Rubem Fonseca na França por Maria Cláudia Rodrigues Alves - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA

Rubem Fonseca na França

MARIA CLÁUDIA RODRIGUES ALVES

São Paulo

2006

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA

Rubem Fonseca na França

MARIA CLÁUDIA RODRIGUES ALVES

Tese apresentada ao programa de Pós-

Graduação em Teoria Literária e

Literatura Comparada da Faculdade de

Filosofia, Letras e Ciências Humanas

da Universidade de São Paulo, para

obtenção do título de Doutor em

Letras.

Orientadora: Profa. Dra. SANDRA MARGARIDA NITRINI

São Paulo

2006

A minha mãe, sempre querida.

A meu pai, com saudades.

Agradecimentos

Agradeço a atenção, o tempo e o empenho de meus familiares,

professores, amigos, colegas e novos conhecidos que aceitaram consagrar tempo

e energia à coleta de dados, ao intercâmbio de informações e de idéias,

contribuindo para a realização deste trabalho.

A Isabela, Lílian, Magda, Maria Teresa, Walderez, Hugo e Rosana, por

seus conhecimentos em língua estrangeira comigo compartilhados. A Eli e Ana

Lúcia, pelo apoio e carinho, sempre. A Márcia Aguiar, em especial.

A Beatriz Turquety, Diva Damato, Eduardo Coutinho, Elaine Cristina Prado

dos Santos, Elisa Guimarães, Mário Laranjeira, Maria Helena Fioravante Peixoto, Maria Luiza Guarnieri Atik, Marisa Lajolo, Pierre Rivas, pelo entusiasmo face ao tema e pelo fluxo de idéias.

A Bruno Clément, Célia Guimarães Helene, Celso e Wilton Azevedo,

Emiliana Bonalumi, Halumi Takahashi (CenDoTec), Raquel Botelho, Ricardo Lima,

Sébastien Roy, Sérgio Jones Mendonça, pelo apoio na coleta de material de

pesquisa.

A Daisy Elísio Deonísio da Silva, Daniel Pigeon, Daniel W. Graham, Estela

dos Santos Abreu, Florent Kohler, Jean Jonassaint, Jean-Claude Vignol, Lyne

Strouc, Marguerite Wünscher, Philippe Billé, Philippe Simon e Philippe Sohiez, pela simpática acolhida e pelos testemunhos.

A Helena Bonito Couto Pereira, Marilei Jorge, Nelson Luís Barbosa,

pessoas especiais, profissionais cujos destinos estão inevitavelmente ligados ao meu, pelo amparo e pelas críticas, essenciais ao meu crescimento.

Aos funcionários do Departamento de Teoria Literária e Literatura

Comparada da Faculdade de Fislosofia, Letras e Ciências Humanas,

representados pelo competente Luiz, agradeço a constante amabilidade.

À Banca de Qualificação, Prof. Dr. Francis Henrik Aubert e Prof. Dr. Alain

Mouzat, manifesto meu franco reconhecimento pela atenção e pelos oportunos

conselhos.

Meus agradecimentos, ainda e sempre, especiais e sinceros, à Profa. Dra.

Sandra Margarida Nitrini, por sua sabedoria, conhecimentos e orientação.

4

Resumo

A tradução de uma obra literária a introduz em um novo contexto lingüístico

e cultural, renovando os diálogos entre as sociedades. As opções dos tradutores na solução de problemas de ordem lingüístico e cultural, as opções dos editores quanto ao formato e à aparência do objeto livro oferecido ao grande público, o teor das críticas dos especialistas são indicadores da maneira pela qual uma cultura se apropria da obra traduzida e revelam a imagem que sociedade receptora tem ou

mantém da cultura de origem do texto original. A presente tese de doutorado

procura analisar a recepção da obra traduzida de Rubem Fonseca na França por

meio da interpretação de material textual e paratextual, atentando para os diversos tipos de leitura realizados dessa obra até chegar ao leitor estrangeiro: leitura da crítica especializada, dos editores e dos tradutores, leitores privilegiados.

Palavras-chave: Rubem Fonseca, literatura comparada, tradução literária, recepção de literatura brasileira, relações Brasil-França.

5

Abstract

The translation of a literary work introduces it into a new linguistic and cultural context, renewing the dialogues between the societies involved.

Translators’ choices for the solution of linguistic and cultural problems, publishers’

options concerning the format and appearance of the book as an object offered to the general public, and the nature of specialists’ critiques are indicators of the way the target-language culture appropriates the translated work and they reveal the image that the receiving society has or maintains of the source-language culture.

The present Ph.D thesis aims at analyzing the reception of the translations of Rubem Fonsecas’s work in France through the interpretation of textual and

paratextual material, considering the different kinds of reading of the work before that of the foreign reader: readings by specialized critics, publishers and translators, these being considered privileged readers.

Keywords: Rubem Fonseca, comparative literature, literary translation, reception of Brazilian literature, Brazil-France relations.

6

Résumé

La traduction d’une œuvre littéraire l’introduit dans un nouveau contexte, tout en renouvelant les dialogues entre les sociétés concernées. Les choix des traducteurs face aux problèmes d’ordre linguistique ou culturel, les choix des éditeurs quant au format et à l’apparence du livre comme objet, destiné au grand public, le contenu des critiques des spécialistes sont autant d’indicateurs de la manière dont une culture s’approprie l’œuvre traduite et révèlent quelle image la société réceptrice se fait ou perpétue de la culture d’origine du texte de l’auteur. La présente thèse de doctorat aborde la réception de l’œuvre traduite de Rubem Fonseca en France, en se fondant sur l’interprétation du matériel textuel et paratextuel et sur l’étude des différents types de lectures qui ont été faites de cette œuvre avant d’arriver entre les mains du lecteur étranger : lecture de la critique spécialisée, des éditeurs et des traducteurs, lecteurs privilégiés.

Mots-clés: Rubem Fonseca, littérature comparée, traduction littéraire, réception de la littérature brésilienne en France, relations Brésil-France.

7

ποταµοις τοις αυτοις εµβαινοµεν τε και ουκ εµβαινοµεν...

in idem flumen bis descendimus et non

descendimus…

On ne se baigne jamais deux fois

dans le meme fleuve…

Ninguém se banha duas vezes nas águas do mesmo rio...

(Heráclito)

8

Sumário

Introdução.......................................................................................................

10

I. Da recepção à imagem da literatura brasileira na França....................

16

Panorama geral..............................................................................................

23

Em destaque: a fortuna crítica de Rubem Fonseca.......................................

31

Revue Europe: imagem do Brasil em três momentos....................................

55

II. Intermediação editorial...........................................................................

67

Capas, contracapas e entornos de antologias...............................................

68

Capas, contracapas e entornos de livros.......................................................

79

III. Alguns livros por dentro........................................................................

107

As marcas sociais e culturais nas traduções da pioneira Marguerite

Wünscher.......................................................................................................

108

As marcas sociais e culturais nas traduções em antologias e coletâneas.....

132

Soluções apresentadas por Rubem Fonseca ao tradutor Philippe Billé

(correspondência inédita) ..............................................................................

140

Considerações finais......................................................................................

171

Bibliografia......................................................................................................

176

Anexos............................................................................................................

191

9

Introdução

A literatura brasileira, na busca de sua identidade, desde sempre encontrou

suas fontes, seus modelos em literaturas centrais, notadamente na francesa.

Muitos estudos comprovam o interesse dos pesquisadores em explicar as

motivações dessa afinidade.

As relações entre o Brasil e a França vêm sendo objeto de estudo de

pesquisadores há diversas gerações. No domínio da literatura comparada,

vislumbram-se inúmeras formas de abordar o assunto: por meio da presença

flagrante (por citação explícita ou referência) ou sutil (revelando uma afinidade, um diálogo) de um escritor francês na obra de um escritor brasileiro; pelas traduções de obras francesas para a língua portuguesa do Brasil; pelos escritos

paraliterários, como ensaios e artigos publicados na mídia brasileira nos dois últimos séculos.

São excelentes estudos, todos imbuídos dos preceitos do professor Antonio

Candido (1993, p.211), que já afirmava por volta dos anos 1950: “estudar literatura brasileira é estudar literatura comparada”.

Esses trabalham privilegiam uma parte do todo: um período, um gênero,

um autor; e trilham o caminho mais evidente das relações de influência (sobretudo do centro para a periferia) e o diálogo entre a França e o Brasil. São, entretanto, em sua maioria, estudos de “mão única”, porque a maior parte deles olha para a presença francesa no Brasil.

Por uma questão quantitativa que muitas vezes nos remete à dialética

centro/periferia, conseqüentemente à questão qualitativa, raramente se examina o impacto de um escritor brasileiro em relação à literatura francesa. Pode-se muito brevemente listar os resultados mais recentes desse tipo de pesquisa.

Estela dos Santos Abreu (1990, 2004) realiza há vários anos o

levantamento das obras brasileiras traduzidas na França. As sucessivas edições 10

demonstram que se trata de um instrumento de trabalho essencial aos estudiosos do diálogo franco-brasileiro.

Alguns estudos acadêmicos também contemplaram esse vértice, como a

tese de doutorado L’oeuvre de Jorge Amado en France: enquête sur les

traductions de ses oeuvres et les réactions de la critique, de Maria Thereza Indiani de Oliveira (1977), em Grenoble, que versa sobre a recepção de Jorge Amado na

França.

Pesquisas desenvolvidas na Katholieke Universiteit van Leuven – Bélgica,

sobretudo sob a orientação do professor José Lambert, sondam questões de

tradução de obras brasileiras para a língua francesa. Por exemplo, em 1980, o

mestrado do pesquisador Walter Costa: Un roman brésilien en français. Questions de traduction à propos de Grande Sertão: Veredas de J. Guimarães Rosa.

Mais recentemente, Marie-Hélène Catherine Torres (2004), também

orientanda do professor José Lambert, brinda os leitores com a publicação de um profundo estudo de recepção de literatura brasileira na França, resultado de seu doutorado (defendido em 2001), que contempla um século, de 1890 a 1990, e em

especial o autor José de Alencar: Variations sur l’étranger dans les lettres: cent ans de traductions françaises des lettres brésiliennes.

No Brasil, destacam-se a dissertação de mestrado, de 1982, Duas

traduções francesas de Memórias póstumas de Brás Cubas: por uma estilística da tradução, sob a orientação de Nina Atuko Mabuchi Miyaki, e a tese de doutorado, de 1991, Recepção da obra machadiana na França: um estudo critico-estilístico das traduções de quatro romances, de Lea Mara Valezi Staut, sob orientação de

Ítalo Caroni. Gaby Friess Kirsch, sob a orientação de Sandra M. Nitrini defendeu em 1998 sua tese de doutoramento sobre a recepção de Osman Lins tanto na

França quanto na Alemanha: Poética da tradução e recepção estética Nove, novena na França e na Alemanha. A dissertação de mestrado de Teresa Dias Carneiro da Cunha (1999), sob a orientação do professor Eduardo Coutinho, versa sobre As obras de Mário de Andrade traduzidas na França: história, concepção e crítica.

11

Este é, pois, um campo de pesquisa bastante recente, e embora muito

pesquisadores já tenham se debruçado sobre ele, permanece pouco explorado.

Ao mesmo tempo que os estudos de tradução em geral vêm se tornando

cada vez mais autônomos em suas diferentes perspectivas de trabalho e

metodologia de pesquisa, tornam-se também mais interdisciplinares. Não se trata de discutir a traduzibilidade ou intraduzibilidade dos textos. O processo de

pesquisa da recepção de um autor traduzido em língua estrangeira envolve

sobretudo estudos relativos ao texto em si, no original e em sua tradução, mas também outros elementos que participam de sua vida como texto: “os ângulos de

observação são múltiplos: examina-se a obra traduzida mas também a literatura a que pertence (a sua fonte) e a literatura que vai integrar. A ênfase recai não apenas no objeto recebido mas no sistema receptor” (Carvalhal, 1993, p.52).

Dessa forma, convém tratar o assunto sob diferentes ângulos, inter-

relacionando-os. Concebeu-se, desse modo, um estudo caracteristicamente

descritivo, do qual emana uma série de apreciações e reflexões, oriundas da

simpatia de diversas teorias, como a Teoria da recepção de Jauss e Iser, preceitos da teoria da tradução elaborados por Schleiermacher e desenvolvidos por Venuti, que contrapõem a tradução assimiladora/domesticadora à tradução

estrangeirizante; porém, cabe salientar que esta empreitada não tem a pretensão de generalizar ou definir procedimentos estanques, chegando a conclusões

estáticas, mas sim convidar ao debate sadio e ao posicionamento crítico.

Elegeu-se para a realização deste estudo um autor contemporâneo cuja

obra vem sendo traduzida para a língua francesa nas últimas décadas com certa

regularidade: Rubem Fonseca, considerado um dos mais consagrados autores

brasileiros vivos. Outro elemento bastante instigante que influenciou essa escolha foi o fato de sua obra, no Brasil, ter sempre sido recepcionada de forma polêmica e controvertida. Rubem Fonseca é um autor cuja obra tem sido conhecida em

diversos países pelas traduções não somente para línguas de grande e médio

alcance, como o inglês, o francês, o espanhol, o alemão, como também para o

sueco ou o checo, só para citar algumas.

12

Parte do corpus deste estudo nasceu da leitura de Feliz ano novo de Rubem Fonseca, inicialmente em língua portuguesa e, em seguida, de Bonne et heureuse année, a primeira tradução de um livro do autor para a língua francesa.

As primeiras reflexões sobre o assunto foram apresentadas em Colóquio

organizado pelo DTLLC da FFLCH em outubro de 2001 e no Congresso da

ABRALIC de 2002. A partir do cotejo dos textos e da constatação de certas

particularidades do ato tradutório, surgiu o desejo de ampliar o corpus para discutir aspectos relevantes da tradução e recepção da obra fonsequiana no estrangeiro.

Procurou-se, num primeiro momento, abranger a totalidade da obra

fonsequiana traduzida para a língua francesa. Inúmeros colaboradores, tanto na França quanto no Canadá, contribuíram nessa tarefa. Verificou-se recentemente, no entanto, a existência de alguns contos traduzidos que, por falta de acesso, não constam do corpus deste trabalho. O próprio Rubem Fonseca, consultado

informalmente, declarou não ter conhecimento de muitas das traduções de seus

textos publicadas no exterior. Dessa forma, procedeu-se ao primeiro recorte, a saber, a delimitação espacial: o corpus compreende parte dos contos e a totalidade dos romances traduzidos e publicados na França.

Questionou-se, a partir do estabelecimento do corpus, se as traduções dos textos para a língua francesa mantêm o impacto provocado pelas obras em língua portuguesa, se os aspectos lingüísticos e sociolingüísticos são adequadamente

traduzidos ou mantidos e em que medida as opções dos tradutores de Rubem

Fonseca revelam (ou não), comprometem (ou não) o contexto sociocultural, o

momento histórico-político da cultura de partida e de chegada. O cotejo e a análise de parte da obra traduzida, assim como a análise de parte da correspondência

entre Rubem Fonseca e um de seus tradutores, Philippe Billé, apontam para a

forma pela qual os tradutores, leitores privilegiados, não somente leram e

transmitiram a obra fonsequiana, mas revelam igualmente seu posicionamento

enquanto mediadores de uma imagem do Brasil na França. Nesse sentido,

sondou-se o universo do tradutor, sua relação com a literatura em geral, com o Brasil e com a literatura brasileira, conduzindo a pesquisa à apreciação de

material extraliterário.

13

O foco deste trabalho, voltado para a recepção de Rubem Fonseca na

França, requer um primeiro breve momento de reflexão sobre a literatura como

sistema e o mercado literário. Para tanto, lança-se mão do conceito de literatura estabelecido por Antonio Candido em diálogo com as concepções

sociomercadológicas de Robert Escarpit, abrindo assim o Capítulo I deste

trabalho. Um panorama analítico sobre as relações entre o Brasil e França, o

interesse dos franceses pela literatura brasileira e o perfil do mercado editorial francês são elementos básicos indispensáveis para contextualizar a obra traduzida de Rubem Fonseca nesse país e adentrar sua fortuna crítica, também nesse

capítulo.

No Capítulo II, a intenção é apreciar o material paratextual francês, no que

Genette denominou o peritexto das obras traduzidas: capas, contracapas, orelhas e terceiras páginas e textos das publicações, e eventualmente, quando possível, instanciais prefaciais. Pode-se, conseqüentemente, refletir de que maneira

elementos extraliterários colaboraram com as expectativas dos leitores potenciais da obra fonsequiana e em que medida esse material revela os projetos editoriais e uma certa forma de apresentar o Brasil, o autor brasileiro e sua obra, na França.

O Capítulo III aborda o material textual de três formas distintas: a)

procedendo ao cotejo entre parte da obra original e as traduções francesas, a

saber, o volume compreendendo Feliz ano novo e O caso Morel, traduzidos por Marguerite Wüscher em 1982; b) análise temática dos contos publicados em

revistas especializadas e/ou antologias de contos; c) apresentação e análise da correspondência entre Rubem Fonseca e o tradutor dos romances para a língua

francesa, Philippe Billé. Os três enfoques visam apreciar tanto algumas opções dos tradutores quanto os projetos editorias nos quais se inserem os textos.

As considerações finais não têm a pretensão de ser definitivas e

conclusivas. Buscam, ao contrário, abrir a discussão para a dificuldade em se

compreender o papel da literatura brasileira no exterior, quando se pretende sair do exotismo regional ou pseudo-ideológico e adentrar a espinhosa questão dos

elementos que participam do atual mercado editorial.

14

Dessa forma, este trabalho pretende contribuir para os estudos de

Literatura relativos às relações Brasil-França, refletindo sobre as condições de recepção de Rubem Fonseca no contexto francês e verificando a hipótese de que

perscrutar a recepção de Rubem Fonseca na França, por meio da análise de

material textual e extratextual de literatura traduzida, pode possibilitar uma melhor compreensão de seu lugar não somente no sistema literário francês e/ou

brasileiro, mas em um sistema mais universalizante, que é, consciente ou

inconscientemente, o objetivo de toda literatura.

15

I

Da recepção à imagem da literatura

brasileira na França

Au début, c’était comme ça: aimer imaginer (rêver, inventer des idées,

fabuler) m’a amené à aimer lire. Aimer lire m’a amené, encore adolescent, à aimer écrire, c’est-à-dire, m’a donné envie de créer ce que j’admirais.

Très vite, j’ai découvert qu’écrire est parfois ennuyeux, parfois

exaspérant, et presque toujours fatigant.

Qu’est-ce qui m’a fait persévérer? D’une certaine façon la même chose

qui fait que le charpentier continue à être charpentier. Il est difficile d’arrêter de faire un travail dont l’apprentissage a exigé tant de temps et d’effort.

(Fonseca, 1985, p.25)1

Este é um depoimento bastante sucinto que Rubem Fonseca concedeu à

publicação francesa Libération, respondendo à questão de uma sondagem, em 1985: “Pourquoi écrivez-vous?”. Quatrocentos escritores responderam à mesma

questão de forma mais prolixa ou, mais raramente, de modo mais conciso que

Fonseca. Depoimento sucinto e raro, pois o leitor de Rubem Fonseca está mais

habituado a ler a opinião das personagens fonsequianas a respeito do ofício de escrever e da função do escritor, do que a do próprio autor, discreto, avesso a entrevistas.

É o que ocorre, por exemplo, no conto “Intestino grosso”:

Telefonei para o Autor, marcando uma entrevista. Ele disse que sim,

desde que fosse pago – “por palavra”. Eu respondi que não estava em

condições de decidir, teria primeiro de falar com o Editor da revista. (Fonseca: 1999a, p.163)

1 “No começo era assim: gostar de imaginar (sonhar, inventar idéias, fabular) me levou a gostar de ler. Gostar de ler me levou, ainda adolescente, a gostar de escrever, ou seja, me deu vontade de criar o que eu admirava.

Muito rapidamente, descobri que escrever é às vezes entediante, às vezes exasperador, e quase sempre cansativo.

O que me fez perseverar? De certa maneira, o mesmo que faz com que o carpinteiro continue a ser carpinteiro. É difícil parar de fazer um trabalho cuja aprendizagem exigiu tanto tempo e esforço.” Todas as traduções apresentadas são minhas.

16

A entrevista concedida pelo personagem “Autor” ao narrador do conto oscila

entre declarações absurdas e hilárias e considerações extremamente sérias sobre a literatura.

Em O caso Morel (Fonseca, 2003a), a reflexão acerca da criação ficcional é paralela à investigação policial contemplada no enredo, e aparece no diálogo

interno do narrador personagem em diversas ocasiões:

Nada temos a temer. Exceto as palavras. (ibidem, p.11)

O verdadeiro escritor nada tem a dizer. Tem uma maneira de dizer

nada. (ibidem, p.12)

A trama e a seqüência tradicionais não têm mais significação... o

escritor tende a uma consciência mais aguda de si mesmo no ato de criar. O

exterior torna-se menor e o escritor afasta-se da realidade objetiva, afasta-se da história, da trama, do caráter definido, até que a percepção subjetiva do

narrador é o único fato garantido na ficção. (ibidem, p.92)

Outros personagens de Fonseca estão inevitavelmente ligados ao ato de

escrever, como o escritor Gustavo Flávio, pseudônimo de Ivan Canabrava em

Bufo & Spallanzani.

De certa forma, o escritor brasileiro que menos concede entrevistas é o que

mais se desvenda em seus livros por meio de seus personagens. Se o ato de

escrever é constantemente contemplado nas narrativas de Fonseca, o ato de ler, mesmo implicitamente, também o é. Quem escreve, escreve para ser lido. O

escritor é essencialmente um leitor, intérprete do mundo, e traduz esse mundo no que escreve. Uma vez escrita, a obra se presta a diversas leituras por parte de seus leitores potenciais, mas o escritor, consciente ou inconscientemente, escreve para “um certo leitor”, presente em sua imaginação. Dentre os leitores de uma

obra em língua original, um se destaca, seja ele o futuro editor, o tradutor, ou simplesmente alguém que decida que a obra seja traduzida. Vale aqui salientar

que, muitas vezes, esse leitor, sobre o qual recai a decisão da tradução e da

edição em língua estrangeira, não está obrigatoriamente entre os leitores da obra original, mas pode ser informado por um leitor intermediário.

17

As afirmações feitas pressupõem diversas teorias que têm como objeto a

literatura, o escritor, o leitor e a tradução de literatura. Essas interfaces vão desde teorias presentes no campo da Lingüística, da Teoria Literária, da Literatura

Comparada, da Estética da Recepção, da Teoria da Tradução, até preceitos das

áreas de História, Sociologia etc. Cumpre aqui citar algumas das teorias que

contemplam a literatura, o escritor e o leitor como objeto de estudo, e suas

possíveis vertentes, para, em suas intersecções, situar as reflexões emergentes deste estudo.

Segundo Antonio Candido (1959), a literatura preacinde de um sistema que

considere a tríade autor/obra/leitor. Para ele, literatura é:

um sistema de obras ligadas por denominadores comuns, que permitem

reconhecer as notas dominantes duma fase. Estes denominadores são, além

das características internas, (língua, temas, imagens), certos elementos de

natureza social e psíquica, embora literariamente organizados, que se

manifestam historicamente e fazem da literatura aspecto orgânico da

civilização. Entre eles se distinguem: a existência de um conjunto de

produtores literários, mais ou menos conscientes do seu papel; um conjunto

de receptores, formando os diferentes tipos de público, sem os quais a obra

não vive; um mecanismo transmissor, (de modo geral, uma linguagem,

traduzida em estilos), que liga uns a outros. O conjunto dos três elementos dá lugar a um tipo de comunicação inter-humana, a literatura, que aparece, sob

este ângulo, como sistema simbólico, por meio do qual as veleidades mais

profundas do indivíduo se transformam em elementos de conato entre os

homens, e de interpretação das diferentes esferas da realidade. (Candido,

1959, v.1, p.17)

Antonio Candido estabelece as condições básicas da existência da

literatura social e culturalmente como prática comunicativa, sem no entanto entrar na questão do mercado cultural.

Em convergência com os preceitos de Antonio Candido, sob a óptica do

conceituado grupo de estudos de Bordeaux da sociologia da literatura, Robert

Escarpit (1970, p.32-3) considera a literatura como “aparelho” e, como tal, ela

“compreende uma produção, um mercado e um consumo” (grifo meu).

Escarpit considera que o escritor, consciente ou inconscientemente, tem um

projeto que se realiza em forma de livro, e que o leitor tem uma predisposição à leitura desse produto.

18

A respeito do produtor, intermediário entre o escritor, sua obra e o leitor

potencial, afirma Escarpit (1970, p.32-2):

Le producteur est ce que nous appellerons globalement l’éditeur, c’est-

à-dire l’entrepreneur qui prend la décision, responsable de fabriquer et de mettre en vente le livre. En fait la spécialisation de l’éditeur (qui est auparavant imprimeur ou libraire) date de la fin du XVIIIe siècle et de nos jours sa fonction tend à se diviser entre l’éditeur proprement dit qui traite avec l’écrivain et le distributeur oligopolistique qui commercialise le produit.

Le produit littéraire est le résultat d’une série de sélections opérées par divers filtres sociaux, économiques et culturels dans les projets que les

écrivains ont menés jusqu’au stade de l’écriture. Le projet avorte si, avant toute mise en œuvre, il n’est pas accepté par un éditeur. L’éditorial et le littéraire débordent d’ailleurs largement l’un et l’autre. Parmi les livres publiés dans le monde, 20 à 25% des titres, 15 à 20% des exemplaires seulement

sont réputés littéraires, ce qui ne veut pas dire que les autres ne participent pas à la littérature en tant que processus.2

Quanto à estatística mencionada, Escarpit assinala que uma mesma obra

pode obter a classificação de “Literatura” em um país e de “Ciências Naturais” em outro, ou ainda de “História ou Filosofia” em um terceiro, de acordo com o Index Translatorum, o que revela variações no estabelecimento do critério de “literário”

de país para país.

Ainda sobre o papel do editor, continua Escarpit (1970, p.33-4):

Dans tous les pays à économie de marché, l’éditeur applique à tous les

livres un critère général de sélection économique. Il achète à l’écrivain celles de ses réalisations dont il pense avoir le placement sur le marché. Il peut aller d’un achat pur et simple dans le cas du paiement forfaitaire jusqu’à un salariat déguisé quand l’écrivain possède une image de marque suffisamment sûre

pour permettre un investissement régulier. De ce fait l’éditeur exerce une contrainte sur l’écrivain qui se trouve en position fausse puisque précisément son projet est le résultat d’une dialectique dans laquelle il manifeste sa liberté 2 “O produtor é o que chamaremos de modo geral de editor, ou seja, o empresário que toma a decisão, responsável por produzir e colocar o livro à venda. A especialização do editor (que era antigamente o impressor ou o livreiro) data, de fato, do final do século XVIII e, atualmente, sua função tende a se dividir entre o editor propriamente dito que negocia com o escritor e o distribuidor oligopolista que comercializa o produto.

O produto literário é o resultado de uma série de seleções operadas por diversos filtros sociais, econômicos e culturais nos projetos empreendidos pelo escritor até o estágio da escrita. O projeto aborta se, antes de ser começado, não for aceito por um editor. O editorial e o literário, aliás, interferem bastante um no outro. Dentre os livros publicados no mundo, 20 a 25% dos títulos, 15 a 20% dos exemplares são classificados como literários, o que não significa que os outros não participem da literatura enquanto processo.”

19

individuelle. La contradiction est en général masquée par des artifices de langage qui traduisent la relation économique en relation culturelle.

En outre, en ce qui concerne les livres littéraires, la sélection

économique est complétée par une sélection-hiérarchisation émanant de la

communauté élitaire des intellectuels, qui délègue ses représentants auprès de l’éditeur sous forme de directeurs littéraires, de conseillers, de lecteurs ou de simples relations personnelles […] Est réputé littéraire ce qui est perçu comme tel par ces censeurs préalables qui, objectivement opposés à elle ou non, reproduisent les goûts divers, parfois antinomiques, mais toujours fermés en un système, de la classe dirigeante […]

Ce jury diffus, mais très cohérent, ne se contente pas de sélectionner le

produit, il le suscite, l’améliore par des conseils, le domestique dans des collections. Il va même jusqu’à tolérer la recherche génétique dans ces

laboratoires semi-officiels ou clandestins qu’on appelle les « avant-gardes », quitte à laisser mourir les produits monstrueux, inviables ou dangereux pour l’ordre de la littérature et à intégrer les autres au cheptel commercialisable. 3

Tratado como um produto oferecido a um consumidor, o texto literário,

original ou traduzido, passa por uma série de intermediações, que consistem em variadas leituras e, por vezes, decorrentes transformações. Compõe-se finalmente um livro que contém o texto propriamente dito, material resultante do trabalho do escritor, e outros textos complementares, como prefácios, posfácios, notas,

comentários.

Da concepção do texto original às prateleiras, vários podem ser os

destinatários do texto e os tipos de leitura realizados. Enquanto o texto ainda não começou a sofrer o processo de edição, ou mesmo no início desse processo,

3 "Em todos os países de economia de mercado, o editor aplica a todos os livros um critério geral de seleção econômica. Ele compra do escritor as realizações que ele pensa poder colocar no mercado. Ele pode desde pura e simplesmente comprar por um preço estabelecido até dar um tipo de salário quando o escritor possui uma imagem de marca suficientemente firme para permitir um investimento regular. Dessa forma o editor exerce uma pressão sobre o escritor que se encontra em posição falseada já que seu projeto é justamente o resultado de uma dialética na qual ele manifesta sua liberdade individual. A contradição é em geral dissimulada por artifícios de linguagem que traduzem a relação econômica em relação cultural.

Por outro lado, no que diz respeito aos livros literários, a seleção econômica é completada por uma seleção-hierarquização que se origina da comunidade elitista dos intelectuais que indica seus representantes junto ao editor sob forma de diretores literários, conselheiros, leitores ou simples relações pessoais [...] É considerado literário o que é percebido como tal por esses censores prévios que, objetivamente opostos a ela ou não, reproduzem os diferentes gostos, por vezes antinômicos, mas sempre fechados em um sistema, da classe dirigente [...]

Esse júri difuso, porém muito coerente, não se contenta em selecionar o produto, ele o suscita, melhora-o com conselhos, domestica-o em coleções. Chega até mesmo a tolerar a pesquisa genética nesses laboratórios semi-oficiais ou clandestinos chamados de ‘vanguardas’, pronto a 20

pode-se pensar como destinatário o próprio autor, seus amigos ou destinatários eleitos por ele para apreciarem o texto, os editores potenciais ou pessoas

delegadas por um editor para avaliar o texto (pareceristas). Uma vez decidida a publicação da obra, evidencia-se a necessidade de leituras de caráter técnico: seleção, revisão, copidesque etc. Uma vez colocado à venda, o texto vai ao

encontro do público leitor. Nessa etapa, podem-se destacar dois grandes tipos de destinatários: por um lado, o leitor potencial, dentre a massa que consome

literatura, e, por outro, a crítica especializada.

Esse processo é duplicado quando se trata de literatura traduzida. Robert

Escarpit (1970, p.31), na década de 1970, dizia sobre a leitura de literatura

traduzida:

Dans la lecture en tant que processus le feedback est assuré par la

traduction, l’adaptation, l’illustration, en somme part tout ce qui est œuvre surajoutée. Le médiateur est d’abord le lecteur, puis il dégage de son

expérience de lecture une image du projet qu’il assume comme son propre

projet et qu’il réalise comme l’écrivain avait réalisé le projet initial. Il peut s’insérer dans le processus au stade de la conception ou au stade du « jeu des quatre coins » et, en ce cas, il lui est possible d’éliminer deux des

« coins » en acceptant comme un donné objectif le contenu de l’œuvre tel qu’il le perçoit. Cela explique qu’il y ait, comme écrit Georges Mounin, des

traductions « à verres transparents » et des traductions « à verres colorés ».

Mais quel que soit le type de la traduction, de l’adaptation, de l’illustration, elle constitue bien un feedback, c’est-à-dire une réinjection de l’expérience de lecture, au niveau de l’écriture. 4

Operacionalmente, neste estudo tratar-se-á dos leitores analisados –

intermediários no processo de tradução, edição e recepção – como leitores

especiais. Os tradutores são leitores privilegiados que trasladam o texto original deixar perecer os produtos monstruosos, inviáveis ou perigosos à ordem da literatura e a integrar os outros na categoria comercializável.”

4 “Na leitura considerada como processo o ‘feedback’ é garantido pela tradução, a adaptação, a ilustração, em resumo por tudo o que é trabalho posterior. O mediador é, primeiramente, o leitor, depois ele resgata de sua experiência de leitura uma imagem do projeto que ele assume como seu próprio projeto e que ele realiza como o escritor havia realizado seu projeto inicial. Pode se inserir no processo, na fase da concepção, ou na fase do ‘jogo de quilhas’ e, nesse caso, ele consegue eliminar duas quilhas, ao aceitar como um dado objetivo o conteúdo da obra tal qual ele a percebe.. Isso explica que haja, como escreve Georges Mounin, traduções « como vidros transparentes » e traduções « como vidros coloridos ». Mas qualquer que seja o tipo da tradução, da adequação, da ilustração, ela constitui de fato um ‘feedback’, isto é, uma reinjeção da experiência de leitura, no nível da escrita.”

21

para a língua estrangeira. Os editores têm um papel preponderante na escolha de elementos para o lançamento do produto livro. E a crítica especializada receptora, como leitora especializada na área, é normalmente paga para avaliar o produto ao ser lançado no mercado, constituindo assim sua fortuna crítica.

Quanto à obra em si, dentre os cinco tipos de relações transtextuais

relacionados por Gérard Genette em Palimpsestes (1982), e desenvolvidos posteriormente em Seuils (1987), lança-se aqui mão do conceito de paratexto: 5

L’oeuvre littéraire consiste, exhaustivement ou essentiellement, en un

texte, c’est-à-dire (définition très minimale) en une suite plus ou moins longue d’énoncés verbaux plus ou moins pourvus de signification. Mais ce texte se présente rarement à l’état nu, sans le renfort et l’accompagnement d’un certain nombre de productions, elles-mêmes verbales ou non, comme un nom

d’auteur, un titre, une préface, des illustrations, dont on ne sait pas toujours si l’on doit ou non considérer qu’elles lui appartiennent, mais qui en tout cas l’entourent et le prolongent, précisément pour le présenter, au sens habituel de ce verbe, mais aussi en son sens le plus fort : pour le rendre présent, pour assurer sa présence au monde, sa « réception » et sa consommation, sous la forme, aujourd’hui du moins, d’un livre. Cet accompagnement d’ampleur et

d’allure variables, constitue ce que j’ai baptisé ailleurs, conformément au sens parfois ambigu de ce préfixe en français – voyez, disais-je, des adjectifs comme « parafiscal » ou « paramilitaire » –, le paratexte de l’œuvre. Le

paratexte est donc pour nous ce par quoi un texte se fait livre e se propose comme tel à ses lecteurs, et plus généralement au public. (Genette, 1987, p.7)6

5 O conceito de paratexto será utilizado neste estudo de forma genérica, sem a especificação dos subconceitos epitexto, peritexto e outros. Eventualmente, esses conceitos serão citados e esclarecidos.

6 “A obra literária consiste, exaustiva ou essencialmente, em um texto, ou seja (definição minimalista) em uma seqüência mais ou menos longa de enunciados providos de significação. Mas esse texto raramente se apresenta desnudo, sem o reforço e o acompanhamento de um certo número de produções, verbais ou não-verbais, como um nome de autor, um título, um prefácio, ilustrações, as quais nem sempre se sabe se devem ou não ser consideradas como pertencentes a ele, mas que, em todo caso o cercam e o prolongam, justamente para apresentá-lo, no sentido habitual desse verbo, mas também em seu sentido mais vigoroso, para torná-lo presente, para garantir sua presença no mundo, sua ‘recepção’ e seu consumo, sob a forma, ao menos hoje, de um livro. Esse acompanhamento de extensão e configuração variáveis, constitui o que nomeie em outra obra, seguindo o sentido por vezes ambíguo desse prefixo em francês – observe-se, como dizia eu, adjetivos como ‘parafiscal’ ou ’paramilitar’ –, o paratexto da obra. O paratexto é, assim, para nós o elemento pelo qual um texto se faz livro e se propõe como tal a seus leitores, e mais geralmente ao público.”

22

Panorama geral

Desde quando a França começou a observar o Brasil e a ter interesse por

suas produções literárias? O contato se estabeleceu via traduções, porém caberia perguntar quais seriam os critérios de escolha do que deveria ser traduzido e

como esse produto da periferia poderia ser consumido pelo centro. Em tempos de globalização e integração de mercados, qual a posição atual do Brasil na política de tradução da ficção brasileira na França?

O interesse da França pelo Brasil existe desde antes da descoberta pelos

portugueses. A partir do século XVI, com o início da colonização, a literatura considerada de viagem e os textos de teor etnográfico atestam a curiosidade dos franceses e testificam a construção de uma imagem exótica do Brasil e dos

brasileiros ao longo desses cinco séculos. De Jean de Léry a Paulo Coelho, o

Brasil tem marcado presença no gosto dos franceses e instigado o seu imaginário.

O interesse da França – e dos países francófonos, também consumidores

das editoras francesas – pelo Brasil literário, em razão da própria história da literatura brasileira, é, no entanto, mais recente. O empenho dos franceses em conhecer a literatura brasileira data do século XIX. Algumas raras traduções e publicações de obras literárias brasileiras testemunham essa simpatia pelos

autores tropicais,7 como Tomás Antonio Gonzaga e o Visconde de Taunay (cf.

Abreu, 2004).

Em se tratando de antologias e coletâneas, vale aqui citar algumas

publicações, como Le Brésil littéraire, organizado por Ferdinand Josef Wolf, em 1863, que apresenta um panorama da história literária brasileira com trechos de alguns autores nacionais, e La poésie au Brésil, de 1885, com tradução de Émile 7 Fontes: Banco de dados do Nupebraf (IEA-USP); site <http://www.librairie-compagnie.fr>.

E http://www.ehess.fr/centres/crbc/cbc-thes/litte.html (Centre des recherches sur le Brésil Contemporain)

23

Alain, que é publicado em coleção “Le Monde poétique”, sob a organização de

Melo Morais Filho.

José de Alencar, Graça Aranha, Machado de Assis, Graciliano Ramos,

Vinícius de Morais e Érico Veríssimo são apenas alguns autores de literatura

brasileira que marcam tímida presença na França até as décadas de 1950 e 1960, por meio de traduções e publicações. Jorge Amado é um caso à parte.

Com respeito às coletâneas, nas primeiras décadas do século XX, destaca-

se a Anthologie des poètes brésiliens, com organização e traduções de Hippolyte Pujol, apresentando um panorama da poesia brasileira com textos de Alvarenga

Peixoto a Amadeo Amaral.

Ainda no início do século XX, das duas publicações organizadas pelo belga

Victor Orban, apenas uma antologia foi consagrada à prosa, e mesmo assim

juntamente com alguns poetas: a Anthologie française des écrivains brésiliens, cuja primeira edição data de 1911, foi reeditada em 1914 sob o título de Littérature brésilienne, e apresenta junto a textos poéticos trechos de romances e textos críticos, e até mesmo de caráter jurídico ou histórico. Paralelamente, Victor Orban traduz poemas e organiza a coletânea Poésie brésilienne, na qual insere trechos de Iracema, e que terá publicação em 1922 (cf. Pereira, 2005, p.86-97).

Em comunicação intitulada “Poesia brasileira na belle époque francesa”,

texto que se tornou capítulo da obra Intermediações literárias: Brasil-França, em co-autoria com Maria Luiza G. Atik, Helena B. C. Pereira relaciona e analisa essas duas obras atentando para dois aspectos: a seleção do repertório e o tratamento dado a cada um dos textos ao serem transpostos para a língua francesa. Pereira (2005, p.90) reconhece a validade da tentativa de Orban, mesmo que o processo

de seleção de textos tenha pecado por uma visão sem perspectiva panorâmica e o resultado revele “uma concepção equivocada do processo de tradução poética”,

comprometendo a iniciativa.

Quanto à seleção, revela-se na Poésie brésilienne um critério de afinidade ou gosto pessoal do organizador, sobressaindo “uma valorização da

contemporaneidade que se evidencia na quantidade de textos de poetas da virada do século XIX para o XX” (ibidem) Quase um século depois, teriam as leis de

24

mercado transformado completamente esse critério de seleção de obras a serem

traduzidas?

Ainda segundo análise de Pereira, essas obras se destacam por apresentar

a literatura brasileira “não por seus componentes exóticos ou pitorescos, mas

porque se constituía em legítima herdeira da cultura latina, imbuída do

pensamento francês e encaminhando-se para um futuro promissor” (ibidem, p.96).

Nota-se, pois, ao se apreciar o conjunto de publicações traduzidas, a

supremacia do gênero poético sobre a prosa, mas, sobretudo, pode-se observar a pouca valorização de gêneros de prosa curta, mesmo que a França se interesse,

vez ou outra, por esse tipo de literatura, como comprova, por exemplo, o sucesso de seus contistas Nodier, Gauthier, Mérimée e Maupassant no século XIX. Em

1939, a Anthologie de quelques conteurs brésiliens vem quebrar o monopólio da poesia, mas não por muito tempo, pois somente em 1958 mais uma antologia de

contos aparecerá em meio às antologias de poesia ( La poésie brésilienne – 1941; Introduction à la poésie Ibero-américaine – 1947; Anthologie de la poésie brésilienne contemporaine – 1954; Anthologie de la poésie ibero-américaine

1956). Mais uma vez, Les vingts meilleurs nouvelles de l’Amérique latine, trazendo textos de Mário de Andrade e Guimarães Rosa, em 1958, quebra a supremacia da

poesia sobre a prosa curta nas antologias e coletâneas.

É somente a partir das décadas de 1960-1970 que os gêneros tendem a se

equilibrar mais harmoniosamente, no que se refere ao interesse dos franceses

pela literatura brasileira.

Segundo alguns levantamentos recentes, de aproximadamente 1.500 obras

brasileiras recenseadas em língua francesa (Abreu, 2004), cerca de novecentos

títulos correspondem a traduções de obra brasileira traduzida e publicada na

França. De onde se conclui que os demais títulos, em torno de seiscentos, foram escritos diretamente em francês e/ou publicados em outros países. São 406 os

autores repertoriados, e quase a metade (139 homens e 52 mulheres) é composta

por poetas, romancistas, contistas, biógrafos e dramaturgos. A outra parte dos 406

autores consagrou-se à realização de obras de teor social, político, religioso, econômico etc. Esses números são reveladores do interesse da França pelo

25

Brasil, no que se refere à antropologia ou aos direitos humanos, por exemplo. A prosa narrativa brasileira passou a constituir o gênero mais traduzido de literatura brasileira em francês. Vale salientar que a tradução e a publicação dessa prosa não respeita, no entanto, uma regularidade crescente. Alguns períodos, conforme se pode observar no estudo de Marie-Hélène Catherine Torres (2004), foram

menos propícios à tradução de obras brasileiras, sobretudo nas décadas de 1930

e 1960, em decorrência, entre outros motivos, da conjuntura sociopolítica.

Justificam-se, pois, estudos que examinem minuciosamente a recepção de

literatura brasileira traduzida na França.

Vale aqui salientar alguns nomes da literatura brasileira traduzidos na

França, mesclando os gêneros, a partir da década de 1960.

A partir dessa década, enquanto alguns autores como Machado de Assis e,

sempre, Jorge Amado são reeditados com certa freqüência, autores de literatura brasileira mais antigos, como Aluísio Azevedo e outros mais contemporâneos,

começam, pouco a pouco, a ser traduzidos e publicados. Muitos não passarão dos anos 1960, como Rubem Braga. Outros autores conhecerão tímida tradução e

publicação nesses anos e despontarão nos anos 1970, 1980 e 1990. Dentre esses

citam-se Autran Dourado, Lygia Fagundes Telles, Guimarães Rosa

Outros autores só terão tradução e publicação de certas obras na íntegra a

partir das décadas de 1970 e 1980, como Osman Lins, Antonio Callado, Carlos

Drummond de Andrade, Zélia Gattai, Josué Montello, Raduan Nassar, Nélida

Piñon, Rachel de Queiroz, João Ubaldo Ribeiro, José Mauro de Vasconcelos e,

mais recentemente, Moacyr Scliar, Márcio Souza, Antonio Torres e Clarice

Lispector. Essa última obtém, a partir da década de 1990, um grande sucesso, e sua obra é recepcionada como literatura feminina.8

8 A tese de doutorado de Lúcia Peixoto Cherem “Um olhar estrangeiro sobre a obra de Clarice Lispector: leitura e recepção da autora na França e no Canadá (Quebec)”, defendida em 2003 na Universidade de São Paulo versa justamente sobre esse tema.

26

Na década de 1990, o leitor francês pode melhor conhecer a obra de Caio

Fernando Abreu, Bernardo Carvalho, Roberto Drummond, Milton Hatoum, Hilda

Hilst, Dalton Trevisan e, finalmente, Patrícia Melo e Paulo Coelho.

O novo milênio apresenta a publicação na França de Ferreira Gullar, Paulo

Lins e Luis Fernando Veríssimo.

Embora o Brasil sempre tenha sido alvo da curiosidade dos franceses, a

literatura brasileira tem tido maior destaque nesses últimos trinta anos na França.

A mídia especializada ressaltou nesse período algumas ocasiões em que o Brasil se destacou no cenário francês.

Em 1985, uma publicação especial de Libération convidou, como

mencionado no início deste capítulo, 400 escritores do mundo inteiro a

responderem à pergunta “Pourquoi écrivez-vous?”. Aproximadamente duas

páginas são consagradas ao Brasil. Antonio Callado, Autran Dourado, Carlos

Drummond de Andrade, Jorge Amado, Rubem Fonseca, Fernando Gabeira,

Raduan Nassar, Darcy Ribeiro, João Ubaldo Ribeiro, Napoleão Sabóia, Moacyr

Scliar, Márcio Souza, e Antonio Torres são os escritores brasileiros que deram seu depoimento. Cada testemunho é precedido de uma foto (3cm x 4cm) do autor e

de uma pequena biografia. Evidentemente é dado maior espaço a Jorge Amado,

cuja foto (15cm x 21,5cm) atrai de imediato a atenção do leitor. Alguns autores já haviam sido publicados na França, como Autran Dourado, nos anos 1960 e

Callado, Drummond, Darcy Ribeiro João Ubaldo Ribeiro, na década seguinte. No

final dos anos 1970 e início de 1980, Rubem Fonseca, Márcio Souza e Antonio

Torres acabavam de ser publicados pela primeira vez. Quanto a Raduan Nassar e

Moacyr Scliar, 1985 é justamente o ano de sua primeira publicação. Pode-se

avaliar que Libération buscou mesclar autores mais e menos conhecidos do

público francês.

Em 1987, o Brasil inaugura, a convite do Ministério da Cultura, o projeto

“Les belles étrangères”:9

9 Cf. <http://www.diplomatie.gouv.fr/label_France/FRANCE/LETTRES/etrangeres/page.html>

<http://www.centrenationaldulivre.fr/Les-Belles-Etrangeres>.

27

“Les belles étrangères...” Sous ce titre – ô combien séduisant ! – le Centre National de Lettres et la Direction du Livre lancent une opération de longue haleine afin de permettre au public français de se familiariser avec les

littératures venues d’ailleurs. « Les » belles étrangères » que nous voulons vous faire découvrir, ce sont ces littératures qu’il est inadmissible de dire

« mineures », alors que, tout simplement, tous ceux qui les aiment n’ont pas encore réussi à nous les faire connaître », a expliqué M. Jean Gattegno. 10

(Zand, 1987, p.14)

Previa-se naquele mesmo ano a participação da Alemanha, da China, da

Dinamarca, da Espanha e da Rússia. Por meio desse projeto, a França acreditava abrir-se ao “outro”, embora seja bastante curioso e significativo que o organizador, em seu depoimento, inclua algumas dessas literaturas no que chama de literaturas consideradas “menores”.

O evento, inicialmente no mês de março, e em 1987 na ocasião do Salão

do Livro de Paris, contou com a presença de mais de quinze escritores brasileiros, entre eles Jorge Amado, Zélia Gattai, Antonio Callado, José Candido de Carvalho, Raduan Nassar, Rubem Fonseca, Lygia Fagundes Telles, Antonio Olynto e João

Cabral de Melo Neto.

Com o Projeto “Les belles étrangères”, vinte anos após sua primeira edição,

a França busca abrir-se ao “outro”, estabelecendo uma contraface literária e

cultural num contexto mais amplo, que envolve relações diplomáticas, acordos

comerciais etc. O sucesso junto ao público é flagrante e “Les belles étrangères” é sempre uma ocasião muito festejada no mercado editorial e no comércio

especializado.

Uma década depois, em 1998, o Brasil é convidado de honra do Salão do

Livro de Paris. Trinta e cinco autores dentre os quais Antonio Torres, Autran

Dourado, Bernardo Carvalho, Carlos Heiitor Cony, Chico Buarque, Dias Gomes,

Fernando Gabeira, João Ubaldo Ribeiro, Jorge Amado, Luis Fernando Veríssimo,

Lygia Fagundes TellesMárcio Souza, Milton Hatoum, Moacyr Scliar, Nélida Piñon, Plínio Marcos, Raduan Nassar e Zuenir Ventura, entre outros, integram a comitiva.

10 “’Les belles étrangères...’ Com esse título – tão sedutor! – o Centre National de Lettres e a Direction du Livre lançam uma operação de grande fôlego a fim de permitir ao público francês que se familiarizasse com as literaturas vindas de outros lugares. « Les » belles étrangères » que nós queremos fazer os franceses descobrirem são essas literaturas que é inadmissível chamar de 28

Dessa vez, Rubem Fonseca não estava entre os escritores representantes do

Brasil em Paris, mas Patrícia Melo, aos trinta e quatro anos, considerada sua

discípula, já participava do grupo, apenas dois anos após o lançamento de O

matador em língua francesa.

Um artigo publicado no Le Monde des Livres na ocasião, assinado pela

jornalista Estelle Nouel em colaboração com o jornalista e escritor Jean Christophe Rampal, intitulado “Polar sous les tropiques” – Romance policial sob os trópicos –

merece especial atenção (Nouel, 1998, p.3).

O artigo traz o seguinte lead, que serve de resumo do conteúdo do artigo:

Constitué en genre à part entière à la fin de la dictature, le roman policier est le témoin par son essence même des désordres sociaux”.11 Após uma introdução que explica rapidamente os então quinze anos de ditadura e a anistia concedida pelo general Figueiredo em 1979 em um contexto de reconciliação política

forçada, o artigo apresenta o romance policial como uma tendência latino-americana de valorização do roman “dur” . O depoimento do escritor argentino Mempo Giardinelli, retirado de uma obra clássica consagrada ao romance policial na América Latina, Anthologie de la nouvelle noire et policière latino-américaine, (Fonseca, 1995) reforça as premissas do artigo:

au sortir de la dictature « on ne pouvait faire de la littérature sans passer par le policier. Je veux dire par là qu’il y avait besoin de parler de certaines choses, d’une certaine façon : la réalité sociale, les échecs politiques, les désillusions, tout cela dans un style noir, violent, direct ». (Nouel, 1998, p.3)12

A fim de introduzir comentários sobre a obra O matador de Patrícia Melo, os autores afirmam, no artigo, que na sociedade brasileira democracia rima com neoliberalismo e que a miséria e as desigualdades sociais alimentam a violência urbana incapaz de combater uma polícia corrupta (ibidem). Segue-se um resumo de O matador que culmina com o comentário sobre Rubem Fonseca:

« menores », simplesmente porque, todos os que as apreciam ainda não conseguiram torná-las conhecidas», explicou o Sr. Jean Gattegno.”

11 “Constituindo-se assumidamente como gênero no final da ditadura, o romance policial é a testemunha por sua própria essência das desordens sociais.”

29

Mais Patricia Melo, ancienne réalisatrice à TV Globo et scénariste,

évoque plus volontiers ses références cinématographiques et notamment,

Lacombe Lucien, le film de Louis Malle. Lacombe Lucien devenait

collaborateur ; Maïquel, le héros de O Matador , bascule dans le crime. « A chacun sa part d’ombre », nous dit Patricia Melo, comme un réquisitoire contre ceux qui accusent de compromission avec le régime militaire son père

spirituel, Rubem Fonseca. (ibidem)13

Dessa maneira, Rubem Fonseca e sua obra passam a ser o centro das

atenções do artigo. São inicialmente fornecidos dados sobre sua biografia: data e local de nascimento, percurso profissional de advogado a crítico cinematográfico, e o detalhe de ele ter sido diretor do Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES) antes do golpe de 1964. Apesar de relatarem que o IPES teve o apoio dos generais golpistas, os articulistas também reforçam o fato de os mesmos generais terem censurado parte da obra de Rubem Fonseca, posteriormente. Uma vez

encerrada a menção à eventual participação política do escritor nos

acontecimentos dos anos 1960, passa-se à apreciação de sua obra propriamente

dita. Nessa parte, o artigo proporciona ao leitor um panorama incompleto da

produção fonsequiana traduzida na França. Apesar de reconhecerem que

Fonseca possui um estilo flamboyant pelo qual retrata as ambigüidades de sua época e personalidade, por meio de personagens multifacetados, apenas as

traduções dos livros Agosto e Vastas emoções e pensamentos imperfeitos serão citadas. Um derradeiro comentário nessa parte do artigo aponta as intrigas

cariocas presentes na obra de Fonseca como contraponto ao regionalismo tanto

de Guimarães Rosa como de Jorge Amado, esse último considerado símbolo de

exotismo brasileiro:

On y découvre un Brésil libéré de son carcan exotique. Derrière une apparente joie de vivre, le peuple rumine sa haine contre le pouvoir et l’armée. Les 12 “no final da ditadura, « não se podia fazer literatura sem passar pelo policial. Quero dizer com isso que havia a necessidade de se falar de certas coisas, de uma certa forma: a realidade social, os fracassos políticos, as desilusões, tudo isso num estilo negro, violento, direto ».”

13 “Mas Patrícia Melo, ex-diretora na TV Globo e autora de cenarista, evoca facilmente suas referências cinematográficas e sobretudo, Lacombe Lucien, o filme de Louis Malle. Lacombe Lucien se tornara colaborador; Maiquel, o herói de O matador, cai no crime. ’Cada um com sua sombra’, nos diz Patrícia Melo, como que incriminando os que acusam de compromisso com o regime militar seu pai espiritual, Rubem Fonseca.”

30

mafiosi infiltrent le carnaval, et les Noir subissent quotidiennement le racisme.

(ibidem)14

A seqüência do artigo contrapõe Rubem Fonseca a Chico Buarque e

Bernardo Carvalho, autores que viveram no exílio. Uma breve menção é feita a Jô Soares, como um autor que está mais para a telenovela do que para a literatura.

Para encerrar o artigo, tece-se um comentário muito relevante a respeito da

inexistência de uma coleção dedicada à “série noire”:

Malgré la popularité croissante du polar, et contrairement au Mexique ou à l’Argentine, il n’existe au Brésil aucune collection de série noire. Une frilosité que ne partagent pas les éditeurs de bandes dessinées, qui ont créé une

collection entièrement consacrée au policier. (ibidem)15

Em 2005, o Brasil foi mais uma vez o país homenageado no Salão do Livro

de Paris, por ter sido instituído o “Ano do Brasil na França”. Vale salientar que o referido Salão do Livro, que tem como foco o leitor, muitas vezes é influenciado pela Feira do Livro de Frankfurt, maior evento editorial do mundo. Nessa feira, cuja prioridade são as editoras, a participação brasileira vem aumentando nos últimos anos. Em 2003, o Brasil ficou em 29º lugar em número de expositores, e no ano

seguinte, subiu para a 13ª posição (cf. FolhaOnline, 15.10.2005, 09h02).

Em destaque: a fortuna crítica de Rubem Fonseca

Pode-se considerar que o leitor francês teve acesso à obra de Rubem

Fonseca apenas nos anos 1980, pois a primeira tradução de que se tem notícia foi realizada e publicada em 1979.

14 “Descobre-se aí um Brasil liberado de sua canga exótica. Por trás de uma aparente alegria de viver, o povo rumina seu ódio contra o poder e o exército. Os mafiosos infiltram-se no carnaval e os negros agüentam diariamente o racismo.”

15 “Apesar da popularidade crescente do romance policial e, contrariamente ao México ou à Argentina, não existe no Brasil nenhuma coleção de série noire. Uma timidez que os editores de histórias em quadrinhos não compartilham, pois criaram uma coleção inteiramente consagrada ao gênero policial.”

31

Com base no conjunto do material pesquisado, pode-se deduzir que

Marguerite Wünscher foi a primeira tradutora de Rubem Fonseca para a língua

francesa, ao traduzir o único livro de contos publicado integralmente, Bonne et heureuse année, e o primeiro romance de Rubem Fonseca, Le cas Morel. Ambos foram publicados em 1979 numa mesma edição. Segundo a própria tradutora,

tratou-se de uma estratégia editorial: Lise Lebel, diretora literária da Flammarion desejava publicar, nos anos 1970, autores contemporâneos brasileiros.

Professora de literatura francesa de 1974 a 1977 na Aliança Francesa de

São Paulo, então sob a direção de Jacques Thiériot, Marguerite Wünscher, ao

retornar à França, quis mostrar o verdadeiro Brasil aos franceses:

En rentrant en France, je souhaitais faire connaître ici le ‘’vrai‘’ Brésil, pas seulement celui des plages et du carnaval, mais celui de tous les jours, celui des brésiliens. Pour sortir des clichés, rien ne vaut la littérature. Nous connaissions surtout à l’époque les romans de George Amado (sic). Une amie brésilienne, Estela DOS SANTOS ABREU, qui connaissait très bien la France

et travaillait dans l’édition, m’a mise en contact avec Lise LEBEL, directrice littéraire chez Flammarion, décédée aujourd’hui. Cette personne voulait

prendre le risque de publier des livres brésiliens actuels. (4.9.2005)16

Seu testemunho esclarece sobre o processo de seleção de autores

contemporâneos brasileiros e a escolha dos autores Rubem Fonseca e,

posteriormente, Ivan Ângelo, revelando-nos a elaboração de um estudo literário de mercado.

Sur proposition d’Estela, j’ai donc commencé à lire beaucoup d’ouvrages en rédigeant des fiches de lecture. Nous avons sélectionné Rubem Fonseca qui

nous offrait un miroir de certains côtés de la société urbaine, sans trop de traces d’exotisme. Je pensais que le lecteur français n’aurait pas de peine à s’y retrouver. Le cas Morel était facile à lire à cause de sa structure en roman policier qui évitait le didactisme quand il évoquait la désintégration d’une société proche de la nôtre.

Les nouvelles qui composaient Bonne et heureuse année étaient aussi très abordables et leur ton satirique et noir ne pouvait que séduire les lecteurs.

16 “Voltando à França, eu quis mostrar aqui o ‘verdadeiro’ Brasil, não somente aquele das praias e do carnaval, mas o de todos os dias, o dos brasileiros. Para sair dos clichês, nada como a literatura. Conhecíamos na época, sobretudo os romances de Jorge Amado. Uma amiga brasileira, ESTELA DOS SANTOS ABREU, que conhecia muito bem a França e trabalhava no ramo da edição, me colocou em contato com Lise LEBEL, atualmente falecida, diretora literária na Flammarion. Essa pessoa queria correr o risco de publicar livros brasileiros atuais.”

32

Pour vous montrer la cohérence de nos choix, j’ai également traduit la

même année La Festa d’Ivan Angelo, qui recoupait nos premiers choix par son regard journalistique sur le Brésil des années 70. (4.9.2005)17

A festa ( La fête), de Ivan Ângelo, foi igualmente publicado em 1979, pela Flammarion.

O depoimento de Marguerite Wünscher revela-nos ainda o provável motivo

da interrupção do projeto de Lise Lebel:

Je ne crois pas que ces livres aient eu beaucoup de succès, mais ils ont eu le mérite d’ouvrir une brèche, et les éditeurs se sont très vite ensuite emparé du créneau brésilien. Aujourd’hui, contrairement à l’époque, le Brésil est bien présent dans les catalogues. (4.9.2005)18

Questionada sobre a não-publicação de outros livros de conto de Rubem

Fonseca, Wünscher considerou:

L’une de vos questions portent sur le seul livre de nouvelles traduit. La raison en est simple. Jusqu’à très récemment, les français ne s’intéressaient pas aux nouvelles. Ils ne lisaient que celles des grands auteurs anglo-saxons.

Aujourd’hui la situation a changé. Beaucoup de jeunes auteurs français en

publient. L’émulation vient aussi de concours de nouvelles ouverts à n’importe qui. De ce fait, les lecteurs sont plus nombreux et on commence à ne plus les considérer comme un genre mineur.

C’est d’ailleurs pour cette raison que l’éditeur a choisi de publier

ENSEMBLE le roman avec les nouvelles. Les nouvelles seules ne se seraient

pas vendues. (4.9.2005)19

17 “Por sugestão de Estela, comecei, então, a ler muitas obras, redigindo fichas de leitura.

Selecionamos Rubem Fonseca que nos oferecia um espelho de certas facetas da sociedade urbana, sem excesso de traços de exotismo. Eu acreditava que o leitor francês não teria dificuldades em se identificar com ele. O caso Morel era fácil de ler por ter uma estrutura de romance policial que evitava o didatismo quando ele evocava a desintegração de uma sociedade próxima da nossa.

Os contos que compunham Feliz ano novo eram também muito acessíveis e seu tom satírico e

’noir’ só podia seduzir os leitores.

Para mostrar a coerência de nossas escolhas, traduzi também, no mesmo ano, A Festa, de Ivan Ângelo, que confirmava nossa primeira escolha por seu olhar jornalístico sobre o Brasil dos anos 70.”

18 “Não creio que estes livros tenham tido muito sucesso, mas tiveram o mérito de abrir um espaço e os editores rapidamente se apossaram do segmento brasileiro. Hoje em dia, ao contrário daquela época, o Brasil está bastante presente nos catálogos.”

19 “Uma de suas questões trata do único livro de contos traduzido. A razão disso é simples. Até muito recentemente os franceses não se interessavam pelos contos. Só liam os dos grandes 33

Outro questionamento dizia respeito ao eventual contato entre o autor e a

tradutora, ao que respondeu: “J’ai rencontré Rubem Fonseca une fois au Brésil rapidement” (4.9.2005). Embora não tenha estabelecido contato pessoal mais próximo com Rubem Fonseca, Wünscher contou com a intermediação constante

de Estela dos Santos Abreu, que contribuiu para o esclarecimento de inúmeras

dúvidas.

Cabe a Marguerite Wünscher o mérito de ter enfrentado o desafio de

traduzir Rubem Fonseca para o francês, apostando na sua modernidade, evitando

a folclorização ou apelo fácil ao exotismo. Outra façanha foi a publicação dos contos de Feliz ano novo junto com o romance.

A publicação de Le cas Morel suivi de Bonne et heureuse année em 1979

coincide com os quinze anos de ditadura militar no Brasil. Pode-se notar, pelo conteúdo dos artigos, que essa informação foi bem veiculada para a imprensa,

provavelmente pela própria editora, que enviou material de divulgação, e, como se poderá constatar, foi devidamente explorada pelos articulistas. Dois artigos,

relativamente longos, são consagrados ao lançamento do escritor brasileiro. O

primeiro, em abril de 1979, no Magazine Littéraire (rubrica “Romans”), e o segundo, em junho, em La Quinzaine Littéraire (rubrica “Romans”, “récits”...). As duas publicações atingem um público leitor que vai do simples interessado em

literatura ao especialista. Ambos os artigos trataram tanto de Le cas Morel suivi de Bonne et heureuse année, de Rubem Fonseca, quanto de La fête inachevée, de Ivan Angelo, publicados pela Flammarion, com tradução de Marguerite Wünscher.

Esses dois artigos, longos e detalhistas, merecem aqui análise e considerações pormenorizadas.

Gérard Cortanze, no primeiro artigo, apresenta a situação política e

econômica brasileira nos três primeiros parágrafos, para então introduzir os

romances dos dois escritores. O título, “Le brésil sans folklore” (sic), promete uma autores anglo-saxões. Hoje a situação mudou. Muitos jovens autores franceses publicam contos. O

estímulo vem também dos concursos abertos a qualquer pessoa. Por isso, os leitores são mais numerosos e começa-se a não mais considerá-lo um gênero menor.

34

nova visada na literatura brasileira por meio de uma análise histórica, sem o

exotismo que ocorre habitualmente. Quatro linhas de lead antecedem o artigo propriamente dito, resumindo-o:

Pays étonnat peut-être bientôt l’un des troisième ou quatrième du monde.

Empire en 1888, il passe par le positivisme d’Auguste Comte, républicain, pour subir aujourd’hui dans le régime des maréchaux. Entre temps, il y eut le

caoutchouc, puis la faillite des plantations. Aujourd’hui l’inflation délirante.

C’est de ce Brésil là dont nous parlent avec férocité et amertume Ivan Angelo et Rubem Fonseca. (Cortanze, 1979, p.26)20

Nessa pequena apresentação, bastante apelativa ao exortar a situação

econômica do Brasil, vislumbram-se, sobretudo, os aspectos históricos. Atente-se para a menção ao republicano positivista Auguste Comte que, de certa forma,

relaciona o Brasil à França: mais uma maneira de interpelar a atenção do leitor.

Esse recurso será amplamente utilizado, como se verá a seguir.

O primeiro parágrafo evoca o imperador Dom Pedro II, relacionando-o a

amizades francesas: “Le 13 mai 1888, l’Empereur Dom Pedro II, ami de Renan, de Maspero, de Pasteur, de Victor Hugo, abolissait l’esclavage” (ibidem).21

Cortanze prossegue a narração histórica evidenciando os vínculos com a

história da França: cita o suíço Benjamin Constant e suas idéias revolucionárias, o positivismo de Auguste Comte, e até afrancesa nomes próprios como Alberto

Torres, que se tornou Albert Torres.22 Ele traça, assim, um panorama bastante

sucinto da história do Brasil até 1964. Esse recurso sensibiliza o leitor, conhecedor ou não do Brasil e de sua história, aproximando-o da realidade brasileira. A

seqüência do artigo sugere que o leitor francês, se não conhece a história mais Aliás, é por esta razão que o editor escolheu publicar JUNTOS o romance e os contos. Os contos sozinhos não venderiam.”

20 “País surpreendente, logo será o terceiro ou quarto do mundo. Império em 1888, passa pelo positivismo de Auguste Comte, republicano, para sofrer hoje no regime dos marechais. Nesse ínterim, houve a borracha, depois a falência da lavoura. Hoje, a inflação delirante. É desse Brasil que nos falam com ferocidade e amargura Ivan Angelo e Rubem Fonseca.”

21 “Em 13 de maio de 1888, o Imperador Dom Pedro II, amigo de Renan, de Maspero, de Pasteur, de Victor Hugo, abolia a escravidão.”

22 Questionou-se aqui se seria um afrancesamento eventual desse autor, um afrancesamento corrente na França, ou simplesmente um erro tipográfico. Segundo pesquisa, não há afrancesamento corrente do nome Alberto Torres. Subsiste a primeira ou a terceira hipótese.

35

antiga do Brasil, está (ou não pode mais deixar de estar), porém, familiarizado com sua história recente:

On connaît la suite: Actes Institutionnels supprimant les partis politiques traditionnels, augmentation des pouvoirs de’exception du Président, réforme judiciaire déniant aux prisionniers politiques le droit d’habeas corpus,

suspension sie die du Parlement créations d’organismes militaires et policiers de lutte contre la « subversion » (CODI, DOI, DOPS, PIC, GOE, DPF,…)

pratiquant très systèmatiquement les tortures les plus odieuses

(« churrasquinho », « geladeira », « palmatoria », « pau de arara »,…), – la rue étant laissé aux groupes fascistes. (ibidem)23

Salienta-se que o nome dado às diferentes modalidades de tortura está em

português no texto francês.

Os exilados políticos são o assunto inicial do segundo parágrafo. A França

foi um dos países que mais acolheram refugiados políticos na década de 1970.

Portanto, se o leitor desconhece a maior parte das informações históricas do início do artigo, a evolução da política brasileira, as práticas de tortura, possivelmente, com a leitura desse trecho passa a ter elementos para se envolver mais no texto.

Um terceiro momento é consagrado à economia, indicando o PIB de 10%

entre 1964 e 1974, a crise e a inflação de 50% em 1976.

Uma vez preparado, então, o leitor é convidado a descobrir dois escritores

brasileiros inseridos no contexto apresentado:

C’est de ce Brésil-là dont nous parlent avec férocité et amertume La

fête inachevée et Le cas Morel , mais comme dans une vision inversée et en excluant tout misérabilisme. En dénonçant la décrépitude d’une oligarchie

brésilienne composée « d’arrivistes endimanchés […] , élegants, propes et en bonne santé, souriants, aimables, cérimonieux, satisfaits

», lentement

corrompus par l’ennui, l’angoisse, la peur, Rubem Fonseca et Ivan Angelo

dressent un implacable réquisitoire, défini ainsi par ce dernier : « Ce livre n’est pas seulement un livre d’histoires […] , mais il est surtout une discussion, un 23 “Sabe-se o que ocorreu em seguida: Atos Institucionais suprimindo os partidos políticos tradicionais, aumento do poder especial do Presidente, reforma judiciária negando aos presos políticos o direito ao habeas corpus, suspensão sine die do Parlamento, criação de organismos militares e policiais de luta contra a « subversão » (CODI, DOI, DOPS, PIC, GOE, DPF,…) que praticaram muito sistematicamente as torturas mais execráveis (« churrasquinho », « geladeira »,

« palmatória », « pau de arara »,..), – enquanto a rua era deixada aos grupos fascistas.”

36

étonnement, un témoignage, une investigation, une déposition, une enquête

sur l’homme brésilien ». (ibidem)24

A atualidade e o teor de testemunho histórico, de denúncia de ambos os

textos, serão reforçados ao longo do artigo, como assinala Ivan Angelo: “J’ai senti la nécessité de témoigner, de proposer une vision dramatique du Brésil

d’aujourd’hui, à travers un traitement littéraire soigné” (ibidem).25

O artigo conta com o depoimento de Ivan Angelo, mas não com o de

Rubem Fonseca. Talvez, por isso, seja dado maior espaço ao primeiro, e somente após o testemunho de Ivan Angelo surgem algumas linhas introdutórias ao

conteúdo do romance de Rubem Fonseca:

Dans Le cas Morel , Rubem Fonseca, utilisant la structure du roman policier, tente de mener une enquête pour savoir si Morais-Morel qui voulait faire une expérience en vivant avec plusieurs femmes (Ismène, Carmen et Joana), a

vraiment tué l’une d’entre elles, trois matériaux étant à la disposition du romancier-policier : ce que dit le narrateur, ce que dit le roman de Morais-Morel, ce que retracent les pages du journal retrouvé de Joana-Heloïsa.

(ibidem, p.26-7)26

O artigo destaca primeiramente os dois romances para, em seguida,

consagrar espaço à coletânea de contos de Rubem Fonseca.

A partir da apresentação do romance de Fonseca, o autor do artigo mescla