O rouxinol por Hans Christian Andersen - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
index-1_1.jpg

1

index-2_1.jpg

index-2_2.png

index-2_3.png

Apoio:

Patrocínio:

Realização:

2

O ROUXINOL

Hans Christian Andersen

3

Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875. Autor de inúmeros contos infanto-juvenis, traduzido por todo o mundo. Considerado por muitos com o pai da Literatura Infanto-Juvenil. Temos aqui uma seleção de seus melhores contos.

4

O ROUXINOL

COMO todos sabem, na China o Imperador é chinês, assim como são chineses todos aqueles que o rodei-am. Passaram-se muitos anos desde que aconteceu o que vou lhes contar, mas esta é mais uma razão para narrar a estória, a fim de que não seja esquecida.

0 palácio do Imperador era considerado a coisa mais bela do mundo inteiro; era todo feito com a porcelana mais fina, mais cara, mas ao mesmo tempo tão frágil, que só se poderia tocá-la com o maior cuidado.

5

No jardim existiam as flores mais extraordinárias; as mais bonitas tinham campainhas de prata presas nela, as quais repicavam continuamente, de maneira que era impossível passar por perto das flores sem fitá-

las.

Até os mínimos detalhes do jardim tinham sido dis-postos com e, que o muita habilidade e ele era tão grande próprio jardineiro não sabia onde ele termina-va.

Depois de muito caminhar pelo jardim, chegava-se a um grande bosque, onde havia árvores majestosas e lagos profundos. 0 bosque se estendia ate o mar, que era azul e profundo, permitindo que os barcos nave-gassem próximo à margem, por debaixo das árvores.

No meio destas vivia um rouxinol que cantava de maneira tão deliciosa, que até os pobres pescadores, ocupados em outras tantas coisas, se detinham para ouvi-lo, quando, à noite, cuidavam de suas redes re-pletas de peixe.

- Céus! Que coisa tão linda! - exclamavam.

Mas logo tinham que voltar ao trabalho e acabavam se esquecendo novamente do passarinho. E quando na noite seguinte o ouviam outra vez, soltavam a mesma exclamação.

Os viajantes que chegavam à corte do Imperador, vindos de todos os países do mundo, admiravam tudo 6

maravilhados, especialmente o palácio e os jardins, mas quando ouviam o rouxinol, diziam:

- Isto é o melhor de tudo quanto vimos e ouvimos.

Ao chegarem aos seus países descreviam tudo. Os mais instruídos escreviam muitos livros a respeito da capital, do palácio e do jardim, mas ninguém se es-quecia do rouxinol, que sempre colocavam acima do restante.

Os viajantes, que eram poetas, escreviam os mais lindos poemas, todos a respeito do rouxinol que habi-tava no bosque que ficava ao lado do mar profundo.

Esses livros se espalharam pelo mundo inteiro e, depois de algum tempo, chegaram até o Imperador. Este sentou-se em seu trono de ouro e lia muito, inclinan-do a cabeça, entretido e feliz em ler todas aquelas maravilhosas descrições da sua capital, do palácio e do jardim. Mas o rouxinol é o melhor de todos, leu ele.

- Que significa isso? - inquiriu o Imperador, - 0 rouxinol? Não conheço nada a respeito dele. Existe um tal pássaro em meu reino e eu nunca ouvi falar nele. E

extraordinário que eu me tenha inteirado a respeito por meio de um livro.

Chamou imediatamente o primeiro mordomo, um per-sonagem tão importante, que quando um inferior queria falar com ele e lhe fazia uma pergunta, ele se limitava a responder P, o que não significava nada 7

em absoluto.

Dizem que aqui existe um pássaro maravilhoso, cha-mado rouxinol; - e garantem que é o que de melhor existe em todo o meu reino. Como se explica que eu nunca tenha ouvido falar nele?

- Também nunca ouvi falar - respondeu o primeiro mordomo; - nunca foi apresentado na corte.

- Desejo que seja trazido para cá esta mesma noite, para que cante na minha presença - disse o Imperador.

- Todos sabem que possuo esse pássaro, e eu, em troca, não sei de nada sobre ele.

- Nunca ouvi falar nele - respondeu o primeiro mordomo

-. Mas vou procurá-lo e o encontrarei.

Todavia, onde poderia encontrar-se? 0 mordomo co-meçou a subir e a descer escadas, a entrar e sair de habitações e a caminhar por corredores e ruas. Ninguém ouvira falar no rouxinol.

Em vista disso, o mordomo apresentou-se novamente ao Imperador, para dizer-lhe que aquilo devia ser um mito, inventado pelos autores dos livros.

- Vossa Majestade imperial não deve acreditar em tudo o que se escreve; geralmente os livros não pas-sam de invenções, quando não pertencem ao que denominamos de magia negra.

8

- Mas o livro que li me foi enviado pelo poderoso Imperador do Japão, de forma que não pode mentir. Quero ouvir esse rouxinol e insisto em que seja trazido para cá esta mesma noite. Dar-lhe-ei a minha graciosa proteção e se ele não estiver aqui esta noite, depois do jantar, mandarei chicotear todos os indivíduos da corte.

- Tsing-pe! - exclamou o enfático mordomo.

E novamente percorreu toda a cidade, examinando casas e ruas e caminhando para lá e para cá; quase a metade dos cortesãos o acompanhava, porque nenhum gostava da idéia de ser açoitado.

Fizeram muitas perguntas a respeito do rouxinol, co-nhecido por todas as pessoas que moravam fora do palácio, mas que na corte ninguém conhecia. Finalmente, na cozinha, encontraram uma pobre menina, que, ao ser interrogada, respondeu.

- Oh! 0 rouxinol? Conheço-o muito bem. Sim, é verdade que canta maravilhosamente bem. Todas as noites me permitem que leve um pouco da carne que sobra à minha ame, que está enferma. Ela vive a pouca distância da praia.

E, ao regressar, quando estou muito cansada, descan-so um pouco no bosque e então posso ouvir o rouxinol. Seu canto faz virem as lágrimas aos meus olhos e tenho a impressão de que minha mãe me beija.

9

- Pequena ajudante de cozinha disse o primeiro mordomo, - obterei para você um emprego permanen-te na cozinha e lhe darei permissão para que vá cear com o Imperador, se nos levar até onde se encontra o rouxinol. Ele tem ordens de se apresentar esta noite na corte.

Dirigiram-se todos para o bosque, na direção do lugar onde o rouxinol costumava cantar. Quase a metade dos cortesãos tomava parte na excursão. E, enquanto andavam com toda a pressa possível, uma vaca co-meçou a mugir.

- Oh! - exclamou um jovem cortesão. Aqui o temos!

Que voz tão poderosa para um animal tão pequeno!

Mas eu já a ouvi.

- Não, isso é uma vaca que muge. Ainda estamos longe do lugar em que canta o rouxinol, - respondeu a menina.

Então algumas rãs começaram a coaxar.

- E muito lindo! - exclamou o capelão chinês. - Parece-se com o toque do campanário da igreja.

- Não, essas são as rãs - replicou a menina- - Mas me parece que não tardaremos a ouvi-lo.

Então o rouxinol começou a cantar.

- Aí está! - disse a menina. - Ouçam!

10

E apontou para um pássaro cinzento que estava pou-sado num galho.

- Será possível? - exclamou o primeiro mordomo. -

Nunca o teria imaginado assim. Que aspecto vulgar!

Talvez, ao ver tanta gente distinta, esteja assustado e tenha perdido as suas lindas cores.

- Pequeno rouxinol - disse a menina em voz alta, -

nosso gracioso Imperador deseja ouvi-lo cantar.

- Com muito prazer - replicou o rouxinol, gorjeando de modo delicioso.

- Parece o tilintar de umas campainhas de cristal -

observou o primeiro mordomo. - Vejam como se move ao cantar. E estranho que até agora não tenhamos ouvido falar nele. Estou certo de que alcançará um êxito estrondoso na corte.

- Quereis que cante novamente para o Imperador? -

perguntou o rouxinol, pensando que este se achava entre os presentes.

- Meu gracioso e pequeno rouxinol - disse o primeiro mordomo, - tenho a honra de ordenar-lhe que compa-reça esta noite na corte, a fim de tomar parte na festa que foi preparada para que você, com seu canto fas-cinante, maravilhe a sua graciosa majestade o Imperador.

Meu canto soa melhor entre as árvores - replicou o rouxinol.

11

De qualquer forma, acompanhou-os de boa vontade ao inteirar-se dos desejos do Imperador.

0 palácio fora extraordinariamente iluminado em aten-

ção à festa. As paredes e os assoalhos, que eram de porcelana, brilhavam à luz de muitos milhares de lâm-padas de ouro.

As mais lindas flores, todas com suas campainhas, estavam artisticamente dispostas nas passagens; havia um grande movimento de servidores e convidados de um lado para outro e uma forte corrente de ar, cuja finalidade era fazer soar as campainhas, de maneira a que todos os ouvidos se enchessem com seu som harmonioso.

No centro da grande sala de recepção sentava-se o Imperador e fora colocado um poleiro de ouro, para que nele se acomodasse o rouxinol.

Toda a corte ali estava reunida e a pequena ajudante de cozinha teve permissão para ficar atrás de uma porta, pois estava vestida de cozinheira.

Todos vestiam seus melhores trajes de gala e os olhos dos convidados fitavam o pequeno pássaro cinzento, saudando o Imperador com uma inclinação de cabeça.

0 rouxinol cantava de um modo delicioso; as lágrimas assomaram aos olhos do Imperador e começaram a rolar.

12

Então o rouxinol cantou de uma maneira ainda mais bela e harmoniosa e as notas de seu canto comove-ram todos os corações.

0 Imperador estava encantado e disse que o rouxinol receberia o sapinho de ouro, para que o levasse em torno do pescoço.

Mas o rouxinol agradeceu a distinção recusando-se e dizendo já se considerar suficientemente recompen-sado.

E cantou novamente de maneira celestial.

- Foi o canto mais maravilhoso que já ouvi em toda a minha vida - diziam as damas e todos os cortesãos.

E algumas delas encheram a boca com água, tentan-do imitar os gorjeios do passarinho, quando alguém lhes fazia uma pergunta.

Até os lacaios e os camaristas do Imperador deram a entender que estavam muito satisfeitos, o que é muito importante, porque são pessoas difíceis de contentar.

Sim, realmente o rouxinol obtivera um ruidoso suces-so.

Dai por diante deveria viver no palácio, teria uma gaiola, assim como a devida liberdade para dar seus passeios tanto durante o dia quanto à noite.

Era sempre seguido por doze lacaios, cada um dos quais segurava uma fita que estava atada ao seu 13

pezinho. Pode-se perceber que esses passeios não tinham nada de agradável.

Todos os habitantes da capital falavam no pássaro maravilhoso e quando duas pessoas se encontravam, uma dizia à outra:

- Rou...

E a outra respondia:

- . . . xinol.

E suspiravam, entendendo-se muito bem. Onze filhos de outros tantos vendedores de queijo receberam o nome de Rouxinol, mas nenhum deles possuía a voz maviosa do pássaro.

Um dia chegou às mãos do Imperador um grande embrulho. Dentro estava escrito: Rouxinol.

- Aqui temos outro livro a respeito deste celebrado pássaro - disse o Imperador.

Mas não era um livro, mas uma pequena obra de arte numa caixa, um rouxinol artificial, exatamente igual ao vivo, mas recoberto de diamantes, rubis e safiras.

E quando se deu corda ao pássaro mecânico, este cantou uma ou duas canções iguais às que eram ento-adas pelo rouxinol verdadeiro; ao mesmo tempo agi-tava a cauda, que resplandecia por ser de prata e ouro. Em volta do pescoço levava uma fita, na qual estava escrito:

14

0 rouxinol do Imperador do Japão é muito pobre, em comparação com o do Imperador da China.

- Que lindo! - exclamavam todos extasiados.

Quanto à pessoa que levara o pássaro à corte recebeu o título de Introdutor em Chefe dos Rouxinóis Impe-riais.

- Agora será preciso que cantem juntos. Será um duo maravilhoso.

Realmente, fizeram-nos cantar juntos, mas o resulta-do não poderia ser pior. Cada um dos rouxinóis cantava por sua conta, isto é, o verdadeiro criava a todo instante novas harmonias, enquanto que o outro só repetia as duas únicas canções que podia entoar e que eram em tempo de valsa.

- Este não tem culpa alguma - observou o mestre de música da corte; - canta perfeitamente no compasso e respeita todas as regras musicais.

Logo depois o pássaro artificial teve que cantar sozi-nho. Alcançou tanto êxito quanto o verdadeiro e ainda tinha a vantagem de ser mais bonito, pois resplandecia de modo extraordinário.

Cantou a mesma canção trinta e três vezes e não se cansou. Todos o ouviram desde o começo, até que o Imperador declarou ter chegado a vez do rouxinol verdadeiro.

15

Mas, onde estava ele? Ninguém reparara quando ele saíra pela janela aberta em direção ao bosque.

- Que significa isso? - perguntou o Imperador.

Todos os cortesãos se manifestaram escandalizados e declararam ser o pássaro muito ingrato.

- De qualquer forma, ficamos com o melhor - disseram todos.

E o rouxinol artificial teve de cantar novamente e, embora fosse a trigésima quarta vez, ninguém apren-dera a melodia, pois esta era realmente difícil.

0 mestre de música louvou extraordinariamente o rouxinol artificial e insistiu em dizer que era melhor que o verdadeiro, não só em seu aspecto exterior, por cau-sa das pedras e dos metais preciosos, como também por dentro.

- Porque devem levar em conta, senhoras e senhores, e, antes de todos o Imperador, que com o verdadeiro rouxinol jamais se sabe o que vai ouvir, ao passo que com o artificial isso está de antemão decidido.

Assim é e assim será, porque não pode ser de outra maneira. Aqui se podem explicar as coisas, é possível abrir o pássaro e demonstrar o engenho humano ao dispor as valsas; pode-se ver como funciona o engenho e de que maneira uma nota se segue à outra.

- Essa é exatamente a nossa opinião responderam todos em coro.

16

0 mestre de música teve licença para mostrar a todo mundo, no domingo seguinte, o pássaro maravilhoso.

Também, na opinião do Imperador, poderiam ouvi-lo cantar. Realmente, todos o viram e ouviram e todos se entusiasmaram, como se estivessem embriagados de chá, pois todos sabem que esse é o costume chinês.

Exclamaram admirados, apontaram-no com o dedo e inclinaram as cabeças. Mas os pobres pescadores que ouviram o verdadeiro rouxinol, disseram:

- Este canta muito bem e se parece extremamente com o verdadeiro, mas falta-lhe algo, embora não saibamos o que seja.

E o verdadeiro rouxinol foi desterrado do reino.

0 pássaro artificial tinha para seu uso uma almofada de seda, junto à cama do Imperador; todos os presentes de ouro e pedras preciosas que recebera estavam espalhados em sua volta.

Recebera o título de Cantor Imperial em Chefe do Dormitório com lugar de primeira classe à esquerda; porque o Imperador afirmava que o lado preferido era o do coração.

E todos sabem que os Imperadores , como todos, possuem o coração do lado esquerdo.

0 mestre de música escreveu vinte e cinco volumes 17

acerca do pássaro artificial; o tratado era muito ex-tenso e estava escrito nos caracteres chineses mais difíceis.

Todos afirmavam terem lido e entendido a obra, porque, se assim não fosse, seriam considerados estúpi-dos, e em tal caso, teriam seus corpos açoitados.

E tudo continuou assim durante o espaço de um ano.

0 Imperador, a corte e todos os demais chineses co-nheciam perfeitamente os trinados e gorjeios do pássaro artificial; todavia, justamente por isso eles gostavam ainda mais, porque podiam acompanhá-lo em seu canto.

E até as crianças na rua cantavam zizizi e chichichi.

0 próprio Imperador, sem se dar conta, fazia o mesmo que os demais.

Uma noite, porém, quando o rouxinol estava cantando cada vez melhor e o Imperador, estendido na cama o ouvia, algo no interior do pássaro produziu um chi-ado. Uma das molas saltou e todas as rodas do mecanismo pararam em seco.

0 Imperador levantou-se de um salto e mandou bus-car todos os seus médicos particulares, mas, que podiam eles fazer?

Chamaram um relojoeiro, o qual, depois de muito falar e examinar, conseguiu reparar a avaria, recolocando todas as peças do mecanismo em seu devido lugar; no entanto, avisou que, daí por diante, seria preciso 18

abster-se o mais possível de fazer o mecanismo fun-cionar, porque estava muito gasto e não se poderia renovar algumas peças sem alterar o canto do pássaro.

Esse foi um golpe terrível! Só se atreviam a fazer o rouxinol cantar uma vez por ano e assim mesmo tinham medo de fazê-lo.

Mas o mestre de música fez um pequeno discurso, usando as palavras mais difíceis que encontrou. E disse que o pássaro continuava tão bom como sempre e todos acreditaram.

Passaram-se cinco anos e, de repente, um grande pesar caiu sobre a nação inteira, pois todos gostavam muito do seu Imperador e este estava muito doente e não poderia sobreviver, conforme o que diziam os médicos. Elegeu-se um novo Imperador e o povo aglome-rou-se nas ruas.

E ao ver aparecer o primeiro mordomo, alguns lhe perguntaram sobre o estado de saúde do monarca.

- P - respondeu tristemente, balançando a cabeça.

0 Imperador jazia pálido e frio em seu magnífico leito.

Os cortesãos pensaram que ele morrera e foram todos oferecer seus respeitos ao novo Imperador. Os lacaios andavam de um lado para o outro atarefados e as camareiras celebraram o acontecimento reunindo-se para tomar café.

19

Colocaram no chão longos pedaços de passadeira, com o fim de amortecer os ruídos, de maneira que no pa-lácio reinava um silêncio absoluto.

Mas o Imperador ainda não morrera. Estava estendido, enfraquecido e pálido, na sua cama luxuosa in-crustada de ouro. Sobre ela havia uma janela aberta e os raios da lua vieram iluminar o Imperador e o rouxinol artificial que estava ao seu lado.

E o pobre Imperador apenas podia respirar; parecia-lhe carregar um peso no peito. Abriu os olhos e viu que a Morte estava sentada em cima dele e que usava a sua coroa de ouro.

Com uma das mãos empunhava a espada dourada do Imperador e com a outra sustentava o estandarte imperial.

Em volta do leito e por entre as cortinas de tecido precioso muitos rostos curiosos o fitavam, alguns horríveis e outros amáveis e aprazíveis. Eram as ações boas e más do Imperador, que, no momento em que a morte queria levá-lo, fitavam-no cara a cara.

- Lembra-se disto? - murmuravam uma atrás da outra.

- Recorda-se daquilo?

E lhe diziam tantas e tais coisas, que o rosto do en-fermo se enchia de suor.

- Nunca soube disso - replicava o Imperador. - Música!

20

Música! Que soem os grandes tambores chineses! -

exclamou. - Assim não ouvirei o que dizem. Mas aqueles rostos continuaram falando e a Morte às vezes baixava a cabeça, exatamente como fazem os chineses para confirmar o que lhe dizem.

- Música! Música! - repetiu o Imperador. - Você, precioso rouxinol de ouro, cante, cante! Enchi-o de pedras preciosas e fiz com que levasse ao pescoço o meu sapatinho de ouro.

Ordeno-lhe, pois, que cante, a fim de levar-lhe ânimo, consolo e esperança. E, à medida que ia cantando, empalideciam e desapareciam por momentos os rostos que rodeavam o leito do Imperador; o sangue circulava com mais vigor no corpo deste, reanimando-o e dando maior movimento aos seus membros.

E até a Morte, ouvindo enlevada a canção, disse:

- Continue, pequeno cantor. Continue.

Mas o pássaro continuou silencioso, pois não havia ninguém que lhe desse corda, e, como era natural, não podia cantar.

A Morte continuava fitando o moribundo com o vazio de seus olhos e tudo o mais no palácio estava silencioso, terrivelmente silencioso.

Subitamente, a curta distância da janela, ouviu-se um formosa canto; era o rouxinol vivo, que pousara no ramo de uma árvore que crescia em frente à janela.

21

Soubera do estado e do desejo do Imperador e acudi-ra imediata-

- Continuarei se me der essa magnífica espada; con-tinuarei cantando se você me entregar o estandarte imperial e, finalmente, a coroa do imperador.

A Morte entregou essas três coisas em troca de uma canção e o rouxinol continuou emitindo as suas maviosas notas.

Cantou acerca do aprazível cemitério quando as rosas florescem, onde as já desabrochadas perfumam o ambiente e onde a fresca erva sempre se vá vivificada pelas lágrimas dos que choram pelos mortos.

A canção inspirou na Morte o desejo de ver novamente o seu próprio jardim e como névoa cinzenta e ame-açadora, saiu voando pela janela.

- Obrigado, oh, muito obrigado! exclamou o Imperador.

- Eu o conheço, passarinho celestial! Desterrei-o de meu império, e, no entanto, você veio afastar de meu leito a Morte e as sinistras visões e com suas canções conseguiu afastar também a Morte que reinava em meu coração. Como poderei recompensá-lo?

- Já me recompensastes - respondeu o rouxinol. - Fiz que viessem lágrimas aos vossos olhos e nunca o esquecerei. Estas são as pedras preciosas que ale-gram o coração de um artista. Agora dormi para que 22

desperteis são e forte. Enquanto isso, eu cantarei.

Realmente, começou a cantar, ao passo que o Imperador se entregava a um sono reparador.

E o sol brilhava na janela quando ele despertou, refeito de todo. Nenhum de seus servidores estava ao seu lado, pois todos já o acreditavam morto, mas o rouxinol. continuava cantando.

- De hoje em diante você sempre ficará ao meu lado -

disse o Imperador- - Cantará somente quando quiser e eu quebrarei em mil pedaços o rouxinol artificial.

- Não faça tal coisa - disse o rouxinol. - Esse pássaro artificial fez tudo o que lhe era possível. Guardai-o pois, tal como está agora. Não posso fazer meu ninho nem viver neste palácio, porém, permita que eu ve-nha quando me parecer melhor e então eu pousarei neste ramo e cantarei para vós.

E cantarei também para fazê-lo refletir; cantarei sobre os que são felizes e os que sofrem; cantarei sobre o bem e o mal, que estão ocultos aos vossos olhos.

Os pássaros como eu voam por todo lado, até a mo-rada do camponês e a do pescador e mesmo daqueles que moram muito longe de vossa corte.

Prefiro vosso coração a esta coroa, embora também haja em volta desta uma aura de santidade. Voltarei sempre e cantarei para vós. Mas antes é preciso que me prometais uma coisa.

23

- Tudo o que você quiser! - replicou o Imperador, que já estava vestido com seu traje imperial e que empunhava em frente ao coração a espada imperial de ouro, adornada de pedras preciosas.

- Só vos peço uma coisa. Não digais a ninguém que tendes um passarinho que vos conta tudo. Será muito melhor assim.

E dizendo isso, o rouxinol foi embora voando. Os cortesãos e os criados acorreram a ver o Imperador, que já supunham morto e encontraram-no de pé, dando-lhes as boas vindas.

FIM

Copyright © 2000, virtualbooks.com.br Todos os direitos reservados a Editora Virtual Books Online M&M Editores Ltda. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunica-

ção, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Editora.

24

Você pode estar interessado...

  • Pequenos Delitos E Outras Crônicas
    Pequenos Delitos E Outras Crônicas Literatura Infantil por Walyr C
    Pequenos Delitos E Outras Crônicas
    Pequenos Delitos E Outras Crônicas

    Downloads:
    82

    Publicado:
    Feb 2018

    Os textos de Walcyr Carrasco são retratos rápidos, fotografias instantâneas da metrópole e de seus personagens. Cada crônica é uma nova revelação: ou mostra f...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • Introducão à Literatura Fantástica
    Introducão à Literatura Fantástica Literatura Infantil por T.Todorow
    Introducão à Literatura Fantástica
    Introducão à Literatura Fantástica

    Downloads:
    72

    Publicado:
    Oct 2017

    Partindo de uma revisão da Teoria dos Gêneros, o autor transporta o leitor ao âmago do fantástico, definindo-o pelo preenchimento de três condições – uma, lig...

    Formatos: PDF

  • Literatura Infantil - Duas Histórias
    Literatura Infantil - Duas Histórias Literatura Infantil por Marco Antonio Okuma
    Literatura Infantil - Duas Histórias
    Literatura Infantil - Duas Histórias

    Downloads:
    116

    Páginas:
    103

    Publicado:
    Sep 2017

    São duas histórias que não utiliza termos como, computador, internet, whatsapp, celulares, etc. Não se trata de histórias vividas em épocas de “1800 e bolinha...

    Formatos: PDF, TXT

  • Guerra Dos Dois Mundos
    Guerra Dos Dois Mundos Contos por Luc Benson
    Guerra Dos Dois Mundos
    Guerra Dos Dois Mundos

    Downloads:
    82

    Publicado:
    Jun 2017

    É de esperar o pior, pois o maléfico Maltazard aproveita a abertura provocada pelo raio de Lua para passar para o outro mundo, o dos humanos. Aí, vendo-se de ...

    Formatos: PDF