O Cérebro de Broca por Carl Sagan - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

index-1_1.png

index-1_2.jpg

O CÉREBRO DE BROCA

Carl Sagan

http://groups-beta.google.com/group/digitalsource

O CÉREBRO DE BROCA

gradiva

CIÊNCIA ABERTA

A Aventura da Ciência

CARL SAGAN

Digitalização e tratamento do texto por Guilherme Jorge (esta obra foi digitalizada

para uso exclusivo por parte de deficientes visuais ao abrigo do artigo 80 do CDADC).

O CÉREBRO DE BROCA

A Aventura da Ciência

Revisão de Antônio MANUEL HAPTISTA professor catedrático da Academia Militar

gradiva

Título original inglês: Broca Brain

by Carl Sagan

Tradução de: Maria do Rosário Pedreira

Revisão de texto: Manuel Joaquim Vieira

Capa: Paulo Seabra

Fotocomposição, paginação e fotolitos: Textype – Artes Gráficas, Ltda.

Impressão e acabamento: Tipografia Guerra, Viseu

Reservados os direitos para Portugal por: Gradiva - Publicações, Ltda.

Rua de Almeida e Sousa, 21, r/c, esq. - Telefs.: 3 974067 / 8

1350 Lisboa 3ª edição: Setembro l97?

Depósito legal n." 115 396/97

Para Rachel e Samuel Sagan, meus pais, que me mostraram a alegria de conhecer o

mundo, com gratidão, admiração e amor.

Com o acordo do autor, foram suprimidos todos os capítulos da parte II da edição

original (caps. 10 a 16) e os capítulos 17, 19 e 21 da parte IV.

AGRADECIMENTOS

Em relação a alguns assuntos específicos, agradeço a um grande número de amigos,

correspondentes e colegas, incluindo Diane Ackerman, D. W. G. Arthur, James Bakalar,

Richard Berendzen, Norman Bloom, S. Chandrasekhar, Clark Chapman, Sidney Coleman,

Yves Coppens, Judy-Lynn Del Rey, Frank Drake, Stuart Edelstein, Paul Fox, D. Carleton

Gajdusek, Owen Gingerich, Thomas Gold, J. Richard Gott III, Steven J. Gould, Lester

Grinspoon, Stanislav Grof, J. U. Gunter, Robert Horvitz, James W. Kalat, B. Gentry Lee, Jack

Lewis, Marvin Minsky, David Morrison, Philip Morrison, Bruce Murray, Phileo Nash, Tobias

Owen, James Pollack, James Randi, E. E. Salpeter, Stuart Shapiro, Gunther Stent, O. B. Toon,

Joseph Veverka, E. A. Whitaker e A. Thomas Young.

Este livro deve muito, em todas as fases da sua produção, aos competentes e dedicados

esforços de Susan Lang, Carol Lane e, em particular, aos da minha assistente Shirley Arden.

Estou especialmente grato a Ann Druyan e Steven Soter pelo encorajamento

desinteressado e pelos comentários estimulantes sobre a maioria dos temas tratados neste

livro. Ann teve uma contribuição essencial na escolha do título e em muitos dos capítulos;

a minha dívida para com ela é muito grande.

INTRODUÇÃO

Vivemos numa época extraordinária. São tempos de mudanças espantosas na

organização social, no bem-estar econômico, nos preceitos éticos e morais, nas perspectivas

filosóficas e religiosas e no autoconhecimento humano, bem como na compreensão do vasto

universo em que estamos inseridos como um grão de areia num oceano cósmico. Desde que

existem seres humanos que nos pomos questões mais profundas e fundamentais, ou seja, as

que evocam surpresa e estimulam pelo menos a nossa consciência tremula e pouco experiente.

Essas questões são as que se prendem com a origem da consciência, a vida no nosso planeta, o

princípio da Terra, a formação do Sol, a possibilidade da existência de seres pensantes algures

para lá das profundezas do céu; e ainda - e esta é a maior pergunta de todas a que diz respeito

ao advento, à natureza e ao destino último do universo. Até há muito pouco tempo, na história

da humanidade, estes temas eram do pelouro exclusivo dos filósofos e dos poetas, dos

impostores e dos teólogos. As diferentes e mutuamente contraditórias respostas apresentadas

demonstraram, porém, que poucas das soluções propostas eram corretas.

Mas hoje, como resultado de um conhecimento dolorosamente extraído da natureza e

através de observações e experiências, estamos habilitados a dar, pelo menos, respostas

preliminares a muitas destas perguntas.

Há um grande número de temas que se entrelaçam na estrutura deste livro, aparecendo

no início, desaparecendo durante alguns capítulos e reaparecendo depois num contexto algo

diferente - incluindo as alegrias e as conseqüências sociais do empenho científico, a ciência

marginal ou popular, o não inteiramente diferente tema da doutrina religiosa, a exploração dos

planetas e a procura de uma vida extraterrestre; e também Albert Einstein, no centenário de

cujo nascimento este livro foi publicado.

A maioria dos capítulos podem ser lidos independentemente, mas a ordem por que as

idéias se sucedem foi cuidadosamente escolhida.

Como em alguns dos meus livros anteriores, não hesitei em introduzir algumas notas

de caráter social, político ou histórico, sempre que me pareceram apropriadas. A atenção

dedicada à ciência marginal pode parecer curiosa a alguns dos leitores.

Antigamente designavam-se os praticantes da ciência popular com a expressão bizarra

de "cultivadores de paradoxos", utilizada no século XIX para descrever todos quantos

inventavam elaboradas e não demonstradas explicações para coisas que a ciência

compreendeu perfeitamente em termos bem mais simples.

Hoje existem muitos cultivadores de paradoxos e a prática comum dos cientistas é

ignorá-los, esperando que desapareçam.

Pensei que poderia ser útil ou, pelo menos, interessante examinar as afirmações e as

presunções de alguns deles um pouco mais de perto e ligar ou contrastar as suas doutrinas

com outros sistemas de crenças, científicos e religiosos.

Tanto a ciência marginal como muitas das religiões são motivadas em parte por uma

séria preocupação em relação à natureza do universo e ao papel que nele desempenhamos; por

essa razão, merecem a nossa consideração e o nosso apreço.

Acrescente-se que muitas religiões envolvem possivelmente no seu cerne uma

tentativa de se enfrentarem com os mistérios profundos das histórias da vida individual, como

está descrito no último capítulo. Mas, quer na ciência marginal, quer na religião organizada,

há muito de incorreto e de perigoso. Enquanto os que praticam essas doutrinas desejam

freqüentemente a inexistência de críticas a que tenham de responder, a investigação céptica é

o meio, seja na ciência, seja na religião, pelo qual as introspecções profundas são libertadas

do mais cabal absurdo.

Espero que as minhas notas críticas sejam reconhecidas como construtivas na sua

intenção. A afirmação bem explícita de que todas as idéias têm o mesmo mérito parece-me

um pouco diferente da desastrosa afirmação de que nenhuma idéia tem mérito.

Este livro fala da exploração do universo e de nós mesmos, ou seja, fala da ciência. A

lista de assuntos pode parecer muito variada - desde um cristal de sal até à estrutura do

cosmo, passando por mitos e lendas, nascimento e morte, robots e climas, a exploração dos

planetas, a natureza da inteligência a procura de vida fora da Terra. Mas, como espero que

aconteça, estes assuntos ligam-se porque o mundo é ele próprio um elo e também porque os

seres humanos o percebem através de órgãos sensoriais, cérebros e experiências que podem

não refletir as realidades exteriores com absoluta fidelidade.

Todos os capítulos de O Cérebro de Broca foram escritos para o público em geral. Em

alguns deles, porém –como "Vénus e o Dr. Velikovsky" e "Norman Bloom, mensageiro de

Deus"-, incluí um ou outro pormenor mais técnico; mas a compreensão desses pormenores

não é necessária para a compreensão

do essencial da questão.

Algumas das idéias expostas nos caps. I e XV foram já apresentadas, na minha

palestra no William Menninger Memorial, Lecture à Associação Psiquiátrica Americana, em

Atlanta, na Jórgia, no mês de Maio de 1978. O cap. x tem por base a participação num

simpósio que comemorou o primeiro vôo de um foguetão com combustível líquido e teve

lugar no Instituto Smithsoniano, em Washington DC, no mês de Março de 1976.

O cap. XIII baseou-se numa palestra feita na Sage Chapel Convocation, Universidade

de Cornell, em Novembro de 1977. E o cap. VII reflete uma intervenção feita durante a

reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em Fevereiro de 1974.

Este livro foi escrito precisamente antes – penso que, no máximo, alguns anos ou

algumas décadas antes- de as respostas para muitas daquelas incômodas e mais ou menos

aterrorizadoras perguntas sobre as origens e os destinos se terem libertado do cosmo. Se não

nos destruirmos, a maioria de nós aqui estará para conhecer as respostas. Se tivéssemos

nascido há anos, podíamos ter julgado, ponderado e até especulado sobre estes temas, mas

nada mais podíamos ter feito. E, se nascêssemos daqui a cinquenta anos, creio que já

saberíamos as respostas.

A maioria dos nossos filhos aprendê-las-ão ainda antes de terem tido a ocasião de

formular as perguntas. A mais excitante, satisfatória e agradável altura para viver é, de longe,

aquela em que passamos da ignorância ao conhecimento destas questões fundamentais: a era

em que começamos por nos espantar e acabamos por compreender. Nos quatro mil milhões de

anos de história que tem a vida deste planeta, nos quatro mil

milhões de anos de história que tem a família humana, há uma

geração apenas à qual foi dado o privilégio de viver através desse único momento

transitório: essa geração é a nossa.

Ítaca, Nova Iorque

Outubro de 1978

PARTE I - A CIÊNCIA PREOCUPAÇÃO HUMANA

CAPÍTULO I: O CÉREBRO DE BROCA

“- Ainda ontem eram macacos. Dêem-lhes tempo.

- Macaco uma vez, macaco sempre!

- Não, vai ser diferente... Volta daqui a uma ou duas gerações e verás. . .”

Os deuses falando da Terra na versão cinematográfica do livro de H. G. Wells O

Homem Que Fazia Milagres (1936).

Este Musée de Homme (Museu do Homem) era de certa forma como outro qualquer.

Estava situado numa agradável colina e tinha um restaurante nas traseiras com vista para a

Torre Eiffel. Estávamos lá para falar com Yves Coppens, diretor associado do Museu e um

conceituado paleantropólogo. Coppens estudara os antepassados do homem através dos

fósseis encontrados em Olduvai Gorge, no lago Turkana, no Quênia, na Tanzânia e na

Etiópia. Há dois milhões de anos existiram criaturas com cerca de 1,20 m de altura, a quem

chamamos Homo habilis, que viviam no Leste de África, lascando, aparando e raspando

ferramentas de pedras e talvez também construindo pequenas habitações e cujo cérebro se foi

desenvolvendo de forma espetacular, conduzindo àquilo que somos hoje.

As instituições deste tipo têm um lado público e um lado privado. O lado público

inclui as exposições etnográficas ou de antropologia cultural: o vestuário mongol ou os couros

pintados pelos nativos americanos, muitas vezes com o propósito específico de os venderem

aos voyageurs' ou a um qualquer antropólogo francês mais aventureiro. Mas nos meandros do

local há outras coisas: pessoas empenhadas na produção de documentos e na construção de

objetos; vastos armazéns plenos de artigos inadequados, pelo seu tema ou pelo seu tamanho, à

maioria das exposições e áreas de pesquisa. Fomos conduzidos através de um corredor de

salas escuras e bolorentas e percorremos desde cubículos a enormes câmaras circulares.

O equipamento e os materiais de pesquisa amontoavam-se pelos corredores: a

reconstrução do chão de uma gruta paleolítica, indicando para onde haviam sido atirados os

ossos do antílope depois de ter sido comido; estátuas priápicas de madeira da Melanésia;

talheres delicadamente pintados; máscaras grotescas para rituais; lanças como as assagai

vindas da Oceânia; um cartaz meio rasgado de um xamã africano; um armazém úmido e

sombrio cheio de instrumentos musicais de sopro feitos de madeira, tambores de pele, flautas

de cana e inumeráveis testemunhos do indomável desejo do homem de fazer música.

Aqui e ali podíamos encontrar algumas pessoas verdadeiramente empenhadas na

pesquisa. Mas o seu comportamento recatado e plácido era completamente diferente do

relacionamento amável e bilingue de Coppens. Muitas das salas eram evidentemente

utilizadas para o armazenamento de objetos antropológicos, que vinham sendo recolhidos há

mais de um século. Tinha-se a sensação de se estar num museu de segunda categoria, em que

se guardavam, não tanto os materiais que poderiam Ter algum interesse, mas os que noutros

tempos o tinham tido.

Podíamos imaginar-nos em presença de diretores de sobrecasaca num museu do século

XIX, empenhados na goniométrica e na craniologia, colecionando, medindo e pesando

azafamadamente, na esperança de que a simples quantificação conduzisse ao entendimento

das coisas.

Mas havia uma outra área do Museu ainda mais remota, uma estranha mistura de

pesquisa ativa e de estantes e armários completamente abandonados: um esqueleto articulado

e reconstruído de um orangotango; uma grande mesa coberta de crânios humanos, todos

criteriosamente identificados; uma gaveta cheia de fêmures empilhados como as borrachas de

reserva no armário de uma escola zelosa; uma zona dedicada à memória de Neanderthal,

incluindo o primeiro crânio Neanderthal, reconstruído por Marcelin Boule e que tive

cuidadosamente nas minhas mãos Senti-o leve e equilibrado e as suturas eram completamente

visíveis: seria talvez a primeira peça arrancada à evidência de que houve há muito criaturas

semelhantes a nós que se extinguiram e de que existe uma inquietante sugestão de que a nossa

espécie não sobreviva para sempre; um tabuleiro cheio de dentes de muitos hominídeos,

incluindo o grande molar quebra-nozes do Australopithecus robustus, contemporâneo do

Homo habilis; uma coleção de caixas cranianas de Cro-Magnon, empilhadas, polidas e

ordenadas. Estas peças estavam razoavelmente conservadas e, de certa forma, constituíam os

fragmentos de prova necessários à reconstrução de uma parte da história dos nossos

antepassados e parentes colaterais.

Nos confins da sala existiam mais coleções macabras e perturbadoras: duas cabeças

encarquilhadas, pousadas num rio, pareciam fazer caretas; olhavam-nos com desprezo e a pele

dos seus lábios estava levantada para nos serem reveladas "as de pequenos e aguçados dentes.

Havia frascos atrás de frascos com fetos e embriões humanos de um branco-pálido,

mergulhados num líquido turvo e esverdeado, todos rotulados. A teoria dos espécimes eram

normais, mas de vez em quando apercebíamo-nos de uma anomalia ou de uma desconcertante

teratologia - gêmeos siameses ligados pelo esterno, por exemplo, ou um feto com duas

cabeças mostrando os quatro olhos completamente fechados.

Havia ainda uma fila de frascos grandes e cilíndricos que continham, para grande

admiração minha, cabeças humanas em perfeito estado de conservação, como a de um homem

de bigode ruivo, de vinte e poucos anos, oriundo, como dizia o rótulo, da Nova Caledônia.

Talvez tivesse sido um marinheiro desembarcado nos trópicos, capturado e executado, cuja

cabeça houvesse sido recrutada em prole da ciência; só que não estava a ser estudada; como

as outras muitas cabeças, apenas estava a ser negligenciada. Havia também um rosto delicado

e terno de uma criança de mais ou menos 4 anos que exibia os brincos e o colar de coral

completamente intactos; três cabeças de recém-nascido, partilhando o mesmo recipiente,

talvez como medida de poupança; homens, mulheres e crianças de muitas raças e de ambos os

sexos haviam sido decapitados e as suas cabeças enviadas para França por barco apenas para

se desfazerem –talvez após um breve estudo inicial- no Musée de 1'Homme.

Perguntava-me como teriam sido embarcados aqueles recipientes.

Teriam os comandantes dos navios conversado à sobremesa sobre o que traziam no

porão? Seriam os marinheiros gente despreocupada só porque aquelas cabeças não eram, na

circunstância, de europeus como eles? Gozariam com a carga embarcada para demonstrar

alguma distância emocional da pequena ponta de terror que se permitiam ter individual e

particularmente?

Quando as coleções chegaram a Paris, teriam os cientistas sido suficientemente ativos

e organizados, dando ordens aos cicerones para a disposição das cabeças cortadas? Estariam

ansiosos por abrir os frascos e medir o conteúdo com craveiras? Teria o responsável por esta

coleção, quem quer que ele fosse, verificado tudo com orgulho e deleite impolutos?

Foi então que, num canto ainda mais distante desta ala do Museu, descobri uma

coleção de objetos cinzentos e convolutos, conservados em formol para retardar a sua ruína:

eram prateleiras e prateleiras de cérebros humanos. Devia ter havido alguém cujo trabalho

fosse levar a cabo rotineiras craniotomias nos cadáveres de pessoas conhecidas e extrair-lhes

o cérebro para bem da ciência. Ali estava o cérebro de um intelectual europeu que atingira

uma notoriedade momentânea antes de desaparecer na obscuridade desta estante poeirenta;

mais adiante, o de um assassino executado. Sem dúvida alguma, os sábios de tempos mais

remotos esperavam que houvesse alguma anomalia, algum sinal indicador, na configuração do

crânio dos assassinos.

Talvez desejassem apenas que o crime fosse um problema de hereditariedade, e não

um problema social. A frenologia foi uma aberração desajeitada do século XIX. Eu estou

mesmo a ouvir a minha amiga Ann Druyan, se tivesse vivido nesse tempo, dizer: "As pessoas

que matamos à fome e torturamos têm uma tendência natural para roubar e matar. Cremos que

isso acontece porque as suas sobrancelhas são demasiado inclinadas."

A verdade é que os cérebros dos criminosos e dos sábios –os restos do de Albert

Einstein flutuam lividamente num frasco em Wichita- são indistintos. É, pois, bem provável

que seja a sociedade, e não a hereditariedade, a causa da existência de criminosos.

Enquanto olhava mais de perto a coleção entre ruminações, a minha vista foi atraída

por um rótulo de um dos muitos pequenos contentores cilíndricos. Tirei o recipiente da

prateleira e examinei-o cuidadosamente. O rótulo dizia P. Broca.

Tinha nas minhas mãos o cérebro de Broca.

Paul Broca foi um cirurgião, neurólogo e antropólogo que desempenhou um papel

importante tanto no desenvolvimento da medicina como no da antropologia nos meados do

século XIX. Levou a cabo um trabalho considerável na patologia do cancro e no tratamento

de aneurismas e deu uma contribuição essencial para a compreensão das origens da afasia –

uma diminuição da capacidade de articular idéias. Broca foi um homem brilhante e

compassivo. Preocupou-se com os cuidados médicos a prestar aos mais desfavorecidos.

Encoberto pela escuridão, e arriscando a vida, conseguiu desviar de Paris, numa carroça,73

milhões de, enrolados em sacos de serapilheira escondidos debaixo de batatas, dinheiro que

constituía o tesouro da Assistance Publique e que ele, por qualquer razão, acreditava estar a

salvar da pilhagem. Foi o fundador da neurocirurgia moderna. Estudou a mortalidade infantil.

No fim da sua carreira chegou a senador.

Broca gostava acima de tudo, como disse um biógrafo, de calma e tolerância. Em 1848

fundou uma sociedade de "livres pensadores". Isolado entre os intelectuais franceses do seu

tempo, solidarizou-se com a idéia de Charles Darwin sobre a evolução por seleção natural. O

livro de T. H. Huxley O Bulldog de Darwin sublinha que uma só referência ao nome de Broca

era capaz de o encher de gratidão e Broca foi citado nele como tendo dito: "Eu prefiro ser um

macaco transformado a ser um filho degenerado de Adão." Por esta e outras afirmações, foi

publicamente acusado de "materialista" e, como Sócrates, de corromper a juventude. De

qualquer forma, chegou a senador.

No início, Broca encontrou muitos obstáculos para fundar em França uma sociedade

de antropologia. O ministro da Instrução Pública e o chefe da Polícia acreditavam que a

antropologia devia ser, tal como a busca do conhecimento sobre os seres humanos,

naturalmente subversiva para o estado. Quando, por fim - e mesmo assim com alguma

relutância -, foi concedida a Broca autorização para falar de ciência com oitenta colegas, o

chefe da Polícia tornou Broca pessoalmente responsável por tudo o que nesses encontros fosse

dito "contra a sociedade, a religião ou o governo". Ainda assim, o estudo dos seres humanos

foi considerado um ato tão perigoso que a Polícia contratou um espião, que aparecia vestido à

paisana durante as reuniões e que tinha ordens para interromper de imediato a sessão se

sentisse ofendido por qualquer coisa que fosse dita. A Sociedade de Antropologia de Paris

reuniu-se, nestas circunstâncias, pela primeira vez, em 19 de Maio de 1859, ano da publicação

de A Origem das Espécies. Em reuniões subsequentes foi discutido um número considerável

de questões - arqueologia, mitologia, fisiologia, anatomia, psicologia, lingüística e história- e

é fácil imaginarmos o espião da Polícia desatento na maioria das ocasiões e às vezes deixando

cair a cabeça de sono.

Broca relatou que, uma vez, o espião quis dar um pequeno passeio para que não estava

autorizado e perguntou se podia abandonar a sala com a certeza de que, na sua ausência, nada

de ameaçador seria dito em relação ao estado. "Nem pense nisso", disse-lhe Broca. "Você não

pode ir a parte alguma: sente-se e mereça aquilo que lhe pagam."

Não foi a Polícia a única que se opôs ao desenvolvimento da antropologia em França.

Em 1876, o partido ligado à igreja católica organizou uma campanha enorme contra o ensino

dessa disciplina no Instituto Antropológico de Paris, fundado por Broca.

Paul Broca morreu em 1880, vitimado talvez pelo mesmo tipo de aneurisma que tão

brilhantemente estudara. Nessa altura debruçava-se sobre um estudo global do cérebro

humano. Tinha fundado em França as primeiras sociedades profissionais, escolas de pesquisa

e algumas publicações científicas de antropologia moderna. Os seus espécimes de laboratório

foram então incorporados naquilo a que, durante muitos anos, se chamou o Musée Broca e

que, mais tarde, acabou por fazer parte do Musée de 1'Homme.

Fora o próprio Broca, cujo cérebro eu embalava entre as mãos, quem iniciara a coleção

macabra que eu contemplava. Estudara embriões, macacos e pessoas de todas as raças,

trabalhando como um louco para compreender a natureza de um ser humano; e, apesar do

aspecto atual da coleção e das minhas suspeitas, ele não era, pelo menos segundo os padrões

do seu tempo, mais racista ou chauvinista do que qualquer outra pessoa e muito menos essa

figura típica da ficção e, mais raramente, fatual: o frio, despreocupado e desapaixonado

cientista, muito pouco interessado pelas conseqüências humanas dos seus atos.

Broca interessava-se e muito.

Na Revue d'Anthropologie de 1880 consta a bibliografia completa das obras de Broca.

A partir dos títulos consegui mais tarde aperceber-me das origens da coleção que tinha

observado:

Sobre o Crânio e o Cérebro do Assassino Lemaire, Apresentação do Cérebro de Um

Gorila Macho Adulto, Sobre o Cérebro do Assassino Prévost, Sobre a Suposta

Hereditariedade de Características Acidentais, A Inteligência dos Animais e o Governo dos

Humanos, A Ordem dos Primatas: Paralelos Anatômicos entre o Homem e o Macaco, A

Origem da Arte de Fazer Fogo, Sobre os Monstros Duplos, As Questões da Microcefalia,

Trepanando a Pré-História, Dois Casos de Um Sobre desenvolvimento Digital na Idade

Adulta, As Cabeças de Dois Homens da Nova Caledônia e O Crânio de Dante Alighieri. Eu

desconhecia então o paradeiro atual do crânio do autor de A Divina Comédia, mas a coleção

de cérebros, crânios e cabeças que me rodeava teria decerto começado com o trabalho de Paul

Broca.

Broca era um exemplar anatomista do cérebro e fez notáveis investigações sobre a

região límbica, anteriormente denominada "rinocéfalo" (o "cérebro olfativo"), que sabemos

agora estar profundamente ligada às emoções humanas. Mas Broca nos dias de hoje, é

sobretudo conhecido pela descoberta de uma pequena zona na terceira circunvolução do

lóbulo frontal esquerdo do córtice cerebral, zona conhecida atualmente como "área de Broca".

O discurso articulado, ao que parece, como Broca inferiu de provas apenas fragmentárias, está

localizado e é controlado pela área de Broca. Foi uma das primeiras descobertas de que existe

uma separação de funções entre os hemisférios esquerdo e direito do cérebro; mas, mais

importante ainda, foi uma das primeiras indicações de que funções específicas do cérebro

existem em locais particulares do mesmo, de que existe uma relação entre a anatomia do

cérebro e aquilo que ele faz, atividade por vezes descrita como "mente".

Ralph Holloway é um antropólogo físico da Universidade de Colúmbia, cujo

laboratório suponho ter algumas semelhanças com o de Broca. Holloway faz modelos de

borracha das partes internas de crânios de seres humanos e afins, de tempos remotos e dos

dias de hoje, numa tentativa de reconstruir, a partir de leves indentações no interior do crânio,

aquilo que o cérebro deve ter sido numa época remota. Holloway crê que consegue identificar

pelo crânio de uma criatura se a área de Broca está ou não presente e encontrou provas da

existência de uma área de Broca no cérebro de um Homo habilis com mais ou menos 2

milhões de anos - precisamente a era das primeiras construções e dos primeiros utensílios.

Assim, existe algo que tem a ver com a visão frenológica. É bem provável que o pensamento

humano e a indústria tenham andado a par com o desenvolvimento do discurso articulado; e a

área de Broca pode, na realidade, ser uma das bases da nossa hominização, bem como um

meio de determinar as relações que existem entre nós e os nossos antecessores, na sua

caminhada em direção a essa hominização.

E ali estava o cérebro de Broca a flutuar em formol, aos pedaços, diante de mim.

Consegui distinguir a região límbica, que Broca estudara noutros cérebros. Consegui ver as

circunvoluções no neocórtice. Pude inclusivamente observar o acinzentado lóbulo frontal

esquerdo, no qual residia a área de Broca pertencente a Broca, deteriorada e passando

despercebida num canto bolorento de uma estante onde jazia a coleção que o próprio Broca

iniciara.

Era difícil segurar no cérebro de Broca sem pensar se, de alguma forma, Broca estava

ainda ali dentro - a sua inteligência, o seu ar céptico, os seus gestos bruscos enquanto falava,

os seus momentos de calma e de emoção. Estaria preservada, diante de mim, sob a

configuração de memória, a gravação do momento glorioso em que discutiu perante o grupo

das Faculdades de Medicina (e perante seu pai, inchado de orgulho) a questão das origens da

afasia? De um jantar com o seu amigo Victor Hugo? De um passeio pelo Quai Voltaire e pela

Pont Royal com a sua mulher, que levava então um bonito guarda-sol?

Para onde vamos quando morrermos? Será que Paul Broca ainda está ali no seu frasco

cheio de formol? Talvez os traços da memória se tenham desgastado, muito embora haja

sólidas provas, a partir de investigações modernas feitas ao cérebro, de que uma dada

memória está redundantemente armazenada em locais muito diversos do cérebro. Virá

futuramente a ser possível, quando a neurofisiologia tiver avançado substancialmente,

reconstruir as memórias ou as introspecções de alguém há muito desaparecido? E seria isso

bom? Poderia ser a maior invasão da privacidade, mas seria igualmente uma espécie de

imortalidade concreta, porque, especialmente para um homem como Broca, as nossas mentes

são um reflexo claro daquilo que fundamentalmente somos.

Pelo aspecto descuidado desta sala do Musée de 1'Homme fiquei em condições de

acusar aqueles que haviam reunido a coleção - nessa altura nem sabia que Broca era um deles

de sexismo, racismo e chauvinismo evidentes, de uma profunda resistência à idéia de que

existe uma relação entre os seres humanos e os outros primatas. E, em parte, era verdade.

Broca foi um humanista do século XIX, mas não foi capaz de abalar os preconceitos

enraizados ou as doenças sociais da humanidade do seu tempo. Achava que o homem era

superior à mulher e que os Brancos eram superiores aos Negros. Mesmo a sua afirmação de

que os cérebros germânicos não eram significativamente diferentes dos franceses foi uma

reação à intransigência dos teutônicos, que apregoavam a inferioridade gaulesa. De qualquer

forma, ele concluiu que havia relações profundas, na fisiologia cerebral, entre os gorilas e o

homem. Broca, o fundador, na sua juventude, da sociedade dos livres pensadores, acreditava

na importância da investigação livre e viveu a sua vida para atingir esse objectivo. A sua

incapacidade de realizar esse ideal só mostra que, mesmo os que têm ilimitada capacidade

para o livre estudo do conhecimento, como Broca, podem ser paralisados por um

obscurantismo endêmico e respeitável. A sociedade corrompe aquilo que há de melhor dentro

de cada um de nós. Creio que será um pouco injusto criticar alguém pelo fato de não partilhar

a clarividência de uma época posterior; mas é também profundamente triste que tais

preconceitos se tenham difundido tanto. A questão levanta dúvidas contínuas sobre quais das

verdades convencionais da nossa geração serão consideradas pela próxima como um

obscurantismo imperdoável.

Uma maneira de recompensar Paul Broca por esta lição que ele, inadvertidamente, nos

proporcionou é desafiar, profunda e seriamente, as nossas crenças mais enraizadas.

Estes frascos esquecidos e os seus terríveis conteúdos haviam sido recolhidos, pelo

menos em parte, com um espírito humanístico; e talvez, numa era futura de avanço no estudo

do cérebro, voltem a ser considerados úteis: eu gostaria de saber um pouco mais sobre o

homem do bigode ruivo da Nova Caledônia, cuja cabeça foi devolvida à França. . .

No entanto, aquilo que nos rodeava, a sensação de uma câmara de horrores, evocava

outros pensamentos, indesejados e inquietantes. Num lugar como este sentimos, no mínimo,

um pouco de solidariedade com aqueles - especialmente os mais jovens e os que morreram em

sofrimento- que de um modo tão invulgar ficam na memória. Os canibais do Noroeste da

Nova Guiné usam filas de crânios como umbrais na frontaria das casas e, às vezes, como

lintéis. Talvez sejam estes os materiais de construção adequados mais abundantes; mas os

arquitetos não conseguem ser alheios ao terror que aquelas construções evocam nos viajantes

inadvertidos. Os crânios foram utilizados pelas tropas SS de Hitler, pelos Anjos do Inferno,

pelos xamãs, pelos piratas e ainda por aqueles que desenham os rótulos dos recipientes de

produtos tóxicos no esforço consciente de chamar a atenção para o perigo. E faz sentido. Se

eu me encontrar numa sala repleta de crânios, é como se houver alguém perto: talvez um

grupo de hienas, talvez um carrasco doentio e obsessivo, cuja ocupação ou hobby seja

colecionar crânios. Tais indivíduos devem ser obviamente evitados ou, se possível,

liquidados. O arrepio na minha nuca, a aceleração do meu ritmo cardíaco e da minha

pulsação, essa sensação fria e estranha, são tramas da evolução para me fazer lutar ou fugir.

Aqueles que evitam a decapitação deixam mais descendentes.

A convivência com esses medos fornece uma vantagem evolutiva.

Encontrarmo-nos numa sala cheia de cérebros é ainda mais assustador, como se um

monstro de moral indizível, armado com lâminas afiadas e ferramentas côncavas, se

arrastasse, babando-se, algures no sótão do Musée de 1'Homme. Mas tudo depende - julgo eu

do objetivo da coleção; se esse for descobrir, se a coleção adquiriu partes humanas

postmortem especialmente com o prévio consentimento daqueles a quem essas mesmas partes

pertenceram, então não se causou mal nenhum. E talvez a longo prazo se venha a revelar útil à

humanidade.

Mas não tenho a certeza de que os cientistas estejam inteiramente desligados dos

motivos dos tais canibais da Nova Guiné. Não dirão pelo menos: "Eu vivo com estas cabeças

todos os dias. Elas não me incomodam. Porque é que você é tão sensível?

Leonardo e Vesalius tiveram de subornar e furtar para realizar em segredo as primeiras

dissecações sistemáticas de seres humanos na Europa, embora tivesse havido uma escola de

Anatomia ativa e competente na Grécia antiga. A primeira pessoa a localizar, com base na

neuranatomia, a inteligência humana na cabeça foi Herófilos da Caledônia, que nasceu cerca

de 300 a. C. Foi igualmente o primeiro a distinguir o nervo motor dos nervos sensoriais e

realizou o estudo mais detalhado de anatomia cerebral concebido até ao Renascimento. Sem

dúvida, houve quem fizesse objeções a estas suas experiências algo horríveis.

Existe um medo escondido, evidente na lenda de Fausto, de algumas coisas não terem

sido "feitas" para serem conhecidas, de algumas perguntas serem demasiado perigosas para os

seres humanos. E, na nossa geração, o desenvolvimento das armas nucleares pode, se

tivermos pouca sorte e falta de juízo, tornar-se um caso precisamente deste tipo. No entanto,

no que diz respeito às experiências sobre o cérebro, os nossos medos são menos intelectuais.

Mergulham profundamente no nosso passado evolutivo. Fazem-nos pensar nas criaturas

selvagens e nos homens que aterrorizavam os viajantes e as populações rurais da Grécia

antiga à beira dos caminhos, através de mutilações procrusteanas e outras selvagerias, até que

um herói qualquer - Teseu ou Hércules- conseguisse desembaraçar se deles sem esforço. Estes

medos tiveram uma função específica no passado; mas no presente creio que são apenas

portadores de uma grande carga emocional. Eu estava interessado, como cientista que

escrevera sobre o cérebro, em encontrar essas reações escondidas dentro de mim, revelando-

se durante a minha visita à coleção de Broca. Vale a pena lutar contra os medos.

Todas as investigações trazem consigo um certo elemento de risco. Não há garantias

de que o universo seja conforme às nossas predisposições. Mas não vejo como podemos agir

em relação ao universo - tanto o interior como o exterior - sem o estudarmos.

A melhor maneira de evitar abusos, no que concerne ao público em geral, é sermos

cientificamente competentes, compreendermos as implicações que existem nessas

investigações. Em troca da liberdade de pensamento, o cientista é obrigado a prestar contas do

seu trabalho. Se a ciência é considerada um sacerdócio muito fechado, demasiado difícil e

secreto para o homem comum compreender, então os perigos do abuso são maiores.

Mas, se a ciência é um assunto do interesse geral que preocupa todos – se tanto os

seus prazeres como as suas conseqüências sociais se discutem regularmente nas escolas, na

imprensa e ao jantar -, fizemos o melhor que podíamos na aprendizagem de como o mundo é

na realidade e do que podemos fazer por ele e por nós próprios. Às vezes penso que esta é

uma das idéias que ainda deve estar ali, quieta, preguiçando em formol, no cérebro de Broca.

CAPÍTULO II: PODEMOS CONHECER O UNIVERSO? - REFLEXÕES

SOBRE UM GRÃO DE SAL

“Nada é mais abundante do que a inesgotável riqueza da natureza.

Ela mostra-nos apenas superfícies, mas tem um milhão de braças de profundidade.”

Ralph Waldo Emcrson

A ciência é mais um modo de pensar do que um conjunto de conhecimentos. O seu

fim é descobrir como o mundo funciona, procurar as regularidades que nele existem, abrir

caminho nas relações entre as coisas - desde as partículas subnucleares, que podem ser os

constituintes de toda a matéria, até aos organismos vivos, à comunidade social humana e, daí,

ao cosmo como um todo. A nossa intuição não é, de forma alguma, um guia infalível. A nossa

percepção pode ser distorcida pela educação, pelos preconceitos ou apenas pelas limitações

dos nossos órgãos sensitivos, que, obviamente, não apercebem diretamente senão uma fração

mínima dos fenômenos do mundo.

Mesmo uma pergunta como se, na ausência de atrito, 1 kg de chumbo cai mais

depressa do que 1 g de algodão foi respondida incorretamente por Aristóteles e quase todos os

que viveram em eras anteriores à de Galileu. A ciência baseia-se na experiência, na disposição

de desafiar os velhos dogmas, numa

abertura que permita ver o universo como ele na realidade é.

Deste modo, a ciência requer coragem na maioria das vezes no mínimo, a coragem de

pôr em causa a sabedoria convencional.

Para além disto, o truque principal da ciência é pensar realmente em alguma coisa: a

forma das nuvens e os seus fundos por vezes aguçados a uma mesma altitude em todo o céu; a

formação de uma gota de orvalho sobre uma folha; a origem de um nome ou de uma palavra -

por exemplo "Shakespeare" ou "filantrópico"; a razão dos costumes sociais humanos - como,

por exemplo, a proibição do incesto; como é que uma lente sob luz solar pode queimar papel;

como é que uma bengala se parece tanto com um ramo de árvore; por que razão a Lua parece

seguir-nos quando caminhamos; o que nos impede de fazer um buraco fundo no chão até ao

centro da Terra; qual a definição de "em baixo" numa Terra esférica; como é possível a um

corpo converter o almoço de ontem no músculo ou no tendão de hoje; até onde existe o cimo -

será que o universo continua para sempre, ou, se não, terá algum sentido a questão sobre o

que existirá do outro lado? Algumas destas perguntas são bem fáceis.

Todas as culturas se puseram estas questões de uma ou de outra maneira. Quase

sempre as respostas apresentadas têm a ver com "histórias de que as coisas são tentativas

como são", de explicar que não se fundam na experiência nem mesmo em observações

comparativas cuidadas.

Mas a disposição científica da mente examina o mundo de forma crítica, como se

muitos mundos alternativos existissem, como se as coisas que aqui não estão pudessem estar.

Então somos forçados a perguntar porque é que o que vemos está presente, e não outra coisa.

Por que razão o Sol, a Lua e os planetas são esféricos? Porque não piramidais, ou cúbicos, ou

de doze faces? Porque não formas irregulares e confusas? Porquê mundos tão simétricos? Se

perdermos algum tempo a alvitrar hipóteses, verificando se têm sentido, se são consentâneas

com o que já conhecemos, pensando em provas que podemos fazer para substanciar ou

esvaziar essas hipóteses, encontramo-nos a fazer ciência. E, à medida que este hábito de

pensar vai sendo praticado, vamo-nos aperfeiçoando. Penetrar no coração de uma coisa -

mesmo pequena, numa folha de erva, como disse Walt Whitman- é experimentar uma espécie

de alegria muito grande que talvez apenas os seres humanos, entre todos os seres deste

planeta, podem sentir. Somos uma espécie inteligente e o uso apropriado da nossa inteligência

dá-nos prazer. Visto por este prisma, o cérebro é como um músculo. Quando pensamos

corretamente, sentimo-nos bem. E o entendimento é uma espécie de êxtase.

Mas até onde podemos verdadeiramente conhecer o universo que nos rodeia? Às

vezes, esta pergunta é feita por pessoas que esperam que a resposta seja dada na negativa,

porque têm medo de um universo em que tudo possa, um dia, ser revelado. E às vezes

ouvimos declarações de cientistas afirmando, confiantes, que tudo o que vale a pena conhecer

será conhecido - ou já o é- e que pintam quadros de uma era dionisíaca ou polinesiana em que

o gosto pela descoberta intelectual decaiu, para ser substituído por uma espécie de fraqueza

subjugada, os comedores de lótus bebendo leite de coco fermentado ou qualquer outro suave

alucinógeno. Além de difamar tanto os Polinésios, que foram exploradores intrépidos (e cujo

breve repouso no Paraíso está agora tristemente a acabar), como os incentivos para

descobertas intelectuais propiciados por alguns alucinogénios, esta afirmação acaba por estar

trivialmente errada.

Aproximemo-nos de uma questão bem mais modesta: não a de se podemos conhecer o

universo, a Via Láctea, uma estrela ou um mundo; mas a de se podemos conhecer, integral e

detalhadamente, um grão de sal. Imaginemos 1 micrograma de sal de mesa, uma partícula tão

minúscula que, sem microscópio, apenas seria visível por alguém com apuradíssima visão.

Nesse grão de sal há mais ou menos 10*16 átomos de sódio e cloro. Isto é, um 1 seguido de

dezasseis zeros, ou seja, 10 milhões de biliões 1 de átomos. Se quisermos conhecer um grão

de sal, teremos pelo menos de conhecer as posições tridimensionais de cada um desses

átomos. (De fato, haveria muito mais para ser conhecido - como a natureza das forças entre os

átomos -, mas estamos apenas a fazer um cálculo modesto.) Ora bem: este número é maior ou

menor do que o número de coisas que o cérebro é capaz de conhecer?

Quanto pode um cérebro conhecer? Há no cérebro talvez 10" de neurônios, os

elementos dos circuitos e interruptores que são responsáveis, na sua atividade química e

elétrica, pelo funcionamento das nossas mentes. Um neurônio cerebral típico tem talvez 100

pequenos filamentos, chamados dendrites, que o ligam aos seus companheiros. Se, ao que

parece, cada bit de informação corresponde no cérebro a uma destas ligações, o número total

de coisas susceptíveis de conhecimento pelo cérebro não é maior do que 10&4, 100 triliões.

Mas este número é apenas 1 % do número de átomos da pequena partícula de sal.

Neste sentido, o universo é resistente, espantosamente imune a qualquer tentativa

humana de conhecimento total. Acontece que o sal é um cristal em que, exceto pelos defeitos

da estrutura da rede cristalina, a posição de cada átomo de sódio e cloro é predeterminada. Se

pudéssemos penetrar neste mundo cristalino, veríamos filas e filas de átomos dispostos

ordenadamente, uma estrutura alternada regularmente - sódio, cloro, sódio, cloro -,

identificando a camada de átomos onde estivéssemos e todas as outras por cima e por baixo.

Um cristal de sal absolutamente puro podia ter a posição de todos os átomos determinada por

qualquer coisa como 10 bits de informação. Isto não excederia a capacidade de informação do

cérebro.

O cloro é um veneno mortal gasoso que foi usado nos campos de batalha europeus

durante a primeira guerra mundial. O sódio é um metal corrosivo que se queima ao contato

com a água. Juntos formam um material plácido e inofensivo, o sal de mesa. Por que razão

cada uma das substâncias tem as propriedades que tem é um assunto chamado "química", que

requer muito mais do que 10 bits de informação para se compreender.

Se o universo tivesse leis naturais que governassem o seu comportamento com o

mesmo grau de regularidade que determinam

um cristal de sal, então o universo poderia ser decerto passível de conhecimento.

Mesmo que existissem muitas leis como essas, cada uma com uma complexidade

considerável, os seres humanos poderiam ter a capacidade de as compreender todas. Ainda

que esse conhecimento excedesse a capacidade de informação do cérebro, poderíamos

armazenar as informações adicionais fora dos nossos corpos - por exemplo, em livros ou na

memória de um computador- e ainda, em certo sentido, conhecer o universo.

Os seres humanos estão, compreensivelmente, muito motivados para a descoberta de

regularidades, de leis naturais. A procura de regras, única maneira possível de compreender

um universo tão vasto e complexo, chama-se "ciência". O força aqueles que nele vivem a

compreendê-lo. Essas criaturas que acham a experiência quotidiana um amontoado confuso

de acontecimentos irregulares, imprevisíveis, estão moribundas.

O universo pertence àqueles que, pelo menos em certa medida, perceberam isso.

É um fato admirável que haja leis da natureza, regras que sintetizem convenientemente

- não só qualitativa, mas também quantitativamente- o funcionamento do mundo. Podíamos

imaginar um universo no qual não há leis dessas, no qual 10*88 de partículas elementares que

formam um universo como o nosso se comportam em total e inflexível isolamento. Para

compreender um tal universo precisaríamos de um cérebro pelo menos tão maciço como o

universo. Parece improvável que esse universo tivesse vida e inteligência, porque os seres e os

cérebros requerem um certo grau de estabilidade e ordem interna. Mas num universo ainda

muito mais desorganizado, onde houvesse esses seres com uma inteligência muito superior à

nossa, não poderia haver tanto conhecimento, tanta paixão, nem tanta alegria.

Para nossa sorte, vivemos num universo que tem, pelo menos, partes importantes

susceptíveis de serem conhecidas.

A nossa experiência de senso comum e a nossa evolução histórica prepararam-nos

para compreender uma parte do funcionamento do mundo quotidiano. Porém, quando

penetramos noutros domínios, o senso comum e a intuição natural tornam-se guias altamente

duvidosos. É espantoso que, quando estamos próximo da velocidade da luz, a nossa massa

aumenta indefinidamente e contraímo-nos até uma espessura zero na direção do movimento,

podendo o tempo deter-se tanto quanto queiramos.

Há muita gente que pensa que isto é um disparate e quase todas as semanas recebo

uma carta de alguém que se queixa disso. Mas não: é uma conseqüência perfeitamente certa,

não só da experiência, mas também da brilhante análise feita ao espaço e ao tempo por Albert

Einstein, conhecida como a teoria da restrita relatividade. Não importa que estes efeitos nos

pareçam improváveis. Não temos o hábito de viajar a uma velocidade como a da luz: o

testemunho do nosso senso comum é suspeito a altas velocidades.

Imaginemos agora uma molécula isolada composta por dois átomos com a forma

semelhante a um alter - uma molécula de sal, por exemplo. Uma molécula como esta roda em

torno de um eixo imaginário que liga os dois átomos. Mas, no mundo da mecânica quântica,

no domínio do verdadeiramente pequeno, nem todas as orientações do nosso alter são

possíveis. Podia acontecer a molécula ser orientada na posição horizontal, ou então na

vertical, mas não em muitos ângulos entre as duas.

Algumas posições rotativas são proibidas. Mas proibidas por quem? Pelas leis da

natureza. O universo está construído de uma tal forma que limita ou quantiza a rotação. Não

experimentamos isto diretamente na vida quotidiana; achá-lo-íamos complicados e fizéssemos

exercícios de levantamento sentados, percebendo que os braços esticados para os lados ou

para cima apenas permitem algumas posições intermédias. Não vivemos no mundo do

pequeno, à escala de 10-&3 cm, no domínio em que existem doze zeros entre a unidade e a

casa decimal. As nossas intuições de senso comum não contam. O que conta é a experiência -

neste caso, a observação a partir dos espectros no infravermelho longínquo das moléculas.

Eles mostram que a rotação molecular é quantizada.

O pensamento de que o mundo põe restrições aos atos humanos é frustrante. Por que

razão não poderíamos ser capazes de ter posições rotativas intermédias? Porque não podemos

viajar mais depressa do que à velocidade da luz? No entanto, tanto quanto podemos dizer, este

é o modo como o universo está construído. Esses impedimentos não só nos empurram em

direção a uma pequena humildade, como tornam o mundo passível de conhecimento. Cada

restrição corresponde a uma lei da natureza, a uma regularização do universo. Quanto mais

restrições houver quanto ao que a matéria e a energia podem fazer, mais conhecimentos

poderão os homens alcançar. O fato de o universo ser susceptível de conhecimento não

depende apenas do número de leis da natureza que existem e respeitam a fenômenos

diferentes, mas sobretudo da capacidade intelectual de compreendermos essas mesmas leis.

As nossas formulações que se relacionam com as regularidades da natureza estão certamente

dependentes do modo como o cérebro está construído e, a um outro nível, de como o universo

está construído.

Cá por mim, gosto de um universo que inclua muito do que se desconhece e, ao

mesmo tempo, muito do que pode vir a conhecer-se. Um universo em que tudo se sabe seria

estático e aborrecido, tão aborrecido como o paraíso de alguns teólogos sem imaginação. Um

universo que não é susceptível de ser compreendido não é o lugar adequado para um ser

pensante. Para nós, o universo ideal é muito parecido com aquele em que habitamos e tenho a

impressão de que isto não é uma coincidência.

CAPÍTULO III:ESSE MUNDO QUE ACENA COMO UMA LIBERTAÇÃO

“Para me castigar pelo meu desprezo pela autoridade, o destino fez de mim próprio

uma autoridade.” Einstein

Albert Einstein nasceu em Ulm, na Alemanha, exatamente há um século. Era uma

dessas raras pessoas que em qualquer época reformulam o mundo através de um dom

especial, um talento de compreender coisas antigas de novas formas, de propor profundos

desafios à sabedoria convencional. Durante muitas décadas, Einstein foi admirado e venerado

por todo o mundo, sendo o único cientista que toda a gente conhecia, através não só das suas

descobertas científicas, conhecidas pelo menos vagamente pelo público, mas também das

posições frontais que tomava perante os assuntos sociais e da sua benevolência.

Para pessoas com eu, filhos de pais emigrantes com inclinação científica, ou que

cresceram durante a Depressão, esta veneração por Einstein demonstrou que existiram

pessoas que eram de fato cientistas e que a carreira científica não era totalmente impossível.

Ele desempenhou, sem querer, a função de servir de modelo científico. Sem ele, muitos dos

jovens que se tornaram cientistas após 1920 poderiam nunca ter ouvido falar da existência da

empresa científica. O raciocínio que serviu de suporte à teoria da relatividade restrita, de

Einstein, poderia Ter sido desenvolvido um século mais cedo, mas, embora tivesse havido

algumas investigações premonitórias feitas por outros, a relatividade teve de esperar por

Einstein.

Fundamentalmente, a física da relatividade restrita é muito simples e muitos dos

resultados essenciais podem ser deduzidos com a álgebra do liceu ou com a observação de um

barco que rema rio acima e rio abaixo.

Toda a vida de Einstein teve a riqueza do gênio e da ironia, foi a paixão pelos assuntos

do seu tempo - a intervenção na educação, a ligação entre a ciência e a política- e a

demonstração de que indivíduos podem, de fato, modificar o mundo.

Enquanto criança, Einstein deu poucos sinais do que viria a ser. "Os meus pais", disse

um dia, "preocupavam-se porque comecei a falar relativamente tarde. Consultaram um

médico por causa disso. Eu devia ter na altura talvez uns 3 anos, não menos que isso." Foi um

aluno desinteressado na escola primária, onde dizia que os professores lhe faziam lembrar

sargentos instrutores. Durante a sua juventude, as diretrizes máximas da educação européia

eram o nacionalismo bombástico e a rigidez intelectual. Revoltou-se contra os métodos de

ensino mecanizados e enfadonhos - "Preferia suportar qualquer espécie de castigo a ter de

papaguear as coisas aprendidas." Einstein continuaria sempre a detestar os autoritarismos

rígidos na educação, na ciência e na política.

Aos 5 anos sentiu-se atraído pelo mistério do funcionamento de uma bússola. Mais

tarde escreveu: "Aos 12 anos experimentei uma segunda sensação maravilhosa, de uma

natureza completamente diferente, ao ler um pequeno livro sobre geometria euclidiana

simples. Havia conclusões, como, por exemplo, a intersecção das três alturas de um triângulo

num ponto, que, embora não fossem evidentes, podiam ser provadas com tal clareza que

qualquer dúvida parecia estar fora de questão. Esta lucidez e segurança provocaram em mim

uma impressão indescritível."

A escolaridade formal era, para Einstein, apenas uma interrupção fastidiosa de tais

contemplações. Escreveu depois sobre a sua auto-educação: "Dos 12 aos 16 anos familiarizei-

me com elementos de matemática e com os princípios do cálculo diferencial e integral. Ao

fazê-lo, tive a sorte de encontrar livros que não eram demasiado insistentes no seu rigor

lógico, mas que, em compensação, apresentavam as idéias principais de uma forma bastante

clara. Tive a sorte de começar a conhecer os resultados e os métodos do campo global das

ciências naturais através de uma excelente exposição de divulgação que se restringia quase só

aos aspectos qualitativos. . . um trabalho que li apaixonadamente." Os atuais divulgadores da

ciência devem sentir-se reconfortados com estas palavras.

Nenhum dos professores de Einstein parece ter reconhecido as suas potencialidades.

No Gymnasium de Munique, a principal escola superior da cidade, um dos professores disse-

lhe:

"Nunca hás-de ser alguém, Einstein." Aos 15 anos foi aconselhado a abandonar a

escola: "A sua presença prejudica o respeito que os alunos têm por mim", disse-lhe um dos

professores.

Aceitou esta sugestão com satisfação e passou vários meses passeando pelo Norte de

Itália, deixando o liceu na década de 1890.

Sempre preferiu o estilo informal na forma de estar e de se vestir. Se tivesse vivido a

sua juventude nos anos 60 ou 70, teria sido considerado um hippie pela sociedade

convencional.

O seu desagrado pela educação formal foi, no entanto, rapidamente ultrapassado pela

curiosidade em relação à física e pela atração pelo universo natural. Inscreveu-se, por isso, e

apesar de não ter ainda o diploma do ensino secundário, no Instituto Federal de Tecnologia

em Zurique, na Suíça. Tendo reprovado no exame de admissão ao Instituto, inscreveu-se num

liceu suíço para corrigir as suas falhas e foi admitido, passado um ano, no Instituto Federal.

Continuava, no entanto, a ser um estudante medíocre. Estudava apenas aquilo a que

era obrigado, o que estava estipulado,

não comparecia às aulas e dedicava-se ao que o interessava. Mais tarde escreveu: "O

grande problema disto é que eu era obrigado a meter tudo aquilo na cabeça, quer quisesse

quer não, para conseguir passar no exame."

Só conseguiu licenciar-se porque um grande amigo, Marcel Grossmann, ia

regularmente às aulas e partilhava os seus apontamentos com Einstein. Escreveu, muitos anos

depois, a respeito da morte desse amigo: "Lembro-me dos nossos tempos de estudantes.

Ele era um aluno irrepreensível e eu um incorrigível sonhador. Ele, sempre de boas

relações com os professores, percebendo sempre tudo; eu, um pária insatisfeito e pouco

querido por todos, completamente perdido no limiar da vida."

Conseguiu a sua graduação através da concentração absoluta nos apontamentos de

Grossmann, mas, recorda mais tarde, "estudar para os exames finais teve um efeito tão terrível

em mim que durante um ano inteiro me foi completamente insuportável a concentração em

qualquer problema científico [...]

Só por milagre estes métodos pedagógicos não estrangularam ainda por completo a

sagrada curiosidade para investigar, porque o que esta planta mais necessita, para além da

estimulação inicial, é de liberdade. Sem isso é de certeza destruída. Acredito que qualquer

animal saudavelmente voraz perca completamente o apetite se for obrigado a comer

continuamente, quer tenha fome, quer não". Estas observações de Einstein deveriam servir de

pontos de reflexão aos responsáveis pela educação científica avançada. Às vezes penso em

quantos potenciais Einsteins terão sido sistematicamente desencorajados pela competitividade

dos exames e pela "alimentação" forçada dos currículos.

Depois de viver à custa de diversos empregos e de ter sido recusado para posições que

desejava, Einstein aceitou uma proposta de emprego para verificar os requerimentos no

Departamento de Patentes Suíças, em Berna. Esta oportunidade surgiu-lhe por influência do

pai de Marcel Grossmann. Nesta altura rejeitou a nacionalidade alemã e tornou-se cidadão

suíço. Em 1903, três anos mais tarde, casou com a namorada dos tempos da faculdade. Sabe-

se pouco sobre os pedidos de patentes que teriam sido aprovados ou rejeitados por Einstein.

Seria interessante saber até que ponto essas propostas estimularam os seus pensamentos na

física.

Um dos seus biógrafos, Banesh Hoffman, descreve como Einstein "aprendeu

rapidamente a desempenhar as suas tarefas e isto permitiu-lhe furtar tempos livres no

Departamento, tempos que dedicava sub-repticiamente aos seus cálculos, que escondia

culposamente numa gaveta sempre que ouvia o som de passos aproximando-se". Foi nestas

circunstâncias que nasceu a célebre teoria da relatividade. Einstein recordaria mais tarde,

nostalgicamente, o Departamento de Patentes como "o claustro secular onde amadureceram as

minhas idéias mais belas".

Disse várias vezes a colegas seus que a profissão de faroleiro seria a ideal para um

cientista - porque é um trabalho relativamente fácil e, ao mesmo tempo, permite a

contemplação necessária à investigação científica. Leopold Infeld, um colega seu, disse um

dia: "Para Einstein, a solidão da vida num farol seria decerto estimulante, libertá-lo-ia de

muitas das obrigações que ele detesta. Seria para ele a vida ideal. No entanto, quase todos

os cientistas pensam o contrário. A maldição da minha vida foi ter passado muito

tempo fora do ambiente científico, sem ninguém com quem falar sobre física."

Einstein acreditava que era algo desonesto ganhar dinheiro a ensinar física. Defendia

que era muito melhor para um físico sustentar-se através de um outro tipo de trabalho simples

e honesto e trabalhar em física nos tempos livres. Alguns anos mais tarde, nos Estados

Unidos, disse por graça que gostaria de ter sido canalizador e foi imediatamente tornado

membro honorário do sindicato dos canalizadores.

Em 1905, Einstein publicou quatro artigos de investigação na principal revista de

física da altura, a Annalen der Physik.

Estes artigos eram fruto do seu trabalho durante as horas vagas no Departamento de

Patentes Suíças. O primeiro artigo demonstrava que a luz tem propriedades de partículas e de

ondas e explicava o estranho efeito fotoelétrico, segundo o qual os eletrões são emitidos por

sólidos quando irradiados pela luz. O segundo explorava a natureza das moléculas, explicando

o "movimento browniano" estatístico de pequenas partículas em suspensão.

O terceiro e o quarto introduziam a teoria da relatividade restrita e, pela primeira vez,

foi escrita a famosa equação E=mc2, tão amplamente citada e tão raramente compreendida.

A equação expressa a possibilidade de a matéria se converter: em energia e vice-versa.

Amplia a lei da conservação da energia para a lei da conservação da energia e da massa,

afirmando que a energia e a massa não podem ser criadas nem destruídas embora uma forma

de energia ou de matéria possa ser convertida noutra. Na equação, o E representa a energia

equivalente à massa, m. A quantidade de energia que poderia, em circunstâncias ideais, ser

extraída da massa é mcz, onde c é a velocidade da luz = 30 biliões de centímetros por

segundo. (A velocidade da luz é sempre escrita em letra minúscula, e nunca em letra

maiúscula.) Se medirmos m em gramas e c em centímetros por segundo, E será medido numa

unidade de energia chamada erg. A conversão completa de 1 g de massa em energia liberta1 x

(3 x l0&o)z = 9 x l0zo ergs, o que seria mais ou menos equivalente à explosão de 1000 t de

TNT. Estas imensas fontes de energia estão contidas em quantidades mínimas de matéria.

Imagine-se o que seria se soubéssemos como extraí-la. As armas e as centrais

nucleares são hoje exemplos corriqueiros das nossas tentativas eticamente ambíguas de extrair

a energia que Einstein demonstrou estar presente em toda a matéria. Uma arma termonuclear,

uma bomba de hidrogênio, é uma invenção com um poder aterrorizador, mas nem mesmo

assim representa mais de 1 % de mc2 da massa m de hidrogênio.

Os quatro artigos de Einstein publicados em 1905 poderiam ter sido o resultado

impressionante de um trabalho de investigação feito a tempo inteiro durante toda uma vida;

terem sido o resultado do trabalho feito nas horas vagas de um empregado do Departamento

de Patentes com 26 anos de idade é algo completamente espantoso.

Muitos historiadores da ciência chamaram ao ano de 1905 Annus Mirabilis, o "ano dos

milagres". Só tinha existido um ano ligeiramente semelhante a este na história da física -1666,

ano em que Isaac Newton, de 24 anos, num isolamento rural forçado por uma epidemia de

peste bubônica, produziu uma explicação para a natureza espectral da luz do Sol, inventou o

cálculo diferencial e integral e criou a teoria da gravitação universal.

Os artigos de 1905 e a teoria da relatividade generalizada, formulada pela primeira vez

em 1915, foram as principais criações da vida científica de Einstein.

Antes de Einstein defendia-se que existiam sistemas de referência privilegiados e

coisas tais como o espaço absoluto e o tempo absoluto. O ponto de partida de Einstein foi que,

qualquer que fossem os sistemas de referência, todos os observadores (fosse qual fosse a sua

localização, velocidade ou aceleração) veriam as leis fundamentais da natureza da mesma

forma.

É provável que esta forma de encarar os sistemas de referência tenha sido influenciada

pelas atitudes sociais e políticas de Einstein e pela sua resistência ao chauvinismo estridente

da Alemanha dos finais do século XIX. A idéia de relatividade neste sentido tornou-se já um

lugar-comum da antropologia e os cientistas sociais já há muito adotaram a idéia do

relativismo cultural: há uma validade comparável nas várias formas de encarar os contextos

sociais e de expressar, nas diferentes sociedades, os conceitos éticos e religiosos.

A relatividade estrita não foi inicialmente bem aceite. Tentando iniciar, de novo, uma

carreira acadêmica, Einstein submeteu os seus artigos à apreciação da Universidade de Berna,

apresentando-os como exemplo do seu trabalho. Considerava-os evidentemente como algo de

importância. Foram rejeitados por serem incompreensíveis e ele manteve-se, assim, no

Departamento de Patentes até 1909.

O trabalho publicado não passou, no entanto, completamente despercebido e alguns

dos mais importantes físicos da Europa começavam lentamente a perceber que Einstein

poderia ser um dos maiores cientistas de todos os tempos. Mas o seu trabalho sobre a

relatividade continuava a ser altamente controverso.

Numa carta de recomendação para que Einstein ingressasse na Universidade de

Berlim, um importante cientista alemão sugeria que a relatividade era uma divagação

hipotética, uma aberração momentânea, mas que, apesar disso, Einstein era, de fato, um

pensador de alta craveira. (O Prêmio Nobel que Einstein ganhou, e de que teve conhecimento

durante uma

visita ao Oriente em 1921, foi-lhe atribuído pelo artigo sobre

o efeito fotoelétrico e "outras contribuições" para a física teórica.

A relatividade era ainda tida como demasiado controversa para poder ser mencionada

explicitamente.)

As formas de Einstein encarar a religião e a política estão interligadas. Os pais, de

origem judaica, não praticavam os rituais judaicos. Einstein acabou por ter, apesar disso, uma

educação religiosa convencional, "dada pela máquina tradicional da educação, o estado e as

escolas". Este tipo de educação teve um final repentino aos 12 anos: "A leitura de livros

científicos de divulgação levou-me rapidamente à conclusão de que muitas das histórias da

Bíblia não podiam ser verdadeiras. A conseqüência disto foi um fanatismo positivo pela

liberdade de pensamento, a que se juntou a impressão de que a juventude estava a ser

intencionalmente enganada pelo estado com as suas mentiras; era uma sensação chocante.

Desta experiência nasceu a desconfiança em relação a qualquer tipo de autoridade, a atitude

céptica em relação às convicções defendidas em qualquer ambiente social específico - atitude

que não mais me abandonou, embora mais tarde, através do conhecimento profundo das

ligações causais, tenha perdido a sua rigidez inicial.

Exatamente antes de rebentar a primeira guerra mundial, Einstein aceitou um lugar de

professor no célebre Instituto Kaiser Wilhelm, em Berlim. O profundo desejo de estar no

principal centro de física teórica foi momentaneamente mais forte do que a sua antipatia pelo

militarismo alemão.

O início da guerra impediu a mulher e os dois filhos de Einstein de voltarem da Suíça

para a Alemanha. Esta separação forçada acabaria em divórcio alguns anos depois. Apesar de

estar

de novo casado, Einstein doou o valor total do Prêmio Nobel que lhe foi atribuído em

1921, 30 000 dólares, à sua primeira mulher e aos filhos. O filho mais velho viria a ser uma

figura importante da engenharia civil, professor na Universidade da Califórnia. O segundo

filho, que idolatrava o pai, acusou-o anos mais tarde, e com grande angústia para Einstein, de

ter sido ignorado durante a sua juventude.

Einstein, que se dizia socialista, defendia que a primeira guerra mundial era, em

grande parte, resultado das intrigas e da incompetência das classes dominantes, conclusão

com que muitos dos historiadores contemporâneos estão de acordo.

Tornou-se então um pacifista. Enquanto muitos outros cientistas alemães apoiavam

entusiasticamente as proezas militares da sua nação, Einstein condenava publicamente a

guerra, chamando-lhe "ilusão epidêmica". A cidadania suíça impediu a sua prisão, o que não

aconteceu com o seu amigo e filósofo Bertrand Russell em Inglaterra, na mesma altura e pelos

mesmos motivos.

Esta forma de Einstein encarar a guerra não aumentou a sua fama na Alemanha. A

guerra teve, no entanto, uma influência indireta na divulgação do seu nome.

Na teoria da relatividade generalizada, Einstein explorava a afirmação - uma idéia

ainda hoje admirável pela sua simplicidade, beleza e poder - de que a atração gravitacional

entre duas massas aparece porque essas massas distorcem ou deformam o espaço euclidiano

vizinho. A teoria quantitativa reproduzia, com a precisão com que tinha sido testada, a lei da

gravitação universal, de Newton. Olhando mais de perto, no entanto, é possível ver que a

relatividade generalizada prevê diferenças significativas em relação à teoria de Newton. Isto

está na tradição clássica da ciência, onde as novas teorias retêm os resultados verificados das

antigas, mas avançam um conjunto de novas previsões que permite uma distinção decisiva

entre as duas perspectivas.

As três provas da relatividade geral propostas por Einstein diziam respeito às

anomalias do movimento da órbita do planeta Mercúrio, ao desvio para o vermelho das linhas

espectrais da luz emitida por uma estrela maciça e ao desvio da luz das estrelas quando passa

perto do Sol.

Antes de ter sido assinado o Armistício em 1919 foram mandadas expedições