Merchandising comercial na telenovela: da persuasão ao incomodo por Elisa Peres Maranho; Gláucia Brida - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO

AO INCOMODO

Elisa Peres Maranho1; Gláucia Brida2

RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e do momento que o telespectador se encontra em um estado de

relaxamento , estando mais propício à absorção da mensagem da propaganda. O

presente estudo tem como objetivo, investigar o momento em que se insere o

merchandising televisivo comercial nas cenas da telenovela das 20h da Rede Globo

“A favorita”, a fim de constatar quando esta inserção é feita de forma verossímil, garantindo o efeito persuasivo da ação publicitária e quando ela ocorre de forma inverossímil comprometendo a qualidade desta ação publicitária. Para isto buscou-se com respaldo pesquisa bibliográfica, desenvolvida através do método dialético e por meio da metodologia proposta por Trindade (2007), realizar uma análise teórica seguida de estudo de caso do merchandising televisivo comercial inserido em cenas da tele novela “A favorita”, transmitidas do dia 16 de agosto, ao dia 13 de setembro, retiradas da internet, por meio de downloads do site de globo.com.

PALAVRAS -CHAVE: merchandising televisivo comercial, publicidade, telenovela.

INTRODUÇÃO

A televisão tem se mostrado como um meio de forte influência cultural nas

últimas décadas, afetando a sociedade de uma forma geral através de seus

produtos de informação e entretenimento. A discussão acerca da TV é muito ampla, pois ela pode ser estudada sob vários ângulos, contudo busca-se neste trabalho, estudar a relação da televisão com a publicidade, através do merchandising na

telenovela.

O meio televisão proporciona à publicidade uma maior aproximação com seu

público, propiciando a influência do discurso publicitário nos hábitos e valores de consumo do telespectador. Entre os produtos oferecidos pelas emissoras, temos a telenovela em um lugar de destaque dentro da programação, pois ela atinge um

grande público sendo o produto de maior audiência na maioria das emissoras.

A novela tem suas raízes históricas nos romances do século XIX,

principalmente no romance folhetim, de origem francesa, que já trazia o formato em capítulos3 e tinha como público principal as mulheres. A grande popularidade do folhetim influenciou os demais gêneros da literatura e os meios de comunicação

(SOUZA, 2004), como as radionovelas, que por sua vez, vieram a influenciar as

telenovelas. As telenovelas, em um formato próximo de que temos hoje, as soup 1 Acadêmicos do Curso Comunicação Social Publicidade e Propaganda do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR, Maringá – PR. Programa de Iniciação Científica do Cesumar (PIC).

elisamaranho@gmail.com

2 Orientadora, docente do Centro Universitário de Maringá – CESUMAR, Maringá – PR.

glauciabrida@cesumar.br

3 Folhetim: Texto literário (romance ou novela), principalmente impressa em capítulos, e também aproveitada pelo teatro e pelo rádio em episódios.

operas, nasceram primeiramente nos Estados Unidos, patrocinadas por empresas de produtos de beleza e de limpeza destinados as donas de casa (ANTUNES,

2006). No Brasil, o sucesso da radionovela desde 1941, refletiu-se nas produções televisivas seriadas. A primeira telenovela, estreou em 1951 na TV Tupi com o título:

"Sua vida me pertence", de autoria de Walter Foster. Contudo, a telenovela assumiu seu formato diário somente em 1963, com a estréia na TV Excelsior de "2-5499

ocupado", do argentino Alberto Migré (SOUZA, 2004).

Ao se inserir no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia

desta audiência e do momento em que o telespectador se encontra em um estado

de relaxamento. Contudo, existe uma grande propensão do indivíduo a não assistir ao comercial, mudar de canal ou sair da frente da TV neste intervalo. Segundo

Trindade (2001) assistir a um comercial parte de um ato não planejado e não

voluntário do indivíduo: "a publicidade televisiva, no cotidiano dos indivíduos vem, na maioria das vezes, como uma espécie de intrusa, pois ela está no momento do

intervalo entre um programa e outro" (idem, p.7). Uma forma de se evitar esta fuga de audiência é através do merchandising de propaganda.

A relação da publicidade com a telenovela na forma de merchandising,

nasceu com o surgimento deste gênero. As primeiras telenovelas, as soup operas norte-americanas, eram patrocinadas por empresas de produtos de beleza e de

limpeza e tinham como objetivo atingir um público específico: as donas de casa

(ANTUNES, 2006). Assim, já nestas tramas eram explorados conteúdos com fins

publicitários. No Brasil, a inserção de merchandising em telenovela, teve seu marco inicial em 1969, com o personagem “Beto Rockfeler” interpretado pelo ator Luiz

Gustavo, que curava suas ressacas com o antiácido Alka-Seltzer da Bayer. E se

consolidou na década de 80, com a inserção efetiva do merchandising em outras

novelas como na novela “Dancin Days” com o uso das calças jeans Staroup, pela personagem interpretada pela atriz Sônia Braga. Estas ações tiveram um grande impacto sobre os telespectadores da época, elas propiciaram um aumento

considerável de lucro para as empresas, e acabaram sendo responsáveis pelo

funcionamento das produções novelescas (ANTUNES, 2006).

Desta forma, considerando o presente projeto, pretende-se investigar o

momento em que se insere o merchandising televisivo comercial na trama,

vinculados em cenas da tele novela “A favorita”, a fim de constatar quando esta inserção é feita de forma verossímil, garantindo o efeito persuasivo da ação

publicitária inserida na trama e quando ela ocorre de forma inverossímil

comprometendo a qualidade da ação.

MATERIAL E MÉTODOS

Este trabalho tem como objetivo realizar uma análise teórica seguida de

estudo de casos de merchandising televisivo comercial inserido na novela das 20h da Rede Globo intitulada “A favorita”, que serão analisados de acordo com os

conteúdos bibliográficos que norteiam o tema e, por fim, apresentados na forma de monografia.

No primeiro momento da pesquisa foi feito levantamento, leitura e fichamento

dos materiais teóricos e bibliografias referentes aos temas: telenovela, televisão brasileira, merchandising editorial, e merchandising televisivo inserido na telenovela.

Composto e definido o referencial teórico, partiu-se então para a segunda parte do trabalho, a seleção e coleta das cenas da no vela A favorita. Esta etapa foi realizada, utilizando-se a internet como ferramenta, por meio do site de globo.com, de onde

foram feitos os downloads das cenas transmitidas do dia 16 de agosto, ao dia 13 de setembro, mediante assinatura do site. Realizada a coleta de dados da pesquisa, foi feito base no aporte teórico desenvolvido, um estudo de caso de merchandising televisivo comercial inserido na tele novela.

Para este estudo de caso, foi utilizado o método proposto por Trindade

(2007), para análise do merchandising televisivo, em que o autor propõe que esta análise seja realizada em quatro passos para que se tenha por fim à compreensão das potencialidades desta ferramenta. São eles: primeiro passo, a captura do

material, a fim de se ter uma decupagem das seqüências em imagem e áudio. O

segundo passo, analise do tipo de merchandising quanto a sua natureza social e comercial, para refletir o propósito e as possibilidades de impacto junto ao público. O

terceiro passo, identificação de como são exibidas, a temática social, ou a marca, produto ou serviço na cena, de acordo. E no quarto e último passo o autor sugere que seja feita uma análise das cenas quanto à naturalidade; pertinência ao

programa escolhido; pertinência de quem apresenta ou testemunha, seja modelo,

ator, ou apresentador; pertinência ao produto, marca, ou serviço; e o poder de impacto previsto diante da audiência do programa.

Devido à proposta inicial deste trabalho, serão analisados apenas os

merchandisings de natureza comercial. A novela “A favorita” foi escolhida por ser transmitida no horário nobre da Rede Globo, em que se tem a maior audiência da

TV brasileira, portanto é a novela que concentra os maiores investimentos, pela qualidade de produção. Centrou-se a coleta e análise dos merchandisings

veiculados no período de 16 de agosto a 13 de setembro, totalizando quatro semanas de exame das ações publicitárias inseridas na trama. Este período foi

definido, pois percebeu-se uma maior incidência de merchandisings neste momento em comparação à fase inicial da novela .

Após a coleta e análise dos dados obtidos, será redigido e apresentado o

corpus final, com os resultados e conclusões a que se chegou.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O primeiro ponto observado neste estudo, foi o de que de acordo com Souza

(2004), A novela situa -se, como um gênero de destaque, na categoria

entretenimento, desta forma encontra-se em um patamar de grande importância na

programação, sendo o gênero de maior audiência da TV brasileira. Segundo Souza

(2004, p. 123):

A telenovela, ainda é o gênero campeão de audiência da televisão

brasileira, reflete momentos da história, dita modas, mexe com o

comportamento da sociedade, influencia outras artes, presta serviços

sociais, enfim, esta ligada a vida do brasileiro de todas as idades e faixas

sociais.

Outro aspecto observado é o de que a novela pelo fato de ir ao ar quando

ainda estão sendo escritas, absorve a opinião do público através de pesquisas

qualitativas ou mesmo através de conversas informais do autor com o público,

afeta ndo o discorrer da trama. Devido a esse fator a novela é considerada uma obra aberta, capaz de colocar em sintonia os telespectadores com a interpretação e a reinterpretação dos temas tratados. Outra importante característica levantada é de que a novela é basicamente um gênero feminino, em sua estrutura. Daniel Filho

(2001) observa que suas histórias são, acima de tudo, histórias de mulheres; em que a heroína é a principal protagonista. Esta característica da novela tem forte relação com sua origem. A novela tem suas raízes históricas nos romances do século XIX,

principalmente no romance folhetim, de origem francesa, que já trazia o formato em capítulos e tinha como público principal as mulheres.

Sobre o merchandising televisivo inserido na telenovela, Trindade (2007) observa que esta ação possibilita a ocorrência tanto da projeção do telespectador na trama, quanto à identificação deste com as situações, os personagens, e com os

produtos e serviços anunciados. Bock (2002) observa que a publicidade procura

sempre mostrar um mundo idílico, perfeito ao mesmo tempo em que cuida de

produzir verossimilhança com a realidade do consumidor, para que este não se sinta distante do mundo exposto por ela e desta forma, gere identificação trabalhando o imaginário do indivíduo, sobre a ótica cotidiana, com a qual ele percebe sua

subjetividade. Desta forma, o merchandising inserido em produtos televisivos

usufrui deste efeito , instituindo a projeção e a identificação entre o

telespectador/consumidor e o produto inserido na trama, o que aproxima e aciona a marca na mente deste telespectador/consumidor.

Ainda sobre o merchandising televisivo , De Simoni (1997, apud Trindade, 2007, p. 342), entende que o merchandising televisivo, da forma como é inserido nas telenovelas, tem mais relação com o conceito americano de tie-in, do que com o de merchandising vindo do marketing. O autor (idem) explica que o termo tie-in em inglês significa amarrar, e in, quer dizer “dentro de”. Assim De Simoni (idem), postula que, a exibição de uma marca, produto ou serviço no espaço da mídia não

publicitária, como um programa de TV, uma telenovela, por exemplo, seriam

identificadas como propaganda tie-in, por estarem inseridas dentro de um programa ou de uma mídia de natureza não publicitária, mas que estaria funcionando como tal.

Trindade (2007), observa que o tie-in inserido na telenovela pode se dar essencialmente de duas formas: como estratégia comercial, merchandising televisivo comercial; ou como uma aplicação com fins ideológicos, visando à difusão de

valores positivos para o bem-estar social coletivo da sociedade, merchandising televisivo social. O merchandising televisivo comercial visa a promoção de mercadoria, marca ou serviço, dentro das cenas da novela. Já o merchandising televisivo social, esta a serviço da sociedade e possui utilidade pública à

comunidade. Antunes (2006) aponta ainda outras aplicações do tie-in que vêm sendo explorados recentemente nas telenovelas: o merchandising cultural, através de divulgação de eventos artísticos, até obras literárias importantes sem interesse comercial e o merchandising turístico, que se dá por meio de cenas de pontos turísticos que ajudam a promover o turismo despertando no telespectador o

interesse em conhecer as cidades mostradas.

Trindade(1999) classifica a aplicação do merchandising comercial de quatro

formas básicas: menção no texto: menção no texto, quando os personagens falam o nome da marca ou produto num diálogo; uso do produto ou serviço, quando a cena mostra a utilização do produto ou serviço pelo personagem; conceitual: a

personagem explica para o outro as vantagens, inovações, relevâncias e preços do produto ou serviço; e estímulo visual, quando o produto ou serviço é mostrado de forma a ser apreciado, visto no contexto da totalidade da cena, devidamente

explorado pela câmera. Já quanto à forma de repercussão que o merchandising tem na trama, Castro (2005) considera duas possibilidades: situado no discurso, ou

inserido na trama, relacionado ao princípio organizador da narrativa. Na primeira opção, quando o merchandising vem situado no discurso, essas inserções ocorrem

na superfície da trama, não provocando grandes alterações, limitando-se a

pequenas inserções na fala dos personagens, de colocação estratégica no cenário ou, ainda, de detalhamento do personagem que explicita essas vantagens. Já na

segunda opção em que ele aparece inserido na trama, ele influencia e é influenciado por toda a produção discursiva do núcleo da novela ao qual pertence.

A inserção de produtos, serviços e idéias na telenovela quando difundidos

através de cenas que estimulam situações normais do cotidiano, são facilmente

incorporados pelo telespectador, quase que de forma despercebida. Mas essa

sutileza do merchandising pode ser comprometida, quando um produto ou serviço é mostrado de forma ostensiva, há certa rejeição por parte do público que, considera esta técnica abusiva (TRINDADE, 1999). O merchandising, portanto, tanto pode

funcionar influenciando o telespectador de forma sutil e profunda, aproveitando-se de seu momento de relaxamento entretenimento frente à telenovela; quanto pode

gerar um incômodo, e neste caso, ter o mesmo efeito da propaganda no intervalo

comercial, que interrompe o momento de imersão do telespectador na ficção.

Por fim, observa -se que a eficácia da ação publicitária que entorna o

merchandising televisivo, está contida na sua capacidade de persuasão, seja em relação ao conceito de um produto, seja em relação há um princípio social, é preciso construir o discurso de forma que ele convença o telespectador, que o leve à

adesão. Sobre o discurso persuasivo Citelli (2005), aponta que uma das principais bases que o constitui, é a verossimilhança. Para o autor, é possível que o discurso não trabalhe com a verdade, mas apenas com a verossimilhança. Neste sentido ele entende verossimilhança, como sendo [...] aquilo que se constitui em verdade a

partir de sua própria lógica (idem, p.15); assim, persuadir seria o resultado de certa organização do discurso que o constitui como verdadeiro para o destinatário. Brait (1987) em sua explicação sobre verossimilhança interna da narrativa nos leva a entender que , a inserção de uma situação cotidiana em forma de merchandising, quando inserida na trama, exige mais do que uma simples correspondência com a

realidade, podemos nos incomodar, mesmo sendo algo comum as pessoas

comentarem sobre produtos ou serviços em seu dia-a-dia, contudo esta ação para que nos pareça natural, tem que estar amarrada tanto com a dinâmica das ações

que ocorrem na novela e com a linguagem audiovisua l adotada, quanto com o

próprio perfil do personagem, tem que estar dentro do que se espera dele, caso

contrário, irá gerar estranhamento, podendo afetar a verossimilhança interna da narrativa da telenovela.

CONCLUSÃO

A inserção do merchandising na trama de uma novela exige do planejamento

de mídia da agência e dos veículos, mais do que estratégias de visibilidade e

alcance no target, o merchandising televisivo, inserido em telenovelas, exige estratégias que envolvem questões estruturais da narrativa, e uma profunda

adequação entre enredo, produto e personagem. A percepção da inverossimilhança, resultada do discurso ostensivo, impróprio para o formato, pode comprometer o

efeito suasório da cena, levando ao fracasso da ação publicitária.

REFERÊNCIAS

ANTUNES, C. P. Merchandising na telenovela páginas da vida de Manoel

Carlos. 2006. Monografia apresentada no Cesumar – Centro Universitário de Ensino para obtenção do grau de bacharel em Publicidade e Propaganda.

BRAIT, B. A personagem. 3 ed.São Paulo:Editora Ática, 1987.

CASTRO,M.L.D. Televisão e publicidade: ações convergentes. In: CONGRESSO

BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 28, 2005. Rio de Janeiro. Anais...

São Paulo: Intercom, 2005. CD-ROM.

CITELLI, A. Linguagem e persuasão. 16 ed. São Paulo: Editora Ática, 2005.

FILHO, D. O circo eletrônico: fazendo tv no brasil. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2001.

MORIN, E. Cultura de massas do século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2005.

SOUZA, J. C. A. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Simmus, 2004.

TRINDADE, E. Telenovelas e publicidade; O ritual de ver TV e alguns aspectos na relação ficção/realidade. Anais do 24. Congresso Brasileiro de Ciências da

Comunicação, Campo Grande/MS, setembro 2001 [cd-rom]. São Paulo: Intercom,

2001.

TRINDADE, E. Merchandising em telenovela: uma estrutura para o consumo.

In:CORRÊA , T. G ; FREITAS, S. G. (Org.). Comunicação, marketing, cultura: sentidos da administração do trabalho e do consumo . São Paulo: ECA/USP; CLC, 1999. p. 154-166.Disponível

em:

<http://www.portalrp.com.br/bibliotecavirtual/outrasareas/publicidade epropaganda>.

Acesso em 03 de set. 2008.

TRINDADE, E. Merchandising televisivo: tie-in. In: PERES, Clotilde, BARBOSA, Ivan Santos (orgs). Hiperpublicidade: fundamentos e interfaces,vl1. São Paulo: Tomson Learning, 2007.p.340-351.

Você pode estar interessado...