O grande palco da vida por Celso Innocente - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                               

 

O

 

GRANDE

 

PALCO

 

DA VIDA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CELSO INNOCENTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O GRANDE PALCO DA VIDA

ISBN 978-85-914107-5-0

1ª edição

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Celso Aparecido Innocente

Rio de Janeiro - Brasil

2013

 

 

 

 

 

 

 

Índice:

 

 

 

 

Prefácio                                                                               7

Para referências: as letras das músicas                                   8

Uma grande amizade                                                            9

O circo                                                                              16

O primeiro espetáculo                                                        20

Aprendendo trapézio                                                          28

Quem está mentindo?                                                         41

A ajuda da professora                                                        47

O circo vai embora                                                             54

O violão                                                                             64

A luta pelo disco                                                                 69

O primeiro disco                                                                79

Divulgação e shows                                                            86

Canarinho da cidade                                                           92

Um problema sério                                                            104

Uma grande prova de amor                                               111

Uma aposta valiosa                                                            118

Pequeno pregador                                                             133

A pouca infância de um artista                                           138

O desaparecimento                                                           145

O resgate                                                                          156

Angustia e dor                                                                   165

A recuperação                                                                  179

A festa de agradecimento                                      189

Apenas um menino                                                            202

História triste                                                                     209

Mudança na equipe                                                          223

Era uma vez um menino cantor                                          233

Epílogo                                                                             241

Sobre o autor                                                                    263

Outros trabalhos                                                                265

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com sua alma de artista, coração de anjo e amor para dar a todos, ele se fez de adulto e mesmo sendo criança, lutou pela vida, pela fama e por justiça.

Prefácio

 

            Regis é apenas um menino que desde antes de completar sete anos de idade, já sonhava em se tornar um grande astro da musica popular sertaneja do Brasil, por isso sempre se dedicou a estudar muito, não só em sua escola primária, mas principalmente, aprendendo violão, canto e coreografia.

            Assim como sonhara, seu sucesso, fama e riqueza, acabaram chegando muito rápido e ele então se tornara aparentemente uma das crianças mais felizes deste mundo, mas o que ele só iria descobrir aos poucos, era que o preço a ser pago por esta fama, seria alto demais. Preços aparentemente inofensivos, como a perda da infância, a ausência dos pais, o convívio com adultos que muitas vezes, mesmo sem intuito de maldade, acabava expondo o menino a um mundo perigoso, que o levaria também ao fim de sua inocência, através da exposição a bebidas alcoólicas, drogas e prostituição.

            Regis, porém, em modo hiperativo, acabava se vendo obrigado, mesmo sendo apenas um menino, se tornar homem e conseguir lutar por sua felicidade, dentro da fama, riqueza e um mundo ingrato, onde muitas vezes impera também as injustiças.

©©©

            Foi por amar as crianças que me envolvi nesta aventura especial, diferente e muito gratificante: A aventura em me tornar um dos principais amigos desse garoto muito bonito, simples e acima de tudo, com seu coraçãozinho puro, cheio de amor ao próximo e de uma grande beleza espiritual. Porem, uma aventura, onde, como todas, surgem seus momentos dolorosos e tristes.

            Quero compartilhar com você, amigo leitor, a verdadeira e quase completa, estória deste meu amiguinho, REGIS DE ASSIS MOURA, uma criança que conheci por acaso e confesso, jamais me esquecerei; pois foi ele quem me ensinou a amar ainda mais a simplicidade e pureza das crianças; fez-me aprender a ser feliz: a sorrir, quando é hora de chorar; a abraçar, quando é hora de surrar; a amar, quando pensar que é momento de odiar; a cantar, quando só quer protestar; a ser simples quando quiser ser importante; a ser criança, quando se sentir rabugento…

            Se você gosta de crianças, gostará de ler a esta estória. Procure entrar nesta vidinha simples e então irá sorrir e deixará correr lágrimas também, conforme notar o desenvolver desta minha aventura diferente e longa.

            Meu verdadeiro objetivo foi tentar mostrar o amor e simplicidade infantil, deste garotinho hiperativo, que conheci enquanto trabalhava. Na época ele tinha quase sete anos de idade e me aceitou entre a relação de seus principais amigos. Os anos passaram e nossa amizade cresceu. Na época eu era muito jovem e sequer tinha filhos, mas mesmo assim, aprendi a amá-lo como se ele fosse meu primeiro filhinho e ele, em sua simplicidade invejável, retribuía este amor, que me causava muito orgulho,

 

 

O autor,

 

 

São João da Boa Vista, 4 de Junho de 1983

Penápolis, 1 de Março de 2013

           

           

 

Para referência: letras das músicas:-

 

Cadeira de rodas                                                   - Fernando Mendes                     14

O menino que falou com Deus                               - Pedrito Fernandes                    22

A menina que cresceu                                          - Barros de Alencar                     26

Cheiro de relva                                                     - Dino Franco e José Fortuna       26

Sonhos de palhaço                                               - Vanusa                                     32

Eu você e a praça                                                 - Odair José                                33

Meu primeiro amor                                                - Cascatinha e Inhana                  33

Iniciação                                                              - José Fernandes                        38

Mãe do mundo                                                     - Luís Henrique                           38

Filho de bêbado                                                    - Willian Gustavo                         73

Galopeira                                                             - Zaías-Mauricio (Pedro Bento)     80

Em tudo vejo amor                                                - Ocir Caetano Chaves                 88

Petição                                                                - Willian Gustavo                         90

Canarinho da cidade                                             - Celso Innocente                      130

Vitrine                                                                  - Cido Malta                              131

Noite cheia de estrelas                                          – Vicente Celestino                   131

Amar como Jesus amou                                        – Padre Zezinho                        133

Índia                                                                    - Cascatinha e Inhana                134

Caminheiro                                                           - Anair de Castro Tolentino         135

Saudade da minha Terra                                        - Goiá                                      140

O olhar de Deus                                                    - Cido Malta                              141

Vida                                                                    - José Fernandes                      145

Guerra dos homens                                              - Arthur Moreira- Sebastião F     145

Aniversário de despedida                                       - José Generoso                       193

O último julgamento                                              - Léo Canhoto                           194

Boiada assassina                                                - Rei da Mata e Célio Pires        195

Utopia                                                                  - Padre Zezinho             195

O que os olhos não veem o coração não sente        - José Generoso                       196

Trombadinha                                                        - Pedro Moura                           197

Planeta azul                                                         - Cido Malta                              198

Eu era pequeno                                                    - Padre Zezinho             199

Tu serás assassina                                               - José Generoso                       200

Pais e filhos                                                         - Xororó                        200

Caminhos do amor                                                - José Generoso                        207

Meu amigo                                                                        - José Fernandes                      228

Lágrimas de artista                                               - Willian Gustavo                       229

Família                                                                 - Cido Malta                              230

Ben                                                                     - Michael Jackson                     238

Homenagem                                                         - Willian Gustavo                       242

Amor de criança                                                   - Regis Moura                           246

Meu Primeiro Amor – paródia                                 - Willian Gustavo                       248

 

“Em um futuro não muito distante, desrespeitar uma criança será considerado crime”.

Regis Moura, baseado em brincadeiras de mau gosto, que certos adultos fazem com crianças.

 

            “Não tenho fãs, só amigos. Milhões de amigos”.

             Regis Moura, em leito de hospital.

 

            “Jamais me tenha como um ídolo. Deus não aceita ídolos”.

            “Tenha-me como um amigo. É assim que tenho você”.

            Regis Moura, durante show de agradecimento.

 

“Esse menino tem algo de Divino, lapide-o bem”.

                 Dr Marcio Hernandes, ao dar alta para Regis.

 

            “O que sou, o que tenho e o que faço é para Deus”.

                Regis Moura conserva em sua mesa.

Uma grande Amizade

 

Às oito horas da manhã, do dia dez de Abril de um mil novecentos e setenta e oito, segunda-feira, juntamente com Waldomiro, colega de trabalho na Telesp, paramos de fronte a uma loja de materiais para construção, na lateral da Avenida Oscar Pirajá Martins, em São João da Boa Vista, onde iríamos instalar um antigo sistema de comunicação interna e externa, para aquela empresa.

            Ao descermos do carro, vi do outro lado da rua, sentado em um banquinho de madeira, um garotinho branco, de cabelos castanhos escuros, uns seis anos de idade, tocando algumas posições musicais, em seu pequeno violão de seis cordas.

            — Pare de paquerar o menino! — Caçoou Waldomiro, pois sabia o quanto eu era apaixonado por crianças.

            Descarregamos o carro, levamos todo material para dentro da loja e negociamos com nosso cliente, o serviço a ser executado. Retornei ao carro e percebi que aquele garotinho, continuava tocando seu violão, alheio a quem quer que passasse na rua, ou quem, como eu, o admirasse por sua performance artística.

            Curioso, continuei o observando e então, a me ver, ele parou de tocar e me olhou, perguntando desconfiado:

            — O que foi?

            — Por que você parou? — Perguntei-lhe. — É bonito!

            — Ainda não sei tocar! Estou tentando aprender!

            — Gosta muito de música! Não?

            — Sim! Gosto! O que você veio fazer aqui?

            — Ver você tocar!

            — Digo… O que você veio fazer na loja?

            — Instalar um sistema de telecomunicação!

            — Telefone?

            — Caesse!

            — O que é caesse?[1]

            — Um sistema de comunicação comercial!

            — Você também gosta de música?

            — Muito! Admiro quem sabe tocar!

            — Como é seu nome?

            — Willian! E o seu?

            — Regis!

            — Qual a sua idade?

            — Vou fazer sete anos, dia vinte. E você?

            — Dezenove!

            — Você sabe tocar violão?

            — Não! Sou burro pra aprender isso!

            — Ninguém é burro! — Negou ele. — Qualquer pessoa aprende! É só querer!

            — Acho que não! É preciso ter um dom!

            — O que é um dom?

            — É uma coisa divina! É algo que Deus nos dá!

            — Então é o mesmo que vocação!