Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus 2008 por Valdeck Almeida de Jesus - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
index-1_1.jpg

index-1_2.jpg

index-1_3.jpg

index-1_4.jpg

index-1_5.jpg

index-1_6.jpg

index-1_7.jpg

index-1_8.jpg

index-1_9.jpg

index-1_10.jpg

index-1_11.jpg

index-1_12.jpg

index-1_13.jpg

index-1_14.jpg

index-1_15.jpg

index-1_16.jpg

index-1_17.jpg

index-1_18.jpg

index-1_19.jpg

index-1_20.jpg

index-1_21.jpg

index-1_22.jpg

index-1_23.jpg

index-1_24.jpg

index-1_25.jpg

index-1_26.jpg

index-1_27.jpg

index-1_28.jpg

index-1_29.jpg

index-1_30.jpg

index-1_31.jpg

index-1_32.jpg

index-1_33.jpg

index-1_34.jpg

index-1_35.jpg

index-1_36.jpg

index-1_37.jpg

index-1_38.jpg

index-1_39.jpg

index-1_40.jpg

index-1_41.jpg

index-1_42.jpg

index-1_43.jpg

index-1_44.jpg

index-1_45.jpg

index-1_46.jpg

index-1_47.jpg

index-1_48.jpg

index-1_49.jpg

index-1_50.jpg

index-1_51.jpg

index-1_52.jpg

index-1_53.jpg

index-1_54.jpg

index-1_55.jpg

index-1_56.jpg

index-1_57.jpg

index-1_58.jpg

index-1_59.jpg

index-1_60.jpg

index-1_61.jpg

index-1_62.jpg

index-1_63.jpg

index-1_64.jpg

index-1_65.jpg

index-1_66.jpg

index-1_67.jpg

index-1_68.jpg

index-1_69.jpg

index-1_70.jpg

index-1_71.jpg

index-1_72.jpg

index-1_73.jpg

index-1_74.jpg

index-1_75.jpg

index-1_76.jpg

index-1_77.jpg

index-1_78.jpg

index-1_79.jpg

index-1_80.jpg

index-1_81.jpg

index-1_82.jpg

index-1_83.jpg

index-1_84.jpg

index-1_85.jpg

index-1_86.jpg

index-1_87.jpg

index-1_88.jpg

index-1_89.jpg

index-1_90.jpg

index-1_91.jpg

index-1_92.jpg

index-1_93.jpg

index-1_94.jpg

index-1_95.jpg

index-1_96.jpg

index-1_97.jpg

index-1_98.jpg

index-1_99.jpg

index-1_100.jpg

index-1_101.jpg

index-1_102.jpg

index-1_103.jpg

index-1_104.jpg

index-1_105.jpg

index-1_106.jpg

index-1_107.jpg

index-1_108.jpg

index-1_109.jpg

index-1_110.jpg

index-1_111.jpg

index-1_112.jpg

index-1_113.jpg

index-1_114.jpg

index-1_115.jpg

index-1_116.jpg

index-1_117.jpg

index-1_118.jpg

index-1_119.jpg

index-1_120.jpg

index-1_121.jpg

index-1_122.jpg

index-1_123.jpg

index-1_124.jpg

index-1_125.jpg

index-1_126.jpg

index-1_127.jpg

index-1_128.jpg

index-1_129.jpg

index-1_130.jpg

index-1_131.jpg

index-1_132.jpg

index-1_133.jpg

index-1_134.jpg

index-1_135.jpg

index-1_136.jpg

index-1_137.jpg

index-1_138.jpg

index-1_139.jpg

index-1_140.jpg

index-1_141.jpg

index-1_142.jpg

index-1_143.jpg

index-1_144.jpg

index-1_145.jpg

index-1_146.jpg

index-1_147.jpg

index-1_148.jpg

index-1_149.jpg

index-1_150.jpg

index-1_151.jpg

index-1_152.jpg

index-1_153.jpg

index-1_154.jpg

index-1_155.jpg

index-1_156.jpg

index-1_157.jpg

index-1_158.jpg

index-1_159.jpg

index-1_160.jpg

index-1_161.jpg

index-1_162.jpg

index-1_163.jpg

index-1_164.jpg

index-1_165.jpg

index-1_166.jpg

index-1_167.jpg

index-1_168.jpg

index-1_169.jpg

index-1_170.jpg

index-1_171.jpg

index-1_172.jpg

index-1_173.jpg

index-1_174.jpg

index-1_175.jpg

index-1_176.jpg

index-1_177.jpg

index-1_178.jpg

index-1_179.jpg

index-1_180.jpg

index-1_181.jpg

index-1_182.jpg

index-1_183.jpg

index-1_184.jpg

index-1_185.jpg

index-1_186.jpg

index-1_187.jpg

index-1_188.jpg

index-1_189.jpg

index-1_190.jpg

index-1_191.jpg

index-1_192.jpg

index-1_193.jpg

index-1_194.jpg

index-1_195.jpg

index-1_196.jpg

index-1_197.jpg

index-1_198.jpg

index-1_199.jpg

index-1_200.jpg

index-1_201.jpg

index-1_202.jpg

index-1_203.jpg

index-1_204.jpg

index-1_205.jpg

index-1_206.jpg

index-1_207.jpg

index-1_208.jpg

index-1_209.jpg

index-1_210.jpg

index-1_211.jpg

index-1_212.jpg

index-1_213.jpg

index-1_214.jpg

index-1_215.jpg

index-1_216.jpg

index-1_217.jpg

index-1_218.jpg

index-1_219.jpg

index-1_220.jpg

index-1_221.jpg

index-1_222.jpg

index-1_223.jpg

index-1_224.jpg

index-1_225.jpg

index-1_226.jpg

index-1_227.jpg

index-1_228.jpg

index-1_229.jpg

index-1_230.jpg

index-1_231.jpg

index-1_232.jpg

index-1_233.jpg

index-1_234.jpg

index-1_235.jpg

index-1_236.jpg

index-1_237.jpg

index-1_238.jpg

index-1_239.jpg

index-1_240.jpg

index-1_241.jpg

index-1_242.jpg

index-1_243.jpg

index-1_244.jpg

index-1_245.jpg

index-1_246.jpg

index-1_247.jpg

index-1_248.jpg

index-1_249.jpg

index-1_250.jpg

index-1_251.jpg

index-1_252.jpg

index-1_253.jpg

index-1_254.jpg

index-1_255.jpg

index-1_256.jpg

index-1_257.jpg

index-1_258.jpg

index-1_259.jpg

index-1_260.jpg

index-1_261.jpg

index-1_262.jpg

index-1_263.jpg

index-1_264.jpg

index-1_265.jpg

index-1_266.jpg

index-1_267.jpg

index-1_268.jpg

index-1_269.jpg

index-1_270.jpg

index-1_271.jpg

index-1_272.jpg

index-1_273.jpg

index-1_274.jpg

index-1_275.jpg

index-1_276.jpg

index-1_277.jpg

index-1_278.jpg

index-1_279.jpg

index-1_280.jpg

index-1_281.jpg

index-1_282.jpg

index-1_283.jpg

index-1_284.jpg

index-1_285.jpg

index-1_286.jpg

index-1_287.jpg

index-1_288.jpg

index-1_289.jpg

index-1_290.jpg

index-1_291.jpg

index-1_292.jpg

index-1_293.jpg

index-1_294.jpg

index-1_295.jpg

index-1_296.jpg

index-1_297.jpg

index-1_298.jpg

index-1_299.jpg

index-1_300.jpg

index-1_301.jpg

index-1_302.jpg

index-1_303.jpg

index-1_304.jpg

index-1_305.jpg

index-1_306.jpg

index-1_307.jpg

index-1_308.jpg

index-1_309.jpg

index-1_310.jpg

index-1_311.jpg

index-1_312.jpg

index-1_313.jpg

index-1_314.jpg

index-1_315.jpg

index-1_316.jpg

index-1_317.jpg

index-1_318.jpg

index-1_319.jpg

index-1_320.jpg

index-1_321.jpg

index-1_322.jpg

index-1_323.jpg

index-1_324.jpg

index-1_325.jpg

index-1_326.jpg

index-1_327.jpg

index-1_328.jpg

index-1_329.jpg

index-1_330.jpg

index-1_331.jpg

index-1_332.jpg

index-1_333.jpg

index-1_334.jpg

index-1_335.jpg

index-1_336.jpg

index-1_337.jpg

index-1_338.jpg

index-1_339.jpg

index-1_340.jpg

index-1_341.jpg

index-1_342.jpg

index-1_343.jpg

index-1_344.jpg

index-1_345.jpg

index-1_346.jpg

index-1_347.jpg

index-1_348.jpg

index-1_349.jpg

index-1_350.jpg

index-1_351.jpg

index-1_352.jpg

index-1_353.jpg

index-1_354.jpg

index-1_355.jpg

index-1_356.jpg

index-1_357.jpg

index-1_358.jpg

index-1_359.jpg

index-1_360.jpg

index-1_361.jpg

index-1_362.jpg

index-1_363.jpg

index-1_364.jpg

index-1_365.jpg

index-1_366.jpg

index-1_367.jpg

index-1_368.jpg

index-1_369.jpg

index-1_370.jpg

index-1_371.jpg

index-1_372.jpg

index-1_373.jpg

index-1_374.jpg

index-1_375.jpg

index-1_376.jpg

index-1_377.jpg

index-1_378.jpg

index-1_379.jpg

index-1_380.jpg

index-1_381.jpg

index-1_382.jpg

index-1_383.jpg

index-1_384.jpg

index-1_385.jpg

index-1_386.jpg

index-1_387.jpg

index-1_388.jpg

index-1_389.jpg

index-1_390.jpg

index-1_391.jpg

index-1_392.jpg

index-1_393.jpg

index-1_394.jpg

index-1_395.jpg

index-1_396.jpg

index-1_397.jpg

index-1_398.jpg

index-1_399.jpg

index-1_400.jpg

index-1_401.jpg

index-1_402.jpg

index-1_403.jpg

index-1_404.jpg

index-1_405.jpg

index-1_406.jpg

index-1_407.jpg

index-1_408.jpg

index-1_409.jpg

index-1_410.jpg

index-1_411.jpg

index-1_412.jpg

Valdeck Almeida de Jesus

Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus - 2008

Segunda Edição

São Paulo-SP

2012

2

Pré/facies

Certa vez recebi pela Internet, a pergunta de uma escritora:

“Por que publicar em antologias?” Não sei se era uma

indagação capciosa, exatamente qual a intenção. Talvez uma

crítica implícita a mim, que participo de um bom número...

Quando eu era jovenzinha, antologias seriam apenas para as

textos em prosa ou versos de renomados autores.

Coletâneas seriam feixes de escritos de pessoas comuns. No

entanto, com o advento da Internet, esse conceito mudou.

Pois se o poeta - o autor focal desta antologia - antes escrevia

para si, ou submetia a jornais seus versos, e eram poucos os

que se viam publicados, hodiernamente, há um boom a

explodir belezas poéticas, dos lugares comuns dos

apaixonados às singularidades de expressão... Se antes muitos

morriam e somente então seus versos cometidos eram

encontrados, hoje, poeta, famoso ou mão, jamais morrerá, não

enquanto lerem, declamarem, repassarem seus versos – o que

é muito comum, por e-mails. Os velhos caderninhos são

agora, arquivos, pastas. As pessoas postam web designs que

ilustram seus escritos. Não raro, quem apenas ilustra, ou faz

PPS, acaba tornando-se Poeta. Faz livros virtuais, participa de

concursos, enfim, as portas e janelas abriram-se para a livre

expansão da alma.

O egocentrismo, cedeu à cordifraternidade: troca-se

regulamentos, há sites, home pages e blogs especializados

nessa divulgação. Outros não o são, mas mandam em PVT, ou

incluem em seus espaços, hospedam.

O motivo é claro: além de um autor ter de enviar algo próprio,

escrito corretamente, em geral inédito (ou não, conforme as

3

normas vigentes), de preferência original, singular, o texto

esbarrará em um júri, em alguém que terá sua visão e

preferências pessoais, com a tarefa de fazer a seleção, ser

neutra, imparcial, despreconceituosa. Alguns lograrão

classificar-se, outros apenas serão convidados a participar.

Mas o prazer de folhear um livro e encontrar-se em

companhia tão diversificada, mas todos pertencentes a essa

“casta” a dos poetas, é imenso.

Também já me perguntaram por que “ainda” concorro.

Sempre respondo que é pelo “frisson” da expectativa. E

porque no Brasil edições individuais são acima das

possibilidades do autor, muitas vezes, de gastar: cônjuges

reclamam, “usou parte do dinheiro das férias e publicou um

livro”; “fez um empréstimo, mas não foi para consertar o

telhado e sim para editar”, “fez o livro e depois da noite de

autógrafos, não vendeu, agora distribui”... Quando há família

em jogo, as acusações ou queixas são ainda mais veementes.

O autor às vezes, tem de amargar uma culpa... Conheci

alguém que fez uma dívida, e depois tentou suicídio porque

não conseguia pagá-la, a sala cheia de pacotes de seu livro

maravilhoso... Quando eu era adolescente, li “O Feijão e O

Sonho”, de Orígenes Lessa e fiquei impressionada. É o

protótipo das situações que relato.

Em todas as épocas, o “ser Poeta” teve de conviver com

outras profissões. Alguns puderam sobrepor-se ao comum dos

mortais, com sua poesia - Neruda, Vinicius... Mas, através da

Internet, nesse novo Milênio em especial, as pessoas se

organizam, fazem saraus, encontram-se em todo tipo de lugar,

desde o barzinho, antes reduto único de uma classe

considerada boêmia, aos palcos, escolas, praças... Poemas são

colocados em ônibus e metrôs, vitrinas e varaus. Esse

encontro tem um efeito dominó positivo. E abrem-se as neo-

antologias, que significam reunião de autores, de tocas as

4

idades, classes, formação, países, e profissões paralelas. Ou

Poetas e pronto.

Nesta, do Valdeck, desde adolescentes a septuagenários, eu li,

fascinada, os que comentaram sobre o que “também” fazem.

Além dos educadores e as pessoas graduadas em Letras

esperadas pela própria formação, há matemáticos e

engenheiros - dos civis aos químicos. Há físicos, advogados,

artistas, livreiros, economistas, pesquisadores, artistas

plásticos, atrizes e atores, estudantes de vários graus, delegado

de polícia, técnico de metrologia, analista de sistema,

arrecadador de pedágio (e fiquei a imaginar se ele teria algum

micro-tempo entre um veículo e outro, para anotar versos ou

rimas), um instrutor de kickboxing – que escreveu Poesia

depois de perder a liberdade - e há quem o faça por estar

livre... Analista legislativo, mestres, doutores e pós doutores,

figurinista, diretor de empresa, socióloga, oficial de justiça,

militares, jornalista, documentarista, roteirista, desenhista de

moldes, cordelista, poliglota - professor de Línguas,

pesquisador...

Brasileiros de todos os cantos, portugueses, uma angolana. A

Lusofonia canta agradecida! A latinidad também. Há

argentinos.

Encontro menções de outras antologias onde também me

encontro, dou de cara com minha amiga Ângela Togeiro, que

mora como eu em Belo Horizonte, também Embaixadora da

Paz e membro do inBrasCi, de várias Academias, uma pessoa

premiadíssima nacional e internacionalmente. Leio que Uma

autora ocupa a Cadeira 11, de Lindolf Bell, da Catequese

Poética, que se estivesse vivo, adoraria andar pelas novas

antologias brasileiras. Ele é meu patrono na AVBL - uma

academia virtual. E fiz um recital em 2008, no qual o

5

homenageei. Já estão vendo para que serve uma antologia - o

que a senhora fingia não saber.

Gosto da palavra cordifraterno. É o que somos quando

estamos num mesmo livro/espaço: unidos pelo cordis,

“monsieur le coeur”, o coração, que bate ao compasso da

comunhão, e em uníssono, e nos torna todos iguais, sem

divisões de classe, raça, cor, opção sexual, grau de

escolaridadade, poder aquisitivo...

Quando concluí a leitura dos poemas e li avidamente as notas

sobre os autores, fui reler a entrevista (*) que fiz com essa

pessoa guerreira, resiliente, que é o Valdeck Almeida e

adorei quando reli, essa resposta dele:

Pretende organizar outras antologias?

“Sempre tenho vários planos, mas por enquanto este projeto

me toma o ano quase todo. Somente com a ajuda de uma

equipe grande eu poderia me atrever a realizar mais coisas do

que já realizo no cotidiano e na minha vida profissional. Eu

trabalho de segunda a sexta-feira, estudo à noite fazendo

jornalismo e ainda tenho que cuidar da casa, cuidar de mim,

de um filho que mora em Jequié/BA. Eu moro em Salvador e

vivo viajando sempre ao interior para rever meus amigos e

familiares. Tudo isso toma tempo. Dizem que o tempo na

Bahia não corre, que caminha a passos de tartaruga, mas tudo

isso é folclore. O tempo aqui urge, as coisas por fazer

roubam-nos o tempo...”

Quando recebi o convite para escrever - o que chamo de pré-

facies, porque não citarei versos dos poemas, mas falei de

seus autores, com a brevidade da cigarra que anuncia a chuva

fértil que terão pela frente - senti-me lisonjeada e presenteada

- apenas de haver divulgado o concurso, repassado para

6

mailings, postando, acabei perdendo o prazo e não entrando.

Foi uma forma de estar com os autores e com o poeta

organizador, que para participar de sua primeira, teve de

vender um fogão. Tenho-lhe muita admiração, aplaudo seus

esforços e almejo-lhe uma bela carreira editorial, paralela à

sua de fazedor de versos, bardo, vate, poeta. E concluo com

esse poemeto escrito na adolescência:

O impossível

É imprevisível

Só até acontecer...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes, Belo Horizonte, Minas

Gerais, Brasil

Psicóloga, Poeta Honoris Causa para oito países lusófonos,

pelo CBLP; Embaixadora Universal da Paz, pelo Cercle de les

Ambassadeurs Univ. de La Paix Genebra, Suíça; Diretora

Regional do InBrasCi em BH/MG; Representante do

Movimento Cultural aBrace (Brasil /Uruguai), Membro da

ONE, Acadêmica da AFEMIL (Cadeira Cecília Meireles)

pessoaclevane@gmail.com

(*) http://clevanepessoaentrevistas.blogspot.com

7

Dez primeiros colocados

Fernando Paganatto - Retrato urbano

Edson Augusto Alves – Deslembrança

André Sesti Diefenbach - Dois = Um

Emerson Antonio Miguel - Homem na Caixa

Heric Steinle – Porta

Luís Fernando Amâncio Santos – Pontuação

Tatiana Alves – Antiépico

Vanessa Ratton - Esquina

José Maciel Neto - Soneto para um velho do mar

Robson Gomes de Brito - Cortesã homossexual

8

Gigante

(Adalberto Caldas Marques)

Uma única molécula

Dentre milhares de um corpo,

Eu... ali parado olhando,

Estranho...

Caminhos, vontades diferentes

Como não se desintegra

Tal corpo desconjuntado...

Uns batem no couro

Outros batem na pele,

Mas em todos

Bate mais forte o peito...

E o coração explode

Do gigante que desperta

Com uma simples bola na rede.

Adalberto Caldas Marques nasceu em 07 de março de 1979,

filho de uma família humilde do subúrbio do Rio de Janeiro,

descobriu o gosto por escrever ainda no início da juventude,

porém, por necessidade acabou fazendo faculdade de

Contabilidade e se afastando um pouco da literatura. Hoje

tenta recuperar o convívio com o mundo lírico e criou uma

página na internet com alguns de seus escritos.

9

Um cobertor

(Adenir B. G. L. de Souza)

Quando excluída, pensativa

e a solidão se faz presente

me ponho a argumentar e crer

que só se ausentam aqueles

que não percebem o querer.

Reflito os que vêem ao meu encontro

não são os que borrasca espalham

mas aqueles que a saudade

ocupa o coração

e a ternura estabelece

o simples elo

do oi, olá ou tudo bem.

E a agonia que antes assustava

agora registra que amigo

não é quem o diz

é aquele que assimila

a necessidade do outro

transmitindo no seu acalanto

o aconchego de um cobertor.

Adenir B. G. L. de Souza tem curso de engenharia química

não concluído e atua na área de educação. Tem poemas

publicados pela Litteris e na antologia do Centro de Literatura

do Forte de Copacabana.

10

Minoria maioria

(Adriana Aparecida de Oliveira Pavani)

Dizem que existem as minorias.

Isso porque existe uma maioria.

Mas quem é a maioria?

E quem é a minoria?

Chamam de minoria aquele cidadão

que é diferente do outro cidadão...

Só porque ele escreve com outra mão,

Ou anda no que se convencionou ser contramão.

E, de fato, qual é a direção?

Há tantos caminhos!

E diversas são as mãos...

Quem disse que a minoria está na contramão,

Ou errou a direção?

Será que a maioria também já não é a minoria?

Pois já há tantas minorias, que elas já são a maioria!

Ora! E maioria com maioria formam o todo!

E o todo, é o que forma o nosso globo!

Que idéia de minoria é esta meu povo?

Se mesmo com um quê diferente,

Somos parte do mesmo todo?

Adriana Aparecida de Oliveira Pavani nasceu em São Paulo,

capital. Bacharela em Direito pela Instituição Toledo de

Ensino, de Bauru, interior de São Paulo. Atualmente mora em

Barra Bonita/SP. Escreve desde sempre, tornando públicos

seus textos em 1997. Passou a dedicar-se melhor à poesia em

2005. Publicou trabalhos em três antologias: “Além das

Letras”, “A Ponte” e “Filhos da Luz”, editadas pelo Clube

Amigos das Letras, de Barra Bonita.

11

Arruinada

(Adriana E. Dellorefiche)

Nunca teve esperanças excesivas

Que a fizeram transgredir seus próprios genes

Somente um espaço muito apertado

Estava impedindo de extender o seu triste corpo

Saudades de uma criança acumuladas

E esporádicos afetos, sem verdade

Resistindo como um náufrago perdido

Defendendo seu mistério, sem afundar-se

Conheceu a importância do silêncio

Como firme armadura, protegendo-a

Mas múltiplas vozes, destruidoras

Confundiram seu mundo e sua agonia

Cada intenção de emergir, foi mal-sucedida

Por traições que alterava os sentidos

Ignovarava com confiança e inocência

O que encerra a derrota como implacável

Suicidando-se aos poucos, atormentada

E ainda sentindo temor, quis

Ficar como um símbolo patético

De uma história atroz, que não a incluiu.

Adriana E. Dellorefiche, licenciada em artes visuais, artista

plástica, docente, escritora. Reside em Villa Gdor. Gálvez.

Pcia Santa Fe. Argentina 2º prêmio em Poesia 8º concurso do

Milenium. Ciudad de La Plata. 2007 Mencão especial Poesía

outorgado pela Sociedade Argentina de Letras, Artes

e Ciências. Filial Santiago do Estero. Novembro de 2007

Prémio Seleção Antologíca Poética 2008 XVIII Certamen

Internacional Poesía – Editorial Novo Ser.

12

Sou terras sem donos

(Aidner Mendez Neves)

Sentimento sertânico e armorial permeia meus pensamentos

E sou e estou transeunte, sussurro mancinho aquilo que é

doce

E trago na língua, plúmbeo projétil de verso

Qual Deméter trago em meus braços, não mais papoulas,

Agora ipoméias de flores azuis.

Não faço pirraça nem busco luxúria

Se não fora rebelde seria ortodoxo

Mas trago muito mais em mim que apenas versos e cigarros

Trago manhãs de sacra ode

Trago o trinado das primeiras cordas e o bramir das últimas

Represento a busca, como meus escritos, sou pegadas

gravadas

Indelével perfume de aurora sertaneja

E meus olhos se perdem contemplando meus reinados

Não sou dono de terras, mas sou terras sem dono

E meus castelos são de muros cactáceos

Meu brasão possui a insígnia dos cantadores,

Pois sou bardo de meu povo e crente nas coisas mágicas

As que posso ver, as que posso ouvir e as que posso sentir

Eu sou um não ao avesso

Aidner Mendez Neves é poeta, cordelista, escritor, compositor

e cantador. Seus versos e canções retratam o povo sertanejo,

sobretudo Canudos e o advento do Cangaço. Autor de Cordéis

como: “O Sebastianismo no sertão”, “ABC da Boca do Rio”,

“A saga da Pedra do Bendegó”, “João Requizado, O

Cangaceiro Solitário”, “Montalvânia, Uma Cidade Diferente”

entre muitos outros.

13

Desilusão

(Alana Marques da Silva)

Eu, pois, acreditei no tudo belo, um dia.

Revoltei-me, contudo, com a revolta do mundo,

por surpreender-me seu outro lado: imundo.

Espalhei-me, assim, em demasia.

Pois, o todo do tudo, que me desnuda,

oferece-me, dos homens às desgraças.

E o frio do calor, faz trapaças.

É-me repugnante! Entrego-me a agonia surda.

Esse meu jeito de sempre ingenuidade,

e que do nada espera maldade,

divide-me em mil pedaços de decepção.

E, até talvez, destituída de vaidade,

eu possa, em mim mesma, encontrar perdão

pela ausência da excelsa verdade.

Alana Marques da Silva nasceu em Paulo Afonso/BA, em

16/02/1989. Em 1994 mudou-se para Petrolina, onde vive

atualmente. É cristã, solteira, mora com os pais e não trabalha.

Cursa o 3º período do curso de Direito na FACAPE. Faz

poesias e contos sempre que se sente inspirada.

14

Ainda tenho esperança

(Alex Bruno Rodrigues de Jesus)

Esperança de um dia te tocar, sentir o coração acelerar ao me

aproximar.

Esperança de te fazer feliz e deixar pra trás a infeliz tristeza de

viver longe de ti.

Tenho esperança que venha até mim e me diga que por todo

esse tempo você sempre me quis.

Esperança de te amar, te tocar, te despir e sentir teu ego

respirar dentro de mim.

Chamar-te de amor e esquecer a dor que eu senti quando você

não me notou.

Por muito tempo sofri, longe de ti, mas a esperança nunca

perdi.

Tentei te encontrar em faces parecidas com a tua, mas nunca

encontrarei meu amor em apenas faces parecidas que vejo nas

ruas.

Ainda tenho esperança de um dia te ter aqui; mesmo que não

me sinta perto sempre terei você dentro de mim.

Dizem que a esperança é a última que morre, mas a minha

não. Ela se prolonga no temo que corre, prolongando-se com

o tempo de mandar uma carta com uma única frase: “nunca

perca as esperanças”.

Alex Bruno Rodrigues de Jesus é soteropolitano, nascido a 05

de março de 1990, no subúrbio ferroviário de Paripe, na

capital baiana. A veia artística e literária lhe acompanha desde

criança e se fortaleceu depois que Léo, como é chamado em

família, aprendeu a ler e escrever, aos sete anos de idade.

Desde então devora livros de literatura e escreve poemas,

contos e romances.

15

Um Hospital

(Alex Costa)

Nasce um hospital

muitas esperanças, sofridas vontades.

Longos corredores,

um vai-vem na UTI quebra o silêncio.

Paredes frias,

mãos quentes que acolhem...

Vultos brancos, uniformes impecáveis,

óbices inesperados,

óbitos inevitáveis.

Gotas de sangue no piso inerte,

Oncológicas fatalidades...

Um paradoxo, vejo recém-nascidos

pela janela do berçário,

todos anjos do Senhor.

Alexandre Guimarães da Costa Alecrim, 49, natural do Rio de

Janeiro/RJ, militar da Aeronáutica, nível superior, já

participou de vários concursos literários de nível técnico e

superior. Participou pela primeira vez em concursos de poesia

em 1979, na Escola de Cadetes em Campinas/SP, ficando em

2º lugar. Motivado e já na faculdade, em 1986, mesmo no

Curso de Educação Física arrebatou um 3º lugar, realizado no

Curso de Letras.

16

Sexto Motivo da Rosa

(Aléxis Góis)

Percebo-te perdida no jardim

das quimeras de outrora

como pôde tu sustentar

por séculos a aurora

de um novo tempo

se és tão frágil

e pétala a pétala

devoraram-te até o perfume

e aquilo que na boca

dos homens e das mulheres

era liberdade

foi calado com cobre

e mesmo assim insistes

nobre

em resplandecer

e tudo no mundo

que não é teu brilho

é apenas vulto.

Aléxis Cerqueira Góis nasceu em Feira de Santana.

Atualmente reside em Salvador, tendo morado em diversas

cidades na Bahia e em São Paulo. Bancário pelas voltas que a

vida dá, também é jornalista, documentarista, escritor e, nas

horas vagas, escrevinha alguns versos. Participa ativamente

do movimento cultural, em específico na área de cinema, arte

pela qual é apaixonado. Atualmente, é membro do cine-clube

Roberto Pires (Salvador/BA).

17

Valdick Pudick Sombreiro

(Allan Pitz Ribeiro de Souza)

Valdick Pudick Sombreiro,

Um homem muito matreiro,

Vivia na sombra a pensar.

E viu-se cair na armadilha,

Quando um cão da própria matilha

Mordiscara seu calcanhar.

E o engasgado Sombreiro,

Arrebatado num Paio tropeiro,

Apagou-se bem no almoçar!

E juntando viu que não tinha

Era a mala da vida Vazia,

A Paz que no fim não vinha,

E um pedaço de calcanhar.

Allan Pitz é escritor e diretor teatral. Carioca, nascido em

1983, é mais um apaixonado pelos livros. No ano de 2008, foi

publicado oito vezes consecutivas em Antologias da CBJE,

(Câmara Brasileira de Jovens Escritores) além de uma sétima

colocação no XV concurso internacional literário da AG

Edições, entre outros.

18

Tradição

(Altair Fonseca Ramos)