Mensagens Escolhidas 1 por Ellen G. White - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

index-1_1.jpg

Mensagens Escolhidas 3

Ellen G. White

2007

Copyright © 2012

Ellen G. White Estate, Inc.

Informações sobre este livro

Resumo

Esta publicação eBook é providenciada como um serviço do

Estado de Ellen G. White. É parte integrante de uma vasta colecção

de livros gratuitos online. Por favor visite o website do Estado Ellen

G. White.

Sobre a Autora

Ellen G. White (1827-1915) é considerada como a autora Ameri-

cana mais traduzida, tendo sido as suas publicações traduzidas para

mais de 160 línguas. Escreveu mais de 100.000 páginas numa vasta

variedade de tópicos práticos e espirituais. Guiada pelo Espírito

Santo, exaltou Jesus e guiou-se pelas Escrituras como base da fé.

Outras Hiperligações

Uma Breve Biografia de Ellen G. White

Sobre o Estado de Ellen G. White

Contrato de Licença de Utilizador Final

A visualização, impressão ou descarregamento da Internet deste

livro garante-lhe apenas uma licença limitada, não exclusiva e in-

transmissível para uso pessoal. Esta licença não permite a republica-

ção, distribuição, atribuição, sub-licenciamento, venda, preparação

para trabalhos derivados ou outro tipo de uso. Qualquer utilização

não autorizada deste livro faz com que a licença aqui cedida seja

terminada.

Mais informações

Para mais informações sobre a autora, os editores ou como po-

derá financiar este serviço, é favor contactar o Estado de Ellen G.

i

White: (endereço de email). Estamos gratos pelo seu interesse e

pelas suas sugestões, e que Deus o abençoe enquanto lê.

ii

iii

Conteúdo

Informações sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i

Uma palavra ao leitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xiii

Seção 1 — A igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xvii

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xviii

Capítulo 1 — Que é a igreja? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Deus tem um corpo organizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Capítulo 2 — Unidade na igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Apresentai uma frente unida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Unidade, nosso credo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Não agir independentemente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

O que é ratificado pelo céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Capítulo 3 — Ação independente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Afastando-se da fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Força proveniente da ação em conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Trocar idéias — Comparar planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

Praticado nos primeiros tempos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Independência — Uma ilusão de Satanás . . . . . . . . . . . . . . . 28

A organização integral é essencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

Seção 2 — Princípios de inspiração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Capítulo 4 — A primazia da palavra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Capítulo 5 — Experiências ao receber as visões . . . . . . . . . . . 38

Capítulo 6 — Vislumbres de como a luz veio a Ellen White . 44

Capítulo 7 — Apresentando a mensagem revelada divinamente51

Capítulo 8 — A questão da influência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Capítulo 9 — Definindo o critério da irmã White e a palavra

do Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

A opinião da irmã White? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Capítulo 10 — Quanto a ser uma mensageira inspirada . . . . . 71

Após a morte de Ellen White . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

Capítulo 11 — A recepção das mensagens . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Dois exemplos típicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Seção 3 — A preparação dos livros de Ellen G. White . . . . . . . . 85

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

iv

Conteúdo

v

Capítulo 12 — Auxiliares literários no trabalho de Ellen G.

White . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

O trabalho de Mariana Davis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

Capítulo 13 — Os testemunhos para a igreja . . . . . . . . . . . . . . 92

Ellen G. White desejava que a linguagem fosse usada

corretamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

Cartas para ajudar a outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

Capítulo 14 — Passos iniciais para escrever e publicar a

história do grande conflito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

A visão do grande conflito em 1858 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

Spiritual Gifts, volumes 3 e 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

Capítulo 15 — Um relato sucessivo da experiência de

Ellen G. White ao escrever sobre a vida de Cristo, em

1876 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

Capítulo 16 — Ampliando a apresentação do grande conflito106

Capítulo 17 — A experiência de Ellen G. White ao

preparar O Desejado de Todas as Nações . . . . . . . . . . . . 112

Apontamentos de cartas e diários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

Capítulo 18 — O bservações enquanto lidava com os

livros da série do conflito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

O resultado de visões que se estenderam sobre sua

existência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

As críticas construtivas são apreciadas (1885) . . . . . . . . . . 117

Procura de livros que apresentassem a ordem dos

acontecimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

O Espírito Santo traçou as verdades sobre o coração de

Ellen White . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

Seção 4 — A encarnação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

Capítulo 19 — A encarnação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

A plenitude da humanidade de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

Cristo desceu ao nível da humanidade decaída . . . . . . . . . 124

Cristo era suscetível de ceder à tentação? . . . . . . . . . . . . . . 125

Deus enviou um ser sem pecado a este mundo . . . . . . . . . 128

O homem foi criado com natureza moral sem pecado . . . 128

As enfermidades dos outros levadas vicariamente . . . . . . . 128

A impecaminosidade de Cristo perturbava a Satanás . . . . 129

vi

Mensagens Escolhidas 3

Nossa decaída natureza humana ligada com a divindade

de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

Tentado como as crianças hoje em dia . . . . . . . . . . . . . . . . 129

O que é efetuado pela encarnação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130

Satanás declarou que o homem não podia guardar a lei

de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

O verdadeiro significado da encarnação . . . . . . . . . . . . . . . 135

Seção 5 — Princípios de salvação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

Capítulo 20 — Princípios da maneira como foram

expostos por Ellen G. White no começo de seu

ministério . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

Elementos básicos apresentados na sessão da

Associação Geral de 1883 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

Capítulo 21 — Ellen G. White dá informações sobre a

assembléia de Mineápolis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

Uma declaração apresentando os antecedentes históricos 149

Preciosas promessas contra quadros sombrios . . . . . . . . . . 155

Avaliação feita por Ellen White no dia do encerramento . 168

Dois trechos de sermões pregados em Mineápolis . . . . . . 169

Três meses depois de Mineápolis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170

O acolhimento no campo da mensagem da justiça pela fé 171

Necessidade de correta noção da justiça pela fé . . . . . . . . 173

Capítulo 22 — Ênfase sobre o assunto da salvação —

1890-1908 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

Seção 6 — Educação — a escola da igreja e as universidades

do mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196

Capítulo 23 — Apelo para uma escola de igreja . . . . . . . . . . 198

Capítulo 24 — Conselho a respeito da idade para entrar na

escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202

Relatório de uma entrevista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202

O jardim da infância em Battle Creek . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

A luz dada sobre “essas coisas” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206

A espécie de educação que as crianças necessitam . . . . . . 207

Estabelecendo um padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209

A questão do jardim de infância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210

Pode a escola constituir um desserviço? . . . . . . . . . . . . . . . 211

Conteúdo

vii

Uma escola que causa uma impressão favorável . . . . . . . . 212

Capítulo 25 — Princípios orientadores em geral . . . . . . . . . . 214

Em todo lugar em que há uma igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

Não as máximas de homens, mas a palavra de Deus . . . . . 214

Nenhum plano estereotipado na educação . . . . . . . . . . . . . 214

Uma definição de verdadeira educação . . . . . . . . . . . . . . . . 214

Louváveis qualidades das escolas suíças . . . . . . . . . . . . . . 215

Capítulo 26 — Freqüentando colégios e universidades do país217

Os perigos de ouvir os grandes homens do mundo . . . . . . 218

Estudantes adventistas do sétimo dia . . . . . . . . . . . . . . . . . 219

Lançando sementes da verdade em corações e mentes . . . 219

Seção 7 — Normas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222

Capítulo 27 — A virtude da cortesia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223

Capítulo 28 — Vestuário e adorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227

Bênçãos do vestuário apropriado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227

Sólidos princípios orientadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228

Independência e coragem para andar corretamente . . . . . . 228

Aprimorando o gosto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228

Simplicidade no vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229

Para onde estamos sendo levados? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231

“O eu, o eu, o eu precisa ser servido” . . . . . . . . . . . . . . . . . 233

A roupa que é usada pelos pastores adventistas do

sétimo dia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234

Sobre fazer da questão do vestuário uma prova . . . . . . . . . 237

Capítulo 29 — O Sábado: princípios orientadores na

observância do sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241

Alguns Sábados com a família White . . . . . . . . . . . . . . . . . 245

Capítulo 30 — A conveniência de variar as atitudes na oração250

Nem sempre precisamos ajoelhar-nos . . . . . . . . . . . . . . . . . 250

Seção 8 — A reforma pró-saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256

Capítulo 31 — Visões que logo requereram reformas . . . . . . 257

É chamada a atenção para o fumo, chá e café, em 1848 e

1851 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257

Importantes princípios revelados em 1854 . . . . . . . . . . . . . 257

Capítulo 32 — A visão da reforma pró-saúde em 1863 . . . . 259

Perguntas oportunas respondidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259

viii

Mensagens Escolhidas 3

Como foi revelada a reforma do vestuário . . . . . . . . . . . . . 260

Relação da visão quanto ao escrever e à prática . . . . . . . . 261

Escritos sobre saúde, em 6 de Junho, o dia da visão . . . . . 262

Um retrospecto, em 1867, dos escritos sobre a reforma

pró-saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

Escrito independentemente de livros ou opiniões de outros264

Capítulo 33 — O uso apropriado dos testemunhos sobre a

reforma pró-saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266

Acautelar-se contra extremos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267

Necessidade de moderação e cautela . . . . . . . . . . . . . . . . . 268

O perigo de famílias mostrado a Ellen White . . . . . . . . . . 269

Manteiga, carne e queijo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269

Chá, café, fumo e álcool . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270

Uma obra que deprecia a reforma pró-saúde . . . . . . . . . . . 270

Capítulo 34 — Riscos físicos e espirituais de

condescender com o apetite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272

Modificações devido ao uso de alimentos cárneos . . . . . . 272

Gosto e juízo corrompidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272

É sacrificada a saúde espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

A vida religiosa e física estão relacionadas . . . . . . . . . . . . 273

O perigo de ignorância voluntária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

A quem pertencemos nós? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274

Empecilhos ao desenvolvimento mental e à santificação

da alma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274

Capítulo 35 — Ensinando a reforma pró-saúde na família . . 276

Coerência dos pais com os filhos à mesa . . . . . . . . . . . . . . 276

Estimulando as crianças a comer em demasia . . . . . . . . . . 276

Não estabelecer nenhuma regra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277

Capítulo 36 — A irmã White e a oração pelos doentes . . . . . 278

Oração simples e fervente deve acompanhar o tratamento 278

Seção 9 — Conselhos sobre muitos assuntos . . . . . . . . . . . . . . . 281

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282

Capítulo 37 — Os Adventistas do Sétimo Dia e as ações

judiciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283

Conselheiros inseguros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 284

Conselho a um crente que ameaçava instaurar processos

judiciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285

Os santos julgarão o mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286

Conteúdo

ix

Advogados e Laodiceanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286

Uma ação judicial contra a casa publicadora . . . . . . . . . . . 287

A causa de Deus é prejudicada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 288

Capítulo 38 — Ciência e revelação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289

Os frutos do cepticismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289

Deus, o planejador e criador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293

Capítulo 39 — Perguntas a respeito dos salvos . . . . . . . . . . . 295

Os filhos de pais descrentes serão salvos? . . . . . . . . . . . . . 295

Os ressuscitados reconhecerão um ao outro? . . . . . . . . . . . 297

Capítulo 40 — A questão da linha internacional de datas . . 298

O Sábado foi feito para um mundo esférico . . . . . . . . . . . . 298

O problema dos fusos horários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298

Capítulo 41 — E apropriado ter monumentos

comemorativos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301

Monumentos para lembrar-nos de nossa história . . . . . . . . 301

Apelo para lembrar-se dos dias anteriores . . . . . . . . . . . . . 301

Capítulo 42 — Alugar nossas igrejas para outras

denominações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303

Capítulo 43 — Sentimentos de desânimo . . . . . . . . . . . . . . . . 304

Ellen White tinha sentimentos desalentadores . . . . . . . . . . 304

Conselhos para uma irmã desalentada . . . . . . . . . . . . . . . . 304

Olhar além das sombras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306

Capítulo 44 — Luz específica sobre fruticultura . . . . . . . . . . 308

Ellen G. White instruída sobre a plantação de árvores

frutíferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308

A pulverização de árvores frutíferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308

Capítulo 45 — Conselho equilibrado sobre tirar retratos e

idolatria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 310

Capítulo 46 — Música e o diretor de música . . . . . . . . . . . . . 312

Cantar afasta os poderes das trevas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312

Mundanidade no setor musical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312

Capítulo 47 — Trabalhar no espírito de oração . . . . . . . . . . . 316

Resoluções em demasia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317

Capítulo 48 — Os profetas da Bíblia escreveram para o

nosso tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318

Tesouros para a última geração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318

Capítulo 49 — Todos podem ter o dom de profecia? . . . . . . 320

Capítulo 50 — Depreciando os pioneiros . . . . . . . . . . . . . . . . 322

x

Mensagens Escolhidas 3

Maior luz impõe maior responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . 324

Capítulo 51 — Ataques a Ellen White e sua obra . . . . . . . . . 327

Devemos calar-nos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327

Enfrentar e corrigir falsidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328

A revista da igreja devia falar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328

Capítulo 52 — Impecabilidade e salvação . . . . . . . . . . . . . . . 331

A pretensão de impecabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331

Deixai que Deus o declare, não os homens . . . . . . . . . . . . 332

Só quando este corpo abatido for transformado . . . . . . . . . 332

Quando terminar o conflito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333

A certeza da salvação agora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333

Não vos preocupeis, vossa esperança está em Cristo . . . . 334

Capítulo 53 — Estudai os testemunhos . . . . . . . . . . . . . . . . . 335

A luz condenará os que não resolvem estudar e obedecer 335

Ellen G. White impelida a recomendar o estudo dos

testemunhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335

O estudo pessoal responderia a perguntas . . . . . . . . . . . . . 335

Lede os testemunhos por vós mesmos . . . . . . . . . . . . . . . . 336

Os testemunhos, nossa proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336

Seção 10 — Enfrentando fanatismos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 339

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340

Capítulo 54 — O caso Mackin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341

O relatório da entrevista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341

A luz dada pelo Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 352

Outra referência à possessão de demônios . . . . . . . . . . . . . 354

Seção 11 — Acontecimentos dos últimos dias . . . . . . . . . . . . . . 357

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358

Capítulo 55 — Lições da maneira como foi enfrentada a

crise da lei dominical no fim da década de 1880 e no

começo da década de 1890 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361

Certeza quando as nuvens se adensavam em 1884 . . . . . . 361

A América do Norte poderá tornar-se o lugar de maior

perigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 365

Uma visão antiga sobre a importância do Sábado . . . . . . . 365

Conselho a respeito de questões da lei dominical . . . . . . . 371

Os comodistas zombarão dos fiéis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375

Pagar multa se isto livrar do opressor . . . . . . . . . . . . . . . . . 377

Capítulo 56 — Ao nos aproximarmos do fim . . . . . . . . . . . . 379

Conteúdo

xi

Mensagens ilusórias serão aceitas por muitos . . . . . . . . . . 379

Firmeza, mas não provocação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 380

Asd apostatados se unem com incrédulos . . . . . . . . . . . . . 383

Uma ciência do diabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383

Chegou o tempo da apostasia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383

Anjos segurarão os quatro ventos até depois do selamento 384

Satanás e seus anjos se unem com apóstatas . . . . . . . . . . . 384

A obra de professores independentes . . . . . . . . . . . . . . . . . 384

Anjos maus na forma de crentes trabalharão em nossas

fileiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385

Apostasias que nos surpreenderão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386

Os apóstatas usarão o hipnotismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387

“Uni-vos! uni-vos!” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387

Capítulo 57 — A última grande luta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388

A aflição à frente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 389

Uma lei das nações que levará os homens a violar a lei

de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390

O mundo em rebelião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390

Muitas crianças serão tiradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393

O conflito final será breve, mas terrível . . . . . . . . . . . . . . . 393

Quando perseguidos, fugi para outro lugar . . . . . . . . . . . . . 394

Martírio, o meio de Deus para conduzir muitos à verdade 394

Cristo está ao lado dos santos perseguidos . . . . . . . . . . . . . 394

Negociantes e príncipes tomarão sua posição . . . . . . . . . . 395

Todo ser humano estará no exército de Cristo ou no

exército de Satanás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 396

Cristo se une às fileiras no último conflito . . . . . . . . . . . . . 399

Nossa vida e a preparação final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 400

Uma impressionante visão de acontecimentos futuros . . . 401

Apêndice A — O grande conflito — edição de 1911 . . . . . . 405

Uma declaração feita por G. C. White perante o concílio

da Associação Geral, 30 de Outubro de 1911 . . . . . . 405

Cópia de uma carta escrita pelo pastor G. C. White . . . . . 412

Apêndice B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415

Declaração feita por G. C. White e W. W. Eastman, 4 de

Novembro de 1912 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415

Os escritos de Ellen G. White sobre história . . . . . . . . . . . 416

Cronologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417

xii

Mensagens Escolhidas 3

Fazer somente afirmações modestas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 418

Apêndice C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 420

Carta de G. C. White a L. E. Froom, 8 de Janeiro de 1928 420

Carta de G. C. White a L. E. Froom, 8 de Janeiro de 1928 422

Carta de G. C. White a L. E. Froom, 13 de Dezembro de

1934 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429

Uma palavra ao leitor

A publicação em 1958 de Mensagens Escolhidas, livros 1 e 2, em

inglês, proveu a oportunidade de transmitir à Igreja conselhos que se

tornaram deveras significativos desde que Ellen G. White publicou

Testimonies, volume 9, no ano 1909. O conteúdo dos livros 1 e 2

abrangia matérias que apareceram em artigos na Review and Herald,

The Youth’s Instructor e Signs of the Times, em opúsculos esgotados

e em manuscritos e cartas de E. G. White. Estes foram reproduzidos

na íntegra ou em parte, segundo a relevância de sua contribuição para

determinado setor de conselho. Tais assuntos como a inspiração, a

natureza de Cristo e a justiça pela fé foram complementados por uma

porção de conselhos variados e gerais que, com o passar do tempo, se

tornaram muito apropriados, como sobre o fanatismo, movimentos

subversivos e o uso de agentes medicinais. Esses volumes passaram

a ser importantes fontes complementares dos Testemunhos e de

livros de conselhos especializados.

Durante as duas últimas décadas, os artigos de Ellen G. White

na Review and Herald e Signs of the Times foram reimpressos em

fac-símile, provendo assim uma profusão de valiosos materiais que

até então não eram disponíveis de modo geral. Nessas duas décadas,

pesquisas rotineiras nos arquivos de manuscritos e cartas de Ellen

G. White trouxeram à tona alguns materiais extraordinariamente

úteis. Alguns deles foram publicados como artigos na Adventist

Review, ao passo que outros passaram a fazer parte de documentos

de estudo coligidos para comissões que investigam certas doutrinas

ou questões que envolvem o plano de ação da Igreja.

[10]

Pesquisas efetuadas por alunos graduados chamaram a atenção

para diversas declarações primorosas, das fontes dos manuscritos de

E. G. White, que pareciam fazer maior e mais ampla contribuição

do que aquilo que já estava impresso. Minucioso exame do material

atinente aos acontecimentos dos últimos dias também contribuiu

para melhor compreensão de certos aspectos desse assunto, que

será muito estimado pelos adventistas do sétimo dia. Intensificada

xiii

xiv

Mensagens Escolhidas 3

preocupação, em anos recentes, com a questão da inspiração e o

interesse na maneira como foram preparados os livros de Ellen G.

White conduziram à junção de declarações apropriadas, algumas das

quais são novas, e outras, familiares.

São essas fontes combinadas de conselhos inspirados que prove-

ram os materiais para Mensagens Escolhidas, livro 3. A confecção

de tais livros está em harmonia com a expectativa de Ellen G. White,

de que no decorrer dos anos posteriores a sua morte, seus recursos

literários, publicados e não publicados, fornecessem materiais que

suprissem as necessidades da Igreja em crescimento. Até 1938 esses

materiais foram abrigados na caixa forte de manuscritos ligada ao

escritório Elmshaven, junto a seu lar na Califórnia. Depois desse

tempo eles têm sido guardados na caixa forte do Patrimônio Literário

White, na sede da Associação Geral, em Washington, D.C. O desejo

de Ellen G. White era que seus manuscritos e cartas de conselho

provessem um dilatado âmbito de serviço para a Igreja. Eis o que

ela escreveu a esse respeito em 1905:

“Estou procurando, com a ajuda de Deus, escrever cartas que

sejam um auxílio, não somente àqueles a quem são dirigidas, mas

também a muitos outros que necessitam delas.” — Carta 79, 1905.

Os originais para este volume foram compilados sob a autori-

zação e os auspícios da Comissão de Depositários do Patrimônio

Literário de Ellen G. White, nos escritórios dessa entidade, em

[11]

Washington, D.C., pelo pessoal empregado regularmente.

O leitor notará que há uma diferença no formato duma seção

para a outra, e, às vezes, dentro das seções. Em cada caso adotou-se

o formato que melhor apresentasse o material. Este procedimento é

análogo ao que foi seguido nos dois primeiros volumes desta série.

A fonte de cada item é mencionada no fim da seleção. Na maioria

dos casos isto abrange a data da escrita ou da primeira publicação.

Os membros do quadro de auxiliares que preparou esta compila-

ção procuraram, sempre que possível, incluir materiais dos documen-

tos citados que proporcionassem ao leitor um contexto adequado.

Há algumas declarações para as quais seria desejável que houvesse

uma configuração mais ampla, mas o contexto original não contém

nada mais que seja relevante ou que seria útil acrescentar. Este é um

aspecto dos escritos de Ellen G. White que é bem conhecido pelos

Depositários e pelo quadro de auxiliares do Patrimônio Literário

Uma palavra ao leitor

xv

White. A verdade, no entanto, é verdade, e em muitos casos ela tem

de permanecer isolada, sem um contexto corroborante.

Numa vintena de casos, ou mais, os trechos escolhidos conti-

nham no texto original o nome do indivíduo envolvido. Nalguns

casos em que não seria traída a confiança, o nome foi retido no texto.

Na maioria dos casos, empregaram-se iniciais em lugar de nomes,

a começar com a letra A no primeiro caso e passando consecutiva-

mente para quase todas as letras do alfabeto. Não há relação alguma

entre a inicial usada e o nome do indivíduo envolvido.

Oxalá este volume, apresentando, como de fato o faz, importan-

tes informações e conselhos em muitos setores, seja uma fonte de

especial utilidade, bênção e estímulo à Igreja, é o sincero anelo da

Comissão de Depositários do Patrimônio Literário de Ellen G.

White

xvi

Mensagens Escolhidas 3

Seção 1 — A igreja

[14]

Introdução

A Igreja Adventista do Sétimo Dia sempre esteve bem chegada

ao coração de Ellen G. White. Mil e tantas vezes no decorrer de sua

longa existência, o Céu acercou-se dela com mensagens de incen-

tivo, de instrução, de informação e de repreensão e correção. Essas

numerosas visões foram dadas para guiar e guardar os membros do

povo remanescente de Deus que observa o sábado, tanto individual

como coletivamente.

“O Senhor ama Sua Igreja”, declarou ela quando esta era atacada.

Mensagens Escolhidas 2:68. Ternamente, ela escreveu: “A Igreja de

Cristo, débil e defeituosa como possa ser, é o único objeto na Terra

ao qual Ele dispensa Seu supremo cuidado.” — Testemunhos Para

Ministros e Obreiros Evangélicos, 15.

Ellen G. White amava profundamente a Igreja. Toda a sua vida

foi dedicada ao bem-estar e triunfo final desta última.

Como é apropriado, portanto, que este volume de Mensagens

Escolhidas seja iniciado com uma definição do que é a Igreja, ex-

traída de uma carta de conselho a um administrador que labutava

fora da América do Norte! Isto é seguido por admoestações em

prol da unidade como meio de pujança, e advertindo contra a ação

independente, que só tende a debilitar os esforços da Igreja para

[15]

alcançar e socorrer um mundo conturbado. — Depositários White.

xviii

Capítulo 1 — Que é a igreja?

A influência de Cristo tem de ser sentida em nosso mundo por

intermédio de Seus filhos crentes. Quem é convertido deve exercer

a mesma espécie de influência que pela instrumentalidade de Deus

redundou em sua conversão. Toda a nossa obra neste mundo deve

ser efetuada em harmonia, amor e unidade. Sempre devemos manter

o exemplo de Cristo diante de nós, andando em Suas pegadas.

União é força, e o Senhor deseja que esta verdade seja sempre

revelada em todos os membros do corpo de Cristo. Todos devem ser

unidos em amor, em mansidão, em humildade de espírito. Organi-

zados numa sociedade de crentes, com a finalidade de combinarem

e difundirem sua influência, compete-lhes trabalhar como Cristo

trabalhou. Sempre devem manifestar cortesia e respeito de uns para

com os outros. Todo talento tem o seu lugar, e deve ser mantido sob

o domínio do Espírito Santo.

Uma sociedade cristã formada para seus membros — A

Igreja é uma sociedade cristã formada para os membros que a com-

põem, para que cada membro desfrute a ajuda de todas as virtudes

e talentos dos outros membros e a atuação de Deus sobre eles, de

acordo com seus diversos dons e capacidades. A Igreja é unida nos

sagrados vínculos da comunhão, a fim de que cada membro tire

[16]

proveito da influência do outro. Todos devem ater-se ao concerto

de amor e harmonia. Os princípios e as virtudes cristãs de toda a

sociedade de crentes devem produzir firmeza e força em ação harmo-

niosa. Todo crente deve tirar proveito e prevalecer-se da influência

refinadora e transformadora das variegadas capacidades dos outros

membros, para que aquilo que falta num deles seja manifestado mais

abundantemente em outro. Todos os membros devem avançar juntos,

para que a Igreja se torne um espetáculo ao mundo, aos anjos e aos

homens.

O convênio na filiação da Igreja é que cada membro siga as

pegadas de Cristo, que todos tomem sobre si o Seu jugo e aprendam

dAquele que é manso e humilde de coração. Fazendo isso, “acha-

19

20

Mensagens Escolhidas 3

reis descanso para as vossas almas — disse o querido Salvador. —

Porque o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve”. Mateus 11:29, 30.

Os que levam o jugo de Cristo avançarão juntos. Cultivarão

simpatia e clemência, e, com santa emulação, procurarão mostrar

aos outros a terna simpatia e amor de que eles mesmos sentem tão

grande necessidade. Quem é fraco e inexperiente, embora seja débil,

pode ser fortalecido pelos mais esperançosos e pelos de experiência

amadurecida. Conquanto seja o menor de todos, ele é uma pedra que

deve brilhar no edifício. É um membro vital do corpo organizado,

unido a Cristo, a cabeça viva, e, por Seu intermédio, identificado com

todas as excelências do caráter de Cristo, de modo que o Salvador

não Se envergonhe de lhe chamar irmão.

Utilidade aumentada pelos vínculos da igreja — Por que os

crentes constituem uma Igreja? Porque deste modo Cristo quer

aumentar sua utilidade no mundo e fortalecer sua influência pessoal

para o bem. Na Igreja deve ser mantida uma disciplina que proteja

os direitos de todos e aumente o senso da dependência mútua. Deus

nunca tencionou que a mente e o critério de um homem fossem um

poder controlador. Ele nunca tencionou que um homem governasse,

[17]

planejasse e ideasse sem a cuidadosa e devota consideração de todo o

corpo, a fim de que todos possam agir de maneira sensata, esmerada

e harmoniosa.

Os crentes devem brilhar como luzeiros no mundo. Uma cidade

edificada sobre um monte não pode ser ocultada. Uma igreja, sepa-

rada e distinta do mundo, é, na opinião do Céu, o que há de mais

valioso em toda a Terra. Os membros se comprometem a separar-se

do mundo, dedicando seu serviço a um só Mestre, Jesus Cristo. Eles

devem revelar que escolheram a Cristo como seu dirigente. ... A

Igreja deve ser o que Deus tencionava que ela fosse, um represen-

tante da família de Deus em outro mundo. — Carta 26, 1900.

Deus tem um corpo organizado

Acautelai-vos dos que se apresentam com o grande encargo de

denunciar a Igreja. Os escolhidos que se colocam em pé e enfren-

tam a tempestade da oposição do mundo, e que estão erguendo os

espezinhados mandamentos de Deus para exaltá-los como santos e

honrosos, são realmente a luz do mundo. ...

Que é a igreja?

21

Digo-vos, meus irmãos, que o Senhor tem um corpo organizado

por cujo intermédio Ele irá operar. Poderá haver mais de uma vin-

tena de Judas entre eles, poderá haver um Pedro impetuoso que em

circunstâncias aflitivas negue a seu Senhor. Poderá haver pessoas

representadas por João, a quem Jesus amava; talvez ele tenha, po-

rém, um zelo que destruiria a vida dos homens mandando descer

fogo do céu sobre eles para punir um insulto a Cristo e à verdade.

Mas o grande Mestre procura dar lições instrutivas para corrigir

esses males existentes. Ele está fazendo hoje a mesma coisa com

Sua Igreja. Está indicando os seus perigos. Está-lhes apresentando a

mensagem laodiceana.

Ele lhes mostra que todo egoísmo, todo orgulho, toda exaltação-

própria, toda descrença e preconceito, que conduzem à resistência

contra a verdade e afastam da luz verdadeira, são perigosos e, a

menos que se arrependam [desses pecados], os que acalentam essas

coisas serão deixados em trevas, como sucedeu com a nação judaica.

Procure toda alma responder agora à oração de Cristo. Que toda

[18]

alma ecoe essa oração em espírito, em petições, em exortações, para

que todos eles sejam um, assim como Cristo é um com o Pai, e

labutem com essa finalidade.

Em vez de assestar as armas da peleja contra as nossas próprias

fileiras, sejam elas dirigidas contra os inimigos de Deus e da verdade.

Ecoai a oração de Cristo de todo o vosso coração: “Pai santo, guarda-

os em Teu nome, que Me deste, para que eles sejam um, assim como

Nós.” João 17:11. ...

Que foi visionado pela oração de Cristo — A oração de Cristo

não é somente pelos que agora são Seus discípulos, mas por todos os

que irão crer em Cristo por meio das palavras de Seus discípulos, até

o fim do mundo. Jesus estava prestes a depor Sua vida, a fim de trazer

à luz a vida e a imortalidade. Cristo, em meio de Seus sofrimentos

e sendo diariamente rejeitado pelos homens, olha através de dois

mil anos para Sua Igreja que estaria em existência nos últimos dias,

antes do fim da história da Terra.

O Senhor tem tido uma Igreja desde aquela época, durante todas

as transformações operadas pelo tempo, até o período presente,

1893. A Bíblia nos apresenta uma igreja-modelo. Seus componentes

devem estar em união uns com os outros e com Deus. Quando os

22

Mensagens Escolhidas 3

crentes são unidos a Cristo, a Videira que Vive, o resultado é serem

um com Cristo, cheios de simpatia, ternura e amor.

Os que acusam a igreja — Quando alguém se afasta do corpo

organizado do povo que observa os mandamentos de Deus, quando

começa a pesar a Igreja em suas balanças humanas e a acusá-la,

podeis saber que Deus não o está dirigindo. Ele se encontra no

caminho errado.

Constantemente surgem homens e mulheres que se tornam in-

quietos e desassossegados, querendo estabelecer um novo sistema

e realizar alguma coisa estupenda. Satanás está à espera de uma

oportunidade para dar-lhes algo que fazer em sua especialidade.

[19]

Deus deu a cada um a sua obra.

Restaurar, não demolir — Há oportunidades e privilégios na

Igreja para ajudar os que estão morrendo e para infundir zelo à

Igreja, mas não para dilacerá-la. Há abundantes oportunidades na

Igreja para andar segundo as normas de Cristo. Se o coração está

cheio de zelo para avançar em direção a mais profunda santificação

e santidade, labutai então nesse sentido com toda a humildade e

dedicação. A Igreja necessita do frescor e da inspiração de homens

que respiram na própria atmosfera do Céu, a fim de vitalizar a Igreja,

embora o joio se encontre no meio do trigo. ...

Quisera advertir a todos os crentes que aprendam a manter pie-

dosa vigilância sobre si mesmos, para que Satanás não lhes afaste o

coração de Deus e passem inconscientemente a trabalhar segundo o

método de Satanás, sem perceber que mudaram de dirigentes, e se

encontrem sob o insidioso poder de um tirano.

Como uma Igreja, devemos estar bem despertos e labutar pelos

que erram entre nós, como cooperadores de Deus. Sãonos fornecidas

armas espirituais, poderosas para destruir a fortaleza do inimigo.

Não devemos arremessar os raios contra a militante Igreja de Cristo,

pois Satanás está fazendo tudo que pode nesse sentido, e seria me-

lhor que vós que pretendeis ser o remanescente do povo de Deus

não fôsseis encontrados ajudando-o, denunciando, acusando e con-

denando. Procurai restaurar, não demolir, desalentar e destruir. —

Manuscrito 21, 1893. Publicado na The Review and Herald, 8 de

[20]

Novembro de 1956.

Capítulo 2 — Unidade na igreja

Apresentai uma frente unida

O testemunho de todo crente na verdade deve ser como se fosse

um só. Todas as vossas pequenas divergências, que suscitam o es-

pírito combativo entre os irmãos, são ardis de Satanás para desviar

as mentes da grande e terrível questão que está diante de nós. A

verdadeira paz advirá entre o povo de Deus quando mediante zelo

unido e fervorosa oração for perturbada a falsa paz que existe em

grande medida. Agora há diligente trabalho a ser feito. Agora é o

tempo de manifestardes vossas qualidades soldadescas; apresente o

povo do Senhor uma frente unida aos inimigos de Deus, da verdade

e da justiça. ...

Quando o Espírito Santo foi derramado sobre a Igreja primitiva,

“da multidão dos que creram era um o coração e a alma”. Atos dos

Apóstolos 4:32. O Espírito de Cristo tornou-os um. Este é o fruto de

permanecer em Cristo. ...

Temos necessidade de iluminação divina. Todo indivíduo está

procurando tornar-se um centro de influência, e enquanto Deus

não trabalhar por Seu povo, eles não verão que a subordinação a

Deus é a única segurança para toda alma. Sua graça transformadora

em corações humanos conduzirá a uma unidade que ainda não foi

compreendida, pois todos os que são assemelhados a Cristo estarão

em harmonia uns com os outros. O Espírito Santo produzirá unidade. [21]

— Carta 25b, 1892.

Unidade, nosso credo

A oração de Cristo a Seu Pai, contida no capítulo dezessete de

S. João, deve ser o credo de nossa Igreja. Ela nos revela que nossa

desavença e desunião estão desonrando a Deus. Lede todo o capítulo,

verso após verso. — Manuscrito 12, 1899.

23

24

Mensagens Escolhidas 3

Não agir independentemente

Nenhum conselho ou sanção é dado na Palavra de Deus para

que os que crêem na mensagem do terceiro anjo sejam levados

a supor que podem agir independentemente. Podeis assentar isso

para sempre em vossa mente. São as maquinações de espíritos não

santificados que tendem a promover um estado de desunião. Os

sofismas de homens podem parecer corretos a seus próprios olhos,

mas não são verdade e justiça. “Porque Ele é a nossa paz, o qual

de ambos fez um; e, tendo derrubado a parede da separação que

estava no meio,... reconciliasse ambos em um só corpo com Deus,

por intermédio da cruz.” Efésios 2:14-16.

Cristo é o elo de ligação na áurea corrente que vincula os crentes

em Deus. Não deve haver separações neste grande tempo de prova.

Os componentes do povo de Deus são “concidadãos dos santos,

e... da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos após-

tolos e profetas, sendo Ele mesmo Cristo Jesus, a pedra angular;

no qual todo edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado

ao Senhor”. vs. 19-21. Os filhos de Deus constituem um conjunto

unido em Cristo, o qual apresenta Sua cruz como o centro de atração.

Todos os que crêem são um nEle.

Sentimentos humanos levarão os homens a tomar a obra em

suas próprias mãos, e assim o edifício se torna desproporcionado. O

Senhor emprega, portanto, uma variedade de dons para fazer que o

edifício seja simétrico. Nenhum aspecto da verdade deve ser ocul-

tado ou receber pouca consideração. Deus só pode ser glorificado

[22]

se o edifício, “bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Se-

nhor”. É abrangido aqui um grande assunto, e os que compreendem

a verdade para este tempo devem atentar para a maneira como ou-

vem, e como edificam e educam outros para pô-la em prática. —

Manuscrito 109, 1899.

O que é ratificado pelo céu

“Em verdade vos digo que tudo que ligardes na Terra, terá sido

ligado no Céu, e tudo que desligardes na Terra, terá sido desligado

no Céu.” Mateus 18:18. Quando toda especificação dada por Cristo

é cumprida no verdadeiro espírito cristão, então, e unicamente então,

Unidade na igreja

25

o Céu ratifica a decisão da igreja, porque seus membros têm a mente

de Cristo e procedem da maneira como Ele procederia se estivesse

na Terra. — Carta 1c, 1890.

[23]

Capítulo 3 — Ação independente

Afastando-se da fé

Deus está ensinando, dirigindo e guiando Seu povo, para que

possam ensinar, dirigir e guiar a outros. Haverá, entre o remanescente

destes últimos dias, como sucedeu com o antigo Israel, os que que-

rem agir independentemente, que não estão dispostos a submeter-se

aos ensinos do Espírito de Deus e que não atenderão a advertências

ou conselhos. Tenham essas pessoas sempre em mente que Deus

possui uma Igreja sobre a Terra, à qual Ele delegou poder. Os ho-

mens quererão seguir seu próprio critério independente, desprezando

conselhos e repreensões; mas, com tanta certeza como fazem isso,

eles se afastarão da fé, e seguir-se-á a desgraça e a ruína de almas.

Os que se arregimentam agora para apoiar e enaltecer a verdade

de Deus, estão se alinhando de um lado, permanecendo unidos de

coração, espírito e voz em defesa da verdade. — Carta 104, 1894.

Força proveniente da ação em conjunto

O Senhor deseja que todos os que desempenham uma parte em

Sua obra dêem testemunho em sua vida do santo caráter da verdade.

O fim está próximo, e agora é o tempo em que Satanás fará esforços

[24]

especiais para desviar o interesse e separá-lo dos importantíssimos

assuntos que devem chamar a atenção de todas as mentes para a

ação concentrada.

Um exército não pode ser bem-sucedido em coisa alguma se

as suas diversas partes não agirem harmoniosamente. Se cada sol-

dado atuasse independentemente dos outros, o exército logo ficaria

desorganizado. Em vez de obter força da ação concentrada, ele se

dissiparia em esforços desconexos e inexpressivos. Cristo orou para

que Seus discípulos fossem um com Ele, assim como Ele era um

com o Pai. ...

Sejam quais forem as boas qualidades de um homem, ele não

poderá ser um bom soldado se agir independentemente. De vez em

26

Ação independente

27

quando talvez seja realizado algum bem; mas, com frequência, o

resultado é de pouco valor, e muitas vezes o fim revela que foi cau-

sado mais dano do que bem. Os que agem independentemente dão

a impressão de realizar alguma coisa, atraem a atenção e fulguram

intensamente, e então desaparecem. Todos precisam puxar numa só

direção, a fim de prestar eficiente serviço para a Causa. ...

Deus requer ação conjunta de Seus soldados, e para haver isto

na igreja é essencial o domínio-próprio; deve-se praticar o domínio-

próprio. — Carta 11a, 1886.

Trocar idéias — Comparar planos

Em todo esforço em cada lugar no qual é apresentada a verdade

há necessidade de opiniões diferentes, de dons diferentes, e que se-

jam conjugados diversos planos e métodos de trabalho. Todos devem

fazer questão de aconselhar-se uns com os outros e de orar juntos.

Cristo disse: “Se dois dentre vós, sobre a Terra, concordarem a res-

peito de qualquer coisa que porventura pedirem, ser-lhes-á concedida

por Meu Pai que está nos Céus.” Mateus 18:19. Nenhum obreiro

possui toda a sabedoria que é necessária. Deve haver uma compara-

ção de planos e troca de idéias. Nenhum homem deve considerar-se

competente para dirigir um empreendimento, em qualquer lugar,

sem auxiliares.

Um homem pode ter tato num sentido, mas ser um fracasso

completo nalguns pontos essenciais. Isto faz com que sua obra seja

imperfeita. Ele necessita que o tato da mente e os dons de outro

homem sejam unidos aos seus esforços. Todos devem estar em

[25]

perfeita harmonia no trabalho. Se podem trabalhar só com os que

vêem as coisas exatamente como eles e seguem precisamente os seus

planos, serão então um fracasso. O trabalho será deficiente porque

nenhum desses obreiros aprendeu as lições na escola de Cristo que

os habilitam a tornar todo homem completo em Cristo Jesus. Todos

devem estar melhorando constantemente. Devem aproveitar toda

oportunidade e tirar o máximo proveito de todo privilégio, até se

tornarem mais habilitados para sua grande e solene obra.

Deus colocou, porém, na Igreja diversos dons. Todos eles são

preciosos em seu devido lugar, e todos devem desempenhar uma

parte no aperfeiçoamento dos santos.

28

Mensagens Escolhidas 3

Esta é a ordem de Deus, e os homens devem labutar de acordo

com os Seus preceitos e providências se quiserem ter êxito. Deus só

aceita os esforços que são efetuados de bom grado e com coração

humilde, sem o traço de suscetibilidades pessoais ou egoísmo. —

Carta 66, 1886.

Praticado nos primeiros tempos

Quando a Causa era mais nova, meu marido costumava

aconselhar-se com homens que tinham bom senso. Então a obra

era muito menor do que é agora, mas ele não se julgava capaz de

dirigi-la sozinho. Escolhia conselheiros dentre os que se achavam

revestidos de responsabilidade em todas as partes da obra. E depois

de se aconselharem uns com os outros, esses homens retornavam a

seu trabalho sentindo ainda maior responsabilidade de levar avante

a obra de maneira correta, de elevar, purificar e solidificar, para que

a Causa de Deus pudesse avançar vigorosamente. — Manuscrito 43,

1901.

Independência — Uma ilusão de Satanás

É uma ilusão do inimigo alguém achar que pode desligar-se das

instrumentalidades designadas por Deus e trabalhar de um modo

independente ideado por ele mesmo, em sua própria e pretensa sabe-

doria, e ainda ser bem-sucedido. Embora suponha estar realizando a

[26]

obra de Deus, não prosperará até o fim. Somos um só corpo, e todo

membro deve estar ligado ao corpo, devendo cada pessoa trabalhar

em sua respectiva capacidade. — Carta 104, 1894.

Não é bom sinal quando os homens não querem unir-se com seus

irmãos, mas preferem agir sozinhos; quando não querem receber

a seus irmãos porque estes não concordam exatamente com a sua

opinião. Se os homens querem levar o jugo de Cristo, eles não podem

agir independentemente. Tomarão o jugo de Cristo e puxarão junto

com Ele. — Manuscrito 56, 1898.

À medida que nos aproximamos da crise final, em vez de achar

que há menos necessidade de ordem e harmonia de ação, devemos

ser mais sistemáticos do que temos sido até agora. Toda a nossa obra

deve ser dirigida de acordo com planos bem definidos.

Ação independente

29

Estou recebendo luz do Senhor de que neste tempo deve haver

mais sábia direção do que em qualquer outro período de nossa

história. — Carta 27a, 1892.

A organização integral é essencial

Oh, como Satanás se regozijaria se alcançasse êxito em seus

esforços de penetrar no meio deste povo, e desorganizar a obra

num tempo em que a organização integral é essencial, e constitui

a maior força para evitar os levantes espúrios, e refutar pretensões

não abonadas pela Palavra de Deus! Precisamos manter as linhas

uniformemente, para que não haja quebra do sistema de organização

e ordem, que se ergueu por meio de sábio, cuidadoso labor. Não se

deve dar autonomia a elementos desordeiros que desejem controlar

a obra neste tempo.

Alguns têm apresentado a idéia de que, ao aproximarmo-nos

do fim do tempo, cada filho de Deus agirá independentemente de

qualquer organização religiosa. Mas fui instruída pelo Senhor de

que nesta obra não há isso de cada qual ser independente. As estrelas

do céu estão todas sujeitas a leis, cada uma influenciando a outra

para fazer a vontade de Deus, prestando obediência comum à lei

que lhes dirige a ação. E, para que a obra do Senhor possa avançar

sadia e solidamente, Seu povo deve unir-se. 30 de Maio de 1909. —

Testimonies for the Church 9:257, 258.

[27]

30

Mensagens Escolhidas 3

Seção 2 — Princípios de inspiração

[28]

Introdução

Nossa confiança naquilo que chega até nós como mensagens

inspiradas por Deus se baseia em nossa fé em Deus e Sua Palavra,

bem como na obra persuasiva do Espírito Santo em nosso coração.

Também se baseia na observação de profecias que se cumpriram e

estão se cumprindo, e nos frutos dessas mensagens em nossa própria

vida e na vida de outros. A influência dos conselhos sobre o desen-

volvimento e a obra da Igreja proporciona evidências adicionais de

sua origem sobrenatural.

O conhecimento de alguns aspectos da inspiração e revelação

ajuda a suster essa confiança. Podem ser encontrados em expressões

— amiúde incidentais — usadas pelos próprios escritores inspirados.

Tais palavras que mantêm nossa confiança aparecem na Bíblia, bem

como nos escritos de Ellen G. White. A Introdução da autora em O

Grande Conflito muito tem contribuído para nossa compreensão de

sua inspiração.

De vez em quando o Patrimônio White tem trazido a lume de-

clarações de Ellen White, tanto de seus escritos publicados como

não publicados, relacionadas com o assunto da revelação e inspira-

ção. Essas declarações usadas freqüentemente, de par com material

que ainda não tinha sido publicado, são agora reunidos nesta seção

intitulada: “Princípios de Inspiração”.

Como no caso dos escritores bíblicos, Ellen White só faz alusões

incidentais a suas visões. Só explica sucintamente como lhe advinha

a luz e como foram transmitidas as mensagens. Essas alusões inci-

dentais que aparecem em diversas fontes, e que amiúde consistem

apenas de algumas linhas, são agora, pela primeira vez, juntadas

[29]

neste volume. — Depositários White.

32

Capítulo 4 — A primazia da palavra

A relação dos escritos de E. G. White para com a Bíblia

reconhecida no primeiro livro — Recomendo-vos, caro leitor, a

Palavra de Deus como regra de vossa fé e prática. Por essa Palavra

seremos julgados. Nela Deus prometeu dar visões nos “últimos

dias”; não para uma nova regra de fé, mas para conforto do Seu

povo e para corrigir os que se desviam da verdade bíblica. Assim

tratou Deus com Pedro, quando estava para enviá-lo a pregar aos

gentios. — A Sketch of the Christian Experience and Views of Ellen

G. White, 64 (1851). Reimpresso em Primeiros Escritos, 78.

Não para tomar o lugar da palavra — O Senhor deseja que

estudeis a Bíblia. Ele não deu alguma luz adicional para tomar o

lugar de Sua Palavra. Esta luz deve conduzir as mentes confusas a

Sua Palavra, a qual, se for comida e assimilada, é como o sangue que

dá vida à alma. Então serão vistas boas obras como luz brilhando

nas trevas. — Carta 130, 1901.

Obtende provas da Bíblia — No trabalho público não torneis

proeminente nem citeis o que a Irmã White tem escrito, como autori-

dade para apoiar vossas posições. Fazer isto não aumentará a fé nos

testemunhos. Apresentai vossas provas, claras e simples, da Palavra

[30]

de Deus. Um “Assim diz o Senhor” é o mais forte testemunho que

podeis apresentar ao povo. Que ninguém seja instruído a olhar para

a Irmã White, e, sim, ao poderoso Deus, que dá instruções à Irmã

White. — Carta 11, 1894.

Primeiro os princípios bíblicos, depois os testemunhos —

Meu primeiro dever é apresentar os princípios bíblicos. Então, a

menos que tenha sido efetuada decidida e conscienciosa reforma por

aqueles cujos casos me foram apresentados, preciso apelar pessoal-

mente para eles. — Carta 69, 1896.

A obra de Ellen G. White não é diferente da obra dos pro-

fetas bíblicos — Nos tempos antigos, Deus falou aos homens pela

boca de Seus profetas e apóstolos. Nestes dias Ele lhes fala por meio

dos Testemunhos do Seu Espírito. Não houve ainda um tempo em

33

34

Mensagens Escolhidas 3

que mais seriamente falasse ao Seu povo a respeito de Sua vontade

e da conduta que este deve ter. — Testimonies for the Church 5:661;

Testemunhos Selectos 2:276.

A escritura e o espírito de profecia têm o mesmo autor — O

Espírito Santo é o autor das Escrituras e do Espírito de Profecia.

Estes não devem ser torcidos e levados a indicar o que o homem quer

que indiquem, para cumprir as idéias e os sentimentos do homem,

para levar avante os seus desígnios sob todos os riscos. — Carta 92,

1900.

Relação dos escritos de Ellen G. White para com a Bíblia

— a luz menor — Pouca atenção é dada à Bíblia, e o Senhor deu

uma luz menor para guiar homens e mulheres à luz maior. — The

Review and Herald, 20 de Janeiro de 1903. Citado em O Colportor

Evangelista, 125.

Provado pela Bíblia — O Espírito não foi dado — nem nunca

o poderia ser — a fim de sobrepor-Se à Escritura; pois esta expli-

citamente declara ser ela mesma a norma pela qual todo ensino e

experiência devem ser aferidos. ... Isaías declara: “À Lei e ao Teste-

munho! se eles não falarem segundo esta palavra, não haverá manhã

para eles.” Isaías 8:20. — O Grande Conflito entre Cristo e Satanás,