Soneto ao Árcade França por Manuel Maria Barbosa du Bocage  - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.
Soneto ao Árcade França

Bocage

No canto de um venal salão de dança,

Ao som de uma rebeca desgrudada,

Olhos em alvo, a porra arrebitada,

Bocage, o folgazão, rostia o França:

Este, com mogigangas de criança,

Com a mão pelos ovos encrespada,

Brandia sobre a roxa fronte alçada

Do assanhado porraz, que quer lambança:

Veterana se faz a mão bisonha;

Tanto a tempo meneia, e sua o bicho,

Que em Bocage o tesão vence a vergonha:

Quis vir-me por luxúria, ou por capricho;

Mas em vez de acudir-lhe alva langonha

Rebenta-lhe do cu merdoso esguicho.

Você pode estar interessado...