Seleção de Obras Poéticas por Gregório de Matos - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
index-1_1.jpg

index-1_2.png

www.nead.unama.br

Universidade da Amazônia Seleção de Obras

Poéticas

de Gregório de Matos

NEAD – NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Av. Alcindo Cacela, 287 – Umarizal CEP: 66060-902

Belém – Pará

Fones: (91) 210-3196 / 210-3181

www.nead.unama.br

E-mail: uvb@unama.br

1

www.nead.unama.br

Seleção de Obras Poéticas de Gregório de Matos

A UMAS SAUDADES (257)

Parti, coração, parti,

navegai sem vos deter,

ide-vos, minhas saudades a meu amor socorrer.

Em o mar do meu tormento em que padecer me vejo

já que amante me desejo

navegue o meu pensamento: meus suspiros, formai vento, com que me façais ir ter onde me apeteço ver;

e diga minha alma assim: Parti, coração, parti,

navegai sem vos deter.

Ide donde meu amor

apesar desta distância

não há perdido constância nem demitido o rigor:

antes é tão superior

que a si se quer exceder, e se não desfalecer

em tantas adversidades,

Ide-vos minhas saudades

a meu amor socorrer.

2º SONETO À MORTE DE AFONSO BARBOSA DA FRANCA (327) Alma gentil, espírito generoso, Que do corpo as prisões desamparaste, E qual cândida flor em flor cortaste De teus anos o pâmpano viçoso.

Hoje, que o sólio habitas luminoso, Hoje, que ao trono eterno te exaltaste, Lembra-te daquele amigo a quem deixaste Triste, absorto, confuso, e saudoso.

Tanto tua virtude ao céu subiste, Que teve o céu cobiça de gozar-te, Que teve a morte inveja de vencer-te.

Venceste o foro humano em que caíste, Goza-te o céu não só por premiar-te, Senão por dar-me a mágoa de perder-te.

2

www.nead.unama.br

1º SONETO A MARIA DOS POVOS (319) Discreta e formosíssima Maria, Enquanto estamos vendo a qualquer hora Em tuas faces a rosada Aurora, Em teus olhos e boca o Sol e o dia, Enquanto com gentil descortesia O ar, que fresco Adônis te namora, Te espalha a rica trança voadora Quando vem passear-te pela fria, Goza, goza da flor da mocidade, Que o tempo trata a toda ligeireza, E imprime em toda a flor sua pisada.

Oh não aguardes, que a madura idade, Te converta essa flor, essa beleza, Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

INCONSTANCIA DOS BENS DO MUNDO (317) Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas a alegria.

Porém, se acaba o Sol, por que nascia?

Se é tão formosa a Luz, por que não dura?

Como a beleza assim se transfigura?

Como o gosto da pena assim se fia?

Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza.

Começa o mundo enfim pela ignorância, E tem qualquer dos bens por natureza A firmeza somente na inconstância.

CONFUSÃO DO FESTEJO DO ENTRUDO

Filhós, fatias, sonhos, mal-assadas, Galinhas, porco, vaca, e mais carneiro, Os perus em poder do pasteleiro, Esguichar, deitar pulhas, laranjadas; Enfarinhar, pôr rabos, dar risadas, Gastar para comer muito dinheiro, Não ter mãos a medir o taverneiro, Com réstias de cebolas dar pancadas; Das janelas com tanhos dar nas gentes, A buzina tanger, quebrar panelas, Querer em um só dia comer tudo; Não perdoar arroz, nem cuscuz quente, Despejar pratos, e alimpar tigelas: Estas as festas são do Santo Entrudo.

3

www.nead.unama.br

DESCREVE A VIDA ESCOLÁSTICA (161) Mancebo sem dinheiro, bom barrete Medíocre o vestido, bom sapato Meias velhas, calção de esfola-gato Cabelo penteado, bom topete; Presumir de dançar, cantar falsete, Jogo de fidalguia, bom barato, Tirar falsídia ao moço do seu trato, Furtar a carne à ama, que promete; A putinha aldeã achada em feira, Eterno murmurar de alheias famas, Soneto infame, sátira elegante; Cartinhas de trocado para a freira, Comer boi, ser Quixote com as damas, Pouco estudo: isto é ser estudante.

DESAIRES DA FORMOSURA (274) Rubi, concha de perlas peregrina, Animado cristal, viva escarlata, Duas safiras sobre lisa prata, Ouro encrespado sobre prata fina.

Este o rostinho é de Caterina; E porque docemente obriga e mata, Não livra o ser divina em ser ingrata E raio a raio os corações fulmina.

Viu Fábio uma tarde transportado Bebendo admirações, e galhardias A quem já tanto amor levantou aras: Disse igualmente amante e magoado: Ah muchacha gentil, que tal serias Se sendo tão formosa não cagaras!

A UMA QUE LHE CHAMOU “PICA-FLOR” (261) Se Pica-flor me chamais

Pica-flor aceito ser

mas resta agora saber

se no nome que me dais

meteis a flor que guardais no passarinho melhor.

Se me dais este favor

sendo só de mim o Pica

e o mais vosso, claro fica que fico então Pica-flor.

AOS CARAMURUS DA BAHIA (102) Um calção de pindoba à meia zorra Camisa de urucu, mantém de arara, 4

www.nead.unama.br

Em lugar de cotó arco e taquara Penacho de guarás em vez de gorra.

Furado o beiço, e sem temor que morra O pai, que lho envasou cuma titara Porém a Mãe a pedra lhe aplicara Por reprimir-lhe o sangue que não corra.

Alarve sem razão, bruto sem fé, Sem mais leis que a do gosto, quando erra De Paiaiá tornou-se em abaité.

Não sei onde acabou, ou em que guerra: S6 sei que deste Adão de Massapé Procedem os fidalgos desta terra.

(AO MESMO ASSUNTO)

Um paiá de Monai, bonzo bramá Primaz da cafraria do Pegu, Quem sem ser do Pequim, por ser do Acu, Quer ser filho do sol, nascendo cá.

Tenha embora um avô nascido lá, Cá tem tres pela costa do Cairu, E o principal se diz Paraguaçu, Descendente este tal de um Guinamá.

Que é fidalgo nos ossos cremos nós, Pois nisso consistia o mor brasão Daqueles que comiam seus avós.

E como isto lhe vem por geração, Tem tomado por timbre em seus teirós Morder nos que provêm de outra nação.

DEFINE A SUA CIDADE (94) De dous ff se compõe

esta cidade a meu ver,

um furtar, outro foder.

Recopilou-se o direito,

e quem o recopilou

com dous ff o explicou

por estar feito e bem feito: por bem digesto e colheito, só com dous ff o expõe,

e assim quem os olhos põe no trato, que aqui se encerra, há de dizer que esta terra De dous ff se compõe.

Se de dous ff composta

está a nossa Bahia,

errada a ortografia

a grande dano está posta: eu quero fazer aposta,

5

www.nead.unama.br

e quero um tostão perder, que isso a há de perverter, se o furtar e o foder bem não são os ff que tem

Esta cidade a meu ver.

Provo a conjetura já

prontamente com um brinco: Bahia tem letras cinco

que são BAHIA,

logo ninguém me dirá

que dous ff chega a ter

pois nenhum contém sequer, salvo se em boa verdade

são os ff da cidade

um furtar, outro foder.

AS COUSAS DO MUNDO (42)

Neste mundo é mais rico o que mais rapa: Quem mais limpo se faz, tem mais carepa; Com sua língua, ao nobre o vil decepa: O velhaco maior sempre tem capa.

Mostra o patife da nobreza o mapa: Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa; Quem menos falar pode, mais increpa: Quem dinheiro tiver, pode ser Papa.

A flor baixa se inculca por tulipa; Bengala hoje na mão, ontem garlopa, Mais isento se mostra o que mais chupa.

Para a tropa do trapo vazo a tripa E mais não igo, porque a Musa topa Em apa, epa, ipa, opa, upa.

À CIDADE DA BAHIA

Triste Bahia! Ó quão dessemelhante Estás e estou do nosso antigo estado!

Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado, Rica te vi eu já, tu a mi abundante.

A ti trocou-te a máquina mercante Que em tua larga barra tem entrado A mim foi-me trocando, e tem trocado, Tanto negócio e tanto negociante.

Deste em dar tanto açúcar excelente Pelas drogas inúteis, que abelhuda Simples aceitas do sagaz Brichote.

Oh se quisera Deus, que de repente Um dia amanheceras tão sisuda Que fôra de algodão o teu capote!

6

www.nead.unama.br

À CIDADE DA BAHIA (41)

A cada canto um grande conselheiro Que nos quer governar cabana e vinha; Não sabem governar sua cozinha E podem governar o mundo inteiro.

Em cada porta um bem freqüente olheiro Que a vida do vizinho e da vizinha Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha Para o levar à praça e ao terreiro.

Muitos mulatos desavergonhados, Trazidos sob os pés os homens nobres, Posta nas palmas toda a picardia, Estupendas usuras nos mercados, Todos os que não furtam muito pobres: E eis aqui a cidade da Bahia.

JUÍZO ANATÔMICO DA BAHIA (37) Que falta nesta cidade? — Verdade.

Que mais por sua desonra? — Honra.

Falta mais que se lhe ponha? — Vergonha.

demo a viver se exponha, Por mais que a fama a exalta, Numa cidade onde falta

Verdade, honra, vergonha.

Quem a pôs neste socrócio? — Negócio.

Quem causa tal perdição? — Ambição.

E o maior desta loucura? — Usura.

Notável desaventura

De um povo néscio e sandeu, Que não sabe que o perdeu Negócio, ambição, usura.

Quais são seus doces objetos? — Pretos.

Tem outros bens mais maciços? — Mestiços.

Quais destes lhe são mais gratos? — Mulatos.

Dou ao demo os insensatos, Dou ao demo a gente asnal, Que estima por cabedal

Pretos, mestiços, mulatos.

Quem faz os círios mesquinhos? — Meirinhos.

Quem faz as farinhas tardas? — Guardas.

Quem as tem nos aposentos? — Sargentos.

Os círios lá vêm aos centos, E a terra fica esfaimando, Porque os vão atravessando Meirinhos, guardas, sargentos.

E que justiça a resguarda? — Bastarda.

É grátis distribuída? — Vendida.

Que tem, que a todos assusta? — Injusta.

Valha-nos Deus, o que custa 7

www.nead.unama.br

que El-Rei nos dá de graça, Que anda a justiça na praça Bastarda, vendida, injusta.

Que vai pela clerezia? — Simonia.

E pelos membros da Igreja? — Inveja.

Cuidei que mais se lhe punha? — Unha.

Sazonada caramunha

Enfim, que na Santa Sé

que mais se pratica é

Simonia, inveja, unha.

E nos Frades há manqueiras? — Freiras.

Em que ocupam os serões? — Sermões.

Não se ocupam em disputas? — Putas.

Com palavras dissolutas

Me concluís, na verdade, Que as lidas todas de um Frade São freiras, sermões, e putas.

O açúcar já se acabou? — Baixou.

E o dinheiro se extinguiu? — Subiu.

Logo já convalesceu? — Morreu.

A Bahia aconteceu

O que a um doente acontece, Cai na cama, o mal lhe cresce, Baixou, subiu, e morreu.

A Câmara não acode? — Não pode.

Pois não tem todo o poder? — Não quer.

que o governo a convence? — Não vence.

Quem haverá que tal pense, Que uma Câmara tão nobre, Por ver-se mísera e pobre, Não pode, não quer, não vence.

AOS VÍCIOS (186)

Eu sou aquele que os passados anos Cantei na minha lira maldizente Torpezas do Brasil, vícios e enganos.

E bem que os descantei bastantemente, Canto segunda vez na mesma lira O mesmo assunto em plectro diferente.

Já sinto que me inflama e que me inspira Talia, que anjo é da minha guarda Dês que Apolo mandou que me assistira.

Arda Baiana e todo o mundo arda Que a quem de profissão falta à verdade Nunca a dominga das verdades tarda.

Nenhum tempo excetua a cristandade Ao pobre pegureiro do Parnaso Para falar em sua liberdade.

A narração há de igualar ao caso 8

www.nead.unama.br

E se talvez acaso o não iguala Não tenho por poeta o que é Pegaso.

De que pode servir calar quem cala?

Nunca se há de falar o que se sente Sempre se há de sentir o que se fa1a.

Qual homem pode haver tão paciente, Que, vendo o triste estado da Bahia Não chore, não suspire e não lamente?

Isto faz a discreta fantasia: Discorre em um e outro desconcerto Condena o roubo, increpa a hipocrisia.

O néscio, o ignorante, o inexperto Que não elege o bom, nem mau reprova Por tudo passa deslumbrado e incerto.

E quando vê talvez na doce trova Louvado o bem e o mal vituperado A tudo faz focinho, e nada aprova.

Diz logo prudentaço e repousado:

— Fulano é um satírico, é um louco, De língua má, de coração danado.

Néscio, se disso entendes nada ou pouco, Como mofas com riso e algazarras Musas, que estimo ter, quando as invoco.

Se souberas falar, também falaras Também satirizaras, se souberas E se foras poeta, poetizaras.

A ignorância dos homens destas eras Sisudos faz ser uns, outros prudentes, Que a mudez canoniza bestas feras.

Há bons, por não poder ser insolentes, Outros há comedidos de medrosos, Não mordem outros não — por não ter dentes.

Quantos há que os telhados têm vidrosos, E deixam de atirar sua pedrada, De sua mesma telha receosos?

Uma só natureza nos foi dada Não criou Deus os naturais diversos; Um só Adão criou e esse de nada.

Todos somos ruins, todos perversos, Só nos distingue o vício e a virtude, De que uns são comensais, outros adversos Quem maior a tiver do que eu ter pude, Esse só me censure, esse me note, Calem-se os mais chitom, e haja saúde.

FIM

9

Você pode estar interessado...

  • Por que o Brasil?
    Por que o Brasil? Clássicos Brasileiros por Luis P.
    Por que o Brasil?
    Por que o Brasil?

    Downloads:
    130

    Publicado:
    Apr 2019

    Por que o Brasil é um país atrasado?, livro de estreia do ativista político, empresário e descendente da família real Luiz Philippe de Orleans e Bragança, rev...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • História da Brasil
    História da Brasil História por A. A.
    História da Brasil
    História da Brasil

    Downloads:
    183

    Publicado:
    Feb 2019

    Ilustrado e didático, um livro essencial para todos que procuram um ponto de partida para se aprofundar na história do Brasil. Diz o poeta alemão Bertold Bre...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • Criação de sites Curitiba
    Criação de sites Curitiba Clássicos Brasileiros por Criação de sites Curitiba
    Criação de sites Curitiba
    Criação de sites Curitiba

    Downloads:
    20

    Publicado:
    Jan 2019

    Buscamos sempre surpreender os clientes com um site que cause impactocom design personalizado, estratégias de marketing aplicadas e conteúdosexclusivos.https:...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT

  • ÁRVORE - Uma Antologia Poética
    ÁRVORE - Uma Antologia Poética Clássicos Brasileiros por S. Reachers (Org.)
    ÁRVORE - Uma Antologia Poética
    ÁRVORE - Uma Antologia Poética

    Downloads:
    7

    Publicado:
    Jan 2019

    O termo grego ανθολογία (antologia), significa “coleção ou ramalhete de flores”. Daí o latim florilegium. O termo florilégio encaixa-se bem ao presente trabal...

    Formatos: PDF, Epub, Kindle, TXT