O problema siderúrgico nacional na Primeira República por Gustavo de Barros - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA

O PROBLEMA SIDERÚRGICO NACIONAL

NA PRIMEIRA REPÚBLICA

Gustavo de Barros

Orientador: Prof. Dr. Raul Cristovão dos Santos

SÃO PAULO

2011

Prof. Dr. João Grandino Rodas

Reitor da Universidade de São Paulo

Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro

Diretor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Prof. Dr. Denisard Cneio de Oliveira Alves

Chefe do Departamento de Economia

Prof. Dr. Pedro Garcia Duarte

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Economia

GUSTAVO DE BARROS

O PROBLEMA SIDERÚRGICO NACIONAL

NA PRIMEIRA REPÚBLICA

Tese apresentada ao Departamento de

Economia da Faculdade de Economia,

Administração e Contabilidade da

Universidade de São Paulo como requisito

para a obtenção do título de Doutor em

Economia.

Orientador: Prof. Dr. Raul Cristovão dos Santos

Versão Corrigida

(versão original disponível na FEA-USP)

SÃO PAULO

2011

index-4_1.png

“O Problema siderúrgico nacional na Primeira República” por Gustavo de Barros está licenciado sob

uma licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.

Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/ ou envie uma

carta para Creative Commons, 444 Castro Street, Suite 900, Mountain View, California, 94041, USA.

Permissões além do escopo desta licença podem estar disponíveis em http://gustavo.barros.nom.br/.

“O Problema siderúrgico nacional na Primeira República” by Gustavo de Barros is licensed under a

Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.

To view a copy of this license, visit http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/ or send a letter to

Creative Commons, 444 Castro Street, Suite 900, Mountain View, California, 94041, USA.

Permissions beyond the scope of this license may be available at http://gustavo.barros.nom.br/.

Este trabalho está disponível em:

http://gustavo.barros.nom.br/

http://www.teses.usp.br/

Barros, Gustavo de

O problema siderúrgico nacional na Primeira República / Gustavo

de Barros. – São Paulo, 2011.

245 p.

Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, 2011.

Orientador: Raul Cristovão dos Santos.

1. História econômica - Brasil I. Universidade de São Paulo. Faculdade

de Economia, Administração e Contabilidade. II. Título.

CDD – 330.0981

A Edmundo Juarez Filho

v

Agradecimentos

Como é normal, ao longo do desenvolvimento deste trabalho, e ao longo do meu

doutorado, acumulei débitos com diversas pessoas e instituições. Mesmo correndo o risco de

omissões involuntárias, registro aqui com prazer os meus agradecimentos.

O Prof. Raul Cristovão dos Santos, como orientador, garantiu-me ampla liberdade de

trabalho e concedeu-me toda a sua confiança.

O Prof. Flávio Saes também, na prática, me “adotou” como orientando e com sua

argúcia e sensibilidade soube dar-me uma grande dose de estímulo, apoio e orientação.

O Prof. Renato Colistete incentivou-me ao trabalho intensivo com as fontes primárias e

orientou-me nele, além de ter se esforçado continuamente para que eu fosse mais bem-

comportado.

Discutiram o tema comigo, comentaram versões preliminares de partes do trabalho e

compartilharam material de interesse Guillaume de Saes, Felipe Loureiro, Michel Deliberali

Marson, Thomas Kang, Molly Ball e Renato Schwambach Vieira emprestando-me assim seus

respectivos pontos de vista sobre o assunto e enriquecendo o trabalho.

O grupo Hermes & Clio, com seus seminários e habitués, ofereceu-me a agradável

oportunidade para o encontro regular com as pessoas envolvidas em minha área de pesquisa

no departamento e em torno dele.

Na FEA, deram-me importante apoio institucional e me concederam dedicada atenção o

Prof. Jorge Soromenho, a Profa. Ana Maria Bianchi, o Prof. Joaquim Guilhoto e o Prof.

Eleutério Prado.

Em minhas estadas no Rio de Janeiro, enquanto remexia a poeira dos arquivos, fui

recompensado pela carinhosa acolhida de Esther Dweck, Oriana Fulaneti e Júlio César Pinho

e Talita.

Na Universidade de Erfurt receberam-me o Prof. Dietmar Herz e o Prof. Frank Ettrich,

com o auxílio de Daniela Ristau. Os participantes do Colóquio de Pesquisa – Política e

Sociedade, no qual tive oportunidade de apresentar o meu trabalho, fizeram interessantes

observações. Ao longo de minha estada em Erfurt foi reconfortante contar com o dedicado

apoio do pessoal do DAAD, especialmente de Frau Salgado.

Em minhas andanças na Alemanha, acolheram-me pelo caminho Gonzalo Marcelo

Ramírez Ávila e Stéphanie Depickère, Gláucia Peres da Silva, Göz Kaufmann, Bruna

Marchiori e Andreas Euringer, Birgit Dietrich e Marianne Weidauer.

vi

Ajudaram-me também, de maneiras diversas, com desde recomendações bibliográficas

a contatos, Alexandre Macchione Saes, Márcia dos Santos Ferreira, Rodolfo Marino, Rejane

Araújo, Antonio do Passo Cabral, o Prof. José Flávio Motta, a Profa. Basilia Aguirre, o Prof.

Germano Mendes de Paula, o Prof. Eduardo Haddad, Roberto Stern, Bernardo Campolina e

Thiago Fonseca Morello.

Deram-me também importante apoio pessoal ao longo do caminho Nestor de Barros,

André Luís Squarize Chagas e Elisandra Godoy Chagas e Flávio de Miranda Ribeiro e Tarsila

Marques Tronca.

Os arquivos e bibliotecas consultados foram essenciais para a realização dessa pesquisa.

Seus funcionários gentil e diligentemente facilitaram a minha pesquisa. Menciono

especialmente o Arquivo Nacional e o CPDOC-FGV no Rio de Janeiro, o Bundesarchiv e o

Politisches Archiv des Auswärtigen Amts em Berlim, a biblioteca do Ministério da Fazenda no

Rio de Janeiro (Biblioteca Domingos Marques Grello), a Bibliothek des Ibero-

Amerikanischen Instituts em Berlim, a Deutsche Zentralbibliothek für Wirtschafts-

wissenschaften em Kiel, a biblioteca da Universidade de Erfurt, a biblioteca do Instituto

Brasileiro de Siderurgia no Rio e, na USP em São Paulo, as bibliotecas da FEA, da FFLCH,

do IEB, do IGC e da Poli (Central e Metalúrgica). Por fim, o Prof. Antonio Delfim Netto

gentilmente franqueou-me o acesso à sua cuidadosamente cultivada biblioteca pessoal.

O presente trabalho foi realizado com apoio do CNPq, Conselho Nacional de

Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Brasil, e do DAAD, Deutscher Akademischer

Austausch Dienst. A FEA-USP me ofereceu o espaço institucional para realizá-lo.

A todos, muito obrigado.

vii

RESUMO

O debate sobre o problema siderúrgico nacional no Brasil ganhou corpo no final da

década de 1900 e estendeu-se até 1941, com a criação, pelo governo federal brasileiro, da

Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) para construir e explorar a usina siderúrgica de Volta

Redonda, que foi saudada como a solução do problema, encerrando assim um debate de mais

de três décadas. Por esse motivo e pela importância simbólica de que se revestiu a CSN para o

Estado Novo, a historiografia foi bastante marcada por esse desfecho particular, que à luz do

próprio debate não tinha nada de necessário. Tendo isso em vista, esta tese visa reconstruir e

analisar os esforços, debates e conflitos em torno da questão siderúrgica ao longo da Primeira

República. Buscamos identificar os principais agentes que intervieram e pesaram no

direcionamento das políticas governamentais relativas ao setor siderúrgico e procuramos

apresentar as principais propostas feitas e iniciativas tomadas por esses agentes, bem como

mapear as implicações dessas iniciativas e propostas para o desenvolvimento do setor. Três

dos principais eixos em torno dos quais giraram os debates foram os seguintes: i) a

contraposição entre a “pequena siderurgia” e a “grande siderurgia” e a questão correlata da

escolha entre o carvão importado, o carvão nacional e o carvão vegetal; ii) a questão do

vínculo entre a exportação de minério de ferro e a siderurgia nacional e, por fim, iii) a questão

da localização da usina. Procuramos compreender como se deram as interações entre essas

três dimensões ao longo do debate, bem como identificar a origem das defesas de cada uma

das posições a cada momento. A tese está dividida em quatro capítulos centrais. Num

primeiro, descrevemos a evolução do setor siderúrgico brasileiro entre 1900 e 1940,

procurando avaliar as dimensões quantitativa e qualitativa desse desenvolvimento. Num

segundo capítulo, tratamos do surgimento, no final da década de 1900 e início da década

seguinte, de uma série de propostas de exportação do minério de ferro da região ferrífera de

Minas Gerais, que foram vinculadas e subordinadas à produção siderúrgica no país. Dessa

forma, o problema siderúrgico ganhou corpo entrelaçado à questão da exportação de minério.

Num terceiro capítulo, tratamos do importante contrato da Itabira Iron Ore Co. de 1920 e da

reação imediata, interna e externa, que ele suscitou. Por fim, num quarto capítulo,

identificamos a configuração de um modelo alternativo ao da Itabira Iron para a solução do

problema siderúrgico, baseado em insumos estritamente nacionais, desvinculado da

exportação de minério de ferro e capitaneado pelo governo mineiro, bem como a polarização

resultante do debate sobre o problema siderúrgico.

viii

ABSTRACT

The debate over the Brazilian national steel-making problem took shape in the end of

the 1900 decade and lasted until 1941, with the creation, by the Brazilian federal government,

of the Companhia Siderúrgica Nacional ( CSN – National Steel Company) to build and exploit

the Volta Redonda steel mill, which was hailed as the solution to the problem, thus closing a

debate more than three decades long. Due to this and due to the symbolic importance to the

Estado Novo with which the CSN was impregnated, the historiography was significantly

marked by this particular outcome, which in light of the own debate was by no means

necessary. Bearing this in mind, this dissertation aims at reconstructing and analyzing the

efforts, debates and conflicts surrounding the steel-making question along the Brazilian First

Republic. We attempt to identify the main agents which intervened and weighted in directing

government policy relative to the steel sector and try to present the main proposals done and

initiatives attempted by these agents, as well as to map the implications of these initiatives

and proposals to the development of the sector. Three of the main axes around which the

debates turned were the following: i) the counterpoint between “small-scale steel-making”

and “large-scale steel-making” and the correlate choice between imported coal, national

coal and charcoal; ii) the question of the link between iron ore export and national steel-

making; and, at last, iii) the question of the location of the steel mill. We attempt to

understand how these three dimensions interacted along the debate, as well as to identify the

origin of the defenses of each of these positions at each moment. The dissertation is divided

into four main chapters. In a first one, we describe the evolution of the Brazilian steel-making

sector between 1900 and 1940, attempting to evaluate the quantitative and qualitative

dimensions of this development. In a second one, we deal with the emergence, in the end of

the decade of 1900 and beginning of the following one, of a series of proposals for the export

of iron ore from the iron region in Minas Gerais , which were linked, or rather subordinated,

to the steel production in the country. Thus the steel-making problem took shape entwined to

the question of iron ore export. In a third chapter, we handle the important 1920 Itabira Iron

Ore Co. contract and the more immediate reaction, internal and external, which it gave rise

to. Finally, in a last chapter, we identify the configuration of a model alternative to the Itabira

Iron’s to the solution of the steel-making problem, based on strictly national inputs, detached

from the iron ore export and led by the mineiro government, as well as the resulting

polarization of the debate over the steel-making problem.

Sumário

I. Introdução................................................................................................................................5

II. O desenvolvimento do setor siderúrgico até 1940...............................................................19

III. Exportação de minério de ferro e siderurgia.......................................................................51

IV. O contrato Itabira Iron.........................................................................................................99

V. Reviravolta mineira e polarização......................................................................................135

VI. Considerações finais.........................................................................................................173

VII. Fontes e referências.........................................................................................................191

VII.1. Arquivos...................................................................................................................191

VII.2. Publicações seriadas................................................................................................192

VII.3. Fontes on-line..........................................................................................................193

VII.4. Publicações oficiais e institucionais........................................................................193

VII.5. Demais publicações.................................................................................................195

VIII. Apêndice estatístico........................................................................................................201

IX. Anexos..............................................................................................................................233

2

Siglas e notação

ABM – Associação Brasileira de Metais

ARBED – Aciéries Réunies de Burbach-Eich-Dudelange

CSN – Companhia Siderúrgica Nacional

CTEF – Conselho Técnico de Economia e Finanças

EFCB – Estrada de Ferro Central do Brasil

EFVM – Estrada de Ferro Vitória a Minas

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Observações:

Veja também a notação utilizada para as referências às fontes no item VII. Fontes e

referências, pág. 191.

Referências à legislação no corpo do texto serão feitas no formato número/ano

(XXXX/AA).

Todas as citações de fontes em língua estrangeira foram traduzidas por mim.

3

Lista de Tabelas

Tabela IV.1: Produção e importação de minério de ferro pelos EUA, 1924-1937........................................124

Tabela IV.2: Produção e importação de minério de ferro pela Inglaterra, 1923, 1934-1937........................125

Tabela IV.3: Origem das importações inglesas de minério de ferro..............................................................125

Tabela IV.4: Produção e importação de minério de ferro pela Alemanha, 1923, 1935-1937.......................126

Tabela IV.5: Origem das importações alemãs de minério de ferro................................................................126

Tabela IV.6: Impacto do Tratado de Versalhes..............................................................................................127

Tabela IV.7: Dimensão e estrutura da demanda internacional por minério de ferro, 1923, 1936.................128

Tabela VIII.1: Produção de ferro-gusa por empresas, 1891-1936, quantidade.............................................202

Tabela VIII.2: Produção de ferro-gusa por empresas, 1891-1936, valor......................................................205

Tabela VIII.3: Produção de aço por empresas, 1918-1936............................................................................207

Tabela VIII.4: Produção de laminados por empresas, 1918-1936.................................................................208

Tabela VIII.5: Empresas siderúrgicas no Brasil em 1939.............................................................................209

Tabela VIII.6: Produção de ferro e aço no Brasil, 1897-1940.......................................................................211

Tabela VIII.7: Produção de ferro-gusa por Estado, 1897-1940.....................................................................212

Tabela VIII.8: Produção de aço por Estado, 1918-1940................................................................................213

Tabela VIII.9: Produção de laminados por Estado, 1918-1940.....................................................................214

Tabela VIII.10: Importações brasileiras de ferro e aço, 1901-1947..............................................................215

Tabela VIII.11: Importações brasileiras de laminados, 1901-1947...............................................................217

Tabela VIII.12: Consumo aparente e coeficiente de importação de ferro e aço no Brasil, 1901-1940........219

Tabela VIII.13: Estimativa de decomposição do consumo siderúrgico interno, quantidade, 1901-1940.....221

Tabela VIII.14: Estimativa de decomposição do consumo siderúrgico interno, valor, 1901-1940..............222

Tabela VIII.15: Índice do valor da produção siderúrgica a valores constantes, 1901-1940.........................223

Tabela VIII.16: Estimativa de decomposição do valor da produção siderúrgica, 1901-1936......................224

Tabela VIII.17: Valor da produção, principais empresas, 1901-1936...........................................................225

Tabela VIII.18: Produção, consumo e coeficiente de importação de ferro e aço, 1916-1967......................226

Tabela VIII.19: Produção mundial de ferro-gusa e ferro-liga, principais produtores, 1909-1940 (mil t)....228

Tabela VIII.20: Produção de ferro-gusa, principais países produtores, 1860-1910......................................229

Tabela VIII.21: Produção mundial de aço, principais produtores, 1909-1940 (mil t)..................................230

Tabela VIII.22: Produção de minério de ferro, principais países produtores, 1909-1936 (mil t).................231

Tabela VIII.23: Produção mundial de minério de ferro (conteúdo metálico), 1928-1940 (mil t)................232

4

Lista de Gráficos e Figuras

Gráfico II.1: Participação das principais empresas no valor da produção siderúrgica, 1918-1929................26

Gráfico II.2: Participação dos tipos de produto no valor da produção siderúrgica, 1918-1929.....................26

Gráfico II.3: Impacto da crise nas principais empresas siderúrgicas..............................................................31

Gráfico II.4: Taxa de crescimento anual do setor siderúrgico, 1919-1940.....................................................42

Gráfico II.5: Participação dos produtos siderúrgicos no valor das importações totais, 1901-1947................46

Gráfico II.6: Consumo “final” de produtos siderúrgicos, 1901-1940.............................................................46

Gráfico II.7: Participação dos principais produtos no valor das importações de laminados, 1901-1947.......48

Gráfico IV.1: Necessidades externas de minério de ferro, principais produtores, 1920-1938......................123

Mapa IX.1: Levantamento das reservas de minério de ferro enviado ao Congresso de Estocolmo.............235

Mapa IX.2: Aquisição de jazidas de minério de ferro na região do Rio Doce..............................................237

Mapa IX.3: EFVM – Traçado original, traçado Itabira e zona de privilégio................................................239

Mapa IX.4: Esquema das linhas da EFCB e EFVM que atingem a zona ferrífera (1922)...........................241

Figura IX.5: Perfis das linhas da EFVM e da projetada pela Itabira (Traçado Russell)...............................243

Figura IX.6: Comparação esquemática entre os perfis da EFCB e da EFVM (até Itabira)..........................245

I.

I ntrodução

O “problema siderúrgico nacional”, visto de forma simples, consistia na incapacidade

brasileira de produzir grande parte do ferro e do aço de que precisava. A importação de

produtos de ferro e aço consumia parte relevante das divisas geradas pelo país, parcela esta

persistente ao longo do período republicano e mesmo crescente na década de 1930. Além

disso, na qualidade de bem intermediário, as eventuais compressões das importações de tais

produtos durante as recorrentes crises do setor externo ou mesmo restrições de caráter mais

absoluto à importação desses bens, como durante a Primeira Guerra Mundial, tinham

consequências importantes para a própria operação do sistema produtivo doméstico, ficando

atrás, neste aspecto, possivelmente apenas dos combustíveis. Neste sentido, o problema

siderúrgico não era muito mais do que um caso particular do descompasso existente numa

economia agroexportadora entre a especialização da pauta de exportações e a diversidade da

pauta de importações, entre a estrutura produtiva e o perfil de consumo do país.

Ainda assim, a siderurgia era, sob alguns aspectos, um caso especial, e vinha merecendo

atenção diferenciada desde há muito. Designada “indústria barômetro” ou, nos termos do

Visconde de Mauá, a “mãe de todas as outras indústrias” ,1 a indústria do ferro era considerada

por vezes um índice de progresso, mas muitas vezes também uma condição ou até mesmo um

indutor ao progresso. Assim, não se tratava apenas de que o país produzia menos ferro e aço

do que correntemente consumia, mas também de que consumia pouco, menos do que

realmente necessitava.2 Nesse registro, são frequentes em estudos da época comparações

internacionais da produção e do consumo per capita de ferro e aço, nas quais o Brasil sempre

figura com uma fração dos índices atingidos por países mais avançados.

1. Bastos, A conquista siderúrgica, 15, 162.

2. Veja, por exemplo, “Projecto N. 263 - 1919, Fixa a despeza do Ministerio da Agricultura, Industria e

Commercio para o exercicio de 1920”, Cincinato Braga, 15/8/1919, DCN, Ano XXX, N. 99, 2/9/1919, pp.

1914-17; Carvalho, Brasil, potencia mundial, 9-37. E, na década de 1930, o relatório final da Comissão

Nacional de Siderurgia no Ministério da Guerra (BSGM, no 75, 1935, p.152); o relatório da Comissão dos

Onze ( Revisão do contracto da Itabira Iron, 32); “Ferro – Salvação do Brasil”, Raul Ribeiro da Silva, São

Paulo, 9 de março de 1931, CPDOC - EMS d 1911.09.00, doc I – [2], pp. 25-7; ou Silva, “Indústria

metalúrgica no Brasil”, 14.

6

A siderurgia era também uma grande oportunidade e um destino. De todo o potencial de

recursos naturais subaproveitados no país, diagnóstico este que já na época andava de mãos

dadas com o hábito de conjugar o Brasil no futuro, as reservas de ferro certamente figuravam

com destaque. Tais reservas, à medida em que foram sendo mais sistematicamente levantadas

e conhecidas, colocavam o país em posição privilegiada nesse setor. Os depósitos de minério

de ferro, sobretudo os localizados em Minas Gerais, eram de grande (enorme) dimensão, de

pureza bastante elevada e de extração relativamente fácil. Como embaraços perenes

permaneceram as condições de transporte, a má qualidade das reservas de carvão mineral no

sul do país e os requisitos de capital.

A siderurgia era ademais uma condição para a nacionalidade. Parte num registro

econômico e parte num registro militar, uma vez que o ferro é necessário à produção de

armamentos, a siderurgia era muitas vezes apontada como necessária ou mesmo conducente à

maior independência e liberdade da nação. Em suma, era um elemento de soberania, uma via

de emancipação.

Um exemplo ilustrativo, entre muitos possíveis, de uma manifestação desse papel chave

da siderurgia durante a Primeira República pode ser dado pela mensagem de Nilo Peçanha ao

Congresso, proferida em julho de 1909, mês seguinte à sua posse como presidente da

República:

“Jaz aí inexplorado e inerte um elemento fundamental de riqueza e de fôrça que não tem sido

e precisa ser utilizado.

Ninguém ignora que andam de paz e juntos evoluem o predomínio das nações e a sua

capacidade produtora de ferro [...].

Vivendo de suas exportações constituídas na maior parte por mercadorias de alto preço,

precisa o nosso país, para elevar seu saldo na balança internacional, de fabricar sem excesso

de custo parte das importações que consome e de ter um elemento próprio de primeira

necessidade que possa oferecer como base de troca nos convênios comerciais com alguns

países.

Nenhum outro melhor poderia satisfazer a essa necessidade que o ferro.

Nacionalizar a produção dêsse metal é além disso condição necessária de crescimento e

consolidação do poder militar, não menos que da expansão das indústrias de paz.

Tanto mais evidente se patenteia a necessidade de dar solução a êsse problema quanto as

exigências do nosso progresso estão determinando o aumento rápido e contínuo das

importações metálicas. ”3

Esse conjunto de ideias, porém, não era tampouco propriamente novo nesse início de

século XX.4 As tentativas patrocinadas por D. João VI de implantar a produção de ferro

3. Apud Luz, A luta pela industrialização, 188. Para outros exemplos da época veja Carvalho, Brasil, potencia

mundial, 5, 7; CPDOC - EMS d 1911.09.00, doc I-01, p. 5.

4. Duas diferenças entre o período republicano e as concepções anteriores devem ser todavia anotadas. Primeiro,

as reservas de ferro brasileiras passaram a ser melhor conhecidas apenas a partir do final do século XIX e

começo do XX, de forma que a noção de “oportunidade” e “destino” associada ao ferro ganha corpo apenas a

partir daí. E, segundo, a atribuição de um valor propriamente nacional à industria do ferro tem certamente

7

durante sua estada no Rio de Janeiro atestam a importância já então atribuída ao setor nessa

chave.5 O engenheiro francês Jean Antoine de Monlevade, tendo chegado a Minas Gerais em

1817, acabou por radicar-se no Brasil e dedicar-se à indústria do ferro,6 e já expressava ideias

de teor similar ao afirmar que “O futuro grandioso desta terra, hoje tão decadente, não está no

ouro, nos diamantes, mas sim no ferro, este grande agente da civilização, como da segurança

dos Estados [...].”7 A reativação pelo governo imperial da fábrica de ferro São João de

Ipanema, a partir de meados da década de 1860, e os investimentos realizados nela depois da

Guerra do Paraguai, apesar de seu histórico de déficits, também foram motivados por

considerações similares, tendo sido justificados tanto pelo fornecimento de ferro e material

bélico aos arsenais do Império quanto pelo seu papel na modernização e no desenvolvimento.8

O fato do problema siderúrgico ser tratado neste registro desde longa data, não quer dizer,

entretanto, que seu significado não tenha se transformado, nem que a posição dos governos

sobre ele não tenha se alterado.

Contudo, é mesmo dos governos Nilo Peçanha e Hermes da Fonseca que podemos datar

uma clara intensificação do debate sobre a questão siderúrgica no Brasil. A modificação do

contrato da Estrada de Ferro Vitória a Minas, em 20 de dezembro de 1909, estabelecendo

novos termos junto ao governo para a sua eletrificação tendo em vista a exportação de minério

de ferro pelo Brazilian Hematite Syndicate, antecessor da Itabira Iron Ore Co. , marca o início

de um debate que duraria mais de trinta anos. O que acabou sendo chamado de o “problema

siderúrgico nacional” nesse debate foi dado por solucionado apenas no Estado Novo, com a

criação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

De fato, em 1941 foi constituída a CSN com o propósito de construir e explorar a

primeira usina siderúrgica integrada de maior escala no país, utilizando coque como redutor e

combustível, e localizada em Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A CSN foi fundada

como uma companhia nacional, em sociedade anônima, com participação de capital do Estado

e de particulares, mas sob controle do governo federal, que era também seu principal

acionista. A nova usina visava a “completar” a produção nacional corrente, e foi prevista para

ter uma capacidade inicial de produção de em torno de 300.000 t de produtos de aço por ano,

conotações distintas entre os dois períodos. Permanece como constante, contudo, o papel estratégico da

siderurgia para o estado, definido nacionalmente ou não , nos dois aspectos referidos: a defesa e a economia.

5. Sobre o assunto, consulte Bastos, A conquista siderúrgica, 36-75; Silva, O Ferro na história e na economia,

11-27; Rady, Volta Redonda, 61-91.

6. Bastos, A conquista siderúrgica, 46; Rady, Volta Redonda, 70; Silva, O Ferro na história e na economia, 25.

Monlevade é considerado um dos pioneiros na indústria siderúrgica no país, particularmente em Minas

Gerais.

7. Apud Bastos, A conquista siderúrgica, 48.

8. Cf. Santos, A fábrica São João de Ipanema.

8

e estava preparada para ter sua capacidade dobrada. Ela seria capaz de produzir trilhos, perfis

comerciais médios e pesados, chapas e folhas de flandres, previamente não disponíveis

domesticamente. Ela operaria com uma mistura de carvão nacional – a ser fornecido pelas

minas de Santa Catarina – e carvão importado dos EUA. Também dos EUA viriam os

equipamentos fabris e o financiamento, este por intermédio do Export-Import Bank de

Washington. O minério de ferro viria da região do Vale do Paraopeba, de jazidas em torno de

João Ribeiro, MG, e seria transportado até a usina através da Estrada de Ferro Central do

Brasil. A produção de aço e coque teve início em 1946 e a laminação começou a produzir no

início de 1948.

A usina siderúrgica de Volta Redonda foi efetivamente um ativo chave no processo de

industrialização brasileiro e tornou-se tanto um marco quanto um símbolo de traços

importantes do desenvolvimento brasileiro futuro: de um tom nacionalista associado com a

diversificação e internalização da estrutura produtiva através da industrialização por

substituição de importações e da participação do Estado brasileiro como empresário na esfera

econômica. Ela também foi um símbolo do sucesso do modelo de desenvolvimento que então

se estabelecia e, mais tarde, das limitações de tal modelo quando o tempo das críticas

eventualmente chegou. Ou seja, a CSN foi uma peça simbólica central no discurso do Estado

Novo9 e a questão siderúrgica em geral foi elaborada como elemento de ligação e

continuidade entre o regime de então e o governo revolucionário, desde seu início, em 1930.

A importância da CSN é mesmo capital, tanto é que ela foi saudada, e reconhecida com

sucesso, como a “solução do problema siderúrgico nacional”. Sendo assim, a CSN e o

primeiro período de Vargas no governo permaneceram como o ponto focal da historiografia

sobre o tema. Os estudos que se dedicaram quer à história da siderurgia no Brasil quer à dos

debates sobre a questão siderúrgica que antecederam a criação da companhia tomam-na como

referência, olhando para a história principalmente desta perspectiva, centrando-se em temas

como o controle e administração estatais, participação do capital estrangeiro e o seu papel no

processo de industrialização e substituição e importações. Além disso, deste ponto de vista, a

CSN deve ser vista como possuindo um caráter pioneiro, e mesmo o de um arauto do Brasil

do futuro, mesmo quando tais estudos observam este desenvolvimento já em algum

retrospecto.

Esse ponto de vista mais tradicional sobre a CSN e sobre o debate em torno da questão

siderúrgica nacional é sem dúvida da maior relevância e de fato produziu um rico corpo de

conhecimento sobre a história do setor e, em particular, sobre a CSN, sua história e sua

9. Souza, O discurso político do Estado Novo, 87-9.

9

importância. Apesar disso, a sombra da CSN projetada sobre o período que a antecedeu não

deixou de implicar certa dose de anacronismo na visão resultante dessa perspectiva. Durante o

longo debate sobre a questão siderúrgica nacional, dada a intenção manifesta das autoridades

brasileiras de resolver esse problema, a discussão se dirigiu sobretudo à forma que a solução

deveria assumir. Questões como quem deveria controlar a empresa, quais eram as fontes de

capital possíveis e mais interessantes, a cooperação estrangeira, a tecnologia que deveria ser

empregada, que escala de produção deveria ser adotada, ou qual a melhor localização,

ocuparam o centro dessas disputas e também constituíam um conjunto variado de

configurações alternativas através das quais o problema poderia ser encaminhado. Estas

numerosas e variadas alternativas avançadas e consideradas nesses debates eram distintas da

forma que a CSN mais tarde viria a assumir. Com efeito, a CSN era assaz peculiar em muitos

aspectos, em relação ao que o setor siderúrgico brasileiro havia sido até então, e a “solução”

não se cristalizou naquela forma particular até bem tardiamente no processo.

Além disso, o debate sobre a questão siderúrgica estendeu-se por mais de três décadas,

duas das quais ainda durante a Primeira República. O contrato do governo federal com a

Itabira Iro Ore Co. , que foi o centro indiscutível das atenções durante os sete primeiros anos

de Vargas, fora assinado no governo Epitácio Pessoa, em maio de 1920, e suas origens

remontavam à concessão feita à Estrada de Ferro Vitória a Minas no governo Nilo Peçanha

em dezembro de 1909. Portanto, as discussões sobre a questão siderúrgica posteriores à

Revolução de 1930 foram pautadas e profundamente marcadas pelo debate anterior, pelas

tentativas já feitas e pelos compromissos já assumidos. Assim, do ponto de vista da “solução

do problema” pela CSN, a relação com esse passado do debate na República Velha era no

mínimo ambígua. Ao mesmo tempo que evocava-se o longo debate como demonstração de

que a solução do problema siderúrgico nacional daquela maneira integrava as mais legítimas e

profundas aspirações nacionais, a CSN precisava funcionar como um signo do novo, uma

expressão material e simbólica daquilo que o Estado Novo pretendia representar. A meu ver,

tais circunstâncias dificultaram a obtenção de uma visão mais equilibrada sobre o debate

siderúrgico, resultando numa imagem muito simplificada, operando sobretudo no eixo

nacional-estrangeiro e obscurecendo as disputas internas ao país. Se o expediente é

compreensível no discurso daqueles que participaram do debate à época, ele deve ser

considerado como antolhos na historiografia.

Tendo isso em vista, os esforços para solucionar o problema siderúrgico brasileiro

durante a Primeira República, bem com as discussões e conflitos em torno deles, constituem o

objeto deste trabalho. O intuito de tal seleção é menos o de considerar que “a solução do

10

problema” poderia ter potencialmente assumido outras formas, ainda que isto seja na prática

uma implicação dela, mas sobretudo a de explorar mais detidamente o conjunto de forças

incidindo sobre o assunto antes que a solução assumisse uma forma mais concreta e

definitiva, em particular, como esses conflitos se configuraram antes das mudanças políticas

de 1930. Assim, este trabalho tem por objetivos identificar e descrever os principais interesses

que convergiam para o problema e que procuravam interferir na direção dada à sua solução no

período em foco, de forma a mapear as consequências advindas dessas pressões para o

desenvolvimento do setor siderúrgico no país durante o período, no sentido da determinação

do seu ritmo e forma.

O corpo de conhecimento existente sobre os debates e conflitos em torno do problema

siderúrgico nacional nas décadas que antecederam a criação da CSN é bastante amplo. Do

nosso ponto de vista, podemos dividi-lo em duas partes principais: de um lado, os

participantes do debate, contemporâneos a ele, e, de outro, a historiografia. Grosso modo,

consideramos aqui como participantes do debate os trabalhos feitos até o temporão de Afrânio

do Amaral, de 1946,10 e tratamos os trabalhos posteriores como parte da historiografia.

O conjunto dos trabalhos sobre o tema produzido pelos participantes do debate fazem

parte do nosso objeto de estudo e constituem parte fundamental das nossas fontes primárias,

listadas ao final deste trabalho. Essas intervenções assumiam as mais diversas formas – livros,

conferências, artigos de jornal, folhetos, relatórios, pareceres, cartas etc. Além dessas

intervenções serem já por si só numerosas, fazia parte do protocolo do debate, por assim dizer,

uma reconstrução dos antecedentes dos esforços do país em prol da siderurgia. Na medida em

que esse debate estendeu-se por mais de três décadas, mais de uma geração, esse era de fato

um expediente praticamente necessário. Mas traz algumas implicações para aqueles que as

olham em retrospecto. A primeira é que essa história foi contada e recontada dezenas, quiçá

centenas de vezes, o que certamente não aponta na direção de uma convergência, antes pelo

10. Amaral, Siderurgia e planejamento. Afrânio do Amaral era sócio de Monteiro Lobato. Em 1946, a

Brasiliense publicou o livro de Amaral e republicou o livro de Lobato de 1931, ambos com prefácio de Caio

Prado Jr.. Na nova edição, Lobato incluiu em comentários finais: “Da pequena usina de Jaguaré vai sair a

futura, grande e perfeita solução do problema siderurgico do Brasil – e não do elefante branco de Volta

Redonda, cujo fracasso já é admitido por todos. Não basta produzir ferro; é preciso produzi-lo por preço que

suporte a concorrencia do ferro produzido fora – e é o que Volta Redonda jamais conseguirá fazer, em

consequencia de sua má colocação estrategica – longe do minerio e longe do carvão – longissima do carvão,

pois que o tem de importar de fóra...” (Lobato, O Escândalo do petróleo e ferro, 316). Em suma, ele batia-se

ainda com o problema, enfrentando agora os moinhos de Volta Redonda.

11

contrário. A segunda é que a história do debate, dada a sua extensão temporal, fez parte do

próprio debate. Em outras palavras, as reconstruções históricas coevas, base fundamental da

historiografia posterior, eram tudo menos desinteressadas. Assim, essa história tem camadas

sobre camadas sobre camadas. E o que parece essencialmente se repetir ganha seu significado

específico nas calculadas e precisas distorções que ela sofria ao sabor da conjuntura e das

intenções.

Essas características do objeto e das fontes que nos dão acesso a ele introduzem uma

série de dificuldades ao historiador. A primeira delas é uma tentação. Essa superabundância de

fontes, essa reiteração dos relatos, faz com que uma razoável aproximação ao objeto seja

possível a partir de uma parcela pequena delas. No entanto, procedendo assim, faz o

historiador como quem se aproxima de um grande aquário e se depara com a sua parede de

vidro, apenas para descobrir que teria que ter dado a volta para poder mergulhar. De fato, essa

repetição das fontes é só aparente e o significado das intervenções deve ser buscado não nessa

reiteração do tema, ou pelo menos não apenas nela, mas nas variações em torno dele. Uma

segunda dificuldade é introduzida pela extensão temporal do debate. Em que pese o

“problema siderúrgico nacional” delinear um objeto histórico com certa unidade, as mais de

três décadas pelas quais os conflitos e debates em torno dele se estenderam obrigam-nos a

considerar também a transformação interna desse objeto, que efetivamente ocorreu. Os anos

entre 1909 e 1941 foram conturbados no Brasil e no mundo. Internacionalmente, estão

compreendidos aí a Primeira Guerra Mundial e o início da Segunda, a Crise de 1929 e a

Grande Depressão, apenas para citar os grandes marcos, que, por sua vez, também incidiram

sobre o problema siderúrgico brasileiro. No Brasil, vivemos um período igualmente agitado,

com duas quebras de regime, em 1930 e 1937. Muitos dos atores que iniciaram o debate

deixaram eventualmente a cena dando lugar a outros. Se em 1909 o cenário político brasileiro

era ainda essencialmente povoado pela geração que vivera a proclamação da República e que

se consolidara politicamente na primeira década republicana, a solução do problema, em

1941, foi empreendida pela geração seguinte, que se desenvolveu politicamente dentro dos

quadros da República. Claro, há também alguns que atravessam o debate inteiro, mas eles

foram antes a exceção que a regra. Se a periodização adotada aqui tem por seu ponto terminal

a Revolução de 1930 – o que de certa forma também incorpora como marco a Crise de 1929 e

o início da Depressão – mesmo dentro da Primeira República houve um número de soluções

de continuidade na política siderúrgica governamental e uma quantidade expressiva de

tentativas diversas, eventualmente conflitivas entre si, que pontilham o período. O próprio

setor siderúrgico, que em 1909 contava com uma única empresa de expressão limitada,

12

ganhou alguma consistência ao longo da década de 1920 e contava com um número de

empresas já de envergadura relativamente maior ao final da década. Assim, as tentativas, aliás

frequentes na historiografia, de generalizar num quadro único os contornos do debate

siderúrgico para o período inteiro, de 1909 a 1941, se bem que louváveis como esforço de

sistematização, dificilmente escapam a um certo grau de anacronismo e, eventualmente,

deslizam para uma caracterização que se aproxima excessivamente de algum dos pontos de

vista em disputa à época, em detrimento dos demais. O que nos traz a uma terceira

dificuldade. A circunstância de que a perspectiva nacional do problema era maciçamente

empregada pelos participantes do debate – rótulo que todos clamavam para si, mesmo em

contraposição uns aos outros – e a de que nos seus anos finais a solução configurada na CSN

desenhou-se sobretudo na oposição com uma empresa estrangeira, a Itabira Iron, obstruem a

visão daqueles que olham o debate em retrospecto, dificultando uma melhor apreciação da

multiplicidade de soluções que se apresentaram internamente, e do confronto entre elas. O

problema era brasileiro e os debates travaram-se dentro do país, a partir do ponto de vista

brasileiro, o único que gozava de real legitimidade. Contudo, se houvesse unidade de vistas

interna a respeito, seria incompreensível que a discussão tenha se arrastado por três décadas.

E justamente essa dimensão dialógica interna do debate ficou relegada a um papel quando

muito secundário na historiografia pelo privilégio conferido à oposição entre o nacional e o

estrangeiro, que derivou em boa medida de uma auto-representação daqueles que se saíram

vitoriosos dos embates ao seu término.

O alvitre de um tratamento exaustivo de um tal objeto é, a meu ver, quimérico. Visamos,

diferentemente, o seu tratamento numa densidade adequada, em busca de uma reconstrução

histórica capaz de, ao mesmo tempo, captar o encadeamento cronológico dos eventos e a

dialogia do debate, vale dizer, o seu nexo temporal e a sua estrutura interna na conjuntura.

Isso tem algumas implicações sobre a forma do trabalho, que decorre em boa medida dessa

tentativa, e cujo resultado parecerá talvez a alguns pesado, árido. Espero, entretanto, que o

conteúdo do trabalho e o olhar renovado sobre o tema compensem o leitor por seus esforços e

sacrifícios.

Para a realização desses objetivos, partimos, além das fontes primárias, de uma

historiografia já bastante extensa sobre o assunto. As repercussões do debate siderúrgico na

historiografia econômica e política do período são vastas. De fato, a siderurgia ocupa lugar

central em um número de debates clássicos na historiografia, tais como o sobre a formação e

consolidação do nacionalismo econômico no Brasil, o sobre o caráter da política industrial de

Getúlio Vargas que, por sua vez, é uma discussão sobre a natureza e o teor da Revolução de

13

1930, o sobre a participação do Estado brasileiro na economia, o sobre a influência dos

militares na orientação do país em direção à industrialização, entre outros. De forma que a

siderurgia e o debate sobre o problema siderúrgico nacional é um daqueles temas que possui

uma especial capilaridade na historiografia em geral, o que o dota desse enorme poder

simbólico que efetivamente possui, operando muitas vezes como ultima ratio de algumas

pedras angulares que sustentam a visão que temos sobre o período como um todo. O

mapeamento dessas repercussões e ramificações não faz parte dos objetivos desse trabalho.

Por outro lado, há também um volume significativo de trabalhos dedicados especificamente

ao tema, que o tomam de alguma forma como foco de suas atenções. É a esses trabalhos

sobretudo que nos voltamos aqui. Dentre esses, cabe destacar nessa introdução aqueles que, a

meu ver, o fizeram em maior grau de profundidade e sistematicidade.

Um dos primeiros a dedicar-se retrospectivamente à história do problema siderúrgico

nacional no Brasil foi Humberto Bastos, em seu A conquista siderúrgica no Brasil, de 1959.

Bastos era, na década de 1950, conselheiro no Conselho Nacional de Economia, que havia

sucedido institucionalmente o Conselho Federal de Comércio Exterior, órgão governamental

onde tiveram lugar os trabalhos, entre 1938 e 1939, que determinaram a solução do problema

siderúrgico nas linhas da CSN. O próprio Bastos definiu seu trabalho como sendo mais de

divulgação que de interpretação, visando, sem dúvida, resgatar o caráter exemplar do debate

siderúrgico para o seu próprio momento histórico. Como ele mesmo colocou a questão:

“Acredito que a formação de uma consciência nacional, no terreno econômico, não pode

sofrer solução de continuidade e a memorização dos fatos históricos ainda é o melhor modo

de fortalecer essa consciência” .11 Assim, o trabalho de Bastos, em sua forma, não adota

padrões propriamente acadêmicos. Em seu conteúdo, todavia, é em geral bastante consistente

e fundado em pesquisa extensa. Por exemplo, os principais processos sobre o problema

siderúrgico do Conselho Federal de Comércio Exterior, hoje guardados no Arquivo Nacional,

foram retirados para consulta na segunda metade da década de 1950 pelo então conselheiro.

Apesar disso, nem sempre as fontes do autor são plenamente rastreáveis em função da forma

pela qual o trabalho foi conduzido. Em todo caso, pelo seus objetivos, pelo seu escopo e pela

sua consistência, bem como pela repercussão que teve nos trabalhos posteriores, é um livro de

relevância para o tema.

Em 1964, foi publicada nos EUA uma biografia de Percival Farquhar, escrita por

Charles Gauld – The last titan: Percival Farquhar. American entrepreneur in Latin America.

Charles Gauld passara seis anos no Brasil como pesquisador freelance a partir de 1946. Ele

11. Bastos, A conquista siderúrgica, 4.

14

teve, nesse período, contato relativamente próximo com Farquhar, que faleceu em agosto de

1953. Gauld realizou uma série de entrevistas com Farquhar e recebeu sua autorização para

biografá-lo. Ademais, acabou sendo o responsável pela preservação do arquivo pessoal do

biografado. Parece-me que, até hoje, o trabalho de Gauld é a melhor via de acesso a um ponto

de vista específico nessa história, que é o de Farquhar. A sua centralidade nos eventos,

entretanto, como o representante da Itabira Iron no Brasil, torna essa perspectiva de grande

importância. E quando digo a perspectiva de Farquhar não quero dizer apenas a opinião e o

entendimento que ele fazia dos eventos, mas também o conjunto de documentos que ele

acumulou no exercício de suas funções atinentes ao assunto. Parece-me que Gauld conseguiu,

até pela introjeção de uma perspectiva similar, retratar a profunda incompreensão de Farquhar

sobre os desastres que sucessivamente o atingiram e o desenvolvimento de uma visão em boa

medida preconceituosa sobre o Brasil e de um curioso sentimento de superioridade resultantes

da tentativa de racionalizar os eventos. De qualquer forma, o trabalho de Gauld é muito

relevante como representante dessa perspectiva específica e como fonte de informação, como

tentativa de sistematização de um conjunto documental correspondentemente específico que,

embora esteja também diretamente disponível, tem o seu acesso facilitado por ele. Ademais, o

trabalho teve outras repercussões na historiografia, dado que essa perspectiva de Farquhar foi

em alguma medida absorvida, posto que despersonalizada, por outros historiadores norte-

americanos.

Entre eles John Wirth que, em sua tese de doutorado apresentada em 1966, e publicada

em 1970 – sob o título The politics of Brazilian development, 1930-1954 – dedicou-se

extensamente ao problema siderúrgico como um dos três grandes estudos de caso – ao lado da

política comercial e da questão do petróleo – que costuravam a sua visão geral sobre o

período. O trabalho de Wirth é importante não apenas por lastrear-se em ampla e competente

pesquisa de fontes primárias, mas também por ser o primeiro de cunho propriamente

acadêmico que procurou obter uma visão sobre os debates em torno do problema siderúrgico

como um todo e que os tomou como um objeto específico. Por conta disso, é um trabalho que

acabou tendo bastante influência na historiografia subsequente sobre o tema. A periodização

de Wirth tem um nome: Vargas. E um dos grandes temas do autor é a emergência e a

configuração de um nacionalismo de cunho econômico ao longo desse período, o nacional

desenvolvimentismo, que conferia uma orientação geral à política governamental, em direção

à industrialização. Wirth dá, de fato, atenção a tensões políticas diversas que incidiam sobre o

problema siderúrgico. No entanto, se as disputas internas ao Brasil são reconstruídas por ele

em bom nível de detalhe, elas não cumprem papel analítico bem definido, exceto quando

15

intermediadas pelo conceito de nacionalismo. O seu tema mais geral e a sua periodização

conduzem-no a um foco interpretativo situado na oposição entre Farquhar e as forças

nacionalistas no período até 1937 e nas negociações internacionais no período do Estado

Novo, vale dizer, no eixo nacional-estrangeiro. Em todo caso, sem dúvida é um trabalho de

razoável consistência e bastante importância sobre o tema.

Werner Baer publicou em 1969 o seu The development of the Brazilian steel industry

fazendo uma ampla reconstrução do desenvolvimento do setor siderúrgico no Brasil até

meados da década de 1960. Esse seu livro é referência relativamente frequente sobre o debate

siderúrgico e, embora o aborde de forma relativamente importante, a sua principal

contribuição não está aí, mas na história do desenvolvimento setor propriamente dita, com

certa ênfase para o período pós-1930 e numa avaliação quantitativa e qualitativa do setor na

década de 1960, da sua importância para o resto da economia e das possibilidades abertas a

ele. No que diz respeito ao debate siderúrgico que precedeu a criação da CSN ele se baseou

pesadamente, e explicitamente, na tese de John Wirth, a que acabamos de nos referir. No

entanto, Baer procura dar explicações para o porquê o setor desenvolvera-se da forma em que

se dera e, assim, inevitavelmente, a CSN opera como um eixo fundamental dos seus

argumentos e do seu trabalho. De forma que ele toma o problema siderúrgico nacional como

praticamente sinônimo da “criação de uma indústria [siderúrgica] doméstica em grande

escala”12. Essa presunção de identidade entre o “problema siderúrgico nacional” e a “grande

siderurgia” é, aliás, em maior ou menor grau, bastante disseminada na historiografia, o livro

de Baer é só uma manifestação especialmente clara dela. Ao longo deste trabalho, eu espero

que o leitor venha a perceber como uma tal associação pode ser restritiva para a compreensão

adequada do objeto de estudo em questão.

Por ocasião das comemorações do sesquicentenário da Independência, o general

Edmundo de Macedo Soares e Silva foi convidado para escrever um livro sobre a história da

siderurgia no Brasil. O resultado foi o seu O Ferro na história e na economia do Brasil, de

1972. Edmundo de Macedo Soares e Silva havia sido uma figura absolutamente central do

processo de criação da CSN, militando em favor de uma solução naquela direção a partir de

1938 e participando intensamente tanto das negociações prévias nos EUA para a obtenção do

financiamento quanto das especificações técnicas preliminares da usina, do projeto, da

construção e da administração da usina em seus anos iniciais. Antes disso ele atuara na

Comissão Nacional de Siderurgia no Ministério da Guerra, entre 1931 e 1933. Depois da

criação da CSN ele continuou a gozar de enorme influência no setor siderúrgico como um

12. Baer, Brazilian steel industry, 57. A citação é desse local, mas a associação entre os termos é recorrente.

16

todo. Eventualmente ele presidiu a própria CSN, foi do conselho da Cia. Siderúrgica Belgo-

Mineira, presidiu também o processo de implantação da COSIPA no final dos anos 1950 e

início dos 1960, bem como foi o responsável pela remodelação da ACESITA entre 1953 e

1957, após a morte de Farquhar. Seu livro é, assim, uma expressão dessa sua experiência e

conhecimento acumulados e reflete a posição que ocupou nos eventos, com as qualidades e

problemas que daí decorrem. Ou seja, neste livro, e em muitos outros artigos sobre o tema que

ele publicou ao longo dos anos, temos, tanto quanto isso é possível, uma visão “oficial” e de

dentro dos eventos. Não apenas isso, essa sua centralidade fez dele também uma espécie de

memória viva dessa história, sobretudo no período pós-1930, não apenas a sua memória

pessoal, mas também como atrator e acumulador de documentação atinente. Seu arquivo

pessoal, hoje sob a guarda do CPDOC-FGV, é uma fonte fundamental sobre o assunto.

Individualmente tomado, até onde eu conheço, é o acervo documental mais denso sobre a

história da siderurgia no Brasil de que dispomos.

Um outro trabalho relevante sobre o nosso tema é o de Donald Rady, Volta Redonda: a

steel mill comes to a Brazilian coffee plantation, de 1973. Apesar de, como o título diz, o foco

do autor ser a Companhia Siderúrgica Nacional e a sua história, ele dedica três capítulos aos

seus antecedentes históricos, por assim dizer. Seu ponto de vista é, mais uma vez, dado pelo

período Vargas e pela CSN. Em suas próprias palavras, “Os repetidos fracassos e poucos

sucessos do Brasil em manufaturar metais ferrosos antes da era Vargas constituem o prelúdio

a Volta Redonda [...]” .13 Mesmo descontado o floreio introdutório da frase, essa é de fato a

perspectiva que a sua reconstrução em geral adota. A despeito de um tom que por vezes beira

o apologético, o trabalho é baseado em extensa pesquisa de fontes primárias o que o torna

uma boa fonte de informações, trazendo uma contribuição especialmente substantiva no que

diz respeito às negociações internacionais que precederam a criação da CSN.

Luciano Martins, em sua influente tese de doutorado – Pouvoir et développement

économique: formation et évolution des structures politiques au Brésil – publicada em 1976,

também dedicou-se aos debates e conflitos em torno do problema siderúrgico nacional na

forma de um estudo de caso. Apesar da amplitude do escopo geral do trabalho, a reconstrução

histórica do autor sobre o debate siderúrgico, especificamente, rivaliza com os melhores

trabalhos no que diz respeito à base de informação mobilizada, é factualmente muito acurada

e destaca-se por sua profundidade e por seu rigor analíticos.

Por fim, Francisco Gomes publicou em 1983 a sua História da siderurgia no Brasil. O

trabalho de Gomes é sobretudo relevante pelo resgate que faz da importância da siderurgia a

13. Rady, Volta Redonda, 61.

17

carvão vegetal, não apenas como a base do setor produtivo até a criação da CSN mas também

como alternativa concreta no debate siderúrgico. A meu ver, ele é o melhor representante da

perspectiva mineira na historiografia sobre o debate siderúrgico, sendo, por isso, fundamental

para compor os diferentes pontos de vista em atuação no debate à época, como veremos ao

longo do trabalho. Nesse sentido, o livro de Gomes, dentre esses aqui mencionados, é talvez o

melhor balanceado no que diz respeito aos contrapontos políticos internos que estruturavam

os conflitos e, por isso, certos episódios bastante significativos e importantes no curso dos

eventos só ganham algum destaque em suas mãos, como, por exemplo, as intervenções de

Labouriau a partir de 1924 e a reação mineira às tentativas de criação de uma usina no Rio de

Janeiro em 1938 e 1939, que resultariam na criação da CSN.

Além desses trabalhos aqui destacados, muitos outros dedicaram-se ao assunto como

aspecto secundário de suas pesquisas, ou então em intervenções de menor escopo que essas,

que ainda assim agregam ao esforço coletivo. Assim, é partindo de uma historiografia já bem

constituída sobre o tema que enfrentaremos o problema de pesquisa aqui proposto. Contudo,

como mencionamos acima, do ponto de vista desta tese, vemos espaço para um reexame dos

conflitos e debates em torno do problema siderúrgico durante a Primeira República em sua

própria dinâmica e estrutura, num contexto político distinto daquele que viria a presidir a

solução do problema mais de uma década mais tarde e que, até hoje, orienta a visão que temos

do debate como um todo.

II.

O

desenvolvimento do setor siderúrgico até 1940

Em que pese a existência de diversas tentativas de produzir ferro localmente tanto no

período colonial quanto durante o Império, por motivos vários tais iniciativas, cada uma a seu

tempo, malograram e a siderurgia brasileira ingressou no século XX com muito pouca

expressão prática.1 A fábrica de ferro São João de Ipanema, que havia sido reativada em

meados da década de 1860 pelo governo imperial, em recorrentes dificuldades, fora fechada

em 1895.2 As estimativas existentes para a produção anual de ferro na virada do século não

ultrapassam as 4.000 t,3 cifra não muito significativa frente às importações de ferro e aço, que,

em 1901, foram de mais de 63.000 t. A produção de aço e a laminação eram inexistentes.

Ademais, embora a produção doméstica não tenha crescido muito ao longo da década de

1900, a importação de ferro e aço expandiu-se significativamente, atingindo mais de 500 mil t

em 1913, passando, no mesmo período, de 2,74% do valor das importações totais para 8,24%.

Os coeficientes de importação em quantidade para a década situavam-se em torno dos 99%.4

1. “Assim, encontrou a República a produção siderúrgica nacional praticamente no marco inicial, mas com

experiências valiosas adquiridas após esforços consideráveis e custosos para implantar a indústria, onde

parecia impossível.” (Silva, O Ferro na história e na economia, 48). Além das “valiosas experiências”, vale

porém anotar a criação da Escola de Minas de Ouro Preto, em 1876, por onde passaram diversas figuras

importantes para o setor e que foram responsáveis por muitos dos levantamentos das reservas minerais do

Brasil, tornando-as melhor conhecidas, e por muitas das iniciativas siderúrgicas ao longo do período em

exame (Silva, O Ferro na história e na economia, 33; Oliveira, Industria siderurgica, 60-1; Santos, O

Problema do trabalho, 174).

2. Silva, O Ferro na história e na economia, 48. Ipanema, “Além de peças fundidas, refinava gusa e obtinha aço

forjável, tendo em mira a fabricação de peças para máquinas. Atingiu a ½ tonelada por dia.” Um novo alto-

forno chegou a ser construído no período mas não chegou a ser aceso (Silva, O Ferro na história e na

economia, 37). Mais tarde, a fábrica voltaria a ser, ainda outra vez, reativada (Carvalho, Brasil, potencia

mundial, 166-70).

3. Sendo 2.000 t de ferro-gusa, e outras 2.000 t de ferro forjado em aproximadamente 70 pequenas forjas

espalhadas em Minas Gerais, segundo a estimativa de Humberto Bastos (Bastos, A conquista siderúrgica, 71,

cf. porém Baer, Brazilian steel industry, 56; Martins, Pouvoir et développement économique, 165-66; e Rady,

Volta Redonda, 76). Edmundo de Macedo Soares e Silva já havia feito estimativa praticamente idêntica à de

Bastos, assumia contudo que eram em torno de 100 as forjas existentes em MG (Silva, “Volta Redonda”, 7).

Até onde pude averiguar, entretanto, o único alto-forno em operação naquele momento era o da Usina

Esperança. Estatísticas de produção da Usina Esperança para o período de 1899 a 1916 foram publicadas por

Elysio de Carvalho, que nos dá a cifra de 756 t de gusa para 1900 (Carvalho, Brasil, potencia mundial, 173-

4). Ao que tudo indica, a fonte para a estimativa de Bastos é Alpheu Diniz Gonsalves que, após mencionar não

ter obtido dados precisos para o período, conclui: “Contudo, podemos estimar uma producção annual de duas

mil toneladas, para os annos comprehendidos entre 1890 e 1914.” (Gonsalves, O ferro na economia nacional,

43). Uma melhor estimativa, portanto, situaria a produção na virada do século em menos de 3.000 t.

4. Veja as tabelas VIII.6, VIII.10 e VIII.12, págs. 211, 215 e 219, no Apêndice estatístico.

20

Assim, ajustava-se bem ao tom do momento a circunstância da maior produtora existente ser a

Usina Esperança.5