O Retrato por Artur Azevedo - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
O RETRATO

Artur Azevedo

O meu querido amigo Emílio Rouède, que há dias faleceu, foi um homem espirituoso, que

forneceria matéria para muitos contos ligeiros.

Em vez de inventar uma anedota, vou contar-vos uma historieta em que ele figurou, e que

tem, por conseguinte, o mérito de ser autêntica.

A coisa passou-se há um quarto de século pouco mais ou menos. Emílio Rouède tinha se

casado havia poucos meses, e estava estabelecido com fotografia na Rua dos Ourives, numa

casa que foi demolida quando se tratou de construir a Avenida Central.

Um dia Mme. Rouède, que era uma linda senhora, saiu sozinha à rua, e foi acompanhada por

um impertinente que, vendo-a sorrir, supôs que ela sorrisse não dele mas para ele.

Ela entendeu que o mais prudente era voltar para casa, e assim fez; o conquistador, porém,

continuou a segui-la imperturbavelmente.

Chegando à porta da casa, a moça olhou para trás, a fim de verificar se continuava a perseguição, e esse movimento animou o homenzinho, ao que parece: quando ela entrou, ele

entrou também; ela subiu a escada, ele também subiu.

Emilio Rouède estava no atelier, de blusa, a trabalhar, e, ouvindo os passos de sua esposa, foi esperá-la no topo da escada.

O sujeito, quando reparou que havia ali um homem, não teve mais tempo de fugir. Mme.

Rouède apresentou-o ao marido:

- Aqui tens este senhor que me tem acompanhado por toda parte, e entrou comigo. Não sei o

que pretende.

- Sei eu, acudiu prontamente o fotógrafo. - Pretende tirar o retrato; não pode ser outra coisa.

E voltando-se para o desconhecido, perguntou-lhe olhando por cima dos óculos, segundo o

seu costume.

- Busto ou corpo inteiro?

O pobre diabo, que não sabia mais de que freguesia era, gaguejou:

- Busto... busto...

- Faça favor.

E levou uma hora a tirar-lhe o retrato que foi pago, ficando o retratado de ir buscá-lo daí a três ou quatro dias. Este queria apenas meia dúzia, mas Emílio Rouêde convenceu-o de que

devia encomendar duas dúzias e meia.

Quando o freguês saiu, Emílio Rouède disse à esposa, que ria a bandeiras despregadas:

- Tenho pena de não ser dentista, em vez de fotógrafo!

Escusado é dizer que os retratos ficaram na fotografia.

Você pode estar interessado...

  • Lara
    Lara Contos por Rubi Elhalyn
    Lara
    Lara

    Downloads:
    34

    Publicado:
    Jul 2021

    Você já ouviu algo do tipo. Garota pobre fica rica.Tããão clichê, certo?Errado.Se você acha que eu sou um clichê, queridinho, você não sabe de nada. Mas eu pos...

    Formatos: PDF

  • 9 histórias
    9 histórias Contos por J.D.S
    9 histórias
    9 histórias

    Downloads:
    12

    Publicado:
    May 2021

    Nove histórias

    Formatos: PDF, Epub, Kindle

  • Parábolas - Narrativas alegóricas atuais
    Parábolas - Narrativas alegóricas atuais Contos por Axel Bergstedt
    Parábolas - Narrativas alegóricas atuais
    Parábolas - Narrativas alegóricas atuais

    Downloads:
    19

    Publicado:
    Apr 2021

    Parábolas no estilo de Jesus sobre temas atuais como ateísmo são um expediente poderoso para conquistar corações antes fechados para as ideias e a ética alhei...

    Formatos: PDF

  • Contos de Amor e Dor
    Contos de Amor e Dor Contos por Carlos
    Contos de Amor e Dor
    Contos de Amor e Dor

    Downloads:
    10

    Publicado:
    Mar 2021

    Um dia, acordamos e sentimos que o tempo passou, mas as emoções e os sentimentos permaneceram...Por instantes, quase acreditas que a esperança é algo que mor...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle