Seleção de Obras Poéticas II por Gregório de Matos - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
index-1_1.jpg

index-1_2.png

www.nead.unama.br

Universidade da Amazônia Seleção de Obras

Poéticas II

de Gregório de Matos NEAD – NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Av. Alcindo Cacela, 287 – Umarizal CEP: 66060-902

Belém – Pará

Fones: (91) 210-3196 / 210-3181

www.nead.unama.br

E-mail: uvb@unama.br

1

www.nead.unama.br

Soneto

A cada canto um grande conselheiro, Que nos quer governar cabana, e vinha, Não sabem governar sua cozinha, E podem governar o mundo inteiro.

Em cada porta um freqüentado olheiro, Que a vida do vizinho, e da vizinha Pesquisa, escuta, espreita, e esquadrinha, Para a levar à Praça, e ao Terreiro.

Muitos Mulatos desavergonhados, Trazidos pelos pés os homens nobres, Posta nas palmas toda a picardia.

Estupendas usuras nos mercados, Todos, os que não furtam, muito pobres, E eis aqui a cidade da Bahia.

Epílogos

Que falta nesta cidade?...................................Verdade Que mais por sua desonra ..............................Honra Falta mais que se lhe ponha ...........................Vergonha.

O demo a viver se exponha, por mais que a fama a exalta, numa cidade, onde falta Verdade, Honra, Vergonha.

Quem a pôs neste socrócio?.................................. Negócio Quem causa tal perdição? ................................ Ambição E o maior desta loucura?................................. Usura.

Notável desaventura

de um povo néscio, e sandeu, que não sabe, que o perdeu Negócio, Ambição, Usura.

Quais são os seus doces objetos?....................... Pretos Tem outros bens mais maciços?........................ Mestiços Quais destes lhe são mais gratos?...................... Mulatos.

Dou ao demo os insensatos, dou ao demo a gente asnal, que estima por cabedal

Pretos, Mestiços, Mulatos.

2

www.nead.unama.br

Quem faz os círios mesquinhos?......................... Meirinhos Quem faz as farinhas tardas? ...........................Guardas Quem as tem nos aposentos? ........................... Sargentos.

Os círios lá vêm aos centos, e a terra fica esfaimando, porque os vão atravessando Meirinhos, Guardas, Sargentos.

E que justiça a resguarda? ................................ Bastarda É grátis distribuída? ......................................... Vendida Que tem, que a todos assusta?............................ Injusta.

Valha-nos Deus, o que custa, o que El-Rei nos dá de graça, que anda a justiça na praça Bastarda, Vendida, Injusta.

Que vai pela clerezia? ........................................ Simonia E pelos membros da Igreja? ............................. Inveja Cuidei, que mais se lhe punha?......................... Unha.

Sazonada caramunha!

enfim que na Santa Sé

o que se pratica, é

Simonia, Inveja, Unha.

E nos Frades há manqueiras?........................... Freiras Em que ocupam os serões? .............................. Sermões Não se ocupam em disputas?............................ Putas.

Com palavras dissolutas me concluis na verdade, que as lidas todas de um Frade são Freiras, Sermões, e Putas.

O açúcar já se acabou?..................................... Baixou E o dinheiro se extinguiu?............................... Subiu Logo já convalesceu? .......................................... Morreu.

À Bahia aconteceu

o que a um doente acontece, cai na cama, o mal lhe cresce, Baixou, Subiu, e Morreu.

A Câmara não acode?...................... ............... Não pode Pois não tem todo o poder?.............................. Não quer É que o governo a convence? .............,............. Não vence.

Quem haverá que tal pense, 3

www.nead.unama.br

que uma Câmara tão nobre por ver-se mísera, e pobre Não pode, não quer, não vence.

Mote

De dous ff se compõe esta cidade a meu ver um furtar, outro foder.

Glosa

Recopilou-se o direito, e quem o recopilou

com dous ff o explicou

por estar feito, e bem feito: por bem Digesto, e Colheito só com dous ff o expõe, e assim quem os olhos põe no trato, que aqui se encerra, há de dizer, que esta terra De dous ff se compõe.

Se de dous ff composta

está a nossa Bahia,

errada a ortografia

a grande dano está posta: eu quero fazer aposta,

e quero um tostão perder, que isso a há de preverter, se o furtar e o foder bem não são os ff que tem

Esta cidade a meu ver.

Provo a conjetura já

prontamente como um brinco; Bahia tem letras cinco

que são BAHIA:

logo ninguém me dirá

que dous ff chega a ter, pois nenhum contém sequer, salvo se em boa verdade são os ff da cidade

um furtar, outro foder.

Soneto

Triste Bahia! oh quão dessemelhante Estás, e estou do nosso antigo estado!

4

www.nead.unama.br

Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado, Rica te vejo eu já, tu a mi abundante.

A ti trocou-te a máquina mercante, Que em tua larga barra tem entrado, A mim foi-me trocando, e tem trocado Tanto negócio, e tanto negociante.

Deste em dar tanto açúcar excelente Pelas drogas inúteis, que abelhuda Simples aceitas do sagaz Brochote.'

Oh se quisera Deus, que de repente Um dia amanheceras tão sisuda Que fora de algodão o teu capote!

À Bahia

Tristes sucessos, casos lastimosos, Desgraças nunca vistas, nem faladas, São, ó Haia! vésperas choradas De outros que estão por vir mais estranhos: Sentimo-nos confusos, e teimosos, Pois não damos remédio às já passadas, Nem prevemos tampouco as esperadas, Como que estamos delas desejosos.

Levou-vos o dinheiro a má fortuna, Ficamos sem tostão, real nem branca, Macutas, correão, novelos, molhos: Ninguém vê, ninguém fala, nem impugna, E é que, quem o dinheiro nos arranca, Nos arranca as mãos, a língua, os olhos.

Romance

Senhora Dona Bahia,

nobre e opulenta cidade, madrasta dos Naturais,

e dos Estrangeiros madre.

Dizei-me por vida vossa, em que fundais o ditame de exaltar os que aí vêm, e abater os que ali nascem?

Se o fazeis pelo interesse, de que os estranhos vos gabem, isso os Paisanos fariam 5

www.nead.unama.br

com duplicadas vantagens.

E suposto que os louvores em boca própria não cabem, se tem força esta sentença, mor força terá a verdade.

O certo é, Pátria minha, que fostes terra de alarves, e inda os ressaibos vos duram desse tempo, e dessa idade.

Haverá duzentos anos,

(nem tantos podem contar-se) que éreis uma aldeia pobre, e hoje sois rica cidade.

Então vos pisavam Índios, e vos habitavam cafres, hoje chispais fidalguias, arrojando personagens.

A essas personagens vamos, sobre elas será o debate, e queira Deus, que o vencer-vos para envergonhar-vos baste.

Sai um pobrete de Cristo de Portugal, ou do Algarve cheio de drogas alheias para daí tirar gages."

O tal foi sota-tendeiro de um cristão-novo em tal parte, que por aqueles serviços o despachou a embarcar-se.

Fez-lhe uma carregação

entre amigos, e compadres: e ei-lo comissário feito de linhas, lonas, beirames.

Entra pela barra dentro, dá fundo, e logo a entornar-se começa a bordo da Nau

cum vestidinho flamante.

Salta em terra, toma casas, arma a botica dos trastes, em casa come Baleia,

na rua entoja manjares.

Vendendo gato por lebre, antes que quatro anos passem, já tem tantos mil cruzados, segundo afirmam Pasguates.

Começam a olhar para ele os Pais, que já querem dar-1he Filha, e dote, porque querem 6

www.nead.unama.br

homem, que coma, e não gaste.

Que esse mal há nos mazombos, têm tâo pouca habilidade, que o seu dinheiro despendem para haver de sustentar-se.

Casa-se o meu matachim,"

põe duas Negras, e um Pajem, uma rede com dous Minas, chapéu-de-sol, casas-grandes.

Entra logo nos piloros, e sai do primeiro lance Vereador da Bahia,

que é notável dignidade.

Já temos o Canastreiro, que inda fede a seus beirames, metamorfoses da terra

transformado em homem grande: e eis aqui a personagem.

Vem outro do mesmo lote tão pobre, e tão miserável vende os retalhos, e tira cornissão com couro, e carne.

Co principal se levanta, e tudo emprega no Iguape, que um engenho, e três fazendas tem feito homem grande; e eis aqui a personagem.

Dentre a chusma e a canalha da marítima bagagem

fica às vezes um cristão que apenas benzer-se sabe: Fica em terra resoluto

a entrar na ordem mercante, troca por côvado, e vara timão, balestilha, e mares.

Arma-lhe a tenda um ricaço, que a terra chama Magnate com pacto de parceria,

que em direito é sociedade: Com isto a Marinheiras

do primeiro jacto, ou lance bota fora o cu breado,

as mãos dissimula em guantes.

Vende o cabedal alheio, e dá com ele em Levante, vai, e vem, e ao dar das contas diminui, e não reparte.

Prende aqui, prende acolá, nunca falta um bom Compadre, 7

www.nead.unama.br

que entretenha o credor, ou faça esperar o Alcaide.

Passa um ano, e outro ano, esperando, que ele pague, que uns lhe dão, para que junte, e outros mais, para que engane.

Nunca paga, e sempre come, e quer o triste Mascate, que em fazer a sua estrela o tenham por homem grande.

O que ele fez, foi furtar, que isso faz qualquer bribante, tudo o mais lhe fez a terra sempre propícia aos infames e eis aqui a personagem.

Vem um Clérigo idiota,

desmaiado com um jalde, os vícios com seu bioco, com seu rebuço as maldades: Mais Santo do que Mafoma na crença dos seus Árabes, Letrado como um Matuto, e velhaco como um Frade; ontem simples sacerdote, hoje uma grã dignidade, ontem selvagem notório, hoje encoberto ignorante.

Ao tal Beato fingido

é força, que o povo aclame, e os do governo se obriguem, pois edifica a cidade.

Chovem uns, e chovem outros com ofícios, e lugares, e o Beato tudo apanha

por sua muita humildade.

Cresce em dinheiro, e respeito, vai remetendo as fundagens, compra toda a sua terra, com que fica homem grande, e eis aqui a personagem.

Vêm outros zotes de Réquiem, que indo tomar o caráter todo o Reino inteiro cruzam sobre a chanca viandante.

De uma província para outra como Dromedários partem, caminham como camelos,

e comem como selvagens: Mariolas de missal,

8

www.nead.unama.br

lacaios missa-cantante

sacerdotes ao burlesco

ao sério ganhões de altares.

Chega um destes, toma amo, que as capelas dos Magnates são rendas, que Deus criou para estes Orate fratres.

Fazem-lhe certo ordenado, que é dinheiro na verdade, que o Papa reserva sempre das ceias, e dos jantares.

Não se gasta, antes se embolsa, porque o Reverendo Padre é do Santo Nicomedes

meritíssimo confrade;

e eis aqui a personagem.

Vêem isto os Filhos da terra, e entre tanta iniquidade são tais, que nem inda tomam licença para queixar-se.

Sempre vêem, e sempre falam, até que Deus Ihes depare, quem lhes faça de justiça esta sátira à cidade.

Tão queimada, e destruída te vejas, torpe cidade, como Sodoma, e Gomorra

duas cidades infames.

Que eu zombo dos teus vizinhos, sejam pequenos, ou grandes gozos, que por natureza nunca mordem, sempre latem.

Que eu espero entre Paulistas na divina Majestade,

Que p ti São Marçal te queime, e São Pedro assim me guarde.

Décimas

Toda a cidade derrota

esta fome universal,

uns dão a culpa total

à Câmara, outros à frota: a frota tudo abarrota

dentro nos escotilhões

a carne, o peixe, os feijões, e se a Câmara olha, e ri, porque anda farta até aqui, 9

www.nead.unama.br

é cousa, que me não toca; Ponto em boca.

Se dizem, que o Marinheiro nos precede a toda a Lei, porque é serviço d'El-Rei, concedo, que está primeiro: mas tenho por mais inteiro o conselho, que reparte com igual mão, igual arte por todos, jantar, e ceia: mas frota com tripa cheia, e povo com pança oca!

Ponto em boca,

A fome me tem já mudo,

que é muda a boca esfaimada; mas se a frota não traz nada,"

por que razão leva tudo?

que o Povo por ser sisudo largue o ouro, e largue a prata a uma frota patarata,

que entrando co'a vela cheia, o lastro que traz de areia, por lastro de açúcar troca!

Ponto em boca.

Se quando vem para cá,

nenhum frete vem ganhar, quando para lá tornar,

o mesmo não ganhará;

quem o açúcar lhe dá,

perde a caixa, e paga o frete, porque o ano não promete mais negócio, que perder o frete, por se dever,

a caixa, porque se choca: Ponto em boca.

Entretanto eu sem abrigo, e o povo todo faminto

ele chora, e eu não minto, se chorando vo-lo digo: tem-me cortado o umbigo este nosso General,

por isso de tanto mal

lhe não ponho alguma culpa; mas se merece desculpa

o respeito, a que provoca, 10

www.nead.unama.br

Ponto em boca.

Com justiça pois me torno à Câmara Nó Senhora,

que pois me trespassa agora, agora leve o retorno:

preza a Deus, que o caldo morno que a mim me fazem cear da má vaca do jantar

por falta do bom pescado lhe seja em cristais lançado; mas se a saúde 1hes toca: Ponto em boca.

Décimas

Uma cidade tão nobre,

uma gente tão honrada

veja-se um dia louvada

desde o mais rico ao mais pobre: cada pessoa o seu cobre, mas se o diabo me atiça, que indo a fazer-lhe justiça, algum saia a justiçar,

'não me poderão negar,

que por direito, e por Lei esta é a justiça, que manda El-Rei.

O Fidalgo de solar

se dá por envergonhado

de um tostão pedir prestado para o ventre sustentar: diz, que antes o quer furtar por manter a negra honra, que passar pela desonra, de que Ihe neguem talvez; mas se o virdes nas galés com honras de Vice-Rei, esta é a justiça, que manda El-Rei.

A Donzela embiocada

mal trajada, e mal comida, antes quer na sua vida

ter saia, que ser honrada: à pública amancebada

por manter a negra honrinha, e se 1ho sabe a vizinha, e lho ouve a clerezia

dão com ela na enxovia, e paga a pena da lei;

11

www.nead.unama.br

esta é a justiça, que manda El-Rei.

A casada com adorno,

e o Marido mal vestido, crede, que este tal Marido penteia monho de corno: se disser pelo contorno, que se sofre a Fr. Tomás, por manter a honra o faz, esperai pela pancada,

que com carocha pintada de Angola há de ser Visrei: esta é a justiça, que manda El-Rei.

Os Letrados Peralvilhos citando o mesmo Doutor

a fazer de Réu, o Autor comem de ambos os carrilhos: se diz pelos corrilhos

sua prevaricação,

a desculpa, que lhe dão, é a honra de seus parentes, e entonces os requerentes, fogem desta infame grei: esta é a justiça, que manda El-Rei.

O Clérigo julgador,

que as causas julga sem pejo, não reparando, que eu vejo, que erra a Lei, e erra o Doutor: quando vêem de Monsenhor a Sentença Revogada

por saber, que foi comprada pelo jimbo, ou pelo abraço, responde o Juiz madraço, minha honra é minha Lei: esta é a justiça, que manda El-Rei.

O Mercador avarento,

quando a sua compra estende, no que compra, e no que vende, tira duzentos por cento: não é ele tão jumento,

que não saiba, que em Lisboa se lhe há de dar na gamboa; mas comido já o dinheiro diz, que a honra está primeiro, e que honrado a toda Lei: esta é a justiça, que manda El-Rei.

12

www.nead.unama.br

A viúva autorizada,

que não possui um vintém, porque o Marido de bem

deixou a casa empenhada: ali vai a fradalhada,

qual formiga em correição, dizendo, que à casa vão manter a honra da casa, se a virdes arder em brasa, que ardeu a honra entendeis: esta é a justiça, que manda El-Rei.

O Adônis da manhã,

o Cupido em todo o dia, que anda correndo a Coxia com recadinhos da Irmã: e se 1he cortam a 1ã,

diz, que anda naquele andar por a honra conservar

bem tratado, e bem vestido, eu o verei tão despido, que até as costas lhe verei; esta é a justiça, que manda El-Rei.

Se virdes um Dom Abade

sobre o púlpito cioso,

não 1he chameis Religioso, chamai-lhe embora de Frade: e se o tal Paternidade

rouba as rendas do Convento para acudir ao sustento da puta, como da peita, com que livra da suspeita do Geral do Viso-Rei:

esta é a justiça, que manda El-Rei.

Romance

Deste castigo fatal,

que outro não vemos, que iguale, serei Mercúrio das penas, e Coronista dos males.

Tome esta notícia a Fama, para que voe, e não pare, e com lamentáveis ecos

soe numa, e noutra parte.

Ano de mil, e seis centos oitenta e seis, se contar-se pode por admiração,

13

www.nead.unama.br

escutem os circunstantes.

Chegou a morte à Bahia, não cuidando, que chegasse, aqueles, que não temiam seus golpes por singulares.

Representou-nos batalha com rebuços no disfarce, facilitando a peleja

para segurar o saque.

Mas tocando a degolar

levou tudo a ferro, e sangue divertindo a medicina

com variar os achaques.

Fez estrago tão violento em discretos, ignorantes, em pobres, ricos, soberbos, que nenhum pode queixar-se.

Ao discreto não valeram seus conceitos elegantes, nem ao néscio o ignorar, que ofensas hão de pagar-se.

Ao rico não reparou

de seu poder a vantagem, nem ao soberbo o temido, nem ao pobre o humilhar-se.

Ao galante o ser vistoso, nem ao polido o brilhante, nem ao rústico descuidos, de que a vida há de acabar-se.

E se algum quis de manhã rosa brilhante ostentar-se, chegava a morte, e se via funesta pompa de tarde.

Emudeceu as folias,

trocou em lamento os bailes, cobriu as galas de luto, encheu de pranto os lugares.

Foi tudo castigo em todos por esta, e aquela parte, se aos pobres faltou remédio, aos ricos sobraram males.

Para o sexo feminino

veio a morte de passagem, deixando-lhe, no que via exemplo para emendar-se.

Nos inocentes de culpa

foi a morte relevante,

que tanto a inocência livra, quanto condena o culpável.

14

www.nead.unama.br

Pela caterva Etiópia

passou tocando rebate,

mas corpos, que pagam culpas, não é bem, que à vida faltem.

Já se via pelas ruas

de porta em porta chegar-se um devoto Teatino

intimando a confessar-se.

Quem para a morte deixara negócio tão importante, porque as lembranças da vida negam da morte o lembrar-se.

Os campanários se ouviam uma hora em outra dobrarem, despertadores da morte, porque aos vivos lhe lembrasse.

Fez abrir nos cemitérios em um dia a cada instante para receber de corpos, o que tinham de lugares.

Foi tragédia lastimosa, em que pode ponderar-se, que a terra sobrando a muitos, se viu ali, que faltasse.

Os que nela não cabiam, quando vivos, hoje cabem numa sepultura a três,

quero dizer a três pares.

Viam-se as enfermarias

de corpos tão abundantes, que sobrava a diligência, para que a todos chegassem.

O remédio para as vidas era impossível achar-se, porque o número crescia cada minuto, e instante.

Titubeava Galeno

com a implicância dos males, porque o tributo das vidas, mandava Deus, que pagassem.

O Senhor Marquês das Minas, que Deus muitos anos guarde, zeloso como cristão,

liberal como Alexandre; Preveniu para a saúde,

Para que em tudo acertasse, dividirem-se os enfermos por casas particulares.

15

www.nead.unama.br

Este zelo foi motivo,

de que todos por vontade (digo os possantes) mostraram, serem próximos amantes.

Havia um novo hospital, onde se admirou notável o zelo de uma Senhora

Dona Francisca de Sande: Mostrando como enfermeira o desvelo em toda a parte, e administrando a mezinha, a quem devia de dar-se.

Consolando a quem gemia, animando os circunstantes, tolerando o sentimento

de que assim não acertasse.

Não reparando nos gastos da fazenda, que eram grandes, porque só quis reparar

vidas, por mais importantes.

O Marquês como Senhor

quis em tudo avantajar-se, abrindo para a pobreza

os tesouros da vontade.

Repartia pelos pobres

esmolas tão importantes, que o seu zelo nos mostrava querer, que nada faltasse.

Publicando geralmente,

que a ele os pobres chegassem, porque ao remédio de todos sua Excelência não falte.

Mas se estava Deus queixoso, que muito passasse avante este castigo de culpas, mais que inclemência dos ares.

Finalmente que a Bahia

chegou a extremo tão grande, que aos viventes parecia querer o mundo acabar-se.

Punha a morte cerco às vidas tão cruel, e exorbitante, que em três meses sepultou da Bahia a maior parte.

Ah Bahia! bem puderas

de hoje em diante emendar-te, pois em ti assiste a causa de Deus assim castigar-te.

Mostra-se Deus ofendido, 16

www.nead.unama.br

nós sem desculpa que dar-lhe; emendemos nossos erros, que Deus porá termo aos males.

*soneto

Por entre o Beberibe, e o Oceano Em uma areia sáfia, e lagariça Jaz o Recife povoação mestiça, Que o Belga edificou ímpio tirano.

O Povo é pouco, e muito pouco urbano, Que vive à mercê de uma lingüiça, Unha de velha insípida enfermiça, E camarões de charco em todo o ano.

As Damas cortesãs, e por rasgadas Olhas podridas, são, e pestilências, Elas com purgações, nunca purgadas.

FIM

17

Você pode estar interessado...