benfeitor.

1 Nações, no texto original.

27

502- O velho crê-se feliz em não sofrer, o moço infeliz em não gozar.

503- Há mais homens de juízo do que se pensa, acham-se ordinariamente nas classes médias e

inferiores da sociedade.

504- A admiração é uma das maiores prerrogativas da natureza humana.

505- A memória não falece aos velhos por falta de idéias, mas pela sua nímia variedade e

acumulação.

506- Deve-se julgar da opinião e caráter dos povos pelo dos seus eleitos e prediletos.

507- Sempre haverá mais ignorantes que sabedores, enquanto a ignorância for gratuita e a ciência dispendiosa.

508- A anarquia é tão grande flagelo nas nações, que o tirano que prevaleceu e chegou a suprimi-la é reputado o salvador do povo e o seu melhor amigo.

509- A civilidade é uma impostura indispensável, quando os homens não têm as virtudes que ela afeta, mas os vícios que dissimula.

510- O sumário da vida humana são enganos e desenganos.

511- Observa-se que os fanáticos de liberdade passam a sua vida em prisões, enxovias,

presigangas e trabalhos.

512- Somos muitas vezes maldizentes para nos inculcarmos perspicazes.

513- Mudai os tempos, os lugares, as opiniões e circunstâncias, e os grandes heróis se tornarão pequenos e insignificantes homens.

514- Deve-se usar da liberdade, como do vinho, com moderação e sobriedade.

515- Neste mundo fenomenal, o homem é tão mutável como a mesma natureza.

516- Nas revoluções dos povos a insignificância é a maior garantia da segurança pessoal.

517- Amamo-nos sobretudo, e aos outros homens, por amor de nós.

518- Há muitos homens que receiam ser desenganados pelo desgosto de parecerem crédulos ou

tolos.

519- A maior parte dos homens são autômatos a quem alguns mais hábeis e sagazes fazem

mover-se e trabalhar para seu proveito ou recreação.

28

520- É feliz e ilustrada a velhice que chegou a conhecer e avaliar os prestígios e as ilusões da vida humana, a descortinar as harmonias do Universo, e a admirar em pleníssima convicção a infinita sabedoria e bondade de Deus que se revela em todos os pontos do espaço e em todos os instantes do tempo, com prodígios e assombros da sua onipotência.

521- Passamos a vida a invejar-nos, e por fim, invejosos e invejados, todos perecem.

522-O homem de juízo converte a desgraça em ventura, o tolo muda a fortuna em miséria.

523- Não há homem que não deseje ser absoluto, aborrecendo cordialmente o absolutismo em todos os outros.

524- O tolo inutiliza os favores da fortuna, o homem hábil os escusa.

525- A filosofia não entorpece a sensibilidade quando muito pode chegar a regulá-la.

526- É tão fácil sentir a felicidade como é difícil defini-la.

527- Não somos sempre o que queremos, mas o que as circunstâncias nos permitem ser.

528- Pouco espírito inutiliza muito saber.

529- O louvor não merecido embriaga como o vinho.

530- Não é a fortuna que falta aos homens, mas a perícia e juízo em aproveitá-la quando ela nos visita.

531- O insignificante presume dar-se importância maldizendo de tudo e de todos.

532- Há homens cuja atividade é semelhante à dos bugios: incessante, destrutiva e turbulenta.

533- As religiões são sempre úteis aos homens, quando esperançam os bons e ameaçam os maus.

534- Ser religioso é o atributo mais honroso e sublime do homem sobre a terra: é por este

predicado especialmente que ele se distingue de todos os outros viventes: erigindo templos e

altares a Deus, também de algum modo se diviniza.

535- Os patriotas dizem em voz alta que é doce morrer pela pátria, mas em segredo reconhecem

que é mais doce viver para ela e à custa dela.

536- A plena liberdade é como a pedra filosofal, procurada por muitos e por nenhum descoberta.

537- Quando o interesse é o avaliador dos homens, das coisas e dos eventos, a avaliação é quase sempre imperfeita e pouco exata.

538- Disputa-se sobre tudo neste mundo; argumento irrefragável do nosso pouco saber.

539- Muitos homens são louvados porque são mal conhecidos.

29

540- Afetar mistério em coisas frívolas e bagatelas é prova irrefragável de alma e coração

pequeno.

541- Deus é o único Benfeitor verdadeiramente desinteressado.

542 - A vida humana seria incomportável sem as ilusões e prestígios que a circundam.

543- O silêncio é o melhor rebuço para quem se não quer revelar, ou fazer-se conhecer.

544- O nosso amor-próprio é a causa e a fonte de todos os amores: amamos somente por amor de nós mesmos.

545- Não são incompatíveis muita ciência e pouco juízo.

546- O silêncio com ser mudo não deixa de ser por vezes um grande impostor.

547- Há opiniões que, assim como as modas, parecem bem por algum tempo.

548- É da natureza humana que muitos homens trabalhem para manter os poucos que se ocupam

em pensar para eles, instruí-los e governá-los.

549- Em saber gozar e sofrer, os animais nos levam grande vantagem: o seu instinto é mais

seguro do que a nossa altiva razão.