Reliquiae por Florbela Espanca - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
RELIQUIAE

Florbela Espanca

Título dado a este livro por Guido Battelli, que ficou depositário destes originais após a morte da poetisa. Foi publicado, como apêndice, nas 2ª e 3ª edições de Charneca em flor.

POBREZINHA

Nas nossas duas sinas tão contrárias

Um pelo outro somos ignorados:

Sou filha de regiões imaginárias,

Tu pisas mundos firmes já pisados.

Trago no olhar visões extraordinárias

De coisas que abracei de olhos fechados... -

Em mim não trago nada, como os párias...

Só tenho os astros, como os deserdados...

E das tuas riquezas e de ti

Nada me deste e eu nada recebi,

Nem o beijo que passa e que consola.

E o meu corpo, minh'alma e coração

Tudo em risos poisei na tua mão!...

...Ah, como é bom um pobre dar esmola!...

ROSEIRA BRAVA

Há nos teus olhos de oiro um tal fulgor

E no teu riso tanta claridade,

Que o lembrar-me de ti é ter saudade

Duma roseira brava toda em flor.

Tuas mãos foram feitas para a dor,

Para os gestos de doçura e piedade;

E os teus beijos de sonho e de ansiedade

São como a alma a arder do próprio amor!

Nasci envolta em trajes de mendiga;

E, ao dares-me o teu amor de maravilha,

Deste-me o manto de oiro de rainha!

Tua irmã... teu amor... e tua amiga...

E também - toda em flor - a tua filha,

Minha roseira brava que é só minha!...

NAVIOS-FANTASMAS

O arabesco fantástico do fumo

Do meu cigarro traça o que disseste,

A azul, no ar; e o que me escreveste,

E tudo o que sonhaste e eu presumo.

Para a minha alma estática e sem rumo,

A lembrança de tudo o que me deste

Passa como o navio que perdeste,

No arabesco fantástico do fumo...

Lá vão! Lá vão! Sem velas e sem mastros,

Têm o brilho rutilante de astros,

Navios-fantasmas, perdem-se a distância!

Vão-me buscar, sem mastros e sem velas,

Noiva-menina, as doidas caravelas,

Ao ignoto País da minha infância...

O MEU SONETO

Em atitudes e em ritmos fleumáticos,

Erguendo as mãos em gestos recolhidos,

Todos os brocados fúlgidos, hieráticos,

Em ti andam bailando os meus sentidos...

E os meus olhos serenos, enigmáticos,

Meninos que na estrada andam perdidos,

Dolorosos, tristíssimos, extáticos,

São letras de poemas nunca lidos...

As magnólias abertas dos meus dedos

São mistérios, são filtros, são enredos

Que pecados d’amor trazem de rastos...

E a minha boca, a rútila manhã,

Na Via Láctea, lírica, pagã,

A rir desfolha as pétalas dos astros!...

NIHIL NOVUM

Na penumbra do pórtico encantado

De Bruges, noutras eras,já vivi;

Vi os templos do Egito com Loti;

Lancei flores, na Índia, ao rio sagrado.

No horizonte de bruma opalizado,

Frente ao Bósforo errei, pensando em ti!

O silêncio dos claustros conheci

Pelos poentes de nácar e brocado...

Mordi as rosas brancas de Ispahan

E o gosto a cinza em todas era igual!

Sempre a charneca bárbara e deserta,

Triste, a florir numa ansiedade vã!

Sempre da vida - o mesmo estranho mal,

E o coração - a mesma chaga aberta!

ÉVORA

Évora! Ruas ermas sob os céus

Cor de violetas roxas... Ruas frades

Pedindo em triste penitência a Deus

Que nos perdoe as míseras vaidades!

Tenho corrido em vão tantas cidades!

E só aqui recordo os beijos teus,

E só aqui eu sinto que são meus

Os sonhos que sonhei noutras idades!

Évora!... O teu olhar... o teu perfil...

Tua boca sinuosa, um mês de Abril

Que o coração no peito me alvoroça!

...Em cada viela o vulto dum fantasma...

E a minha alma soturna escuta e pasma...

E sente-se passar menina-e-moça...

À JANELA DE GARCIA DE REZENDE

Janela antiga sobre a rua plana...

Ilumina-a o luar com o seu clarão...

Dantes, a descansar de luta insana,

Fui, talvez, flor no poético balcão...

Dantes! Da minha glória altiva e ufana,

Talvez... Quem sabe?... Tonto de ilusão,

Meu rude coração de alentejana

Me palpitasse ao luar nesse balcão...

Mística dona, em outras Primaveras,

Em refulgentes horas de outras eras,

Vi passar o cortejo ao sol doirado...

Bandeiras! Pajens! O pendão real!

E na tua mão, vermelha, triunfal,

Minha divisa: um coração chagado!...

O MEU IMPOSSÍVEL

Minh’alma ardente é uma fogueira acesa,

É um brasido enorme a crepitar!

Ânsia de procurar sem encontrar

A chama onde queimar uma incerteza!

Tudo é vago e incompleto! E o que mais pesa

É nada ser perfeito! É deslumbrar

A noite tormentosa até cegar

E tudo ser em vão! Deus, que tristeza!...

Aos meus irmãos na dor já disse tudo

E não me compreenderam!... Vão e mudo

Foi tudo o que entendi e o que pressinto...

Mas se eu pudesse, a mágoa que em mim chora. Contar, não a chorava como agora,

Irmãos, não a sentia como a sinto!...

EM VÃO

Passo triste na vida e triste sou

Um pobre a quem jamais quiseram bem!

Um caminhante exausto que passou,

Que não diz onde vai nem donde vem.

Ah! Sem piedade, a rir, tanto desdém

A flor da minha boca desdenhou!

Solitário convento onde ninguém

A silenciosa cela procurou!

E eu quero bem a tudo, a toda a gente!...

Ando a amar assim, perdidamente,

A acalentar o mundo nos meus braços!

E tem passado, em vão, a mocidade

Sem que no meu caminho uma saudade

Abra em flores a sombra dos meus passos!

VOZ QUE SE CALA

Amo as pedras, os astros e o luar

Que beija as ervas do atalho escuro,

Amo as águas de anil e o doce olhar

Dos animais, divinamente puro.

Amo a hera que entende a voz do muro,

E dos sapos, o brando tilintar

De cristais que se afagam devagar,

E da minha charneca o rosto duro.

Amo todos os sonhos que se calam

De corações que sentem e não falam,

Tudo o que é Infinito e pequenino!

Asa que nos protege a todos nós!

Soluço imenso, eterno, que é a voz

Do nosso grande e mísero Destino!...

PARA QUÊ?

Ao velho amigo João

Para que ser o musgo do rochedo

Ou urze atormentada da montanha?

Se a arranca a ansiedade e o medo

E este enleio e esta angústia estranha

E todo este feitiço e este enredo

Do nosso próprio peito? E é tamanha

E tão profunda a gente que o segredo

Da vida como um grande mar nos banha?

Pra que ser asa quando a gente voa

De que serve ser cântico se entoa

Toda a canção de amor do Universo?

Para que ser altura e ansiedade,

Se se pode gritar uma Verdade

Ao mundo vão nas sílabas dum verso?

SONHO VAGO

Um sonho alado que nasceu num instante,

Erguido ao alto em horas de demência...

Gotas de água que tombam em cadência

Na minh’alma tristíssima, distante...

Onde está ele o Desejado? O Infante?

O que há de vir e amar-me em doida ardência?

O das horas de mágoa e penitência?

O Príncipe Encantado? O Eleito? O Amante?

E neste sonho eu já nem sei quem sou...

O brando marulhar dum longo beijo

Que não chegou a dar-se e que passou...

Um fogo-fátuo rútilo, talvez...

E eu ando a procurar-te e já te vejo!...

E tu já me encontraste e não me vês!...

PRIMAVERA

É Primavera agora, meu Amor!

O campo despe a veste de estamenha;

Não há árvore nenhuma que não tenha

O coração aberto, todo em flor!

Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor

Da vida... não há bem que nos não venha

Dum mal que o nosso orgulho em vão desdenha!

Não há bem que não possa ser melhor!

Também despi meu triste burel pardo,

E agora cheiro a rosmaninho e a nardo

E ando agora tonta, à tua espera...

Pus rosas cor-de-rosa em meus cabelos...

Parecem um rosal! Vem desprendê-los!

Meu Amor, meu Amor, é Primavera!...

BLASFÊMIA

Cala-te... Escuta... Não me digas nada...

Cai a noite nos longes donde vim...

Toda eu sou alma e amor! Sou um jardim!

Um pátio alucinante de Granada!

Dos meus cílios, a sombra enluarada,

Quando os teus olhos descem sobre mim,

Traça trêmulas hastes de jasmim

Na palidez da face extasiada!

Sou no teu rosto a luz que o alumia...

Sou a expressão das tuas mãos de raça...

E os beijos que me dás já foram meus...

Em ti sou glória, altura e poesia!

E vejo-me (Oh, milagre cheio de graça!)

Dentro de ti, em ti, igual a Deus!...

[sem título]

Passam no teu olhar nobres cortejos,

Frotas, pendões ao vento sobranceiros.

Lindos versos de antigos romanceiros,

Céus do Oriente, em brasa, como beijos,

Mares onde não cabem teus desejos;

Passam no teu olhar mundos inteiros,

Todo um povo de heróis e marinheiros,

Lanças nuas em rútilos lampejos;

Passam lendas e sonhos e milagres!

Passa a Índia, a visão do Infante em Sagres,

Em centelhas de crença e de certeza!

E ao sentir-te tão grande, ao ver-te assim,

Amor, julgo trazer dentro de mim

Um pedaço da terra portuguesa!

NOITE DE CHUVA

Chuva... Que gotas grossas!... Vem ouvir:

Uma... duas... mais outra que desceu...

É Viviana, é Melusina a rir,

São rosas brancas dum rosal do céu...

Os lilases deixaram-se dormir...

Nem um frêmito... a terra emudeceu...

Amor! Vem ver estrelas a cair:

Uma... duas... mais outra que desceu...

Fala baixo, juntinho ao meu ouvido,

Que essa fala de amor seja um gemido,

Um murmúrio, um soluço, um ai desfeito...

Ah, deixa à noite o seu encanto triste!

E a mim... o teu amor que mal existe,

Chuva a cair na noite do meu peito!

TARDE DE MÚSICA

Só Schumann, meu Amor! Serenidade...

Não assustes os sonhos... Ah!, não varras

As quimeras... Amor, senão esbarras

Na minha vaga imaterialidade...

Liszt, agora, o brilhante; o piano arde...

Beijos alados... ecos de fanfarras...

Pétalas dos teus dedos feito garras...

Como cai em pó de oiro o ar da tarde!

Eu olhava para ti... “É lindo! Ideal!”

Gemeram nossas vozes confundidas.

- Havia rosas cor-de-rosa aos molhos –

Falavas de Liszt e eu... da musical

Harmonia das pálpebras descidas,

Do ritmo dos teus cílios sobre os olhos...

CHOPIN

Não se acende hoje a luz... Todo o luar

Fique lá fora. Bem aparecidas

As estrelas miudinhas, dando no ar

As voltas dum cordão de margaridas!

Entram falenas meio entontecidas...

Lusco-fusco... Um morcego, a palpitar,

Passa... torna a passar... torna a passar...

As coisas têm o ar de adormecidas...

Mansinho... Roça os dedos p’lo teclado,

No vago arfar que tudo alteia e doira,

Alma, Sacrário de Almas, meu Amado!

E, enquanto o piano a doce queixa exala,

Divina e triste, a grande sombra loira,

Vem para mim da escuridão da sala...

O MEU DESEJO

Vejo-te só a ti no azul dos céus,

Olhando a nuvem de oiro que flutua...

Ó minha perfeição que criou Deus

E que num dia lindo me fez sua!

Nos altos que diviso pela rua,

Que cruzam os seus passos com os meus...

Minha boca tem fome só da tua!

Meus olhos têm sede só dos teus!

Sombra da tua sombra, doce e calma,

Sou a grande quimera da tua alma

E, sem viver, ando a viver contigo...

Deixa-me andar assim no teu caminho

Por toda a vida, Amor, devagarinho,

Até a morte me levar consigo...

ESCRAVA

Ó meu Deus, ó meu dono, ó meu senhor,

Eu te saúdo, olhar do meu olhar,

Fala da minha boca a palpitar,

Gesto das minhas mãos tontas de amor!

Que te seja propício o astro e a flor,

Que a teus pés se incline a terra e o mar,

P’los séculos dos séculos sem par,

Ó meu Deus, ó meu dono, ó meu senhor!

Eu, doce e humilde escrava, te saúdo,

E, de mãos postas, em sentida prece,

Canto teus olhos de oiro e de veludo.

Ah, esse verso imenso de ansiedade,

Esse verso de amor que te fizesse

Ser eterno por toda a Eternidade!...

DIVINO INSTANTE

Ser uma pobre morta inerte e fria,

Hierática, deitada sob a terra,

Sem saber se no mundo há paz ou guerra,

Sem ver nascer, sem ver morrer o dia,

Luz apagada ao alto e que alumia,

Boca fechada à fala que não erra,

Urna de bronze que a Verdade encerra,

Ah! ser Eu essa morta inerte e fria!

Ah, fixar o efêmero! Esse instante

Em que o teu beijo sôfrego de amante

Queima o meu corpo frágil de âmbar loiro;

Ah, fixar o momento em que, dolente,

Tuas pálpebras descem, lentamente,

Sobre a vertigem dos teus olhos de oiro!

SILÊNCIO!...

No fadário que é meu, neste penar,

Noite alta, noite escura, noite morta,

Sou o vento que geme e quer entrar,

Sou o vento que vai bater-te à porta...

Vivo longe de ti, mas que me importa?

Se eu já não vivo em mim! Ando a vaguear

Em roda à tua casa, a procurar

Beber-te a voz, apaixonada, absorta!

Estou junto de ti e não me vês...

Quantas vezes no livro que tu lês

Meu olhar se poisou e se perdeu!

Trago-te como um filho nos meus braços!

E na tua casa... Escuta!... Uns leves passos...

Silêncio, meu Amor!... Abre! Sou eu!...

O MAIOR BEM

Este querer-te bem sem me quereres,

Este sofrer por ti constantemente

Andar atrás de ti sem tu me veres

Faria piedade a toda a gente.

Mesmo a beijar-me a tua boca mente...

Quantos sangrentos beijos de mulheres

Poisa na minha a tua boca ardente,

E quanto engano nos seus vãos dizeres!...

Mas que me importa a mim que me não queiras.

Se esta pena, esta dor, estas canseiras,

Este mísero pungir, árduo e profundo

Do teu frio desamor, dos teus desdéns,

E, na vida, o mais alto dos meus bens?

É tudo quanto eu tenho neste mundo?

OS MEUS VERSOS

Rasga esses versos que eu te fiz, Amor!

Deita-os ao nada, ao pó ao esquecimento,

Que a cinza os cubra, que os arraste o vento,

Que a tempestade os leve aonde for!

Rasga-os na mente, se os souberes de cor,

Que volte ao nada o nada dum momento.

Julguei-me grande pelo sentimento,

E pelo orgulho ainda sou maior!...

Tanto verso já disse o que eu sonhei!

Tantos penaram já o que eu penei!

Asas que passam, todo o mundo as sente...

Rasga os meus versos... Pobre endoidecida!

Como se um grande amor cá nesta vida

Não fosse o mesmo amor de toda a gente!...

AMOR QUE MORRE

O nosso amor morreu... Quem o diria!

Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta.

Ceguinha de te ver, sem ver a conta

Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...

E outro clarão, ao longe, já desponta!

Um engano que morre... e logo aponta

A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver

São precisos amores, pra morrer

E são precisos sonhos pra partir.

Eu bem sei, meu Amor, que era preciso

Fazer do amor que parte o claro riso

Doutro amor impossível que há de vir!

[sem título]

......................................

......................................

......................................

......................................

E não sou de ninguém... Quem me quiser

Há de ser luz do sol em tardes quentes,

Nos olhos de água clara há de trazer

As fúlgidas pupilas das videntes!

Há de ser seiva no botão repleto

Voz no murmúrio do pequeno inseto,

Vento que enfuna as velas sobre os mastros!...

Há de ser Outro e Outro num momento!

Força viva, brutal, em movimento,

Astro arrastando catadupas de astros!

SOBRE A NEVE

Sobre mim, teu desdém, pesado jaz

Como um manto de neve... Quem dissera

Porque tombou em plena Primavera

Toda essa neve que o Inverno traz!

Coroavas-me inda há pouco de lilás

E de rosas silvestres... quando eu era

Aquela que o Destino prometera

Aos teus rútilos sonhos de rapaz!

Dos beijos que me deste não te importas,

Asas paradas de andorinhas mortas...

Folhas de Outono em correria louca...

Mas inda um dia, em mim, ébrio de cor,

Há de nascer um roseiral em flor

Ao sol de Primavera doutra boca!

VÃO ORGULHO

Neste mundo vaidoso o amor é nada,

É um orgulho a mais, outra vaidade,

A coroa de loiros desfolhada

Com que se espera a Imortalidade.

Ser Beatriz! Natércia! Irrealidade...

Mentira... Engano de alma desvairada...

Onde está desses braços a verdade,

Essa fogueira em cinzas apagada?...

Mentira! Não te quis... não me quiseste...

Eflúvios subtis dum bem celeste?

Gestos... palavras sem nenhum condão...

Mentira! Não fui tua... não! Somente...

Quis ser mais do que sou, mais do que gente,

No alto orgulho de o ter sido em vão!...

ÚLTIMO SONHO DE "SÓROR SAUDADE"

Àquele que se perdera no caminho...

Sóror Saudade abriu a sua cela...

E, num encanto que ninguém traduz,

Despiu o manto negro que era dela,

Seu vestido de noiva de Jesus.

E a noite escura, extasiada ao vê-la,

As brancas mãos no peito quase em cruz,

Teve um brilhar feérico de estrela

Que se esfolhasse em pétalas de luz!

Sóror Saudade olhou... Que olhar profundo

Que sonha e espera?... Ah! como é feio o mundo.

E os homens vãos! - Então, devagarinho,

Sóror Saudade entrou no seu convento...

E, até morrer, rezou, sem um lamento,

Por Um que se perdera no caminho!...

ESQUECIMENTO

Esse de quem eu era e que era meu,

Que foi um sonho e foi realidade,

Que me vestiu a alma de saudade,

Para sempre de mim desapar’ceu.

Tudo em redor então escureceu,

E foi longínqua toda a claridade!

Ceguei... tateio sombras... Que ansiedade!

Apalpo cinzas porque tudo ardeu!

Descem em mim poentes de Novembro...

A sombra dos meus olhos, a escurecer...

Veste de roxo e negro os crisântemos...

E desse que era meu já me não lembro...

Ah, a doce agonia de esquecer

A lembrar doidamente o que esquecemos!...

LOUCURA

Tudo cai! Tudo tomba! Derrocada

Pavorosa! Não sei onde era dantes.

Meu solar, meus palácios meus mirantes!

Não sei de nada, Deus, não sei de nada!...

Passa em tropel febril a cavalgada

Das paixões e loucuras triunfantes!

Rasgam-se as sedas, quebram-se os diamantes!

Não tenho nada, Deus, não tenho nada!...

Pesadelos de insônia, ébrios de anseio!

Loucura a esboçar-se, a enegrecer

Cada vez mais as trevas do meu seio!

Ó pavoroso mal de ser sozinha!

Ó pavoroso e atroz mal de trazer

Tantas almas a rir dentro da minha!

DEIXAI ENTRAR A MORTE

Deixai entrar a Morte, a Iluminada,

A que vem para mim, pra me levar.

Abri todas as portas par em par

Com asas a bater em revoada.

Que sou eu neste mundo? A deserdada,

A que prendeu nas mãos todo o luar,

A vida inteira, o sonho, a terra, o mar

E que, ao abri-las, não encontrou nada!

Ó Mãe! Ó minha Mãe, pra que nasceste?

Entre agonias e em dores tamanhas

Pra que foi, dize lá, que me trouxeste

Dentro de ti? Pra que eu tivesse sido

Somente o fruto amargo das entranhas

Dum lírio que em má hora foi nascido!...

À MORTE

Morte, minha Senhora Dona Morte,

Tão bom que deve ser o teu abraço!

Lânguido e doce como um doce laço

E como uma raiz, sereno e forte.

Não há mal que não sare ou não conforte

Tua mão que nos guia passo a passo,

Em ti, dentro de ti, no teu regaço

Não há triste destino nem má sorte.

Dona Morte dos dedos de veludo,

Fecha-me os olhos que já viram tudo!

Prende-me as asas que voaram tanto!

Vim da Moirama, sou filha de rei,

Má fada me encantou e aqui fiquei

À tua espera,... quebra-me o encanto!

Você pode estar interessado...

  • Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina
    Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina Clássicos Portugueses por Altamir Botoso
    Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina
    Vestígios do folhetim em dois romances de autoria feminina

    Downloads:
    5

    Publicado:
    Mar 2020

    O romance folhetim é uma modalidade literária que teve o seu auge no século XIX, quando era publicado no rodapé dos jornais, de forma fatiada, ou seja, em cap...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • Saramago
    Saramago Narrativa por Saramago
    Saramago
    Saramago

    Downloads:
    104

    Publicado:
    Apr 2017

    Catálogo de reflexões pessoais, literárias e políticasElaborado a partir de declarações do autor recolhidas na imprensa escritaOrganização e seleção de FERN...

    Formatos: PDF

  • Como Emagrecer Fazendo Sexo
    Como Emagrecer Fazendo Sexo Clássicos Portugueses por Richard Smith
    Como Emagrecer Fazendo Sexo
    Como Emagrecer Fazendo Sexo

    Downloads:
    388

    Publicado:
    Feb 2016

    Uma abordagem bem-humorada das dietas. Se você não emagrecer lendo este livro, ou fazendo sexo, pelo menos gastará algumas calorias dando boas risadas.

    Formatos: PDF

  • Terra do Pecado
    Terra do Pecado Romance por JS
    Terra do Pecado
    Terra do Pecado

    Downloads:
    835

    Páginas:
    218

    Publicado:
    Nov 2015

    Terra do Pecado foi o primeiro romance publicado por José Saramago. Saiu em 1947, trinta anos antes de Levantado do Chão, o livro que abriu para o autor o cor...

    Formatos: PDF, Kindle, TXT