O Chile na obra de Chris Marker: um olhar para a Unidade Popular desde a França por Carolina Amaral de Aguiar - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA SOCIAL

CAROLINA AMARAL DE AGUIAR

O Chile na obra de Chris Marker:

um olhar para a Unidade Popular

desde a França

VERSÃO CORRIGIDA

São Paulo

2013

CAROLINA AMARAL DE AGUIAR

O Chile na obra de Chris Marker:

um olhar para a Unidade Popular

desde a França

Tese apresentada ao Programa de

Pós-Graduação

em

História

Social da Faculdade de Filosofia,

Letras e Ciências Humanas da

Universidade de São Paulo para

obtenção do título de Doutora em

História

Orientador: Prof. Dr. Marcos

Francisco Napolitano de Eugenio

VERSÃO CORRIGIDA

São Paulo

2013

Aos meus pais e avós,

pelo apoio em todos os momentos.

Agradecimentos

Gostaria de agradecer inicialmente ao meu orientador, Marcos Napolitano,

pelo olhar atento e pelas considerações sempre pertinentes. Agradeço também à sua

ajuda proporcionando intercâmbios e contatos com outros pesquisadores.

Agradeço à FAPESP pela bolsa concedida, que possibilitou uma permanência

estendida na França, sem a qual esta pesquisa não teria adquirido a mesma qualidade.

Também sou grata ao auxílio recebido do convênio USP-Cofecub, que financiou a

primeira estada francesa e incentivou a troca com os professores Olivier Compagnon,

Anaïs Fléchet, Luiz Felipe de Alencastro, Eduardo Morettin, Gabriela Pellegrino

Soares, Maurício Cardoso e o próprio Marcos, aos quais sou igualmente agradecida.

Faço um agradecimento especial aos professores Olivier Compagnon, pela

orientação no estágio francês junto ao Institut des Hautes Études de l'Amérique latine

(IHEAL), por sua acolhida e pelos seus conselhos fundamentais; e a Anaïs Fléchet,

por ter me recebido na França e pelas inúmeras contribuições e conversas que

colaboraram imensamente com esta tese.

Agradeço a outros professores que colaboraram com a pesquisa, especialmente

Maria Helena Capelato, por seus conselhos na qualificação. Dedico especiais

agradecimentos ao professor Eduardo Morettin, por suas indicações na qualificação,

como também nas apresentações do grupo “História e audiovisual: circularidades e

formas de comunicação”. Agradeço ainda a Mariana Villaça, Fabián Núñez, Mônica

Almeida Kornis e Maria Ligia Prado.

É necessário agradecer aos inúmeros colegas da pós-graduação, cujo diálogo

foi extremamente importante. Destaco os amigos do grupo Memória e Ditadura, que,

nas reuniões da “sala 19”, deram contribuições preciosas, bem como nas happy hours

igualmente acadêmicas, em especial a Fernando Seliprandy, que assim como eu se

aventura nos estudos de História e Cinema.

Agradeço também às contribuições dos amigos do grupo surgido na biblioteca

da Cinemateca Brasileira em 2005, atualmente “espiralado”, principalmente a Marina

Takami pelo contato intenso nos meses na França.

Gostaria de mencionar outros colegas da História Social, especialmente aos do

grupo temático de América Latina, com quem compartilhei reflexões, entre eles os

“chilenistas” Alexsandro de Sousa e Silva e Carine Dalmás. Agradeço com carinho a

Ângela Meirelles de Oliveira, amiga e parceira de doutorado, com quem dividi todas

as etapas desta pesquisa, inclusive o estágio no IHEAL.

Destaco o convívio na França com colegas do IHEAL e da Association pour la

recherche sur le Brésil en Europe (ARBRE), que, além da acolhida, proporcionaram

debates fundamentais sobre a relação entre a França e a América Latina.

Sem dúvida, esta pesquisa não teria sido a mesma sem a colaboração do

markeriano Nicolau Leonel, que generosamente partilhou seu material e suas

impressões sobre a obra de Chris Marker. Pelo mesmo motivo, agradeço também a

Emi Koide e ao “quase” markeriano Fernando Frias.

A pesquisa realizada nos arquivos foi de extrema importância para esta tese.

Sou grata principalmente à acolhida de Mónica Villarroel na Cineteca Nacional de

Chile e à Image, Son, Kinescope et Réalisations Audiovisuelles (ISKRA), que me

cedeu filmes e documentos inéditos de inestimável valor.

A qualidade do texto aqui apresentado não seria a mesma sem a contribuição

de Flávio Cintra do Amaral, tio e revisor (nesta função desde o mestrado), a quem sou

agradecida. Meus agradecimentos também a Fernanda Machado pela ajuda com o

francês.

Foi, com certeza, uma das minhas maiores satisfações a troca de e-mails com o

“misterioso” Chris Marker, que me enviou em 2011 um emocionante relato.

Agradeço-o, in memoriam. Sou grata a Silvio Tendler pela entrevista/conversa

concedida.

Sou grata a minha família, especialmente aos meus pais (e seus respectivos

companheiros), avós (destaco minha avó Terezinha, que partiu antes do fim desse

longo processo) e irmãos. Agradeço especialmente à minha mãe, que contribuiu para

uma estada mais prolongada na França.

Os amigos que gostaria de agradecer não caberiam nestas páginas. Mas

certamente eles contribuíram muito para esta tese, mesmo que indiretamente.

Destacaria Maíra e Antoine, que me receberam em algumas ocasiões em Paris apesar

dos espaços reduzidos da cidade.

Por fim, agradeço com amor ao meu companheiro Ignacio Del Valle Dávila,

que surgiu na minha vida por conta desta pesquisa e atravessou o Atlântico por razões

que a superam. Além do apoio pessoal, suas contribuições, considerações e ajuda

foram fundamentais para o resultado final.

Resumo

O Chile na obra de Chris Marker:

um olhar para a Unidade Popular desde a França

Este trabalho analisa filmes do cineasta Chris Marker que indagaram sobre a Unidade

Popular do Chile nos anos 1970. Entre as produções abordadas, estão duas que foram

remontadas a partir de documentários chilenos feitos durante o governo de Salvador

Allende: La première année (1973) e On vous parle du Chili: ce que disait Allende

(1973). Além disso, mais três filmes desse realizador se dedicaram ao tema: La

Spirale (1976), L’ambassade (1974) e O fundo do ar é vermelho (1977). Por meio do

estudo dessa filmografia, identificaram-se quais foram as estratégias narrativas

utilizadas e qual foi o discurso político sobre a chamada “experiência chilena” que

essas estratégias elaboraram. A reflexão sobre o corpus permitiu verificar que o

interesse por esse processo, visto desde a França, emergiu do espaço deixado pelas

frequentes desilusões diante de uma referência política anterior, igualmente vinda da

América Latina e que havia motivado os debates da esquerda francesa na década de

1960: a Revolução Cubana. Assim, optou-se por incluir também na pesquisa

produções markerianas que nasceram do contato entre esse realizador e o Instituto

Cubano del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC): Cuba si (1961), La bataille

des dix millions (1970), On vous parle du Brésil: tortures (1969) e On vous parle du

Brésil: Carlos Marighela (1970). A análise dos filmes elencados revela que, durante

os anos da UP no poder, houve uma vontade de aproximação entre Chile e França que

valorizava os caminhos empregados pela “via chilena ao socialismo”, apontando-os

como possibilidades para uma Nova Esquerda europeia. Porém, com o golpe de

Estado de 1973, essa postura passou por uma revisão, e a experiência chilena serviu à

elaboração de leituras que apontassem um “legado” e “lições” que poderiam ser

retirados da queda da Unidade Popular. Nesse sentido, as produções de Marker fazem

uma denúncia das ações da direita que derrubaram Allende, bem como constroem

uma visão autocrítica que indica os “erros” cometidos pela própria esquerda que

possibilitaram essa derrota. Essa tentativa de atribuir um “legado” e “lições” buscava

responder sobretudo aos anseios de uma esquerda francesa que dispunha de um

programa comum de governo fortemente inspirado naquele da UP chilena, mas que

deveria ser submetido a uma revisão após o fracasso de sua referência latino-

americana. Sob essa visão, esta tese propõe um estudo voltado à circulação de ideias

culturais e políticas entre América Latina e França, que delega ao continente um papel

central nessa relação durante os anos 1960 e 1970 e a Chris Marker a função de um

mediador cinematográfico.

Palavras-chave:

Chris Marker, Unidade Popular, cinema político, circulação de ideias políticas,

Revolução Cubana, anos 1960 e 1970.

Abstract

The Chile in the Chris Marker’s work:

a look at the Popular Unity government from France

This work analyses the Chris Marker’s films that inquired about the Popular Unity in the

1970’s. Among the productions approached, two of them have been reassembled from

other Chilean documentaries that had been made during the Salvador Allende’s

government: La première année (1973) and On vous parle du Chili: ce que disait Allende

(1973). Furthermore, three other films by Chris Marker have analysed this subject: La

Spirale (1976), The embassy (1974) and The grin without a cat (1977). By studying his

filmography, this research could identify the narratives strategies that had been used by

the director, as well as the political discourse elaborated by them. The reflections about

the corpus allowed verify how the interest for this Chilean process, viewed from France,

has emerged from an empty space left by the usual delusion given by an earlier reference

that had motivated the French left during the 1960’s, also gone from Latin-American: the

Cuban Revolution. So, we chose to also include in the research the Marker’s productions

came from the relationship between this director and the Instituto Cubano del Arte e

Industria Cinematográficos (ICAIC): Cuba si (1961), La bataille des dix millions (1970),

On vous parle du Brésil: tortures (1969) and On vous parle du Brésil: Carlos Marighela

(1970). The analysis of the films-selected shows that, during the UP’s years in the power,

there was a wish to approach Chile and France by valorising the “Chilean’s way to the

socialism” and pointing it as a possibility to the European “New Left”. However, after the

coup d’état in 1973, this attempt has been revised and the “Chilean experience” has been

used to elaborate lectures that pointed a “legacy” and “lessons” from the follow of

Popular Unity. In this sense, the Marker’s productions denounce the right’s actions to

overthrow Allende, as well as built a self-criticism vision to indicate the left’s “mistakes”

that had collaborated to the defeat. This wish to show a “legacy” and “lessons” has

dialogued with the expectations of a French’s left that had have a common government

programme tightly inspired in the Chilean’s UP ones, but that has required a revision after

the failure of its Latin-American reference. From this point of view, this thesis proposes a

study based on the circulation of cultural and political ideas between Latin American and

France that delegated to this continent a central role in this relationship during the 1960’s

and the 1970’s, and assigned to Chris Marker the function of a cinematographic mediator.

Keywords:

Chris Marker, Popular Unity, political cinema, circulation of political ideas, Cuban

Revolution, the 1960’s and the 1970’s.

Resumen

Chile en la obra de Chris Marker:

una mirada a la Unidad Popular desde Francia

Este trabajo analiza filmes del cineasta Chris Marker que indagan sobre la Unidad

Popular en los años 1970. Entre las producciones abordadas, se encuentran dos que fueron

montadas a partir de documentales chilenos hechos durante el gobierno de Salvador

Allende: La première année (1973) y On vous parle du Chili: ce que disait Allende

(1973). Además de eso, otros tres filmes del realizador están dedicados a este tema: La

Spirale (1976), L’ambassade (1974) y El fondo del aire es rojo (1977). Mediante el

estudio de esa filmografía, se identificaron cuáles fueron las estrategias narrativas

utilizadas y cuál fue el discurso político sobre la llamada “experiencia chilena” que esas

estrategias elaboraron. La reflexión sobre el corpus permitió verificar que el interés por

ese proceso, visto desde Francia, emergió del espacio dejado por las frecuentes

desilusiones frente a una referencia política anterior, igualmente vinculada a América

Latina y que había motivado los debates de la izquierda francesa en la década de 1960: la

Revolución Cubana. Así, se optó por incluir también en la investigación producciones

markerianas que nacieron del contacto entre ese realizador y el Instituto Cubano del Arte

e Industria Cinematográficos (ICAIC), se trata de Cuba si (1961), La bataille des dix

millions (1970), On vous parle du Brésil: tortures (1969) y On vous parle du Brésil:

Carlos Marighela (1970). El análisis de los filmes señalados revela que, durante los años

de la UP en el poder, hubo un deseo de aproximación entre Chile y Francia que valorizaba

los caminos empleados por la “vía chilena al socialismo”, apuntándolos como

posibilidades para una Nueva Izquierda europea. Sin embargo, con el golpe de Estado de

1973, esa postura pasó por una revisión y la experiencia chilena sirvió para la elaboración

de lecturas que apuntaban al “legado” y a “lecciones” que podían ser extraídas de la caída

de la Unidad Popular. En ese sentido, las producciones de Marker hacen una denuncia de

las acciones de la derecha que derribaron a Allende, y a la vez construyen una visión

autocrítica que indica los “errores” cometidos por la propia izquierda que posibilitaron

esa derrota. Esa tentativa de atribuir un “legado” y “lecciones” buscaba responder sobre

todo a las ansias de una izquierda francesa que disponía de un programa común de

gobierno fuertemente inspirado en aquel de la UP chilena, pero que debería ser sometido

a una revisión después del fracaso de su referencia latinoamericana. Bajo esta visión, esta

tesis propone un estudio enfocado en la circulación de ideas culturales y políticas entre

América Latina y Francia que delega al continente un papel central en esa relación

durante los años 1960 y 1970 y a Chris Marker la función de un mediador

cinematográfico.

Palabras-clave:

Chris Marker, Unidad Popular, cine político, circulación de ideas políticas, Revolución

Cubana, años 1960 y 1970.

Résumé

Le Chili dans l’œuvre de Chris Marker :

Un regard vers l’Unité Populaire depuis la France

Ce travail analyse les films du cinéaste Chris Marker consacrés à l’Unité Populaire, dans

les années 1970. Parmi les productions abordées, deux ont été remontées à partir de

documentaires chiliens réalisés pendant le gouvernement de Salvador Allende : La

première année (1973) et On vous parle du Chili : ce que disait Allende (1973). De plus,

trois autres films du réalisateur traitent de ce thème : Spirale (1976), L’ambassade (1974)

et Le fond de l’air est rouge (1977). À partir de l’étude de cette filmographie, nous avons

cherché à identifier les stratégies narratives mises en place, et le discours politique

élaboré par celles-ci sur ce que l’on nomme l’« expérience chilienne ». La réflexion sur le

corpus a permis de vérifier que l’intérêt porté à ce processus, vu depuis la France, a

émergé de l’espace laissé par les désenchantements fréquents face à une référence

politique antérieure, issue également d’Amérique Latine, qui avait motivé les débats de la

gauche française dans les années 1960 : la Révolution Cubaine. Ceci nous a conduit à

inclure dans la recherche des productions de Marker, nées du contact entre ce réalisateur

et l’ Instituto Cubano del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC), à savoir : Cuba si

(1961), La bataille des dix millions (1970), On vous parle du Brésil : tortures (1969) et

On vous parle du Brésil : Carlos Marighela (1970). L’analyse des films cités révèle que,

pendant les années où l’UP était au pouvoir, il y a eu une volonté de rapprochement entre

le Chili et la France, qui, voyant d’un œil favorable les chemins empruntés par la « voie

chilienne au socialisme », les considérait comme des possibilités pour une Nouvelle

Gaucheeuropéenne. Cependant, avec le coup d’État de 1973, cette position a été revue et

l’expérience chilienne a servi à l’élaboration de lectures orientées vers l’« héritage » et les

« leçons » à être tirées de la chute de l’Unité Populaire. Dans ce sens, non seulement les

œuvres de Marker dénoncent les actions de la droite qui a fait tomber Allende, mais elles

construisent également une vision autocritique indiquant les « erreurs » commises par la

gauche elle-même et qui ont rendu possible cet échec. Cette tentative d’attribuer un «

héritage » et des « leçons » visait surtout à répondre aux aspirations de la gauche

française, qui avait un programme commun de gouvernement, fortement inspiré de celui

de l’UP chilienne, mais qui devait être soumis à une révision après l’échec de sa référence

latino-américaine. Sous cette optique, la présente thèse propose une étude centrée sur la

circulation d’idées culturelles et politiques entre la France et l’Amérique Latine, qui

délègue au continent un rôle central dans cette relation pendant les années 1960 et 1970 et

à Chris Marker la fonction de médiateur cinématographique.

Mots-clés :

Chris Marker, Unité Populaire, cinéma politique, circulation d’idées politiques,

Révolution Cubaine, années 1960 et 1970.

Lista de abreviaturas:

Ação Libertadora Nacional (ALN)

Acción Popular Independiente (API)

Agência Central de Inteligência (CIA)

Agir en Jeunes Socialistes (AJS)

Bibliothèque de documentation internationale contemporaine (BDIC)

Bibliothèque nationale de France (BNF)

Confederación Única de Profesionales de Chile (CUPROCH)

Confédération générale du travail (CGT)

Democracia Cristã (DC)

Escuela de Artes de la Comunicación de la Universidad Católica (EAC)

Fédération de la gauche démocrate et socialiste (FGDS)

Frente de Acción Popular (FRAP)

Image, Son, Kinescope et Réalisations Audiovisuelles (ISKRA)

Institut des hautes études de l'Amérique latine (IHEAL)

Institut national d’audiovisuel (INA)

Instituto del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC)

Juntas de Abastecimiento (JAP)

L'Office de Radiodiffusion-Télévision Française (ORTF)

Movimento Comunista Internacional (MCI)

Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8)

Movimiento de Acción Popular Unitaria (MAPU)

Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR)

Organización de Solidaridad de los Pueblos de África, Asia y América Latina

(OSPAAAL)

Organización Latinoamericana de Solidaridad (OLAS)

Parti socialiste unifié (PSU)

Partido Comunista (PC)

Partido Comunista Brasileiro (PCB)

Partido Comunista Chileno (PCC)

Partido Comunista Francês (PCF)

Partido Nacional (PN)

Partido Radical (PR)

Partido Social Democracia (PSD)

Partido Socialista (PS)

Radio télévision belge (RTB)

Section française de l’internationale ouvrière (SFIO)

Service de Lancement des Œuvres Nouvelles (SLON)

Sociedad de Fomento Fabril (SOFOFA)

Sociedad Nacional de Agricultura (SNA)

Unidade Popular (UP)

Unión de Escritores y Artistas de Cuba (UNEAC)

Vanguarda Popular Revolucionária (VPR)

SUMÁRIO

Introdução .................................................................................................................... 3

Capítulo 1 – De Cuba ao Chile: América Latina na obra de Chris Marker ........ 23

1. A Revolução Cubana no documentário de Chris Marker .......................................... 23

1. 1. Cuba si (1961) ......................................................................................................... 30

1.2. La bataille des dix millions (1970) ........................................................................... 49

2. Cinema de contrainformação: comentários sobre o Brasil ........................................ 60

2.1. On vous parle du Brésil: tortures (1969) ................................................................. 66

2.2. On vous parle du Brésil: Carlos Marighela (1970) ................................................. 72

3. À Valparaiso (1963): o Chile de Joris Ivens comentado por Chris Marker .............. 83

3.1. As imagens de Joris Ivens e o texto de Chris Marker ............................................... 86

3.2. Filme-escola: uma ponte entre dois continentes ....................................................... 93

Capítulo 2 – Chris Marker e o cinema chileno: versões francesas para produções

sobre a Unidade Popular ........................................................................................... 96

1. Chris Marker no Chile: testemunha de um novo processo político e

cinematográfico .................................................................................................................. 96

1.1. “Cineastas instrumentos do povo”: documentário durante a Unidade Popular ...... 102

2. El primer año (1972) e La première année (1973) ...................................................... 116

3. Chris Marker e a SLON em A batalha do Chile ........................................................ 133

4. Compañero presidente (1971) e On vous parle du Chili: ce que disait Allende (1973)

............................................................................................................................................ 149

Capítulo 3 – La spirale (1976): imagens do Chile, denúncia e solidariedade ...... 159

1. Muitas mãos e versões: a produção de um filme coletivo ......................................... 159

2. Temas e estratégias do documentário ........................................................................ 169

3. Uma denúncia feita em arquivos ................................................................................ 195

3.1. O papel da voz over ................................................................................................ 207

3.2. La spirale e o uso de imagens militantes ................................................................ 213

3.3. Outros ecos da revolução democrática: Chile de Allende na televisão francesa e seu

uso em La spirale ........................................................................................................... 230

Capítulo 4 – L’ambassade (1974): do Chile à esquerda francesa (do documentário

à ficção) ..................................................................................................................... 243

1. “Isso não é um filme”: L’ambassade e os efeitos do real ........................................... 243

1.1. Filme-testemunhal e a desconstrução do “ciné-ma-vérité” .................................... 250

1

2. O Chile fora de campo: a derrubada da Unidade Popular ...................................... 254

3. A França em campo: emergência do Programa Comum ......................................... 266

3.1. A Unidade Popular para o Programa Comum da esquerda francesa ...................... 268

4. A esquerda teatralizada: solidariedade e conflitos ................................................... 280

Capítulo 5 – O fundo do ar é vermelho (1977): “do Chile ao – que, de fato?”:

apontamentos para uma “via europeia” ................................................................ 297

1. Temas e estratégias do documentário ........................................................................ 297

2. A trajetória de Fidel Castro e a revisão da Revolução Cubana ............................... 314

3. O programa comum da esquerda francesa em O fundo do ar é vermelho .............. 322

4. A Unidade Popular chilena em O fundo do ar é vermelho ........................................ 330

5. A Unidade Popular chilena para a “via europeia”: outras leituras e legado após sua

queda ................................................................................................................................. 340

Considerações finais ................................................................................................. 347

Referências bibliográficas ....................................................................................... 357

1. Documentos citados ...................................................................................................... 357

2. Referências gerais ......................................................................................................... 369

Anexos ....................................................................................................................... 372

A) Chris Marker: filmografia completa ......................................................................... 372

B) Prefácio de La première année ................................................................................... 375

C) Esquema de produção e Plano de trabalho de A batalha do Chile ......................... 378

D) Texto da voz over de L’ambassade ............................................................................. 381

Index de realizadores, produções e instituições cinematográficas citados ......... 386

2

Introdução

Os filmes de Chris Marker sobre a América Latina revelam como o continente

alimentou os debates políticos da esquerda europeia, despertando paixões e

posteriores revisões sobre as vias de acesso e os modelos de socialismo que se

desejava implementar. Nessa perspectiva, a Revolução Cubana e o governo da

Unidad Popular (Unidade Popular, UP) no Chile foram temas de grande relevância e

mereceram um espaço significativo na filmografia do realizador francês. Esta

pesquisa se propôs a analisar sua produção cinematográfica, verificando de que modo

Marker constrói, por meio do cinema, visões sobre esses processos políticos,

sobretudo no caso chileno, valorizado por suas equivalências com os projetos de

união das esquerdas implementados no início dos anos 1970 na França.

Constantemente definido por termos que ressaltam o “mistério” em torno de

sua figura (ORTEGA; WEINRICHTER, 2006) ou ainda como o mais “célebre dos

cineastas desconhecidos” (DUBOIS, 2002), o volume de pesquisas sobre Chris

Marker aumentou muito nos últimos anos, embora o acesso a seus filmes permaneça

ainda muito limitado. No Brasil, sua obra passou a ser mais conhecida após uma

retrospectiva organizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil em 2009 (CHRIS,

2009), e por investigações recentes sobre sua obra, como a tese de Emi Koide (2011)

e a dissertação de Nicolau Leonel (2010). Na França, além da coletânea de artigos

organizada por Dubois (2002), destaca-se o trabalho pioneiro de Guy Gauthier (2001)

e a publicação organizada por André Habib e Viva Paci (2008). Em língua inglesa,

dois livros abordam sua filmografia com amplitude, porém com pouca profundidade:

o de Nora M. Alter (2006) e o de Catherine Lupton (2008). Por fim, mais dois estudos

merecem ser referenciados: O bestiário de Chris Marker, catálogo organizado por

Robert Grélier (1986), e a publicação espanhola dirigida por María Luisa Ortega e

Antonio Weinrichter (2006).

Apesar dessa recente atenção que a obra de Marker recebeu na última década,

ela ainda é insuficiente diante da vasta produção do realizador, que iniciou sua

carreira ao lado de Alain Resnais nos anos 1950 e morreu em 2012, com 91 anos de

intensa atividade. Em grande parte, a atenção insuficiente dada a sua obra se explica

por seu frequente “silêncio”, tendo em vista que ele constantemente se recusava a dar

entrevistas ou declarações extrafílmicas sobre sua vida ou sua obra. Mas, por outro

3

lado, essa insistência em caracterizar Marker como uma figura desconhecida é fruto

também de uma valorização do potencial de intervenção política de seus filmes, que

constantemente se preocupavam mais com o debate político da época em que foram

feitos do que em se tornarem ícones de um discurso fechado sobre os movimentos

históricos aos quais se dedicavam.

A filmografia de Marker apresenta uma ampla diversidade de estratégias e

diálogos com outros movimentos cinematográficos de sua época. Assim, como será

abordado, ele foi considerado um dos pioneiros do cinéma-vérité; inovou ao dar à

fotografia um papel central em muitos de seus filmes; destacou-se por desenvolver

um tom ensaístico; recorreu em muitas ocasiões ao filme de arquivo, atribuindo a esse

gênero uma marca própria; incorporou frequentemente as novas tecnologias que

despontavam; enfim, foi marcante pela variedade de estilos e técnicas, aliada a uma

assinatura pessoal inconfundível. Apesar dessa pluralidade, alguns aspectos foram

frequentes em sua obra: o papel ímpar da voz over, complementando ou questionando

as imagens; o uso de um tom literário; a preocupação com a montagem, em

detrimento de uma captação formalista dos planos; a predominância de um discurso

político e internacionalista. Suas produções estiveram constantemente atreladas aos

debates políticos do período em que foram feitas, recorrendo às inovações técnicas e

estéticas para interferir nessas reflexões políticas.

Christian-François Bouche-Villeneuve, o Marker (o nome adotado é atribuído

ao desejo de deixar uma “marca”, um estilo próprio), começou sua carreira nos anos

1940 em Paris, como um ensaísta do jornal Esprit 1. Nessa época, esteve envolvido em

duas organizações voltadas para a difusão da cultura nos meios populares: Peuple et

Culture e Travail et Culture 2. Nesta última instituição, trabalhou na área teatral,

aproximando-se posteriormente do crítico de cinema André Bazin3. Publicou um

1 Catherine Lupton (2008) destaca que Marker publicava, sobretudo, poesias, contos, ensaios políticos

e resenhas de livros e filmes. Vale ressaltar que Esprit era uma revista próxima aos intelectuais

católicos progressistas, tendo sido fundada pelo filósofo Emmanuel Mounier. Entre os nomes de

destaque que participavam dela nessa época, estavam Paul Ricœur, Jean Cayrol e André Bazin.

2 Ortega e Weinrichter (2006) ressaltam que Peuple et Culture foi uma organização criada em 1944 em

Grenoble, com base na experiência adquirida no período da Resistência à ocupação nazista na França.

Em 1946, foi transferida para Paris, onde passou a atuar ao lado de um organismo similar, o Travail et

Culture, que se aproximou de forma progressiva do Partido Comunista Francês (PCF).

3 Antoine de Baecque define o escritório de André Bazin no Travail et Culture como um espaço de

formação de muitos cineastas: “Outra escola complementar: o escritório de André Bazin em Travail et

Culture, rua des Beaux-Arts 5, onde são organizadas as sessões de sua rede de cineclubes, as Jeunesses

Cinématographiques, e onde se encontraram alguns de seus primeiros discípulos. Chris Marker, Janine

Kirsch, que trabalha na seção ‘teatro’ da associação, futura sra. Bazin, Alain Resnais, membro atuante

do cineclube da Maison des Lettres, Rémo Forlani, outro membro de Travail et Culture, Alexandre

4

romance, La cœur net, lançado em 1949. Na década seguinte, em 1954, criou os guias

de viagens Petite Planète para a editora Seuil, estando à frente da coleção até 1958,

revelando seu gosto por percorrer lugares variados e elaborar impressões sobre eles.

Seu primeiro filme foi Olympia 52 (1952), sobre os jogos olímpicos de Helsinque.

Dividiu a direção de Les statues meurent aussi (1953) com Alain Resnais e foi

assistente de direção de Resnais em Noite e neblina (1955). Desde os anos 1950,

Marker interessou-se em filmar nos mais diversos países e regiões, principalmente

onde encontrava processos políticos inovadores, como demonstra Dimanche à Pékin

(1956) e Lettre de Sibérie (1957)4.

Os filmes de Chris Marker sobre o Chile e a América Latina analisados nesta

tese foram realizados entre os anos 1960 e 1970. Esse período costuma ser definido

pelos pesquisadores como uma época “militante”, quando sua obra esteve mais

atrelada aos projetos de esquerda. No entanto, essa definição é reducionista. Em

primeiro lugar, porque se pode dizer que essa abordagem “esquerdista” percorre toda

a obra markeriana, e não apenas as produções dessa época. Também é necessário

ressaltar que, apesar da alcunha de “cineasta militante” ser derivada de sua visão

socialista, Marker realiza um cinema político, porém independente de organizações

ou partidos (ele nunca foi filiado ao PCF, por exemplo, e discordou constantemente

dessa instituição). Nesse sentido, ao longo deste trabalho, percebe-se que sua

filmografia flertou em alguns momentos com um tom mais panfletário, mas que, de

modo geral, se diferenciou no campo do cinema militante por analisar as próprias

estratégias políticas e a de seus companheiros sob um prisma crítico e autocrítico –

um exercício raro entre os realizadores engajados.

Apesar dessas ressalvas, os anos 1960 e 1970 diferenciam-se na trajetória de

Chris Marker pela predominância de um trabalho coletivo, numa referência à

coletividade presente em organizações e movimentos políticos. Esse aspecto é

importante, pois muitas das produções citadas nesta tese foram realizadas de forma

que a atribuição de autorias – inclusive a do próprio Marker – torna-se uma tarefa

delicada. Esse cuidado vale especialmente para o documentário La spirale, cujos

Astruc, cujo primeiro romance, Les vacances, chamou a atenção ao ser publicado pela Gallimard em

1945, cronista de Les Temps Modernes, a cabeça já tomada por projetos cinematográficos. E François

Truffaut, adolescente que fora um dia protestar contra a concorrência do dono do lugar (as sessões dos

respectivos cineclubes eram simultâneas), mas logo a partir de 1949 já havia sido conquistado e

contratado como ‘secretário particular’ por Bazin.” (BAECQUE, 2010, p. 60).

4 Uma lista completa dos filmes de Chris Marker e das produções das quais ele participou pode ser

encontrada nos anexos desta tese.

5

créditos constantemente excluem o realizador francês da instância máxima de

importância. Mesmo assim, optou-se por incluir essas produções, considerando que o

objetivo deste trabalho não é fazer um panorama de sua filmografia, mas verificar

como alguns filmes que contaram com a presença desse realizador discutem um

determinado tema – o governo da Unidade Popular no Chile –, bem como mapear

ações empreendidas por Marker que o revelam como um mediador5 entre a América

Latina e a França nesses anos.

Muitas das produções citadas nesta tese contaram com o apoio do Service de

Lancement des Œuvres Nouvelles – SLON (cuja sigla significa “elefante”, em russo)

para serem viabilizadas. Essa produtora, criada em 1967 por intermédio de Chris

Marker para a realização de Loin du Vietnam (1967) e À bientôt, j’espère (1968),

ambas produções coletivas, teve como objetivo encontrar uma maneira de realizar

filmes políticos dentro de um esquema de produção participativo, fora da organização

hierárquica da indústria cinematográfica, e de dar chance a grupos sociais

minoritários manifestarem seus próprios valores 6 . Primeiramente, a SLON foi

registrada na Bélgica para escapar da censura francesa, mas, em 1974, foi ampliada e

radicada em Paris com o nome de Image, Son, Kinescope, Réalisation Audiovisuelle

ISKRA (que forma a palavra “faísca”, em russo). Entre os filmes aqui analisados, La

bataille des dix millions (1970), La première année (1973), La spirale (1976) e O

fundo do ar é vermelho (1977) foram feitos por essa instituição. Além deles, destaca-

5 Ao longo desta tese, utiliza-se constantemente a definição de Chris Marker como um mediador entre

dois continentes. Assim, é necessário esclarecer que entende-se o conceito de mediador como um

passeur, ou seja, alguém que estabelece conexões entre diversos grupos e sociedades em decorrência

de sua circulação (GRUZINSKI, 2003). No livro Entre dos mundos: fronteras culturales y agentes

mediadores (1997), Gruzinski e Queija expõem algumas questões que devem ser feitas para esses

sujeitos: “De que maneira realiza-se a comunicação entre diferentes tradições em contato? Que

elementos de determinada cultura busca-se difundir? Quais deles parecem mais suscetíveis a serem

recebidos por outras ou quais elegem o receptor?” (QUEIJA; GRUZINSKI, 1997, p. 10, tradução

nossa). Traduzido do original: “¿De qué manera se realiza la comunicación entre diferentes tradiciones

en contacto? ¿Qué elementos de determinada cultura se busca difundir? ¿Cuáles parecen más

susceptibles de ser recibidos por otra o cuáles elige el receptor?”. Essas questões estiveram no

horizonte desta pesquisa sobretudo em relação ao discurso sobre a Unidade Popular chilena elaborado

pelo realizador francês.

6 Nesse sentido, destaca-se a atuação de Marker nos Grupos Medvedkine, que será referenciada em

alguns momentos desta tese. Os Grupos Medvedkine foram criados entre 1968 e 1970 em meio a

greves operárias realizadas nas cidades de Besançon e Sochaux. Eles retomam iniciativas levadas a

cabo pelo Centro de Cultura Popular de Palentes-les Orchamps, coordenados por Pol Cèbe junto aos

trabalhadores. Marker contribuiu para sua fundação, em abril de 1968, e atuou mais ativamente no

Grupo Medvedkine de Besançon, ao lado de Bruno Muel e Jean-Luc Godard. Sobre a relação entre os

Medvedike e a SLON, Anita Leandro escreve que: “Os Medvedkine ganham rapidamente autonomia,

adquirindo uma câmera e uma mesa de montagem. A SLON – Société de Lancement des Œuvres

Nouvelles –, criada por Marker em 1967, fornecia película, transferência do som, revelação, cópia de

trabalho e mixagem. Tudo isso era feito à noite, gratuitamente, pois a SLON não tinha nenhum

financiamento.” (LEANDRO, 2010, p. 104).

6

se a série de “jornais contrainformativos” denominada On vous parle, cujo episódio

dedicado ao Chile – On vous parle du Chili: ce que disait Allende (1973) – foi

estudado nesta pesquisa, assim como os dois dedicados ao Brasil: On vous parle du

Brésil: tortures (1969) e On vous parle du Brésil: Carlos Marighela7 (1970).8

Outro aspecto interessante da obra de Marker é sua preferência pelo cinema

documental. Mesmo suas ficções – La jetée (1962) e L’ambassade (1974) podem ser

situadas nesse gênero, enquanto Level 5 permanece em um limite bastante tênue –

dialogam diretamente com o documentário. No entanto, como já foi comentado, ele

utiliza diferentes estratégias para compor seus discursos, que variam de um filme para

outro, de um processo histórico documentado para outro. De toda forma, esse vínculo

com o “real”, embora normalmente apreendido por uma subjetividade marcante do

realizador, fez com que vários pesquisadores identificassem o tema da memória como

um dos mais presentes em sua filmografia. Esse aspecto será retomado, mas vale dizer

que Marker se debruçou sobre os mais variados processos históricos, formulando

reflexões sobre eles (em alguns casos sobre a forma de tese, porém

predominantemente colocadas como questionamentos).

Essa forte presença da História em sua filmografia – seja em termos de

proposições políticas para novos rumos, seja como balanços posteriores ao fim de um

processo – levou Marker a se interessar por realidades políticas e sociais distantes da

Europa, delimitando em muitas de suas produções um olhar estrangeiro. O conceito

de espaço e de tempo são indissociáveis em muitos de seus filmes, que se situam na

fronteira entre passado/presente/futuro, numa relação dialética entre o legado de uma

experiência, suas consequências presentes e a continuação da luta política. Da mesma

forma, em termos espaciais, o realizador buscou com frequência experiências fora de

seu país que pudessem inspirar um élan revolucionário, demonstrando uma visão

internacionalista desse processo de transformação social.

7 Optou-se por manter a grafia original do documentário, que suprimiu um “l” do nome de Carlos

Marighella. Assim, quando se trata do título dessa produção, utiliza-se a forma: On vous parle du

Brésil: Carlos Marighela.

8 A partir dos anos 1980, Chris Marker dialogou fortemente com as novas tecnologias, produzindo, por

exemplo, o CD-ROM Immemory (1998) e organizando exposições e mostras no Second Life. De modo

geral, seus filmes mantiveram algumas características anteriores, como a ênfase no cinema político, o

comentário subjetivo marcante e o gosto por filmar em lugares distantes (aspectos que serão retomados

ao longo desta tese). Nesse sentido, destacam-se as produções Sans soleil (1982), a série televisiva

L’héritage de la chouette (1989), além dos filmes Le tombeau d’Alexandre (1993) e Level 5 (1996).

Sua atuação nas últimas três décadas de vida não foi aprofundada por este trabalho, no entanto, aparece

em outras obras sobre o realizador, como a tese de Emi Koide (2011) e os livros que se dedicam a

balanços gerais sobre sua filmografia, como o de Catherine Lupton (2008).

7

Diante desses aspectos da obra de Marker – sua visão política do outro (seja

ele o estrangeiro ou os operários franceses, no caso de sua atuação nos Grupos

Medvedkine) e sua apropriação das diversas experiências como motores da revolução

–, este trabalho realizou um recorte temático em sua filmografia, dedicando-se ao

estudo dos filmes markerianos sobre a chamada “experiência chilena”9 (1970-1973).

Interessava, em um primeiro momento, analisar produções sobre esse tema,

verificando tanto seus aspectos estéticos como o discurso elaborado por elas, tendo

em vista que ambos os aspectos não podem ser dissociados. Assim, é necessário tecer

breves considerações sobre a metodologia empregada, para posteriormente indicar

alguns caminhos apontados por ela durante a pesquisa.

Tendo em vista o estatuto documental que deve ter o cinema em uma pesquisa

historiográfica, os filmes aqui abordados foram considerados objetos de

conhecimento sobre o tempo em que foram produzidos e suas implicações no

presente. Para isso, foram submetidos a uma análise que considerou a linguagem

técnico-estética própria das fontes audiovisuais, articulando-a às representações

históricas e sociais propostas por essas produções, como sugere Marcos Napolitano

(2006).

Portanto, pode-se dizer que, ao analisar um corpus fílmico determinado por

um recorte temático – o olhar sobre a Unidade Popular chilena e sobre outras questões

ligadas à América Latina que ajudam a elucidar esse olhar –, esta tese possibilita

também a identificação de uma diversidade de estilos e de estratégias

cinematográficas na obra de Chris Marker. Em diversas passagens, procurou-se

articular seus discursos políticos às escolhas fílmicas. Em La spirale, por exemplo,

um filme de arquivo se propõe a constituir uma denúncia, baseada em uma reunião de

“provas documentais”; em L’ambassade, a ficção serve à reconstituição de um

testemunho calcado em uma situação histórica real, mas silenciado em termos

documentais pela repressão da ditadura; por fim, O fundo do ar é vermelho revisita as

imagens militantes e televisivas rodadas em anos anteriores, permitindo uma revisão

desse período por parte do realizador, que estabelece um novo discurso sobre o

passado.

Para tecer esses e outros paralelos entre linguagem fílmica e discurso político,

que serão abordados ao longo de toda tese, os filmes foram assistidos de forma

9 Essa expressão da época referia-se ao desafio proposto pela Unidade Popular em realizar uma

“transição ao socialismo em democracia”.

8

sistemática, o que constituiu uma etapa fundamental da pesquisa. Outra etapa

metodológica contribuiu ainda para os resultados alcançados: o levantamento de

documentos complementares que colaboraram para a compreensão das produções

cinematográficas analisadas, situando-as nos debates de época e permitindo a

verificação das escolhas do realizador 10 . Esse material extrafílmico ajudou a

compreender, entre outras questões, o papel de Chris Marker como um mediador

entre a Europa e a América Latina, contribuindo com a circulação de ideias e de

produtos audiovisuais entre os dois continentes (como é possível perceber em sua

relação com o Instituto Cubano del Arte e Industria Cinematográficos – Instituto

Cubano de Arte e Indústria Cinematográficos, ICAIC – e com os cineastas chilenos).

Esses dois exercícios – análise dos filmes sobre a Unidade Popular e busca por

documentos extrafílmicos que colaborassem com sua interpretação – revelaram

algumas questões que, pouco a pouco, resultaram na estrutura aqui apresentada.

Destacam-se três filmes realizados por Marker 11 que abordaram a chamada

“experiência chilena”: L’ambassade (1974), La spirale (1976) e O fundo do ar é

vermelho (1977). A cada uma dessas produções foi dedicado um capítulo, optando-se

por esse método em detrimento de uma organização temática para que a análise das

fontes audiovisuais fosse valorizada12. Cabe ressaltar que todos eles foram realizados

após a queda de Salvador Allende, portanto, se apresentam como “balanços” dessa

experiência tendo como horizonte a denúncia das ações da direita que derrubaram a

UP, as autocríticas realizadas pela própria esquerda e uma mobilização em torno do

exílio e da reversão do golpe articulada durante a ditadura. Esses aspectos, que

10 Nesse sentido, foi necessário o esforço de focar nas fontes primárias e buscar outros materiais como

colaborações historiográficas para o entendimento das questões levantadas pela análise dos filmes. No

entanto, procurou-se evitar o risco de que “o cinema seja sufocado pela pesquisa histórica”, como

alertou Eduardo Morettin: “Para que possamos recuperar o significado de uma obra cinematográfica, as

questões que presidem o seu exame devem emergir de sua própria análise. [...] Com esse movimento,

evitamos o emprego da história como pano de fundo, na medida em que o filme não está a iluminar a

bibliografia selecionada, ao mesmo tempo que não isolamos a obra de seu contexto, pois partimos das

perguntas postas pela obra para interrogá-la.” (MORETTIN, 2007, p. 63.)

11 La spirale, como foi dito, é um filme coletivo. A questão da autoria será discutida no capítulo 3,

dedicado a esse documentário.

12 É necessário enfatizar que optou-se por não dispor os filmes por capítulos em função de sua data de

realização. Em primeiro lugar, apesar de finalizadas em anos distintos, as três produções foram feitas

de maneira mais ou menos simultânea, logo após o golpe de Estado no Chile, entre 1973 e 1977. Em

seguida, vale dizer que a escolha por analisar La spirale antes de L’ambassade decorre do fato de o

primeiro filme optar por um tom de denúncia do inimigo, enquanto o segundo traz aspectos mais

autocríticos. Dessa forma, a inversão da ordem cronológica facilita a compreensão dessa dimensão

reflexiva diante do próprio campo político, que estará presente também em O fundo do ar é vermelho.

9

apareceram de formas distintas nos três filmes, emergiram na análise e foram tratados

nesta tese.

Além desses filmes analisados nos três últimos capítulos, foram consideradas

outras iniciativas empreendidas por Chris Marker sobre a Unidade Popular, parte

delas realizadas quando a aliança esquerdista ainda estava no poder. Destacam-se

duas versões francesas montadas a partir de produções de cineastas chilenos datadas

do período do governo Allende e que foram modificadas pelo realizador para

“adaptarem-se” ao contexto francês: La première année, de 1973, (feita a partir de El

primer año, 1972, de Patricio Guzmán) e On vous parle du Chili: ce que disait

Allende, de 1973 (curta-metragem adaptado de Compañero presidente, 1971, de

Miguel Littin). Neste último caso, também foram feitas mudanças diante da

perspectiva histórica após o 11 de setembro de 1973. Suas análises buscaram

encontrar os novos sentidos adquiridos na montagem markeriana, revelados pela

comparação com as montagens originais de Guzmán e Littin. Essas primeiras

iniciativas, consequência de laços estabelecidos durante uma visita ao Chile em 1972,

além de comprovarem um papel de mediador e de incentivador do cinema desse país

latino-americano por parte de Marker, demonstram que havia interesse na França pela

experiência chilena mesmo antes do golpe de Estado.

Esse interesse não foi exclusividade do realizador francês, mas de muitos

intelectuais, artistas e políticos de diversas partes que desejavam vivenciar de perto

essa aliança entre democracia e socialismo, considerada um novo caminho por grande

parte das esquerdas internacionais. Alberto Aggio ressalta o lugar de destaque que a

“experiência chilena”, ou a “via chilena”, ganhou nas esquerdas pelo mundo:

As atenções de boa parte do mundo voltaram-se para aquele país

que, com a ascensão de Salvador Allende à presidência da

República, passava a viver uma situação inédita. Pela primeira vez

na História, um presidente declaradamente marxista chegava ao

poder através de eleições gerais e livres e propunha implantar o

socialismo como resultado da aplicação de seu programa eleitoral.

(AGGIO, 2002, p. 15).

Nesse sentido, após assistir aos primeiros filmes, surgiu a hipótese de que o

debate proposto pelo realizador sobre a Unidade Popular visava a dialogar com a

10

estratégia da esquerda francesa13 em torno do estabelecimento de um programa

comum entre comunistas, socialistas e radicais, propondo leituras sobre o caso chileno

que, de alguma forma, colaboravam para a ação política na França e para o

movimento revolucionário internacional. Essa ideia decorreu não apenas da presença

desse debate nas produções mais “autocríticas” – caso de L’ambassade e O fundo do

ar é vermelho –, mas também de sua ausência em La spirale (que evita tocar nos

rachas desse campo político e sua responsabilidade para a queda da UP chilena).

Percebeu-se, então, um papel exercido pelo Chile na filmografia desse realizador e no

seio da esquerda francesa que delegava ao país latino-americano ora a função de

modelo, ora a de contramodelo, como será analisado.

Para compreender o Chile na obra de Chris Marker – e nas discussões políticas

europeias da época –, é necessário entender outro processo político que se tornou

referência nos anos 1960, perdendo gradativamente esse status ao longo da década: a

Revolução Cubana. O realizador foi um dos muitos intelectuais e artistas franceses

que se aproximaram de Cuba após 1959, estabelecendo fortes vínculos com o ICAIC

e disseminando uma visão positiva da ilha na França (como revela a análise de Cuba

si 14 e de La bataille des dix millions). Essa espécie de “modelo” anterior – que assim

como a Unidade Popular invertia o fluxo tradicional de circulação das referências,

tornando a América Latina o palco de ações exemplares bem-sucedidas – alcançou

grande sucesso como estratégia de chegada ao socialismo (via guerrilha) e de

implementação de uma “democracia direta” em que seu líder, Fidel Castro, alcançava

uma popularidade impressionante entre os cubanos.

Porém, foi a derrocada desse modelo (que é analisada especialmente em O

fundo do ar é vermelho), fruto, entre outros aspectos, da aproximação de Cuba com a

União Soviética, que abriu espaço para a busca de um caminho democrático e

eleitoral. Apesar dessa opção da esquerda ser, na Europa, anterior ao sucesso de

Salvador Allende no Chile (encontrando raízes nos estudos de Antonio Gramsci15, por

13 Vale dizer que essa estratégia defensora da via democrática esteve no horizonte dos partidos

comunistas italiano e espanhol naquela época, contribuindo para a perspectiva da formação de uma

“via europeia” ou de um “eurocomunismo” (como será explicitado no capítulo 5).

14 Optou-se por utilizar a grafia “Cuba si”, tal como aparece nos intertítulos da produção de Marker, em

detrimento do termo “¡Cuba sí!”, como seria o correto em espanhol.

15 Greyfus e Groppo (2000) ressaltam que, principalmente no caso do Partido Comunista Italiano, as

elaborações teóricas de Gramsci foram fundamentais para as tentativas aliancistas dos anos 1970. Os

autores destacam aspectos estratégicos e de ação política presentes no pensamento gramsciano que

estiveram presentes em vários momentos nos partidos comunistas europeus desde o pós-Segunda

11

exemplo, e nas experiências das frentes populares dos anos 1930), esse episódio do

início dos anos 1970 pareceu confirmar os esforços empreendidos por partidos

esquerdistas na França, Itália e Espanha. No entanto, com o golpe de Estado de 11 de

setembro no Chile, tornou-se necessária uma nova revisão, abrindo espaço para um

debate que se debruçou especialmente nas causas dessa nova derrota e nas “lições”

que poderiam ser tiradas.

Pode-se dizer que esta pesquisa nasceu de um recorte temático da filmografia

do realizador – o Chile na obra de Chris Marker –, mas que o estudo desses filmes

demonstrou a necessidade de abrir para novos caminhos, investigando a visão que ele

havia estabelecido da Revolução Cubana em momentos anteriores. A análise dos

documentários feitos sobre Cuba (ou sob a influência das políticas cinematográficas

desse país, caso dos audiovisuais informativos sobre o Brasil) demonstram um

engajamento em torno do projeto insurrecional, uma aposta na guerrilha como método

válido, se não internacionalmente, ao menos em países onde a violência do

imperialismo exigia o uso de uma outra violência, de caráter libertador – posição

evidenciada, por exemplo, em Cuba si, como será analisado. Portanto, trata-se de uma

postura metodologicamente oposta àquela adotada pela Unidade Popular chilena no

início dos anos 1970. O que levou Marker a se interessar e defender “vias” tão

distintas ao socialismo em um intervalo de tempo relativamente pequeno?

Quando contrapostas, produções como Cuba si e O fundo do ar é vermelho

revelam algumas pistas para responder a essa pergunta. A defesa da guerrilha,

presente na obra de Marker nos anos 1960, depara-se com as inúmeras derrotas

sofridas por essa estratégia ao longo da década. O crescente alinhamento da

Revolução Cubana com as políticas da União Soviética, simbolizado pelo apoio de

Fidel Castro à invasão da Tchecoslováquia em 1968, é outro fator que reforça uma

“desilusão” do realizador com esse projeto. Esse vazio ideológico é, portanto,

ocupado por uma nova estratégia vitoriosa em 1970 com Salvador Allende. Assim,

apesar de focar nos filmes sobre a Unidade Popular, esta pesquisa ocupou-se também

das múltiplas visões markerianas sobre Cuba, que ajudam a entender novas

preferências políticas reveladas em sua obra sobre o Chile.

Os mesmos argumentos podem ser utilizados para justificar a presença de dois

curtas-metragens sobre o Brasil nesta tese, que mereceram uma análise mais

Guerra (especialmente no PCI e no PCF), como a autonomia em relação à União Soviética e a

conciliação entre socialismo e democracia.

12

aprofundada: On vous parle du Brésil: tortures e On vous parle du Brésil: Carlos

Marighela. Realizados em parceria com o ICAIC, a pedido do instituto cubano, esses

documentários fazem parte do intenso intercâmbio de Marker com Cuba e devem ser

lidos nessa chave. Além disso, eles introduzem questões que dialogam tanto com o

olhar sobre a Revolução Cubana, gradativamente revisto na filmografia markeriana,

como sobre a Unidade Popular.

Nessas produções, há uma defesa aberta da luta armada como estratégia válida

para a esquerda, especialmente em países submetidos ao imperialismo e às ditaduras

militares que representavam seus interesses. Se esse aspecto, assim como o contexto

de realização, as aproxima de Cuba, uma contingência comum as coloca sob uma

óptica presente também em produções posteriores ao golpe chileno. Esses

“contrainformes” audiovisuais sobre o Brasil foram montados após derrotas

significativas na América Latina, sob a repressão de governos ditatoriais. Assim, On

vous parle du Brésil: tortures é um filme-denúncia, como é também La spirale. Já On

vous parle du Brésil: Carlos Marighela enfrenta o desafio de defender a estratégia

guerrilheira de um líder morto, Marighella, como fazem as produções sobre a

Unidade Popular montadas sob o impacto da trágica da morte de Salvador Allende.

Interessa, portanto, verificar nesses documentários certos discursos e recursos

fílmicos que permitem um diálogo com os filmes sobre o Chile.

É necessário ressaltar que muitos dos filmes analisados por esta tese foram

feitos em contextos de grandes derrotas para a esquerda, campo político ao qual

pertence o seu realizador. Essa característica colocou um problema pertinente desde o

início desta pesquisa: de que forma essas experiências “fracassadas”, caso da Unidade

Popular após 1973 (ou ainda da Revolução Cubana após seu alinhamento com a

União Soviética), poderiam servir a um discurso engajado na luta socialista? Essa

visão sobre as próprias derrocadas, que algumas vezes assumem tom de denúncia,

outras, de autocrítica, é um exercício presente na filmografia de Marker e nem sempre

caro aos cineastas considerados “militantes”. Portanto, apesar de cada produção

responder a essa inquietude de uma maneira, pode-se afirmar que essa foi uma

pergunta que percorreu as diversas análises desta tese.

De modo geral, nos filmes abordados neste trabalho, os processos

revolucionários latino-americanos geram distintos sentimentos e resultam em

perspectivas ideológicas e políticas também diversas. No início dos anos 1960, há um

enorme otimismo em torno da Revolução Cubana, que dá a tônica de Cuba si. Esse

13

otimismo é abandonado em La bataille des dix millions, quando a defesa do governo

de Fidel Castro passa por assumir seus problemas e fragilidades. Em relação à

Unidade Popular, o processo é mais complexo. O interesse em conhecer de perto esse

fenômeno e mostrá-lo à França, por meio de La première année, é transformado em

1973 na necessidade de denunciar as manobras e a repressão da direita, que abortou

uma experiência promissora (perspectiva presente em On vous parle du Chili: ce que

disait Allende, La spirale e, de certo modo, em L’ambassade). Assim, ao contrário de

Cuba, o Chile tinha sua via revolucionária impossibilitada, à primeira vista, pela

vitória de seus inimigos. No entanto, um olhar mais apurado sobre a experiência

chilena revelava também suas fragilidades, analisadas em L’ambassade e O fundo do

ar é vermelho.

Essa trajetória, do otimismo revolucionário à melancolia autocrítica, que será

percorrida nesta tese, estimulou a pesquisa por informações extrafílmicas, presentes

em algumas passagens, e que visaram a inserir os discursos de Marker em um debate

político mais amplo, verificando suas abordagens e contribuições. Buscou-se ainda

estabelecer um diálogo entre as produções aqui analisadas e a própria filmografia do

realizador. Desse modo, outros filmes que não fazem parte do corpus deste trabalho,

finalizados em outros períodos e contextos e dedicados a temáticas diversas, vêm à

tona em alguns momentos, colaborando com a identificação de padrões estéticos e de

estratégias narrativas que são constantes em sua obra, bem como de rupturas com

certas práticas cinematográficas em casos determinados. Esse exercício contribuiu

com esta tese na medida em que inseriu os documentos audiovisuais em um conjunto

maior de reflexões cinematográficas do próprio diretor.

A relação entre os filmes analisados e outros cineastas e movimentos

influentes da história do cinema (contemporâneos ou não ao realizador) foi outra

preocupação que emergiu em várias passagens do texto. Dessa forma, procurou-se

estabelecer o diálogo com estilos e estratégias consagradas, além das aproximações

interpessoais e políticas estabelecidas por Marker nos anos 1960 e 1970. Isso

colaborou para filiar certas características da obra cinematográfica markeriana como

herdeiras de outras tradições (como do cinema soviético ou do cinema francês ligado

à Frente Popular nos anos 1930). São escolhas estéticas e metodológicas que influem

no debate sobre o cinema em sua época, e que repensam esse suporte do ponto de

vista artístico e político. Em virtude dessas múltiplas relações, foi criado (nos anexos)

14

um índice remissivo de realizadores, produções e instituições cinematográficas

citados nesta tese.

Todas essas esferas extrafílmicas aparecem em momentos pontuais do texto,

mas sempre em meio à análise fílmica, constituindo-se em alguns momentos como

uma espécie de parênteses. A escolha pela integração entre as produções e os diálogos

surgidos a partir delas foi fruto da preocupação em não retirar o foco dos filmes,

fontes primárias deste trabalho. São eles que estruturam as divisões e subdivisões

desta tese, tratados sempre em destaque. Em algumas passagens, há digressões que

fogem às imagens, porém isso ocorre sempre em situações onde as informações

“contextuais” trazem novos aportes que contribuam para a compreensão estética e/ou

discursiva das produções audiovisuais.

No campo da História, o presente trabalho se insere em uma tendência

crescente nos últimos anos, que valoriza abordagens transnacionais por meio da

História Comparada ou de Histórias conectadas (linha na qual este trabalho se

insere)16. A análise dos filmes – a relação proposta por eles entre a Unidade Popular e

o programa comum das esquerdas francesas – revela uma característica do cinema

como veículo de circulação de ideias, no caso desta pesquisa, de ideias políticas.

Assim, foi realizada uma vasta investigação historiográfica sobre a experiência

chilena e as articulações políticas da França no início da década de 1970, que

contribuíram para a compreensão das produções. Outros documentos históricos, além

dos de natureza audiovisual, foram consultados, possibilitando a identificação de

correntes e argumentos políticos dessa época que estão representados na obra de Chris

Marker.

Dessa forma, vale dedicar algumas palavras aos procedimentos desta pesquisa,

sobretudo aqueles empregados para consultar os filmes e os documentos citados.

Empreendeu-se um grande esforço para conseguir as produções de Marker e de outros

realizadores, sendo que o acesso a grande parte delas só foi possível por meio de

contatos com outros pesquisadores da área de cinema, que generosamente

compartilharam suas cópias. Em relação às fontes audiovisuais encontradas em

arquivos, foram de grande utilidade as visitas realizadas especialmente à Cineteca