Susceptibilidade genética e outros fatores de risco associados ao sobrepeso e à obesidade em... por Claudia Blanes Angeli - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub, Kindle para obter uma versão completa.

Claudia Blanes Angeli

Susceptibilidade Genética e Outros Fatores de Risco

Associados ao Sobrepeso e à Obesidade em

Populações Afro-descendentes

do Vale do Ribeira-SP

São Paulo

2008

1

Claudia Blanes Angeli

Susceptibilidade Genética e Outros Fatores de Risco

Associados ao Sobrepeso e à Obesidade em

Populações Afro-descendentes

do Vale do Ribeira-SP

Tese apresentada ao Instituto de

Biociências da Universidade de São

Paulo, para a obtenção de Título de

Doutor em Ciências, na Área de

Biologia/Genética.

Orientador(a): Regina Célia Mingroni

Netto

São Paulo

2008

2

Angeli, Claudia B.

Susceptibilidade genética e outros fatores de risco

associados ao sobrepeso e à obesidade em populações

afro-descendentes do Vale do Ribeira-SP

212 páginas

Tese Doutorado- Instituto de Biociências da Universidade

de São Paulo. Departamento de Genética e Biologia

Evolutiva.

1.Obesidade 2.Sobrepeso 3.Susceptibilidade genética

4.Afro-descendentes

Comissão Julgadora:

________________________

_____ _______________________

Prof(a). Dr(a).

Prof(a). Dr(a).

_________________________

____________________________

Prof(a). Dr(a).

Prof(a). Dr(a).

Prof(a). Dr(a).

Orientador(a)

3

Ao meu pai, Sebastião Alberto Angeli,

com muito amor e saudades.

4

“Eu amo tudo o que foi,

Tudo o que já não é,

A dor que já me não dói,

A antiga e errônea fé,

O ontem que dor deixou,

O que deixou alegria

Só porque foi, e voou

E hoje é já outro dia.”

Fernando Pessoa

5

Agradecimentos

Agradeço especialmente à minha orientadora Regina Célia Mingroni Netto, não

somente pela orientação nesse trabalho, mas por toda sua amizade, dedicação e respeito que vêm permeando esses onze agradáveis anos de convivência.

Aos Drs. José Eduardo Krieger e Alexandre Pereira, do laboratório de Cardiologia

Molecular do Incor pela elaboração do projeto e especialmente ao Alexandre pela ajuda com as análises estatísticas e genealógicas.

Aos médicos de nossa equipe de pesquisa, Dr. João Pedro Vicente, Roberto Maluf e

Franklin Albert Kono pelo exame clínico dos indivíduos quilombolas.

Agradeço à Dra. Bárbara Piperata pelo treinamento para a coleta das medidas

antropométricas e pelo fornecimento de medidas adicionais de alguns indivíduos e à Dra.

Cristina Adams pela ajuda com o processamento e interpretação dos resultados

antropométricos das populações quilombolas.

Meus sinceros agradecimentos ao sempre presente Prof. Dr. Paulo Alberto Otto pelos

valiosos ensinamentos e pelo auxílio nas análises estatísticas.

Agradeço ao amigo Ricardo Godoi pela ajuda de última hora na interpretação de

algumas análises estatísticas.

Ao Dr. Rui Murrieta e a seus alunos: Mirella Abrahão Crevelaro pelo auxilio com as

referências bibliográficas sobre transição nutricional; Nelson Novaes Pedroso Jr., Aglair Pedrosa Primo e Carolina Santos Taqueda pelos dados do senso das populações quilombolas.

Às prefeituras dos municípios de Eldorado e Iporanga pelo apoio. Às irmãs Angela

Biagioni e Maria Sueli Berlanga, da Casa Paroquial de Eldorado e a Antônio Carlos Nicomedes, do MOAB, pela ajuda no contato com as comunidades.

Ao Fábio Casemiro Simões de Abreu, pelo auxílio com a tradução do resumo.

Agradeço à amiga Maria Teresa Auricchio pelo apoio técnico e ajuda nas viagens e à

grande amiga Eliete Pardono pela agradável companhia nas viagens de campo e por sua

disponibilidade em ajudar sempre que preciso.

À sempre disposta amiga e colega de trabalho Lilian Kimura, pelo grande empenho na

construção das genealogias, pela ajuda na parte laboratorial e na utilização dos programas estatísticos.

Agradeço aos Danis, Daniel Rincón e Daniela Uehara pelo auxílio na construção das

genealogias e aos demais colegas e ex-colegas do Laboratório de Genética Humana e

adjacências, dos quais sentirei muitas saudades: Ana Carla, Karina, Ronaldo, Andrea, Renata, Nelson, Inês, Jihane, Rafaella, Jacaré, Fernando, Juliana, Ana Cristina, Sylvie, Silvia, Carla, Carola, Larissa, Beto, Lígia, Mara, Fátima e Paulo.

Às Profas. Dras. Angela Morgante e Luciana Haddad pelo constante interesse pelo

meu trabalho e disponibilidade em ajudar.

Ás técnicas do Centro de Estudos do Genoma Humano, Camila Juncansen e Martha

Lima Cozzo pelo auxílio técnico com as genotipagens automáticas.

6

Aos motoristas do IBUSP pela competência e alegria durante as viagens.

Agradeço à minha família, Martha, Marcelo, Lili, Conchita e Yaya pelo apoio e carinho,

em especial à minha mãe Alba, por tudo que me ensinou e ainda me ensina, por seu amor

incondicional e acima de tudo, por sua impressionante e contagiante força interior, sem a qual esse trabalho não teria sido concluido.

Ao meu namorado Edu por seu amor, apoio e compreensão, pelas palavras de

incentivo e por estar ao meu lado nesse momento tão importante de minha vida. Agradeço

também à Lia, Eduzão, Fê, Marcel, Talita, Fil e Bia pela torcida.

Aos meus amigos pelo incentivo e pelas horas de lazer, responsáveis por tornar essa

jornada muito mais agradável.

Ao CNPq e à FAPESP pelo auxílio financeiro.

Ao Depto. de Genética e Biologia Evolutiva do IBUSP, pela infra-estrutura que permitiu

a realização desse estudo.

Aos indivíduos das comunidades quilombolas, especialmente aos líderes e agentes de

saúde, pela colaboração, sem a qual não teríamos concretizado esse trabalho.

7

Índice Geral

Resumo

1

Abstract

3

I.

Introdução

5

I.1. Definição de obesidade

6

I.2. A obesidade como um problema de saúde pública

6

I.3. Fisiologia da regulação do peso corporal

11

I.4. Classificação da obesidade segundo a etiologia

14

I.4.1. Obesidade sindrômica

16

I.4.2. Obesidade não-sindrômica monogênica

16

I.4.3. Obesidade multifatorial ou comum

19

I.5. Metodologias para o estudo da obesidade comum

20

I.5.1. Estudos de associação

20

I.5.2. Estudos de ligação em famílias

22

I.6. Genes candidatos

23

I.7. Polimorfismo A19G do gene LEP

25

I.8. Polimorfismo Gln223Arg do gene LEPR

26

I.9. Polimorfismo Arg16Gly do gene ADRB2

26

I.10. Polimorfismo Pro12Ala do gene PPARG

29

I.11. Polimorfismo 6209T>C do gene PLIN

31

I.12. Polimorfismo –420C>G do gene RETN

34

I.13. Polimorfismo rs7566605 do gene INSIG2

37

I.14. O modelo dos remanescentes de quilombos e sua contribuição ao estudo

da

obesidade

40

II.

Objetivos

43

III. Materiais e Métodos

45

III.1.

Amostras

46

III.2.Coleta de dados

47

8

III.2.1. Cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC) e outros parâmetros

antropométricos

49

III.2.2. Construção de genealogias

50

III.3. Métodos de análise molecular

50

III.3.1. Extração de DNA genômico

50

III.3.2. Determinação dos alelos dos polimorfismos

50

III.3.2.1. Polimorfismo A19G do gene LEP

51

III.3.2.2. Polimorfismo Gln223Arg do gene LEPR

52

III.3.2.3. Polimorfismo Arg16Gly do gene ADRB2

53

III.3.2.4. Polimorfismo Pro12Ala do gene PPARG

54

III.3.2.5. Polimorfismos 6209T>C do gene PLIN, –420C>G do gene RETN e rs7566605 do gene INSIG2

57

III.4. Análises estatísticas

58

III.4.1. Estudo populacional da obesidade

58

III.4.2. Estudos de associação entre polimorfismos e caracteres relacionados à

obesidade

60

III.4.2.1. Análises caso-controle

60

III.4.2.2. Análise de comparação entre as medianas do IMC, da Cc

e da RCQ em indivíduos com diferentes genótipos

60

III.4.2.3. Análises de regressão

61

III.4.2.4. Análises de segregação nas genealogias

61

IV.

Resultados

63

IV.1. Caracterização Antropométrica das Populações Remanescentes de

Quilombos do Vale do Ribeira

64

IV.1.1. Estatística descritiva e comparação entre os sexos

64

IV.1.2. Distribuição do Índice de Massa Corpórea

67

IV.3. Estudo da influência das Variáveis Sexo, Idade, Grau de Atividade Física,

tabagismo e ingestão de álcool sobre o IMC, a Cc e a RCQ

69

IV.4. Freqüência dos alelos e genótipos dos polimorfismos

79

IV.5. Estudos de associação caso-controle

80

9

IV.6. Comparação das medianas do IMC, Cc e RCQ

entre indivíduos com diferentes genótipos

101

IV.7.Análise de regressão linear múltipla incluindo os genótipos

110

IV.8. Análise de Regressão Logística incluindo os genótipos

117

IV 9. Análise de segregação nas genealogias

137

V. Discussão

145

V.1. Caracterização Antropométrica das Populações Remanescentes

de Quilombos do Vale do Ribeira

147

V.2. Estudos de associação dos polimorfismos aos fenótipos de obesidade

153

V.2.1. Polimorfismo A19G no gene LEP

153

V.2.2. Polimorfismo Gln223Arg no gene LEPR

155

V.2.3. Polimorfismo Arg16Gly no gene ADRB2

158

V.2.4. Polimorfismo Pro12Ala no gene PPARG

161

V.2.5. Polimorfismo 6209T>C no gene PLIN

163

V.2.6. Polimorfismo -420C>G no gene RETN

165

V.2.7. Polimorfismo rs7566605 no gene INSIG2

166

V.2.8. Análise de segregação nas genealogias

168

VI. Conclusões

170

VII.

Referências

Bibliográficas 173

Anexo

1

195

Anexo

2

197

Anexo

3

199

Anexo

4

201

Anexo

5

206

10

Índice de Figuras

Figura 1

8

Estimativa da prevalência do IMC acima de 25Kg/m2 e acima de 30 Kg/m2 em países de

diferentes regiões do mundo para o ano de 2005.

Figura 2

9

Prevalência de déficit de peso, peso normal, sobrepeso + obesidade e obesidade na

população brasileira adulta masculina e feminina.

Figura 3

10

Prevalência do déficit de peso, sobrepeso + obesidade e obesidade na população adulta

brasileira em cada sexo e em cada classe de rendimento familiar per capita.

Figura 4

11

Evolução da prevalência do déficit de peso, sobrepeso + obesidade e obesidade na

população adulta brasileira em cada sexo.

Figura 5

12

Evolução da prevalência do déficit de peso, sobrepeso + obesidade e obesidade na

população adulta brasileira em cada sexo e em cada região do país.

Figura 6

15

Regulação fisiológica do balanço energético.

Figura 7

42

Mapas dos estados de São Paulo e Paraná com a localização geográfica do Vale do

Ribeira e das comunidades estudadas.

Figura 8

42

Localização das comunidades remanescentes de quilombo estudadas.

Figura 9

52

Fotografia de um gel de poliacrilamida que mostra os alelos do polimorfismo A19G do

gene LEP.

Figura 10

53

Fotografia de um gel de poliacrilamida que mostra os alelos do polimorfismo Gln223Arg do

gene LEPR.

Figura 11

55

Fotografia de um gel de agarose que mostra os alelos do polimorfismo Arg16Gly do gene

ADRB2.

Figura 12

56

Fotografia de um gel de poliacrilamida que mostra os alelos do polimorfismo Pro12Ala do

gene PPARG.

Figura 13

59

Resultado da genotipagem automática dos polimorfismos 6209T>C do gene PLIN, -

420C>G do gene RETN e rs7566605 do gene INSIG.

Figura 14

68

Freqüência de indivíduos em cada faixa de IMC na população total, em homens e em

mulheres.

11

Figura 15

69

Porcentagem de homens e mulheres com subpeso + normais, com sobrepeso e obesos.

Figura 16

70

Porcentagem de homens e mulheres com subpeso + normais, com sobrepeso e obesos

em cada população estudada.

Figura 17

74

Distribuição das freqüências dos valores de GAF em homens e mulheres.

Figura 18

74

Distribuição das freqüências dos valores do GAF em homens e mulheres de acordo com o

IMC.

Figura 19

138

Distribuição das variáveis IMC, Cc e RCQ em todos os indivíduos utilizados nas análises

de segregação nas genealogias, e separados por sexo.

Figura 20

149

Freqüência de indivíduos com IMC<25 Kg/m2, 25≤IMC<30 Kg/m2 e IMC≥30 Kg/m2 nas

populações brasileiras urbana e rural e nas populações remanescentes de quilombo do

Vale do Ribeira.

12

Índice de Tabelas

Tabela I

17

Relação de síndromes genéticas humanas descritas até o momento em que a obesidade

faz parte do fenótipo.

Tabela II

18

Mutações em um único gene descritas até o momento responsáveis por causar obesidade

do tipo monogênica.

Tabela III

25

Evolução dos achados sobre a genética da obesidade no período de 1994 a 2005.

Tabela IV

27

Estudos de associação de variantes presentes no gene LEP e fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela V

28

Estudos de associação de variantes presentes no gene LEPR e fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela VI

30

Estudos de associação de variantes presentes no gene ADRB2 e fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela VII

32

Estudos de associação de variantes presentes no gene PPARG e fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela VIII

35

Estudos de associação de variantes presentes no gene PLIN e fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela IX

38

Estudos de associação de variantes presentes no gene RETN e fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela X

39

Estudos que analisaram a associação do polimorfismo rs7599906, próximo ao gene

INSIG2, a fenótipos relacionados à obesidade.

Tabela XI

47

Número total de habitantes de cada comunidade, número de habitantes com 17 anos ou

mais, número de indivíduos estudados e porcentagem de cobertura do estudo.

Tabela XII

48

Valor do GAF atribuído a cada indivíduo levando em consideração o tipo de atividade

diária.

Tabela XIII

49

Classificação dos indivíduos de acordo com seu IMC.

Tabela XIV

57

Seqüência dos primers utilizados para a genotipagem automática dos polimorfismos nos genes PLIN, RETN e INSIG2.

Tabela XV

65

Análise descritiva dos parâmetros antropométricos estudados na população total e sua

comparação entre homens e mulheres.

13

Tabela XVI

66

Descrição dos escores Z do peso, altura, IMC, perímetro braquial, pregas tricipital e

subescapular e soma das pregas, obtidas dos indivíduos estudados.

Tabela XVII

67

Freqüência de indivíduos com escores Z, referentes ao peso, altura e IMC, abaixo de -2,

entre -2 e 2 e acima de 2.

Tabela XVIII

73

Comparação dos parâmetros estudados nos grupos de homens e mulheres com IMC<25

Kg/m2 e IMC≥25 Kg/m2.

Tabela XIX

75

Comparação das freqüências dos valores de GAF entre homens e mulheres.

Tabela XX

75

Comparação das freqüências dos valores de GAF entre homens e mulheres com

IMC<25Kg/m2 e IMC≥25Kg/m2.

Tabela XXI

76

Resultados das análises de regressão linear múltipla.

Tabela XXII

78

Resultados das análises de regressão logística realizadas para cada sexo.

Tabela XXIII

81

Freqüência dos alelos e genótipos nos sete polimorfismos em cada população e na

amostra total.

Tabela XXIV

85

Comparação das freqüências dos alelos e genótipos dos polimorfismos estudados em

mulheres e homens com IMC<25 Kg/m2 e IMC≥25 Kg/m2.

Tabela XXV

89

Comparação das freqüências dos alelos e genótipos dos polimorfismos estudados em

mulheres e homens com IMC<30 Kg/m2 e IMC≥30 Kg/m2.

Tabela XXVI

93

Comparação das freqüências dos alelos e genótipos dos polimorfismos estudados em

mulheres com Cc < 80cm e Cc ≥ 80cm e homens com Cc < 94cm e Cc ≥ 94cm.

Tabela XXVII

97

Comparação das freqüências dos alelos e genótipos dos polimorfismos estudados em

mulheres com RCQ<0,81 e RCQ≥0,81 e homens com RCQ<0,96 e RCQ≥0,96.

Tabela XXVIII

101

Comparação entre as medianas do IMC entre os indivíduos com cada um dos três

genótipos e com os genótipos agrupados.

Tabela XXIX

104

Comparação entre as medianas da Cc entre os indivíduos com cada um dos três

genótipos e com os genótipos agrupados.

Tabela XXX

107

Comparação entre as medianas da RCQ entre os indivíduos com cada um dos três

genótipos e com os genótipos agrupados.

14

Tabela XXXI

111

Resultados das análises de regrassão linear que utilizaram como variável dependente o

IMC, a Cc e a RCQ e como variáveis independentes sexo, idade, GAF, tabagismo,

consumo de bebida alcoólica e os polimorfismos. Análises realizadas independentemente

para cada polimorfismo.

Tabela XXXII

112

Resultados das análises de regrassão linear que utilizaram como variável dependente o

IMC, a Cc e a RCQ e como variáveis independentes sexo, idade, GAF, tabagismo,

consumo de bebida alcoólica e os polimorfismos.

Tabela XXXIII

113

Resultados das análises de regrassão linear, para cada sexo, que utilizaram como variável dependente o IMC, a Cc e a RCQ e como variáveis independentes sexo, idade, GAF,

tabagismo, consumo de bebida alcoólica e os polimorfismos. Análises realizadas

independentemente para cada polimorfismo.

Tabela XXXIV

116

Resultados das análises de regrassão linear, para cada sexo, que utilizaram como variável dependente o IMC, a Cc e a RCQ e como variáveis independentes sexo, idade, GAF,

tabagismo, consumo de bebida alcoólica e os polimorfismos.

Tabela XXXV

118

Resultados das análises de regressão logística com IMC (IMC ≥ 25Kg/m2) como variável

dependente e como variáveis independentes a idade, tabagismo, consumo de bebida

alcoólica e cada polimorfismo.

Tabela XXXVI

123

Resultados das análises de regressão logística, realizada somente para as mulheres,

utilizando o IMC (IMC ≥ 30 Kg/m2) como variável dependente e como variáveis

independentes a idade, tabagismo, consumo de bebida alcoólica e cada polimorfismo.

Tabela XXXVII

126

Resultados das análises de regressão logística com Cc como variável dependente a e

como variáveis independentes a idade, tabagismo, consumo de bebida alcoólica e cada

polimorfismo estudado.

Tabela XXXVIII

131

Resultados das análises de regressão logística com a RCQ como variável dependente e

como variáveis independentes a idade, tabagismo, consumo de bebida alcoólica e cada

polimorfismo estudado.

Tabela XXXIX

139

Descrição do número de indivíduos e caracterização das famílias utilizadas nas analises

de segregação nas genealogias.

Tabela XL

139

Descrição das variáveis fenotípicas IMC, Cc e RCQ e coeficientes de correlação entre

pares de irmãos e primos em todos os individuos e em cada sexo separadamente.

Tabela XLI

140

Descrição da co-variável idade e coeficientes de correlação entre pares de irmãos e

primos em todos os individuos e em cada sexo separadamente.

Tabela XLII

141

Número total de indivíduos e número de homnes e mulheres que foram estudados e

heterozigose observada em cada loco.

Tabela XLIII

141

Herdabilidades referentes aos traços fenotípicos IMC, Cc e RCQ.

15

Tabela XLIV

143

Resultado da análise que testou a presença de estratificação populacional na amostra

constituída pelos indivíduos das 53 famílias estudadas.

Tabela XLV

143

Resultado das análises de associação de cada um dos sete polimorfismos ao IMC, RCQ e

Cc, utilizando pares de irmãos das 53 famílias estudadas.

Tabela XLVI

144

Resultado da análise que testou a associação total na amostra constituída de todos os

indivíduos genotipados presentes nas 53 famílias

Tabela XLVII

147

Resumo dos resultados positivos e negativos de associação dos fenótipos relativos à

obesidade aos polimorfismos.

16

Resumo

A obesidade comum, determinada por mecanismo de herança multifatorial, é

atualmente um dos problemas mais importantes de saúde publica no mundo. Estudos de

associação entre polimorfismos em genes candidatos e a predisposição à obesidade têm sido realizados em diferentes populações a fim de tentar esclarecer as bases genéticas que

controlam o acúmulo de gordura corporal. Esse trabalho teve por objetivo principal estudar a associação dos polimorfismos LEP A19G, LEPR Gln223Arg, ADRB2 Arg16Gly, PPARG

Pro12Ala, PLIN 6209T>C, RETN -420C>G e INSIG2 rs7566605 a medidas antropométricas relacionadas ao fenótipo de obesidade, tais como Índice de Massa Corporal (IMC),

Circunferência da Cintura (Cc) e Razão Cintura/Quadril (RCQ) em populações afro-

descendentes de remanescentes de quilombos, localizadas no Vale do Ribeira-SP. Além disso, procuramos identificar os principais fatores ambientais que influenciam o acúmulo de gordura corporal nessas populações. Nossa amostra constituiu-se de cerca de 790 indivíduos

genotipados em relação a esses sete polimorfismos dos quais foram coletadas medidas de

peso, altura, circunferências da cintura e do quadril, pregas cutâneas tricipital e subescapular e informações sobre o seu Grau de Atividade Física (GAF), tabagismo e consumo de álcool. Para os estudos de associação, os indivíduos foram analisados de duas formas distintas: como

indivíduos independentes e agrupados em 53 genealogias. As metodologias de estudo caso-

controle, comparação entre os valores das medianas entre indivíduos com diferentes genótipos e análises de regressão linear e logística foram empregadas quando estudamos os indivíduos de forma independente. Testes de estratificação populacional, associação total e associação dentro das famílias, utilizando pares de irmãos, foram realizados por meio do pacote

computacional QTDT ( Quantitative Transmission Disequilibrium Test). Nossos resultados indicaram uma maior freqüência de indivíduos com sobrepeso (IMC≥25 Kg/m2) e obesos

(IMC≥30 Kg/m2) entre as mulheres (52% e 17,5%, respectivamente) do que entre os homens

(17,5% e 2,75%, respectivamente), devido provavelmente à diferença em relação ao GAF, que é maior no grupo dos homens. Apesar de o GAF estar relacionado às diferenças observadas

entre homens e mulheres em relação ao IMC, ele não explica as diferenças encontradas em

relação ao IMC, Cc e RCQ entre indivíduos do mesmo sexo. Análises de regressão indicaram

que os parâmetros não-genéticos que parecem melhor explicar as variações do IMC são o

sexo e o tabagismo; da Cc são o sexo, a idade e o tabagismo e da RCQ, a idade e o sexo.

Análises de regressão logística indicaram que entre as mulheres, o aumento do risco de

apresentar fenótipos de sobrepeso, medidos por meio do IMC, Cc e RCQ, está relacionado ao fato de não fumar, consumir bebida alcoólica e ter maior idade.

As análises de associação indicaram que nessas populações o alelo Gln do

polimorfismo LEPR Gln23Arg está associado a valores maiores de IMC nas mulheres e RCQ

nos homens, conforme apontaram as análises caso-controle, de comparação entre medianas e

regressões linear e logística. O alelo Arg do polimorfismo ADRB2 Arg16Gly está associado a 1

valores maiores de Cc e RCQ apenas entre os homens, conforme indicaram as análises de

comparação entre as medianas e regressão linear. O alelo Ala do polimorfismo PPARG

Pro12Ala está associado a valores maiores de IMC, Cc e RCQ nas mulheres, conforme apontaram as análises caso-controle, de comparação entre medianas e regressão linear. O

alelo A do polimorfismo PLIN 6209T>C está associado a valores maiores de IMC e Cc entre as mulheres e a valores maiores de IMC, Cc e RCQ entre os homens, conforme indicaram os

resultados obtidos com a análise de comparação entre medianas, regressão linear e regressão logística. Apenas entre as mulheres o alelo G do polimorfismo RETN -420C>G mostrou-se associado a valores mais altos de IMC e Cc de acordo com os resultados obtidos com a

comparação entre medianas e com a regressão logística. Os resultados obtidos com as

análises caso-controle e de comparação entre medianas indicaram que o alelo C do

polimorfismo INSIG2 rs7566605 está associado a valores maiores de Cc nas mulheres e IMC

nos homens. O único resultado positivo de associação detectado por meio da análise de pares de irmãos refere-se ao polimorfismo LEP A19G e o IMC, sendo o alelo G o que está associado aos valores maiores em ambos os sexos. Em resumo, nossos resultados sugerem a

participação dos genótipos nos genes LEP, LEPR, ADRB2, PPARG, PLIN, RETN e INSIG2 na predisposição à obesidade nas populações de remanescentes de quilombos do Vale do

Ribeira.

2

Abstract

Obesity, which is determined by multifactorial inheritance, is currently one of the most

important issues concerning public health all over the world. Studies on the association of polymorphisms in genes with a possible role in the susceptibility to obesity have been

conducted in different populations in the world, in order to elucidate the genetic basis that control the accumulation of body fat. This work had as the main goal to study the association of the polymorphisms LEP A19G, LEPR Gln223Arg, ADRB2 Arg16Gly, PPARG Pro12Ala, PLIN

6209T>C, RETN -420C>G and INSIG2 rs7566605 to the anthropometrical measurements related to the phenotype of obesity, such as Body Mass Index (BMI), Waist Circumference (WC) and Waist to Hip Ratio (WHR) in african-derived populations from remnants of quilombos,

located in Ribeira Valley, in State of São Paulo, Brazil. Furthermore, we sought to identify the main environmental factors that influenced the accumulation of body fat in these populations.

Our sample comprises about 790 individuals genotyped in relation to these seven

polymorphisms, from which measurements of weight, height, hip and waist circumferences,

tricipital and subscapular skinfolds, and information about the Physical Activity Level (PAL), alcohol and tobacco consumption were obtained. For the association studies, the individuals were analyzed in two distinct ways: as independent individuals or grouped in 53 genealogies.

The methodologies of case-control study, comparison between the medians among individuals with different genotypes, linear and logistic regression analysis were applied when we studied the individuals in the independent approach. Tests of population stratification, total association and association within the families, using pairs of siblings, were conducted by the computational pack QTDT (Quantitative Transmission Disequilibrium Test). Our results indicated a higher incidence of overweighed (BMI≥25 Kg/m2) and obese individuals (BMI≥30 Kg/m2) among

women (52% and 17,5%, respectively) than among men (17,5% and 2,75%, respectively),

probably due to the difference in the PAL, which is higher among men. Although the PAL is related to the differences in BMI observed between men and women, it does not explain the differences in relation to the BMI, WC and WHR found among individuals of the same sex.

Regression analyses indicated that the non-genetic parameters that better explain the variations of BMI are sex and tobacco consumption; for WC are sex, age and tobacco consumption and

for the WHR are age and sex. Logistic regression analyses indicated that among women, the increase in risk of presenting overweight, measured by the BMI, WC and WHR is related to not smoking (BMI, WC), consuming alcohol (BMI) and being elder (WC, WHR). The association

analyses indicated that in these populations, the allele Gln of the polymorphism LEPR Gln23Arg is associated to higher values of BMI in women and WHR in men, as the case-control, median comparisons and linear regressions analyses indicated. The allele Ala of the polymorphism PPARG Pro12Ala is associated to higher values of BMI and WC among women and higher values of BMI, WC and WHR among men, according to the results obtained with the median

comparison, and linear and logistic regressions analyses. Only among women, the allele G of 3

the polymorphism RETN -420C>G was associated to higher BMI and WC values, as from the analysis of comparison of medians, and logistic regression indicated. The results obtained with the case-control analyses and median comparisons, suggested that the allele C of the

polymorphism INSIG2 rs7566605 is associated to higher values of WC in women and BMI in men. The only positive result of association detected by the analysis of pairs of siblings is related to the polymorphism LEP A19G and the BMI. The allele G is associated to higher values of BMI in both sexes. As a summary, our results indicate the participation of the genotypes in genes LEP, LEPR, ADRB2, PPARG, PLIN, RETN and INSIG2 in the susceptibility to obesity in african-derived populations from quilombos in Ribeira River Valley.

4

I. Introdução