Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma... por Janaina Marques de Aguiar - Versão HTML

ATENÇÃO: Esta é apenas uma visualização em HTML e alguns elementos como links e números de página podem estar incorretos.
Faça o download do livro em PDF, ePub para obter uma versão completa.

AGRADECIMENTOS

Em primeiro lugar gostaria de agradecer à Professora Doutora Ana Flávia d‟Oliveira,

que me orientou neste trabalho e para muito além dele. Seus exemplos, seu apoio e

seu afeto sedimentaram minhas referências do que desejo ser como mulher e como

profissional; foram fundamentais no meu processo de adaptação aqui e fizeram deste

um encontro muito feliz.

Agradeço também às Professoras Doutoras da minha banca de qualificação, Wilza

Villela, Simone Diniz e Lilia Blima Schraiber, pela importante contribuição que

deram para a continuidade deste trabalho com seus comentários e sugestões. Em

especial à Professora Lilia Blima Schraiber, pela inestimável contribuição durante

todo o meu percurso nesta instituição e pela acolhida no grupo.

Aos professores e amigos, André Mota, Wagner Figueiredo e, mais uma vez a

Simone Diniz, por todas as interlocuções em inúmeros cafés e almoços na Faculdade.

Àquelas que me indicaram o caminho e me incentivaram a vir tão longe, Karen

Giffin e Sônia Dantas Berger, amigas e parceiras queridas.

Aos insubstituíveis Ricardo Góes e Lilian, por toda ajuda que me deram e que, em

alguns momentos, me “salvou” de ficar completamente perdida;

Às mulheres que me presentearam com a história de seus partos, dividindo dúvidas,

alegrias, angústias e esperanças trazidas por esse momento, e sempre com a

acolhedora recepção de um cafezinho;

Aos profissionais entrevistados, pela disponibilização generosa de suas horas de

folga ou intervalos no trabalho para compartilhar suas experiências, e por terem

acreditado na importância deste trabalho;

Aos profissionais das UBSs onde coletei os dados da pesquisa pela inestimável ajuda

e solidariedade com minhas dificuldades. Em especial, aos que depois se tornaram

mais do que colaboradores, queridos amigos;

À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pela bolsa e

sua reserva técnica que financiaram este trabalho. Agradeço, sobretudo, à paciência

das funcionárias do setor financeiro com minhas incontáveis dúvidas.

Aos meus amigos, pela paciência e compreensão com todas as minhas ausências

durante esses três anos. Não poderia citar todos sem correr o risco e sob o receio de

esquecer algum, mas aos de longa jornada agradeço em especial aos amigos Marcello

e Cid, pelo carinho de tanto tempo e socorro providencial na finalização da minha

tese; a Claudinha, Cris e Mônica, irmãs com as quais a vida me presenteou, e que

sempre foram fiéis incentivadoras e parceiras em minhas jornadas;

Aos “MRPs”, uma família de amigos que me esperava aqui quando cheguei a esta

cidade tão insólita à primeira vista;

Aos amigos que encontrei aqui. Cada um no seu tempo e do seu jeito compartilhou

das minhas alegrias, angústias, dúvidas e pretensas certezas. Pelo carinho, paciência

e apoio em momentos incertos, agradeço em particular a Júlia, Cláudia e Jô, Sônia

Hotimsky, Ana Tereza, Andréia, Bruna, Laila, Tathi, Cristina, Lou, Helô, Felipe,

Tiago e Mirian;

A Thiago e Demian, meus dois mais pacientes interlocutores masculinos neste

universo de feminilidades em que estive mergulhada;

A Vanja, pelo feliz encontro e acolhida terapêutica que tanto ajudou a não me perder

de vista;

E finalmente, àqueles que são sempre os mais importantes na minha história, aos

meus pais e à minha irmã, por todo amor e apoio, sempre incondicionais, e por me

mostrarem que, mais importante do que saber para onde se vai, é saber de onde se

veio e que se tem para onde voltar;

E à minha sobrinha, Rafaella, pelo irresistível convite para olhar a vida com mais

simplicidade.

SUMÁRIO

Introdução

1

Cap.I – Violência Institucional: definindo o termo.

14

1.1. Violência institucional como uma questão de gênero.

21

1.2. Violência e poder: algumas considerações teóricas.

24

Cap.II – Autoridade médica, suas práticas e a medicalização do

33