Nomes próprios: análise de antropônimos do espanhol escrito por Eduardo Tadeu Roque Amaral - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE LETRAS MODERNAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LÍNGUA ESPANHOLA E

LITERATURAS ESPANHOLA E HISPANO-AMERICANA

EDUARDO TADEU ROQUE AMARAL

Nomes próprios:

análise de antropônimos

do espanhol escrito

São Paulo

2008

1

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE LETRAS MODERNAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LÍNGUA ESPANHOLA E

LITERATURAS ESPANHOLA E HISPANO-AMERICANA

Nomes próprios:

análise de antropônimos

do espanhol escrito

Eduardo Tadeu Roque Amaral

Tese apresentada ao Programa de Pós-

Graduação em Língua Espanhola e Literaturas

Espanhola e Hispano-Americana do

Departamento de Letras Modernas da

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências

Humanas da Universidade de São Paulo, para

a obtenção do título de Doutor em Letras.

Orientadora: Profa. Dra. Mirta María Groppi Asplanato de Varal a.

São Paulo

2008

2

Aos nossos nomes.

3

AGRADECIMENTOS

À Profa. Dra. Mirta Groppi, pela dedicação e empenho com que me

orientou.

À CAPES, pelos recursos concedidos durante o segundo ano de

desenvolvimento desta pesquisa.

Aos professores Maria Elizabeth Fonseca Saraiva, Neide González,

Rodolfo Ilari, Zilda Zapparoli, pelos esclarecimentos e pelas sugestões.

Aos colegas e alunos da Universidade Federal do Triângulo Mineiro,

pelo apoio que me deram.

A todos do Programa de Pós-graduação em Letras (Área de Língua

Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana), pela oportunidade

oferecida e pelo ótimo convívio.

À minha família, por estar sempre ao lado.

Aos amigos Junia dos Santos Cruz, Márcia Souto Ferreira, Maria de

Lourdes Lima e Daniel Mazzaro.

Ao Renan Chácara, pelo apoio e compreensão.

Ao amigo Wel ington Costa, pelo incentivo e pela colaboração com a

língua francesa.

Ao amigo e prof. Dr. Bruno Zenóbio, pelas sugestões de correção e

demais contribuições.

4

“pois uma personagem pode ter diversos nomes, conforme o caso,

pode ser designada pelo primeiro nome, pelo apelido, pelo

sobrenome ou pelo patronímico e, também, por coisas como ‘a viúva

de Jan’ ou ‘o atendente do cerealista’. Mas o que importa são os

detalhes físicos que o romance sublinha, as unhas ruídas de Bronko,

a pelugem nas faces de Brigd, assim como os gestos, os utensílios

manejados por um e outro, o martelo de carne, o escorregador de

agrião, a espátula de manteiga, de modo que toda personagem

receba uma primeira definição segundo seu gesto ou atributo, ou

melhor, é sobre isso que se deseja obter mais informações, como se

a espátula de manteiga já determinasse o caráter e o destino de

quem no primeiro capítulo manipula um utensílio desses, e como se,

a cada vez que a personagem reaparecesse no curso do romance,

você, Leitor, se preparasse para exclamar: ‘Ah, é aquela da espátula

de manteiga!’, forçando assim o autor a atribuir-lhe atos e eventos

relacionados a essa espátula inicial.”

Italo Calvino ( Se um viajante numa noite de inverno)

5

RESUMO

O objetivo principal desta tese é apresentar uma análise dos diferentes

usos de antropônimos (nomes próprios de pessoa) em textos do espanhol escrito

contemporâneo. Primeiramente, são discutidas questões relacionadas ao sentido e à

referência, retomando-se teorias clássicas sobre os nomes próprios desenvolvidas a

partir do século XIX principalmente por lógicos e filósofos: a teoria descritivista ou

teoria do sentido e a teoria referencial direta ou teoria causal. Já no âmbito dos

estudos gramaticais, são expostos alguns pressupostos de Kleiber (1981), com ênfase

nas idéias sobre predicado de denominação e nomes próprios modificados, as quais servem de base para diversos trabalhos de lingüistas contemporâneos que se

dedicam ao tema (Fernández Leborans, 1999a; Gary-Prieur, 1994; Gary-Prieur, 2001;

Jonasson, 1994; Leroy, 2004; entre outros). Também são comentadas diferentes

propostas de classificação dos nomes próprios. Essa exposição teórica possibilita

apresentar definições importantes para a análise como a de antropônimo, referente e uso referencial ordinário do antropônimo. Para alcançar o objetivo inicialmente

proposto, foi utilizado um corpus constituído pelos textos da seção Entretenimientos ( Espectáculos) publicados na página web do jornal argentino La Nación durante o mês de julho de 2005. Devido aos problemas que o uso do termo nome próprio modificado

acarreta – conforme já apontado por trabalhos recentes (Gary-Prieur, 2005; Kleiber,

2006; Noailly, 2000) –, a análise o abandona e, partindo de critérios semânticos

(principalmente relativos à referência), mas sem ignorar os sintáticos, são identificados três grupos de usos antroponímicos, cujas ocorrências são apresentadas em um

contínuo referencial que toma por base a referência ao indivíduo portador do nome

próprio. No primeiro grupo, estão os casos em que o referente do SN antroponímico se

identifica com o portador inicial do antropônimo. No segundo, aqueles em que o SN

antroponímico não corresponde com o portador inicial, mas mantêm com este uma

relação que pode surgir a partir de propriedades ou produtos seus. No terceiro grupo,

já saindo dos casos autênticos de antropônimos, enquadram-se as ocorrências em

que o referente discursivo do SN não mantém nenhuma relação com o indivíduo

portador do nome próprio. Além de oferecer uma nova classificação para os usos dos

antropônimos, este trabalho revê a noção de nome próprio modificado, postula um uso próprio do antropônimo relacionado à nomeação e comprova que uma análise de

nomes próprios deve considerar toda a diversidade sintática e semântica das

construções em que ocorrem.

Palavras-chave: nomes próprios; antropônimos; sentido; referência; língua espanhola.

6

RESUMEN

Esta tesis tiene como objetivo principal presentar un análisis de los

diferentes usos de antropónimos (nombres propios de persona) en textos del español

escrito contemporáneo. En primer lugar, se discuten cuestiones relacionadas con el

sentido y la referencia propuestas por teorías clásicas sobre los nombres propios

desarrol adas a partir del siglo XIX principalmente por lógicos y filósofos: la teoría

descriptiva o teoría del sentido y la teoría referencial directa o teoría causal. En el

ámbito de los estudios gramaticales, se exponen algunas ideas de Kleiber (1981), con

énfasis en aquel as en torno al predicado de denominación y a los nombres propios modificados, las cuales sirven de base a varios trabajos de lingüistas contemporáneos que se dedican al tema (Fernández Leborans, 1999a; Gary-Prieur, 1994; Gary-Prieur,

2001; Jonasson, 1994; Leroy, 2004; entre otros). Se comentan asimismo distintas

propuestas de clasificación de los nombres propios. Esa exposición teórica nos

posibilita la presentación de definiciones importantes para el análisis, como la de

antropónimo, referente y uso referencial ordinario del antropónimo. Para alcanzar el objetivo inicial, se utilizó un corpus constituido por textos de la sección

Entretenimientos ( Espectáculos) publicados en la página web del periódico argentino La Nación durante el mes de julio de 2005. Debido a los problemas que presenta el término nombre propio modificado –según trabajos recientes (Gary-Prieur, 2005;

Kleiber, 2006; Noailly, 2000)–, el análisis lo abandona y, a partir de criterios

semánticos (relacionados a la referencia principalmente), pero sin ignorar los

sintácticos, se identifican tres grupos de usos antroponímicos, cuyas ocurrencias se

presentan en un continuo referencial que tiene como base la referencia al individuo

portador del nombre propio. En el primer grupo, se encuentran los casos en que el

referente del SN antroponímico se identifica con el portador inicial del antropónimo. En

el segundo, aquellos en que el SN antroponímico no corresponde con el portador

inicial, pero mantiene con éste una relación que puede surgir a partir de propiedades o

productos suyos. En el tercero, ya sin auténticos ejemplos de antropónimos, están las

ocurrencias en que el referente discursivo del SN no mantiene ninguna relación con el

individuo portador del nombre propio. Además de ofrecer una nueva clasificación de

los usos de antropónimos, este trabajo revé la noción de nombre propio modificado, defiende un uso propio del antropónimo relacionado con el acto de nombramiento y

comprueba que un análisis de nombres propios debe considerar toda la diversidad

sintáctica y semántica de las construcciones en que ocurren.

Palabras clave: nombres propios; antropónimos; sentido; referencia; lengua española.

7

ABSTRACT

The main purpose of this work is to present an analysis of the different uses

of anthroponyms (proper names) in contemporary written Spanish texts. At the outset,

issues related to meaning and reference are discussed, recovering classic theories

about proper names which have been developed since the XIX Century mainly by

logicians and philosophers: the descriptivist theory or the meaning theory and the direct referential theory or causal theory. Regarding grammatical studies, a group of

assumptions by Kleiber (1981) are exposed, with emphasis on the ideas about

predicate of denomination and modified proper names which are basis for several studies by current linguists who are dedicated to this theme (Fernández Leborans,

1999a; Gary-Prieur, 1994; Gary-Prieur, 2001; Jonasson, 1994; Leroy, 2004; among

others). Different proposals for classification of proper names are also discussed here.

This theoretical framework enables the presentation of important definitions for the

analysis such as anthroponym, referent and ordinary referential use of anthroponym.

To accomplish our goal, we gathered a corpus composed by texts from the section

Entretenimientos ( Espectáculos) published on the web page of the Argentinian newspaper La Nación during July 2005. Due to the complications caused by the

expression modified proper name – in accordance with recent works (Gary-Prieur,

2005; Kleiber, 2006; Noailly, 2000) –, the analysis here disregards this expression.

Based on semantic criteria (related to reference), without nevertheless abandoning the syntactic ones, three groups of anthroponymic uses are identified. Their occurrences

are presented in a continuous referential which is based on the reference to the subject

that bears the proper name. The first group is composed by cases in which the referent

of the anthroponymic NP is identified to the initial bearer of the antroponym. In the

second group, there are cases in which the anthroponymic NP does not correspond to

the initial bearer, but keeps a relationship with this one that may arise from properties or products. In the third group, without authentic cases of anthroponyms, there are

occurrences in which the discursive referent of the NP does not have any relationship

with the subject that bears the proper name. Beyond offering a new classification for

the use of anthroponyms, this work revisits the notion of modified proper name,

postulates a proper use of anthroponym related to nomination, and attests that analysis of proper names must consider the whole syntactic and semantic diversity of the

constructions in which they appear.

Keywords: proper names; anthroponyms; sense; reference; Spanish.

8

LISTAS

ABREVIATURAS

Adj. – adjetivo

Antr. – antropônimo

Art. – artigo

Art. def. sing. – artigo definido singular

Art. def. pl. – artigo definido plural

Dem. – demonstrativo

NC – nome comum

Num. – numeral

NPr – nome próprio

Pos. – possessivo

SN – sintagma nominal

SPrep – sintagma preposicionado

FIGURAS

FIGURA 1.1 – Obras representativas das teorias sobre os nomes próprios publicadas

entre 1843 e 1981

FIGURA 4.1 – Esquema classificatório de nomes próprios (López García, 2000: 186)

GRÁFICO

GRÁFICO 3.1 – Comparação entre os pesos lexicais de antropônimos e de

antropônimos modificados segundo as variáveis

QUADROS

QUADRO 2.1 – Exemplos de usos do nome próprio (elaborado a partir de Fernández

Leborans, 1999a)

QUADRO 4.1 – Relação e definição dos itens considerados antropônimos

TABELA

TABELA 3.1. Relação de antropônimos modificados por número de palavras de quatro

seções do jornal La Nación referentes ao período de 01/07/05 a 07/07/05

9

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO............................................................................................................ 12

1. OS ESTUDOS SOBRE OS NOMES PRÓPRIOS ................................................... 18

1.1. As diferentes abordagens sobre os nomes próprios......................................... 19

1.1.1. Os nomes próprios na tradição gramatical ................................................ 19

1.1.2. Os nomes próprios: objeto de estudo interdisciplinar................................. 20

1.2. Nome próprio: questões de sentido e referência .............................................. 20

1.2.1. A teoria descritivista ou teoria do sentido .................................................. 22

1.2.1.1. Frege e Russell .................................................................................. 23

1.2.1.2. Strawson e Searle .............................................................................. 26

1.2.2. A teoria referencial direta ou teoria causal................................................. 30

1.3. Nomes próprios e predicados........................................................................... 39

1.3.1. O nome próprio como predicado ............................................................... 39

1.3.2. A teoria do predicado de denominação .....................................................40

2. OS NOMES PRÓPRIOS NOS ESTUDOS LINGÜÍSTICOS .................................... 42

2.1. O predicado de denominação e os nomes próprios modificados...................... 44

2.2. Abordagem cognitiva do nome próprio (Jonasson, 1994)................................. 46

2.3. Por uma gramática do nome próprio (Gary-Prieur (1994); Gary-Prieur (2001)) 50

2.4. O fim do predicado de denominação (Kleiber (1995) e Kleiber (1996)) ............ 55

2.5. Os nomes próprios modificados: antigos problemas, questões recentes.......... 58

2.6. Os nomes próprios nos estudos da língua espanhola ...................................... 60

3. ASPECTOS METODOLÓGICOS............................................................................ 62

3.1. O nascimento da pesquisa e as primeiras opções metodológicas.................... 63

3.2. A coleta de dados: sobre os dados de língua oral e de língua escrita .............. 64

3.2.1. Corpora de língua oral............................................................................... 65

3.2.2. Corpus de língua escrita............................................................................ 67

3.3. A análise ......................................................................................................... 67

3.3.1. A utilização de um método matemático-estatístico-computacional ............ 67

3.3.2. A análise de Leroy (2001) e o tratamento automático da antonomásia ..... 70

3.4. As escolhas metodológicas definitivas ............................................................. 72

10

4. NOMES PRÓPRIOS E ANTROPÔNIMOS: QUESTÕES DE CLASSE E DE

DEFINIÇÃO ................................................................................................................ 73

4.1. A classe dos nomes próprios ........................................................................... 75

4.1.1. Os antropônimos entre os nomes próprios................................................ 78

4.2. O uso próprio do nome próprio......................................................................... 80

4.2.1. A noção de nomear ................................................................................... 81

4.2.2. A nomeação nos dados do espanhol escrito ............................................. 83

4.2.2.1. Exemplos com o verbo LLAMAR [llamar + Antr.] ................................ 84

4.2.2.2. Exemplos com o verbo CONOCER [conocer + como + Antr.]............. 85

4.2.2.3. Exemplo com o verbo BAUTIZAR [bautizar + Antr.]............................ 86

4.2.2.4. Exemplos com itens lexicais classificadores de antropônimos............ 86

4.2.2.5. Exemplos com estruturas apositivas e com a estrutura [el + SN [NC/Adj

+ Antr.]] ........................................................................................................... 87

4.2.2.6. Outros exemplos ................................................................................90

4.3. O uso do antropônimo em oração copulativa e outras formas de nomeação ... 91

4.4. O uso referencial ordinário do antropônimo...................................................... 96

4.5. Usos modificados: uma proposta de análise semântico-textual........................ 98

5. ANÁLISE DOS DADOS ........................................................................................ 101

5.1. Grupo 1.......................................................................................................... 103

5.1.1. Antropônimos precedidos por artigo definido singular [Art. def. sing. +

Antr.] ................................................................................................................. 106

5.1.2. Antropônimos precedidos por artigo definido plural [Art. def. pl. + Antr.].. 112

5.1.3. Antropônimos precedidos por nome de parentesco [Art. def. pl. + nome de

parentesco + Antr.]............................................................................................ 116

5.1.4. Antropônimos precedido por numeral [num. + Antr.]................................ 120

5.1.5. Antropônimos precedidos por mismo [Art. def. + mismo/a + Antr.] .......... 122

5.1.6. Antropônimos precedidos por propio [el/la propio/a + Antr.] .................... 127

5.1.7. Antropônimos precedidos por adjetivo [Art. def. + Adj. + Antr.]................ 130

5.1.8. Antropônimos precedidos por possessivo [Pos. + Antr.].......................... 134

5.1.9. Antropônimos precedidos por demonstrativo [Dem. + Antr.].................... 138

5.1.10. Antropônimos precedidos por tal [art. + tal + Antr.]................................ 140

5.1.11. Outros casos ......................................................................................... 141

5.2. Grupo 2.......................................................................................................... 142

5.2.1. A interpretação “manifestação”, “fase” ou “imagem” do referente............ 142

5.2.2. A interpretação metafórica ...................................................................... 152

5.2.3. A interpretação metonímica..................................................................... 162

11

5.2.4. O antropônimo como qualificativo............................................................ 165

5.3. Grupo 3.......................................................................................................... 169

5.4. O uso metalingüístico do antropônimo ........................................................... 172

CONCLUSÕES......................................................................................................... 174

BIBLIOGRAFIA......................................................................................................... 183

ANEXO ..................................................................................................................... 195

12

Introdução

13

Perder nuestro nombre es como perder

nuestra sombra; ser sólo nuestro

nombre es reducirnos a ser sombra. La

ausencia de relación entre las cosas y

sus nombres es doblemente

insoportable: o el sentido se evapora o

las cosas se desvanecen.

Octavio Paz

O texto abaixo foi extraído da edição on-line de 3 de julho de 2005 do

jornal argentino La Nación. Considerem-se os itens lexicais destacados:

Una historia de vida llevada al escenario

(…)

Se llama Juana González; tiene hoy ochenta años y en los 50

del siglo último fue la stripper más osada y famosa de Rosario y sus

alrededores, con el seudónimo de Rita la Salvaje. Su historia contiene

todos los ingredientes del consabido fol etín de la muchacha de origen

humilde, de la que abusaba desde la pubertad su padrastro, loca por el

baile, las lentejuelas, las plumas y las luces de la gran ciudad, que a fuerza

de tesón, audacia y cálculo se convierte en reina de la vida nocturna sin

perder una suerte de inocencia esencial.

El libro de Gonzalo Demaría ("Houdini") se remonta desde la

actualidad, cuando Juana-Rita vive una vejez modesta y apacible, hasta

sus comienzos, sin ocultar la sordidez del ambiente en que triunfó, sus

decepciones amorosas, su inquebrantable fe en la Virgen María y en Eva

Perón, y el mantenimiento, pese a todo, de una ética profesional. El

recurso es el habitual: el joven periodista que procura rescatar del olvido a

una vieja gloria en decadencia.

Y es la Rita actual la encargada de la evocación, en una

caracterización de veras conmovedora, y muy divertida a la vez, de la

notable Lidia Catalano.

Los autores ponen el acento en el paso de la protagonista, ya

madura y olvidada, por una clínica neuropsiquiátrica donde es sometida a

un régimen atroz.

Esto da lugar a un encuentro imaginario con tres Ritas

famosas -Hayworth, Pavone y Lee (por cierto, irreconocibles si no se las

mencionase)- y a un estrafalario número de acrobacia aérea, con arneses,

al comienzo de la segunda parte, para el cual no se presta el reducido

escenario del Maipo. Suprimirlo favorecerá el saldo final del espectáculo.

(…)

(http://www.lanacion.com.ar/718073)

14

Analisando os nomes próprios destacados no texto acima, é possível

observar que eles recebem interpretações diferenciadas. No primeiro parágrafo, Juana

González serve para nomear a mulher que foi uma stripper famosa da cidade de Rosário e de seus arredores durante os anos 50. Nesse caso, o nome apresentado da

stripper está constituído por um prenome ( nombre de pila, em espanhol) e um sobrenome ( apellido). Ainda no primeiro parágrafo, Rita la Salvaje também nomeia a mesma pessoa, com a diferença de que se informa para o leitor que se trata de um

pseudônimo. Nesse caso, tem-se um nome próprio complexo, ou seja, constituído por um antropônimo seguido de um sintagma determinante, para usar a nomenclatura de

Fernández Leborans (2003: 68).

No

segundo

parágrafo,

Gonzalo Demaría tem uma interpretação diferente.

Nesse caso, o nome próprio refere-se a um indivíduo específico, o autor Gonzalo

Demaría. Novamente, está constituído por prenome e sobrenome. Em seguida, com a

mesma função referencial, está Juana-Rita, fusão de nome (de batismo) e

pseudônimo.

No terceiro parágrafo, o nome próprio Rita está antecedido por artigo

definido e acompanhado pelo adjetivo classificador actual, o que leva a uma

interpretação diferente do SN: cria-se uma distinção entre uma Rita atual e outra não

atual e predica-se algo da primeira. Na mesma frase, o nome Lídia Catalano também está acompanhado de artigo definido, mas apresenta o adjetivo qualificador notable, o que mantém a interpretação semelhante àquelas do parágrafo anterior.

Finalmente, no último parágrafo, o nome Rita está pluralizado e

acompanhado por tres e famosas. Nesse caso, caberia então questionar que diferença de interpretação teria esse exemplo dos demais.

Ocorrências como la Rita actual e tres Ritas famosas têm sido chamadas

de usos modificados. Com efeito, os diferentes usos do nome próprio como esses têm sido amplamente investigados por pesquisadores contemporâneos, principalmente por

lingüistas franceses: Georges Kleiber, Kerstin Jonasson, Marie-Noëlle Gary-Prieur,

Sarah Leroy, entre outros. Nos estudos com dados do espanhol, depois do clássico

texto de Eugenio Coseriu, El plural en los nombres propios, é o artigo de Maria Jesús Fernández Leborans (1999a) o que mais atenção dá aos aspectos sintáticos e

semânticos dos nomes próprios.

Mas se, por um lado, nos diferentes usos dos nomes próprios existem

muitos fatores envolvidos além da questão do número levantada por Coseriu, por outro

lado, a análise de Gary-Prieur também deixa algumas indagações. Tendo em vista que

a autora utiliza dados de introspecção e que os agrupa segundo a sua configuração

15

sintática1, pode-se questionar: selecionado um corpus específico da língua espanhola contemporânea, é possível encontrar os mesmos usos tratados pelos autores? Esses

usos podem ser enquadrados nas classificações das análises já existentes ou é

possível propor uma nova análise?

Partindo da hipótese de que os usos de antropônimos em textos escritos e

suas respectivas interpretações não coincidem totalmente com os dos estudos

existentes e que é possível propor uma nova análise para os dados do espanhol, este

trabalho tem como objetivo principal analisar os usos do antropônimo em textos do

espanhol escrito, com ênfase nos chamados usos modificados. Constituem

objetivos secundários: a) rever o rótulo de modificado utilizado por vários lingüistas contemporâneos; b) rever a noção de uso típico ou prototípico do nome próprio; c)

discutir a noção de nomeação e relacioná-la aos usos do antropônimo; d) observar

aspectos da configuração interna do antropônimo; e) diferenciar os diferentes usos de

acordo com critérios semânticos primordialmente, mas não abandonando os traços

sintáticos.

A tese está dividida em cinco capítulos. A seguir, apresenta-se o conteúdo

de cada um, de acordo com as seções que os compõem.

O Capítulo 1, que retoma os principais estudos sobre os nomes próprios,

está dividido em 3 seções. A primeira, 1.1, cita diferentes abordagens sobre esses

itens. Depois de visto como os gramáticos tradicionais tratam o tema, chama-se a

atenção para o fato de que os nomes próprios são um objeto de estudo de diferentes

áreas do conhecimento. Na seção 1.2, são discutidas questões relacionadas ao

sentido e à referência, as quais despertaram um fervoroso debate entre os

pesquisadores nos últimos séculos. Para essa discussão, são expostos os principais

argumentos de duas teorias clássicas: a teoria descritivista ou teoria do sentido e a

teoria referencial direta ou teoria causal. Da primeira, apresentam-se algumas idéias

de Frege, Russel , Strawson e Searle; da segunda, retomam-se idéias de Kripke e

Recanati. O capítulo termina com a seção 1.3, que apresenta teorias mais recentes

sobre os nomes próprios, elaboradas por Burge (1973) e Kleiber (1981). Alguns

argumentos contra essas teorias já nos conduzirão ao capítulo seguinte.

No Capítulo 2, retomam-se os estudos lingüísticos sobre os nomes

próprios. Esse capítulo está dividido em seis seções. Após a constatação de que

esses itens têm interessado a diferentes âmbitos da Lingüística, volta-se, em 2.1, a

Kleiber (1981), que apresenta dois temas de fundamental importância para o

desenvolvimento deste trabalho: as idéias sobre o predicado de denominação e sobre 1 Trata-se da seção 2.4 de Fernández Leborans (1999a): La sintaxis de los nombres propios.

16

os nomes próprios modificados. Em seguida, são apresentados e discutidos alguns

trabalhos recentes de lingüistas que pesquisaram os usos dos nomes próprios.

Jonasson (1994) e sua proposta de apresentar uma abordagem cognitiva do nome

próprio é o tema da seção 2.2. Gary-Prieur (1994) e Gary-Prieur (2001), que elaboram

uma gramática do nome próprio a partir da análise dos vários usos no francês, são apresentados e discutidos em 2.3. Na seção seguinte, 2.4, volta-se novamente a

Georges Kleiber e, a partir da discussão de Kleiber (1995) e (1996), chega-se ao

abandono da teoria do predicado de denominação. Na apresentação das principais

idéias dos trabalhos citados, privilegiam-se as análises e discussões relativas ao

chamado nome próprio modificado, conceito que é o principal tema da seção 2.5. Por fim, em 2.6, passa-se dos lingüistas franceses a Fernández Leborans (1999a), que é a

autora que mais detalhadamente estudou os diferentes usos do nome próprio no

espanhol, conforme comentado acima.

O terceiro capítulo expõe os aspectos metodológicos do desenvolvimento

deste trabalho. Na primeira seção, explica-se brevemente como nasceu esta pesquisa

para então serem apresentadas as primeiras opções metodológicas. Nas duas seções

seguintes, 3.2 e 3.3, descreve-se o percurso metodológico realizado antes das

escolhas definitivas. 3.2 está dedicada aos corpora consultados e 3.3 às

possibilidades de análise que se chegou a cogitar. Por fim, na última seção,

apresentam-se as escolhas metodológicas definitivas.

O quarto capítulo, dividido em 5 seções, discute temas de fundamental

importância para a análise que será apresentada posteriormente. Inicialmente, na

seção 4.1, são apresentadas diferentes propostas que têm sido feitas por vários

autores para a delimitação da classe dos nomes próprios: Allerton (1987), Wilmet

(1995a), Jonasson (1994), López García (2000). Chega-se então aos antropônimos,

enquadrados sempre dentro do conjunto dos nomes próprios. Assim, apresentam-se

os itens considerados antroponímicos nesta tese, bem como uma definição de

antropônimo. Na seção seguinte, 4.2, discute-se a noção de nomeação para poder

chegar ao que se chama neste trabalho de uso próprio do antropônimo. Nessa seção, são apresentados vários exemplos, já extraídos do corpus desta tese. Outros usos

ainda são discutidos nesse capítulo: o uso do antropônimo em orações copulativas,

tema da seção 4.3; o uso referencial ordinário, em 4.4, e, na última seção, o uso

modificado do antropônimo.

O Capítulo 5 está destinado à análise dos dados. O conteúdo das três

primeiras seções está definido de acordo com o resultado da própria análise. Por isso,

denominam-se Grupo 1 (seção 5.1), Grupo 2 (5.2) e Grupo 3 (5.3). Em cada um, são apresentados e discutidos todos os exemplos de antropônimos do corpus que

17

possuem as características do grupo explicitadas logo no início do capítulo. Antes de

terminar, em uma última e breve seção, apresentam-se os casos de uso

metalingüístico do corpus.

Após o quinto capítulo, seguem-se as considerações finais e a bibliografia.

Como anexo, em CD-ROM, encontram-se todos os textos dos quais foram

extraídos os dados da análise. Embora cada exemplo da tese traga o link em que se pode encontrar o texto completo, acredita-se que, estando o conteúdo em CD, pode-se evitar uma futura falta de acesso aos dados em caso de indisponibilidade dos

textos na web.

18

Capítulo 1

Os estudos sobre os

nomes próprios

19

C’est vraiment une bonne théorie. Le

seul défaut que je lui trouve est

probablement commun à toute les

théories philosophiques: elle est fausse.

Vous pourriez me soupçonner de vous

proposer une autre théorie à la place ;

mais j’espère que non, parce que je suis

sûr qu’elle serait fausse aussi, en tant

que théorie.

Saul Kripke (1980: 51)

Neste capítulo, faz-se uma retomada dos estudos dedicados aos nomes

próprios. Inicialmente, são comentadas as diferentes abordagens que têm sido

utilizadas para o estudo dos nomes próprios e, em seguida, discutem-se questões

centrais que têm sido levantadas para a compreensão e análise dessa classe de

nomes: em primeiro lugar, noções de sentido e referência – sobre essas noções, os

pontos levantados têm como origem discussões originadas com teóricos dos séculos

XIX e XX, principalmente da Filosofia e da Lógica – e, em segundo lugar, a relação

entre nomes próprios e predicados.

1.1. AS DIFERENTES ABORDAGENS SOBRE OS NOMES PRÓPRIOS

1.1.1. Os nomes próprios na tradição gramatical

As gramáticas costumam incluir os nomes próprios na categoria dos

nomes ou substantivos, dividindo-a em nomes (ou substantivos) próprios e nomes (ou

substantivos) comuns ou apelativos. Essa divisão está presente tanto nas gramáticas

antigas (Nebrija, 1492; Arnauld e Lancelot, 2001: 36; Bel o, 1988: 205; Salvá, 1988:

138) quanto nas contemporâneas (Alarcos Llorach, 1999; Di Tullio, 20052; Gómez

Torrego, 2000: 35). Para Alarcos Llorach (1999: 83), os substantivos comuns ou

apelativos “clasifican los objetos de la realidad física o mental como pertenecientes a

una determinada clase”, enquanto os substantivos próprios “identifican con su etiqueta

a un objeto dado, que resulta inconfundible para los interlocutores”.

2 Diferentemente dos demais autores, Di Tullio (2005) distingue os substantivos próprios dos nomes próprios, embora reconhecendo que normalmente coincidem, como em Gabriel García Márquez. Mas o argumento que sustenta a distinção da autora é que há nomes próprios formados por substantivos comuns, como em Cem anos de solidão ou por uma combinação de substantivos comuns e substantivo próprio, como em Universidade Nacional do Comahue. Por outro lado, ainda conforme a autora, os substantivos próprios podem aparecer em SN que não é um nome próprio, uma vez que não designa uma entidade única: el Buenos Aires de mi infancia; todos los García de la guia telefónica; un tal Pérez; todo un Cicerón.

20

A noção do nome (ou substantivo) próprio como etiqueta é freqüente nas

gramáticas (cf. também Gómez Torrego, 2000: 35 e Di Tullio, 2005), bem como a idéia

de unicidade. Segundo Alarcos Llorach (1999: 83), os nomes próprios designam

objetos únicos. Esse autor ainda distingue os objetos únicos “en absotulo” ( el Sol, la Luna), dos únicos na situação de fala ( Juan, Fernández, etc.) – para ele, situação de fala seria “el universo de preocupaciones y saberes comunes al hablante y al oyente”

(p. 83).

Embora os nomes próprios estejam presentes nas gramáticas e, de fato,

sejam objeto de pesquisa de estudos lingüísticos de distintos interesses, não são

poucos os estudiosos de outras áreas que têm se preocupado com essa classe de

nomes. Pode-se inclusive dizer que, historicamente, os nomes próprios têm maior

peso nos estudos de áreas diferentes da Lingüística, conforme será visto adiante.

1.1.2. Os nomes próprios: objeto de estudo interdisciplinar3

Como foi mencionado, os nomes próprios têm sido objeto de estudo em

diferentes áreas, como na Psicologia (Martins, 1991, Leite, 2004), na Psicopedagogia

(Russo, 2000), na História e na Antropologia (Christin, 2001), na Lógica e na Filosofia

(Mill, 1984, Frege, 1978, Russell, Kripke, 1982, Brito, 2003 e muitos outros), etc. Entre os trabalhos mais relacionados à Lingüística, os nomes próprios têm interessado a

diversos campos de pesquisa, como a Sociolingüística (Al erton, 1987 e Allerton,

1996), a Semântica (Recanati, 1983; Flaux, 1991), a Dialetologia (Amaral, 2003), a

Lingüística Histórica (Mendes, 2000), a Lexicologia e a Lexicografia (Fontant, 1998,

Lecomte-Hilmy, 1989), a Tradução (Moya, 2000) e a Lingüística de Corpus (Leroy,

2002, 2004 e 2005; Marin; Martinez e Miramón, 2003; Maurel, 2004).

A partir da próxima seção, serão tratados temas relacionados ao sentido e

à referência do nome próprio, que são os que têm despertado a atenção dos

estudiosos há bastante tempo. Para isso, partir-se-á dos trabalhos de lógicos e

filósofos, que são os que mais têm se dedicado a essas questões.

1.2. NOME PRÓPRIO: QUESTÕES DE SENTIDO E REFERÊNCIA

Ao contrário do que em geral se crê,

sentido e significado nunca foram a

mesma coisa, o significado fica-se logo

por aí, é directo, literal, explícito,

3 Cf. Morala (1986) para discussão a respeito da interdisciplinaridade nos estudos sobre os nomes próprios, especialmente dos topônimos.

21

fechado em si mesmo, unívoco, por

assim dizer, ao passo que o sentido não

é capaz de permanecer quieto, fervilha

de sentidos segundos, terceiros e

quartos, de direções irradiantes que se

vão dividindo em ramos e ramilhos, até

se perderem de vista, o sentido de cada

palavra parece-se com uma estrela

quando se põe a projectar marés vivas

pelo espaço fora, ventos cósmicos,

perturbações magnéticas, aflições.

( Todos os nomes, José Saramago)

Entre os filósofos, especialmente entre aqueles que se ocupam da filosofia

da linguagem, os nomes próprios, juntamente com as descrições definidas singulares

e os pronomes pessoais, pertencem à classe dos chamados termos singulares (por

oposição aos termos gerais), constituindo todos expressões que permitem fazer

referência singular a objetos. A partir dessa divisão, a pergunta que se faz é: como

diferenciar os nomes próprios dos demais termos singulares? Para tentar responder a

questões como essa, discute-se quais seriam as propriedades dos nomes próprios.

Vários pontos relativos a tais propriedades têm sido motivos de fervorosos debates. A

seguir, serão vistos alguns dos principais temas que têm sido objeto de discussão.

Uma das questões mais discutidas nos estudos sobre o nome próprio

refere-se à questão de saber se ele tem ou não um sentido ou significado ( Sinn ou Bedeutung4 meaning ou sense). Apesar de lingüistas contemporâneos aceitarem o fato de que o tema não pode ser posto simplesmente como presença ou ausência de

sentido, voltando-se aos trabalhos clássicos sobre nomes próprios, é possível

distinguir pelo menos três grupos de autores5.

No primeiro, estariam os autores que argumentam que o nome próprio tem

um sentido. Os argumentos desse grupo vão ao encontro da proposta de Russell

(1956), que considera que os nomes próprios são descrições definidas abreviadas.

Formariam parte deste grupo autores como Frege (1978), Strawson (1985) e Searle

(1958) e (1969).

No segundo grupo, estariam os trabalhos que defendem que os nomes

próprios não possuem sentido. Os defensores desse ponto de vista costumam ser

relacionados à proposta do filósofo John Stuart Mill, para quem os nomes próprios

somente denotam e não conotam. A esse grupo, relaciona-se a proposta de

4 Utilizo esses termos no sentido corrente do alemão contemporâneo.

5 Essa é uma divisão adotada por Fernández Leborans (1999a) e é a que guiará o conteúdo das próximas seções. Para uma divisão mais refinada, conferir García Suárez (1997).

22

considerar o nome próprio como designador rígido, segundo idéias de Kripke (1982) (cf. também Recanati, 1983 e Martin, 1987).

Em um terceiro, estariam os trabalhos de autores que pertencem mais ao

campo da Lingüística. Muitos dos autores não colocam a questão como simplesmente

presença ou ausência de sentido. Em geral, partem do trabalho de Kleiber (1981), que

associa o sentido do nome próprio ao predicado de denominação6.

A seguir, são apresentados alguns aspectos das idéias centrais de cada

grupo. Retomam-se os argumentos não só de autores da Lingüística, mas também da

Lógica e da Filosofia da Linguagem, uma vez que os estudos lingüísticos são

tributários de um longo debate realizado por lógicos e filósofos sobre o nome próprio.

Antes, porém, é preciso deixar claro que a divisão acima tem mais um

caráter didático e que, ao ser apresentada, pode obscurecer diferenças importantes de

argumentos de autores de um mesmo grupo. Como afirma Brito (2003: 40), as

diferenças entre sentido e significado e também a concepção do que é um nome próprio são questões que dificultam o cotejamento entre as teorias. Espera-se que as

próximas seções possam, na medida do possível, esclarecer tais diferenças. Para um

aprofundamento no confronto entre as teorias filosóficas, pode-se consultar García

Suárez (1997) e, mais recentemente, Brito (2003) e Fernández Moreno (2006).

1.2.1. A teoria descritivista ou teoria do sentido

Para a teoria descritivista (ou teoria do sentido), o nome próprio possui

sentido e referência – ele está associado à(s) descrição(ões) definida(s) que

permite(m) identificar o referente. Seria por meio do sentido a que os nomes estão

vinculados que eles desempenhariam seu papel referencial. Entretanto, é preciso

ressaltar que as diferenças entre as concepções de sentido acarretam variações entre

os representantes dessa teoria.

Na literatura de concepção descritivista, tenta-se resolver o problema que

revelam enunciados como Túlio es Cicerón – que seria tautológico se se consideram os nomes próprios como exclusivamente designadores. Túlio e Cicerón teriam aqui a mesma referência, mas sentidos diferentes.

Esta subseção será dividida em duas partes. Na primeira, serão expostas

as idéias de Frege e de Russel , e na segunda, de Strawson e Searle.

6 A noção de predicado de denominação foi abandonada posteriormente pelo próprio autor, como será visto adiante.

23

1.2.1.1. Frege e Russell

Gottlob Frege é considerado um autor pioneiro desta teoria e seu trabalho

Über Sinn und Bedeutung é inspirador para os autores posteriores. Antes de ver

alguns pontos importantes expostos por Frege, faz-se necessário aclarar que os

nomes próprios para ele relacionam-se aos chamados termos singulares e incluem tanto os nomes próprios ordinários quanto as descrições definidas.

Em seu trabalho, o autor considera como nomes próprios palavras ou

outros signos que designam um objeto singular. De acordo com Frege: "Um nome

próprio (palavra, sinal, combinação de sinais, expressão) exprime seu sentido e

designa ou refere-se a sua referência. Por meio de um sinal exprimimos seu sentido e

designamos sua referência." (Frege, 1978: 66-7). Vê-se, então, que os nomes

próprios, como termos singulares portadores de sentido, não diferem das descrições

definidas.

O autor elabora sua teoria diferenciando sentido ( Sinn) de referência

( Bedeutung). Veja-se o seguinte fragmento:

O nome ( Eigenname), do modo como uso o termo, precisa ter

pelo menos um sentido ( Sinn). Caso contrário ele seria uma

seqüência vazia de ondas e não teria direito de ser chamado

nome ( Name). Para o uso científico deve-se exigir do nome

( Eigenname) que ele tenha também um significado7

( Bedeutung), que ele refira ou nomeie um objeto. Deste modo,

o nome ( Eigenname) refere-se ao objeto pela mediação dos

sentidos ( Sinnes) e somente por ela (Frege, 1892-1895, p.34

apud Brito, 1999: 48)8.

Ainda segundo o autor, “o sentido de um nome próprio é entendido por

todos que estejam suficientemente familiarizados com a linguagem ou com a

totalidade de designações a que ele pertence” (Frege, 1978: 63). Em nota, Frege

explica que, para o caso de um nome próprio genuíno como Aristóteles, pode ser tomado como sentido : o discípulo de Platão e o mestre de Alexandre Magno. Segundo o autor, variações de sentido podem ser toleradas embora devam ser evitadas no

quadro teórico de uma ciência demonstrativa e não devam existir em uma “linguagem

perfeita”. Como será visto adiante, uma noção semelhante de sentido para o nome

próprio foi ampliada posteriormente por outros autores.

7 Em Brito (1999: 48), Bedeutung está traduzido por significado. Entretanto, essa palavra alemã poderia ser traduzida aqui como referência, para marcar a distinção que Frege deseja realizar entre sentido e referência, como apontado pelo próprio Brito (1999: 48).

8 FREGE, Gottlob. Ausführung über Sinn und Bedeutung. In: GABRIEL, G. (org.). Schriften zur Logik und Sprachphilosophie. 3.ed. Hamburgo: Felix Meiner, 1990.

24

Sobre a questão da referência, na análise de Frege, um enunciado de

identidade é verdadeiro quando os nomes que nele aparecem têm a mesma

referência, ou seja, designam o mesmo objeto, e é informativo quando têm sentido

diferente. Seja o exemplo: A estrela da manhã é a estrela da tarde. A referência é a mesma (o planeta Vênus), mas os sentidos são diferentes (Frege, 1978: 62). Uma

descrição apresenta o referente sob um aspecto e a outra sob outro. Dessa forma, o

autor explicaria construções como Leopoldo Alas é Clarin, pois, como foi visto, sua distinção se aplica tanto para as descrições definidas quanto para os nomes próprios

ordinários.

É necessário destacar que o autor distingue: referente (o próprio objeto),

sentido (o modo de apresentação do objeto) e representação (ou imagem) – esta de

caráter subjetivo. Segundo Frege, entender um sentido não garante a referência.

Assim, para ele, o corpo celeste mais distante da Terra tem um sentido, mas é

duvidoso que tenha uma referência9.

É possível perceber que não era objetivo de Frege construir uma teoria

sobre os nomes próprios ordinários e nem apresentar particularidades da classe

desses itens em relação a outras ou mesmo às descrições definidas. Um problema

crucial em sua obra é o dos enunciados de identidade verdadeiros, ou seja, como

explicar que sentenças da forma a = b em relação às de a = a teriam valor

informativo? Além do mais, segundo aponta Brito (2003: 44), o interesse de Frege

estava voltado para o projeto de desenvolver uma língua científica e, com respeito aos

nomes próprios, para a “função semântica que esses termos desempenham nas

sentenças que são relevantes para uma língua científica” (Brito, 2003: 45).

No entanto, a importância da obra de Frege se explica por ter servido de

base para posteriores trabalhos sobre os nomes próprios. Costuma-se assim associar

as idéias de Frege às de Russel , Strawson e Searle, que serão vistas a seguir. Os

dois primeiros, Frege e Russel , junto com Wittgenstein, Carnap e Quine, são, para

Pérez Otero (2006: 13), os principais representantes da tradição filosófica analítica, na qual desempenha um papel primordial a análise lógica da linguagem.

Segundo Russel (1956: 200), o nome próprio condensa uma descrição

definida: “Os nomes que geralmente usamos, como ‘Sócrates’, são realmente

abreviações de descrições”.10 Assim, ao usar o nome Sócrates, estaríamos de fato

9 A noção de sentido em Frege é tema polêmico. Fernández Moreno (2006: 37) ressalta que é uma noção de caráter epistêmico (“el sentido de una expresión es una propiedad de la expresión que conocemos, aunque implícitamente, cuando entendemos la expresión”), mas também semântico (“el sentido de una expresión determina su referente”). Para Burge (1977), não há, na teoria de Frege, uma noção coerente de sentido ( apud Fernández Moreno, 2006: 37).

10 No original: “The names that we commonly use, like ‘Socrates’, are really abbreviations for descriptions”

(Russel , 1956: 200).

25

usando uma descrição (p.201). Para o autor, o nome Sócrates condensaria uma

descrição como “o mestre de Platão”.

Já que os nomes próprios conhecidos como tal são, para Russel ,

abreviações de descrições, não podem ser autênticos nomes. De acordo com o autor,

os únicos elementos que poderiam ser denominados nomes próprios no sentido lógico

seriam palavras como this e that. Em This is white, a palavra this pode ser usada como um nome próprio, funcionando como um dêitico. Nesse caso, segundo Russsel , this

cumpriria a função de estar por um particular. Pelo que foi visto, é possível perceber, como explica Brito (2003: 59), que a teoria da denotação de Russell aplica-se às

descrições definidas e de forma derivada aos nomes próprios, uma vez que o autor

reduz estes últimos a descrições.

Fernández Moreno (2006: 46) argumenta, por outro lado, que Russel teria

construído duas teorias sobre os nomes próprios. A primeira sobre os nomes próprios

“no sentido lógico” (nomes logicamente próprios) e outra sobre os nomes próprios

ordinários (no sentido usual de nomes próprios). No primeiro caso, os nomes próprios

seriam identificados com os pronomes demonstrativos e, no segundo, caracterizados

como descrições definidas abreviadas.

Uma das questões que se colocam ao considerar que os nomes próprios

são descrições abreviadas é: qual é a descrição ou quais são as descrições que um

nome próprio abrevia? Russell considera que diferentes falantes podem associar

diferentes descrições definidas a um nome próprio e que o mesmo falante pode

associar a um nome diferentes descrições em distintas ocasiões11. Veja-se o trecho a

seguir, citado por Fernández Moreno (2006: 50):

Las palabras ordinarias, incluso los nombres

propios, son generalmente, en realidad, descripciones. Es

decir, el pensamiento en la mente de una persona que usa un

nombre propio correctamente sólo puede ser expresado

explícitamente, por regla general, si reemplazamos el nombre

propio por una descripción. Más aún, la descripción requerida

para expresar el pensamiento será distinta para diferentes

personas, o para la misma persona en diferentes momentos.

La única cosa constante –en la medida en que el nombre es

usado correctamente– es el objeto al que el nombre se aplica.

Pero en la medida en que éste permanezca constante, la

descripción en cuestión no afectará la verdad o falsedad de la

proposición en la que el nombre aparece (Russel 1911: 206;

1912: 29 s.)12.

11 Essa variação das descrições definidas associadas a um nome próprio, conforme foi visto acima, também foi tolerada por Frege, embora com certa rejeição.

12 RUSSELL, B. Knowledge by acquaintance and knowledge by description. Proceedings of the Aristotelian Society. 11. reimp. 1911. In: RUSSELL, B. A Free Man’s Worship and Other Essays.

Londres: George Al en & Unwin, 1976. p. 200-221.

26

Após uma síntese das idéias de Frege e Russel , autores que são

considerados precursores de teorias mais recentes sobre a referência dos nomes

próprios e representantes clássicos da teoria descritivista, passa-se agora a um

resumo das teorias de Strawson e Searle sobre os nomes próprios. Segundo

Fernández Moreno (2006: 59), as teorias desses dois autores constituem a versão

clássica da teoria descritivista contemporânea.

1.2.1.2. Strawson e Searle

De acordo com o que aponta Fernández Moreno (2006: 59), a teoria da

referência dos nomes próprios de Strawson se enquadra em uma teoria da

comunicação lingüística, que se preocupa com o uso de expressões para que

possamos referir-nos a objetos ou indivíduos. Existe, por exemplo, uma preocupação

com o conhecimento prévio do falante e do ouvinte.

Strawson sustenta que os nomes próprios, juntamente com os pronomes

demonstrativos singulares, os pronomes pessoais e impessoais no singular13 e

também frases que começam com o artigo definido seguido de um substantivo,

qualificado ou não, no singular ( a mesa; o homem velho) são usados freqüentemente para mencionar ou fazer referência ( refer) a uma pessoa, objeto singular,

acontecimento, lugar ou processo ou para fazer algo como a execução de um

enunciado ( statement) sobre aquela pessoa, objeto, lugar, acontecimento ou processo.

A esse uso o autor chama de utilização referencial individualizante ( uniquely refering use) (Strawson, 1985: 261).

O autor reconhece que algumas palavras possuem, predominantemente,

se não exclusivamente, um papel referencial, como os pronomes e os nomes próprios.

Pensando em uma escala de dependência do contexto para referência, de acordo com

Strawson (1985), os pronomes estariam em uma dependência máxima, ocupando um

extremo da escala, ao passo que no outro extremo estariam expressões como o autor

de Waverley e o décimo oitavo rei da França (Strawson, 1985: 276).

Com respeito ao grau de significação descritiva14, os nomes próprios

estariam em um extremo da escala, enquanto frases substantivas ( a mesa redonda)

possuiriam o máximo de significação descritiva. Para o autor, o “puro nome” não teria

RUSSELL, B. The problems of philosophy. Londres: Wil ian & Norgate, 1912. Reimp. em Oxford: Oxford University Press, 1967.

13 São exemplos do autor: he, she, I, you, it.

14 Por significação descritiva entende o autor: “a limitação convencional, quanto à aplicação, a coisas de um tipo geral determinado ou a coisas que possuem certas características gerais” (Strawson: 1985: 276).

27

nenhuma significação descritiva, com exceção daquela que ele adquire durante o uso.

Entre as outras expressões que Strawson (1985) situa nessa escala de significação

descritiva estariam os pronomes como ele (com significação descritiva mínima) e os nomes próprios que o autor chama de impuros, como a Távola Redonda – “frases substantivas que adquiriram, com o tempo, letras maiúsculas” (p. 276).

Por fim, o autor situa os nomes próprios na classe das expressões cujo

uso referencial não é regulado por convenções gerais, mas por convenções ad hoc.

Strawson completa: “Ignorar o nome de um homem não é ignorar a linguagem. Essa é

a razão pela qual não falamos da significação dos nomes próprios. (E não é uma

resposta satisfatória dizer que eles são desprovidos de significação.)” (Strawson,

1985: 276).

No trabalho de Strawson (1985), vale a pena ressaltar um ponto importante

sobre a referência. De acordo com o autor, não seria possível dizer que uma

expressão – e aqui se incluem também os nomes próprios – faz referência, assim

como não seria possível dizer que uma sentença é verdadeira ou falsa. Para

Strawson, mencionar ou referir é algo que alguém pode fazer ao utilizar a expressão,

ou seja, é uma “característica de uma utilização de uma expressão” (Strawson, 1985:

266)15.

Das idéias anteriores, chega-se à teoria do feixe ( racimo) de descrições de

Strawson, elaborada, segundo García Suárez (1997), a partir das idéias de

Wittgenstein. Para essa teoria, o sentido do nome próprio não se associa a uma só

descrição, mas a um conjunto ( racimo) de descrições. Seria então completo ou

saturado por um conjunto pressuposicional formado por proposições acerca do

indivíduo portador do nome. Strawson afirma ainda que falante e ouvinte devem ter em

mente a mesma pessoa.

Para Searle (1969), que foi quem, conforme García Suárez (1997)

popularizou a teoria do feixe de descrições, o significado de um nome próprio equivale

à disjunção lógica de um número determinado de descrições. Vejam-se a seguir

alguns pontos importantes tratados por aquele autor.

Antes, porém, destaca-se que Fernández Moreno (2006: 72) afirma que a

teoria da referência dos nomes próprios de Searle compreende duas teorias,